Você está na página 1de 15

APRESENTAÇÃO ROTEIRO PSEP-02

(1º Semestre de 2017)

• TEMA: Introdução à Proteção de Sistemas Elétricos


de Potência
• SUBTEMA: Análise sobre a PSEP

 O fornecimento de energia elétrica dentro dos padrões de qualidade


exigidos pelo consumidor e dentro dos limites estabelecidos pelo agente
regulador (ANEEL), é o objetivo principal das concessionárias de energia
elétrica.
 Conciliar os aspectos técnicos e econômicos é um desafio permanente,
que se inicia desde a fase de planejamento, quando devem ser abordadas
questões do tipo: a) qual o consumo de energia para os próximos 5, 10 ou
mais anos?; b) que tipo de carga será atendida? c) quais os níveis de
qualidade devem ser assegurados? d) quais as cargas prioritárias? e) quais
os clientes especiais?;

1
ANÁLISE SOBRE A PSEP
• De forma geral, uma vez fixada a previsão de consumo e respectivos
equipamentos, três outras preocupações persistem para a Empresa
Concessionária de Energia Elétrica:

1) Elaboração de programas ótimos de geração:

2) Constituição de esquemas de interconexão apropriados  deve-se buscar


atingir os seguintes objetivos:
 Limitar o valor da corrente de curto-circuito a valores compatíveis com as
especificações padronizadas de equipamentos e materiais que compõem a rede;
 evitar transferência de carga para linhas que permanecerem em serviço  para
evitar: a) sobreaquecimento; b) funcionamento intempestivo das proteções; c) perda
de sincronismo entre as regiões ou sistemas interligados.

3) Utilização de um conjunto coerente de proteções  para atenuar os


efeitos das perturbações, o sistema de proteção deve:

 Assegurar a continuidade no fornecimento de energia elétrica ao consumidor;

 Proteger equipamentos e as instalações da rede.

2
ANÁLISE SOBRE A PSEP

Portanto, há a necessidade de dispositivos de proteção


distintos para:

a) Situações anormais de funcionamento do conjunto


interconectado;

a) Os curto-circuitos e os defeitos de isolamento.

 O registro das falhas nos sistemas elétricos de potência são


úteis nas fases de planejamento, contudo, deve-se lembrar que a
incidência de certos tipos particulares de defeito depende da
localização. Por exemplo, em lugares extremamente secos, as
faltas à terra são mais raras.

3
ANÁLISE SOBRE A PSEP
 Três aspectos devem ser observados na proteção de um sistema elétrico:
1. Operação normal: inexistência de falhas do equipamento; inexistência de
erros do pessoal de operação; inexistência de incidentes de causas
desconhecidas;
2. Prevenção contra falhas elétricas: previsão de isolamento adequado;
coordenação do isolamento; uso de cabos para-raios e baixa resistência de
pé-de-torre; apropriadas instruções de operação e manutenção; etc;
3. Limitação dos defeitos devidos às falhas: limitação da corrente de curto-
circuito (reatores, ou resistores); suportabilidade dos efeitos mecânicos e
térmicos das correntes de defeito; existência de circuitos múltiplos e
geradores de reserva, existência de releamento e outros dispositivos, bem
como disjuntores com suficiente capacidade de interrupção; meios para
observar a efetividade das medidas acima (oscilógrafos e observação
humana); finalmente, frequentes análises sobre as mudanças do sistema
(crescimento e natureza da carga) com os consequentes reajustes dos
relés, reorganização do esquema operativo, etc.

4
ANÁLISE SOBRE A PSEP
Basicamente, em um sistema elétrico encontram-s os seguintes tipos de proteção:
• Proteção contra incêndio;
• Proteção pelos relés e por fusíveis;
• Proteção contra descargas atmosféricas e surtos de manobra.
Portanto, um estudo de proteção, deve levar em conta as seguintes considerações
principais:
 elétricas, devidas às características do sistema de potência (natureza das
faltas, sensibilidade para instabilidade, regimes e características gerais dos
equipamentos, condições de operação, etc.);
 econômicas, devidas à importância funcional do equipamento (custo do
equipamento principal versus custo relativo do sistema de proteção);
 físicas, devidas principalmente à facilidade de manutenção, acomodação
(dos relés e redutores de medida), distância entre pontos de releamento
(carregamento dos TC, uso de fio piloto), etc.

5
ANÁLISE SOBRE A PSEP

O releamento minimiza:
a) O custo de reparação dos estragos;
b) A probabilidade de que o defeito possa propagar-se e envolver outros
equipamentos;
c) O tempo que o equipamento fica inativo, reduzindo a necessidade das
reservas;
d) Perda de faturamento e desgaste da imagem da empresa enquanto o
equipamento está fora de serviço;

Tudo isso tem um custo da ordem de 2 a 5% daquele correspondente aos


equipamentos protegidos.

6
Características dos Equipamentos de Proteção
Princípios gerais da proteção:
• Em nenhum caso a proteção deve dar ordens, se não existe defeito
na sua zona de controle;
• Se existe defeito na zona de controle, as ordens devem
corresponder exatamente àquilo que se espera;

Do que foi exposto, resulta que a proteção por meio de relés, tem duas
funções:
1) Função principal: promover uma rápida retirada de serviço de um
elemento do sistema que esteja em curto-circuito, ou quando ele
começa a operar de modo anormal, interferindo na correta operação
dos demais elementos do sistema. Nessa função, o relé é auxiliado
pelo disjuntor, ou então um fusível engloba as duas funções (ver Fig. 1
no slide nº 8).
2) Função secundária: promover a indicação da localização e do tipo de
defeito. 7
Características dos Equipamentos de Proteção

Fig. 1 – Atuação Relé – Disjuntor


Fonte: (CAMINHA, 1977)

8
Características dos Equipamentos de Proteção

Princípios Fundamentais do Releamento:


 Releamento primário, ou de primeira linha: é aquele em que uma zona
de proteção separada é estabelecida ao redor de cada elemento do
sistema, com vistas à seletividade (disjuntores são colocados na conexão
de cada dois elementos). Assim, há uma superposição das zonas em torno
dos disjuntores, visando ao socorro em caso de falha da proteção
principal; se isso ocorre, a seletividade fica prejudicada, mas esse é o mal
menor;
 Releamento de retaguarda, cuja finalidade é a de atuar na manutenção
do releamento primário, ou falha deste. Somente é usado, por motivos
econômicos, para determinados elementos do circuito e somente contra
curto-circuito;
 Releamento auxiliar, tem função como multiplicador de contatos,
sinalização, ou temporizador, etc.
9
10
Figura 2 - Zonas de proteção
Características Funcionais do Releamento
• Sensibilidade, seletividade, velocidade e confiabilidade são termos comumente
usados para descrever as características funcionais do releamento;
a) A velocidade, ou rapidez de atuação do relé na ocorrência de um curto-circuito, tem
por objetivo:
 diminuir a extensão do dano ocorrido (proporcional a RI2t);
 auxiliar a manutenção da estabilidade das máquinas operando em paralelo;
 melhorar as condições para a re-sincronização de motores;
 assegurar a manutenção de condições normais de operação nas partes sadias
do sistema;
 diminuir o tempo total de paralisação no fornecimento de energia elétrica aos
consumidores;
 melhorar os índices de continuidade no fornecimento de energia elétrica,
associado principalmente aos índices duração equivalente de interrupção por
consumidor (DEC) e duração das interrupções por unidade consumidora
considerada (DIC), etc.
11
Características Funcionais do Releamento

b) Por sensibilidade entende-se a capacidade da proteção responder às


anormalidades nas condições de operação, e aos curto-circuitos para os quais foi
projetada.
Fator de sensibilidade: k = Iccmin/Ipp, onde:
Iccmin = corrente de curto circuito franco no extremo mais afastado da linha e sob condição de
geração mínima;
Ipp = valor mínimo da corrente de partida da proteção (corrente mínima de operação do relé);

É usual adotar-se k  1,5 a 2


c) Define-se confiabilidade como a probabilidade de um componente, um
equipamento ou um sistema satisfazer a função prevista, sob dadas circunstâncias.
Apesar da possibilidade de longos tempos de inatividade, o relé, quando acionado,
deve atender às funções previstas no projeto de proteção;

d) A seletividade diz respeito à propriedade da proteção em reconhecer e selecionar


entre aquelas condições para as quais uma imediata operação é requerida, e
aquelas para as quais nenhuma operação é requerida, ou um retardo de atuação é
exigido. 12
Características Funcionais do Releamento

EXERCÍCIO

Figura 3 - sistema elétrico radial

Para cada uma das condições seguintes, indicar quais disjuntores devem abrir. Supor,
inicialmente, que só a proteção remota atue. Repetir o problema, admitindo que ambas as
proteções, local e remota, sejam usadas.
Condições: Proteção Remota Proteção Remota e Local
a) Falta em f1 e o Dj. 9 falha na abertura; ............................... ...........................................
b) Falta em f2 e falha do relé diferencial de barra; ................................. ..........................................
c) Falta em f3 e o Dj. 5 falha na abertura; ................................. ...........................................
13
d) Fata em f4 e o Dj. 3 falha na abertura; ................................ ............................................
EXERCÍCIO

Dado o diagrama unifilar abaixo, qual a alternativa que melhor se adequa


aos parâmetros de flexibilidade operativa e adequabilidade econômica?

14
Referência Bibliográfica
CAMINHA, Amadeu Casal. Introdução à proteção dos sistemas elétricos.
São Paulo: Edgard Blücher, 1977.

15

Você também pode gostar