Você está na página 1de 35

História da Psicologia do

Esporte
1) DEFINIÇÕES

• “A Psicologia do Esporte analisa as bases e efeitos psíquicos das ações


esportivas, considerando por um lado a análise de processos psíquicos básicos
(cognição, motivação, emoção) e, por outro lado, a realização de tarefas
práticas do diagnóstico e da intervenção”.(Nitsch,1986).

•“Estudo científico de pessoas e seus comportamentos em contextos


esportivos e de exercício e as aplicações práticas de tal conhecimento”.
(Weinberg e Gould, 2001)
• “É uma disciplina que investiga as causas e os efeitos das ocorrências
psíquicas que o ser humano apresenta antes, durante e após o exercício ou o
esporte, sejam estes de cunho educativo, recreativo, competitivo ou
reabilitador.” (Becker, 2000).

• “Termo usado para se referir aos aspectos psicológicos do esporte,


recreação física, educação física, exercício, saúde atividades físicas
correlatas.” (Sociedade Internacional de Psicologia do Esporte – ISSP).
 Psicologia e Esporte: ciência que identifica, analisa e
intervém nas ocorrências psíquicas presentes antes,
durante e após a prática esportiva.
 (Adriana Lacerda)
Princípios Éticos para psicólogos do esporte e do exercício

1-Competência: importante o conhecimento da ciência e da modalidade


com a qual irá atuar. É necessário entrar em contato com as formulações
teóricas e práticas da ciência.
2- Integridade – informar a todo tempo os princípios que norteiam
a atuação. Seja ela na área do ensino, atuação ou consultoria.
3-Responsabilidade pessoal e científica – proteger a linha de atuação
e seu devido desenvolvimento, estimulando atuações éticas e compromissadas
com resultados objetivos e reais.
4- Respeito pelos direitos e pela dignidade das pessoas – garantia de
atuações sem preconceitos e estritamente sigilosas.
5 – Preocupação com o bem-estar – buscar sempre o equilíbrio e o bem-estar
de todos aqueles envolvidos numa competição ou prática de exercício físico
6 – Responsabilidade Social – preocupação com fatores extra-rendimento e
na formação de seres humanos íntegros e bem adaptados às demandas sociais
e ambientais.
2) RAÍZES HISTÓRICAS
“A Psicologia Esportiva, em termos históricos, seguiu o desenvolvimento da
Psicologia Geral, tendo como base a Filosofia.” (Barreto, 2003)

GRÉCIA ANTIGA: (PLATÃO E ARISTÓTELES)

• Referência à formação integral do homem


• Em suas obras a regulamentação das normas dos exercícios físicos
• Relação entre corpo + alma
• Precursores das Leis da Psicofísica (estuda as relações entre os atributos
físicos dos estímulos e os atributos quantitativos das sensações) e Cinestesia
(estudo que produz o conhecimento dos movimentos do corpo);
IDADE MÉDIA (SÉCULO V A XV):

• A Igreja lidera o contexto educacional;


• A atividade esportiva não é permitida em conexão com eventos
educacionais e culturais, somente era liberada nas atividades militares –
esgrima, equitação, lançamento de dardos e bolas de ferro;
• A educação se voltava somente para o desenvolvimento espiritual-
religioso-cristão dos jovens.
RENASCIMENTO (SÉCULO XV A XIX):

• O Renascimento surge como uma revolução artística, literária e científica;


• O Iluminismo (movimento de idéias que serviu como base da modernidade)
europeu coloca a atividade corporal como imprescindível na educação dos
jovens;
• Os humanistas incorporaram as atividades físicas nos programas
educacionais na França, Suíça, Alemanha e Inglaterra;
• Psicologia se sistematizou e ganhou uma base estrutural mais sólida.
3) PSICOLOGIA GERAL

1879 – Surge a Psicologia como ciência, com a


criação do 1º laboratório experimental de
Wundt. Seus estudos das leis da Psicofísica se
centralizaram na percepção e na sensação, em
relação a seus limiares de diferenciação.
Divisão da mente em: cognição, emoção e
volição.
1900- Pavlov, que era fisiologista, dedicou-se ao estudo do condicionamento
emocional do homem e do animal. Através de experimentos com cães,
desenvolveu a Teoria dos Reflexos Condicionados.
* Muitos psicólogos esportivos se baseiam nesta teoria para estudarem a adaptação dos atletas ao
estresse competitivo.
1913- Watson, considerado o pai do Behaviorismo,
propôs que a psicologia como ciência, deveria ser
objeto de estudo do comportamento observável de
qualquer espécie humana e animal. Seus seguidores
acreditam que a partir de seus estudos, a psicologia
deixou de ser uma ciência da alma para ser a ciência
do comportamento manifesto.
• Skinner, introdutor da Psicologia Experimental nos E.U.A., formulou a
“Teoria do Reforço”, abrindo para a psicologia, o entendimento e a
explicação da maioria do comportamento psicomotor do homem e do animal;
Teoria do Condicionamento Operante, é altamente empregada na Psicologia
Esportiva, tanto na aprendizagem de uma habilidade motora quanto no
desenvolvimento da motivação para preparação para as competições.
1939- Freud, fundador da
Psicanálise, abriu uma porta para
o mundo com a descoberta,
investigação e decifração do
inconsciente, contribuindo para o
estudo dos transtornos mentais e
da personalidade do ser humano.
PSICOLOGIA DO ESPORTE

PSICOLOGIA CIÊNCIAS DO
ESPORTE

ramo sub-área

Campo específico Sub-disciplina


4) HISTÓRICO

NO MUNDO:

• Construção científica recente se comparada à outras ciências;

• Início entre o final do séc. XIX e começo do séc. XX no período em que a


competição é o elemento essencial do esporte;

• Necessidade de investigar os fenômenos psicológicos relacionados à prática


esportiva;
1895 – 1920:

1895 - NORMAN TRIPLETT (psicólogo da Universidade de


Indiana):

· Estudo sobre o ciclismo


· Tempo de reação
· Habilidade motora
· Trabalhos teóricos
1921 – 1938:

COLEMAN GRIFFITH (pai da Psicologia do Esporte americana):

· Publicação de artigos
· Especialização do campo
· Primeiro laboratório em Psicologia do Esporte
1939 – 1965:

FRANKLIN HENRY (Universidade da Califórnia):

· Responsável pelo desenvolvimento científico da área;


· Programa de graduação em Psicologia da Atividade Física;

WARREN JONHSON (Universidade da Califórnia):


· Avaliação das emoções pré-competitivas;

1965 – 1º CONGRESSO MUNDIAL DE PSICOLOGIA DO


ESPORTE (ROMA).
1966 – 1977:

· Estabelecimento das primeiras sociedades de psicologia


esportiva na América do Norte e Europa;
· Início das assessorias a atletas e equipes;
· Crescimento do interesse pela área.
1978 até o presente:

· Crescimento da Psicologia do Esporte e do Exercício na área aplicada;


· Fundação do Journal of Sport Psychology;
· 1985 – Comitê Olímpico dos EUA emprega o primeiro psicólogo do
esporte em tempo integral;
· 1988 – equipe olímpica norte-americana é acompanhada por psicólogos do
esporte oficialmente reconhecidos;
· Multiplicação de trabalhos publicados na área. * só após as Olimpíadas de
Melbourne, em 1956, que os treinadores passaram a perceber e valorizar a importância da avaliação e
do treinamento psicológico dos atletas.
Vídeo equipe canadense
utilizando biofedback no
treinamento mental para o
biathlon
NO BRASIL:

JOÃO CARVALHAES

· 1957 - primeiro psicólogo do esporte; trabalhou com juízes de


futebol na Federação Paulista;
· 1958 – trabalhou com a Seleção Brasileira de Futebol – Copa do
Mundo (Suécia);
· 1974 – Publicação de seu livro Psicologia no Futebol.
ATHAYDE RIBEIRO DA SILVA

· 1962 – trabalhou com a Seleção Brasileira de Futebol - Copa do Mundo


(Chile);
· 1964 – publicação do seu livro Futebol e Psicologia;
· 1967 – publicação de Psicologia esportiva e a preparação do atleta;
1979 – fundação da SOBRAPE (Sociedade Brasileira de Psicologia do
Esporte);
1983 – fundação da SOPERJ (Sociedade de Psicologia do Esporte do Estado
do Rio de Janeiro);
1987 – instalação do Serviço de Psicologia no Clube de Regatas Vasco da
Gama pelos psicólogos PAULO RIBEIRO e MARIA HELENA RODRIGUES.
DÉCADA DE 90:

· Instalação do Serviço de Psicologia no Clube de Regatas do Flamengo


pelo psicólogo PAULO RIBEIRO;
· Inclusão da Psicologia do Esporte na grade curricular de alguns cursos de
Psicologia;
· Expansão e divulgação da área;
2000 – fundação do Colégio Brasileiro de Psicologia Esportiva;
2001 – primeiro curso de pós-graduação lato sensu no Rio de Janeiro
coordenado pelo professor JOÃO ALBERTO BARRETO.
· Carlos Alberto Parreira, ex-treinador da seleção brasileira de futebol,
prefere trabalhar com palestrantes como Evandro Motta, que o assessorou tanto
na Copa do Mundo de 1994 nos E.U.A., como nos jogos classificatórios da
seleção;
· Início do trabalho do psicólogo DIETMAR SAMULSKI com Equipe
Paraolímpica (Sidney) até 2012;
- Implantação do Serviço de Psicologia nas equipes de futebol de base do
Fluminense pela psicóloga TERESA FRAGELLI;
-A psicóloga SUZY FLEURY, que trabalhou com o treinador Wanderley
Luxemburgo em vários clubes brasileiros, estava ao seu lado no período
em que ele treinou a seleção brasileira em 2002.

· 2003 – Psicólogo Dietmar Samulski integrado ao COB


1 psicólogo para 247 atletas para Atenas 2004;

· 2004 – 1ª reunião do COB com os psicólogos das Confederações (Judô,


Nado Sincronizado, Remo, Taekwondo, Boxe, Futebol Feminino,
Handebol Masculino e Feminino, Tênis de Mesa , Atletismo, Esgrima,
Natação e Pentatlo Moderno).
22/07/2012-04h52 Folha SP
Atletas e confederações do Brasil adotam de vez a
psicologia
Para tentar aparar essa aresta e deixar os competidores aptos a executarem tudo o que
treinaram, confederações, clubes, o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) e até os
próprios atletas têm incorporado psicólogos como integrantes de suas equipes.
"Se física e tecnicamente está tudo perfeito e o atleta não atingiu o resultado que
poderia, então possivelmente um trabalho psicológico pode ajudar", diz Adriana
Lacerda, psicóloga do judô.

Diego Hypólito, que faz terapia há dois anos, descansa em Greenwich


Com a 'cabeça boa', meninas do judô
querem mostrar valor em Londres 29/07/2012
05h16 - Atualizado em 29/07/2012 globo.com

Rosicleia Campos elogia trabalho psicológico feito durante a


preparação da modalidade e diz que nota diferença até no
olhar das pupilas
Ouro para a Psicologia!
agosto 13th, 2012 | Author: Nataly
blog Mente Campeã

 Se ainda havia dúvidas sobre a importância da Psicologia Esportiva


na preparação de atletas de nível olímpico, elas foram respondidas
em Londres. Das medalhas obtidas, 100% das de ouro foram obtidas
com a ajuda da psicologia, enquanto as de prata computam 40% e as
de bronze 66,6%. E quem fala sobre esse assunto agora não são os
psicólogos, e sim os próprios atletas.
2013 – Centros de referência na área:
Minas: Dietmar Samulski (UFMG), Franco Noce
Sul: Benno Becker (SOBRAPE) , Marcio Geller (Sogipa), Márcia
Walter (SOBRAPE), Andrea Pesca (CESUSC-Florianópolis)
São Paulo: Dante de Rose (USP), Kátia Rúbio (CRP), Suzy
Fleury (Coaching), Carla de Pierro (Tênis), Sâmia Hallage (vôlei de praia)
João Ricardo Cozac (CEPPE)
Rio de Janeiro: Paulo Ribeiro (ex-Flamengo, SPORTPSHYSIO),
Daniele Muniz e Aline Woff (Flamengo), Maria Helena, Andrea Cunha e
Amanda Cristina (Vasco), Teresa Fragelli (ex-Fluminense e ex-Botafogo),
Maira Justus (ex-Botafogo), Antonio Carlos (MMA),Daniele Muniz(Golfe),
João Alberto Barreto (SOPERJ – Jiu-Jitsu), Alberto Filgueiras (ex-
Flamengo, Celso Lisboa) e Erick Conde (ex-Flamengo, Federal Recife)
5) TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

• Cada país enfatizava diferentes aspectos da psicologia do esporte e da


atividade física, devido às diferenças culturais;

• Hoje estão sendo criadas mundialmente disciplinas especializadas em Psicologia


Esportiva, centros especializados em pesquisa e laboratórios experimentais, tanto
nas faculdades de Psicologia como nas de Educação Física;

• De acordo com Salmela (1992) a América do Norte apresenta o maior número


de psicólogos do esporte (43,1%) seguido da Europa (21,4%). América Latina,
Ásia, Austrália e África juntas totalizam 35,5%.

(Tenenbaum & Morris, 2000)


 Até o início dos anos 1990 os temas recorrentes de pesquisa eram os
aspectos do psicodiagnóstico esportivo e a construção de perfis a partir dos
dados obtidos por esse procedimento, hoje grande parte dos estudos
preocupa-se em descrever e analisar quando e como utilizar determinadas
técnicas ampliando os temas da psicologia do esporte aplicada.

 Hoje, no Brasil já é uma realidade e, em função de ser sede dos Jogos


Olímpicos 2016, a tendência é que a procura por psicólogos esportivos cresça
ainda mais.

As 10 melhores carreiras no segmento de esporte


Psicólogo, coordenador de eventos e fisioterapeuta são profissões que
começam a ganhar força no mundo esportivo Publicado:31/01/13 - 9h03
http://oglobo.globo.com/emprego/as-10-melhores-carreiras-no-segmento-de-
esporte-7450553