Você está na página 1de 7

Fundamentos

Teóricos
Metodológicos do
Serviço Social II
PROF.ª WANESSA PEREIRA
EMENTA
Conjuntura do início dos anos de 1960: o processo de
“erosão” do Serviço Social tradicional. Renovação do
Serviço Social no Brasil e as direções assumidas: a
perspectiva modernizadora (Araxá e Teresopólis) e a
ênfase na atuação macrossocietária de orientação
positivista-funcionalista. As perspectivas críticas ao
Serviço Social modernizador (reatualização do
conservadorismo e intenção de ruptura). A ênfase
psicossocial via fenomenologia e a adoção do
referencial marxista. Os anos 1980, a ampliação e
hegemonia do marxismo.
OBJETIVOS
 Analisar os elementos presentes no processo de “erosão” do Serviço
Social tradicional;
 Contextualizar o movimento de reconceituação do Serviço Social na
América Latina;
 Situar o processo sóciohistórico brasileiro que consolida a renovação
do Serviço Social;
 Analisar as direções teórico-metodológicas assumidas pelo Serviço
Social no seu processo de renovação: perspectiva modernizadora,
perspectiva de renovação do conservadorismo e
Perspectiva de intenção de ruptura;
 Situar a relação entre o Serviço Social e o marxismo: equívocos
provocados (aproximação enviesada) e superados (aproximação
marxista); ampliação do debate.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

 A autocracia burguesa e suas implicações no Serviço Social;


 A contestação do Serviço Social Tradicional- Erosão;
 O Movimento de Reconceituação: erosão internacional do Serviço Social Tradicional;
 O golpe de 1964 e o processo de renovação do Serviço Social Tradicional;
 A modernização conservadora: primeira perspectiva da renovação do Serviço Social brasileiro;
 A insatisfação teórico-metodológica e a alternativa da fenomenologia: reatualização do
conservadorismo;
 A ênfase psicossocial nas relações profissionais;
 A valorização da subjetividade na relação assistente social – “cliente”;
 Processo de Renovação do Serviço Social e suas Tendências teórico-metodológicas: Documentos
de Teresópolis, Sumaré e Alto da Boa Vista;
 O terceiro momento da renovação do Serviço Social no Brasil: a intenção de ruptura e a adoção
do referencial marxista;
 Os momentos constitutivos da perspectiva de intenção de ruptura: emersão, consolidação
acadêmica e espraiamento;
 A aproximação enviesada do Serviço Social ao pensamento marxiano;
 A superação dos equívocos e o resgate da inspiração marxiana no debate teórico-
metodológico do Serviço Social.
 Serviço Social e marxismo: continuidade da interlocução.
Estratégias de Ensino

Aulas expositivas; debates; estudos de caso; seminários; dinâmicas;


utilização das várias expressões da arte, como: poemas, músicas, vídeos,
filmes e documentários, a fim de possibilitar ao discente a apreensão do
conhecimento através de diversas expressões pedagógicas.
Recursos

 Quadro branco;
 Caneta;
 Projeção de slides;
 Músicas;
 Vídeos;
AVALIAÇÃO
1ª UNIDADE: Avaliação em dupla e sem consulta ou individual e sem consulta.
2ª UNIDADE: Avaliação em dupla e sem consulta ou individual e sem consulta.
3ª UNIDADE: Simulado
REFERÊNCIAS

AGUIAR, Antônio Geraldo de. Serviço Social e Filosofia: das origens a Araxá. 5ª ed. São
Paulo: Cortez; Piracicaba, SP: Universidade Metodista de Piracicaba, 1995.
 CASTRO, Manrique Manuel. História do Serviço Social na América Latina; tradução José
Paulo Netto e Balkys Villalobos. São Paulo: Cortez, 1984.

 CBCISS. Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais. Teorização


do Serviço Social: documentos de Araxá, Teresópolis e Sumaré. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Agir, 1996.
 IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social. 11ª Ed.
Cortez: 2011.
 IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação
profissional. São Paulo: Cortez, 2005.

 NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-
64. São Paulo: Cortez, 1991.
CONTRATO PEDAGÓGICO
 Fique atento aos horários das aulas e as suas faltas. Lembre-se que falta
reprova!
 Ao entrar atrasado, por favor entrar em silêncio para não atrapalhar a aula
 Uso de celular em sala de aula é permitido apenas para fins acadêmicos e
pedagógicos. Peço que deixe o celular no silencioso para não atrapalhar a
aula e se precisar atender, atenda fora de sala.
 Evite conversa paralelas para não atrapalhar a aula.
 Respeite a opinião dos colegas em sala de aula, evitando agir com ironias e
desrespeito. Lembre-se que você está no espaço acadêmico e as ideias nem
sempre são iguais!
 Lembre-se que o professor é autoridade máxima em sala de aula. Respeite as
regras do professor. Caso não haja respeito, o aluno será penalizado.
 Espaço acadêmico não é lugar de brigas ou discussões desrespeitosas.
Aprenda a lidar com o outro e suas diferenças. Se acontecer discussões em
sala de aula a professora se retirará de sala.

Você também pode gostar