Você está na página 1de 92

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CEFET-MG UNIDADE CURVELO


CURSO EM BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL

GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

PROFESSOR ALEXANDRE MAGNO

GABRIEL LOPES RODRIGUES


MARIANA FERNANDES PEREIRA
REBECCA DE MOURA
RÔMULO BULDRINI FILOGÔNIO
SILVIA GREGÓRIO PACHECO
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
Norma é o documento estabelecido por
consenso e aprovado por um organismo
reconhecido, que fornece regras, diretrizes
ou características mínimas para atividades
ou para seus resultados, visando à
obtenção de um grau ótimo de ordenação
em um dado contexto;

Normalização é um sistema que organiza as atividades


de criação e utilização de regras que irão contribuir para o
crescimento econômico e social;
INTRODUÇÃO
Normalização é um sistema que organiza as atividades de criação e
utilização de regras que irão contribuir para o crescimento econômico
e social.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

CONCEITO DE
NORMALIZAÇÃO
CONCEITOS DE NORMALIZAÇÃO
A normalização é também o método
que aborda, ordenadamente,
determinada atividade, estabelecendo,
com a participação de todos os
interessados, regras que ajustem os
interesses coletivos e promovam a
padronização e a otimização da
sociedade;
CONCEITOS DE NORMALIZAÇÃO
A normalização favorece o
desempenho das empresas, ao
estimular a competitividade nos
mercados e a conscientização dos
consumidores, que passam a exigir
produtos certificados.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

OBJETIVOS
OBJETIVOS
• Reduzir os procedimentos de fabricação e os tipos de produtos e sistematizar as
atividades produtivas, trazendo, em consequência, a redução de serviços e seus
custos indiretos, em benefício do consumidor;

• Favorecer a troca de informação entre fornecedores e clientes, garantindo a


confiabilidade em suas relações;

• Possibilitar a aferição da qualidade de produtos e serviços, garantindo a


proteção do consumidor;

• Reduzir a diversidade de regulamentos instituídos pelos diversos países para


produtos e serviços, contribuindo para a suspensão das barreiras comerciais.
OBJETIVOS
PERGUNTA:
O que é
Normalização?

RESPOSTA:
Normalização é um sistema que
organiza as atividades de
criação e utilização de regras
que irão contribuir para o
crescimento econômico e social.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

CLASSIFICAÇÃO DAS
NORMAS
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
A série de normas ISO, foram criadas
pela Organização Internacional de
Padronização (ISO), com o objetivo de
melhorar a qualidade de produtos e
serviços.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
A ISO, é uma das maiores organizações que desenvolve normas
no mundo, e foi criada a partir da união da:

 ISA - International Federation of the National Standardizing Associations,


e da
 UNSCC - United Nations Standards Coordinating Committee. Assim, a ISO
começou a funcionar oficialmente no ano de 1947.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
Estas normas, certificam produtos e
serviços em várias organizações no mundo
todo.

Essa normalização está baseada em um


documento, que oferece um modelo padrão
para a implantação do Sistema de Gestão
da Qualidade.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
No Brasil, estas normas são compostas pela sigla NBR. Elas são
criadas e gerenciadas pela Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT).
As normas mais conhecidas são:
• ABNT NBR ISO 9000 - Sistema de Gestão da Qualidade (Fundamentos e
Vocabulário) - documento que contém todos os termos utilizados no sistema;
• ABNT NBR ISO 9001 - Sistema de Gestão da Qualidade (Requisitos) - explica os
requisitos para obter a certificação;
• ABNT NBR ISO 9004 - Gestão para o Sucesso Sustentado de uma Organização
(Uma abordagem de Gestão da Qualidade) - é um documento com instruções para
implantar o Sistema de Gestão da Qualidade.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
As normas ISO 9000 e 9001, são as principais normas
relacionadas ao modelo de gestão da qualidade. Essas normas
são utilizadas por empresas que desejam utilizar sistemas de
gestão e serem certificadas por meio desse organismo
internacional.

Elas foram criadas, a partir de uma reunião internacional para a


definição do conjunto de melhores práticas de qualidade, a
serem adotadas para atender os clientes.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
A empresa que escolhe seguir estas normas, deverá estipular as
metas a serem atingidas para obter a certificação. Além disso,
deverá passar por um projeto com várias etapas para implantar a
gestão da qualidade e obter o certificado ISO.
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
CLASSIFICAÇÃO DAS NORMAS
• Algumas normas na área industrial e o significado:
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

CNI- CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DAS
NORMAS
CIN - CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DAS NORMAS
Entrar em determinados mercados, sejam nacionais ou
estrangeiros, é sempre um desafio.

Para serem mais competitivos, os empresários muitas vezes


precisam adequar seus produtos ou serviços à Normalização do
país.
CIN - CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DAS NORMAS
Para isso, é preciso estar atento às Normas Técnicas, e com a
utilização da Classificação Internacional de Normas (CIN), a
International Classification for Standards (ICS), é possível obtê-las
por assunto específico nos organismos de normalização.
A utilização da CIN serve como base para identificar informações
sobre as atividades de desenvolvimento de normas, buscar novas
tecnologias, avaliar os investimentos de empresas em segurança
de produtos e serviços, facilitar a procura de normas em outros
países e diminuir as barreiras linguísticas.
CIN - CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DAS NORMAS
A Classificação Internacional de Normas (CIN) destina-se a ser
utilizado como uma estrutura para catálogos de normas e outros
documentos normativos internacionais, regionais e nacionais, e
como uma base para sistemas regulares de normas internacionais,
regionais e nacionais

Também pode ser utilizado para classificação de normas e


documentos normativos em bases de dados, bibliotecas etc.
PERGUNTA:
QUAIS FORAM OS
TIPOS DE NORMAS
INDUSTRIAIS
APRESENTADAS?

RESPOSTA:
Qualidade, Tecnologia da
Informação, Automóvel,
ambiente, Segurança e saúde, e
Segurança alimentar.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

ÓRGÃOS QUE PUBLICAM


NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
ÓRGÃOS QUE PUBLICAM
NORMAS E TIPOS
PERGUNTA:
QUAL O SIGNIFICADO DA
SIGLA DO ÓGÃO NFPA (inglês
ou português) QUE PUBLICA
ALGUMAS NORMAS?

RESPOSTA:
INGLÊS: National Fire Protection
Association
PORTUGUÊS: Associação Nacional
de Proteção contra Incêndio
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

MACROSSETORES E
COMITÊS
MACROSSETORES E COMITÊS
A crescente demanda por Normas Técnicas vem resultando no
surgimento de novos Comitês Técnicos na ABNT.

Para possibilitar uma melhor visão dos assuntos que são abordados na
Normalização, estes Comitês foram divididos em grupos, denominados
Macrossetores da Normalização.
MACROSSETORES E COMITÊS
Lista de Macrossetores:
Agricultura e Tecnologia de Alimentos
Construção civil. Infraestrutura
Embalagem, Transporte e Distribuição de bens
Energia, Eletroeletrônica, Tecnologia da informação e comunicações
MACROSSETORES E COMITÊS
Lista de Macrossetores:
Máquinas e Equipamentos mecânicos, Equipamentos de transporte
Produtos domésticos e comerciais, Entretenimento, Esportes
Qualidade e Tecnologias de gestão
Química, Materiais e Tecnologias de fabricação
Saúde, Segurança e Meio ambiente
Serviços
MACROSSETORES E COMITÊS
Lista de Comitês Técnicos (alguns, são aprox. 280):
ABNT/CB-001 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia
ABNT/CB-002 - Comitê Brasileiro da Construção Civil
ABNT/CB-003 - Comitê Brasileiro de Eletricidade
ABNT/CB-004 - Comitê Brasileiro de Máquinas e Equipamentos Mecânicos
ABNT/CB-005 - Comitê Brasileiro Automotivo
ABNT/CB-006 - Comitê Brasileiro Metroferroviário
ABNT/CB-007 - Comitê Brasileiro de Navios, Embarcações e Tecnologia
Marítima
ABNT/CB-008 - Comitê Brasileiro de Aeronáutica e Espaço
MACROSSETORES E COMITÊS
Lista de Comitês Técnicos (alguns, são aprox. 280):
ABNT/CB-009 - Comitê Brasileiro de Gases Combustíveis
ABNT/CEE-251 – Comissão de Estudo Especial de Gestão de Ativos
ABNT/CEE-261 - Comissão de Estudo Especial de Manufatura Aditiva
ABNT/CEE-267 - Comissão de Estudo Especial de Facility Management
ABNT/CEE-268 – Comissão de Estudos Especial de Desenvolvimento
Sustentável em Comunidades
ABNT/CEE-276 - Comissão de Estudo Especial de Biotecnologia
ABNT/CEE-277 - Comissão de Estudo Especial de Compras Sustentáveis
MACROSSETORES E COMITÊS
Lista de Comitês Técnicos (alguns, são aprox. 280):
ABNT/CEE-278 - Comissão de Estudo Especial Antissuborno
ABNT/CEE-298 - Comissão de Estudo Especial de Terras Raras
ABNT/CEE-299 – Comissão de Estudo Especial de Açúcar
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

EVOLUÇÃO DAS NORMAS


EVOLUÇÃO DAS NORMAS
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

EXEMPLO DE
INTERDEPENDÊNCIA
EXEMPLO DE
INTERDEPENDÊNCIA
EXEMPLO DE
INTERDEPENDÊNCIA
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

CARACTERÍSTICA DAS
NORMAS
CARACTERÍSTICA DAS NORMAS
Asseguram as características desejáveis de produtos e serviços, como:
o qualidade,
o segurança,
o confiabilidade,
o eficiência,
o intercambialidade,
o bem como respeito ambiental – e tudo isto a um custo econômico.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

AUSÊNCIA DAS NORMAS


AUSÊNCIA DAS NORMAS
Quando os produtos, sistemas, máquinas e dispositivos
trabalham bem e com segurança, quase sempre é porque eles
atendem às normas.

As normas têm uma enorme e positiva contribuição para a


maioria dos aspectos de nossas vidas. Quando elas estão
ausentes, logo notamos.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

AS NORMAS
AS NORMAS
As normas também:
• tornam o desenvolvimento, a fabricação e o fornecimento de produtos
e serviços mais eficientes, mais seguros e mais limpos;

• facilitam o comércio entre países tornando-o mais justo;

• fornecem aos governos uma base técnica para saúde, segurança e


legislação ambiental, e avaliação da conformidade;
AS NORMAS
As normas também:
• compartilham os avanços tecnológicos e a boa prática de gestão;

• disseminam a inovação;

• protegem os consumidores e usuários em geral, de produtos e


serviços;

• tornam a vida mais simples provendo soluções para problemas


comuns.
PERGUNTA:
QUAIS SÃO AS
CARACTERÍSTICAS DAS
NORMAS?

RESPOSTA:
Qualidade, segurança, confiabilidade,
eficiência, intercambialidade, bem como
respeito ambiental – e tudo isto a um
custo econômico.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

NÍVEIS DE NORMALIZAÇÃO
NÍVEIS DE NORMALIZAÇÃO
Os níveis da normalização
costumam ser representados
por uma pirâmide, que tem em
sua base a normalização
empresarial, seguida da
nacional e da regional, ficando
no topo a normalização
internacional.
NÍVEIS DE NORMALIZAÇÃO
Nível internacional:
• normas técnicas de abrangência mundial, estabelecidas por uma
Organização Internacional de Normalização. São aceitas pela
Organização Mundial do Comércio (OMC) como a base para o
comércio internacional.
Nível regional:
• normas técnicas estabelecidas por uma Organização Regional ou
Sub-Regional de Normalização, para aplicação em um conjunto de
países de uma região, como a Europa ou o Mercosul. São
denominadas Normas Regionais e aplicáveis ao conjunto de países
representados na Organização Regional.
NÍVEIS DE NORMALIZAÇÃO
Nível nacional:
• normas elaboradas pelas partes interessadas (governo, indústrias,
consumidores e comunidade científica de um país) e emitidas por um
Organismo Nacional de Normalização, reconhecido como autoridade
para torná-las públicas. Aplicam-se ao mercado de um país e,
frequentemente, são reconhecidas pelo seu ordenamento jurídico
como a referência para as transações comerciais. Normalmente são
voluntárias, isto é, cabe aos agentes econômicos decidirem se as
usam ou não como referência técnica para uma transação.
NÍVEIS DE NORMALIZAÇÃO
Nível de associação:
• normas desenvolvidas no âmbito de entidades associativas e técnicas
para o uso de seus associados. Mas, também, chegam a ser utilizadas
de forma mais ampla, podendo se tornar referências importantes no
comércio em geral.
Nível empresarial:
• normas elaboradas por uma empresa ou grupo de empresas com a
finalidade de orientar as compras, a fabricação, as vendas e outras
operações.
PERGUNTA:
QUAL NÍVEL DE
NORMALIZAÇÃO É
ACEITO PELA OMC?

RESPOSTA:
Normalização Internacional
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
A utilização da normalização para os produtos, serviços e
processos tem uma série de benefícios para as empresas e para
os consumidores. São eles:
Economia: proporcionar a redução da crescente variedade de
produtos e procedimentos, resultando em economia de recursos
empregados.
Comunicação: promover meios mais eficientes para a troca de
informações entre os fabricantes e os clientes, aumentando, assim, a
confiabilidade das relações comerciais e de serviços.
Segurança: proteger a vida humana e a saúde.
BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
A utilização da normalização para os produtos, serviços e
processos tem uma série de benefícios para as empresas e para
os consumidores. São eles:
Simplificação: reduzir a crescente variedade de procedimentos e
tipos de produtos.
Proteção ao consumidor: ampliar a qualidade de produtos e serviços
e defender os interesses dos consumidores e cidadãos.
Desenvolvimento sustentável: desenvolver métodos para avaliação
de impactos ambientais, sociais e econômicos e ferramentas para
mitigação dos efeitos que causam esses impactos, e de procedimentos
e tipos de produtos.
BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
A utilização da normalização para os produtos, serviços e processos
tem uma série de benefícios para as empresas e para os
consumidores. São eles:
Eliminação de barreiras técnicas e comerciais: evitar a existência de
regulamentos conflitantes sobre produtos e serviços em diferentes países,
facilitando o intercâmbio comercial.
É utilizada cada vez mais como um meio para alcançar a redução de
custo da produção e do produto final, mantendo ou melhorando sua
qualidade, aumentando dessa forma a competitividade das empresas
que têm seus processos e sistemas normalizados.
BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
10 MOTIVOS PARA USAR AS NORMAS?
Melhoria nos produtos ou serviços
Atrai novos consumidores
Aumenta a margem de competitividade
Agrega confiança ao negócio
Facilita a exportação de produtos.
Diminui a possibilidade de erros
Reduz os custos de negócio
Torna os produtos compatíveis
Auxilia no atendimento a regulamentos técnicos
Aumenta suas chances de sucesso.
BENEFÍCIOS DA
NORMALIZAÇÃO
QUEM SE BENIFICIA?
Empresas

Consumidores

Comercio Internacional

O Planeta
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

EXEMPLOS DA IMPORTÂNCIA
DAS NORMAS
EXEMPLOS
Se as dimensões das cadeiras de rodas e as entradas não
forem padronizadas.

Sem as dimensões padronizadas de contêineres de carga, o


comércio internacional seria mais lento e mais caro.
PERGUNTA:
Resumidamente, quais são
os benefícios da
normalização?

RESPOSTA:
Economia, comunicação, segurança,
simplificação, proteção ao consumidor,
desenvolvimento sustentável e eliminação
de barreiras técnicas e comerciais.
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

PADRÃO TÉCNICO DE
PROCESSOS
PADRÃO TÉCNICO DE
PROCESSOS
É o documento básico para o controle do processo. Contém
todos os parâmetros técnicos, como definidos pela área técnica
da empresa, necessários à fabricação de um bem ou condução
de um serviço. ” (INDG, 2009)

OBJETIVOS:
• Transmitir informação à produção;
• Redução de variações em especificações de produto.
PADRÃO TÉCNICO DE
PROCESSOS
PADRÃO TÉCNICO DE
PROCESSOS
ETAPAS:
1. Refletir os processos atuais;
2. Saber qual a necessidade do cliente;
3. Característica a ser medida para atender ao requisito;
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

PADRÕES SISTÊMICOS
PADRÕES SISTÊMICOS
O entendimento de que todas as partes são essenciais para o
todo é a base do padrão sistêmico.
É fundamental para entender ambientes complexos e propor
soluções aos desafios do nosso tempo.
É o conhecimento de todo o processo, desde o projeto, a
produção, passando pela venda até a entrega ao cliente e os
serviços pós-venda.
Na visão sistêmica, o desempenho de cada um afeta as partes
relacionadas e a organização como um todo.
PADRÕES SISTÊMICOS
CONSTRUÇÃO DA VISÃO SISTÊMICA:
o Conexão;
o Profundidade;
o Empatia;
o Comunicação.
COMO DESENVOLVER A VISÃO SISTÊMICA NAS EMPRESAS:
o Visão de Processos:
o Entendimento do fluxo dos processos:
o Melhorias
o Identificando onde nasce o problema
o Caso a caso
GESTÃO DA QUALIDADE
NORMALIZAÇÃO

PADRÕES OPERACIONAIS
PADRÕES OPERACIONAIS
O Procedimento Operacional Padrão (POP) é um documento
organizacional que traduz o planejamento do trabalho a ser
executado.
COMO ELABORAR UMA POP:
 Não copiar procedimentos de livros ou de outras organizações.
 O executor do processo deve ser parte integrante da elaboração dos
procedimentos;
 A aplicabilidade dos procedimentos deve ser monitorada
constantemente;
 A linguagem utilizada no POP deve ser simples, clara e objetiva.
PADRÕES OPERACIONAIS
BENEFÍCIOS:
 Reduz variação;
 Facilita o treinamento;
 Reduz a chance de falha;
 Diminui o número de acidentes.
PADRÕES OPERACIONAIS
DEVE CONTER:
Nome;
Objetivo;
Documentos de referências Local de aplicação;
Siglas (caso houver);
Descrição das etapas da tarefa e de seus executores e responsáveis;
Fluxograma;
Local onde poderá ser encontrado; nome do responsável pela guarda e
atualização do POP;
Frequência de atualização;
Forma que será gerado (digital ou físico);
Gestor (quem elaborou).
PADRÕES OPERACIONAIS
MODELO
PERGUNTA:
QUAIS SÃO OS
PADRÕES
APRESENTADOS?

RESPOSTA:
Padrões Técnicos de Processos, Padrões
Sistêmicos e Padrões Operacionais.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Disponível em <http://www.abnt.org.br/normalizacao/o-que-e/o-
que-e >.
Disponível em
<http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-e-
normalizacao,82bc438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCR
D>.
Disponível em <https://integrah.com.br/blog/visao-sistemica-nas-
empresas/>.
VAMOS A PRÁTICA?

Você também pode gostar