Você está na página 1de 22

Escola Municipal Marcos Soriano

Base Nacional
Comum Curricular

Maceió, 2019

O que fazer em 2019?
- Estudar a base;
- Complementar e contextualizar.

2
BNCC
NÃO É CURRÍCULO
“É a base para construir o currículo!”
Traz o que todos os alunos precisam aprender, possibilitando
aprendizagens comuns para todos os alunos do país.

PODE INCLUIR
NÃO PODE EXCLUIR
< A REDE TEM AUTONOMIA >
BNCC + NECESSIDADES LOCAIS

3
Preparadas?!
😂😂😂

4
Competências gerais para a Educação Básica

5
Competências gerais para a Educação Básica
1 2
Valorizar e utilizar os conhecimentos Exercitar a curiosidade intelectual e
historicamente construídos sobre o recorrer à abordagem própria das ciências,
mundo físico, social, cultural e digital incluindo a investigação, a reflexão, a
para entender e explicar a realidade, análise crítica, a imaginação e a
continuar aprendendo e colaborar para criatividade, para investigar causas,
elaborar e testar hipóteses, formular e
a construção de uma sociedade justa,
resolver problemas e criar soluções
democrática e inclusiva.
(inclusive tecnológicas) com base nos
conhecimentos das diferentes áreas.

3 4
Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral
Valorizar e fruir as diversas ou visual-motora, como Libras, e escrita),
manifestações artísticas e culturais, das corporal, visual, sonora e digital –, bem
locais às mundiais, e também participar como conhecimentos das linguagens
de práticas diversificadas da produção artística, matemática e científica, para se
artístico-cultural. expressar e partilhar informações,
experiências, ideias e sentimentos em
diferentes contextos e produzir sentidos que
levem ao entendimento mútuo.

6
Competências gerais para a Educação Básica
5 6
Compreender, utilizar e criar tecnologias Valorizar a diversidade de saberes e vivências
digitais de informação e comunicação de culturais e apropriar-se de conhecimentos e
forma crítica, significativa, reflexiva e ética experiências que lhe possibilitem entender as
nas diversas práticas sociais (incluindo as relações próprias do mundo do trabalho e fazer
escolares) para se comunicar, acessar e escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e
disseminar informações, produzir ao seu projeto de vida, com liberdade,
conhecimentos, resolver problemas e autonomia, consciência crítica e
exercer protagonismo e autoria na vida responsabilidade.
pessoal e coletiva.

7 8
Argumentar com base em fatos, dados e
informações confiáveis, para formular, Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua
negociar e defender ideias, pontos de vista saúde física e emocional, compreendendo-se
e decisões comuns que respeitem e na diversidade humana e reconhecendo suas
promovam os direitos humanos, a consciência emoções e as dos outros, com autocrítica e
socioambiental e o consumo responsável em capacidade para lidar com elas.
âmbito local, regional e global, com
posicionamento ético em relação ao cuidado
de si mesmo, dos outros e do planeta.

7
Competências gerais para a Educação Básica

9 10
Exercitar a empatia, o diálogo, a Agir pessoal e coletivamente com
resolução de conflitos e a cooperação, autonomia, responsabilidade,
fazendo-se respeitar e promovendo o flexibilidade, resiliência e determinação,
respeito ao outro e aos direitos tomando decisões com base em
humanos, com acolhimento e princípios éticos, democráticos,
valorização da diversidade de inclusivos, sustentáveis e solidários.
indivíduos e de grupos sociais, seus
saberes, identidades, culturas e
potencialidades, sem preconceitos de
qualquer natureza.

8
E aí, alguém
deseja Place your screenshot here

opinar?

9
Os marcos legais que embasam a BNCC

Constituição LDB
Federal

Fonte: BNCC (2018)

10
Os marcos legais que embasam a BNCC
CONSTITUIÇÃO FEDERAL

A Constituição Federal de 19885, em seu Artigo 205, reconhece a


educação como direito fundamental compartilhado entre Estado, família
e sociedade ao determinar que

a educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será


promovida e incentivada com a colaboração da sociedade,
visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o
exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (BRASIL,
1988).

Para atender a tais finalidades no âmbito da educação escolar, a Carta


Constitucional, no Artigo 210, já reconhece a necessidade de que sejam
“fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a
assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e
artísticos, nacionais e regionais” (BRASIL, 1988).

11
Os marcos legais que embasam a BNCC
 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Com base nesses marcos constitucionais, a LDB, no Inciso IV de seu Artigo 9º,
afirma que cabe à União

estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os


Municípios, competências e diretrizes para a Educação Infantil, o Ensino
Fundamental e o Ensino Médio, que nortearão os currículos e seus
conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum (BRASIL,
1996; ênfase adicionada).

Nesse artigo, a LDB deixa claros dois conceitos decisivos para todo o
desenvolvimento da questão curricular no Brasil. O primeiro, já antecipado pela
Constituição, estabelece a relação entre o que é básico-comum e o que é diverso
em matéria curricular: as competências e diretrizes são comuns, os currículos são
diversos. O segundo se refere ao foco do currículo. Ao dizer que os conteúdos
curriculares estão a serviço do desenvolvimento de competências, a LDB orienta a
definição das aprendizagens essenciais, e não apenas dos conteúdos mínimos a
ser ensinados. Essas são duas noções fundantes da BNCC.

12
Os marcos legais que embasam a BNCC
 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

A relação entre o que é básico-comum e o que é diverso é retomada no Artigo 26 da


LDB, que determina que

os currículos da Educação Infantil, do Ensino Fundamental e do Ensino


Médio devem ter base nacional comum, a ser complementada, em cada
sistema de ensino e em cada estabelecimento escolar, por uma parte
diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da
cultura, da economia e dos educandos (BRASIL, 1996; ênfase adicionada).

Essa orientação induziu à concepção do conhecimento curricular contextualizado pela


realidade local, social e individual da escola e do seu alunado, que foi o norte das
diretrizes curriculares traçadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) ao longo da
década de 1990, bem como de sua revisão nos anos 2000.

Em 2010, o CNE promulgou novas DCN, ampliando e organizando o conceito de


contextualização como “a inclusão, a valorização das diferenças e o atendimento à
pluralidade e à diversidade cultural resgatando e respeitando as várias manifestações de
cada comunidade”, conforme destaca o Parecer CNE/CEB nº 7/20106.

13
Os marcos legais que embasam a BNCC
 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Em 2014, a Lei nº 13.005/20147 promulgou o Plano Nacional de


Educação (PNE), que reitera a necessidade de
estabelecer e implantar, mediante pactuação interfederativa
[União, Estados, Distrito Federal e Municípios], diretrizes
pedagógicas para a educação básica e a base nacional comum
dos currículos, com direitos e objetivos de aprendizagem e
desenvolvimento dos(as) alunos(as) para cada ano do Ensino
Fundamental e Médio, respeitadas as diversidades regional,
estadual e local (BRASIL, 2014).

Nesse sentido, consoante aos marcos legais anteriores, o PNE afirma a


importância de uma base nacional comum curricular para o Brasil, com o
foco na aprendizagem como estratégia para fomentar a qualidade da
Educação Básica em todas as etapas e modalidades (meta 7), referindo-
se a direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento.

14
Os marcos legais que embasam a BNCC
 LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO

Em 2017, com a alteração da LDB por força da Lei nº 13.415/2017, a


legislação brasileira passa a utilizar, concomitantemente, duas
nomenclaturas para se referir às finalidades da educação:

Art. 35-A. A Base Nacional Comum Curricular definirá direitos e


objetivos de aprendizagem do ensino médio, conforme diretrizes
do Conselho Nacional de Educação, nas seguintes áreas do
conhecimento [...]
Art. 36. § 1º A organização das áreas de que trata o caput e das
respectivas competências e habilidades será feita de acordo com
critérios estabelecidos em cada sistema de ensino (BRASIL,
20178; ênfases adicionadas).

Trata-se, portanto, de maneiras diferentes e intercambiáveis para


designar algo comum, ou seja, aquilo que os estudantes devem aprender
na Educação Básica, o que inclui tanto os saberes quanto a capacidade
de mobilizá-los e aplicá-los.

15
O Ensino Fundamental no contexto da Educação Básica
LINGUAGENS
1. Compreender as linguagens como construção humana, histórica, social e cultural, de natureza
dinâmica, reconhecendo-as e valorizando-as como formas de significação da realidade e
expressão de subjetividades e identidades sociais e culturais.

2. Conhecer e explorar diversas práticas de linguagem (artísticas, corporais e linguísticas) em


diferentes campos da atividade humana para continuar aprendendo, ampliar suas possibilidades
de participação na vida social e colaborar para a construção de uma sociedade mais justa,
democrática e inclusiva.

3. Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal,
visual, sonora e digital –, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e
sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao diálogo, à resolução de
conflitos e à cooperação.

4. Utilizar diferentes linguagens para defender pontos de vista que respeitem o outro e promovam os
direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional
e global, atuando criticamente frente a questões do mundo contemporâneo.

5. Desenvolver o senso estético para reconhecer, fruir e respeitar as diversas manifestações artísticas
e culturais, das locais às mundiais, inclusive aquelas pertencentes ao patrimônio cultural da
humanidade, bem como participar de práticas diversificadas, individuais e coletivas, da produção
artístico-cultural, com respeito à diversidade de saberes, identidades e culturas.

6. Compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica,


significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares), para se
comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias, produzir conhecimentos, resolver
problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.

16
O Ensino Fundamental no contexto da Educação Básica
M A T E M Á T I C A

1. Reconhecer que a Matemática é uma ciência humana, fruto das necessidades e preocupações de diferentes culturas,
em diferentes momentos históricos, e é uma ciência viva, que contribui para solucionar problemas científicos e
tecnológicos e para alicerçar descobertas e construções, inclusive com impactos no mundo do trabalho.
2. Desenvolver o raciocínio lógico, o espírito de investigação e a capacidade de produzir argumentos convincentes,
recorrendo aos conhecimentos matemáticos para compreender e atuar no mundo.
3. Compreender as relações entre conceitos e procedimentos dos diferentes campos da Matemática (Aritmética,
Álgebra, Geometria, Estatística e Probabilidade) e de outras áreas do conhecimento, sentindo segurança quanto à
própria capacidade de construir e aplicar conhecimentos matemáticos, desenvolvendo a autoestima e a perseverança
na busca de soluções.
4. Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos presentes nas práticas sociais e culturais, de
modo a investigar, organizar, representar e comunicar informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las crítica e
eticamente, produzindo argumentos convincentes.
5. Utilizar processos e ferramentas matemáticas, inclusive tecnologias digitais disponíveis, para modelar e resolver
problemas cotidianos, sociais e de outras áreas de conhecimento, validando estratégias e resultados.
6. Enfrentar situações-problema em múltiplos contextos, incluindo-se situações imaginadas, não diretamente
relacionadas com o aspecto prático-utilitário, expressar suas respostas e sintetizar conclusões, utilizando diferentes
registros e linguagens (gráficos, tabelas, esquemas, além de texto escrito na língua materna e outras linguagens para
descrever algoritmos, como fluxogramas, e dados).
7. Desenvolver e/ou discutir projetos que abordem, sobretudo, questões de urgência social, com base em princípios
éticos, democráticos, sustentáveis e solidários, valorizando a diversidade de opiniões de indivíduos e de grupos sociais,
sem preconceitos de qualquer natureza.
8. Interagir com seus pares de forma cooperativa, trabalhando coletivamente no planejamento e desenvolvimento de
pesquisas para responder a questionamentos e na busca de soluções para problemas, de modo a identificar aspectos
consensuais ou não na discussão de uma determinada questão, respeitando o modo de pensar dos colegas e
aprendendo com eles.

17
O Ensino Fundamental no contexto da Educação Básica
C I Ê N C I A S D A N A T U R E Z A
1. Compreender as Ciências da Natureza como empreendimento humano, e o conhecimento científico como
provisório, cultural e histórico.
2. Compreender conceitos fundamentais e estruturas explicativas das Ciências da Natureza, bem como
dominar processos, práticas e procedimentos da investigação científica, de modo a sentir segurança no
debate de questões científicas, tecnológicas, socioambientais e do mundo do trabalho, continuar
aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.
3. Analisar, compreender e explicar características, fenômenos e processos relativos ao mundo natural, social
e tecnológico (incluindo o digital), como também as relações que se estabelecem entre eles, exercitando a
curiosidade para fazer perguntas, buscar respostas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos
conhecimentos das Ciências da Natureza.
4. Avaliar aplicações e implicações políticas, socioambientais e culturais da ciência e de suas tecnologias para
propor alternativas aos desafios do mundo contemporâneo, incluindo aqueles relativos ao mundo do
trabalho.
5. Construir argumentos com base em dados, evidências e informações confiáveis e negociar e defender
ideias e pontos de vista que promovam a consciência socioambiental e o respeito a si próprio e ao outro,
acolhendo e valorizando a diversidade de indivíduos e de grupos sociais, sem preconceitos de qualquer
natureza.
6. Utilizar diferentes linguagens e tecnologias digitais de informação e comunicação para se comunicar,
acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos e resolver problemas das Ciências da Natureza
de forma crítica, significativa, reflexiva e ética.
7. Conhecer, apreciar e cuidar de si, do seu corpo e bem-estar, compreendendo-se na diversidade humana,
fazendo-se respeitar e respeitando o outro, recorrendo aos conhecimentos das Ciências da Natureza e às
suas tecnologias.
8. Agir pessoal e coletivamente com respeito, autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e
determinação, recorrendo aos conhecimentos das Ciências da Natureza para tomar decisões frente a
questões científico-tecnológicas e socioambientais e a respeito da saúde individual e coletiva, com base em
princípios éticos, democráticos, sustentáveis e solidários.

18
O Ensino Fundamental no contexto da Educação Básica
C I Ê N C I A S H U M A N A S

1. Compreender a si e ao outro como identidades diferentes, de forma a exercitar o respeito à diferença em


uma sociedade plural e promover os direitos humanos.

2. Analisar o mundo social, cultural e digital e o meio técnico-científico-informacional com base nos
conhecimentos das Ciências Humanas, considerando suas variações de significado no tempo e no espaço,
para intervir em situações do cotidiano e se posicionar diante de problemas do mundo contemporâneo.

3. Identificar, comparar e explicar a intervenção do ser humano na natureza e na sociedade, exercitando a


curiosidade e propondo ideias e ações que contribuam para a transformação espacial, social e cultural, de
modo a participar efetivamente das dinâmicas da vida social.

4. Interpretar e expressar sentimentos, crenças e dúvidas com relação a si mesmo, aos outros e às diferentes
culturas, com base nos instrumentos de investigação das Ciências Humanas, promovendo o acolhimento e
a valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e
potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

5. Comparar eventos ocorridos simultaneamente no mesmo espaço e em espaços variados, e eventos


ocorridos em tempos diferentes no mesmo espaço e em espaços variados.

6. Construir argumentos, com base nos conhecimentos das Ciências Humanas, para negociar e defender
ideias e opiniões que respeitem e promovam os direitos humanos e a consciência socioambiental,
exercitando a responsabilidade e o protagonismo voltados para o bem comum e a construção de uma
sociedade justa, democrática e inclusiva.

7. Utilizar as linguagens cartográfica, gráfica e iconográfica e diferentes gêneros textuais e tecnologias


digitais de informação e comunicação no desenvolvimento do raciocínio espaço-temporal relacionado a
localização, distância, direção, duração, simultaneidade, sucessão, ritmo e conexão.

19
O Ensino Fundamental no contexto da Educação Básica
ENSINO RELIGIOSO

1. Conhecer os aspectos estruturantes das diferentes tradições/movimentos religiosos


e filosofias de vida, a partir de pressupostos científicos, filosóficos, estéticos e
éticos.

2. Compreender, valorizar e respeitar as manifestações religiosas e filosofias de vida,


suas experiências e saberes, em diferentes tempos, espaços e territórios.

3. Reconhecer e cuidar de si, do outro, da coletividade e da natureza, enquanto


expressão de valor da vida.

4. Conviver com a diversidade de crenças, pensamentos, convicções, modos de ser e


viver.

5. Analisar as relações entre as tradições religiosas e os campos da cultura, da política,


da economia, da saúde, da ciência, da tecnologia e do meio ambiente.

6. Debater, problematizar e posicionar-se frente aos discursos e práticas de


intolerância, discriminação e violência de cunho religioso, de modo a assegurar os
direitos humanos no constante exercício da cidadania e da cultura de paz.

20
21
Vamos discutir?

22

Você também pode gostar