Você está na página 1de 32

Os sete níveis

de autoridade
■ Práticas não bíblicas de autoridade e
submissão ensinadas por alguns e abusos
praticados por outros, têm causado uma
tremenda ferida no meio do povo de
Deus.
■ Verdades bíblicas podem ser levadas a
extremos, e quando isso acontece, elas
têm o poder de destruir vidas.
■ Não fomos chamados para manipular as
ovelhas ou controlar as suas vidas.
■ Precisamos, sim, exercer autoridade, mas
com amor e dentro dos limites
estabelecidos por Deus.
■ Os sete níveis de autoridade
– A Palavra de Deus menciona sete níveis de
autoridade. Os três primeiros são
prerrogativas exclusivas de Deus e os outros
quatro são exercidos pelos seus ministros:
Os sete níveis de autoridade
■ 1. Autoridade soberana
■ 2. Autoridade da Verdade (ou da Palavra
de Deus).
■ 3. Autoridade da consciência
■ 4. Autoridade delegada
■ 5. Autoridade funcional
■ 6. Autoridade dos costumes e tradições
■ 7. Autoridade dos contratos
Vamos ver cada um desses níveis de
autoridade.
Os sete níveis de autoridade
■ 1. A Autoridade soberana
– É o maior nível de autoridade. É a autoridade
imperial. Este nível nunca é questionado ou
desafiado. É absoluto e infalível. É o maior
nível de autoridade. Esta autoridade pertence
somente a Deus.
– Todavia, algumas igrejas e denominações se
apropriam dessa autoridade soberana, mas
não há nenhuma base bíblica para que
qualquer ser humano exerça essa autoridade.
Os sete níveis de autoridade
■ a. Cristo recebeu a autoridade soberana
– Essa era a ambição de Lúcifer (Is. 14:12-14), mas Cristo
recebeu a autoridade soberana (Ef. 1:16-22).

■ b. Cuidado com os que tomam o lugar de


Cristo
– Qualquer pessoa que coloca a sua unção num nível de
ser inquestionável e infalível está assumindo uma posição
de anticristo. Ser anticristo não é ser contra Cristo, mas
tentar tomar o seu lugar.
Os sete níveis de autoridade
■ Há pessoas que vêem em nome de Cristo
e se dizem com a mesma autoridade:
■ Porque virão muitos em meu nome,
dizendo: Eu sou o Cristo, e enganarão
a muitos. Mt. 24:5
■ Não há nenhuma autoridade na Igreja a
quem o cristão tenha que prestar
obediência inquestionável, só a Deus.
Os sete níveis de autoridade
■ 2. A Autoridade da verdade
– É a autoridade daquilo que é sempre
verdadeiro sem qualquer sombra de dúvida.
– Qualquer coisa que é verdadeira possui
autoridade pelo fato de ser verdadeira. É
inquestionável.
■ Porque nada podemos contra a
verdade, senão em favor da própria
verdade. II Cor. 13:8
Os sete níveis de autoridade
■ a. A verdade é o próprio Deus
– Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a
verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão
por mim. Jo. 14:6
– Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a
graça e a verdade vieram por meio de Jesus
Cristo. Jo. 1:17
– Este é aquele que veio por meio de água e
sangue, Jesus Cristo; não somente com água,
mas também com a água e com o sangue. E o
Espírito é o que dá testemunho, porque o
Espírito é a verdade. I Jo. 5:6
Os sete níveis de autoridade
■ b. A verdade é o que Deus diz
– A fim de serem julgados todos quantos não
deram crédito à verdade; antes, pelo contrário,
deleitaram-se com a injustiça. II Ts. 2:12
– Deus não é homem, para que minta; nem filho
de homem, para que se arrependa. Porventura,
tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo
falado, não o cumprirá? Nm. 23:19
– Não violarei a minha aliança, nem modificarei o
que os meus lábios proferiram. Sl. 89:34
Os sete níveis de autoridade
■ c. A Bíblia é a verdade
– A Bíblia está colocada na terra com a
autoridade da verdade. Ela é a verdade. Ela
foi inspirada pelo Espírito de Deus e é
inerrante (II Tm. 3:16).
Os sete níveis de autoridade
■ Assim, lembre-se sempre do que os pais
da Reforma disseram:
– Nada contrário às Escrituras pode ser
verdadeiro.
– Nada que seja acrescentado às Escrituras
pode ser obrigatório.
– Todo crente é livre para pesquisar as
Escrituras e checar a verdade.
Os sete níveis de autoridade
■ Os crentes de Beréia são um bom
exemplo (At. 17:10-11).
– Eles reconheceram que as Escrituras tinham
maior autoridade que os Apóstolos (Gl. 1:8).
– Eles examinaram as Escrituras para ver se o
que os Apóstolos diziam era verdade.
■ A Bíblia é autoridade final de fé e prática.
■ Mas, ainda que nós ou mesmo um
anjo vindo do céu vos pregue
evangelho que vá além do que vos
temos pregado, seja anátema. Gl. 1:8
Os sete níveis de autoridade
■ 3. A Autoridade da Consciência
– Todo homem é capaz de distinguir entre o
certo e o errado, mesmo os incrédulos e
ímpios.
– Todos sabemos o que não queremos que os
outros façam contra nós. Portanto, sabemos o
que não devemos fazer com os outros.
Chamamos isso de consciência.
Os sete níveis de autoridade
■ a. Não devemos violar a consciência
dos outros
– E deste modo, pecando contra os irmãos,
golpeando-lhes a consciência fraca, é contra
Cristo que pecais. I Cor. 8:12
– Mas aquele que tem dúvidas é condenado se
comer, porque o que faz não provém de fé; e
tudo o que não provém de fé é pecado. Rm.
14:23
Os sete níveis de autoridade
■ b. Devemos nos submeter a ela
– Um faz diferença entre dia e dia; outro julga
iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem
definida em sua própria mente. Quem distingue
entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem
come para o Senhor come, porque dá graças a
Deus; e quem não come para o Senhor não
come e dá graças a Deus. Rm. 14:5-6
– Não nos julguemos mais uns aos outros; pelo
contrário, tomai o propósito de não pordes
tropeço ou escândalo ao vosso irmão. Rm. 14:13
Os sete níveis de autoridade
■ Se resolvemos ir contra a nossa consciência a
Palavra de Deus diz que pecamos.
■ Homem algum tem o direito de exigir de outro
algo que vá contra a consciência dele. Um
marido não pode forçar a sua esposa a práticas
sexuais que ofendem a consciência dela, por
exemplo.
■ Um pastor não pode impor uma prática a uma
ovelha se aquilo vai contra a consciência dela.
Os sete níveis de autoridade
■ Desses três tipos de autoridade podemos
concluir que nenhum homem, seja a
Igreja ou o Estado, tem o direito de
ordenar que você desobedeça a Deus, à
Bíblia e à sua consciência.
■ Esses três níveis de autoridade são
prerrogativas exclusivas de Deus.
Os sete níveis de autoridade
■ 4. A Autoridade delegada
– Os próximos quatro níveis de autoridade são
reservados aos homens.
Os sete níveis de autoridade
■ Quando essa autoridade ou governo é
bem exercida o resultado será o que está
em Romanos 14:17: justiça, paz e alegria.

■ Porque o reino de Deus não é comida


nem bebida, mas justiça, e paz, e
alegria no Espírito Santo. Rm. 14:17
Os sete níveis de autoridade
■ a. Os líderes da Igreja possuem
autoridade delegada
– Somos seus embaixadores, seus
representantes.
– De sorte que somos embaixadores em
nome de Cristo, como se Deus exortasse
por nosso intermédio. Em nome de
Cristo, pois, rogamos que vos
reconcilieis com Deus. II Cor. 5:20
Os sete níveis de autoridade
■ I Pedro 5:3 diz que não devemos exercer
autoridade como dominadores do
rebanho.
■ Nem como dominadores dos que vos
foram confiados, antes, tornando-vos
modelos do rebanho. I Pe. 5:3
Os sete níveis de autoridade
■ A nossa autoridade pertence a Deus e nos
foi delegada. Se esperamos submissão do
rebanho precisamos ter a atitude de
Cristo: a de dar a vida pelas ovelhas.
■ Eu sou o bom pastor. O bom pastor
dá a vida pelas ovelhas. Jo. 10:11
■ A autoridade delegada não é igual à
daquele que a delegou. Nossa autoridade
é limitada.
Os sete níveis de autoridade
■ b. A autoridade delegada procede da
responsabilidade
– Pelo fato de ter responsabilidade pela minha
esposa e filhos, então tenho autoridade sobre
eles.
– Eu não tenho autoridade na casa do vizinho
porque não tenho responsabilidade por eles.
Os sete níveis de autoridade
■ c. A Autoridade delegada nunca vai
além de sua responsabilidade
– O limite de nossa autoridade é, portanto, a
nossa responsabilidade. Nunca vai além dela.
– O inverso também é verdadeiro: quando
deixamos de assumir a responsabilidade
perdemos a autoridade.
Os sete níveis de autoridade
■ 5. A Autoridade funcional
– A autoridade funcional é, muitas vezes, a
base para estabelecermos a autoridade
delegada.
Os sete níveis de autoridade
– a. Provém da habilidade
▪ A autoridade funcional provém da
habilidade, competência, experiência e
treinamento.
▪ Se alguém não deseja obedecer a
prescrição médica não deveria fazer uma
consulta. O médico é uma autoridade
funcional e ignorá-lo poderia se rebeldia.
Os sete níveis de autoridade
– O pastor deveria se submeter dentro da igreja
aos engenheiros na questão de construção,
aos médicos na questão de saúde e assim por
diante. Não que os pastores deixem de ser
autoridade, mas eles reconhecem a
autoridade funcional.
– Assim como um marido deveria se submeter à
sua esposa naquilo que é habilidade dela.
Os sete níveis de autoridade
■ 6. A Autoridade dos costumes
– A autoridade dos costumes e tradições se
estabelece quando provou-se através dos
anos que é para o bem comum e é aceita por
todos.
– Paulo apela para a autoridade dos costumes
quando fala da questão do véu.
■ Contudo, se alguém quer ser
contencioso, saiba que nós não
temos tal costume, nem as igrejas de
Deus. I Cor. 11:16
Os sete níveis de autoridade
■ Uma igreja ou liderança não pode ignorar
os costumes de uma localidade ou
comunidade. Se tal costume é edificante
deve ser preservado. Todavia a autoridade
dos costumes é sujeita a todos os níveis
anteriores de autoridade.
Os sete níveis de autoridade
■ 7. A Autoridade dos contratos
– Esta é a autoridade da lei. Ela pode ser
observada nos contratos e acordos legais. A
sociedade é regida por esse nível de
autoridade.
– Apesar de ser algo natural sua origem é
divina. Paulo disse em Romanos 13 que essa
autoridade foi também constituída por Deus e
procede Dele (Rm. 13:1-6).