Você está na página 1de 28

Disciplina: Metodologia

Científica
Profa. Ma. Eliane Chainça

MÉTODOS DE PESQUISA
CONHECIMENTO CIENTÍFICO

 CIÊNCIA / EXPERIMENTAÇÃO
 *** TEORIA
 MEDIATO

 OBJETIVO
 CRÍTICO

 MÉTODO CIENTÍFICO 
(Observação, Análise, Síntese...)

 SISTEMÁTICO
FACTUAL

VERIFICÁVEL

FALÍVEL (NÃO ABSOLUTO)
(p. 11) Responda:Como o conhecimento empírico
contribui para o conhecimento científico?
Noção e importância do método
-Método  =  conjunto  das  atividades  sistemáticas  e  racionais 
que,  com  maior  segurança  e  economia,  permite  alcançar  o 
objetivo.

-Método = instrumento de trabalho  dispositivo ordenado – 
procedimento sistemático  meio de acesso 
-  ordem  que  se  deve  impor  aos  diferentes  processos 
necessários para atingir um determinado fim ou um resultado 
desejado

-  (nas  ciências)  –  conjunto  de  processos  que  o  espírito 


humano  deve  empregar  na  investigação  e  demonstração  da 
verdade
-  conjunto  ordenado  de  procedimentos  que  se  mostraram 
eficientes ao longo da História na busca do saber
*** Conhecimentos válidos e verdadeiros
-Método não se inventa  Sábios ao longo dos tempos têm testado 
e  anotado  os  passos  percorridos  e  os  meios  que  os  levaram  aos 
resultados

Muitas vezes, um espírito medíocre, guiado por um bom


método, faz mais progresso nas ciências que outro mais
brilhante que vai ao acaso

Porém

O método não substitui a inteligência do cientista, pois o


método também tem seus limites e depende da reflexão do
cientista
Hoje em dia não é mais possível improvisar.
técnica, precisão, previsão, planejamento.

Ninguém pode se dar ao luxo de fazer tentativas ao acaso para ver


se colhe algum êxito inesperado.

Deve-se disciplinar o espírito, excluir das investigações o capricho e


o acaso, adaptar o esforço às exigências do objeto a ser estudado,
selecionar os meios e processos mais adequados. Tudo isso é dado
pelo método.

Assim, o bom método torna-se fator de segurança e economia


MÉTODOS 

Existe  um  método  fundamentalmente  idêntico  para  todas 


as  ciências,  que  compreende  um  certo  número  de 
procedimentos  ou  operações  científicas  levadas  a  efeito  em 
qualquer tipo de pesquisa:

•Formular questões ou propor problemas e levantar hipóteses;
•Efetuar observações e medidas;
•Registrar  tão  cuidadosamente  quanto  possível  os  dados 
observados  com  o  intuito  de  responder  às  perguntas 
formuladas ou comprovar a hipótese levantada;
•Elaborar  explicações  ou  rever  conclusões,  idéias  ou  opiniões 
que  estejam  em  desacordo  com  as  observações  ou  com  as 
respostas resultantes;
•Generalizar, isto é, estender as conclusões obtidas a todos os 
casos que envolvem condições similares  indução
•Prever  ou  predizer,  isto  é,  antecipar  que,  dadas  certas 
condições, é de se esperar que surjam certas relações;
MÉTODO CIENTÍFICO (ou método experimental)

O método científico quer descobrir a realidade dos fatos e esses, 
ao  serem  descobertos,  devem,  por  sua  vez,  guiar  o  uso  do 
método.    Entretanto,  como  já  foi  dito,  o  método  é  apenas  um 
meio de acesso: só a inteligência e a reflexão descobrem o que 
os fatos realmente são.

-a pesquisa positiva deve preocupar-se com o que é e não com 
o que se pensa que deve ser

-  toda  investigação  nasce  de  algum  problema  observado  ou 


sentido, de tal modo que não se pode prosseguir, a menos que 
se  faça  uma  seleção  da  matéria  a  ser  tratada.    Essa  seleção 
requer  alguma  hipótese  ou  pressuposição  que  irá  guiar  e,  ao 
mesmo tempo, delimitar o assunto a ser investigado.
Etapas do método:

1. Descobrimento do problema
2. Colocação precisa do problema
3.  Procura  de  conhecimentos  ou  instrumentos  relevantes  ao 
problema
4.  Tentativa  de  solução  do  problema  com  auxílio  dos  meios 
identificados
5.  Invenção  de  novas  ideias  (hipóteses,  teorias  ou  técnicas)  ou 
produção de novos dados empíricos para resolver o problema
6.  Obtenção  de  uma  solução  com  o  auxílio  do  instrumento 
disponível
7.  Investigação  das  consequências  da  solução  obtida  –  busca  de 
prognósticos
8. Comprovação / Prova da Solução
9.  Correção  das  hipóteses,  teorias,  procedimentos  ou  dados 
empregados na obtenção da solução
Partes do método científico
O método científico pode ser dividido em cinco partes:

1.  observação:  entender  seu  objeto  de  estudo  tanto  quanto  sua 
capacidade de observação permite;

2. hipótese: formular uma hipótese a partir da análise dos dados;

3. previsões: usar a hipótese para predizer os resultados de novas 
observações;

4.  experimento:  desenvolver  experimentos  para  testar  suas 


predições;  repetir  os  passos  de  predição  e  experimentação  até 
reduzir  discrepâncias  entre  teoria  e  observações  –  análise  e 
síntese*;

5. teoria: construir uma teoria que provê um conjunto coerente de 
proposições que explicam uma classe de fenômenos.
ANÁLISE E SÍNTESE

Todo método é, em essência, analítico e sintético (Othon Garcia)

ANÁLISE = decomposição de um todo em suas partes
SÍNTESE = reconstituição do todo decomposto pela análise

ESPÍRITO ANALÍTICO  senso do detalhe, da exatidão, 
preocupa-se mais com as diferenças entre os objetos

ESPÍRITO SINTÉTICO  visão de conjunto, apoia-se em 
semelhanças ou analogias entre os seres, fatos, fenômenos ou 
ideias.
Métodos de Raciocínio ou
de abordagem:
1 – Método indutivo
2 – Método dedutivo
3 – Método hipotético-dedutivo
4 – Método dialético

Métodos de investigação ou de procedimento:
1 – Método histórico
2 – Método comparativo
3 – Método monográfico
4 – Método estatístico
5 – Método tipológico
6 – Método funcionalista
Método Indutivo

Indução – processo mental que parte de dados particulares constatados 
para  inferir-se  uma  verdade  geral  ou  universal  não  contida  na  parte 
analisada. 
Primeiro os fatos a observar, depois hipóteses a confirmar. Consiste na 
observação sistemática da sucessão de fatos da realidade, resultando na 
explicação do fenômeno. Assim, parte do particular para o geral. Formula 
leis  gerais  com  base  em  casos  particulares.  É  o  empirismo   
(fundamentado  exclusivamente  na  experiência,  sem  levar  em 
consideração princípios preestabelecidos).

Considere o exemplo:
Antônio é mortal.
Benedito é mortal.
Carlos é mortal.
Ora,  Antônio,  Benedito,  Carlos  são  homens.  Logo,  (todos)  os  homens 
são mortais.
Método Dedutivo

Dedução  –  difere  do  indutivo  por  apresentar  premissas  verdadeiras  e  por 


toda  a  informação  já  estar,  pelo  menos  implicitamente,  nas  premissas.  Os 
fenômenos  não  podem  ser  explicados  sem  uma  teoria geral ou no mínimo 
um  modelo  teórico.  Portanto,  parte-se  da  teoria  geral  para  explicar  o 
particular. É o racionalismo (Só a razão é capaz de levar ao conhecimento 
verdadeiro).

Parte de duas premissas, da qual se retira a conclusão.

Considere o exemplo:

Todo homem é mortal (premissa maior)
Pedro é homem. (premissa menor)
Logo, Pedro é mortal (conclusão)

Todo mamífero tem um coração / Todos os cães são mamíferos


Logo, todos os cães têm um coração

Todo candidato condenado por fraude é inelegível


O deputado XXX foi condenado por fraude
Logo, o deputado XXX é inelegível

Todo número par é divisível por dois; • 280 é um número par; • 280 é divisível por
dois
Método histórico
 As atuais formas de vida social tem origem no passado. Coloca o 
fenômeno no contexto histórico-social.

Método comparativo
 Realiza comparações com o fim de explicar semelhanças e diferenças

Método tipológico
 Similar ao comparativo, mas cria tipos ou modelos ideais a partir da 
observação de aspectos essenciais do fenômeno.

Método monográfico
 Qualquer caso estudado em profundidade pode explicar outros ou 
todos os semelhantes.
Método estatístico
 Representação simples de conjuntos complexos. Quantitativo.

Método funcionalista
 Método de interpretação que parte do pressuposto que a sociedade é 
formada  por  partes  componentes  diferenciadas  e  interdependentes. 
Estuda  a  função  de  cada  parte.  Considera  a  sociedade  uma  estrutura   
complexa  de  grupos  de  indivíduos  reunidos  numa  trama  de  ações  e   
reações  sociais  e  de  outro  lado  como  um  sistema  de  instituições   
correlacionadas.
EXEMPLOS DO USO CONCOMITANTE DOS DIVERSOS MÉTODOS:
1.  Análise do papel que os sindicatos desempenham na sociedade:
- Métodos histórico e comparativo  (origem e desenvolvimento do sindicato)
•Análise de garimpos e garimpeiros de Patrocínio Paulista:
-Métodos  histórico,  estatístico  e  monográfico  (atividades  do  garimpeiro  no 
passado,  investigação  da  característica  atual,  delimitação  de  determinada 
categoria)
-2. “Determinação das aspirações dos trabalhadores na empresa industrial”
Metodologia:´
“Método  de  abordagem:  Será  utilizado  o  método  indutivo  (...)  com  inferência 
indutiva  da  amostra  para  a  população,  especificamente  generalizações 
estatísticas.
Método  de  procedimento:  Empregar-se-ão,  concomitantemente,  os  métodos 
estatístico e funcionalista”
3. Comparação entre receitas e guias – método comparativo e estatístico

Exemplos de Utilização de Métodos e de Técnicas.


Imagine que quiséssemos testar a seguinte hipótese: “A falta de determinada 
vitamina  provoca  uma  doença  em  ratos”.  Nesse  caso,  poderíamos  usar  o 
método científico da seguinte maneira: colocaríamos vários ratos numa gaiola 
e  os  alimentaríamos  com  uma  dieta  completa,  em  que  não  faltasse  essa 
vitamina;  em  outra  gaiola  colocaríamos  o  mesmo  número  de  ratos,  os  quais 
receberiam  uma  dieta  com  falta  da  vitamina  em  estudo;  após  algum  tempo, 
observaríamos  as  alterações  que  tivessem  surgido  nos  ratos  que  não 
receberam a vitamina.
(p.14)
V. A partir do que foi estudado, explique a seguinte afirmação:
“Fazemos a ciência com fatos, como fazemos uma casa com pedras;
mas a acumulação de fatos não é ciência, assim como um monte e
pedras não é uma casa.”

VI. Analise cada alternativa abaixo e diga se o raciocínio utilizado


é indutivo ou dedutivo:
1.  A  terra,  Marte,  Vênus  e  Júpiter  são  desprovidos  de  luz  própria.
Ora,  a  Terra,  Marte,  Vênus  e  Júpiter  são  todos  planetas.
Logo, todos os planetas são desprovidos de luz própria.
2.  Todo  vertebrado  possui  vértebras.  Todos  os  cavalos  são 
vertebrados. Logo, todos os cavalos têm vértebras.
3.  Todo  metal  conduz  eletricidade.  O  mercúrio  é  um  metal.  Logo,  o 
mercúrio conduz eletricidade.
4.  Retirando  uma  amostra  de  um  saco  de  arroz,  observa-se  que 
aproximadamente  80%  dos  grãos  são  do  tipo  extra-fino.  Conclui-se 
então que o saco de arroz é do tipo extrafino.
5.  Você  está  lendo  um  livro  e  observa  que  muitas  palavras  oxítonas 
terminadas  em  ‘i’  ou  ‘u’  tônicos  ora  vêm  acentuadas  ora  não.   
Confrontando-se,  verifica-se  que  o  ‘i’  e  o  ‘u’  dessas  palavras  oxítonas 
só levam acento agudo quando precedidos por outra vogal.  
6. Agora, você está diante da palavra ‘urubu’; põe-lhe acento ou não? 
Quando se decidir, que método de raciocínio terá seguido?
PESQUISA

Formal = ocupa-se da Lógica e da Matemática

Factual (relação H/nat; H/soc.)
* Natural:  Física, Química, Biologia, Psicologia; 
* Cultural: Psicologia Social, Sociologia,    
   Economia, Política e História.
TIPOS DE PESQUISA

Do ponto de vista da sua natureza (finalidade)...

PESQUISA PURA/ BÁSICA   X        PESQUISA  APLICADA
Meta  saber           Meta  contribuição para 
= construir novos conhecimentos     fins práticos/problemas 
           concretos

= desenvolver, testar, avaliar
  produtos e processos 
 tecnologia
De acordo com os objetivos

PESQUISA EXPLORATÓRIA
(primeiros  estágios  da  investigação    familiaridade    primeiro 
contato com o tema)

PESQUISA DESCRITIVA
(Dados e problemas que merecem ser estudados, mas cujo registro 
não consta de documentos  coleta em seu habitat natural
= observa, analisa e correlaciona os fatos) 

PESQUISA EXPLICATIVA
[orienta  a  coleta  de  dados  em  pesquisas  que  procuram  estudar  a 
influência  de  determinados  fatores  na  determinação  de  ocorrência 
de fatos ou situações - utiliza método experimental (ciências físicas 
e naturais) e observacional (ciências sociais)]
PESQUISA DESCRITIVA

-Observa,  registra,  analisa  e  correlaciona 


fatos/ fenômenos, SEM MANIPULÁ-LOS

-  Procura  descobrir,  COM  A  PRECISÃO 


POSSÍVEL,  a  freqüência  com  que  um 
fenômeno ocorre, sua relação e conexão com 
outros, sua natureza e características

- Aborda dados e problemas que merecem ser 
estudados  e  cujo  REGISTRO  NÃO  CONSTA 
DE DOCUMENTOS

-  Os  dados  são  coletados  e  registrados  EM 


SEU  HABITAT  NATURAL  (onde  são 
produzidos)
De acordo com os procedimentos técnicos

PESQUISA BIBLIOGRÁFICA
= consulta de fontes secundárias  domínio público

PESQUISA DOCUMENTAL
=  consulta  de  fontes  primárias  =  materiais  sem  tratamento 
analítico/cientifico = não públicos  cartas, contratos, relatórios...

PESQUISA DE CAMPO  ‘estudo de caso, levantamento, ex-post-
facto, pesquisa participante’
= gera conhecimentos relativos a um problema ou testa hipóteses
=  observa  o  lugar  natural  onde  ocorrem  os  fenômenos  e  utiliza 
diversos procedimentos de coleta como observações e entrevistas

PESQUISA DE LABORATÓRIO  ‘pesquisa experimental’
= artificializa o fato e o ambiente 
= capta dados, controla fenômenos, estabelece padrões desejáveis, 
coleta de dados em um espaço curto
* Manipulação das variáveis
Subdivisão da pesquisa em relação aos procedimentos
•Pesquisa bibliográfica  pesquisa documental
•Pesquisa de campo  levantamento, estudo de caso, ex-
post-facto, pesquisa participante
•Pesquisa de laboratório  pesquisa experimental

PESQUISA EXPERIMENTAL
-MANIPULA diretamente as variáveis relacionadas com 
o objeto de estudo
-  Estuda  as  relações  de  CAUSA  E  EFEITO  de 
determinado fenômeno
(através da criação de situações de controle)
-  O  pesquisador  utiliza  aparelhos,  instrumentos  e 
procedimentos  capazes  de  tornar  perceptíveis  as 
relações existentes entre as variáveis
- Pode acontecer tanto em contexto de campo quanto 
de laboratório
Subdivisão da pesquisa em relação aos procedimentos
•Pesquisa de campo  levantamento, pesquisa etnográfica, estudo de caso, ex-post-
facto, pesquisa participante

LEVANTAMENTO
= interrogação direta de pessoas usa técnicas estatísticas, análise 
quantitativa e permite generalização para o total da população (IBOPE)

PESQUISA ETNOGRÁFICA  estudo das pessoas em seu ambiente 
mediante a utilização de entrevistas e observação – descrição da cultura 
(comportamentos, crenças, valores)

ESTUDO DE CASO
= estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos  amplo e 
detalhado conhecimento
análise de registros, observação, entrevistas...

EX-POST-FACTO 
(estudo retrospectivo = histórico – presente c/ vistas no passado)
= realiza-se depois dos fatos (ex: verificação do processo de erosão sofrido 
por uma rocha por influência do choque proveniente das ondas do mar)

PARTICIPANTE  (estudo prospectivo – presente c/vistas no futuro)
= integração do investigador – conhecer o grupo
Quanto à natureza da informação:

1. Quantitativa – traduz em números informações 
coletadas:
•Recursos e técnicas estatísticas
•Reduz as relações humanas a números exatos?????
•Observação sistemática, questionário, entrevista

2.Qualitativa – interpretação dos fenômenos e atribuição 
de significados
Outro  ponto  importante  que  deve  constar  no  método  do  seu  estudo  é  a 
definição das variáveis a serem investigadas. Definidas com clareza e de 
modo  operacional,  essas  variáveis  descrevem  as  características  daquilo 
que se deseja medir. Podemos distinguir dois tipos básicos de variáveis:

» Variável Dependente: Refere-se a fenômenos a serem descobertos.
»  Variável  Independente:  É  aquela  que  influencia,  determina  ou  afeta  a 
variável dependente. 

EXEMPLO
Tema: “Fatores associados à depressão em idosos”.

Variável Dependente: a depressão.

Variáveis Independentes: todos os fatores que influenciariam esse quadro


e que devem ser investigados no estudo, como: idade, renda,
escolaridade, atividade física, interação social, alimentação e outros.