Você está na página 1de 52

m 

 



   

 

   

!"
 
! # 
!
   
INTRODUÇÃO

A cárie é uma doença infecciosa e transmissível


e, antes do estágio de cavidade existem formas de ser
prevenida, como por uma higienização correta, uma
alimentação saudável, medidas de educação preventivas,
saneamento básico de qualidade, bem como, a fluoretação
da água, que é consideravelmente importante e eficaz. A
genética também influencia na presença ou ausência da
cárie.
As medidas preventivas que serão vistas a seguir, devem
ser avaliadas não só de acordo com um aspecto geral, mas
também, individualmente, com base nos fatores culturais
e sócio-econômicos, o acesso ao flúor, alimentação, etc.
Os tais, são importantes para a determinação do
diagnóstico, o planejamento terapêutico e medidas de
controle aos quais o paciente será submetido.
 NÍVEL DE PREVENÇÃO
NUTRIÇÃO ADEQUADA NO PERÍODO DE FORMAÇÃO
DOS DENTES

] A alimentação é um importante ponto no que se refere


a saúde bucal, uma vez que a saúde bucal, faz parte da
saúde como um todo. Como dentes com boa formação
resistem mais ao processo de ataque dos
microorganismos, a nutrição atua como papel
fundamental. E é relevante a presença de vitaminas e
nutrientes necessários a formação dos componentes do
dente. A dieta de cada indivíduo está vinculada a
características sócio-cultural e econômico de cada um,
bem como sua qualidade de vida.
ALIMENTAÇÃO DETERGENTE

] A consistência dos componentes da dieta são


significativos para a promoção da saúde oral.
Alimentos duros e fibrosos atuam no estímulo
funcional necessário para a manutenção do ligamento
periodontal e osso alveolar. Atuam também na
remoção de depósitos grosseiros de placa, porém não
remove aqueles localizados mais profundamente,
entre os dentes.
 ITOS IGIÊNICOS

] A escovação faz parte de uma boa


higiene bucal, porém para que haja uma higiene
razoável, é necessário que a escovação seja praticada
regularmente e com a técnica correta, com o uso de um
dentifrício contendo flúor em sua composição e, o uso de
um fio dental também é de grande relevância.
A escovação e a higiene oral é no caso
da cárie, sem dúvida um meio de
promoção da saúde.
OCLUSÃO NORMAL

] Uma má oclusão dificulta a mastigação e a limpeza


dos dentes, tornando-os mais susceptíveis à cárie. O
problema da má oclusão pode ser corrigido pela
ortodontia. A ortodontia pode ser vista como de
nível em relação à cárie, enquanto que a má
oclusão pode ser vista como se 2 nível uma vez que já
vai entrar num caso mais específico.
GENÉTICA

] A propensão à cárie é um fator que pode ser


alterado pela genética. Algumas pessoas são mais
propensas à cárie ou por uma alterações no dente
ou no meio bucal que favorecem a instalação da
doença.
2 NÍVEL DE PREVENÇÃO

] Neste nível apresenta-se uma maior eficácia no


combate a cárie através de medidas mais específicas.
Proporciona maior redução dos índices de cárie em
relação ao nível anterior.

] Os métodos de proteção específica são de dois


grupos: os que aumentam a resistência do esmalte e
os que diminuem o ataque pela cárie.
] A teoria acidogênica é mais evidente nos índices de
cárie. Segundo essa teoria, o dente descalcifica devido
a ação de ácidos produzidos por bactérias presentes
na boca.

] Quando estas rompem a integridade do esmalte elas


penetram no dente podendo formar uma cavidade
onde as bactérias proteolíticas podem atingir e afetar
completamente a coroa do dente.

] Ela defende que o processo de ataque é um processo


importante que pode ser combatido pelo processo de
defesa, que não é ativo e sim passivo, pois atua na
resistência do esmalte.
] Este fato mostrou-se menos notável em pessoas
que possuem que apresentem uma quantidade
relativa de flúor na dieta.

] O mecanismo de ataque pode ser interrompido


das seguintes formas:
a- reduzindo as açúcares presentes na dieta (tem-se
mostrado bastante eficaz);

b- eliminar os resíduos alimentares após a ingestão


de açúcares;

c- reduzir a flora bucal responsável pela formação dos


ácidos;

d- inibir a formação de ácidos por meio de


antienzimas, que impedem a diminuição do p;

e- neutralizar o ácido após sua formação.


FLUORAÇÃO DA GUA

Métodos:
] No momento os melhores métodos de

prevenção da cárie, são aqueles que se relacionam


com a utilização do flúor;
] Dois métodos que vem sendo utilizado há mais
tempo tem eficácia comprovada: A fluoração das
águas de abastecimento e as aplicações tópicas com
soluções fluoradas.
] A fluoração da água é a medida de aplicação em
segundo nível: exige uma ação governamental
restrita. No entanto em algumas comunidades de
nível educacional elevado, essa ação
governamental deve ser obtida através de um
trabalho prévio de educação popular e de certos
líderes da comunidade, para solicitarem a medida
(5 nível de aplicação).
] Estudos mostram que a prevalência de cárie dental
no rasil era muito alta antes da fluoretação da
água, e decresceu atingindo índice moderados no
início da década de 90. Isso mostra a força do
método que isoladamente reduziu em 50% a
prevalência de cárie.
] Isso é resultado de implantação de programas para
o controle da doença, sendo uma conquista do
Sistema Único de Saúde (SUS).
MECANISMOS DE AÇÃO DO FLÚOR
] Ingerindo água fluoretada difundiu-se o conceito de
dente resistente a cárie em função da sua composição
química do esmalte e que quanto mais flúor tivesse um
dente, menos seria ele solúvel aos ácidos da placa
dental, e portanto, obter-se-ia maior redução de cárie.
FLUORAÇÃO ESCOLAR
] Este método apresenta na verdade uma fluoração de
água de abastecimento em pequena escala. Mesmo em
localidades onde não existe rede de água é comum as
escolas terem seu próprio sistema de abastecimento, o
qual pode ser fluorado com pequenos dosadores,
operados pelo próprio pessoal da escola.
] Naturalmente, há necessidade de contar com o pessoal
responsável e devidamente
treinado na manutenção do
equipamento e no controle
sistemático de nível de flúor na
água.
$
- A mais óbvia desvantagem é que as crianças começam a
ir para a escola numa idade na qual vários dentes já têm a
coroa formada. Estudos realizados em cidades que
adotaram a fluoração mostram que mesmo as crianças
nessa idade são beneficiadas.
- Outra limitação da fluoração escolar é que as crianças
vão a escola apenas 5 dias por semana e apenas por
alguma horas, recebendo portanto exposição intermitente
ao
flúor.
] Na tentativa de compensar essas desvantagens, a
fluoração escolar tem sido feita em níveis superiores
aos recomendados para a mesma área. Também tem
sido sugerido o uso de pequenos dosadores para a
fluoração domiciliar.
COMPRIMIDOS FLUORADOS
] Pode-se também fazer chegar o flúor as crianças
através de doses diárias em comprimidos ou em gotas.
Para obter o máximo benefício deste método é
importante que a administração se efetue de maneira
regular desde o nascimento, cobrindo todo o período de
calcificação dos dentes.
] No caso do comprimido, a criança

deixá-lo dissolver-se na boca e não


simplesmente degluti-lo
] Em regiões onde não existe flúor

na água a dose recomendada é de


2,2 mg NaF por dia para crianças de
3 anos ou mais.
] Os comprimidos fluorados têm sido utilizados em
programas escolares.

È$%
- Tem vantagem sobre a fluoração escolar de garantir

que cada criança receba sua dose diária. A


administração
dos comprimidos pode ser supervisionada pelo próprio
professor.

$%
- No entanto, os programas levados a efeito tem

mostrado reduções no ataque de cárie em torno de 20 a


40%.
FLÚOR NO SAL

] A utilização do sal de cozinha como veículo para a


administração de flúor à população é uma alternativa
inspirada num método que se mostrou eficaz no
controle do bócio endêmico, a iodetação do sal.
] No caso do flúor, no entanto, a situação torna-se
complexa pela necessidade de contar
com um sistema de controle eficaz,
tendo em vista evitar dosagem excessiva,
levando à ocorrência de fluorose.
] á necessidade de estudos cuidadosos sobre o
consumo de sal pela população, variações regionais no
uso de sal no preparo e consumo de alimentos, além
da necessidade de conhecer as variações na
ocorrência natural do flúor na água de beber.
$%
- O problema maior é a dificuldade de controle na

dosagem adequada de flúor no sal a ser distribuído a


diferentes áreas, controle este tanto mais difícil quanto
maior o número de produtores distribuidores.

È$%
- Permite a livre escolha para aceitar e rejeitar o método.

Exige pouco esforço do indivíduo e é extremamente


barato.
APLICAÇÕES TÓPICAS



As aplicações tópicas de flúor constituem


um meio de contato entre a superfície do esmalte dentário
com sais de flúor em solução aquosa aumentando a
resistência do esmalte à ação dos ácidos, além de criar um
ambiente bucal saturado de flúor, que impedirá a ação e
proliferação das bactérias que causam a cárie.
RAZÕES MENOS FAVOR VEIS DO QUE A
FLUORAÇÃO DA GUA:
] A ´força do métodoµ é menor. Na fluoração da água é de
50% a 65%, nas aplicações tópicas está em torno de
40%;
] A fluoração da água é mais favorável à saúde pública
(maior alcance populacional e de mais fácil aplicação,
sendo segura, efetiva, simples e econômica);
] Não é conhecida a duração do efeito protetor da
aplicação tópica. Mesmo não sendo tão duradouro
quanto a fluoração da água, alguns pesquisadores como
ibby e Turesky verificaram que o efeito ainda pode ser
observado 5 anos após a aplicação. Knutson menciona
que o efeito permanece por pelo menos 3 anos.
RECOMENDAÇÕES V LIDAS PARA AS
DIFERENTES TÉCNICAS:
) Profilaxia prévia é importante para facilitar a ação do
flúor. Sua omissão reduz o benefício em 50%;
2) Deve-se evitar que o dente entre em contato com a saliva
após a profilaxia. A contaminação da saliva forma
rapidamente um filme, diminuindo a incorporação do
flúor;
3) A aplicação tópica é mais eficaz quando aplicada em
dentes recém-irrompidos (crianças de 6 a 2 anos em
média);
4) O contato demorado de esmalte com o flúor melhora a
incorporação. Porém, após os minutos iniciais, a
quantidade adicional é muito pequena não necessitando
grande investimento de tempo clínico;
5) Dentro de certos limites, um aumento da frequência de
aplicação pode trazer aumento na eficácia.
MÉTODO DE KNUTSON
] Foi a primeira técnica de aplicação tópica largamente
empregada;

] Utiliza-se o Fluoreto de Sódio a 2% em 4 aplicações


consecutivas de cada série de tratamento. A primeira
aplicação de cada série é precedida por uma limpeza
dos dentes. As aplicações são feitas em ciclos trienais,
aos 3, 6-7, 9-0 e 2-3 anos;

] Redução na incidência de cárie em torno de 30 a 40%


MÉTODO MUHLER

] Proposto por J. C. Muhler, utilizando Fluoreto


Estanoso a 8% numa única aplicação precedida de
profilaxia;

] Em pacientes altamente suscetíveis à cárie, deve-se


fazer uma aplicação pelo menos a cada 6 meses. Caso
contrário, será suficiente uma aplicação anual;

] Esse método parece apresentar resultados positivos


em adultos e dentes decíduos.
È$%
- Exige apenas uma única aplicação de cada vez, sendo

muito mais conveniente do ponto de vista da aplicação


em larga escala.

$%
- Solução instável, sofre hidrólise e oxidação, reduzindo
sua eficácia;
- Sabor desagradável sendo contra-indicado o uso de
substâncias para mascarar esse sabor;
- Ocorrência de pigmentação marrom-clara associada a

áreas de cárie, hipocalcificação e bordos de restaurações


a qual parece ser devia ao íon estanho. Segundo Stookey
isso teria o efeito de deter o progresso das lesões de cárie.
SOLUÇÕES DE FLÚOR-FOSFATO ACIDULADO
] Ocorre aumento da incorporação de flúor no esmalte
quando a solução de fluoreto de sódio é acidulada com
ácido fosfórico.
] A solução recomendada contém ,23% de íon flúor e ácido
fosfórico 0,M;
] Estudos mostram que após dois anos de aplicação houve
70% de redução na incidência de cárie;
] Aplicada uma única vez por 4 minutos, após a profilaxia.
] A solução é estável se guardada em recipiente plástico;
] Um pouco mais difícil de preparar, porém, já é vendida
comercialmente tanto em solução aquosa como em gel.
È$%
- Ampla aceitação pelo fato de exigir apenas uma
aplicação e não ter os inconvenientes da solução de
fluoreto estanoso.
MÉTODOS DE AUTO-APLICAÇÃO

] A profilaxia, quer realizada pelo profissional ou


pelo pessoal auxiliar, tem sido a principal
dificuldade para o estabelecimento de programas
de aplicações tópicas em larga escala,
significando o aumento no custo das aplicações;
] Este procedimento pode ser substituído por
escovação com pasta profilática, ou em outros
casos, incorporando-se flúor na pasta.
] Alternativas têm sido exploradas, como a substituição
da aplicação tópica pelas escovações com géis
fluorados;
] Programas de auto-aplicação ou bochechos, são
implantadas facilmente nas escolas;
] Na Suécia, desde 960 são aplicadas soluções neutras
de fluoreto de sódio, e o próprio pessoal da escola é
treinado para o devido procedimento;
] As escolas oferecem mais oportunidades para
exercício de educação sobre importância dos dentes,
da sua higiene bucal e técnica correta de escovação.
È$
As vantagens desse procedimento é óbvia, especialmente
do ponto de vista da aplicação em larga escala.
DENTIFRÍCIOS FLUORADOS

] Em termos de níveis de aplicação, estão


classificados no 5 nível;
] A mudança de um dentifrício não fluorado

para outro com flúor não exige um esforço muito grande


do indivíduo;
] A existência de um dentifrício terapêutico permitiria à
profissão concentrar esforços sobre um método que,
afinal, também estaria atacando através da escovação
outro maior problema de saúde oral: a doença
periodontal.
] ouve no passado, tentativas fracassadas para
desenvolver dentifrícios terapêuticos, como as pastas
com clorofila, com amônio e uréia, entre outros.
] Dois dentifrícios já foram aceitos pela American Dental
Association como eficazes: um deles contém fluoreto
estanoso e pirofosfato de cálcio como abrasivo e outro
contém monoflúor fosfato de sódio e metafosfato de
sódio.
] á redução de 30% de incidências de cáries com o uso
não supervisionado com a hidrofluramina, que está
ainda na fase experimental.
] O problema dos dentistas sanitaristas relacionado aos
dentifrícios fluorados, é fazer chegar regularmente e
durante os primeiros 0 anos de vida,  mg de flúor
diário às crianças.
Dessa forma, deve-se buscar alternativas seguras,
sem abandonar a idéia de prevenção em 2 nível e sem
esgotar todas as possibilidades que o flúor oferece.
CONTROLE DO AÇÚCAR

] Não sabemos de quanto reduz a incidência da


cárie dentária, porque nunca foi possível aplicá-lo
em sua forma pura; é possível que a força do
método seja próxima dos 00%, se for aplicado
com todo o rigor teórico;
] A educação sanitária constitui o instrumento
indispensável para a aplicação deste método. Só se
educa o indivíduo se este estiver motivado a
abandonar os hábitos desfavoráveis e adquirir hábitos
novos recomendados.
] O indivíduo propriamente informado vai tomar uma
decisão, efetuar uma escolha: sacrificar uma fonte
imediata de prazer, como é o consumo de açúcar em
nossa cultura, por bem no futuro, prometido sob a
forma de menor números de cavidades .
] Quando o indivíduo, escolher a opção de não alterar
seus hábitos de vida para prevenir a cárie, ele terá que
reparar lesões que ocorreram em seus dentes.
] Essa decisão é escolhida pela maioria dos indivíduos
informados sobre a higiene dentária, o método da
redução do açúcar é de nível 5, e é de difícil aplicação
na saúde pública.
SELANTES OCLUSAIS

] Os selantes oclusais constituem o mais recente


desenvolvimento na área da odontologia preventiva.
São resinas sintéticas, com alto poder de adesão, as
quais, aplicadas na superfície oclusal de molares e
pré- molares, obstruem ou selam as fissuras e
cicatrículas impedindo nesses locais o alojamento de
alimentares e bactérias e não permitindo
desenvolvimento de cárie.
MODO DE APLICAÇÃO:
Os dentes devem receber uma medida profilática e um
condicionamento com acido fosfórico, o ataque ácido
proporciona uma melhor adesão. A resina então
aplicada endurecendo em alguns segundos, por
processo químico ou por ação de luz ultravioleta.
] As crianças devem ser examinadas a cada ano para
verificar se o selante ainda permanece protegendo os
dentes, então deve-se proceder exames periódicos e
restaurar o dente tão logo surja uma cárie. No qual
não tomaria tempo e teria maior duração.

È$   $ 

] A utilização do selante em dentes de crianças de 5 a 6
anos pode proteger a superfície oclusal de molares
decíduos e primeiros molares permanentes até uma
idade em que a criança aceitaria melhor o
tratamento dentário restaurador.
] Estudos recentes indicam que, quando o selante é
aplicado em dentes com cárie incipiente, pode ocorrer
uma diminuição progressiva no número de
microrganismo viáveis na dentina e uma parada no
processo de cárie. Se for confirmado virá ampliar
consideravelmente a aplicabilidade dos selantes.
] CONCLUSÃO:

] Concluindo, o segundo nível, combinando com que


hoje se sabe sobre a prevenção da cárie, com
suplementação de flúor, atenuando o ataque pelo
controle do açúcar e usando as medidas do  nível
que é a promoção a saúde, chegaríamos a 00% de
redução do índice de cárie.
REFERÊNCIAS
] CAVES, M. # $   . 3 ed. Editora Artes
Médicas Ltda. 986.

] ARATIERI, L. N. et. al. Odontologia Restauradora:



%$  . São Paulo: Santos,
2002.

] ARATIERI, L. N. et al. Dentística: %$ 


$ $
 . 2 ed. São Paulo:
Santos, 2002.