Você está na página 1de 33

Introdução as Finanças

Corporativas
Prof. Dr. Julio Cezar Iacia
Finanças Corporativas
Introdução

• O mundo dos negócios remete-nos à


necessidade de compreensão dos objetivos, das
atividades e dos resultados das empresas, bem
como das condições e fatores que os
influenciam.

• Isso requer que compreendamos a relação da


empresa com seus ambientes interno e externo.
Finanças Corporativas
Introdução
• A análise financeira de uma empresa consiste num
exame minucioso dos dados financeiros disponíveis
sobre a empresa, bem como das condições
endógenas e exógenas que afetam financeiramente
a empresa.
• A análise financeira é uma ferramenta que nos
auxilia na avaliação da empresa. A contabilidade é a
linguagem dos negócios e as demonstrações
contábeis são os canais de comunicação que
fornecem dados e informações para
diagnosticarmos o desempenho e a saúde
financeira da empresa.
Finanças Corporativas
Introdução
• As demonstrações contábeis e demais
informações, destinadas aos acionistas e aos
diversos grupos de usuários independentes,
interessados no desempenho e na solidez de
uma empresa, prestam grande contribuição na
avaliação dos riscos e das potencialidades de
retorno da empresa.

• As demonstrações contábeis representam um


canal de comunicação da empresa com
diversos usuários internos e externos.
Finanças Corporativas
Introdução
• A análise financeira precisa de um enfoque holístico,
abrangendo a estratégia da empresa, suas decisões
de investimento e de financiamento e suas
operações.

– A estratégia compreende os meios para atingir os


objetivos.

• Objetivos: retorno para os acionistas, bom ambiente de


trabalho para os funcionários, etc.)
Finanças Corporativas
Introdução
– Os investimentos em ativos devem harmonizar com as
estratégias formuladas por sua direção. A decisão de
investimento deve ser avaliada sob o ponto de vista de
seus retornos e riscos esperados e também sobre
princípios éticos. Para fins de análise financeira, estamos
considerando como investimento as aplicações de
recursos no ativo:

• Em caráter permanente (investimentos na capacidade produtiva


e operacional da empresa): imóveis, veículos, maquinários e
instalações (em geral, não destinados à venda)

• Em estoques e recebíveis (por exemplo, duplicatas a receber)


Finanças Corporativas
Introdução
– A análise dos financiamentos indica de onde vieram os
recursos que a empresa está utilizando. As fontes de
fundos das empresas são basicamente de três tipos:

• fundos provenientes de seus sócios ou acionistas;

• lucros gerados por suas operações; e

• dívida com terceiros.

– O desenvolvimento das operações requer gastos em


pesquisa e desenvolvimento, marketing e recursos
humanos, por exemplo. É necessário que a empresa seja
lucrativa e, ao mesmo tempo, gere caixa para pagar seus
compromissos financeiros.
Finanças Corporativas

• Estudo das decisões financeiras da firma;


• Decisões financeiras:
1. Quais investimentos de longo prazo uma firma deve
realizar? (Orçamentação de Capital)
2. Como a firma deve adquirir recursos para realizar
seus investimentos? (Estrutura de Capital)
3. Qual é o fluxo de caixa de curto prazo necessário
para que a empresa pague suas contas?

• Qual seria a definição de firma?


Corporações (Firmas)
• O homem pode produzir bens ou serviços de forma
individual, ou pode organizar-se em sociedades que
visem ao lucro ou outros tipos de associações.

Em geral, podemos classificar as empresas como segue:


Corporações (Firmas)
• O Código Civil Brasileiro (Lei nº 10.406, de 10/01/2002)
define como empresário aquele que exerce
profissionalmente atividade econômica organizada para
produção ou circulação de bens ou serviços, sendo
obrigatória sua inscrição no Registro Público de Empresas
Mercantis e registro na Receita Federal (CNPJ), mas não é
caracterizado como empresa.
– A lei assegura tratamento diferenciado e simplificado ao
pequeno empresário.

– Principais vantagens: todo o lucro caberá ao empresário,


sigilo e simples dissolução.

– Principais desvantagens: responsabilidade ilimitada e


limitação na obtenção de recursos financeiros,
Corporações (Firmas)
• As Sociedades Limitadas têm seu capital social dividido em
quotas iguais ou desiguais, cabendo uma ou diversas a cada
sócio.

– Em princípio, cada sócio responde pelas quotas de capital que


subscreveu e, no caso de falência, também pela totalidade do
capital não integralizado.

• A sociedade anônima tem seu capital social dividido em


ações e a responsabilidade do acionista é limitada ao valor
das ações que subscreveu
– São também chamadas de corporações e uma de suas
características é a distinção entre a propriedade da empresa e sua
administração.
– Os administradores podem ser substituídos por decisão dos
acionistas que detiverem suficiência do capital votante.
Corporações (Firmas)
– As sociedades anônimas de capital aberto têm suas ações
negociadas na BM&FBovespa.

– As sociedades anônimas de capital fechado não têm suas


ações negociadas na BM&FBovespa e, geralmente, têm
menos obrigação de divulgar informações.
Corporações (Firmas)
– Principais Vantagens: facilita a solução do problema de
obtenção de grandes quantidades de recursos externos,
separação entre propriedade e controle (permanência).

– Principais Desvantagens: conflito de interesses (Acionistas


x Administradores: custo de agência ou agency), custos
extras.
O Balanço Patrimonial da Firma
• O balanço patrimonial é um instrumento instantâneo,
elaborado pelo contador, do valor contábil da empresa
numa data específica, como se a empresa permanecesse
estática por um momento.

• O balanço possui dois lados: no lado esquerdo temos os


ativos, e no lado direito temos os passivos e o patrimônio
dos acionistas.
O Balanço Patrimonial da Firma
• O balanço diz o que a empresa possui e como é financiada.

• A definição contábil subjacente ao balanço e que o


descreve é:

Ativos ≡ Passivos + Patrimônio dos acionistas

– Esta relação sempre deve ser válida, por definição.


– O patrimônio dos acionistas é definido como a diferença entre os
ativos e os passivos da empresa. A princípio, o patrimônio é o que
ficaria com os acionistas após a liquidação de todas as obrigações
da empresa.
O Balanço Patrimonial da Firma
O Balanço Patrimonial da Firma
Valor dos Ativos Valor para Investidores

Passivo
Ativo Circulante
Circulante
Dívidas de LP

Ativo
Permanente
1 Tangível Patrimônio
2 Intangível Líquido
O Balanço Patrimonial da Firma

A Decisão de Orçamentação de Capital

Passivo
Ativo Circulante
Circulante
Dívidas de LP
Ativo Quais
Permanente investimentos
1 Tangível de longo
prazo uma Patrimônio
2 Intangível firma deve Líquido
realizar?
O Balanço Patrimonial da Firma
A Decisão de Estrutura de Capital

Passivo
Circulante
Ativo
Circulante
Como a firma Dívidas de LP
pode adquirir
Ativo recursos para
Permanente
realizar seus
1 Tangível Patrimônio
investimentos?
Líquido
2 Intangível
O Balanço Patrimonial da Firma
A Decisão de Investimento em Capital de Giro Líquido
Passivo
Circulante
Ativo
Capital de
Circulante Giro
Líquido Dívidas de LP

Ativo
Permanente Qual é o fluxo de
1 Tangível caixa de curto prazo
Patrimônio
necessário para que a
2 Intangível Líquido
empresa pague suas
contas?
Decisões Financeiras

Firma emite títulos (A)


Firma ($$) Mercado
Financeiro
Investe
Fluxo de caixa Dívida de Curto
em ativos retido (F) Prazo
(B)
Dívida de Longo
Ativo Circulante Dividendos e Prazo
Fluxo de caixa pagamentos
Ativo Permanente da firma(C) de dívidas (E) Equity (Ações
ordinárias e

Impostos(D)
preferênciais)

Os fluxos de caixa da
Em última instância, a
firma devem ser maiores
firma deve ter uma
do que os fluxos de caixa
atividade geradora caixa. Governo oferecidos pelo mercado
financeiro.
Decisões Financeiras na Prática
Um Exemplo no Brasil: Lojas Arapuã
FINANÇAS CORPORATIVAS

Investimentos em Capital de Giro :

• Arapuã, a maior varejista do


país, financiou expansão de
vendas sem o devido controle
de risco de crédito: resultando
na falência.
FINANÇAS CORPORATIVAS

Com o advento do plano real e o aumento da renda real da


população resultante da estabilização da inflação, as vendas
explodiram.

• 265 lojas em 1996


• 2,2 bilhões de dólares em vendas em 1996
• Aumento de 250% do lucro líquido
• Valorização de 140% das ações em bolsa
• Eleita Empresa do ano em revistas especializadas
• Superou seus concorrentes ampliando significativamente o market-share.

Retorno excessivo : função de quebra de paradigmas, genialidade


administrativa, fórmulas secretas, ou apenas tomada de riscos acima da
média do setor ?
Expansão de vendas agressiva obtida via crédito aos
clientes, em setor sensível as condições de mercado.

Resultado

Vendas
Explodem

Balanço

Contas a
Receber
Explode

Faltou atenção ao Risco de Crédito ?


FINANÇAS CORPORATIVAS

Investimentos na Prática:

SADIA
FINANÇAS CORPORATIVAS

Em 1999 havia uma expectativa de forte


crescimento econômico a partir do ano 2000.
A decisão a ser tomada pelos executivos da Sadia
com relação a investimentos em estoques:

1- Manter os níveis de produção estáveis,


esperando que não haja grande salto na
demanda. Caso haja, a empresa poderá
gradativamente ampliar a produção, embora perca
oportunidades de curto-prazo. (aposta
conservadora)
FINANÇAS CORPORATIVAS

2 - Ampliar a produção gradativamente, visando


capturar uma parte do possível aumento da
demanda a partir de 2000. (aposta moderada)

3 - Expandir agressivamente a produção para


aproveitar todo possível aumento de demanda
em 2000 (aposta arriscada)

Decisão Tomada pelos executivos : 3


FINANÇAS CORPORATIVAS

O que ocorreu em 2000 :


RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

A Sadia registrou forte redução de suas margens o que ocasionou


resultados abaixo das expectativas no 1o trimestre de 2000. O
incremento de receita previsto para o mercado interno não se
concretizou, apesar de a Empresa ter realizado um grande esforço
comercial. Essa mobilização se refletiu em um aumento de 17,4% no
volume de vendas, mas também surtiu efeitos negativos sobre as
despesas de comercialização.
FINANÇAS CORPORATIVAS

VENDA FÍSICA Jan-Mar Jan-Mar Var. VENDA VALOR Jan-Mar Jan-Mar Var.
(mil toneladas) 1999 2000 % (R$ milhões) 1999 2000 %

MERCADO INTERNO 177,8 208,9 17,4% MERCADO INTERNO 522,8 581,0 11,1%
INDUSTRIALIZADOS 87,0 117,3 34,8% INDUSTRIALIZADOS 314,1 397,4 26,5%
SUÍNOS 17,1 15,3 (10,8%) SUÍNOS 21,9 20,0 (8,6%)

AVES 73,7 76,3 3,5% AVES 113,2 109,5 (3,2%)


OUTROS 73,6 54,1 (26,7%)

MERCADO EXTERNO 65,1 72,1 10,8% MERCADO EXTERNO 235,2 170,1 (27,7%)

INDUSTRIALIZADOS 2,9 2,8 (2,0%) INDUSTRIALIZADOS 12,2 15,0 24,0%

SUÍNOS 1,5 3,2 117,1% SUÍNOS 4,8 7,5 56,6%

AVES 60,7 66,1 8,9% AVES 156,7 134,8 (14,0%)


OUTROS 61,5 12,8 (79,3%)
TOTAL 242,9 281,0 15,7% TOTAL 758,0 751,1 (0,9%)

Na comparação com igual período de 1999, a Sadia registrou um incremento de


10,8% no volume físico comercializado junto ao mercado externo. Em receita,
houve retração de 27,7%. Esse resultado negativo se explica pela queda de
preços em dólar no mercado internacional (o preço médio das exportações, em
dólar recuou 18%), e pela variação cambial, que valorizou a moeda brasileira em
7,8% na média da cotação dos finais de cada mês.
FINANÇAS CORPORATIVAS

As despesas com vendas aumentaram em 2,4 pontos percentuais


na comparação com o 1o trimestre de 1999. O aumento é efeito não
só da queda de preços, mas também do incremento da produção,
para um aquecimento de vendas que acabou ficando aquém das
expectativas, como já se mencionou. Destaca-se, aqui, que a
Sadia encerrou o 1o trimestre com um nível de estoques de
produtos acabados 97,3% maior que o de igual período do ano
passado.
ESTOQUES Março Março Var.
R$ Milhões 1999 2000 %

PRODUTOS ACABADOS E EM ELABORACÃO 128,9 254,2 97,3%

ANIMAIS PARA ABATE E COMERCIALIZAÇÃO 104,7 164,2 56,8

MATÉRIA PRIMA 131,2 131,2 -

ALMOXARIFADO 54,2 43,9 (19,0%)

TOTAL 419,0 593,5 41,7%


FINANÇAS CORPORATIVAS

• Os efeitos da decisão errada refletiram-se


ao longo de todo o ano de 2000, no Fluxo
de Caixa e nos Lucros.

• Foi feito um esforço a um custo muito


grande para reverter a situação.

• Os executivos responsáveis foram


demitidos da Sadia.
Objetivo da Administração Financeira

Maximização do valor (riqueza) para os acionistas:


bem estar econômico dos proprietários de capital.
Em outras palavras, investimento em projetos com
VPL positivo.

Para criar valor, o administrador busca:


1. realizar decisões inteligentes de investimento
em ativos reais.
2. realizar decisões inteligentes de financiamento
(estrutura de capital).