Você está na página 1de 14

Gestão de Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) no Serviço Público

Federal:
O Descompasso entre Problemas e Práticas Gerenciais
GRUPO:

ALEXANDER MARCELINO LIRA;

ISMAEL DO NASCIMENTO LIMA FILHO;

JOSÉ CARLOS PINHEIRO DA SILVA

JOSÉ CASSIANO DOS REIS BESERRA;

JOSÉ LUCIANO FERREIRA DA SILVA;

PEDRO HUDSON CHAVES DE ASSIS


Evolução e conceito da qualidade de vida 2
no trabalho
 o termo Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) fui cunhado por Louis Davis, na década de 1970,
quando desenvolvia um projeto sobre desenho de cargos. Para ele, conceito de QVT refere-se à
preocupação com o bem-estar geral e a saúde dos trabalhadores no desempenho de suas tarefas.
Atualmente, o conceito de QVT envolve tanto os aspectos físicos e ambientais, como os aspectos
psicológicos do local de trabalho

 Os princípios que norteiam a qualidade de vida no trabalho têm origem no período por volta da
década de 1950. Após a Segunda Guerra Mundial, com o início da mecanização nas organizações,
surgem questões ligadas ao nível de absenteísmo, conflitos interpessoais e intergrupais, ou seja, entre as
relações sociais, os comportamentos individuais e o conjunto das estruturas sociais no local de trabalho
(CARVALHO; NASCIMENTO; SERAFIM, 2013).
Evolução e conceito da qualidade de vida no 3
trabalho
 Em 1979 houve um ressurgimento do movimento Qualidade de Vida no Trabalho,
principalmente nos Estados Unidos, uma vez que se constatou uma diminuição do compromisso
dos empregados com seus trabalhos.

 Outro importante fator a se destacar foi à preocupação com o aumento da competitividade


internacional, o qual levou os americanos a investigar novos estilos gerenciais praticados em
outros países, em particular pelos japoneses, e a relação entre programas de produtividade
centrados no empregado e nos esforços de Qualidade de Vida no Trabalho (BOHLANDER;
SNELL, 2009).
Propostas para satisfação do trabalho 4
A satisfação das pessoas a partir de suas necessidades foi uma teoria bem apresentada por Maslow, sendo composta
por cinco necessidades fundamentais: fisiológicas (salário, refeição, assistência médica, horas extras e repouso),
segurança (pagamento em dia, sentir-se estável no emprego, saúde da empresa, bom ambiente de trabalho) social
(ambiente de trabalho, bom relacionamento praticado pela chefia, bom sistema de comunicação) autoestima (o
funcionário precisa sentir que está bem aceito pelo grupo estar satisfeito com o que faz) e realização pessoal (atuar
num estágio profissional no qual a criatividade e a iniciativa tem grande importância, ver as coisas acontecendo
devido a sua participação)
Política de gestão de QVT 5

Segundo os autores
 proposta básica da QVT é desenvolver ambientes de trabalho que sejam tão bons para as
pessoas como para a saúde econômica da organização. (MARRAS, 2011).

 Para Chiavenato (2009), algumas das ferramentas mais utilizadas pelas organizações são:
higiene no trabalho, saúde ocupacional, estresse no trabalho e segurança no trabalho.

 É fundamental a definição do conceito do programa para os envolvidos deixando claro quais


serão os objetivos a serem alcançados que pode ser, por exemplo, a melhoria do ambiente
organizacional, por meio de ações motivacionais (OGATA, SIMURRO, 2009).
Política de gestão de QVT 6
Segundo os Gestores entrevistados
 Tiveram dificuldades em responder:

 Não foi feito um diagnóstico “do jeito que deveria ter sido feito”. Foi mais específico com os
tipos de palestras (temas) que as pessoas gostariam que fossem abordados.

 [Promover ações que levem à] redução do absenteísmo ..., aumento da produtividade, melhoria
nas relações interpessoais e gerenciais, melhoria do ambiente de trabalho e redução do
sedentarismo.
Conceituação de QVT 7
Segundo os Gestores entrevistados:

“É o trabalho do corpo, mente e espírito para [o servidor] se relacionar de


maneira harmoniosa consigo mesmo e com os outros, contribuindo para a
construção de um mundo melhor.”

“Qualidade de vida é tudo o que sai da rotina do trabalho, que sai da parte
mecânica. Tudo o que possa fazer com que o servidor relaxe, venha mais
disposto, mais preparado para o trabalho, trabalhe de forma mais satisfatória.”
Conceituação de QVT 8
Segundo autores:
A qualidade de vida no trabalho é um conjunto de ações de uma empresa que envolve diagnóstico,
implantação de melhorias e inovações gerenciais, tecnológicas e estruturais dentro e fora do ambiente de
trabalho, visando propiciar condições plenas de desenvolvimento humano para e durante a
realização do trabalho. (ALBUQUERQUE E LIMONGI-FRANÇA – 1998).

A qualidade de vida no ambiente profissional deve envolver a avaliação do nível de saúde dos
funcionários, bem como o estilo de vida deles e o clima organizacional como um todo. O
desenvolvimento de programas visando proporcionar aos funcionários benefícios tanto para sua
vida profissional como pessoal devem ser incentivados, tendo em vista que apresentam considerável
melhora na motivação, na criatividade e na produtividade das equipes de trabalho. (ORGANIZAÇÃO
MUNDIAL DA SAÚDE, 2011)
Tipos de atividades implementadas em 9
QVT
“As ações de Qualidade de Vida são atividades que possibilitam a valorização do servidor como ser
integral, contribuindo com seu bem-estar e potencializando seu desempenho na Casa.”

“As atividades ainda não são muito abrangentes porque as pessoas ainda não estão nem
preparadas nem voltadas para isso. A gente está trabalhando o interesse de uma forma bem sutil...”

“Nós estamos levantando para vocês o que existe atualmente [aqui] que poderia ser chamado de
ações de valorização e Qualidade de Vida no Trabalho. Porque nós observamos que o que os
programas instituídos fazem é, praticamente, o que
nós fazemos.”
10
Fatores prejudiciais à QVT 11
 Cobrança e pressão sobre os funcionários;
 Intensa carga de trabalho;
 E infraestrutura deficiente (mobiliário, espaço, instalações inadequadas).

“A pressão acaba deixando o servidor muito estressado. Tem época que ele não vai mais
pra ginástica porque acha que o chefe quer aquele serviço...”

"Os chefes acham que as pessoas têm que vir pra cá para trabalhar, não para se divertir.”

“Há um estresse por trabalhar na “vitrine” do país. Não se pode errar.”


“Eles [chefes] acham que pra trabalhar não pode rir.”
12

Contribuições de instrumentos legais para a QVT dos servidores públicos


federais brasileiros

INSTRUMENTOS CONTRIBUIÇOES PARA A QVT

Decreto 977/1993 Dispõe sobre assistência pré-escolar destinada aos dependentes

Decreto 5.296/2004 Determina os critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Decreto 6.690/2008 Institui a prorrogação da licença maternidade

Institui o Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor


Decreto 6833/2009
Público Federal

Decreto 6.856/2009 Regulamenta o exame periódico

Decreto 7003/2009 Regulamenta a licença para tratamento de saúde

Resolução 87/2009 Normaliza a perícia odontológica

Portaria 1.261/2010 Institui os princípios e diretrizes em saúde mental


13
Contribuições da Lei 8.112/1990 para a QVT dos servidores públicos federais
brasileiros

CONTRIBUIÇÕES DA LEI 8.112/1990 INDICADORES DE QVT AFETADOS

Regulamenta a estabilidade no serviço público federal Segurança quanto ao futuro na organização

Estabelece a isonomia da remuneração de cargos


Equidade Salarial Interna
semelhantes

Criação de adicionais de insalubridade, periculosidade e


Condições Físicas do ambiente de trabalho
penosidade

Concessões de licenças e afastamentos para questões


Equilíbrio entre vida pessoal e trabalho
profissionais e pessoais

Esclarece os direitos, deveres, proibições e penalidades


Tratamento Igualitário
relacionadas a todos servidores públicos

Estabelece licença para capacitação Incentivo à qualificação


Referências 14
ALBUQUERQUE, L. G.; LIMONGI-FRANÇA, A.C. Estratégias de Gestão de Pessoas e gestão da qualidade de vida
no trabalho: o stress e a expansão do conceito de qualidade total. In: Revista de Administração, São Paulo, v.
33, n.2, p. 40-51, Abr./Jun. 1998

BOHLANDER, G.; SNELL, S. Administração de recursos humanos. São Paulo: Cengace Learning, 2013.

CARVALHO, A. V.; NASCIMENTO, L. P.; SERAFIM, O. C. G. Administração de recursos humanos. 2. ed. São Paulo:
Cengace Learning, 2012.

MARRAS, J. P. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14. Ed. São Paulo: Futura,
2011.

OGATA, A., SIMURRO, S. Guia Prático de qualidade de vida: como planejar e gerenciar o melhor programa para
a sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

OPAS/OMS – Organização Mundial da Saúde – Brasil 2011 Disponível em


http://new.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=1394&Itemid=697 Acesso em: 01
ago.2018.