Você está na página 1de 91

INTRODUÇÃO EPROCEDIMENTOS

DE INSPEÇÃO
Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações
2
3
CALDEIRAS

Parte 1
4
A caldeira é um recipiente que tem como principal função
gerar vapor através da água, realizando troca térmica com os
gases da combustão, e trabalhando sempre com pressão
maior que da atmosférica.

As caldeiras são utilizadas em processo industriais que


necessitam de energia térmica para realizar o trabalho e é
muito encontrado em industrias alimentícias, frigoríficos,
papel e celulose, químicas, hotéis, hospitais, entre outros
ramos de atividade.
5
E
T
C
E
B
-
ai As caldeiras podem ser: Flamotubular, Aquatubular, Mista,
ra
n ou Elétrica.
h
e
g
E
n
m
e Nas caldeiras flamotubulares os gases quentes da combustão
o
t
n passam pelo interior dos tubos que estão imersos em água.
e
n
a E são caldeiras mais simples de fabricação, podendo ser com
m
ie
rT
tubos verticais ou horizontais.
d
e
o
ri
e
l 6
si
São utilizadas em processos
industriais que não
necessitam de uma grande
quantidade de vapor e de
pressões altas. Não é
recomendado quando tem
a necessidade de vapor
superaquecido, entretanto
possui um custo baixo e
são de fácil instalação.
7
Nas caldeiras Aquatubulares os gases quentes da combustão
passam pelo lado externo dos tubos, sendo que seu interior
ocorre a passagem de água. São caldeiras mais complexa de
fabricação, mas podem geram valores muitos altos de vapor,
passando de 150 toneladas por hora, e pressões acimas de
100 bar.

8
São utilizadas em processos
industriais que necessitam
de uma grande quantidade
de vapor e de pressões altas.
Aplicado principalmente
quando se deseja gerar
energia através de turbinas a
vapor.

9
A caldeira mista é
uma mistura de uma
caldeira flamotubular
como aquatubular, e
geralmente utilizam
combustíveis sólidos
para queima.

10
A caldeira elétrica é pouco encontra nas empresa, devido ao
alto custo da energia, entretanto são caldeira extremamente
eficientes na geração de vapor, a perda de energia são
baixas.

11
As caldeiras possuem vários componentes que devem passar por
inspeção, pois a falha de algum dispositivo pode acarretar em
grande problemas, podendo causar o rompimento e explosão da
caldeira.

Por isso da importância da inspeção, e ter uma norma


regulamentadora que obriga as empresa a contratarem um inspetor
para avaliar e gerar um laudo da integridade da caldeira. E assim
garantir que o equipamento vai suportar a operação por mais um
tempo e evitando a ocorrência de acidentes, e danos a caldeira que
é extremamente cara.
12
Aqui um exemplo de uma falha, que ocorre em 17/08/2014, causando a explosão de uma
caldeira flamotubular na Tailândia, ferindo 21 pessoas. A caldeira estava instalada em uma
fabrica de tingimento, e a explosão chegou a destruir 10 casas localizadas atrás da fabrica. A
principal suspeita de ter ocorrido o acidente é devido a caldeira não possuir água suficiente,
ocorreu o superaquecimento da estrutura e mudando as propriedades mecânicas do
material. Os danos geraram um custo alto para a empresa.

13
VASOS DE PRESSÃO

Parte 2
14
O nome vaso de pressão é dado para todo os recipiente que
trabalham com fluido pressurizado, não importando o tipo,
dimensão e formato, podendo envolver desde uma panela
de pressão de uma cozinha, até reatores nucleares. Os vasos
de pressão são conhecidos como “Equipamentos de
processo”, pois fazem parte de industrias que transformam
física e quimicamente matériais sólidos ou fluidos,
principalmente as refinarias de petróleo.

15
16
Os trocadores de calor também são considerados Vasos de Pressão,
onde a função do equipamento é realizar trocas térmicas entre dois
fluidos, podendo ser líquido ou gasoso. Os trocadores de calor
possuem feixes de tubos no seu interior para aumentar a área de
troca térmica, onde um fluido circula por dentro dos tubos, e outro
pelo lado de fora.

O vaso de pressão é composto pelo casco (ou cascos) do vaso com


formato de uma superfície de revolução e pelos tampos que fazem o
fechamento. Os cascos seguem geralmente formatos cilíndricos,
cônicos e esféricos.
17
Em relação à posição, os vasos de pressão podem ser
instalados na vertical, horizontal ou inclinados. O que define
o formato e a posição é para qual finalidade vai ser usado,
para qual serviço.

Todo vaso possui bocas de visitas ou bocas de inspeção, que


têm a função de permitir o acesso de pessoas no inteiro do
vaso, para inspeção, manutenção, limpeza, montagem e
remoção de peças internas, ou apenas permitindo a
observação visual do interior do vaso.
18
19
20
Os vasos de pressão podem ter um gama enorme de componentes
e acessórios, isso vai depender da tecnologia e da segurança em
que a empresa quer investir.

21
Todo vaso tem uma pressão máxima de trabalho admissível
conforme projetada por um em engenheiro. Segundo a NR-
13. PMTA é o maior valor de pressão compatível com o
código de projeto, a resistência dos materiais utilizados, as
dimensões do equipamento e seus parâmetros operacionais.
Essa pressão não pode ser ultrapassada durante a operação
do vaso de pressão, deve-se trabalhar com um valor inferior
dando um tolerância para abertura da válvula de segurança.

22
TUBULAÇÃO

Parte 3
23
Tubos têm a função principal de transportar fluidos, onde
possuem seção circular. Os tubos podem funcionar como
condutos forçados, onde todo o seu espaço interno é
ocupado pelo fluido; e por condutos livres, onde trabalham
apenas ecoando o fluido como um canal, sem a ocupação de
todo seu espaço interno.

24
25
As tubulações são elementos físicos que ligam os seguintes
equipamentos:
• Vasos de pressão;
• Reatores;
• Tanques;
• Bombas;
• Trocadores de calor;
• Outros.

26
As tubulações possuem uma enorme diversidade de
finalidades, e são divididas entre as tubulações que
encontram-se dentro e fora da indústria. As tubulações
dentro são de processo, utilidades, de instrumentação,
transmissão hidráulica e de drenagem. As tubulações
localizadas fora da instalação industrial, podem ser de
transporte e distribuição.

27
As formas usadas para realizar a conexão dos tubos, servem
para ligação entre tubos, e ligação do tubo com válvulas,
conexões e outros acessórios. As principais formas de ligação
são:
• Rosqueada;
• Soldadas;
• Flangeadas;
• Ponta e Bolsa;
• Outros sistemas: ligações de compressão e patenteadas.
28
Toda tubulação deve possuir suporte para evitar que o peso
e os demais esforços exercidos pelos tubos danifiquem sua
própria estrutura. Possuem suportes imóveis, semimóveis e
móveis. Os suportes são geralmente fabricados de aço
carbono, esses suportes devem ser projetados juntos com a
tubulação em relação ao local de instalação, vendo qual a
forma mais fácil de se utilizar.

29
30
INTRODUÇÃO
NR-13
Parte 4
31
O que são as NRs?

São normas elaboradas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, para


promover a segurança e saúde nas empresas, e diminuir o numero
de falhas ou acidente com os funcionários. As NRs são obrigatória
para empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da
administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes
Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). As Normas
Regulamentadoras tem força de lei, pois foram criada uma lei para
consolidar as normas, tornando as empresas obrigadas a seguirem
os regulamentos passados. 32
Qual o objetivo da NR-13?

O objetivo da NR-13 é estabelecer requisitos mínimos para


gestão da integridade estrutural de caldeiras a vapor, vasos
de pressão e suas tubulações de interligação nos aspectos
relacionados à instalação, inspeção, operação e manutenção,
visando à segurança e à saúde dos trabalhadores.

33
O empregador, o dono da empresa ou responsável pela
empresa, tem a obrigação e é responsável pela adoção das
medidas determinas pela NR-13.

Esta norma apresenta medidas de segurança, é o básico para


a inspeção, assim a inspeção e a geração do laudo não deve
se basear apenas nessa norma, a inspeção deve seguir as
recomendações da norma, mas a avaliação da integridade e
identificação de falhas e problemas fica por conta do
profissional habilitado.
34
Esta norma é dividida primeiramente em introdução, das
Abrangências onde mostra quais os equipamentos que
devem passar por inspeção periódicas, possui também as
disposições gerais que apresentas os riscos graves e
iminentes; caldeiras, que trás todas as regras que devem ser
seguidas pelas caldeiras; vasos de pressão que é a norma
focada em vasos; tubulações as medidas de inspeção; tem
também o Anexo 1 que trata da capacitação pessoal, e o
Anexo 2 apresenta os requisitos para certificação de serviço
próprio de inspeção de equipamentos.
35
Quais equipamentos devem ser inspecionados?

Os equipamentos que se enquadram nesta norma e devem


ser inspecionadas são as Caldeiras, Vasos de Pressão e
Tubulações, entretanto alguns desse equipamentos vai
depender do volume, da pressão e do fluido de trabalho.

36
37
38
A Normas apresenta alguns riscos graves e iminentes, que
podem causar acidentes ou doenças relacionada ao trabalho,
com lesão grave a integridade física do trabalhador.

A primeira é a operação do equipamento enquadrado na NR-


13 sem dispositivo de segurança ajustados com pressão de
abertura igual ou inferior Pressão Máxima de Trabalho
Admissível.

39
40
O segundo risco é a o atraso na inspeção de segurança
periódicas dos equipamentos. Os equipamentos devem
passar por inspeção realizada por profissional habilitado para
evitar a geração de multa de grande valor;

O terceiro risco é o bloqueio de dispositivos de segurança,


não pode bloquear válvulas sem justificativa e autorização
de um PH.

41
O quarto risco é a ausência de
dispositivo operacional de controle de
nível da água da caldeira, tanto o visor
de nível como o sistema de alimentação
de água. Não pode faltar esses sistemas,
pois eles protegem contra
superaquecimentos desde que o
operador sempre esteja atento.

42
O quinto risco é a operação do equipamento com
deterioração atestada ou retirada de serviço que tenha laudo
conclusivo. Não pode operar equipamentos pressurizados
que não tenham uma integridade estrutural suficiente para
suportar as pressões de trabalho;

E o sexto risco é a operação dos equipamentos sem um


profissional qualificados, todos que forem operar caldeiras e
vasos de pressão devem passar por treinamento.
43
Outra parte da norma é a de Instalações, que trás as
medidas a serem adotadas para colocar, instalar, uma
caldeira ou vaso de pressão na empresa.

O projeto de instalação dever ser feito por um profissional


habilitado, que neste caso é o Engenheiro com formação
mecânica.

44
Esta parte da instalação, vai trazer o assunto das casas e áreas de
caldeiras, quais os afastamentos mínimos que o equipamento
deve ter em relação a outras instalações ou propriedades, como
deve ser o sistema de saída de emergência, como deve se a
questão da iluminação de emergência, entre outros itens.

Todo equipamento enquadrado na NR-13 deve possuir um


projeto de instalação, o importante é verificar os critérios da
norma como também os critérios para o plano de prevenção e
combate a incêndio do seu estado.
45
Mais uma parte importante da NR-13 é a Segurança na
operação dos equipamentos, e nesta parte é mostrar como
deve ser constituído o manual de cada equipamento, deve
ser em língua portuguesa, e deve estar localizado em um
local de fácil acesso.

Ainda é visto na norma que todas os válvulas de segurança


devem ser calibradas e o aconselhado é calibrar todo ano. E
nas caldeiras é obrigatório o tratamento da qualidade da
água para categoria A.
46
A ultima parte da norma é a mais importante, que é a
inspeção em si, que apresenta medidas de inspeção que
devem ser seguidos para empresas que possuem caldeiras,
vasos de pressão e tubulações.

Nessa parte é apresentado as definições de inspeção inicial


periódica e extraordinária.

47
A inspeção inicial é feita para equipamentos novos que vão
iniciar a operação.

A inspeção periódica é feita conforme os períodos de tempo


determinado pela norma, que vai depender da categoria do
equipamento.

E a inspeção extraordinária é realizada quando acontece


algum acidente, algum vazamento, rompimento ou
manutenção. 48
A norma determina também os períodos de inspeção
periódicas conforme o tipo do vaso de pressão e da caldeira
e das tubulações conectadas a eles.

Outra coisa importante, é o laudo, o relatório de inspeção,


que deve ter toda a inspeção feita pelo Profissional
Habilitado, toda analise e conclusões, e deve ter informações
mínimas conforme mencionados na NR-13.

49
Mas a norma não é apenas isso, ela possui muito mais
medidas de segurança das que foi citada aqui, passamos um
resumo para que você possa ter mais conhecimento desta
norma.

Possui muito mais detalhes em relação as caracteristicas dos


equipamento, em como proceder em caso de acidentes de
trabalho, para quem deve ficar os relatórios de inspeção e
quanto tempo tem para entregar. São vários fatores que
estão ali para garantir a segurança durante a operação.
50
PROCEDIMENTOS
DE INSPEÇÃO

Parte 5 51
52
Procedimento – Caldeira

Na inspeção de segurança deve conter o exame do


prontuário, exame externo, exame interno, ensaios não
destrutivos, atualização da PMTA, teste hidrostático e por
fim o Relatório.

53
Procedimento – Caldeira

1. Exame do Prontuário

Nessa primeira etapa, deve-se verificar se a documentação


está organizada, completa e atualizada. Deve-se colher
dados importantes que possam ajudar na inspeção. Verificar
se a inspeção esta em dia, se esta sendo cumprida as datas
de inspeção e se as recomendações dos relatórios passados
foram atendidas.
54
Procedimento – Caldeira

2. Exame Externo

Nessa segunda etapa, deve verificar se a caldeira esta


funcionando normalmente, verificar as condições de
segurança, verificar a caracterização da caldeira se esta de
acordo com o prontuário, procurar situações que podem
gerar um acidente, e esse exame pode ser realizada com a
caldeira em operação ou parada, vai de cada inspetor decidir.
55
Procedimento – Caldeira

3. Exame Interno
Nessa etapa, a caldeira deve estar parada e purgada, sem
água no interior, e nela você vai verificar se toda a estrutura
apresenta uma não conformidade, verificar a parte de
caracterização interior também se esta conforme o
prontuário e colher dados para realizar analises. Também é
verificados as condições dos refratários, procurar resíduos,
incrustações, falhas e corrosões, as condições dos tubos, e
outras partes da caldeira. 56
Procedimento – Caldeira

4. Ensaio Não Destrutivo

Nessa etapa é aplicados métodos de ensaios não destrutivos


para avaliar a integridade da caldeira, ajudando a encontrar e
determinar possíveis falhas. Essa etapa sempre deve ser
realizada e uma parte dela é a medição das espessuras.

57
Procedimento – Caldeira

5. Atualização da PMTA

Tendo as espessuras do material e as condições da caldeira,


é possível atualizar a PMTA, para saber se pode continuar
operando nas condições normais, ou se vai ter que sofrer
uma redução da pressão.

58
Procedimento – Caldeira

6. Teste Hidrostático

O teste hidrostático é feito para encontrar vazamentos em


alguns pontos da caldeira, e para saber se ela suporta a
pressão e se pode continuar operando. Esse teste sempre é
feito quando ocorre uma manutenção nas partes
pressurizada e por ser um teste destrutivo pode ocorrer o
rompimento da caldeira.

59
Procedimento – Caldeira

7. Relatório de Inspeção

Nessa ultima parte você vai colocar todas as análises,


anotações, observações e conclusões obtidas durante a
inspeção, vai apresentar recomendações, se a caldeira pode
continuar operando ou deve realizar a parada para
adequação, e também definir a próxima data de inspeção
conforme a NR-13.

60
61
Procedimento – Vaso de Pressão

Na inspeção de segurança do vaso de pressão deve conter o


exame do prontuário, exame externo, exame interno,
ensaios não destrutivos, Vida Remanescente, teste
hidrostático e por fim o Relatório.

62
Procedimento – Vaso de Pressão

1. Exame do Prontuário

Nessa primeira etapa, igual para das caldeiras, deve-se


verificar se a documentação esta organizada, completa e
atualizada. Deve-se colher dados importantes que possam
ajudar na inspeção. Verificar se a inspeção esta em dia, se
esta sendo cumprida as datas de inspeção e se as
recomendações dos relatórios passados foram atendidas.

63
Procedimento – Vaso de Pressão
2. Exame Externo

Nessa segunda etapa, deve-se verificar as condições de vias de


acesso ao vaso, das fundações e suportes, e também seu
chumbadores. Verificar se possui aterramento, as condições dos
revestimento externo, como se encontra os bocais, flanges e
portas de visitas, e ver se segue as medidas de segurança
conforme a NR-13. A inspeção é realizada de forma visual e
utilizando ensaios não destrutivos, e conforme vai realizando a
inspeção deve-se fazer anotações dos problemas encontrados.
64
Procedimento – Vaso de Pressão
3. Exame Interno

Nessa terceira etapa, deve ser feita uma inspeção antes da


limpeza a procura de deteriorações de depósitos, e também
deve ser feita após a limpeza, procurando descontinuidades,
verificando as soldas, as condições de componentes internos
caso o vaso possua. Também deve-se avaliar revestimentos
internos, as condições do casco a procura de erosão,
corrosão e empolamentos.
65
Procedimento – Vaso de Pressão

4. Ensaio Não Destrutivo

Nessa etapa é aplicados métodos de ensaios não destrutivos


para avaliar a integridade do vaso de pressão, ajudando a
encontrar e determinar possíveis falhas. Essa etapa sempre
deve ser realizada e uma parte dela é a medição das
espessuras.

66
Procedimento – Vaso de Pressão
5. Vida Remanescente

Nessa etapa é utilizados os valores tirados através das


medidas de espessura do vaso de pressão de vários pontos,
para determinar a taxa de corrosão que o vaso teve durante a
operação e assim encontrar o valor em anos que ainda pode
continuar a operação, até atingir a espessura mínima e
aposentar o vaso. Junto é atualizado também a PMTA do
vaso de pressão.
67
Procedimento – Vaso de Pressão

6. Teste Hidrostático

O teste hidrostático é feito para encontrar vazamentos em


alguns pontos do vaso de pressão, e para saber se suporta a
pressão e pode continuar operando. O valor de teste deve
ser sempre recalculado quando ocorre atualização da PMTA.

68
Procedimento – Vaso de Pressão

7. Relatório de Inspeção

Nessa ultima parte você vai colocar todas as analises,


anotações, observações e conclusões obtidas durante a
inspeção, vai apresentar recomendações, se o Vaso de
pressão pode continuar operando ou deve realizar a parada
para adequação, e também definir a próxima data de
inspeção conforme a NR-13.

69
70
Procedimento – Tubulações

Na inspeção de segurança das Tubulações deve conter o


exame da documentação, exame externo, exame interno,
ensaios não destrutivos, teste hidrostático e por fim o
Relatório.

71
Procedimento – Tubulações

1. Exame da Documentação

Essa primeira parte, igual para os outros equipamentos,


serve para analisar a documentação das tubulações, ter
conhecimento de como é a instalação, se está atualizado e
completo e se possui alguma observação que possa ajudar
na inspeção.

72
Procedimento – Tubulações

2. Exame Externo

Na segunda etapa você tem que avaliar as condições da


tubulação, se possui algum dano, se está instalado conforme a
documentação, se falta algum componente, inspecionar
instrumentos de medição e válvulas de segurança. Olhar as
condições dos isolamentos térmicos em alguns casos, verificar se
possui danos devido a intempérie, como a corrosão, entre muitos
outros problemas que podem danificar a estrutura.

73
Procedimento – Tubulações
3. Exame Interno

Esse exame é mais simples, pois devido a difícil realização da


inspeção interna, é utilizados outros meios para avaliar as
condições no interior do tubo, e uma delas é a utilização de
um boroscópio, que possui uma câmera na ponta de um
cabo, que conforme vai se movimentando no interior é
possível analisar as parede do tubo e tirar conclusões através
da inspeção visual.
74
Procedimento – Tubulações

4. Ensaio não Destrutivos

Os ensaios destrutivos devem ser realizados para medir a


espessura e encontrar possíveis avarias ou danos, como
corrosão, fissuras, e com os métodos avaliar os resultados.
Mas são feitos principalmente nas soldas de junção entre
tubos e acessórios.

75
Procedimento – Tubulações

5. Teste Hidrostático

O teste hidrostático é feito para encontrar vazamentos em


alguns pontos da tubulações e é realizado principalmente na
instalação das tubulações. E deve ser sempre realizado quando
ocorreu alguma manutenção como processo de soldagem. Em
alguns caso deve ser feito o teste pneumático e o teste de
estanqueidade, quem vai determinar isso é o profissional
habilitado, aplicando o teste correto para evitar problemas.
76
Procedimento – Tubulações

6. Relatório de Inspeção

Nessa ultima parte você vai colocar todas as analises,


anotações, observações e conclusões obtidas durante a
inspeção da tubulação, trazendo as recomendações e definir
a próxima data de inspeção conforme a NR-13.

77
MERCADO DE INSPEÇÃO

Parte 6
78
Como as caldeiras, vasos de pressão e tubulações são equipamentos
de grande responsabilidade, que trazem risco de falhas, explosões e
incêndio, colocando a vida de vários pessoas em risco, o Ministério
do Trabalho e Emprego criou as Normas Regulamentadoras que tem
a força de lei e as empresa devem seguir o que a norma diz.

A norma NR-13 como foi vista anteriormente, trata da segurança


desses equipamentos e obriga as empresa realizarem inspeção
deles, criando um mercado para atuação dos engenheiros. Assim as
empresas sempre se obrigam a contratar um profissional habilitado
para realizar a inspeção, gerar um laudo, e emitir uma ART
(Anotação de Responsabilidade Técnica). 79
Onde você vai encontrar Caldeiras?

• Industrias (petroquímicas, papel e celulose, compensados,


portas);
• Hotéis (para aquecimento da água);
• Hospitais (utilizado para higienização);
• Clubs (aquecimento de piscinas);
• Termoelétricas (Grandes caldeiras para geração de
energia).
80
Onde você vai encontrar Vasos de Pressão?

• Industrias (petroquímicas, papel e celulose, químicas,


entre outros);
• Posto de Combustíveis (Compressores, reservatórios de
combustíveis);
• Borracharias e Recapagem de Pneus.

81
Onde você vai encontrar Tubulações?

• Vai encontrar principalmente em petroquímicas, empresas


que necessitam transportas fluidos tóxicos ou inflamáveis.

82
Muitas máquinas das empresas necessitam do vapor para
realizar a troca térmica e dar continuidade da produção, e
muitos produtos e reações depende de vasos de pressão
para que ocorra o armazenamento ou a reação do fluido.
Isso torna o mercado de inspeção muito grande, mas os
aconselhamos sempre inspetores começarem com
caldeira e vasos de pressão pequenos, para pegar
experiência de inspeção.

83
Cursos de
Inspeção
Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações

Normas e Códigos de Projeto Utilizados


para realização do curso: 84
NO MOMENTO ESTAMOS OFERTANDO 3 CURSO NA ÁREA DE INSPEÇÃO:

•Curso de Inspeção de Caldeiras


http://cebte.com.br/curso-de-inspecao-de-caldeiras

•Curso de Inspeção de Vasos de Pressão


http://www.cebte.com.br/curso-de-inspecao-de-vasos-de-pressao

•Curso de Inspeção de Tubulações


http://cebte.com.br/curso-de-inspecao-de-tubulacoes
85
No site você consegue mais informações
sobre todo o conteúdo que você vai
aprender durante a realização do curso.

A grade do curso foi feita com base em


normas e códigos nacionais e internacionais
e principalmente na experiência de
profissionais da área de inspeção.
86
Os três curso de inspeção tem como objetivo ensinar profissionais a
realizarem esses serviços de forma que possam ganhar uma renda extra
como autônomo ou abrir sua própria empresa de prestação de serviço.
Ensinamos o passo a passo para realizar a inspeção, como exame dos
documentos, inspeção externa, inspeção interna, principais problemas que
vai encontrar durante a inspeção, teste hidrostático, tratamento água,
elaboração de laudo de inspeção, honorários a serem cobrados, muitas
outras informações relevantes que podem ser consultados na ementa do
curso disponível no site.

O curso é 100% online e é apresentado através de vídeo-aulas e materiais


para leitura, tem sempre um profissional habilitado para tirar suas dúvidas, e
possui uma carga horaria conforme emitido no certificado de 40 horas.
87
O aluno tem acesso a plataforma de estudo, onde estão
disponíveis a vídeo-aulas e pode tirar todas as suas dúvidas
relacionadas a inspeção com um suporte de profissionais
experiente na área de inspeção.

O aluno tem acesso à plataforma por 24 horas/dia e pelo período


de 1 (um) ano, possibilitando realizar consultas e revisar o
material.

Todos os slides apresentados nas vídeos-aulas ficam


disponíveis para download para que o aluno possa fazer sua
leitura e guardar como material de consulta. 88
Curso de Inspeção de Caldeiras

O curso é um investimento para o aluno, só


do aluno conseguir realizar a inspeção de
uma caldeira pequena com 1000 kg/h vapor,
parecida com a da imagem, ou conseguir
realizar a inspeção de um compressões de
ar industrial, parecida com a da imagem, ele
pode cobrar o valor de 1 salario mínimo,
consegue paga tranquilamente o
investimento do curso.
89
Os cursos possuem certificado?

Os cursos possuem certificado impresso que já está incluído no valor do


curso, que será entregue na sua residência. O curso é classificado como de
qualificação profissional e é valido em todo o território nacional conforme a lei
n°9.394, que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

90
91

Você também pode gostar