Você está na página 1de 27

ALDEMIR VIEIRA

A N N A C A RO L I N E F R A N C H ET T I
GABRIELLA GAMA
ISADORA FRARE
L A Í S V E RO N EZ
V I C TOR M U N I Z
Diadema – 2019
TIPOS DE CROMATOGRAFIA
o Método Moderno e Eficiente de separação e determinação de
Íons em resinas trocadoras de íons

o Desenvolvida em meados de 1970.

o Detecção era feita por medidas de condutividade.

o Levou aos métodos automáticos para a separação e detecção


de aminoácidos e de outras espécies iônicas em misturas
complexas.

o 1975- Desenvolvimento de trabalhos pela DOW


CHEMICAL COMPANY, desenvolveu-se técnica de
supressão do eluente que tornou possível a detecção
condutométrica dos íons eluídos.
o A cromatografia de Troca Iônica foi
consequência do projeto Manhattan.

o Separação de Cátions de terras raras de


propriedades semelhantes entre si.

o Base teórica das separações de troca


iônica, após a 2ª Guerra Mundial.
Patente do primeiro
cromatografo de íons
Componentes do Equipamento

1 - Detector

2 - Fase móvel ou eluente

3 - Válvula de Injeção

4 - Coluna Analítica

5 - Bomba de Alta pressão


Fase Móvel - Tipos de Eluentes

o Carregam a amostra; Ânions - Água,Hidróxido de


Sódio,Hidróxido de
o São diferentes para cátions e Potássio,Bicarbonato,Carbonato
ânions; de Sódio.

o São compatíveis com a Cátions - Ácido Nítrico,Ácido


coluna, a amostra e o detector. Dipicolínico,Ácido
Oxálico,Ácido Cítrico,Etileno
Diamina.
Fase Estacionária - Coluna

o Promove a separação dos Íons

o Possui terminais positivos e negativos

o Seletividade

o Material Polimérico (PVA ,PMA entre


outros compostos orgânicos)

o Trocadores iônicos de cátions e ânions fortes


e fracos
INTRODUÇÃO

o No Séc. XX o uso de desinfetantes no


tratamento de água reduziu drasticamente as
doenças transmitidas;
o COMPOSIÇÃO: Emulsificante, Cloreto de
Alquil dimetil benzil Amônia, formol,
isotiazolinonas, essência, corante e água;
o PRINCÍPIO ATIVO: Cloreto de Alquil
dimetil benzil Amônia 0,4%.

Fonte: USEPA 2019.


Componentes podem reagir Ácidos haloacéticos (HAAs)
com matéria orgânica e compreendem uma das classes mais
contaminantes antropogênicos abundantemente detectadas e
formando (DPBs). classificadas com carcinogênicos
pela (IARC)

USEPA

Regulação de cinco dos HAAs


mais comumente detectados Ácidos Cloro, Bromo e Iodo acético
nas águas americanas a 60 têm sido comumente monitorados na
μg/L. última década

Fonte: USEPA 2019


Método GC Método IC

o Usado inicialmente; o USEPA desenvolveu metodo para analisar os


mesmos compostos usando um sistema de
o Detector de captura de cromatografia de ionização (IC) acoplado à
eletroeletrônica (ECD); espectrometria de massa em tandem (IC-MS /
MS);
o Etapa de derivatização e
microextração líquido-líquido;
o Método foi a capaz de pular qualquer extração
o Etapas de manuseio da amostra de amostra ou etapas de concentração;
trabalhosas e demoradas;
o Alcançar limites de detecção necessários na
o Fonte de erro potencial e faixa de μg / L para todos os analitos alvo,
reduzida reprodutibilidade. adicionando especificidade à detecção com o
uso de um espectrômetro de massa.
MATERIAIS E MÉTODOS

o Todos os padrões de HAA, bromato e dalopon foram preparados a 500 µg/mL;

o Sistema de cromatografia iônica MetroCm 850 Professional IC AnCat-MSM-HC-MCS foi


acoplado a um sistema LC / MS Agilent 6490 Triplo Quadrupolo com uma bomba binária;

o O sistema IC foi configurado para conter frascos cônicos de 12,5 mL e para fazer uma injeção de
100 µL com Dosino® (configuração de injeção de loop parcial);

o A Tabela 1 mostra as condições do método IC, os parâmetros da coluna e as condições otimizadas


do MS.

o
MATERIAIS E MÉTODOS

o Os parâmetros de aquisição foram otimizados usando a ferramenta de software Agilent


SourceOptimizer e a infusão de padrões individuais de 500 ng / mL preparados em água no
espectrômetro de massas.

o A Tabela 2 mostra os parâmetros otimizados de monitoramento de reação múltipla (MRM) para o


sistema LC / MS 6490 Triplo Quadrupolo.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

o O ensaio de recuperação constitui o método mais utilizado para validação de processos


analíticos.
o A recuperação está relacionada com a exatidão.
o O estudo da recuperação consiste na "fortificação" da amostra. ), ou seja, na adição de
soluções com diferentes concentrações do analito de interesse seguida pela
determinação da concentração do analito adicionado.
Validação do método

● O método final para análise


dos 15 analitos alvo foi
otimizado para 27 minutos.

● O objetivo era desenvolver


um método de alto
rendimento mais rápido do
que o método atual da EPA.
Validação do método

● O método usou um gradiente


linear em vez do gradiente de
etapa usado no Método 557
para evitar que a coluna fosse
chocada com o sal do eluente e
para prolongar a vida útil da
coluna.
Validação do método

● Os limites de relato do método (LRM) foram calculados


estatisticamente com base no método USEPA de Glaser, et al. [7]
Inicialmente, sete repetições de todos os 15 analitos alvo foram
preparados a 0,5 µg/L e analisados no instrumento. A concentração
de cada analito foi então calculada usando uma curva de calibração,
e o desvio padrão para as sete repetições foi multiplicado pelo valor
do teste t de Student com seis graus de liberdade. Os valores
resultantes são uma medida do LRM estatístico. Os LRMs estavam
na faixa de 0,03 a 1,3 µg/L e <0,5 µg/L para a maioria das HAAs e
bromato (Tabela 3). Os LRMs relatados aqui não são
estatisticamente equivalentes aos menores limites de relatório do
método calculado (MLRMCs) definidos no Método 557, mas
servem como uma representação realista dos limites de relatório
alcançáveis usando esse método.
Validação do método

● Os padrões de calibração foram preparados diariamente, mas os


autores não notaram qualquer degradação de HAAs das soluções
estoque. Portanto, nenhum controle de temperatura on-line no
amostrador automático foi necessário.

● A linearidade de quantificação foi medida pela determinação do


coeficiente de correlação de linearidade (R2). Uma curva de
calibração de sete pontos de 0,5 a 50 µg/L em água ultrapura foi
preparada para cada analito, exceto DAL, BDCAA, TBAA e TCAA.
Esses quatro compostos tinham uma curva de calibração de seis
pontos, de 1,0 a 50 µg/L preparados. Um ajuste linear sem
ponderação foi usado para todos os analitos. Um R2> 0,995 foi
alcançado para todos os compostos (Tabela 4).
Recuperação do pico de matriz

o O ensaio de recuperação constitui o método mais utilizado para validação de processos


analíticos.
o A recuperação está relacionada com a exatidão.
o O estudo da recuperação consiste na "fortificação" da amostra. ), ou seja, na adição de
soluções com diferentes concentrações do analito de interesse seguida pela
determinação da concentração do analito adicionado.
Recuperação do pico de matriz
Análise das amostras reais

o Dos 15 analitos alvos, 7 HAAs foram detectados em amostras de água superficial


tratada pelo método de cloração.
o Nas amostras de água não tratada, apenas bromato foi detectado em baixas
concentrações.
o 4 HAAs foram detectados em amostra de água superficial tratada pelo método de
cloraminação
o Nenhuma das amostras estava acima do máximo de 60 µg / L
Análise das amostras reais
CONCLUSÃO

o O método descrito, mostrou-se rápido e eficaz para fornecer a análise de 13 HAAs,


bromato e dapalon.
o O método não requer extração de amostra e é capaz de atingir baixa detecção µg / L
o O método fornece uma abordagem fácil para avaliar o risco para a saúde de causado
pelo aumento da concentração dos HAAs em água potável tratada. Além disso, pode
ser usado para monitorar a formação de bromato na água após a ozonização.
REFERÊNCIAS

o USEPA, 25 Years of the Safe Drinking Water Act: Historyand Trends. 2000, United States
Environmental ProtectionAgency, Office of Water.

o IARC, Monographs on the Evaluation of CarcinogenicRisks to Humans. 2006, International


Agency for Researchon Cancer.

o S. D. Richardson,et al. "Occurrence, genotoxicity, and carcinogenicity of regulated and emerging


disinfectionby-products in drinking water: A review and roadmap forresearch." Mutation
Research-Reviews in MutationResearch636(1-3), 178-242 (2007).