Você está na página 1de 106

Geografia Bíblica

“Nossa fé precisa ter um alicerce, que é a Palavra de Deus, e não areia,


musgo, fantasia ou obras humanas.” Lutero – A Bíblia Sagrada – Martin Lutero
Noções de Geografia

Geografia Bíblica é a parte da Geografia Geral que


estuda as terras e os povos bíblicos e conduz à
História Bíblica. Mensagens e fatos descritos na
Bíblia, tido como obscuros tornam-se claros quando
estudados à luz da geografia bíblica.
Noções de Geografia
A Geografia se divide em:

 Geografia humana: Preocupa-se em estudar


os agrupamentos em suas relações com a
Terra.
 Como repartem o espaço;
 Sua adaptação as condições naturais;
 Sua organização. Etc.
Noções de Geografia

 Geografia econômica: Aponta os estudos


dos recursos econômicos.
 Origem vegetal;
 Origem animal;
 Origem mineral.

 Geografia Física: Estuda os traços físicos das


diversas regiões da terra.
 Relevo;
 Clima;
 Vegetação: Fauna e Flora.
Noções de Geografia

 Geografia política: Estuda a influência


geográfica na política, a relação entre o poder
de um país e sua geografia física e humana.

 Geografia histórica: Procura reconstruir os


aspectos humanos, econômicos, físicos e
políticos de dada região do passado.
O Porquê Dessa Importância

 A Geografia é o palco do terreno humano,


com a revelação Divina. É ela que juntamente
com a cronologia, situa a mensagem no tempo
e no espaço, dá cor ao relato sagrado, ao
localizar, situar, fixar e documentá-los. Através
dela, os acontecimentos históricos tornam-se
vívidos e as profecias mais expressivas
O Mundo Bíblico.

Norte: Uma linha reta que começa na


Espanha, passa pelo norte da Itália e
Mar Negro e vai até o Mar Cáspio;
Leste: Uma linha reta que partindo do
Mar Cáspio, e passando pelo Golfo
Pérsico, vai até o Mar Arábico;
Sul: Uma linha reta que, partindo do
Mar Arábico, vai na direção oeste,
passando pela Etiópia e terminando no
deserto da Líbia, no continente
africano;
Oeste: Uma linha reta que parte do sul
do deserto da Líbia e termina na
Espanha, abrangendo o Egito e as
regiões do norte da África.
Gn 2: 7-14 “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra e soprou em seus
narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. E plantou o Senhor Deus
um jardim no Éden, da banda do Oriente, e pôs ali o homem que tinha formado. E o
Senhor Deus fez brotar da terra toda árvore agradável à vista e boa para comida, e a
árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal. E, saía um
rio do Éden para regar o jardim; e dali se dividia e se tornava em quatro braços. O
nome do primeiro é Pisom; este é o que rodeia toda a terra de Havilá, onde há ouro. E
o ouro dessa terra é bom; ali há o Bdélio e a pedra sardônica. E o nome do segundo
rio é Giom; este é o que rodeia toda a terra de Cuxe. E o nome do terceiro rio é
Hidéquel; este é o que vai para a banda do oriente da Assíria; e o quarto rio é o
Eufrates.”
1. Mesopotâmia
Gn 2:7-14.

Berço da humanidade

A História Geral declara ser o Egito o berço da humanidade,


mas a verdade está na Bíblia.

Aqui existiu o Éden Adâmico.


1. Mesopotâmia

Na Mesopotâmia destacam-se dois países:

Babilônia, de capital do mesmo nome. Outros nomes antigos:


Caldéia (Ez 11.24); Sinear (Gn 14.1); Súmer.
É o sul da Mesopotamia;

Assíria, Gn 2.14; 10.11. É o norte da Mesopotâmia. É hoje


parte do Iraque. Capital: Nínive, destruída em 607 AC.
A terra prometida

Antes de Abraão, 7 nações ocupavam a terra, chamada de


Canaã, o filho amaldiçoado de Cam.

Eram predominantemente descendentes de Cam (Cão), embora


houvessem descendentes também de Sem e Jafé entre eles.

Estes povos ocupavam o território que ia do Vale do Jordão até a


orla do Mediterrâneo.

Foram amaldiçoados por Noé; GN 9: 20-27


A terra prometida
“Quando o SENHOR, teu Deus, te introduzir na terra
a qual passas a possuir, e tiver lançado muitas
nações de diante de ti, os heteus, e os girgaseus,
e os amorreus, e os cananeus, e os ferezeus, e
os heveus, e os jebuseus, sete nações mais
numerosas e mais poderosas do que tu; (Dt 7:1).
Povos que ocupavam a terra.

1) Cananeus
Descendentes dos outros 3 filhos de Cam (Cuxe, Mizraim
e Pute).
Era povo cruel e dado a práticas religiosas absurdas.

2) Amorreus
Povo espalhado (lado ocidental do Mar Morto, Hebrom,
Siquém, Gileade e até nas imediações do Monte Hermom)
Têm origem nos Caldeus, que se originam de Jafé. Seu
nome origina-se dos “Amarrus”, nome babilônico e que
dominavam a Ásia ocidental.
“Todavia, eu destruí diante deles o amorreu, cuja
altura era como a dos cedros, e que era forte como
os carvalhos; e destruí o seu fruto por cima e as
suas raízes por baixo. Também vos fiz subir da terra
do Egito e quarenta anos vos conduzi no deserto,
para que possuísseis a terra do amorreu” (Amós
2,9,10)
Povos que ocupavam a terra.

3) Heteus
Vêm de Hete, o segundo filho de Canaã. Também
conhecidos como hititas.
A arqueologia mostra um povo culto, civilizado,
porém guerreiro e forte.
Eram fortes e feios, de estatura média, pele
amarelada, cabelos escuros, lisos e duros.
Povos que ocupavam a terra.

4) Ferezeus
O nome quer dizer “camponês” ou “aldeão”, indicando com
isso que ocupavam posição social inferior.
Ocupavam os campos e estavam espalhados por toda a
terra de Canaã.

5) Heveus
Também o nome significa “aldeão”. Diná, filha de Israel,
estava “batendo perna” no campo, quando foi estuprada por
Siquém, um heveu. GN 34: 26-28
Povos que ocupavam a terra.
6) Jebuseus
Descendentes do terceiro filho de Canaã.
Conhecidos assim porque conquistaram e dominaram a
cidade de Jebus (Jerusalém), fazendo dela uma fortaleza
impenetrável.

7) Girgaseus
O nome significa “cliente de um deus”, provavelmente do
deus sumério “Gez” que significa “deus da luz”.
Eram descendentes diretos de Canaã.
Ocupavam o território leste do mar da Galileia, onde fica
Nazaré, terra do verdadeiro Deus da luz, Jesus Cristo.
Árvore genealógica de Abraão.

Jacó o filho da promessa:


Duas esposas – Lia e Raquel;
Mais duas com as concubinas,
Bila e Zilpa.

De onde saíram as tribos de


Israel. (descendentes)
Origem dos Hebreus

Os Hebreus (judeus e israelitas) é um povo


formado a partir dos 12 filhos de Israel, cujo
primogênito era Rúbem, mas quem mais se
destacou foi Judá, de onde nasceu Davi e,
posteriormente, Jesus.
Divisão da Terra Prometida

Israel dividido entre suas 12 tribos:

• Duas tribos ficaram a leste do Jordão:


Gade, Rúben.
• Três ficaram na área litorânea:
Asser, Manassés, Dã.
• Cinco se estabeleceram na região central:
Naftali, Zebulom, Issacar, Benjamim e
Efraim.
• Duas ficaram nas extremidades Norte-Sul:
Simeão , Judá.
Totalmente as destruirás... assim
lhes fareis: derribareis os seus
altares, quebrareis as suas colunas,
cortareis os seus postes-ídolos e
queimareis as suas imagens de
escultura (Dt 7:2-5).
As muralhas de Jericó

Êxodo 3:5 “E disse: Não te chegues para cá; tira os sapatos de teus pés; porque o lugar em
que tu estás é terra santa.”

Josué 5:15 “Então disse o príncipe do exército do Senhor a Josué: Descalça os sapatos de
teus pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josué assim.”

Apocalipse 19: 9-10 “Então, o anjo me ordenou: “Escreve: Bem-aventurados os que são
chamados ao banquete das núpcias do Cordeiro!” E disse-me mais: “Estas são as exatas
palavras de Deus!” Diante disso, lancei-me aos seus pés num gesto de adoração, mas ele,
imediatamente, me orientou: “Olha, não faças isso; sou conservo teu e de teus irmãos, que
têm o testemunho de Jesus. Adora a Deus, porquanto o testemunho de Jesus é a essência
da profecia”. Cristo vence todos os inimigos.”
CANAÃ – Antes e depois

24
12 tribos de Israel.

Divisão das tribos; reinos do Norte e Sul

Levi?
Os Povos Vizinhos
dos Israelitas

Israel entra em Canaã e ocupa, parcialmente, as


terras dos antigos moradores. Deus lhes havia
dado os povos, mas eles tinham que fazer a sua
parte, sendo radicais nas ações recomendadas:
Os Povos Vizinhos
dos Israelitas

Mas além disso não ocorrer, eles ainda têm que


conviver com povos vizinhos, talvez mais
perigosos do que os antigos proprietários da
terra.

Eram povos ricos, fortes, estruturados, bem


armados e com motivação própria contra Israel
(o povo de Deus), que sempre lhe atacavam.

Eram oito nações:


1) Filisteus

O nome deriva de Phelisthi, que no plural se


escreve pelishtim, vindo daí Palestina.

Situavam-se na costa marítima do Mediterrâneo e


sua origem vem da ilha de Creta ou Chipre.

Dividiam-se entre cinco territórios: Gaza, Ascalom,


Asdode (marítimos), Gate e Ecrom (interiores).

Sempre deram trabalho aos israelitas e


prevaleceram contra eles inúmeras vezes.
Filisteus

Idólatras, adoravam Dagom, Astarote e


Baalzebube (Belzebu). Costumavam levar seus
ídolos para as batalhas.

A imagem de Dagom caiu diante da arca em


Asdode e em Gaza Sansão destruiu seu templo.

Belzebu, significa senhor das moscas, era o deus


protetor contra as moscas.
2) Amalequitas

Dentre os três principais grupos de amalequitas,


os principais eram os que habitavam no Neguebe,
península do Sinai.

Sua dedicação maior era a pilhagem, o saque e o


furto. Atacavam os retardatários do êxodo, os
mais fracos e afastados do grupo.
Amalequitas

Samuel deu ordem a Saul para destruí-los


completamente, mas não foi obedecido.

Fizeram Davi chorar uma noite inteira, mas Davi


fortaleceu-se no Senhor e os venceu.

A luta do Senhor contra Amaleque é uma luta


sem trégua (Ex 17:16).
3) Midianitas

Parente próximo, porque são descendentes de


Mídiã, filho que Abraão teve com Quetura, após a
morte de Sara.

Moisés viveu 40 anos com os midianitas e casou-


se com uma.

Bons comerciantes e profundos conhecedores do


deserto.

Uniram-se aos moabitas (outro parente) para


contratar Balaão e amaldiçoar Israel.
4) Moabitas

Parente distante, descendentes de Ló com sua


filha mais velha.

Deram muito trabalho a Israel e suas mulheres


corromperam os homens de Israel com seus ídolos
e altares, orientados por Balaão.
Moabitas

Habitavam no deserto arábico, perto do mar


morto, mas possuíam campinas, planícies e
pastagens.

Terra de Rute, adoravam o deus Camos, cujos


cultos incluíam a prostituição e o sacrifício de
crianças. Um rei sacrificou seu filho nos muros da
cidade quando foi derrotado por Israel
5) Amonitas

Parente distante, descendentes de Ló com sua


filha mais nova.

Vizinhos dos moabitas, eram briguentos, cruéis e


vingativos, vivendo do roubo. Suas terras foram
conquistadas por Moisés e foram dadas a Ruben e
Gade.

Sua capital era Rabat-Amom e hoje é Amã, capital


da Jordânia.
Amonitas

Cultuavam o deus Moloque, uma estátua de


bronze, oca, de braços estendidos e
incandescentes, onde eram lançadas suas
vítimas, principalmente crianças.
6) Edomitas

Parente bem próximo, são descendentes de Esaú,


o irmão gêmeo de Jacó. O nome significa vermelho.

Esaú, ao perder a bênção, casou-se com duas


moças hetéias. Mais tarde casou-se com outra,
ismaelita.

Possuíam um território imenso e uma de suas


cidades mais importantes era Petra.

Tinham fama de sábios (Jr 49:7) e o livro de Jó tem


como cenário o país de Edom.
7) Fenícios

Povo antigo de origem desconhecida. Suas


principais cidades eram Tiro e Sidom.

Excelentes navegadores e comerciantes, abriram


muitas fronteiras à expansão do mundo civilizado
da época.

Tidos como sábios, dominavam a ciência do


vidro, do perfume e da cerâmica.
Fenícios

Faziam acordos comerciais com os povos e


conquistavam pela astúcia. Israel mantinha boas
relações com eles.

Ezequiel compara o rei de Tiro a Lúcifer.


Adoravam a Baal e Astarote. Sacrificavam desde
crianças e até idosos.

Hoje pertence ao Líbano.


8) Siros

A Síria existe até hoje e continua inimiga de


Israel.

Parte de seu território pertence à Turquia. Suas


cidades principais eram Damasco e Antioquia
(igreja de Paulo).

Da Síria veio Naamã e os siros faziam guerras


contínuas contra Israel.
Impérios Mundiais
Depois que os hebreus tomaram posse da terra prometida,
surgiram os seguintes impérios na região:
1. Assírio
2. Babilônico
3. Medo-Persa
4. Grego
5. Romano
Israel dividida.
“São estas as nações que o SENHOR deixou para,
por elas, provar a Israel, isto é, provar quantos em
Israel não sabiam de todas as guerras de Canaã.
Isso tão-somente para que as gerações dos filhos
de Israel delas soubessem (para lhes ensinar a
guerra), pelo menos as gerações que, dantes, não
sabiam disso: cinco príncipes dos filisteus, e todos
os cananeus, e sidônios, e heveus que habitavam
as montanhas do Líbano, desde o monte de Baal-
Hermom até à entrada de Hamate.
Estes ficaram para, por eles, o SENHOR pôr Israel à
prova, para saber se dariam ouvidos aos
mandamentos que havia ordenado a seus pais por
intermédio de Moisés. Habitando, pois, os filhos de
Israel no meio dos cananeus, dos heteus, e
amorreus, e ferezeus, e heveus, e jebuseus,
tomaram de suas filhas para si por mulheres e deram
as suas próprias aos filhos deles; e rendiam culto a
seus deuses.
Os filhos de Israel fizeram o que era mau perante
o SENHOR e se esqueceram do SENHOR, seu
Deus; e renderam culto aos baalins e ao poste-
ídolo” (Jz 3:1-7)
1. Assíria.

Os assírios eram um povo violento e cruel que


conquistaram vários países, incluindo o reino de
Israel. O império assírio foi a maior potência de
seu tempo e foi usado por Deus para castigar os
israelitas. O reino de Judá sobreviveu como
vassalo do império assírio. Quando o império
ruiu, os assírios foram conquistados pelos
babilônios.
2. Babilônia.

A Babilônia era uma cidade muito antiga e


próspera, situada no atual Iraque. Era um
poderoso centro comercial e cultural e se tornou
na capital de um império. O imperador babilônico
Nabucodonosor invadiu o reino de Judá, que
ficou debaixo de seu poder. Quando Judá se
rebelou, Nabucodonosor atacou o país
novamente, destruiu Jerusalém e deportou o
povo para a Babilônia
OS GRANDES IMPÉRIOS
Visão de Daniel
BABILÔNICO
Cabeça de ouro
Leão com asas de águia

“Tu, ó rei, és rei de reis; a quem o Deus do céu tem dado o reino, o poder, a força, e a
glória. E onde quer que habitem os filhos de homens, na tua mão entregou os animais do
campo, e as aves do céu, e fez que reinasse sobre todos eles; tu és a cabeça de ouro.”
Daniel 2:37-38
Cativeiro Babilônico

Conquistaram todo o império Assírio e também o Reino do


Sul/Jerusalém

Levaram cativos os reis, príncipes, sacerdotes, levitas, nobres e


ricos, inclusive Daniel e Ezequiel

Tempo de Daniel, Ezequiel e parte final de Jeremias

70 anos, profetizados por Jeremias


Cativeiro Babilônico
● Purificação da idolatria - caiu a ficha:
“idolatria = derrota”; “Desobediência = disciplina”

● Advento das sinagogas: local de adoração e estudo das


escrituras;

● Reconhecimento da onipotência, onipresença, onisciência de


Deus;
● Maior interesse pelas Escrituras, pelas profecias e pelo
Messias
“Mas ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei
os olhos ao céu, tornou-me a vir o entendimento, e eu
bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive
para sempre, cujo domínio é sempiterno, e cujo reino é
de geração em geração. Todos os moradores da terra são
por ele reputados em nada; e, segundo a sua vontade,
ele opera com o exército do céu e os moradores da terra;
não há quem lhe possa deter a mão, nem lhe dizer: Que
fazes?” (Dn 4:34,35)
MEDO-PERSA
Peito de Prata
Urso
MEDO-PERSA
Ciro, Dario, Assuero (Ester)

Após os 70 anos de cativeiro, os reis Ciro e Dario permitiram o


retorno de milhares de judeus a Jerusalém, liderados, entre
outros, por:
• Zorobabel (Gov. - genealogia de Jesus)
• Esdras (Sacerdote)
• Neemias (Governador)

Tempo de reconstrução do Templo e dos muros da cidade


MEDO-PERSA
Benefícios
● Os sacrifícios/festas são feitos com mais entendimento e
ardor;
● Dispersão dos judeus por outras nações (Diáspora), com mais
sinagogas e expansão da Doutrina de um Deus único;
• Profetas pós-exílio: Ageu, Zacarias e Malaquias.
GREGO
Tronco de Bronze
Leopardo com asas
GREGO
Alexandre, o Grande

Período de “Silêncio Profético – 430 anos


Uma língua popular em todo o império (grego) e uma

cultura universal, facilitando a expansão do Evangelho


ROMANO
Pernas de ferro
Animal terrível com dez chifres
ROMANO
Júlio César, imperadores, Pilatos

Plenitude dos tempos (Gl 4:4), com a chegada de Jesus, o


Salvador;

Roma dividia seus territórios em províncias

Dividiu-se em dois impérios:


do ocidente – Roma
do oriente – Constantinopla (Turquia)
ROMANO
Benefícios

● Construção de excelentes estradas;


● Proteção militar e paz nos territórios;
● Liberdade de comércio, transporte e locomoção
Cristianismo no Império Romano
Cumprimento do Plano de Deus

Nova diáspora, agora cristã, com a pregação do evangelho (boa


notícia) devido à existência de:

- sinagogas
- doutrina de um Deus único
- língua popular em todo o império
- boas estradas
- liberdade de locomoção e segurança
IMPÉRIO ROMANO
dividido
Império Romano ao final estava dividido em dez partes:
Os saxões, originando a nação inglesa
Os francos, originando a nação francesa.
Os alamanos, originando a nação alemã.
Os visigodos, originando a nação espanhola.
Os suevos, originando a nação portuguesa.
Os lombardos, originando a nação italiana.
Os burgúndios, originando a nação suíça.
Os hérulos, que desapareceram.
Os vândalos, também desaparecidos.
Os ostrogodos, povo que também desapareceu.
Anticristo
Pés de Ferro e Barro
“Quanto ao que viste dos pés e dos artelhos, em parte de
barro de oleiro e em parte de ferro, será esse um reino
dividido; contudo, haverá nele alguma cousa da firmeza do
ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo.
(Dn 2:41)
“Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de
lodo, misturar-se-ão mediante casamento, mas não se
ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura
com o barro. (Dn 2:43)
“Mas, nos dias destes reis, o Deus do céu suscitará um reino
que não será jamais destruído; este reino não passará a
outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, mas
ele mesmo subsistirá para sempre.” (Dn 2:44)
Último Império:
do Anticristo
O cenário está pronto para a manifestação do falso
profeta e do anticristo:
- Ecumenismo religioso;
- Globalização;
- Multiplicação da ciência e tecnologia;
- Instabilidade política;
- Instabilidade econômica
- Exércitos poderosos entre os blocos
Alguns dos montes de Israel
• Sobre o Ararate; a arca repousou: Gn. 8:4.
• Sobre o Moriá; Abraão ofereceu Isaque: Gn. 22:2 (vv 5 (ATENÇÃO)).
• Sobre o Horebe; Moisés viu a sarça ardendo: Êx. 3:1,2.
• Sobre o Sinai; foi dada a Lei: Êx. 19:11,20.
• Sobre o Ebal e o Gerizim; foram lidas as bênçãos e as maldições: Dt 11:29; 27:11-13.
• Sobre o Carmelo; Elias sacrificou a Deus: 1Rs 18:19.
• Sobre o Hermom (Tabor); Cristo transfigurou-se: Mc 9:2.
• Sobre o monte das Oliveiras; ocorreu a ascensão de Cristo: At 1:12.

Monte Carmelo
Províncias e Cidades de Israel
As Províncias de
Israel no
Tempo do Novo
Testamento

1) A oeste do Rio Jordão:


- Judéia (Arquelau e
depois, Pôncio Pilatos)
- Samaria (Arquelau e
depois, Pôncio Pilatos)
- Galiléia (Herodes
Antipas)

2) A leste do Rio Jordão:


- Peréia (Herodes
Antipas)
- Decápolis (Filipe)
As Capitais de Israel
Gilgal: No tempo de Josué;

Siló: No tempo dos juizes;

Gibeá: No tempo do rei Saul;

Jerusalém: A partir do rei Davi em diante. Seu


primitivo nome foi Salém (Gn 14:18), depois Jebus
(Js 18:28) e por fim Jerusalém (Jz 19:10).

Nos dias do NT a capital política da Judéia era


Cesaréia, e Jerusalém a capital religiosa.
As Capitais de Israel
Mispá e Tiberíades, foram capitais por pouco
tempo, durante o exílio babilônico e uma revolta
em 135 d.C.

Na distribuição da terra de Canaã, Jerusalém ficou


situada no território de Benjamim, mas foi
conquistada em parte por Judá, mas pertencia de
fato a Benjamim. Tinha povo de Judá e Benjamim.

É chamada Santa Cidade, em Ne 11.1; Mt 4.5.


Jerusalém
A cidade de Jerusalém saindo do jugo romano, caiu
em poder dos árabes em 637 AD, e, salvo uns 100
anos durante as Cruzadas, foi sempre cidade
muçulmana.
Em 1518 os turcos conquistaram-na. Em 1917, os
britânicos assumiram o controle, ficando a Palestina
depois sob seu mandato por delegação da então Liga
das Nações.
A partir de 1948 passou a ser cidade soberana (isto
é, o setor novo), porém, na Guerra dos Seis Dias em
1967, foi reconquistada aos árabes, os quais dela
tinham se assenhorado na guerra de 1948.
Cidades Visitadas por Jesus,
além de Jerusalém
Cidades Visitadas por Jesus,
além de Jerusalém
 Nazaré, Lc 4.16;
 Betânia, Jo 1.28;
 Caná, Jo 2.1;
 Sicar, Jo 4.5; (Samaria)
 Naim, Lc 7.11;
 Cafarnaum, Jo 6.59;
 Betsaida, Jo 12.21;
 Corazim, Mt 11.21;
 Tiro e Sidom, Mt 15.21;
 Cesaréia de Filipe, Mt 16.13;
 Jericó, Lc 19.1;
 Betânia, Jo 11;
 Emaús, Lc 24.13,14.
“Mudarei a sorte do meu povo de Israel;
reedificarão as cidades assoladas e nelas
habitarão, plantarão vinhas e beberão o seu
vinho, farão pomares e lhes comerão o
fruto. Plantá-los-ei na sua terra, e, dessa
terra que lhes dei, já não serão arrancados,
diz o SENHOR, teu Deus” (Amós 9:14-15)
Costumes da época.
“Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se
perder uma dracma, não acende a candeia, e
varre a casa, e busca com diligência até a achar?
E achando-a, convoca as amigas e vizinhas,
dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a
dracma perdida.” (Lucas 15:8-9)
Costumes da época.

É o próprio noivo quem se ocupa de ataviar a noiva.


Se ela não está ataviada (com o colar) não pode se
apresentar diante dele. Seria uma vergonha para a
noiva sair nas ruas sem o colar com as dracmas, pois
estaria sem o adorno que a faria reconhecida como
noiva daquele com quem estava desposada. Ela seria
repudiada pelo noivo. Ela precisa estar adornada para
ele, vestida com a justiça que ele mesmo preparou
para ela. No entanto, observamos na parábola que a
dracma não foi perdida na rua, mas em casa. Isso
significa que deixamos de estar preparados para o
noivo quando começamos a perder nosso “enfeite”
dentro de casa. A mulher perdeu uma única dracma do
colar que continha 10, no entanto era o que bastava
para ela não sair às ruas, já que o colar estaria
incompleto.
“…Mas ele se indignou, e não queria entrar.
E saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai:
Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu
mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os
meus amigos;
Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as
meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.
E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas
coisas são tuas;
Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava
morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e achou-se.”
(Lucas 15:28-32)
Costumes da época.
Diz a parábola, que o jovem pediu ao seu pai a parte da herança que
lhe pertencia e depois vendeu a sua parte.
Segundo a Velha Lei, conforme consta em Deuteronômio 21:15-17,
dois terços da herança seriam para o filho mais velho e um terço para o mais
novo.
Nestes casos, era habitual o pai dar-lhe um terço do que houvesse em
dinheiro e embora ele tivesse direito também a um terço das terras,
geralmente só tomava posse destas depois do falecimento do seu pai. A
descrição bíblica não entra em pormenores, mas como se diz que o pai
repartiu os bens pelos filhos e mais adiante que o mais novo reuniu tudo o
que era dele e partiu, dá a entender que ele também tivesse tomado posse
das terras e vendido precipitadamente a sua parte. Portanto, já não tinha
mais nada a receber.
Afinal o filho mais velho entrou ou não
entrou na casa?
Costumes da época.

O material reunido por arqueólogos forneceu informações sobre os hábitos alimentares


na Jerusalém do início do primeiro século da era cristã. Os estudiosos descobriram que
a última ceia de Cristo não foi servida sobre uma mesa retangular, como imaginaram
grandes pintores de arte sacra. A comida foi colocada sobre mesas baixas. Jesus e seus
apóstolos comeram sentados sobre almofadões no chão ou reclinados, conforme o
costume romano da época. “Os judeus observavam as normas de pureza, usando, por
exemplo, copos de pedra, que não eram considerados transmissores de impurezas e não
utilizavam a mão esquerda, logo reclinavam-se sobre o braço esquerdo, comiam com a
mão direita”. Pratos, tigelas e jarras eram de cerâmica.
O lugar dos comensais
A posição em que Jesus e os apóstolos se sentaram também seguiu regras precisas: os
comensais mais importantes se sentavam logo à direita e à esquerda do principal.
“Os versículos do Evangelho de João indicam que Judas estava bem perto de Jesus;
provavelmente, à sua direita.”
“Então os discípulos olhavam uns para os outros, duvidando
de quem ele falava.
Ora, um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava,
estava reclinado no seio de Jesus.
Então Simão Pedro fez sinal a este, para que perguntasse
quem era aquele de quem ele falava.
E, inclinando-se ele sobre o peito de Jesus, disse-lhe:
Senhor, quem é?
Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado
molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes,
filho de Simão.
E, após o bocado, entrou nele Satanás. Disse, pois, Jesus:
O que fazes, faze-o depressa.(João 13:22-27)
Costumes da época.

Nome da mesa: Triclínio


Bibliografia Indicada

Atlas da Bíblia – Editora Paulus

Outras Fontes
1. Atlas Bíblico – CPAD
2. O Novo Dicionário da Bíblia – Edições Vida Nova
3. Geografia da TERRA SANTA e das TERRAS BÍBLICAS
– Enéas Tognini – hagnos.
4. GEOGRAFIA Bíblica – Claudionor de Andrade –
CPAD.
Sites Para Consulta

http://verboeterno.wordpress.com
http://biblemap.org/
http://www.bibleplaces.com/
http://geografia-biblica.blogspot.com/
http://www.empaz.org/dabar/geografia.htm
http://www.mapaisrael.com/
http://www.pilb.t5.com.br/med16.htm
Rev. Augustus Nicodemus

Há muito show, muita música, muito louvor, mas pouco ensino


bíblico. Nunca os evangélicos cantaram tanto e nunca foram
tão analfabetos de Bíblia. Nunca houve tantos animadores de
auditório e tão poucos pregadores da Palavra de Deus. Quando
o Espírito de Deus está agindo de fato, Ele desperta o povo de
Deus para a Palavra.
As Viagens
Missionárias de Paulo
Deus Preparou as Condições
Para a Pregação do Evangelho

- sinagogas
- doutrina de um Deus único
- língua popular em todo o império
- boas estradas
- liberdade de locomoção e segurança
“Havia na igreja de Antioquia profetas e
mestres: Barnabé, Simeão, por sobrenome
Níger, Lúcio de Cirene, Manaém, colaço de
Herodes, o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles
ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo:
Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a
obra a que os tenho chamado. Então,
jejuando, e orando, e impondo sobre eles as
mãos, os despediram” (At 13:1-3)
As viagens missionárias de Paulo
1a Viagem

1) Antioquia
2) Chipre (Selêucia)
3) Salamina
4) Pafos
5) Perge
6) Antioquia da Psídia
7) Icônio
8) Listra
9) Derbe
Primeira viagem de Paulo.
Fatos da primeira viagem
primeira viagem, Atos 13 e 14. Paulo afirma que essa ação missionária teve origem em Deus,
não na iniciativa própria dos irmãos de Antioquia, o que mostra que Deus só atua por nosso
intermédio quando nos colocamos voluntariamente em uma posição na qual Ele possa nos
usar.
Quais foram as primeiras atividades de Barnabé e Paulo em Chipre? Chipre, era uma ilha
não muito longe de Antioquia. Eles participaram de um período de oração intercessoras e
jejum. Participaram também da imposição de mãos, um ato de consagração; João Marcos,
primo de Barnabé, se juntou a eles para fazer o trabalho; pregaram nas sinagogas de
Silamina; Depois de Silamina, o trio foi para o oeste até chegar à capital, Pafos.
O que aconteceu em Pafos? Encontraram um mágico ou feiticeiro, falso profeta, chamado
Barjesus, ou Elimas que estava com o governador de uma província romana chamado Sérgio
Paulo.
Sérgio Paulo, estava interessado em ouvir a mensagem de Paulo e Barnabé, mas Barjesus o
atrapalhava. Então, Paulo, cheio do Espírito Santo, disse para Barjesus: “ó filho do diabo,
cheio de engano e de toda malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os
caminhos do Senhor? Por isso, ficarás CEGO”… Sérgio Paulo, ficou maravilhado. Depois
desse acontecido, Paulo e Barnabé foram para Perge, na Psídia, na costa sul da moderna
Turquia. Atos 13:10 e 11
Fatos da primeira viagem
Em Psídia, houve duas mudanças: 1- Paulo se tornou a figura principal da viagem
missionária; 2- Paulo não era mais conhecido como Saulo. Paulo estava numa região grego-
-romana e o nome grego Paulo era mais adequado. O autor relata que João Marcos, acabou
voltando para Jerusalém, não estava disposto a acompanhar Paulo e Barnabé, pois se
sentia com medo e desanimado por causa das dificuldades que os aguardavam.
Deus nunca prometeu que seria fácil. Paulo e Barnabé sabiam desde o início que servir a
Jesus envolveria muito sofrimento, mas eles aprenderam a confiar inteiramente no poder de
Deus.
Em Psídia, num sábado, Paulo e Barnabé entraram numa sinagoga e se sentaram. Depois
da leitura da lei e dos profetas, os chefes da sinagoga perguntaram para eles se tinham
alguma palavra para dizer. Paulo levantou-se e fez um sermão dividido em 3 partes: a-
crenças em comum a respeito da eleição divina de Israel e do reinado de Davi –
contato com os judeus; b- Jesus como cumpridor da promessa de Deus de um
descendente de Davi que traria salvação a Israel; c- advertência contra a rejeição da
salvação oferecida por Jesus.
O clímax do sermão de Paulo – Atos 13:38 e 39 – Perdão e justificação
apenas por Jesus, não pela lei de Moisés.
Fatos da primeira viagem
A lei não pode justificar, a lei não pode produzir obediência naqueles que a observam.
Justificação não pode ser obtida por merecimento. Podemos recebê-la somente pela fé no
sacrifício expiratório de Jesus; um presente que não merecemos. Depois do sermão de
Paulo, muitas pessoas espalharam a notícia de que podiam experimentar a salvação sem
antes ter que se unir ao judaísmo, e isso era atrativo. Claro, os judeus ortodoxos, não
gostaram e passaram a persegui-lo. As autoridades em Antioquia expulsaram Paulo e
Barnabé da cidade. Surpreendentemente, os discípulos transbordavam de alegria e do
Espírito Santo. Em seguida, se dirigiram para Icônio. Em Icônio, novamente, Paulo e
Barnabé começaram a pregar para os judeus antes de se voltarem para os gentios. Paulo
tinha uma esperança de uma ampla conversão judaica. De igual modo, Paulo e Barnabé
entraram juntos na sinagoga judaica e falaram de modo que grande multidão de judeus e
gentios creram. Infelizmente, os judeus incrédulos incitaram e irritaram os gentios e o povo
ficou dividido e surgiu um tumulto. Novamente, as autoridades queriam apedrejar a dupla…
quando ficaram sabendo, fugiram para Listra que ficava cerca de 18 km de Icônio. Em Listra,
Paulo curou um paralítico de nascença. Quando as pessoas ficaram sabendo do milagre,
começaram a chamar Paulo e Barnabé de deuses e queriam oferecer-lhes sacrifício = Paulo,
deus Hermes; Barnabé, deus Zeus. Ouvindo isso, os apóstolos rasgaram suas vestes e
advertiram àquelas pessoas que eles não eram deuses, mas homens como eles, sujeitos
aos mesmos sentimentos. Estavam ali para anunciar o evangelho para que elas se
convertessem ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles.
Fatos da primeira viagem

Os apóstolos impediram com dificuldade que o povo lhes oferecessem sacrifícios… então…
apedrejaram Paulo e o levaram para fora da cidade, dando-o por morto. Paulo foi cuidado
pelos discípulos e no dia seguinte partiu com Barnabé para Derbe, onde anunciaram o
evangelho e fizeram muitos discípulos. Paulo e Barnabé exortavam as pessoas a
permanecerem firmes na fé, e mostrando que através de muitas tribulações, nos importa
entrar no reino de Deus. Depois de Derbe, Paulo e Barnabé resolveram voltar para a
Antioquia da Síria. No caminho, visitaram as igrejas que haviam fundado, exortando-as a
prosseguir na fé cristã. Promoviam em cada igreja a eleição dos presbíteros; depois de orar
com jejuns, os encomendavam ao Senhor. Finalmente, quando Paulo e Barnabé chegaram
em Antioquia, relataram quantas coisas fizera Deus com eles e como abrira aos gentios a
porta da fé.
2a Viagem

1) Antioquia
2) Derbe e Listra
3) Trôade
4) Filipos
5) Tessalônica
6) Beréia
7) Atenas
8) Corinto
9) Éfeso
10) Cesaréia
2a Viagem
3a Viagem
Paulo e seus amigos passaram pela região da Galácia
e Frígia, confirmando os discípulos e dirigiram-se a:

1) Éfeso
2) Macedônia
3) Grécia
4) Filipos
5) Trôade
6) Assôs
7) Mitilene
8) Quios
9) Cós, Rodes, Pátara
10) Tiro
11) Ptolemada
12) Cesaréia
13) Jerusalém
Prisão

Em Jerusalém Paulo é preso e encaminhado a


Cesaréia para ser julgado.

Fica preso cerca de 3 anos e depois é enviado a


Roma para ser julgado pelo imperador

em Roma Paulo prega às autoridades, é solto, preso


novamente e decapitado
As Sete Igrejas da Ásia

1) Éfeso
2) Esmirna
3) Pérgamo
4) Tiatira
5) Sardes
6) Filadélfia
7) Laodicéia
Apocalipse 2 e 3
As Sete Igrejas da Ásia
“E disse-lhes: Ide por todo o mundo e
pregai o evangelho a toda criatura. Quem
crer e for batizado será salvo; quem,
porém, não crer será condenado” (Mc 16:15,16)
Bibliografia Indicada

*Paulo o 13º Apóstolo – Ernest Renan – Martin Claret;


*Evangelhos que Paulo jamais pregaria – Ciro Sanches – casa
publicadora das Assembleias de Deus.
*Paulo de Tarso – O maior bandeirante do Evangelho –
Humberto Rohden - Martin Claret
*Apóstolo Paulo – Sarah Ruden – Benvirá
*Paulo de Tarso – História de um apóstolo – Paulus
*Eu quero viver para Cristo como Paulo – Jim George –
Graça editorial
*O incansável PAULO DE TARSO um líder vitorioso – Betho
Ieesus – edições Loyola.