Você está na página 1de 67

O estudo da realidade brasileira no contexto do

capitalismo global não dispensa o estudo da


teoria social clássica senão corre-se o risco de
precisarmos reinventar continuamente a roda.

Mas, por outro lado, não devemos transformar os


textos clássicos numa espécie de bíblia sagrada
pretendendo aplicar as análises da realidade
social européia do século XIX para compreender a
realidade social brasileira e mundial do século
XXI.
Características de um clássico

Seja considerado interprete autêntico e único de seu tempo, cuja


obra seja utilizada como instrumento indispensável para
compreendê-lo.

Seja sempre atual, de modo que cada época, ou mesmo cada


geração, sinta a necessidade de relê-lo e, relendo-o, de
reinterpretá-lo.

Tenha construído teorias-modelo das quais nos servimos


continuamente para compreender a realidade, até mesmo uma
realidade diferente daquela a partir da qual as tenha derivado e
à qual as tenha aplicado, e que se tornaram, ao longo dos anos,
verdadeira e proprias categorias mentais.

Norberto Bobbio, Teoria Geral


de Política
Os Clássicos da Sociologia

No século XIX, três pensadores desenvolveram teorias buscando


explicar a sociedade capitalista: Karl Marx , Emile Durkheim que
continuou o positivismo de Augusto Comte e Max Weber . Estes três
pensadores são denominados os clássicos da Sociologia.

1818-1883 1858-1917 1864-1920


Os Clássicos da Sociologia

Objeto da
Sociologia Método

Emile Durkheim Fato Social Explicação


(1857 – 1917)

Max Weber Ação Social Compreensão


(1864 – 1920) Social

Karl Marx Classes Sociais Dialética


(1818 – 1883)
ÉMILE DURKHEIM
França (1858-1917)

Émile Durkheim nasceu em Épinal,,


França, em 1858, e morreu em Paris em
novembro de 1917. Sua principal
contribuição foi o método aplicado a
sociologia, tendo deixado como legado
uma série de estudos que se
notabilizam pelo esforço de combinar
pesquisa empírica e teórica.
Preocupou-se em desenvolver
metodologicamente a Sociologia.
A Sociologia de Durkheim
• A concepção da Sociologia de Durkheim se
baseia em uma teoria do fato social. Seu
objetivo é demonstrar que pode e deve
existir uma sociologia objetiva e científica,
conforme o modelo das outras ciências,
tendo por objeto o fato social. Ele desejava
que a sociologia tivesse um objeto específico
que a distinguisse das outras ciências, que
pudesse ser observado e explicado assim
como o objeto das outras ciências.
Assim, pois, o fato social é algo dotado de vida própria,
externo aos membros da sociedade e que exerce sobre seus
corações e mentes uma autoridade que os leva a agir, a pensar e a
sentir de determinadas maneiras.

Da perspectiva do autor, a sociedade não é o resultado de um


somatório dos indivíduos vivos que a compõem ou de uma mera
justaposição de suas consciências. Ações e sentimentos
particulares, ao serem associados, combinados e fundidos, fazem
nascer algo novo e exterior àquelas consciências e às suas
manifestações.

De acordo com Prof. Capri, FATO SOCIAL é tudo aquilo que se


destaca, chama a atenção, caracteriza determinado grupo de
pessoas ( grupo social / tribos urbanas ) de forma comum e
normal
O objeto da sociologia durkheimiana são os
O Fato social
fatos sociais. Os fatos sociais têm três características
fundamentais:

– Coerção: exercem força sobre os indivíduos,


levando-os a conformar-se às regras da
sociedade em que vivem, são obrigados,
independentemente de sua vontade e escolha. O
grau de coerção de um fato social pode ser
identificado pelas sanções sociais que ele
provoca. As sanções podem ser legais e
espontâneas.
– São exteriores aos indivíduos (independem de
sua consciência particular): existem e atuam
sobre os indivíduos independentemente de sua
vontade ou adesão consciente.
– Generalidade: é social todo fato que é geral. Isto
é, que se repete em todos os indivíduos ou, pelo
menos, na maioria deles.
Solidariedade Mecânica e Orgânica

MECÂNICA Solidariedade por semelhanças.


Solidariedade característica das sociedades primitivas,
em que existe pouca ou nenhuma divisão do trabalho (na
maior parte das vezes encontra-se apenas uma divisão sexual).

ORGÂNICA Solidariedade baseada no consenso.

É a solidariedade característica das sociedades


avançadas (Europa industrializada do século XIX). Tais
sociedades são marcadas por uma intensa divisão do trabalho
social, que produz uma intensa especialização das funções,
capaz de levar o indivíduo a vincular-se à coletividade - criando
coesão e integração social - porque depende das partes que a
compõem.
SOLIDARIEDADE SOCIAL
SOCIEDADE PRE-CAPITALISTA SOCIEDADE CAPITALISTA

Tradicional Moderna
Não diversificada Diversificada
Pré-industrial Industrial
Semelhanças de funções: Especialização de funções:
união dependência
Simples Complexa

Pouca divisão do trabalho Muita divisão do trabalho


Causa da coesão social : Causa da coesão social :
Solidariedade Solidariedade

Solidariedade mecânica Solidariedade orgânica


divisão do trabalho pouco desenvolvida

Não havia um grande número de


especializações

As pessoas se uniam não porque


dependiam do trabalho das outras
Solidariedade
Todos tinham a mesma religião, as
Mecânica mesmas tradições, os mesmos
sentimentos, os mesmos valores

A consciência coletiva era forte e


pesava sobre o comportamento de
todos.
Predominava o Direito Repressivo (Penal)
pois o crime feria os sentimentos coletivos.
Há divisão de trabalho porque há mais
especialização de funções..

O que une as pessoas é a interdependência


das funções sociais.

Solidariedade
A consciência coletiva é fraca pois é difusa,
Orgânica difundindo-se pelas diversas instituições

Predomina o Direito Restitutivo (Civil) , pois a


função do Direito mais do que punir o criminoso,
é restabelecer a ordem que foi violada.
As causa sociais do aumento da divisão do trabalho nas sociedade
complexas decorre de uma combinação de fatores que envolvem : o
volume populacional e a densidade natural e moral da população

um aumento do volume da população


Causas do
aumento da
divisão do uma maior aproximação dos membros da
trabalho sociedade no espaço físico

uma maior comunicação e interdependência


dos indivíduos no espaço social
Durkheim admite que a Solidariedade Orgânica é superior à
Mecânica, pois ao se especializarem as funções , a
individualidade de certo modo é ressaltada, permitindo maior
liberdade de ação

Segundo Durkheim, o aumento da diferenciação social e das


especializações é fruto de um processo de evolução das
sociedades mais simples e tradicionais para as sociedades
modernas
FATO PATOLÓGICO E ANOMIA
O crescente desenvolvimento da industria e da
tecnologia faz com que Durkheim tivesse uma
visão otimista sobre o futuro do capitalismo.

O capitalismo é uma sociedade perfeita, pois a maior


divisão de trabalho aumenta a especialização de funções
que aumenta a dependência, tendo maior solidariedade.

Como explicar os problemas sociais, tais como favela,


criminalidade, suicídio, fome, miséria, poluição,
desemprego?

A crise da sociedade é moral. Ou as normas estão


falhando (fato patológico) ou há ausência de
normas (anomia)
Coesão, solidariedade e
os dois tipos de consciência

A “solidariedade social”, para Durkheim, é


formada pelos laços que ligam os indivíduos,
membros de uma sociedade, uns aos outros
formando a coesão social.
Há dois tipos diferentes de solidariedade
social. Esses tipos têm relação com o “espaço”
ocupado na mentalidade dos membros da sociedade
pela consciência coletiva e pela consciência
individual.
• Consciência Coletiva: “conjunto de crenças e dos
Fato Social e Consciência Coletiva
sentimentos comuns à média dos membros de uma
mesma sociedade que forma um sistema determinado
com vida própria”. (A consciência coletiva é diferente da
consciência particular dos indivíduos e não corresponde
à soma destas. De uma certa forma, a consciência
coletiva é a própria sociedade). São as crenças, os
costumes, as idéias que todos que vivem em um mesmo
grupo compartilham uns com os outros.
A “consciência coletiva” é adquirida mediante os
processos de socialização aos quais somos submetidos
ao longo da nossa vida na sociedade. Como por
exemplo: a educação.

• Consciência Individual é aquilo que é próprio do


indivíduo, que o faz diferente dos demais. São crenças,
hábitos, pensamentos, vontades que não são
compartilhados pela coletividade, mas que são
especificamente individuais.
As Regras do Método Sociológico
O Método Durkheimiano
• Regras do Método Sociológico: estudar o fato social
como “coisa” (os fenômenos podem ser observados e
medidos de forma objetiva). A questão da neutralidade
científica.
• Morfologia Social: método comparativo / Classificação
das diferentes formas de sociedade. O método sociológico
durkheimiano flerta com alguns modelos da biologia, tal
qual aponta a idéia de “organismo social”.
• Para Durkheim, a Sociologia não só explica a sociedade
como deve encontrar remédios para a vida social.
• O pesquisador social deve manter uma distância do
objeto de estudo. Só é possível com a separação entre
objeto (coisa) e sujeito de estudo.
Ex: o crime e o criminoso.
A sociedade, como todo organismo,
apresentaria estados normais (saudáveis) e
patológicos (doentios).

 Estado Normal: é o fato que não extrapola os


limites dos acontecimentos mais gerais de uma
determinada sociedade e que reflete os valores e
as condutas aceitas pela maior parte da
população (consenso entre os indivíduos).

 Estado Patológico: é aquele que se encontra


fora dos limites permitidos pela ordem social e
pela moral (ruptura do consenso-anomia).
Importante
A tradição durkheimiana
• É da tradição durkheimiana que surgem as
formulações funcionalistas, como as idéias de
“função” e “totalidade” (interconexão entre o
todo e as partes, as partes e o todo), que
depois deram origem às abordagens sistêmicas.
• Até certo ponto toda sociologia que dá mais
ênfase ao organismo social (à sociedade) do
que à ação social dos indivíduos tem algum
nível de relação com a tradição durkheimiana.
• Durkheim discordava das idéias socialistas pois
acreditava que os problemas da sociedade são
muito mais morais do que econômicos.
Principais Obras: Da divisão do trabalho
social; As regras do método sociológico; O
suicídio; Formas elementares da vida
religiosa, Educação e Sociologia.
MAX WEBER
Alemanha (1864-1920)

• Sociólogo alemão, nasceu em21/04/1864 em Erfurt


e morreu em 14/06/1920, em Munique, vítima de
pneumonia aguda;

• Período histórico em que viveu: Unificação alemã


com Bismarck (1871), I Guerra Mundial (1914-1918).

• Principais Livros: A ética protestante e o espírito do


capitalismo; Economia e sociedade; além de inúmeros
ensaios publicados em coletâneas sobre o autor.

• De Família alemã; burgueses liberais e protestantes.


Importante lembrar para entender o
pensamento de Weber...
A “Unificação Tardia”
• A Alemanha se unifica e se organiza como Estado
nacional mais tardiamente que o conjunto das
nações européias, o que atrasou seu ingresso na
corrida industrial e imperialista da segunda metade
do século XIX.
• A expansão econômica alemã se dá numa época de
capitalismo concorrencial, no qual os países
disputam os mercados mundiais, submetendo mais
diferentes culturas, o que torna a especificidade das
formações sociais uma evidência e um conceito da
maior importância.
• Na Alemanha, o pensamento burguês se organiza
tardiamente e quando o faz, já no século XIX, é sob
influência de correntes filosóficas e da
sistematização de outras ciências humanas, como a
história e a antropologia.
Importante lembrar para entender o
pensamento de Weber...

A “Unificação Tardia”
Esse descompasso em relação às grandes potências
vizinhas fez elevar no país o interesse pela história
como ciência da integração, da memória e do
nacionalismo. Por tudo isso, o pensamento alemão
se volta para a diversidade, enquanto o francês e o
inglês, para a universalidade.

• Devemos distinguir a preocupação com o estudo da


diferença, característica de sua formação política e
de seu desenvolvimento econômico. Acresce a isso
a herança puritana com seu apego à interpretação
das escrituras e livros sagrados.
Características básicas
• Uma das diferenças existentes entre o
positivismo/evolucionismo (FRANCÊS e INGLÊS) e o idealismo
(ALEMÃO) é a importância que o segundo dá à história. Weber
é defensor do IDEALISMO.

• Weber conseguiu desenvolver a perspectiva histórica e


sociológica e tornou-se o sistematizador da sociologia na
Alemanha.

• Para Weber a pesquisa histórica é essencial para a


compreensão das sociedades.

• O conhecimento vem da experiência (vivência histórica).

• O papel do sociólogo não é entender, ou estabelecer uma


relação de causa e efeito como nas exatas, e sim compreender.
Sociologia Compreensiva

• A realidade social não é única como no


Positivismo.
• Devemos ter uma perspectiva histórica das
sociedades a serem analisadas (cada
sociedade é particular).
• Devemos compreender o que é valioso aos
integrantes da sociedade (Cultura).
• A objetividade é impossível nas ciências
sociais.
Ação Social
• Objeto de estudo; é a conduta humana, pública
ou não; o homem dá sentido à sua ação social:
estabelece conexão entre o motivo da ação, a
ação e os seus efeitos.
• É uma ação com sentido.
• O sociólogo deve compreender o sentido que
um sujeito atribui à sua ação e seu significado
social.
• MOTIVO → AÇÃO.
• Segundo Weber, cada indivíduo age levado por
quatro motivos que resultam da influência da
tradição dos interesses racionais e da
emotividade
Tipos puros de ações sociais
AÇÃO TRADICIONAL: MOTIVADA POR COSTUME OU HÁBITO
ARRAIGADO; EXISTE E NÃO É CONTESTADA (PAI SOBRE O
FILHO).

AÇÃO AFETIVA OU EMOCIONAL: MOTIVADA POR


SENTIMENTOS (MOMENTÂNEA).

AÇÃO RACIONAL RELACIONADA A VALORES: SE ESTABELECE A


PARTIR DE UM VALOR ATRIBUÍDO.

AÇÃO RACIONAL A FINS: SE ESTABELECE A PARTIR DE UM DE


UM FIM (UMA META)A SER ALCANÇADA .
LIDERES

• Ação carismática: o líder possui um


magnetismo sob os liderados (Ex: César e
Napoleão).

• Ação racional: se estabelece a partir de um


acordo (chefe-funcionário).
A ética protestante e
o espírito do capitalismo

A ética protestante e o
espírito do capitalismo é o
trabalho mais conhecido de
Weber.
Associa ética do protestante
com relação ao trabalho ( feito
para glorificar a Deus) com a
vontade de ganhar dinheiro.
Lembrar dos países desenvolvidos
e os tigres asiáticos
Positivismo – Noel Rosa
A verdade, meu amor mora num poço O amor vem por princípio, a ordem
É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz por base
E também faleceu por seu pescoço O progresso é que deve vir por fim
O autor da guilhotina de Paris Desprezastes esta lei de Augusto
Comte
A verdade, meu amor mora num poço E fostes ser feliz longe de mim
É Pilatos lá na Bíblia quem nos diz
E também faleceu por seu pescoço Vai, coração que não vibra
O infeliz autor da guilhotina de Paris Com teu juro exorbitante
Transformar mais outra vida
Vai, orgulhosa querida Em dívida flutuante
Mas aceita esta lição
No câmbio incerto da vida A intriga nasce num café pequeno
A libra sempre é o coração Que se toma pra ver quem vai
pagar
O amor vem por princípio, a ordem por Para não sentir mais o teu veneno
base Foi que eu já resolvi me envenenar
O progresso é que deve vir por fim
Desprezastes esta lei de Augusto Comte
E fostes ser feliz longe de mim
KARL MARX
Alemanha (1818-1883)

• Marx nasceu numa família de classe


média. Seus pais eram judeus que tiveram
que se converter ao cristianismo em
função das restrições impostas à presença
de membros de etnia judaica no serviço
público.

Principais obras: Manuscritos econômico-


filosóficos (Ökonomisch-philosophische
Manuskripte), 1844; A Guerra Civil na França;
Crítica da Filosofia do Direito de Hegel; A
Sagrada Família (Die heilige Familie), 1845; A
Ideologia Alemã (Die deutsche Ideologie), 1845-
46; Miséria da Filosofia (Das Elend der
Philosophie), 1847;
Manifesto do Partido Comunista (Manifest der
Kommunistischen Partei), 1848;
ENTRE OUTROS.
Visão de Sociedade
• Crítica radical ao capitalismo: antagonismo,
contradição e transitoriedade.
• Explicação da realidade na totalidade –
macrosociologia
• Teoria ligada à prática/ciência ligada aos interesses
de classe – Relação sujeito-objeto.
• Conhecimento = instrumento político para a
transformação.
• Foco de pensamento: contradições do capitalismo
a) luta de classes X harmonia
b) divisão do trabalho gera exploração, antagonismo e
alienação
c) Burguesia X proletariado
- dominação econômica (meios de produção)
- dominação política (Estado)
- dominação cultural ( ideologia, valores)
KARL MARX e o CAPITALISMO
Para Marx, o capitalismo desvirtua o
trabalho humano promovendo as
desigualdades e exploração.
Os donos dos meios de produção
(capital, instrumentos de produção,
matéria-prima) exploram aqueles que
vendem sua mão-de-obra (sua força de
trabalho).
Assim as relações de produção são
desiguais e as diferenças agravam a
condição de pobreza do proletariado.
Marx observou a realidade de sua
época, voltando-se para a Revolução
Industrial, no entanto, sua análise
pode ter uma relação com o mundo
contemporâneo.

Fonte/texto: DIAS, R. Introdução à Sociologia. 2. ed. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.
Luta de Classes e o Trabalho
• De acordo com Marx, o motor da história é a eterna
luta de classes, entre aqueles que detêm os modos de
produção e aqueles que possuem apenas a força de
trabalho para vender.

• De acordo com Marx, com o Capitalismo há o


desvirtuamento do trabalho humano com a
conseqüente servilização do proletário.
SOCIOLOGIA, 1ª Série,
KARL MARX e a LUTA DE CLASSES
As Ciências Sociais e os Primeiros Sociólogos

Para Marx, na sociedade capitalista, os trabalhadores


perderam o domínio de sua própria vida e passaram a
depender do capitalista.

Assim, juntamente
com Friedrich Engels
eles propõem uma
crítica ao capitalismo
e sugerem uma
sociedade mais
igualitária a partir do
Manifesto Comunista,
num modelo que foi
intitulada Socialismo.

Fonte/texto: TOMAZI, N. D. Sociologia para o Ensino médio. Volume único - 3. ed. – São Paulo: Saraiva, 2013.
KARL MARX e a LUTA DE CLASSES

Marx analisou a relação dos patrões com o proletariado. Ele definiu como
classe social os indivíduos que se identificam e se unem para questionar
a realidade de exploração em que se inserem.
Ele verificou que os conflitos
entre as classes sociais são a
mola que move a evolução da
sociedade por meio das
transformações que podem
provocar.

Para ele só é possível entender as


relações dos indivíduos com base
nos antagonismos, nas
contradições e nos conflitos entre
as classes sociais.

Fonte/texto:DIAS, R. Introdução à Sociologia. 2. ed. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.
O Capitalismo
• O capitalismo, segundo o pensamento marxista, pode ser
apontado como responsável pelo aumento das desigualdades
sociais, à medida em que concentra os meios de produção e de
aquisição de capital nas mãos de pouco, deixando uma grande
massa de despossuídos que se vêem obrigados a vender sua
força de trabalho para sobreviverem.

Ou seja:

“Quanto mais aumenta o capital produtivo, tanto mais se


estendem a divisão do trabalho e o emprego da máquina,
quanto mais a divisão do trabalho e o emprego do maquinismo
aumentam, mais a concorrência entre os operários cresce e mais
se contrai seu salário.”

“A parte do capital, o lucro, sobe na mesma medida em que a


parte do trabalho, o salário, baixa, e vice-versa.”
Marx
SOCIOLOGIA, 1ª Série,
KARL MARX e o CAPITALISMO
As Ciências Sociais e os Primeiros Sociólogos

MAIS VALIA – Corresponde a


exploração da Mão de obra
traduzida nas horas não pagas
ao trabalhador.

ALIENAÇÃO – Termo utilizado


por Marx para descrever a falta
de contato e o estranhamento
que o trabalhador tinha com o
produto que fabricava.

OBSERVAÇÃO: Os salários são o


pagamento da força de
trabalho que o proletariado
vende em sua relação de
trabalho com o capitalista.
Capitalismo e a Sociedade Civil
A sociedade civil é vista pela teoria marxista como
uma construção cuja base é a economia.

A organização da produção econômica é o fim da


sociedade, que se concretiza por meio de instituições
sociais, como a família, igrejas, escolas, polícia etc.

Dentro do sistema capitalista, as instituições sociais


são utilizadas como ideologia para a opressão dos
trabalhadores.
SOCIOLOGIA, 1ª Série,
As Ciências Sociais e os Primeiros Sociólogos

KARL MARX e o CAPITALISMO


Marx propôs conceitos para analise da
Sociedade Capitalista como a
superestrutura, a infraestrutura , a mais
valia e a alienação.

RESUMINDO...

SUPERESTRUTURA – Corresponde ao
Poder do ESTADO.

INFRAESTRUTURA – Organização da
SOCIEDADE - BURGUESES (Donos dos
meios de Produção) e PROLETÁRIOS
(Donos da Força de trabalho).

Fonte/texto:http://pt.slideshare.net/maynaramarques/karl-marx
Fonte/texto:http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/50586/alienacao-na-sociologia-por-karl-marx
Burguesia e Proletariado
“Por burguesia entende-se a classe de capitalistas
modernos, proprietários dos meios de produção
social, que empregam o trabalho assalariado. Por
proletários compreende-se a classe dos trabalhadores
assalariados modernos que, privados de meios de
produção próprios, se vêem obrigados a vender sua
força de trabalho para poder existir.”

(Marx)
Revolução do Proletariado
A revolução proletária levaria a um regime
intermediário e de caráter provisório, a ser conhecido
como “ditadura do proletariado”.

Nesse momento, passando de despossuídos a


detentores do poder, o proletariado trataria de
arrancar pouco a pouco o capital das mãos dos
burgueses, centralizando os instrumentos de
produção nas mãos do Estado para, enfim, chegar ao
comunismo completo, em que os meios de produção
serão repassadas a associações.
O Materialismo histórico-dialético

É a filosofia fundamentada por Karl Marx e Friedrich


Engels (1820-1895), que visa explicar como se formaram as
classes sociais e, posteriormente, o Estado que possui dois
momentos, a saber:
1º Momento: surge para evitar ou amenizar o conflito
entre classes;
2º Momento: torna-se parcial, representando os interesses
das classes dominantes e servindo como aparelho de
coerção contra as classes dominadas.
Em seguida, provar que a história da humanidade é uma
história de luta de classes.
O Materialismo histórico-dialético

Opõe-se as concepções idealistas de Schelling, Fichte e


principalmente, Hegel.

● Para os idealistas, em específico Hegel, o real é guia e


fundamento do pensar na história e as contradições
ocorrem naturalmente.

● Para Marx o real também é guia e fundamento do


pensar, mas as contradições históricas não ocorrem
naturalmente, elas são provocadas pela diferença
econômica de classes.
O Materialismo histórico-dialético
 A realidade imaterial: que se refere ao nível político-
ideológico, comumente chamado de Superestrutura. É
constituído:
● pela estrutura jurídico-política representada pelo Estado e
pelo direito.
● pela estrutura ideológica referente às formas de
pensamento, sentimento e consciência social, tais como:
▪ Filosofia; ▪ Literatura; ▪ Estética;
▪ Ciência; ▪ Religião; ▪ Moral;
▪ Arte; ▪ Educação; ▪ Música.
O Materialismo histórico-dialético
Modos de produção da vida material
Refere-se a infra-estrutura, que é um composto de força
produtivas e relações sociais de produção. Ou seja, é a maneira
pela qual os homens obtêm seus meios necessários de existência
material – comumente chamado por Marx de econômica.

Ou...
Refere-se a determinado estágio de desenvolvimento das forças
produtivas, que por sua vez, determinam as relações sociais de
produção em um dado momento histórico.

Logo:
Modo de produção = forças produtivas + relações sociais de produção = Infra-estrutura
O Materialismo histórico-dialético
 Forças produtivas: é a relação do ser humano com a natureza no esforço de
produzir a própria existência – isto é, relação dialética entre homem e
natureza, que permite desenvolver instrumentos, ferramentas etc.

Homem trabalho Natureza

Trabalho: Ação humana transformadora da natureza que visa suprir as


necessidades materiais.

 Relações sociais de produção: é a relação dos indivíduos entre si - isto é, é


a relação dialética entre homem e homem, que pode ser de dois tipos:
● explorador-explorado; Formas de ação entre os indivíduos
● solidariedade e respeito recíproco.

Homem um age sobre o outro Homem


O Materialismo histórico-dialético
Tipos de modo de produção:
 Comunismo ou sociedades primitivas: os seres humanos se
unem para enfrentar os desafios da natureza hostil e dos animais
ferozes. Os meios de produção, as áreas de caça, assim como os
produtos, são propriedades comuns, isto é, pertencem a toda a
sociedade. A base econômica determina certa maneira de
pensar peculiar, em que não há sentimento de posse, uma vez
que não existe propriedade privada.

Aspectos fundamentais das sociedades primitivas:


▪ Não há sentimento de posse;
▪ A propriedade é comum.

Continuação...
O Materialismo histórico-dialético
Tipos de modo de produção:
 O modo de produção patriarcal: surge quando se inicia a
domesticação de animais e se desenvolve a agricultura graças ao
uso de instrumentos de metal e à fabricação de vasilhas de barro,
o que possibilita fazer reservas. Quais as conseqüências das
modificações das forças produtivas? Alteram-se as relações de
produção e o modo de produção: aparece uma forma específica
de propriedade (a propriedade familiar); diferenciam-se funções
de classe (autoridade do patriarca, pai de família); muda o direito
hereditário, ao se substituir a filiação materna pela paterna.

Aspectos fundamentais da produção patriarcal:


▪ Surge a classe como hierarquia social;
▪ Surge a propriedade familiar em sentido amplo;
▪ A produção é para subsistência.
Continuação...
O Materialismo histórico-dialético
Tipos de modo de produção:
 O modo de produção escravista: decorre do aumento da
produção além do necessário para a subsistência, o que exige o
recurso de novas forças de trabalho, conseguidas geralmente
entre prisioneiros de guerra, transformados em escravos. Com
isso surge a propriedade priva dos meios de produção, e a
contradição entre senhores e escravos, como exemplo da
primeira forma de exploração humana.

Aspectos fundamentais da produção escravista:


▪ Surge, pela primeira vez na história, a classe como modo de
exploração humana;
▪ Surge a propriedade privada, devido a produção excedente;
▪ Ocorre a separação entre trabalho intelectual e trabalho
manual.

Continuação...
O Materialismo histórico-dialético
Tipos de modo de produção:
O modo de produção feudal: a base econômica é a propriedade
dos modos de produção pelo senhor feudal. O servo trabalha um
tempo para si e outro para o senhor, o qual, além de se
apropriar de parte da produção do servo, ainda lhe cobra
impostos pelo uso comum do moinho, do lagar etc.
Aspectos fundamentais da produção feudal:
▪ Permanece a classe como modo de exploração humana;
▪ Permanece a propriedade privada, devido a produção
excedente;
▪ Surge o burguês, habitante dos burgos, isto é, dos arredores
das cidades, que dentre os servos são os que se dedicam ao
artesanato e ao comércio, e que consegue aos poucos a
liberdade pessoal e a das cidades.
Continuação...
O Materialismo histórico-dialético

Tipos de modo de produção:

O modo de produção capitalista: é a nova síntese que


surge das ruínas do sistema feudal, ou seja, da
contradição entre a tese (senhor feudal) e a antítese
(servo). Neste contexto, para Marx, o movimento
dialético pelo qual a história se faz tem um motor: a
luta de classes. Chama-se luta de classes ao confronto
entre duas classes antagônicas quando lutam por seus
interesses de classe. No modo de produção
capitalista, a relação antitética se faz entre o burguês,
que é o detentor do capital, e o proletário, que nada
possui e só vive porque vende sua força de trabalho.
Aspectos fundamentais da produção capitalista:

▪ Permanece a classe como modo de exploração


humana;
▪ Permanece a propriedade privada, devido a
produção excedente;
▪ Ocorre a consolidação do Estado moderno ou
burguês (Estado-nação), como aparelho coercitivo;
▪ Cria-se a alienação na produção, que é o
estranhamento [o produtor deixa de se reconhecer no
que produz] do trabalhador diante da mercadoria que
ele produziu – a esse processo Marx chama
fetichismo da mercadoria;
▪ Intensifica-se a mais-valia.
FETICHE DA MERCADORIA

As mercadorias adquirem uma forma fantástica


capazes de oferecer mais que utilidade, trazem
felicidade, poder, status, etc.

Humaniza

HOMEM MERCADORIA

Coisifica

Reificação do homem
“A desvalorização do mundo humano ocorre na
razão direta da valorização do mundo das coisas”

SER
TER

Mercantilização das relações sociais.


VÍDEO: O ENCONTRO DO SÉCULO, MARX E ADAM SMITH
https://youtu.be/wpdhEu3wfNc
O Samba da Mais-valia
Síntese de muitas determinações Tem desemprego, meu bem
A realidade social é feita de contradições E tem a dengue, também.
Desigualdade e tortura federal
Mas a árvore não pode esconder o arvoredo
Vem o grande analista, revela o segredo
No Brasil todo foi um ti-ti-ti
da acumulação de capital
Todo mundo pensando
Do Oiapoque ao Chuí
É mais-valia pra cá, É mais-valia pra lá. Mas agora é a hora da transformação,
Capitalismo é selvagem, É global. O carnaval traz nossa revolução.
É mais-valia pra cá, É mais-valia pra lá,
Tempo roubado do trabalho social. Síntese de muitas determinações
A realidade social é feita de contradições
Mercadoria é alienação, Mas a árvore não pode esconder o arvoredo
Trabalho, salário: a danação Vem o grande analista, revela o segredo
da acumulação de capital.
A grana diz ‘trabalho sozinha’,
A fórmula é DMD’.
O manifesto falou, o comunismo escutou:
Tem que seguir o movimento popular.
Síntese de muitas determinações O grande mestre mostrou,
A realidade brasileira é feita de contradições A grande escola ensinou:
Mas o grande analista indicou o caminho Dizer o samba no pé, se revoltar
Ninguém pode vencer essa luta sozinho.
É luta de classes e coração. Lá no rio vermelho, Na Filosofia
Descobrir o pandeiro, a cuíca, a magia.
Tem a novela, meu bem Mas agora é a hora da transformação:
E tem a Xuxa, também. O carnaval traz nossa revolução
Proselitismo tem no Jornal Nacional.