Você está na página 1de 4

Conceitos de Observação

“Observar é aplicar atentamente os


sentidos físicos a um amplo objeto,
para dele adquirir um conhecimento
claro e preciso.” (CERVO; BERVIAN,
2002, p. 27)

“Quando se utilizam os sentidos na


obtenção de dados de determinados
aspectos da realidade.”
(SILVA, 2005, p. 33)
CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.
SILVA, Edna Lúcia da. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação 4. ed. rev.
atual. Florianópolis: UFSC, 2005.
Conceitos de Observação
Pela observação o ser humano
adquire grande quantidade de
conhecimentos. Valendo-se dos
sentidos, recebe e interpreta as
informações do mundo exterior.
Olha para o céu e vê formarem-
se nuvens cinzentas. Percebe que
vai chover e procura abrigo. A
observação constitui, sem
dúvida, importante fonte de
conhecimento. (GIL, 2008, p.1)

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social, 6. Ed.,São Paulo:


Atlas, 2008.
Conceitos de Observação
É um elemento básico de investigação científica, utilizado na pesquisa de campo e
se constitui na técnica fundamental da Antropologia. (LAKATOS; MARCONI, 2003,
p.190)

A observação nada mais é que o uso dos sentidos com vistas a adquirir os
conhecimentos necessários para o cotidiano. Pode, porém, ser utilizada como
procedimento científico, à medida que:

a) serve a um objetivo formulado de pesquisa;

b) é sistematicamente planejada;

c) é submetida a verificação e controles de validade e precisão. (Selltiz et al., 1967,


p. 225).
(GIL, 2008, p.100)

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social, 6. Ed.,São Paulo: Atlas, 2008.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica, 5.
ed., São Paulo: Atlas, 2003.
A observação enquanto metodologia de investigação qualitativa
em educação

“A observação se constitui como um dos principais instrumentos de


coleta de dados, pois além de envolver variadas fontes, o
observador pode recorrer aos conhecimentos e experiências
pessoais como complemento no processo de compreensão e
interpretação dos fenômenos estudados, pois permite que o
observador chegue mais perto da perspectiva dos sujeitos
estudados, permitindo assim a coleta de dados em situações em
que é impossível estabelecer outras formas de levantamento ou
outras formas de comunicação. “ (LÜDKE; ANDRE, 2013, p. 26)

LÜDKE, Menga. ANDRE, Marli E.D.A. A Pesquisa em educação: abordagens


qualitativas. 2 ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

Você também pode gostar