Você está na página 1de 36

TUMORES CEREBRAIS

DEFINIÇÃO
 Os tumores cerebrais são lesões
intracranianas de natureza benigna
ou maligna que ocupam espaço e
que tendem a aumentar a pressão
intracraniana.
 É o resultado do crescimento
anormal de um tecido, devido à
multiplicação excessiva de suas
células.
TIPOS DE TUMORES
 Benignos:

 as células dos tumores benignos crescem


lentamente e são diferenciadas (semelhantes às
do tecido normal). Um tumor benigno pode ser
considerado maligno se estiver localizado em uma
estrutura que impeça sua remoção ou
tratamento. Alguns tumores benignos podem
sofrer mutações, transformando-se em malignos.
Malignos:
 as células dos tumores malignos crescem
rapidamente e têm um aspecto indiferenciado.
TUMORES MALIGNOS

 Quanto à natureza são:


primários e metastáticos

 Classificação: Segundo a OMS


existem 09 tipos de tumores e estes
são nomeados de acordo com as
células que os originaram
CLASSIFICAÇÃO DA OMS
 Tumores dos tec.  Cistos e lesões
Neuroepiteliais; similares a
 Tu de meninges tumores;
 Tu nervos  Tumores da região
cranianos e selar;
espinhais;  Extensões e locais
 Neoplasias de tumores
hematopoiéticas; regionais;
 Tu de células  Tumores
germinativas metastáticos
1.TUMORES NEUROEPITELIAIS/
TECIDO CEREBRAL-

 Este grupo caracteriza-se por


tumores que surgem a partir das
células gliais, os gliomas. Os
gliomas são infiltrantes e podem
invadir qualquer parte do cérebro
GLIOMAS
GLIOBLASTOMA MULTIFORME
(GBM)

 Tumor infiltrativo de crescimento


rápido e recidiva de forma rápida.
Pode invadir ambos os hemisférios
cerebrais cruzando o corpo caloso.
Áreas de necrose também são
encontradas.
GLIOBLASTOMA MULTIFORME
GLIOBLASTOMA MULTIFORME
GLIOBLASTOMA MULTIFORME
ASTROCITOMA

 São tumores que geralmente


localizam-se no cerebelo em
crianças ,podendo se localizar no
hipotálamo,vias ópticas
anteriores,tronco cerebral e
raramente nos hemisférios
cerebrais ;
ASTROCITOMA
2. TUMORES DAS MENINGES

 Meningioma: é um tumor de
crescimento lento, que se origina no
tecido aracnóide; é vascularizado e
pode aderir aos seios venosos
durais ou grandes artérias,
tornando difícil a sua remoção.
MENINGIOMA
3. TUMORES QUE SE
DESENVOLVEM NOS NERVOS
CRANIANOS:

 Neurinoma do acústico: é um tumor


benigno localizado no oitavo par craniano(
nervo da audição e do equilíbrio). Este
tumor origina-se profundamente no
ângulo entre o cerebelo e a ponte. É um
tumor de crescimento lento e pode ser de
tamanho considerável quando
diagnosticado.
 Principais sintomas: surdez unilateral
progressiva, zumbido, comprometimento
unilateral da função cerebelar, falta de
equilíbrio e vertigem.
Neurinoma do acústico
Neurinoma do acústico
NEURINOMA DO ACÚSTICO
7.Tumores da região selar
 1.Tumores da região selar (células
germinativas): teratomas,
coriocarcinoma, craniofarigioma.
 Craniofarigioma: Acomete tanto crianças
como adultos. Origina-se do pedículo
hipofisário, geralmente é cístico e
apresenta calcificação acima da sela
turcica em radiografias.
 Sinais característicos:
Cefaléia, vertigem, vômito, papiledema,
diabetes insípido e as alterações do
campo visual.
TUMORES DE GLÂNDULAS
ENDÓCRINAS

 Adenoma hipofisário – É comum nas


glândulas hipófises anteriores dos
adultos;
 Principais sintomas: Causa compressão
da hipófise, quiasma óptico adjacente e
do hipotálamo. Pode ocasionar tanto o
aumento como diminuição da função da
hipófise. Leva a perda crescente da visão,
chegando a cegueira;
ASPECTOS CLÍNICOS GERAIS

 Segundo Greenberg(2003), os
sinais clínicos mais comuns nos
tumores cerebrais é o déficit
neurológico progressivo (68%), a
fraqueza motora (45%). A cefaléia
foi apresentada em 54% e as
convulsões em 26%.
ASPECTOS CLÍNICOS NOS TUMORES DE
FOSSA POSTERIOR

 Aumento da PIC – Decorrente da


hidrocefalia. Outros sintomas como
náuseas, vômitos ( pressão direta no
núcleo vagal) e diplopia;
 Cefaléia,papiledema, distúrbio da marcha,
vertigem;
 Lesões do verme cerebelar –marcha de
base larga;
 Envolvimento do tronco cerebral
(presença de nistagmo)
ASPECTOS CLÍNICOS NOS TUMORES
SUPRATENTORIAIS

 Aumento da PIC;
 Déficits focais – fraqueza, disfagia (37 a
58%)dos pacientes com tumores do lado
esquerdo do cérebro;
 Convulsões;
 Alterações do estado mental; depressão,
letargia, apatia, confusão;
 Nos adenomas observa-se os sintomas
provocados por distúrbios endócrino,
apoplexia pituitária, vazamento de LCR
HIDROCEFALIA - TRATAMENTO

 Colocação de um shunt VP ou DVE


antes da cirurgia definitiva,
esperando +/- 2 semanas para
cirurgia.
 Riscos do shunt VP/DVP
 Possibilidade de disseminação para
o peritônio de células tumorais
maligna;
 Infecção
 Herniação transtentorial
TUMORES CEREBRAIS

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM


Ressonância magnética
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
ANGIOGRAFIA
TRATAMENTO DOS
TUMORES CEREBRAIS
 Radioterapia

 Muitos tumores cerebrais são sensíveis


à radioterapia. Isto significa que as
células tumorais podem ser destruídas
ao serem expostas a irradiações.
TRATAMENTO DOS TUMORES
CEREBRAIS
 Teleterapia
É a irradiação feita a distância da área tratada.
Essa forma de radioterapia é aplicada em doses
fracionadas diárias durante algumas semanas.

Braquiterapia
É uma forma de radioterapia em que materiais
radioativos são implantados nas proximidades do
tumor, que permite administrar doses de radiação
diretamente nas células malignas, poupando os
tecidos saudáveis de seus
TRATAMENTO DOS TUMORES
CEREBRAIS
 Radiocirurgia
É uma radioterapia externa, realizada em uma
única ou em poucas sessões, com a aplicação de
uma alta dose de radiação, restrita a uma área
pequena do cérebro.
Freqüentemente utilizada para o controle de
tumores de difícil acesso para o neurocirurgião.

Quimioterapia
O tratamento quimioterápico é feito por meio de
drogas que destroem as células tumorais. Pode
ser aplicado antes ou depois da cirurgia ou da
radioterapia, dependendo do caso específico.
TRATAMENTO DOS TUMORES
CEREBRAIS

 Tratamento Cirurgico

 É o principal método de
tratamento para a maioria
dos tumores cerebrais.
FIM

Você também pode gostar