Você está na página 1de 36

Lei de Acesso à Informação

Lei nº 12.527

UFF – Universidade Federal Fluminense


Disciplina : Políticas de Informação
Prof. Eduardo Murguia
Colaboração de Elizabeth Freire
Lei 12.527 - Lei de Acesso à Informação (LAI)
 Promulgada em 18 de novembro de 2011.

 A Lei de Acesso à Informação “passou a valer” em maio de 2012 quando foi


regulamentada no Poder Executivo Federal pelo Decreto nº 7.724 de 16 de maio de
2012.

 A legislação foi criada com a intenção de promover maior transparência na


relação entre cidadãos e órgãos públicos.

 A escolha por quais informações a serem divulgadas deixou de ser


exclusividade dos gestores públicos e o cidadão interessado passou a poder exigir a
divulgação de dados ou documentos públicos.
Lei 12.527 - Lei de Acesso à Informação (LAI)
 Estão debaixo do “guarda-chuva” da LAI prefeituras, câmaras
municipais, assembleias legislativas, tribunais de contas, universidades
públicas, autarquias, empresas públicas, governos estaduais, governo
federal , os órgãos que compõem o Judiciário, empresas privadas que
recebem subsídios públicos.
 A lei aponta o princípio, não entra nas “miudezas”. Cada órgão
precisa de um encadeamento jurídico e prático para demonstrar e
viabilizar como se dará a sua execução.  precisa regulamentar a LAI.

 Até agora, em 2014, 19 dos 26 estados e o Distrito Federal e apenas


24% dos municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes
regulamentaram a lei, tal como previsto no art. 45º., de acordo com
levantamento da Controladoria Geral da União (CGU).
Pilares da Lei 12.527

“Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito
inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e
transmitir informações e ideias por quaisquer meios e independentemente de
fronteiras.” (1948)

Este dispositivo teve como base a Declaração dos Direitos dos Homens e do
Cidadão de 1789 – Revolução Francesa. (marco histórico contemporâneo de
enunciação dos direitos do cidadão)
Pilares da Lei 12.527

“Todos têm direito a receber dos órgãos públicos


informações de interesse particular, ou de
interesse coletivo ou geral, que serão prestadas
no prazo da lei, sob pena de responsabilidade,
ressalvadas aquelas cujo sigilo seja
imprescindível à segurança da sociedade e do
Estado”.

 23 anos para que o Brasil contasse com uma Lei de Acesso à Informação Pública que
favorecesse a aplicação dos princípios do direito à informação presente na CF/88.

 Antes de regulamentar o acesso, regulamentou-se o sigilo (decreto 4.553/2002 )!


No entanto ... nossa LAI considerada “avançada”

 A estratégia brasileira para responder e reverter o custo político do atraso na


adoção de um regime de acesso à informação pública foi ousada: tanto em termos
de abrangência quanto por incorporar dados abertos.

Dados Abertos constituem a publicação e disseminação de dados e informações


públicas na Web, seguindo alguns critérios que possibilitam sua reutilização e o
desenvolvimento de aplicativos por toda a sociedade em formato de especificação
aberta, não proprietário, e estruturado, ou seja, que possibilite seu uso irrestrito e
automatizado através da Web.
participação <-> informação ==> Democracia
 A noção de democracia, consagrada pela Constituição Federal brasileira (CF/88),
está vinculada à capacidade dos indivíduos de participarem efetivamente do processo
de tomada de decisões que afetam suas vidas.

 O exercício prático do princípio constitucional de que “todo poder emana do povo”


está condicionado ao acesso da população ao conhecimento e à informação.

 Não existe democracia plena se a informação está concentrada nas mãos de poucos.

 A LAI representa um marco para a consolidação da democracia no Brasil


Democracia e direitos fundamentais
As sociedades democráticas ou em transição para a democracia ratificam um
conjunto de direitos que se vinculam à disseminação do conhecimento e da
informação. São os direitos
 à educação,
 à liberdade de expressão,
 de imprensa ;
 de manifestação do pensamento e
 à informação.

O direito à informação é o direito de todo indivíduo de acessar informações


públicas, ou seja, informações em poder do Estado ou que sejam de interesse
público.
LAI – o contexto global
 A relação entre Estado e Sociedade, mediadas pela produção e fluxos de
informações entre ambos ganham relevo na modernidade e contornos mais
profundos nas últimas décadas .
 Na década de 90 os avanços das TICs e da Internet promoveram grandes
mudanças (econômicas, culturais, sociais , entre outras) que contribuíram para a
aceitação crescente do direito à informação.
 Ampliação do valor do direito à informação e a cobrança pelo respeito do mesmo
sob diversas motivações e interesses: cidadania, controle, participação, accountability,
transparência, governança.
 As pressões externas, entre elas exigências feitas a partir de 1990 por bancos
multilaterais de desenvolvimento e instituições financeiras internacionais.
Cenário histórico-social (local) em que emerge a LAI
A LAI foi precedida de um longo processo em torno da construção
do direito à informação no Brasil, no bojo da redemocratização do
país após 1985.

Passagem de uma cultura de opacidade informacional


predominante do período da ditadura (1964 -1985) para uma
cultura de transparência informacional.

 Intensificação da busca do direito à verdade : o direito de conhecer


a história de seu próprio país e de seu povo.
LAI – o contexto local em que se deu sua aprovação
no Congresso Nacional
 A aprovação da lei é resultado de uma crescente exigência da sociedade civil e de
uma sequência de decisões e políticas de Estado, como por exemplo:

• Movimento Transparência Brasil – fundado em 2000 por organizações não-


governamentais e entidades empresariais com foco no combate à corrupção.
• Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas – fundado em 2003 por cerca
de 20 organizações sem vinculação partidária ( OAB, Associação brasileira de
ouvidores, Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, etc.)
• Contas Abertas – fundada em 2005, como sociedade civil, com foco no
monitoramento da execução orçamentária da União.
LAI – o contexto em que se deu sua aprovação no
Congresso Nacional
 Na cartilha do CGU – órgão encarregado de monitorar a implementação
da LAI no âmbito do poder Executivo Federal é mencionado:
“Ao regulamentar o artigo 5º, inciso XXXIII da Constituição Federal, o
Brasil, além de garantir ao cidadão o exercício do seu direito de acesso à
informação, cumpre, também, o compromisso assumido pelo país ante a
comunidade internacional em vários tratados e convenções”. (Cartilha de
Acesso da CGU).
A Lei 12.527 – uma resposta aos dispositivos internacionais
O direito à informação, além de estar protegido na Declaração Universal dos
Direitos Humanos, foi objeto de compromisso assumido em diversos tratados e
convenções internacionais.

“O acesso à informação mantida pelo Estado


Declaração Interamericana de
Princípios de Liberdade de
constitui um direito fundamental de todo indivíduo.
Expressão. (item 4) Os Estados têm obrigações de garantir o pleno
exercício desse direito”.

(Aprovado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos celebrado de 16 a 27 de outubro de 2000)


A Lei 12.527 – uma resposta aos dispositivos internacionais
“Cada Estado-parte deverá (...) tomar as medidas
necessárias para aumentar a transparência em sua Convenção das Nações Unidas
administração pública (...) procedimentos ou contra a Corrupção.
(artigos 10 e 13))
regulamentos que permitam aos membros do público
2003
em geral obter (...) informações sobre a organização,
funcionamento e processos decisórios de sua
administração pública (...)”.

Pacto Internacional dos Direitos


Políticos. “Toda pessoa terá direito à liberdade de expressão;
(artigo 19) esse direito incluirá a liberdade de procurar, receber e
1966 difundir informações e ideias de qualquer natureza
(...)”.
“Conhecimento é poder” (Francis Bacon, 1605)

 A aceitação desta máxima implica no reconhecimento de que o acesso


ao poder está diretamente relacionado ao acesso a informações.

 Difundir o conhecimento significa compartilhar e democratizar o


poder.

 Restringi-lo, por sua vez, resulta na concentração do poder nas mãos


daqueles que detêm o acesso a informações.
Relevância do acesso à informação:
perspectiva individual
 As múltiplas relações sociais que caracterizam a vida em uma
sociedade democrática são marcadas por um elemento fundamental: a
necessidade de o indivíduo fazer escolhas.

 Para a realização de escolhas mais qualificadas, torna-se central o


acesso à informação;

 O acesso à informação é um direito que antecede outros sendo central


para a consecução de um conjunto de outros direitos.
Relevância do acesso à informação:
perspectiva coletiva
 O acesso à informação é um direito difuso, ou seja, que pertence à
coletividade.

 O acesso amplo as informações públicas resulta em ganhos para a


comunidade de maneira geral ;

 Conhecer as informações em poder do Estado permite o monitoramento


da tomada de decisões pelos governantes que afetam a vida em sociedade.

 Criação de uma saudável consciência coletiva de vigilância e


acompanhamento das ações de governo
Relevância do acesso à informação:
perspectiva coletiva

 O controle social mais atento dificulta o abuso de poder e a


implementação de políticas baseadas em motivações privadas.

 Ao mesmo tempo, decisões de políticas públicas tomadas com base


em informações amplas e de qualidade terão resultados mais eficientes.
Relevância do acesso à informação:
perspectiva coletiva
 Ao direito do indivíduo de acessar informações públicas contrapõe-se
o dever de os atores públicos divulgarem informações e serem
transparentes.

 O cumprimento desse dever contribui para aumentar a eficiência do


poder público, diminuir a corrupção , elevar a accountability (prestação
de conta), como também o empowerment (empoderamento) do cidadão
Princípios Básicos
 A informação é um bem público.
 A publicidade da informação é a regra, o sigilo é a exceção.
 Divulgação de informações de interesse público,
 Disponibilidade sem necessidade de solicitação (transparência ativa)
 Utilização da internet e outros meios de comunicação.
 Cultura da transparência.
 Desenvolvimento do controle social
Cenário informacional em que emerge a LAI
 Pressupõe uma ordem informacional que está longe de existir.

 A LAI e o Decreto que a regulamenta obriga que os órgãos da


administração pública garanta aos cidadãos a disponibilidade,
autenticidade e integridade das informações públicas (produzidas e
acumuladas pelo Estado).

 Exige a transparência ativa (divulgação espontânea, proativa de


informações).

Define prazos para resposta.


Cenário da gestão informacional em que emerge a
LAI
 Os tipos de informações caracterizadas pela LAI são
essencialmente arquivísticos;

 As possibilidades de assegurar que o cidadão tenha acesso à


informação governamental encontram-se diretamente relacionadas
a políticas e práticas de gestão da informação arquivística e Gestão
de Documentos.
LAI - publicização mínima de informações exigidas e
prazos
A Internet é o canal prioritário.

 Requer níveis razoáveis de organização da informação de forma a


disponibilizar informações atualizadas e em formato aberto.
Cenário da gestão informacional em que emerge a
LAI
 Cenário informacional do Estado brasileiro encontra-se, exceções à
parte, muito aquém das demandas da LAI e das possibilidades de
fazer face aos direitos de acesso à informação por parte da sociedade
nos termos exigidos na lei.

 Como está a expertise dos órgãos federais quanto ao Gestão da


Informação, Gestão de Documentos, Gestão da Segurança da
Informação, entre outros, como a cultura organizacional que
favoreça um ambiente informacional propício para o atendimento
as exigências da lei.
Cenário da gestão informacional em que emerge a
LAI
Como está a expertise dos órgãos federais quanto ao Gestão da
Informação, Gestão de Documentos, Gestão da Segurança da
Informação, entre outros, como a cultura organizacional que
favoreça um ambiente informacional propício para o atendimento
as exigências da lei ?
Desafios para implementação da LAI
A aprovação da lei de acesso é o primeiro passo rumo à
materialização de uma política de acesso à informação;

Como qualquer outra política pública, pode enfrentar diversos


desafios em sua execução.

 O equacionamento da política vai depender da capacidade de


mobilização dos recursos humanos, tecnológicos, financeiros e,
especialmente, da capacidade de enfrentar resistências de ordem
política e cultural.
Desafios para implementação da LAI
A multiplicidade de atores, agências e esferas de governo com
diferentes competências e capacidades de implementação.

 Falta de recursos técnicos, financeiros e humanos.

 Modificar a cultura organizacional instituída, apoiada fortemente no


sigilo enquanto princípio e, especialmente, sobre o trabalho cotidiano
do servidor ;

Rever ou implantar processos e procedimentos de coleta, organização,


armazenamento, distribuição das informações.
Desafios para implementação da LAI

 Rever ou implantar processos e procedimentos de coleta,


organização, armazenamento, distribuição das informações;

Desenvolvimento de capacidade e competência para identificar,


classificar e tratar enorme volume de informações ( em papel e
bases de dados), seleção e uso das TICs apropriadas em
conformidade como a recomendação para os Dados Abertos.
Desafios para implementação da LAI
as pessoas precisam conhecer e usar a LAI
Divulgar a existência da lei como também a importância da
participação do cidadão;

Promover e facilitar o acesso às informações (design de sites


atrativos; fáceis de usar, multilinguísticos; implantação de recursos
de acessibilidade, etc.)

Implantação de Serviços de Informação ao Cidadão (CICs).


Desafios para implementação da LAI
o papel do servidor público
 É preciso introduzir o conceito da transparência nas organizações e
isso só será possível se seu componente básico, o servidor, estiver
convencido de que as informações que ele produz e maneja no dia a
dia não sua de sua propriedade e tampouco da repartição, pelo
contrário, são informações públicas que devem ser disponibilizadas
ao acesso de qualquer pessoa.

A mudança organizacional deve ser preparada por etapas, uma vez


que envolve um processo de mudança comportamental e exige
sensibilização das pessoas.
Desafios para implementação da LAI
o papel do servidor público

A transparência não pode ser considerada como um mero


fenômeno transitório, mas sim como um princípio de atuação que
deve ser usado e pensado em todos os processos e atividades diárias.

Seus resultados mais efetivos só poderão ser alcançados e verificados


no longo prazo, quando o acesso à informação for absorvido como
dever e direito.
Desafios para implementação da LAI
TICs e Internet
A utilização massiva das tecnologias da informação e da comunicação e
a Internet possuem grande capacidade de exponencializar a promoção
da transparência e o acesso à informação pública, diminuindo
assimetria de informações entre o governo e o cidadão .

Seu uso adequado melhora a qualidade da informação produzida, além


de facilitar o acesso às mesmas.

 Exige capacitação técnica em informática ( banco de dados,


desenvolvimento de aplicações WEB, etc...)
Desafios para implementação da LAI
(algumas medidas que podem ser feitas?)
O governo federal ( ou suas agências) precisa(m) ter um papel
coordenador;

Incentivar a atuação conjunta e articulada entre os diferentes níveis


de governo;

 desenvolver programas que estimulem a regulamentação local e os


sistemas locais de acesso à informação pública;
Desafios para implementação da LAI
(algumas medidas que podem ser feitas?)

Criar fóruns nacionais e estaduais para reunir os responsáveis por


esta atividade e estimular o compartilhamento de experiências a
similaridade do que foi feito nos programas de modernização das
administrações fiscais ou nos programas de modernização da gestão
pública.

Entre outras...
Desafios para implementação da LAI
(algumas medidas que podem ser feitas?)

Criar fóruns nacionais e estaduais para reunir os responsáveis por


esta atividade e estimular o compartilhamento de experiências a
similaridade do que foi feito nos programas de modernização das
administrações fiscais ou nos programas de modernização da gestão
pública.

Entre outras...
Por fim....

Trata-se também de uma mudança radical de perspectiva de


autovisão do cidadão brasileiro – sujeito ativo do direito de ser
informado.

Não se altera o estatuto de uma cultura autoritária com uma lei


apenas !