Você está na página 1de 14

Georg Wilhelm Friedrich Hegel

1770 - 1831
Em “fenomenologia do espírito” apresenta de forma otimista a luta
entre dois homens, onde o vencedor se torna senhor do derrotado (servo) que
recusa retirar a própria vida, com o tempo o senhor descobre que não
consegue fazer mais nada pois o servo domina a natureza. O senhor se torna
dependente do servo.
Para Hegel o trabalho surge como expressão da liberdade
reconquistada.

Sua principal proposta


é preencher a lacuna
entre realidade e
aparência. (Kant,
“mundo numenal” ou
“númeno”)
Marx retoma a temática do trabalho, negando seu otimismo,
demonstrando que o objeto produzido pelo trabalho surge como um ser
estranho ao produtor (alienação alheio do outro, não eu).
Exemplo contemporâneo: linha de produção dividida em diversos países.

Para Hegel alienação se dá no momento em que o espírito se divide


(“sai de si”) se manifestando na construção da cultura (por meio do trabalho).
Pode ser superada pelo trabalho da consciência, espírito consciente de si
(cisão).
Com Hegel se perde a materialidade do
trabalho (idealismo hegeliano). Marx considera o
trabalho como condição de liberdade sendo “para si”, no
fazer-se homem. Não negando a importância do trabalho
coletivo (compromisso com os outros).

Dialética = “dia” além desse (dualidade, troca) + “lektikós” (capaz de fala) =


dualidade de razão (diálogo).

Passagem do “ser” ou “não-ser” não é aniquilação, mas passagem, movimento


para outra realidade. Ser suprimido se transforma.
Contraditoriedade dinâmica do real
Identidade = tese
Contradição (negação) = antítese
Positividade (negação da negação) = síntese

“A dialética apoiasse sobre a cabeça; basta repô-la sobre os seus pés para lhe dar
uma fisionomia racional.”

Isto é, o pensamento que cria a realidade, manifestação exterior da ideia.


Ideias ou Conceitos: são dados capazes de serem falsos, em vez de afirmações ou
proposições
Ex.: Ao esculpir uma estatua, nego a madeira (matéria prima), simultaneamente
conservo a madeira e continua existindo, elevando a um objeto de qualidade
diferente. Assim o trabalho nega a natureza, sem destruí-la, a recria.
Ou o grão de uma semente.

Totalidade: todo predominando sobre as partes, relação recíproca, onde nenhum


fenômeno da natureza pode ser compreendido isoladamente fora dos fenômenos
que o rodeiam.
Epigênese histórica teoria da transformação dos seres em gerações graduais.
Idealismo
Para os idealistas, a realidade deriva dos princípios constitutivos do
espírito, sendo o mundo o produto do movimento do pensamento.
Concepção metafísica da mente universal:

“O significado daquele mandamento ‘absoluto’, ‘conhece-te a ti mesmo’, quer


o encaremos em si quer sob a circunstância histórica de sua primeira
enunciação, não é promover mero autoconhecimento em relação às capacidades
particulares [...] do self único. O conhecimento que ele ordena significa aquele
da realidade – do que é, essencialmente e em última instância, verdadeiro real –
de espírito genuíno do homem, como o ser verdadeiro e essencial.”
Questões

1) Sobre as filosofias de Hegel e Marx, é correto afirmar:

a) A dialética transcreve, sobretudo, na Fenomenologia do Espírito de Hegel a


busca da consciência pela consciência de si e, em seguida, na Lógica, o
desenvolvimento do espírito absoluto que se expressa na arte, religião e na
filosofia.
b)A crítica de Marx à filosofia de Hegel aponta para uma re-compreensão total
da dialética, por lhe retirar o caráter racional e lhe instituir um viés materialista,
bem como anti-metafísico.
c) A dialética em Marx transcreve um projeto diferente do hegeliano, centrada
na luta de classes, e, portanto, livre daquilo que Heidegger designou como
tradição onto-teo-lógica.
d) Segundo Castoriadis, Marx, ainda que não tenha sido influenciado pela idéia
de evolução social, de cunho darwinista, ele seria partidário da idéia de que a
sociedade feudal estava aquém dos avanços da burguesia.
e) A filosofia de Marx extirpa definitivamente a metafísica da Filosofia, por
apresentar uma dimensão materialista para o desenvolvimento da história, que
não recorre à metafísica.
2)A respeito do contratualismo, quais das alternativas abaixo é correta ?
a) A crítica de Hegel aos contratualistas passa pelo fato desses filósofos não
traçarem a distinção entre sociedade civil e Estado.
b) O estado de natureza para Hobbes e Locke é sempre um estado de guerra e
revela a natureza humana, sobretudo, no que diz respeito ao instinto de
conservação.
c) O estado de natureza revela em Rousseau um estado sem conflitos e, por
conseguinte, nele é possível ver a maior característica do homem: a bondade.
d) O estado é fundado em Hobbes por um cálculo racional por meio do qual o
homem abdica de sua liberdade para que seja possível suplantar sua natureza
egoísta.
e) A divisão entre o poder da Igreja e do Estado ganha força em Locke, porque
o Estado, para ser democrático e, portanto, legítimo, precisa ser laico.
3) A análise do direito, em Hegel, permite afirmar corretamente:
a) O direito é sempre social, ao passo que o estado de natureza é ausência de
qualquer forma, ainda que embrionária, de sociedade.
b) Na sociedade civil, o homem pode esgotar as possibilidades da vida racional,
diferentemente do estado de natureza.
c) A racionalidade do Estado está na harmonia dos interesses privados de cada
membro que o compõe.
d) A eticidade é a plena realização do espírito objetivo, sendo constituída por
família e sociedade civil ou, para Hegel é o mesmo, Estado.
e) A justiça existe enquanto é realização do interesse subjetivo de cada cidadão.
4) "Sabe-se que para Hegel a História Universal não recobre o curso empírico da
humanidade. A História propriamente dita nasce apenas com o Estado, quando a vida
social ganha uma forma sob o efeito desta instância que confere a seus elementos
expressão pública e consciência. Somente então é assegurada a permanência do
sentido". (LEFORT, Claude. "As formas da História. Ensaios de Antropologia
Política". São Paulo: Brasiliense, 1990. p.37.) Com base no texto, considere as
afirmativas a seguir. I. Hegel partia do mundo empírico para explicar a História. II.
Segundo Hegel, a formação da consciência se dá com o surgimento do Estado. III.
Hegel, ao analisar o surgimento da História, desconsidera a organização do Estado.
IV. A noção de Estado só ganha sentido se relacionada à dimensão da vida social.
Estão corretas apenas as afirmativas:
a) I e II.
b) II e IV.
c) III e IV.
d) I, II e III.
e) I, III e IV.
Texto para as questões de 4 a 5
As contribuições mais duradouras dos grandes filósofos são as ferramentas de
pensamento, os métodos e abordagens que inventam ou descobrem e que, muitas
vezes, sobrevivem às teorias e sistemas que constroem ou aos que procuram demolir
com essas ferramentas. (Nicholas Fearn. Aprendendo a Filosofia em 25 lições. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004, p. 7.)

QUESTÃO 4
Considerando o texto acima, assinale a opção correta.
A - Embora Derrida julgue que a desconstrução não é um método, a mesma pode ser
empregada para o entendimento da realidade.
B - Schopenhauer faz filosofia destruindo os conceitos; por isso se diz que ele faz
filosofia a marteladas.
C - Kant entende que as entidades não devem ser multiplicadas sem necessidade; a
esse princípio costuma-se chamar de navalha de Kant.
D - O iluminismo francês inspira-se em Protágoras ao entender que o homem é a
medida de todas as coisas, não só daquelas que são o que são mas daquelas que são
o que não são.
QUESTÃO 6
Ainda considerando o texto, assinale a opção correta.
A - Tendo em vista a dialética, Hegel entende que a missão da filosofia está em
conceber o que é, porque o que é, é a razão, ou seja, o que é racional é real e o
que é real é racional.
B - O monismo de Espinoza caracteriza-se pela noção de um Deus pessoal e
religioso, não sendo um princípio metafísico.
C - A estética transcendental, para Kant, trata da Teoria do Belo e das Belas
Artes.
D - Sartre, ao entender que a existência precede a essência, acredita na
preexistência de uma divindade que a tudo criou e da qual se originou a própria
existência.
Gabarito
1-A 2-A 3-A 4-B 5-A 6-A