Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – UERN

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS – FAFIC


DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – DECOM
JORNALISMO

Mídia e Política no RN: As Políticas de Concessões de


Rádio e Televisão no Estado do Rio Grande do Norte –
Resultados Finais

Geilson Fernandes de Oliveira


- Relação entre mídia e poder

- A pesquisa se insere no campo da


Comunicação Social

- Objeto de estudo da pesquisa


Objetivos:

- Analisar as concessões públicas de rádio e tv no


Brasil e suas implicações no Estado do Rio Grande
do Norte;

- Investigar o perfil dos proprietários dos veículos


de comunicação locais.
Metodologia:

- Análise bibliográfica e documental;

- Aplicação de questionários/entrevistas;

- Coleta de dados.
1ª etapa da pesquisa (2009 - 2010):
Mossoró – RN

(08 rádios; 01 TV)

2ª etapa da pesquisa (2010 - 2011):


Natal – RN

(08 rádios; 06 TV’S)


“O objetivo principal dos veículos de
comunicação de massa no sistema
de monopólio ou autoritário é o de
contribuir para o sucesso e a
continuidade do sistema político”
(ORTRIWANO, 1985, pág. 52)
- Fazendo uma comparação, podemos observar
que diferentes instituições sociais como a
família, a igreja, a escola e grupos de amigos
vem ultimamente perdendo espaço para a
mídia;

- A mídia, sem dúvidas, é uma das instituições


que mais influenciam na formação da opinião
pública.
Resultados e conclusões:
É notório que os meios de comunicação no
Brasil estão concentrados nas mãos de políticos
e empresários da comunicação; o que se
comprova com a presente pesquisa. Outro
ponto a ser destacado é a questão da
aglomeração de emissoras pertencendo a um
só grupo, inviabilizando a democratização da
informação.
Estas relações diretas entre políticos e veículos de
comunicação, especificamente em nosso estado,
influenciam a produção de bens simbólicos que são
reproduzidos por estes meios de comunicação,
exercendo assim, uma forma de poder sobre aqueles
que destes meios dependem para se informar e
formar suas opiniões. Desta forma, políticos que são
detentores destes meios, reproduzem suas linhas de
pensamento em larga escala, pensamentos que
influem nos processos políticos eleitorais, fazendo
com que estes mesmos políticos que possuem
concessões permançam em cargos públicos.
“É através da mídia – em sua
centralidade – que a política é
construída simbolicamente, adquire um
significado” (LIMA, 2006, pág. 55)
Aplicações:

Divulgação dos resultados em eventos de


caráter científico;
Aproveitamento dos dados nas disciplinas do
curso de Comunicação Social, e na realização de
eventos;
Construção de um banco de dados.
Referências
DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação
social. São Paulo: Atlas, 2005.

GOMES, Mayra Rodrigues. Poder no jornalismo: Discorrer, Disciplinar, Controlar. – São


Paulo: Hacker Editores, Edusp, 2003.

LIMA, Venício A. de. Mídia: Crise política e poder no Brasil. São Paulo: Editora
Fundação Perseu Abramo, 2006.

ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A informação no rádio: os grupos de poder e a


determinação dos conteúdos – 4 ed. V. 3 - São Paulo: Summus, 1985

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia? 2ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis-


RJ: Vozes, 1998.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: a tribo jornalística – uma comunidade


interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2005.