Você está na página 1de 30

Disciplina: Fundamentos da Psicologia Clínica

Aula 02: As Origens da Psicologia:


ideias psicológicas na filosofia

Professor
Doutorando:
Alvinan Magno Lopes Catão
• Mas, afinal, o que é psicologia

clínica?

• Qual a sua relação com a

filosofia?
Psicologia Clínica: o que é?

É um ramo ou subárea da psicologia científica


que se dedica ao estudo e á investigação dos aspectos do psiquismo,
da personalidade, do comportamento normal e patológico, à
intervenção, tratamento e à intervenção em quadros psicopatológicos
e de sofrimento psíquico em geral. Suas preocupações de pesquisas
incluem a etiologia, a classificação, o diagnóstico, a epidemiologia,
a intervenção, a prevenção, o aconselhamento, a análise,
a psicoterapia, a reabilitação, o acesso à saúde, avaliação, entre
outros

É uma profissão
que se utiliza dos conhecimentos científicos, fundamentados em
pesquisas empíricas e experiências reflexivas, para investigação,
diagnóstico, prognóstico, tratamento e prevenção dos diversos
problemas (afetivos, relacionais comportamentais), referentes aos
sujeitos, considerados a partir do seu contexto sociocultural. Pode
ser individual ou coletiva.
As ideias psicológicas e a psicologia científica

• Ideias psicológicas:
O termo refere-se aos saberes e noções psicológicas produzidas
anteriores à fundação da psicologia enquanto ciência. Tratam-se de
conhecimentos e das práticas psicológicas próprios de específicos
contextos socioculturais do passado, podendo ser evidenciado na
mitologia, filosofia, práticas antropológicas dos diversos povos, entre
outros.
• Psicologia científica:
Refere-se a psicologia enquanto ciência, que investiga os fenômenos
psicológicos, e procura legitimar seus saberes a partir de um método.
Tradicionalmente, atribui-se o marco para a fundação do Laboratório de
Psicologia por Wundt em 1879.
As Origens da Psicologia: Grécia antiga

 Grécia antiga: contexto histórico-social

 Século VIII A.C;


 Construção das primeiras cidades estados;
 Polis: Atenas, Esparta, Tróia;
 Conquista de novos territórios = riqueza e crescimento
 Desenvolvimento da arquitetura, agricultura e da organização social
 Tais avanços permitiram que as classes mais abastadas tivessem mais
tempo ocioso e se ocupassem do espirito.
 É entre os gregos que aparecem as primeiras sistematizações
filosóficas das ideias psicológicas.
As Origens da Psicologia: Grécia antiga

 Psicologia Etimologia
 Psiché: alma; Logos: razão

 Estudo da alma

 A alma, na Grécia Antiga era concebida como a parte imaterial


do ser humano responsável pelo pensamento, sentimentos,
desejos e percepções.
Ideias psicológicas no período cosmológico
(VII a IV A.C.)

 Os filósofos do cosmos buscavam o princípio e a lei que regia o


universo.

 Caracterizava-se pelo elementismo: buscava-se reduzir o complexo


ao seus elementos mais simples.

 As ideias psicológicas desse período estavam focada no objeto


externo ao homem.

 Preocupação com
Filósofos do cosmos e as ideias psicológicas

 Tales de Mileto (640-548 a.C.)

• Foi o primeiro filósofo a buscar uma explicação para o


cosmos em um elemento da natureza.

• Para ele a origem de todas as coisas (Arché) seria a água.


Pois, ao observar a natureza, percebeu que a água poderia ser
encontrada na maior parte dos componentes do reino animal,
vegetal e mineral. Concluindo, então, que estaria na água a
origem do universo.
Filósofos do cosmos e as ideias psicológicas

• Heráclito de Éfeso (540-475 A.C.)

• Em sua observação do mundo percebeu que tudo estava em constante


transformação, buscando representá-la no elemento fogo.

• Acreditava que o processo será mais importante que o elemento único.

• Sua “Arché” seria então o “Devenir” (vir a ser, movimento), com o


fogo sendo o elemento básico do cosmos, pois acreditava que tudo era
como o fogo e não existia substancia alguma duradoura.

• Sua contribuição para a psicologia, que se conserva nas discussões


epistemológicas atuais, se dá pelo entendimento de que a mesma não
trabalha com unidades fixas, mas com processos mutáveis, onde a
variação é inevitável.
Os filósofos do cosmos e as ideias psicológicas

 Pitágoras de Samos (570-496 a.C.)

 Acreditava que a essência permanente do mundo


encontrava-se nos princípios matemáticos.

 Teoria da Alma imortal (precede a teoria de Platão)

 Trouxe a ideia e a prática da quantificação para a


compreensão filosófica do universo.

 Para a psicologia, o uso dos métodos quantitativos foi


um dos fatores decisivos para fazer dela uma ciência.
Os filósofos do cosmos e as ideias psicológicas

 Anaxágoras4 (499- 428 A.C.)


 Acreditava que tudo está em tudo, pois em cada coisa há uma parte de todas as
outras .

 Concebia a presença de um espírito ordenador do universo, espécie de


inteligência ou razão, o fluido universal.

 A sua contribuição para a psicologia moderna está no fato de ter dado atenção ao
processo psicológico, enquanto relatava as suas reflexões sobre o universo e
enquanto protestava contra o reducionismo ou elementismo.
Os filósofos do cosmos e as ideias psicológicas
 Demócrito (460 – 370 A.C.)

 Acreditava que o átomo seria o elemento fundamental presente em todo


universo.

 Foi o criador do primeiro sistema materialista da antiguidade, com a lei


rígida e cega do movimento dos atos.

 Entendia que a natureza não tinha causa e se explicava por si mesma.

 Deu maior importância aos estímulos externos na determinação do


comportamento, sendo contra a teoria do livre arbítrio.

 Suas ideias deterministas e ambientalistas precedem a teoria do


behaviorismo metodológico e radical.
Ideias psicológicas no período antropocêntrico
da antiguidade (IV-III A. C.)

 Sofistas

 Filósofos clássicos (Sócrates, Platão e Aristóteles)

 Estoicismo

 Epicurismo
Ideias psicológicas no período antropocêntrico
da antiguidade (IV-III A. C.)

 Esse foi o período fundamental para a história da psicologia, pois nele


brotaram as principais raízes do seu desenvolvimento.

• A oposição: nativismo x empirismo,

• O dualismo corpo x alma,

• As primeiras ideias psicológicas sobre memória e o associacionismo,

• Ideias psicológicas que conduziriam a psicologia até à sua emancipação


da filosofia.
Os sofistas e as ideias psicológicas

 Filósofos viajantes

 Ensinavam ciências e artes aos jovens com finalidades prática

 Eloquência discursiva.

 Praticantes da retórica e da persuasão.

 Protágoras e Gorgias são os principais

 Ideias psicológicas relacionadas ao entendimento do discurso e seu uso


prático.
Filósofos Clássicos

 Socrátes (469-399 A. C.)


 A razão permite ao homem controlar o seus instintos.

 Pregava a educação moral do homem.

 Atribuía a responsabilidade do conhecer ao Eu.

 As ideias psicológicas de sua filosofia estão intimamente ligadas à


preocupação ética.

 Só sei que nada sei: partia da ideia de assumir a própria ignorância


para chegar ao conhecimento verdadeiro.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Socrátes (469-399 A. C.)

 Desenvolveu a maêutica, um método de investigação e


questionamento das verdades através do diálogo crítico.

 Esse método ainda em usado, atualmente, na clínica psicológica.

 Sócrates foi um crítico das tradições, dos usos e costumes da época,


do próprio regime democrático, da religião, da antiga ciência física,
provocando uma verdadeira revolução, que não só influenciou a
filosofia grega como todo o pensamento filosófico ocidental e que
também, lhe custou a vida.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Platão (427-347 A. C.)


 Defiiniu o lugar da razão no corpo: para ele a alma se encontrava
na cabeça.

• Alma imortal: acreditava se separava do corpo na morte e


reecarnava.

• Conhecer para o filósofo é um processo de lembrar.


Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Platão (427-347 A. C.)

 Concebia a alma dividida teria três partes: uma sensual, ligada as


necessidades corpóreas; outra ligada aos afetos, impulsos e
emoções, e a terceira, a racional, que inclui a inteligência e a
vontade livre. Essa divisão seria o que mais tarde foi chamada de
faculdades da alma.

 Era defensor da hierarquização política da sociedade colocando os


filósofos como os soberanos e senhora: 1. filósofos 2. soldados 3.
escravos e servos.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Platão (427-347 A. C.)

 Concebia a realidade em dois mundos - um perfeito, o mundo das


idéias, o espírito pensante no homem, e o outro imperfeito, o
mundo material, o corpo, o desejo, os sentidos, etc.

 Defendia a supremacia das ideias sobre o corpo: idealismo.

 Foi um dos principais percursores do inatismo do conhecimento,


que iria ser das probelmáticas enfrentadas pela psicologia para se
autonomizar enquanto ciência.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 Foi um opositor teórico de platão: não acreditava no mundo das


ideias e era contra a teoria das ideias inatas.

 É através da experiência que irá adquirir conhecimento, pois, no


seu entender, nada há na inteligência que não tenha passado pelos
sentidos.

 É o principal percurssor do empirismo filosófico e científico.


Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 Foi um opositor teórico de platão: não acreditava no mundo das


ideias e era contra a teoria das ideias inatas.

 É através da experiência que irá adquirir conhecimento, pois, no


seu entender, nada há na inteligência que não tenha passado pelos
sentidos.

 É o dos principais percurssores do empirismo filosófico e


científico.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 Foi um opositor teórico de Platão: não acreditava no mundo das


ideias e era contra a teoria das ideias inatas.

 É através da experiência que o homem adquire o conhecimento,


pois, no seu entender, nada há na inteligência que não tenha
passado pelos sentidos.

 É um dos principais percursores do empirismo filosófico e


científico.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 Escreveu um dos primeiros tratados sistematizar assuntos sobre a


psique de um ponto de vista empirista ( De anima: sobre a mente)

 Neste trabalho, escreve sobre os sentidos e a sensação, a memória,


o sono e a insônia, a geriatria, a extensão e brevidade da vida, a
juventude e a velhice, a vida e a morte e a respiração.

 Destes estudos, a memória foi o mais significativo para a


psicologia. Distingue, na memória, vários princípios de associação:
associação por igualdade, contraste, contigüidade temporal e
 espacial.

 Reproduz em sua teoria algumas da tendências do elementismo e


do reducionismo.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 A alma, nesse sentido, era aquilo por que se vive, pensa e percebe,
"causa e princípio do corpo vivo." Aristóteles entende que ideias
psicológicas estaria ligada à biologia e à botânica.

 Admitia uma espécie de alma nas plantas (alma vegetativa), nos


animais (alma animal) e no homem (alma racional). Observou que,
em muitos casos, o comportamento dos animais apresenta analogias
com o comportamento do homem.
Os filósofos clássicos e as ideias psicológicas

 Aristóteles de Estagira (384-322 A. C.)

 Escreveu um dos primeiros tratados sistematizar assuntos sobre a


psique de um ponto de vista empirista ( De anima: sobre a mente)

 Neste trabalho, escreve sobre os sentidos e a sensação, a memória,


o sono e a insônia, a geriatria, a extensão e brevidade da vida, a
juventude e a velhice, a vida e a morte e a respiração.

 Destes estudos, a memória foi o mais significativo para a


psicologia. Distingue, na memória, vários princípios de associação:
associação por igualdade, contraste, contigüidade temporal e
 espacial.
O estoicismo

 O estoicismo foi uma doutrina pregada pelo filósofo grego Zenão


de Cicio, Chipre (340-264 a.C.), e teve vários seguidores, tanto
gregos como romanos. Os estóicos defendiam que a virtude deveria
ser cultivada como valor intrínseco, seguindo a linha da pedagogia
da essência. Com esse objetivo, o desejo deveria se submeter à
razão. Seguindo a linha platônica, sugeriam que a virtude é superior
aos desejos materiais, considerados parte inferior na escala da
evolução do homem. A virtude seria o único bem e o vício o único
mal. Com essa visão, prepara o advento da ética cristã
O epicurismo

O epicurismo é uma doutrina pregada por Epicuro (341-270 a.C.) de


Samos, filósofo grego, e por seus seguidores gregos e latinos.
Contrário à escola platônica e aristotélica, buscava uma filosofia
prática. Valorizava a natureza do ser humano, meio para se conseguir a
felicidade e a tranqüilidade. O supremo bem era a obtenção do prazer
em toda a atividade humana. Era preciso viver o presente sem
ambições nem projetos. No entanto, os prazeres mais duradouros eram
os do espírito.
REFERÊNCIAS
Perguntas, questões,
apontamentos, críticas?

Você também pode gostar