Você está na página 1de 35

Centro de Educação Profissional

Getúlio Vargas

LUBRIFICAÇÃO INDUSTRIAL

Professor: Edmilson Camanho


Aluno: Gerson Carvalho de Almeida

© SENAI-PA
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
AGENDA

 ABRANGÊNCIA
 OBJETIVO
 DESENVOLVIMEN
TO
 CONCLUSÃO

© SENAI-PA Slide 2
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
ABRANGÊNCIA

 Lubrificação
 O que e um plano de
lubrificação
 Fases de um plano de
lubrificação

© SENAI-PA Slide 3
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
OBJETIVO

O objetivo do nosso trabalho e


mostrar como elaborar um plano
de lubrificação
Iniciando do zero.
Mostrando como calcular a
quantidade de lubrificantes e
onde utiliza-los,
Na maneira certa ,na quantidade
certa e principalmente o tempo
certo

© SENAI-PA Slide 4
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
DESENVOLVIMENTO

Plano de Lubrificação

© SENAI-PA Slide 5
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
DESENVOLVIMENTO

Oque e um plano de lubrificação?

Um plano de lubrificação aponta


quais equipamentos devem ser
lubrificados, qual o período de
lubrificação, qual lubrificante e
quantidade deve ser aplicado.

© SENAI-PA Slide 6
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Fases do plano de lubrificação

1. Levantamento das
maquinas,
equipamentos e dos
pontos de lubrificação
2. Elaboração e
programação das rotas
de lubrificação
3. Identificação dos
lubrificantes e controle
do plano de
lubrificação
4. Adequação dos
estoques

© SENAI-PA Slide 7
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
1. Levantamento das maquinas, equipamentos e dos pontos
de lubrificação

Este é o momento de listar todas as máquinas e equipamentos


que irão fazer parte do plano. Identificar os pontos a serem
lubrificados, o tipo de lubrificante, as quantidades e os intervalos
de lubrificação recomendados.

© SENAI-PA Slide 8
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
1. Elaboração e programação das rotas de lubrificação

As rotas serão elaboradas seguindo a ordem de manufatura


da empresa, no ritmo do fluxo do processo.
© SENAI-PA Slide 9
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
1. Identificação dos lubrificantes e controle do plano de lubrificação

O ideal é usar métodos com códigos definidos, de acordo com a


norma DIN 51502, que regulamenta todas as classes de
lubrificantes convencionais. Além da identificação dos
lubrificantes,
© SENAI-PA Slide 10
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
1. Adequação dos estoques

É preciso garantir o fornecimento contínuo e automático do


lubrificante na quantidade e no tempo certo. Lembre-se de verificar
também o ponto de reposição, evitando a falta dos insumos
© SENAI-PA Slide 11
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
© SENAI-PA Slide 12
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Afinal, o que é um Motor Elétrico?

Um motor elétrico é um equipamento que transforma energia


elétrica em energia mecânica, e através de seus movimentos.

 Baixo Custo (Quando comparado com


outros tipos de motores);
 Construção Simples;
 Facilidade de Transporte;
 Manutenção Simples;
 Grande Gama de aplicações.

© SENAI-PA Slide 13
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Componentes

Um motor elétrico rotativo é composto basicamente pelos componentes abaixo.


Variando apenas o tamanho e modelo dos componentes de acordo com o porte
do motor. Mas em geral, sua forma construtiva será sempre a mesma.

© SENAI-PA Slide 14
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Lubrificação de Rolamentos

Os rolamentos compõem cerca de 90% dos motores elétricos e são os


componentes mecânicos mais frágeis dentro do motor. Qualquer variação no
estado normal de trabalho de um motor elétrico afetará os rolamentos e eles,
hora ou outra os rolamentos irão denunciar essa variação com algum
sintoma. Seja com elevação dos índices de temperatura, vibração, ruídos, etc.

Observe que 53% dos rolamentos


falham por problemas ligados à
lubrificação. Pois devemos
considerar que a contaminação é
um problema que pode ser evitado
se a lubrificação for realizada de
forma correta.
Sendo assim, a cada 10 rolamentos,
5 quebram por falhas no processo
de lubrificação

© SENAI-PA Slide 15
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Pilares do plano de lubrificação

A definição de um plano de lubrificação perfeito é: lubrificante limpo e correto,


no lugar certo, na quantidade exata e na frequência correta.

Se você realizar um plano, que deixe qualquer um desses itens de fora, seu plano
está incompleto!
Se colocarmos muito ou pouco lubrificante, o rolamento vai quebrar. A
quantidade deve ser exata!
© SENAI-PA Slide 16
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Quantidade de Lubrificante

Lubrificante demais ou de menos, são prejudiciais na mesma proporção.


No caso dos motores elétricos, o overgreasing (termo para excesso de
lubrificação) é ainda mais prejudicial, pois a quantidade excessiva de graxa
entra em contato com o bobina mento do motor elétrico, causando a queima do
mesmo. Veja alguns exemplos:

© SENAI-PA Slide 17
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Quantidade de Lubrificante

No caso de falta de lubrificação, os problemas são ainda maiores. Podem causar


falhas prematuras nos rolamentos, desgastes, corrosão, oxidação, dentre outras
falhas.

© SENAI-PA Slide 18
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Calcular a quantidade de lubrificante

A quantidade de graxa depende única e exclusivamente do tamanho do


rolamento, A fórmula é simples: G = 0,005 x B x D
Essa é uma fórmula de
aproximação simples,
Onde: que considera que o
G = Quantidade de Graxa em Gramas rolamento trabalhe com
1/3 preenchido com
0,005 = Constante da fórmula graxa. Não leva em
consideração tipo de
B = Largura do Rolamento em rolamento, local e
milímetros posição de instalação,
condições de trabalho,
D = Diâmetro Externo do Rolamento em etc
Milímetros Usaremos como exemplo o rolamento 61822,
veja abaixo suas dimensões:
G = 0,005 x B x D
G = 0,005 x 16 x 140
G = 0,005 x 2240
. G = 11,2 gramas

De acordo com o cálculo, agora sabemos que se o motor elétrico for equipado
com rolamentos 61822, a quantidade ideal de graxa para relubrifica-lo é 11,2
gramas.
.© SENAI-PA Desafio Senai de Projetos Integradores
Slide 19

Senai – Getúlio Vargas


Uma boa prática é usar um medidor de vazão (foto) acoplado à bomba de graxa
para saber a quantidade real de graxa que está sendo aplicada no rolamento

© SENAI-PA Slide 20
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Frequência de Relubrificação

Para definir a frequência de relubrificação, é levada em consideração a


configuração de cada motor elétrico em particular. Ou seja, você pode ter 2
motores elétricos exatamente iguais, mas se eles estiverem montados em
posições diferentes, por exemplo, a frequência de relubrificação já muda.

Com todas essas informações em mãos, basta consultarmos a tabela abaixo.


© SENAI-PA Slide 21
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
© SENAI-PA Slide 22
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Citando um exemplo da tabela, temos a seguinte situação:
Um motor elétrico que trabalha a 3600 RPM, que tem potência menor que 100
HP, trabalhando acoplado por correia, em regime contínuo e temperatura
inferior a 140º F, deve ser relubrificado a cada 12 ~ 18 meses.

Essa tabela foi construída para facilitar o trabalho de engenheiros e técnicos


que antes deviam calcular item a item para descobrir a frequência correta de
relubrificação.

Qual era a fórmula usada antes da tabela? [( ) ]


Onde:
T = Tempo para a próxima lubrificação;
K = Produto de todos os fatores de correção (Ft x Fc x Fm x Fv x Fp x Fd). Veja
tabela;
N = Velocidade (RPM);
b = Diâmetro Interno (mm).

© SENAI-PA Slide 23
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
© SENAI-PA Slide 24
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Tipos de Graxa Lubrificante
Existem diversos tipos de graxa lubrificante no mercado. Rolamentos de
motores elétricos exigem tipos específicos de graxas e você irá aprender que
tipos são esses agora.
Composição das graxas:

© SENAI-PA Slide 25
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Como você pode observar anteriormente
, 90% da graxa é óleo lubrificante. É o óleo que faz a lubrificação do rolamento e
garante que ele trabalhe frio, limpo e sem oxidação.
O espessante é como se fosse uma esponja, que absorve o óleo lubrificante,
quando o rolamento começa a trabalhar e aquecer, o espessante solta o óleo
lubrificante de forma gradativa.
Os aditivos são compostos químicos que agregam valor ao lubrificante, e
aumentam sua proteção ao rolamento quanto a oxidações, corrosões, Extrema
Pressão, adesividade e desgastes.

© SENAI-PA Slide 26
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Espessante:
#É uma boa prática utilizar uma graxa que tenha o espessante de Poliuréia.
A poliuréia é um espessante não metálico. Óleo Lubrificante:
#O óleo lubrificante é 90% da graxa,
# A viscosidade ideal para rolamentos de motor elétrico varia entre 68 e 180
cSt @ 40 ºC.

Aditivos:
É obrigatório o uso dos aditivos EP – Extrema Pressão, Anti-desgaste e Adesividade
na lubrificação de rolamentos de motores elétricos.
.
© SENAI-PA Slide 27
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Controle de Contaminação
Não podemos pecar no quesito proteção ao lubrificante, sendo assim,
seguem abaixo algumas boas práticas:

© SENAI-PA Slide 28
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
1. Armazene os lubrificantes sempre
2. Use uma bomba para cada
em espaços cobertos, longe de calor,
tipo de lubrificante;
poeira e umidade;

© SENAI-PA Slide 29
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
3. Proteja os bicos
graxeiros com capas de 4. Crie etiquetas de identificação para
proteção; cada ponto de lubrificação do motor
elétrico, descrevendo o lubrificante a
ser usado, quantidade e frequência;

© SENAI-PA Slide 30
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
5. Sempre que houver um dreno de 6. Use ferramentas para medir a
graxa no motor, drene a graxa quantidade de graxa exata que é
velha enquanto a graxa nova é adicionada ao rolamento do motor
adicionada. elétrico.

© SENAI-PA Slide 31
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
7. Não armazene graxas lubrificantes 8. Armazene as graxas para
por mais de 12 meses, sempre que motor elétrico separada das
possível compre em embalagens graxas para outras aplicações.
menores.

© SENAI-PA Slide 32
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Monitoramento de Condições Básicas

É de extrema importância monitorar as condições básicas dos motores elétricos


durante o seu funcionamento.
Análise de Vibração Termografia

Para motores elétricos de grande porte e de Qualquer anomalia durante o funcionamento de


criticidade A, recomenda-se que sejam coletados um motor elétrico será denunciado pela alteração
e analisados os valores de vibração de forma nos valores de temperatura.
mensal
© SENAI-PA Slide 33
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Monitoramento de Condições Básicas

Ultrassom
O ultrassom é uma técnica de
manutenção preditiva que auxilia no
diagnóstico de um equipamento
através da ampliação das ondas
sonoras.

© SENAI-PA Slide 34
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas
Conclusão

A implantação de Planos de Lubrificação industrial através de um planejamento


e gestão
adequada e essencial para evitar falhas e avarias durante o processo de
produção da Maquina
de Papel.
Os Planos de Lubrificação foram capazes de atender as necessidades da área
de manutenção
(utilizou-se a mão de obra existente) e possibilitou a previsão de estoque de
lubrificantes. A
inserção das rotas em um sistema informatizado de manutenção permitiu o
planejamento das
atividades de forma organizada e monitorada, o que possibilitou uma maior
agilidade nas
atividades da área e obtenção de dados (formação de histórico) e execução de
manutenção.

© SENAI-PA Slide 35
Desafio Senai de Projetos Integradores
Senai – Getúlio Vargas