Você está na página 1de 102

EQUIPAMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

EQUIPAMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Rede aérea de distribuição


EQUIPAMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Redes de distribuição primária e secundária


EQUIPAMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

Redes de distribuição primária e secundária


PARA - RAIOS

- As redes aéreas de distribuição são extremamente vulneráveis às descargas atmosféricas


que, em determinadas condições, podem provocar sobretensões elevadas no sistema;

- Isso pode ocasionar a queima de equipamentos, tanto os da companhia concessionária


como os aparelhos do consumidor de energia elétrica;

- Para que se protejam os sistemas elétricos dos surtos de tensão, que também podem ter
origem durante manobras de chaves seccionadoras e disjuntores são instalados
equipamentos apropriados que reduzem o nível de sobretensão a valores compatíveis com a
suportabilidade desses sistemas;

- Existem dois tipos de sobretensões, as de origem externa (descargas atmosféricas) e as de


origem interna (manobra de disjuntores e chaves seccionadoras);

- Esses equipamentos protetores contra sobretensões são denominados para-raios;

- Em redes de distribuição primária os para – raios normalmente são de classe 15 kV;

- Portanto, o para – raio tem por função proteger os equipamentos da rede de distribuição
contra as descargas atmosféricas.
PARA - RAIOS

Detalhes construtivos dos para-raios de distribuição


PARA - RAIOS

Montagem de um para-raios de distribuição em cruzeta de madeira


PARA - RAIOS

Instalação de um para-raios de distribuição em estrutura de transformador


PARA - RAIOS

Aterramento dos para-raios e do transformador de distribuição


PARA - RAIOS

Para-raios fixado em cruzeta


PARA - RAIOS

Para-raios de porcelana Para-raios de corpo polimérico

Outros tipos de para - raios


PARA - RAIOS

Estrutura de concreto para instalação de para-raios de 230 kV a óxido de zinco


PARA - RAIOS

Instalação de para-raios de 230 kV em subestação de potência


CHAVE FUSÍVEL

- É um equipamento destinado à proteção de sobrecorrentes de circuitos primários;

- É utilizado em redes aéreas de distribuição urbana e rural e em pequenas subestações de consumidor e de


concessionária;

- É dotada de um elemento fusível que responde pelas características básicas de sua operação;

- As chaves fusíveis são denominadas também corta-circuitos e são fabricadas em diversos modelos para
diferentes níveis de tensão e corrente;

- Em redes de distribuição primária a chave fusível utilizada é do tipo C e de classe 15 kV/100A;

- O Elo fusível é um elemento metálico no qual é inserida uma parte sensível a correntes elétricas elevadas,
fundindo-se e rompendo num intervalo de tempo inversamente proporcional à grandeza da referida corrente;

- Os elos fusíveis de má qualidade constituem um grande transtorno para as concessionárias de energia elétrica,
devido a sua queima intempestiva, sem que nenhuma anomalia tenha ocorrido no sistema, acarretando custos
adicionais de manutenção, perda de faturamento e comprometendo a imagem da empresa junto aos seus
consumidores.
CHAVE FUSÍVEL

Chave fusível de isolador de corpo único


CHAVE FUSÍVEL

Tipos de chave fusível

SI MDO - 50 A LDO - 50 A XS - 100 A


MDO curto(chifre) bico de pato Base tipo C
VARA DE MANOBRA

- Manobra da Chave Fusível:

- Varas de Manobra: Utilizadas para fazer a manobra da chave fusível;

Vara de manobra de fibra de vidro


CHAVE FUSÍVEL

- Manobra da Chave Fusível:

- A operação da chave fusível, em consequência de um defeito, pode liberar um arco elétrico de


combrimento grande, podendo surgir em cima e abaixo da chave;

- Devido a isso, a chave fusível não deve ser instalada em cubículos de invólucro metálico;

- É utilizada também para abertura de ramais ou equipamentos. Quando dotadas de gancho, as chaves
fusíveis, podem ser operadas com o dispositivo para abertura em carga (com carga), tipo Loadbuster ou
dispositivo LB;

- A operação de chaves fusíveis pode ser executada sob duas diferentes condições do circuito:
com carga ou sem carga;

- A abertura da mesma sob carga, mediante utilização de dispositivo para extinção de arco,
como por exemplo o “Loadbuster”, deve ser feita para correntes até o valor máximo
especificado para esse dispositivo.
CHAVE FUSÍVEL

- Manobra da Chave Fusível:

- Load buster – Ferramenta portátil e leve de interrupção de carga ou a vazio de circuitos monofásicos e
trifásicos. É utilizada em sistemas de distribuição em rede aérea de até 34,5 kV e sistemas de
distribuição subterrânea de até 25 kV;

- Utilizado para fazer a manobra da chave fusível quando o sistema tem corrente passando na chave;

- Essa operação pode ser feita a plena carga;

- A manobra da chave fusível é feita pela concessionária;

- São necessários 3 golpes de abertura;

- Após a utilização do dispositivo LB é necessário deixá-lo da mesma forma do estado inicial para uma
posterior utilização.
LOADBUSTER

Ferramenta de abertura em carga na posição fechada


CHAVE FUSÍVEL

Ferramenta de abertura em carga na posição de operação


CHAVE FUSÍVEL

Posição de Abertura Passo a Passo

Passo 1 Passo 2 Passo 3


CHAVE FUSÍVEL

Seqüência de Abertura da Chave Fusível


CHAVE FUSÍVEL
Processo de Fechamento da Chave Fusível

1 - Fechar a chave do meio;


2 - Fechar a chave mais distante da chave do meio;
3 - Fechar a chave mais próxima da chave do meio.

Seqüência de Fechamento da Chave Fusível


LOADBUSTER

Preço de Mercado
CHAVE FUSÍVEL

Preço de Mercado
CHAVE FUSÍVEL

- Tipos de Elo Fusível

- Os elos fusíveis são utilizados em chaves fusíveis instaladas em cruzetas/postes de redes de distribuição-
tensões nominais de 1 kV a 36,2 kV;

- Os tipos de elos fusíveis são:

- Tipo H: é utilizado na proteção primária de transformador de distribuição e fabricado para


correntes de até 5 A. São considerados elos fusível de alto surto, isto é, apresentam um
tempo de atuação lento para altas correntes.

- Tipo K: é largamente utilizado na proteção de redes aéreas de distribuição urbanas e rurais.


Estes elos são considerados fusíveis de atuação rápida e apresenta os seguintes grupos.
Grupo A: corrente nominais padronizadas: 6A, 10A, 15A, 25A, 40A, 65A, 100A, 140 A e 200A.
Grupo B: 8A, 12A, 20A, 30A, 50A e 80 A;

- Tipo T: elos fusíveis lentos - Grupos A e B: correntes nominais idênticas as dos tipos K, mas com valores
de rapidez maiores do que esses.
CHAVE FUSÍVEL

Posições dos elos fusíveis protegidos e protetores


CHAVE FUSÍVEL
CHAVE FUSÍVEL

Passa vídeos!
CHAVE SECCIONADORA
- São dispositivos destinados a realizar manobras de abertura e fechamento de circuito
elétrico sem carga;

- Geralmente são utilizadas em subestações com acionamento simultâneo das três fases
por intermédio de um comando único;

- É destinada a interromper, de modo visível, a continuidade metálica de um


determinado circuito;

- Existe um tipo de chave seccionadora que permite a sua operação de abertura e


fechamento quando há carga no circuito desde que esta esteja dentro das condições
especificadas pelo fabricante;

- Destaca-se que este tipo de equipamento não deve operar com corrente nominal ou
em situação de curto-circuito;

- IMPORTANTE!

- Os seccionadores podem ser empregados para isolar componentes do sistema de


modo que seja possível efetuar as tarefas de manutenção nesses componentes;

- A NBR 6935 trata sobre as chaves seccionadoras.


CHAVE SECCIONADORA
• É destinada a interromper, de modo visível, a continuidade metálica de um
determinado circuito;

• Devido a seu poder de interrupção ser praticamente nulo, as chaves seccionadoras devem ser
operadas com o circuito a vazio (somente tensão);

• Também são fabricadas chaves seccionadoras interruptoras, do tipo manual ou automática, que
são capazes de desconectar um circuito operando a plena carga;

• As chaves seccionadoras podem ser construídas com um só polo (unipolares) ou com três polos
(tripolares);

• As unipolares são próprias para utilização em redes aéreas de distribuição;

• As tripolares, normalmente são utilizadoas em subestações de instalação abrigada em cubículo de


alvenaria ou metálico;

• Em geral, as chaves seccionadoras tripolares para a classe de tensão de 15 kV têm corrente


nominal de 400 A;

• Propiciam o by-pass de equipamentos, notadamente os disjuntores da subestação.


CHAVE SECCIONADORA
• Seccionadores de uso externo: São usadas em redes de distribuição
urbana, rurais e subestações externas de pequeno, médio e grande portes.

Seccionadores para redes de distribuição: podem ser monopolares ou tripolares;

• Seccionadores monopolares são mais utilizados em redes de distribuição, os tripolares em


subestações e instalações industriais;
CHAVE SECCIONADORA
• Seccionadores de uso específico: Usado em finalidades específicas de
operações de manobra e funções de aterramento, existindo diferentes modelos e formas
de uso, sendo empregados em redes de distribuição e subestações.

Seccionadores do tipo derivalção ou by-pass: apresentam forma de “U”, empregados em


instalações de religadores, seccionadores e reguladores de tensão onde é necessária
inspeção periódica. Possibilita a manutenção sem o desligamento do alimentador.
CHAVE SECCIONADORA
Seccionadores com lâmina de terra: São empregados nos serviços de manutenção de
alimentadores de distribuição, de forma que garanta a segurança dos eletricistas durante o
período de trabalho.
CHAVE SECCIONADORA
Características Elétricas
CHAVE SECCIONADORA
Preço de Mercado

Passar videos!
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA

- Dispositivo destinado a restabelecer as condições de isolação da extremidade de um condutor isolado


quando este é conectado a um condutor nu;

- Basicamente existem três tipos de terminações que podem ser utilizadas tanto em meio externo como
interno: Termocontratil, Retrátil a frio e Porcelana;

- Todos esses tipos de terminação são vendidos na forma de KIT, que contem praticamente todos os
recursos necessários para realizar a terminação e também as instruções para confeccioná-la.

- IMPORTANTE SABER:

- Numa subestação ou em redes de distribuição, existem vários componentes importantes para o perfeito
funcionamento da mesma. Um cabo de alta tensão não pode ser conectado em sua extremidade da
mesma forma que um cabo de baixa tensão, pois a decapagem de sua extremidade deixaria muito
próxima à parte central do cabo que está energizada, da blindagem que está devidamente aterrada,
provocando um curto-circuito. Quem tem essa função é a mufla;
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA
MUFLA TERMINAL PRIMÁRIA
ISOLADORES
- Tem como função elétrica isolar os condutores em relação a estrutura de suporte, devido a diferença
de potencial entre o condutor e a terra, ou outros condutores de fase;

- Mecanicamente devem ser capazes de suportar esforços produzidos pelos condutores;

- Os principais materiais utilizados na fabricação de isoladores são a cerâmica, o vidro, epóxi fibra de
vidro e poliméricos;

- Eles evitam a passagem de corrente elétrica do condutor ao apoio ou suporte e sustentar


mecanicamente os cabos e barramentos;

- São elementos sólidos dotados de propriedades mecânicas sendo capazes de:

- Suportar os esforços produzidos pelos condutores;

- Isolar os condutores, submetidos a uma diferença de potencial em relação a terra (estrutura suporte);

- Isolar os condutores, submetidos a uma diferença de potencial em relação a um outro condutor de


fase;

- Devem evitar a passagem de corrente elétrica do condutor ao apoio ou suporte e sustentar


mecanicamente os cabos.
ISOLADORES

Isoladores poliméricos, vidro e porcelana.


ISOLADORES

Tipos de Isoladores

a) Isolador de Roldana: mais comumente usados em redes de distribuição secundárias


(baixa tensão, 380 V ou 220 V);

- Em redes secundárias urbanas e rurais é normalmente são de vidro ou porcelana.

Isolador roldana.
ISOLADORES

Isolador roldana.
ISOLADORES

Isoladores roldana em rede secundária


ISOLADORES

Características técnicas do isolador roldana


ISOLADORES

b) Isolador de Pino: mais comumente usados em redes de distribuição primárias de até 38 kV;

- Usados com menor freqüência em redes de subtransmissão de até 72 kV (multicorpo) e


normalmente os isoladores de pino são de vidro temperado ou porcelana vitrificada.

Isoladores de pino de porcelana e vidro


ISOLADORES

Isoladores de pino multicorpo (até 72 kV) e suas partes


ISOLADORES

Isolador de pino para redes de distribuição de 34,5 kV


ISOLADORES

Estrutura de apoio de uma rede de distribuição


ISOLADORES

Características técnicas do isolador de pino


ISOLADORES

Características técnicas do isolador de pino multicorpo


ISOLADORES
c) Isoladores de Disco ou Suspensão: são utilizados em linhas de transmissão e redes de
distribuição primária urbanas e rurais;

- Usados em qualquer tensão, dependendo apenas da quantidade de isoladores em


série;

- Podem ser instalados em paralelo em situações de elevado esforço mecânico (linhas


de transmissão);

- O número de elementos dos isoladores é determinado em função da tensão nominal


do sistema;

- A quantidade de isoladores na cadeia e o tipo de isolador são indicativos da tensão


nominal de uma linha, seja ela de transmissão ou de distribuição primária.
ISOLADORES

Estrutura de ancoragem com isoladores de disco de vidro


ISOLADORES

Estrutura de suspensão com isoladores de disco de vidro


ISOLADORES

Partes de um isolador de disco e isolador de disco de porcelana


ISOLADORES

Cadeia de isoladores de disco de vidro


ISOLADORES

Isoladores de suspensão
ISOLADORES

Características técnicas dos isoladores de vidro


ISOLADORES
Isoladores de Apoio Compostos: tem de fibras de vidro impregnada por resina sintética;

- Também é revestido pelo EPDM (etileno, propileno, dieno e monométrico);

- EPDM é um polímero que faz a diminuição da penetração de umidade no isolador;

- Ele é mais resistente ao vandalismo (tiro de revolver e espingarda);

- A ação do vandalismo provoca transtorno e degrada a quantidade do serviço de distribuição


de energia elétrica.
ISOLADORES

Isolador de apoio composto polimérico monocorpo e suas partes


ISOLADORES

Isolador de apoio polimérico monocorpo numa linha de transmissão (LT)


ISOLADORES

Características técnicas dos isoladores de apoio compostos


ISOLADORES

Principais partes dos isoladores poliméricos


ESPAÇADORES E SEPARADORES
• Os espaçadores e separadores são estruturas que tem como principais objetivos evitar que os
cabos de média tensão se encostem uns nos outros (curto – circuito) e manter a seqüência de
fases ao longo da rede:

• Para que a seqüência de fases seja mantida nos espaçadores e separadores ao longo da rede é
importante obedecer a seguinte convenção:
ESPAÇADORES E SEPARADORES
ESPAÇADORES E SEPARADORES

Espaçador losangular
ESPAÇADORES E SEPARADORES
• Os circuitos duplos devem ser construídos preferencialmente com um circuito de cada lado do
poste;

• Os circuitos triplos ou quádruplos devem ser construídos preferencialmente de tal forma que
os esforços mecânicos sejam distribuídos de maneira uniforme ao longo do poste.
ESPAÇADORES E SEPARADORES
ESPAÇADORES E SEPARADORES

Espaçadores em redes de distribuição


ESPAÇADORES E SEPARADORES

Separadores em redes de distribuição


REDES AÉREAS E COMPACTAS

Rede aérea Rede compacta


COMPARAÇÃO ENTRE LINHAS
POSTES

- São os elementos básicos das estruturas, podendo ser de concreto, aço ou madeira e especificados pelas
suas dimensões (altura, material, forma e pelo máximo esforço horizontal (resistência a flexão);

- Exemplo de especificação: poste de concreto com seção circular de 11 m e 300 kg;

Suporte de ferro de um poste de concreto circular


POSTES

- Poste de Madeira: são usados em linhas rurais por causa de seu aspecto estético;

- Mais baratos, mais leves (65 % do poste de concreto) e de fácil manuseio.

- Poste de Concreto: são usados em todos os tipos de redes aéreas;

- Mais pesados e mais caros que os postes de madeira;

- Suportam maiores esforços mecânicos que os de madeira;

- Apresentam seção circular e duplo T;

- O duplo T tem maior resistência mecânica e por isso são mais utilizados em linhas.

- Poste de Aço: mais utilizado para iluminação ornamental;

- São mais leves, de fácil manuseio e mais caros que os postes de concreto e requerem manutenção
constante (pintura).
POSTES DE MADEIRA E CONCRETO
POSTE DE AÇO
CRUZETAS

- Elemento onde são colocados os pinos para fixação dos isoladores;

- Podem ser de madeira, ferro ou concreto, medindo de 2 m a 2,4 m;

- Proporcionam o espaçamento dos condutores da rede primária de distribuição;

- São fixada em postes por meio de parafusos, porcas e arruelas, todos de cabeça quadrada;

- Tem também a mão francesa que serve para anular o balanço da cruzeta.
CRUZETAS
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- Utilizado no setor de distribuição de energia elétrica como concessionárias de energia, cooperativas,


instaladoras, empresas em geral e principalmente em postes;

- Os Monofásicos tem potência de 3 kVA até 75 kVA;

- Os Trifásicos tem potência de 15 kVA até 300 kVA. O de 45 kVA é bem utilizado em redes de distribuição;

- Sua classe de tensão depende do fabricante: 15 kV, 24,2 kV e 36,2 kV.

Transformadores Monofásicos Transformadores Trifásicos


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Transformador Monofásico Monobucha (MRT)


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Transformador Bifásico Transformador Trifásico


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Transformadores Trifásicos
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Estação transformadora trifásica em poste de concreto


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Nomenclatura do Transformador trifásico


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- TAPE: conjunto de conexões que podem ser feitas no primário de um transformador de potência que permite
variar a tensão no secundário com a finalidade de compensar a variação de tensão no lado de AT para que esta
não interfira muito na tensão nominal no lado de BT;

- Pode-se variar a relação entre as espiras de um transformador quando se deseja controlar a tensão em um dos
terminais;

- O tape pode ser variado manual ou automaticamente, dependendo do modelo do transformador.

- No caso de variação automática a tensão num dos terminais é comparada a uma referência e o erro é utilizado
para gerar um sinal que corrige a posição do tape.

- Placa de identificação: devem constar os principais dados do transformador, conforme a NBR 5440 –
transformadores para redes aéreas de distribuição - requisitos;

- Óleo Mineral Isolante: os fluidos de uso geral são óleos minerais dos tipos A (base naftênica) e B (base
parafínica). Em m transformadores ele apresenta duas funções:

- Função de isolamento: atua como um extintor de arco elétrico (dielétrico);

- Função de refrigeração: permitir que o calor gerado pelo funcionamento do trafo seja trocado com o meio
ambiente.
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Dados de placa de um transformador


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- Apresenta três ligações de média tensão (isladores grandes) e quatro ligações de baixa
tensão, sendo Xo o neutro e X1, X2 e X3 as fases de baixa tensão;

- Xo deve ser obrigatoriamente aterrado (aterramento funcional).


TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- Plaqueta do transformador:

- Na plaqueta temos os seguintes itens:

- Número do trafo (32385);


- Data de fabricação (03/08);
- Potência aparente em kVA (225 kVA);
- Impedância percentual (3,61%);
- Norma ao qual ele foi ensaiado (NBR5440);
- Tipo de óleo isolante (A) a base de Naftênica;
- Taps (1-7);
- Ligações (delta/estrela);
- Tensão no secundário (380/220 V).

- Pela potência do trafo que se extrai a corrente;


- O óleo do tipo A tem melhor fluidez em baixas temperaturas.
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Plaqueta do transformador:
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- Correntes do Transformador de Distribuição:

- I: corrente nominal do transformador;


- S: potência aparente do transformador;
- VL: tensão de linha no secundário do transformador;
- Icc: corrente de curto-circuito do transformador;
- Z: impedância percentual do transformador em p.u.

- Para o trafo em questão de 225 kVA, temos uma corrente nominal de linha no secundário I =
342,26 A (corrente que o transformador suporta em regime permanente) e a corrente de
curto-circuito seceundária é Icc = 9480,89 A;

- Quando a corrente do trafo chagar a corrente de 9480,89 A o disjuntor tem que desarmar
em no máximo 500 ms, conforme determinado em norma;

- Ambas as informações são importantes para fazer o dimensionamento do disjuntor que fica
no secundário do trafo para proteger ele de sobrecarga e curto-circuito.
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- O aterramento funcional tem funções importantes como a proteção da rede elétrica contra
inversão de fase;

- Se o neutro não fosse aterrado e ao se partir encostasse em outro fio o resultado seria
desastroso podendo queimar todos os equipamentos de uma edificação;

- As tensões do lado de média tensão que chegam no trafo não são equilibradas devido as
derivações monofásicas que existem pelo sistema.
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

- O aterramento funcional também serve para proteger o sistema desses desequilíbrios,


fazendo com que correntes provenientes desse desequilíbrio sejam escoadas para a terra;
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Preços de mercado:
TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Preços de mercado:
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
- 1) Quais os tipos principais tipos de sobretensões e exemplifique?

- 2) Qual a principal função dos para – raios em redes de distribuição?

- 3) Desenhe o esquema de ligação dos para – raios ligados em poste?

- 4) Cite dois tipos de para – raios formados por materiais diferentes.

- 5) Qual a principal função da chave seccionadora em redes de distribuição?

- 6) Onde os seccionadores podem ser empregados?

- 7) Com relação ao número de pólos, qual o tipo de chave seccionadora é mais utilizado em redes de distribuição?

- 8) Onde são utilizados os seccionadores do tipo by – pass e os seccionadores com lâmina de terra?

- 10) Qual a função da mufla terminal primária numa rede de distribuição?

- 11) Cite 2 tipos de muflas terminais primárias?

- 12) Qual a principal função dos isladores numa rede elétrica?

- 13) Quais são os principais materiais utilizados na construção dos isoladores?

- 14) Qual o tipo de isolador mais comumente utilizado em redes de distribuição secundárias (380 V e 220 V)?

- 15) Qualis os tipos de isoladores mais comumente utilizados em redes de distribuição primária de até 38 kV e redes de subtransmissão de até 72 kV ?
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
- 16) Qual a relação existente entre a quantidade de isoladores numa cadeia e o nível de tensão de uma linha?

- 17) Qual o tipo de isolador que apresenta fibras de vidro impregnadas por resina sintética em sua estrutura e revestido pelo EPDM?

- 18) Qual a utilidade do EPDM na estrutura de um isolador?

- 19) Qual o tipo de isolador utilizado em redes de subtransmissão é mais resistente ao vandalismo?

- 20) Quais as principais partes de um isolador polimérico?

- 21) Cite duas funções dos espaçadores em linhas de distribuição de energia elétrica?

- 22) Cite uma vantagem da rede compacta em relação a rede convencional de distribuição de energia?

- 23) Faça uma comparação entre os postes de madeira, concreto e aço, citando suas vantagens e desvantagens?

- 24) Cite uma função importante da cruzeta num poste de linha de distribuição?

- 25) Para que serve a mão francesa nos postes de distribuição?

- 26) Onde são utilizados os transformadores de distribuição, cite quais os tipos existentes e suas classes de tensão e potência?

- 27) Faça um desenho esquemático das bobinas, ligações e nomenclaturas de um transformador de distribuição convencional?

- 28) Para que serve o TAPE num transformador de distribuição?

- 29) Cite uma utilidade do aterramento funcional no secundário dos transformadores de distribuição?
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
- 30) Qualis as principais funções do óleo mineral num transformador de distribuição?