Você está na página 1de 34

UFCD: 9208 - Inteligência emocional

Formador/a:
Emoção é uma palavra que deriva do latim
e movere, ou seja, pôr em movimento. Esta
palavra encerra então em si o conceito de
movimento. Então, emoção é algo que nos
prepara para a ação, algo que nos obriga a
agir.
As nossas emoções, afirmam e
servem-nos de guia quando
temos de enfrentar situações e
tarefas demasiado importantes
para serem deixadas apenas a
cargo do intelecto. Cada emoção
representa uma diferente
predisposição para ação, cada
uma delas aponta-nos numa
direção que já noutras ocasiões
resultou bem para enfrentar o
mesmo tipo de problema.
O sentimento de qualquer emoção é a coisa mais natural no ser
humano. Mesmo as emoções que geralmente olhamos como
negativas, como o medo, têm uma função específica e vital, como a
sobrevivência: nós sentimos medo para nos defendermos de
determinada situação que nos assusta.

Nós ficamos tristes para ultrapassarmos um desgosto que


tivemos. Sentirmos a tristeza é a melhor forma de não cairmos em
depressão, essa sim, um estado não natural.
O QUE SÃO ENTÃO AS EMOÇÕES?

As emoções são conjuntos complicados de respostas químicas e neurais que


formam um determinado padrão cerebral. António Damásio

Uma emoção é uma resposta fisiológica que um organismo dá a um


determinado estímulo. Isabelle Filliozat
Cérebro

Interessa lembrar que o hemisfério direito comanda o lado


esquerdo do corpo humano e o esquerdo, o lado direito. Algumas
características importantíssimas do cérebro humano já foram
descobertas, principalmente no aspeto fisiológico. Pesa
aproximadamente 1,4 quilos, é composto de massa gelatinosa e
dispõe de cerca de 100 bilhões de células especiais, denominadas
neurônios.
Nos anos 70 do século XX, Mac Lean (1955), descreveu que o cérebro humano é
formado por três sistemas:

a) o reptiliano (de onde surge a inteligência);

b) b) límbico (de onde surgem os neurônios emocionais);

c) c) neocórtex (de onde surge a razão), fisiologicamente cada um funcionam


de forma semi-autônoma e simultânea aos outros. Nos dois primeiros
(reptiliano e límbico) é que estão alojadas as emoções humanas.
Uma emoção dura apenas alguns momentos e desenvolve-se
em três etapas:

CARGA (percepção e interpretação do estímulo e libertação de


neurotransmissores);

TENSÃO (o corpo prepara-se para reagir)

DESCARGA (acção do organismo que permite repor o equilíbrio)

Neurotransmissores são substâncias químicas produzidas pelos neurônios (as células nervosas), com a função de biossinalização.
Por meio delas, podem enviar informações a outras células. Podem também estimular a continuidade de um impulso ou efetuar a
reação final no órgão ou músculo alvo. Os neurotransmissores agem nas sinapses, que são o ponto de junção do neurônio com outra
célula.
Gramática Emocional
ELEMENTOS MANIFESTAÇÕES COMENTÁRIOS

Aceleração do ritmo As reações do tipo


cardíaco fisiológico podem seguir
um de dois caminhos, a
Modificações Fisiológicas Aumento da tensão ativação ou a inibição
arterial
Secura da boca
Tensão muscular

Alegria Todas as emoções têm um


Sensações agradáveis Prazer Dor carácter agradável ou
ou degradáveis Calma desagradável e são elas
Apatia que orientam os
comportamentos no
sentido da procura ou do
evitamento

Sobrolho franzido Em todas as emoções


Olhos existem expressões a
nível da face e do corpo.
Expressões faciais semicerrados Estas expressões têm a
Maxilares e músculos tensos característica de serem
Ombros projetados para trás universais

Alegria São comportamentos


Comportamentos Prazer desencadeados para
adaptativos Dor garantir a sobrevivência.
Calma Eles são associados a
Apatia comportamentos
específicos

Valores Determina se a situação


Ideais se apresenta como
aceitável, se é correta ou
Avaliação cognitiva Princípios incorreta, justa ou
injusta, bela ou feia
Assim, para que serem as emoções? As emoções, todas elas, têm
uma utilidade que é necessário compreender: elas permitem-nos
sobreviver, reagindo com rapidez, ajudando-nos a tomar decisões
e facilitam ainda a nossa comunicação com os outros.
Controlar as nossas emoções não é mais do que ter
capacidade para assumir os nossos sentimentos, de forma
a encontrar soluções para os medos, as frustrações, as
fraquezas.
Vamos agora perceber para que servem as emoções, como se manifestam
e porquê existem?

Para entender os princípios básicos que envolvem a expressão de uma emoção,


basta pensar em ações que estão fora do controle da vontade. É involuntário,
por exemplo, salivar diante de um prato apetitoso ou controlar a ação do
sistema nervoso quando os batimentos cardíacos e a circulação do sangue se
alteram em momentos de tensão.
Paul Ekman aponta a existência de seis emoções básicas
que determinam o comportamento emocional:

Tristeza

Surpresa (ou espanto)

Medo

Raiva

Nojo

Alegria
1 - Tristeza
A tristeza está diretamente relacionada ao
sentimento de perda, seja ela física ou
emocional, em relações pessoais,
profissionais ou sociais. Trata-se de um
sentimento com duração prolongada, que
pode permanecer, pelo menos alguns
minutos ou por horas ou até vários dias.
Há três regiões da face que são acionadas no momento em que uma
pessoa apresenta tristeza: as sobrancelhas, os olhos e a boca.
Os cantos internos das sobrancelhas ficam elevados e aproximados
(1). Há elevação dos cantos internos da pálpebra superior (2) e a
pálpebra inferior pode parecer levantada (3). As extremidades dos
lábios são atraídas para baixo (4) ou os lábios parecem tremer (5).
2 – Surpresa (ou espanto)

Acontecimentos súbitos ou inesperados


são os pontos de partida para que a
surpresa seja vivenciada. A ação facial
possui duração instantânea, por este
motivo, essa emoção é classificada como
“a mais breve das emoções”.
Os olhos, a boca e as sobrancelhas são as três regiões a serem
observadas mediante o surgimento de algo inesperado. As
sobrancelhas são erguidas, os olhos são escancarados e a
mandíbula se abre, separando os lábios.
3 - Medo

Expresso nas mesmas regiões do rosto e com


características semelhantes à surpresa, o medo
pode ser entendido como a mais destrutiva das
emoções.
Enquanto a surpresa é breve, o medo pode ser
duradouro e, se prolongado, transforma-se em
terror.
Observe que na testa onde há medo, as sobrancelhas estão
levantadas (1), assim como na sobrancelha de surpresa, mas
além desse levantamento elas estão juntas, de forma que as
partes internas (2) aproximam-se mais no medo do que na
surpresa. Na testa onde se observa o medo, há rugas horizontais
(3), mas elas não aparecem em toda a testa, como acontece em
surpresa (4).
Observe que tanto nos olhos do medo, quanto nos de surpresa, a pálpebra superior
é erguida, expondo a parte esclerótica (branca do olho) acima da íris (1). Apesar
do medo e da surpresa compartilharem essa característica, elas diferem em relação
à pálpebra inferior, que é tensa e erguida durante o medo (2) e relaxada durante
surpresa. A tensão e o levantamento da pálpebra inferior em medo, podem ser
suficientes para cobrir parte da íris (3).
4 - Raiva
Definida por Ekman como a mais perigosa das emoções
e, frequentemente, ligada a sentimentos de frustração, a
raiva pode variar em intensidade, “de uma leve irritação
ou aborrecimento para raiva ou fúria.
Trata-se de uma emoção que pode ser ocasionada por
confronto de valores morais, expectativas frustradas,
ataque verbal, físico ou psicológico, podendo ser
direcionada não necessariamente a uma pessoa, mas a
algum objeto ou acontecimento que gere frustração.
A raiva está representada à esquerda e o medo está à
direita, é possível notar que na raiva a sobrancelha mostra-se
caída, enquanto que no medo a sobrancelha é erguida. É essa
a principal diferença na expressão.
Os lábios pressionados um contra o outro
(A e B) sugerem que há a tentativa de
controle verbal, enquanto que a raiva
expressa com a boca aberta (D e
E) ocorre durante a fala, numa expressão
verbal da emoção. A figura C, a expressão
neutra, serve de comparativo para com as
demais.
Ekman ressalta que a raiva é uma das
únicas emoções que, se apresentada em
apenas duas regiões da face, pode ter uma
interpretação ambígua. Essa incerteza
“pode ser reduzida pelo tom de voz,
postura corporal, movimento das mãos ou
palavras enunciadas, assim como o
contexto em que a expressão surge”.
5 - Nojo

Não é possível definir exclusivamente o


que poderá causar repulsa, já que se trata
de uma questão muito pessoal. Ekman
define que “o que é repulsivo para pessoas
em uma cultura, pode ser atrativo para
pessoas em outra”.
O levantamento do lábio superior (1) pode permitir o aparecimento
de rugas (2), que poderão variar conforme a intensidade do
desgosto. O lábio inferior pode se mostrar erguido e levemente
protraído (4) e o levantamento das bochechas produz linhas abaixo
do olho (5).
6 - Alegria

Classificada como uma emoção positiva e


associada aos sentimentos de realização, a
felicidade difere de pessoa para pessoa na
maneira como é sentida.
Ekman defende que os sinais faciais de felicidade são expressos
pelos cantos dos lábios, que são puxados para trás e para cima. Eles
podem ou não separar-se e os dentes podem ou não ser expostos. O
aparecimento de rugas dá-se na região nasolabial e nas bordas
externas dos olhos. Pode-se observar um levantamento das pálpebras
inferiores, porém, elas não demonstram tensão.

Você também pode gostar