Você está na página 1de 15

Embriologia do Sistema Nervoso

• O estudo do desenvolvimento embrionário do


sistema nervoso é importante,pois permite
entender muitos aspectos de sua
anatomia.Muitos termos largamente usados
para denominar partes do encéfalo do
adulto,baseiam-se na embriologia.
Origem do Sistema Nervoso
• O sistema nervoso origina-se da ectoderme
embrionário e se localiza na região dorsal.
Durante o desenvolvimento embrionário, a
ectoderme sofre uma invaginação, dando
origem à goteira neural, que se fecha,
formando o tubo neural. Este possui uma
cavidade interna cheia de líquido, o canal
neural.
Formação do tudo neural e da crista
neural
Tubo Neural
• O tubo neural é a estrutura embrionária que dará
origem ao cérebro e à medula espinal. Durante a
gestação humana, o tubo neural dá origem a três
vesículas: o roboencéfalo,o mesencéfalo e o
prosencéfalo.
• A formação do tubo neural é o resultado da
invaginação da ectoderme que se segue à
gastrulação. Este processo é induzido por
moléculas sinalizadoras produzida na notocorda e
na placa basal.
Fechamento de um tubo neural
Dilatações do tubo neural
• Em sua região anterior, o tubo neural sofre
dilatação, dando origem ao encéfalo primitivo.
Em sua região posterior, o tubo neural dá
origem à medula espinhal. O canal neural
persiste nos adultos, correspondendo aos
ventrículos cerebrais, no interior do encéfalo,
e ao canal do epêndimo, no interior da
medula.
A formação do encéfalo

• A formação do encéfalo se dá pelo


aparecimento de três vesículas que se
desenvolvem na região rostral do tubo neural.
Vesículas encefálicas
• Durante o desenvolvimento embrionário,
verifica-se que a partir da vesícula única que
constitui o encéfalo primitivo, são formadas
três outras vesículas:
• a primeira, denominada prosencéfalo
(encéfalo anterior);
• a segunda, mesencéfalo (encéfalo médio)
• e a terceira, rombencéfalo (encéfalo
posterior).
Diferenciação do embrião
• O prosencéfalo e o rombencéfalo sofrem
estrangulamento, dando origem, cada um deles,
a duas outras vesículas. O mesencéfalo não se
divide. Desse modo, o encéfalo do embrião é
constituído por cinco vesículas em linha reta. O
prosencéfalo divide-se em telencéfalo
(hemisférios cerebrais) e diencéfalo (tálamo e
hipotálamo); o mesencéfalo não sofre divisão e o
rombencéfalo divide-se em metencéfalo (ponte e
cerebelo) e mielencéfalo (bulbo).
Cavidade do tubo neural
• A luz do tubo neural permanece no sistema nervoso do
adulto, sofrendo, em algumas partes varias modificações. A
luz da medula primitiva forma, no adulto, o canal central da
medula. A cavidade dilatada do rombencéfalo forma o IV
ventrículo. A cavidade do diencéfalo e a da parte mediana
do telencéfalo forma o III ventrículo.
• A luz do mesencéfalo permanece estreita e constitui o
aqueduto cerebral que une o III ao IV ventrículo. A luz das
vesículas telencéfalicas laterais forma, de cada lado, os
ventrículos laterais, unidos ao III ventrículo pelos dois
forames interventriculares. Todas as cavidades são
revestidas por um epitélio cuboidal denominado epêndima
e, com exceção do canal central da medula, contêm um
liquido cérebro-espinhal, ou líquor.
Flexuras
• Durante o desenvolvimento das diversas partes do arquencéfalo
aparecem flexuras ou curvaturas no seu teto ou assoalho, devidas
principalmente a ritmos de crescimento diferentes. A primeira
flexura a aparecer é a flexura cefálica, que surge na região entre o
mesencéfalo e o prosencéfalo. Logo surge, entre a medula primitiva
e o arquencéfalo, uma segunda flexura, denomina flexura cervical.
Ela é determinada por uma flexão ventral de toda a cabeça do
embrião na região do futuro pescoço. Finalmente aparece uma
terceira flexura, de direção contraria as duas primeiras, no ponto de
união entre o meta e o mielencéfalo: a flexura pontina. Com o
desenvolvimento, as duas flexuras caudais se desfazem e
praticamente desaparecem. Entretanto, a flexura cefálica
permanece, determinado, no encéfalo do homem adulto, um
ângulo entre o cérebro, derivando do prosencéfalo, e o resto do
neuro-eixo.