Você está na página 1de 9

Centro de cultura Max Feffer

Arquitetura: Leiko Hama Motomura


Colaboradores: Mauricio Alito, Carolina Maihara, Thais Cunha,
Marcelo Nunes, Danielle Muhle
Local: Pardinho, SP
Conclusão: 2008
Área do terreno: 7130m²
Área construída: 1651m²
Conforto Ambiental: Anésia B. Frota e Leonardo M. Monteiro
Hidráulica e Elétrica: HPF Engenharia
Otimização Energética: OTEC
Paisagismo da praça: Mauricio Alito

O Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade, criado em 2008


em Pardinho-SP, é uma iniciativa do Instituto Jatobás para
desenvolver e difundir a cultura da sustentabilidade na região. Esse
espaço serve aos programas e ações promovidos pelo Sistema Figura: fachada oeste do centro cultrual marx feffer. Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Ecopolo. Construído em uma praça pública cedida pela Prefeitura


Municipal, o Centro Max Feffer Cultura e Sustentabilidade traz, em A escolha do projeto para analise de Baker se deu seguindo os seguintes critérios:
sua concepção, uma série de técnicas inovadoras dos chamados 1.Ser uma obra contemporânea
2. Possuir o bambu como elemento predominante ou relevante exercendo função estrutural.
“edifícios verdes”, e destaca-se por suas linhas diferenciadas e sua
3. Ser uma obra nacional elaborado por escritório brasileiro.
cobertura totalmente desenvolvida com bambu. 4. possuir caráter institucional, publico e comunitário.
5.Ter diretrizes projetuais sustentáveis relevantes.
6. Ser uma obra de referência para elaboração do trabalho do mestrando.
MÉTODO DE BAKER
A analise de Baker é um método de avalição para elaboração de projetos
construtivos na arquitetura.
dividida em sete categorias:

1 2 3 4 5 6 7
GENIUS LOCI ICONOLOGIA IDENTIDADE SIGNIFICADO PLÁSTICA GEOMETRIA ESTRUTURA
DO USO

1 GENIUS LOCI CONTEXTO

Este termo aborda as referências sobre o lugar onde a edificação está


inserida, tais como aspectos: da cidade, do bairro ou da vizinhança, bem como
condicionantes naturais.
Figura: exibição de filme no auditório aberto do centro cultrual marx feffer. Fonte:
http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
O projeto está inserido numa praça da pequena cidade de Pardinho-SP em um
bairro residencial num terreno em leve declive o edifício possui caráter público e
comunitário sua tipologia se integra com esse espaço verde, foi possui um palco
com auditório aberto na própria praça com capacidade para 500 pessoas. Como o
Instituto Jatobás nasceu na Fazenda dos Bambus, este material não poderia
deixar de estar presente em sua estrutura: soma-se às características ecológicas e
a proposta de sustentabilidade que norteou o projeto.

Figura:Imagem de satélite da cidade de pardinho, demarcada em vermelho a


localização do centro cultura Marx feffer. Fonte: google earth adaptada Figura: Planta baixa , FONTE: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
2 ICONOLOGIA ARTE COMO SÍMBOLO

Significa explicar qual a aparência do objeto estudado, referindo-se


ao significado da imagem, assim como a imagem que a proposta busca
alcançar.

A proposta do projeto busca alcançar um integração com verde da


praça e da própria proposta do centro que é a de sustentabilidade, num
arquitetura mais vegetal, isso fica explícito na coberta, que teve uma
solução de duas águas, toda em bambu e eucalipto a arquiteta possui
origem japonesa e o projeto nos mostrou algumas influências, mais
facilmente percebido, na fachada lateral. na fachada frontal a coberta se
torna sinuosa com ondulações, essa escolha pode ter sido feita para
promover maior dinâmica no projeto e quebra da rigidez das duas águas
presentes na fachada lateral, contudo a forma também transmite a fluidez
e faz referência aos morros e elementos naturais da paisagem rural no
horizonte.
Figura: fachada oeste do centro cultrual marx feffer. Fonte: http://www.amima-
arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Figura. Foto da varanda no pav superiror do centro Fonte: http://www.amima-


arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
Figura. Foto lateral da coberta do centro Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
IIDENTIDADE / CULTURA
3
A cultura remete a contextos históricos e culturais de um lugar. A
identidade é uma categoria que observa o momento em que a obra
aconteceu.

O projeto é uma produção arquitetônica contemporânea e foi


todo pensado para ser uma edifício que busca a sustentabilidade em
todos os níveis, ambiental econômico e social, como resposta direta a
emergência sócio ambiental que vivemos atualmente.

Figura. Foto lateral da coberta do centro Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer


PROGRAMA:
4 SIGNIFICADO DO USO PROGRAMA Térreo:
1-acesso principal
2-Acessos secundários
Refere-se a finalidade, ao tipo, as funções, aos usos, aos espaços e a 3-biblioteca 2
organização espacial do edifício/projeto. Também remete a forma da planta 4-Exposição permanente marx
feffer
2
(radial, orgânica, regular), entre outros aspectos estético-funcionais.
5-exposição itinerante
6-oficinas
De planta retangular e fluida os ambientes foram pensados para serem espaços 7-sala de digital 13
de aglutinação da comunidade, onde se pode “circular livremente” entre a praça e o 8- jardim de inverno 5 11 9 6 6
8 12 11
interior do edifício, verdadeira usina de cidadania, educação e sustentabilidade. Os 9- circulação vertical
ambientes foram criados para comportar as diversas atividades desde oficinas de 10-Bws para eventos 9
artes, de restaura e confecção de instrumentos musicais. Aulas de educação 11-Bws
ambiental, e de inclusão digital com laboratórios de informática, espaço para 12Hall 4 6
13-DML
7 3 10 10 6
exposições itinerantes e memorial Marx Feffer. Também é possível observar uma
14-Auditório ao ar livre
setorização dos ambientas por atividades para uma melhor organização pavimento
térreo os serviços mais técnicos e diários já no pav.superior os usos são mais livres
e pontuais.

Setores: 1

Exposição

Figura. Planta baixa pav. térreo Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Pavimento superior:
15.atelier de artes visuais
Educação 16. Terraço / área multi uso.

Serviço
8 9
15 9 16 14
16

oficinas

Circulação
vertical
Figura. Planta baixa pa. Superior Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
5 PLÁSTICA MOVIMENTO

É um componente que explica a configuração formal arquitetônica


existente no interior e no exterior do edifício. Remete a elementos
formais, como as linhas, superfícies, volumes, cores e técnicas
(cheios e vazios, luz e sombra).

O elemento que mais se destaca no projeto é a coberta e seu


material o bambu. principalmente por ele não ser comumente usado
em estrutura aqui no brasil.

Figura: foto da estrutura em bambu da coberta Fonte: http://www.amima-


arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Figura. Foto lateral da coberta do centro Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer


6 GEOMETRIA CONFIGURAÇÃO DA FORMA

É um componente que explica a configuração geométrica do


edifício.

Um edifício retangular dividido em duas partes: térreo que seria


a base em concreto onde se apoia o primeiro pavimento com um
grande terraço sob uma grande coberta.

Seu telhado possui duas aguas que nas fachadas leste e oeste
apresenta forma e clássica , estática e marcante do frontão.
possui também uma razão relacionada a altura e largura. Possui
simetria e alturas dos pé direitos iguais como também altura da
cumeeira.

Figura: corte transversal do centro cultrual marx feffer. Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Figura: fachada sul centro cultrual marx feffer. Fonte: http://www.amima-


arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Figura: fachada leste do centro cultrual marx feffer. Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer


7 ESTRUTURA MATERIAIS

Trata-se dos aspectos construtivos presentes na obra. Remete aos significados


que expressa como maneira de imprimir dinamismo e estatismo ao edifício.
Refere-se aos aspectos construtivos e dos materiais presentes empregados na
obra arquitetônica.

Dividido em duas partes, o térreo com estrutura em concreto, paredes em


tijolo solo cimento e tijolos de demolição Caixilhos de madeira de demolição gradil
com reuso de resíduo industrial .
e o primeiro pavimento a estrutura da cobertura em grandes vigas e pilares de
eucalipto e suportam as coberta em bambu com telha em fibra vegetal e telha
transparente de policarbonato.

Figura: sistema estrutural em bambu e eucalipto que sustenta a coberta do cultrual marx feffer. Fonte:
http://www.amima-arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer

Cobertura de bambu apoiada em estrutura independente de eucalipto. sob


essa cobertura, uma segunda construção, feita de concreto e alvenaria, abriga os
setores fechados do programa.

Figura: painel com fotos do centro cultrual marx feffer. Adaptado pelo autor Fonte: http://www.amima-
arquitetura.com.br/projetos/institucional/centrodeculturamaxfeffer
Leiko Hama Motomura
“ O bambu é pouco
²
utilizado na arquitetura
¹ A arquiteta e urbanista paulistana Leiko Hama Motomura é pioneira no Brasil a
usar materiais alternativos e sustentáveis.Um de seus projetos construídos de maior estrutural, mas
destaque é o Centro de Cultura Max Feffer, em Pardinho (SP).
O edifício foi o primeiro da América Latina a receber o selo LEED, sistema de conseguimos reconhecer
certificação e orientação ambiental de edificações mais usado no mundo. O projeto
ainda recebeu uma menção honrosa na 8ª Bienal Internacional de Arquitetura de São suas qualidades
Paulo, em 2009.
específicas e trabalhá-las
Estratégias de sustentabilidade para o centro cultural Marx Feffer: com criatividade.’’
Leiko Motomura
- Cobertura com estrutura de fibras vegetais bambu/eucalipto

- Telhas de fibras vegetais


Figura: Leiko Hama Motomura . Fonte: http://www.amima-arquitetura.com.br
- Tijolos de solo-cimento

- Tijolos de demolição

- Caixilhos de madeira de demolição Referências


- Gradil com reuso de resíduo industrial
•Baker. Geofrey LE CORBUSIER: UMA ANALISE DA FORMA. Seg. edição 2002
- Bancos e bebedouros com reuso de resíduos
•:
- Reuso de água cinza para descargas sanitárias
•http://www.amima-arquitetura.com.br / acessado em 5 de outubro de 2018
- Metais hidrosanitários econômicos
•http://www.arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/amima-arquitetura-centro-cultural-28-07-2009 / acessado
em 5 de outubro de 2018
- Mictório seco

•https://www.galeriadaarquitetura.com.br/projeto/amima_/centro-max-feffer-cultura-e-sustentabilidade/1695 /
acessado em 5 de outubro de 2018
Foi enviado um email para o escritório responsável pelo projeto afim de saber mais
detalhes e opiniões de conceitos e partidos projetuais da arquiteta porém até a data •http://www.institutojatobas.org.br/odivergentepositivo/sobre/edicao-em-portugues/logojatobasverde/ / acessado
de entrega deste trabalho não obtivemos resposta. Contudo com a leitura das em 5 de outubro de 2018
referencias foi possível identificar apenas uma passagem de Leiko Sobre:
².Fonte: http://www.arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/amima-arquitetura-centro-cultural

¹.Fonte: http://www.arcoweb.com.br/projetodesign/arquitetura/amima-arquitetura-centro-cultural