Você está na página 1de 57

PREFEITURA MUNICIPAL DE

PARAUAPEBAS

INFORMÁTICA

Max Martins
EMENTA
•Introdução a Microinformática;
•Redes de Computadores;
•Segurança da Informação;

•Sistemas operacionais;

•Softwares;
•Ferramentas office;
Conceitos básicos de ambiente Windows e suas funcionalidades:
ícones, atalhos de teclado, janelas, arquivos, pastas, programas,
impressão, Word e Excel;
•Conceitos básicos de Internet e utilização de ferramentas de
navegação: browsers, Internet Explorer, correio eletrônico e busca
e pesquisa na internet;
Conceitos básicos de tarefas e procedimentos de informática:
organização e gerenciamento de arquivos, pastas e programas. 2
POSSÍVEIS BANCAS
POSSÍVEIS BANCAS

Concurso Prefeitura de Parauapebas – 2014

Concurso Prefeitura de Marabá – 2018


OBJETIVOS GERAIS

•Desenvolver a capacidade na utilização do computador para a


realização de tarefas básicas essenciais;

•Conhecer as ferramentas mais usadas e como utilizá-las de


acordo com a necessidade cotidiana no tocante aos principais
conceitos de Hardwares, Softwares;

•Habilitar os profissionais no reconhecimento das tecnologias de


Segurança da Informação, bem como na identificação, prevenção
e/ou neutralização; de ações de arquivos maliciosos;
5
SUMÁRIO
•Breve histórico;
•O que é Informática;
•Hardware x Software;

•Alguns componentes de um computador;

•CPU - O cérebro do computador;

•Memória Principal x Secundária;

•Dispositivos de Entrada x Dispositivos de Saída;


•Dispositivos Mistos e de Armazenamento;

•Placa mãe;

•Software - A “Inteligência” do computador;


•Softwares Básicos x Aplicativos x Embarcados; 6
INTRODUÇÃO
1ª GERAÇÃO – 1944 A 1955;
• GRANDES DIMENSÕES;
• COMPONENTES ELETRÔNICOS - VÁLVULAS;
• SUPER AQUECIMENTO;
• PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM DE MÁQUINA;
• FRACA CAPACIDADE DE PROCESSAMENTO E ARMAZENAMENTO;

2ª GERAÇÃO – 1955 A 1965;


• UTILIZAÇÃO DE TRANSISTORES E CIRCUITOS;
• PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM SIMBÓLICA;
• MEMÓRIA POR ANÉIS;
• AUMENTO NA CAPACIDADE DO CÁLCULO;
• NECESSIDADE DE MANUTENÇÃO;
INTRODUÇÃO

3ª GERAÇÃO – 1965 A 1970;


• CIRCUITOS INTEGRADOS;
• GRANDE AUMENTO NA CAPACIDADE DE CÁLCULO;
• MENOR CONSUMO DE ENERGIA;
• TRATAMENTOS DE DADOS A DISTÂNCIA (TELEMÁTICA);

4ª GERAÇÃO – ATUALIDADE;
• MEMÓRIA ELETRÔNICA;
• UTILIZAÇÃO DE MICROPROCESSADORES;
• MINIATURIZAÇÃO;
• DIMINUIÇÃO DE CUSTOS;
UMA BREVEHISTÓRIA
Início

Joseph Carl Robnett Licklider – 1962


MIT – Instituto de Tecnologia de Massachussets.
Ele previa vários computadores interconectados
globalmente, onde todos poderiam acessar dados e
programas de qualquer local.

Leonard Kleinrock– 1964


MIT – Instituto de Tecnologia de Massachussets.

Lançou o primeiro livro – A teoria da transmissão de dados


por “pacotes” ao invés de circuitos.

9
UMA BREVEHISTÓRIA
Início

Roberts Merril– 1965 - ARPANET

Conectaram um computador TX-2 em Massachussets com


um Q-32 na Califórnia com uma linha discada de baixa
velocidade, criando assim o primeiro computador de rede
do mundo.

Thomas Merril– 1965 - ARPANET

10
UMA BREVEHISTÓRIA

INSTITUTO DE PESQUISA
STANFORD

UNIVERSIDADE DA UNIVERSIDADE DE
CALIFÓRNIA - UCLA ARPANET LOS ANGELES

UNIVERSIDADE DE
UTAH.

DÉCADA DE 70 – NASCIMENTO DO TCP/IP

1985 – NSF SE TORNA NSFNET

1986 – NSFNET ENTRA PARA A ARPANET

1990 – A ARPANET TORNA-SE ANSNET – ALGUNS PAÍSES DA EUROPA INTERLIGADO

1993 – A INTERNET DEIXA DE SER UMA INSTITUIÇÃO DE NATUREZA APENAS ACADÊMICA.

11
MAS A FINAL DE CONTAS

O QUE É
INFORMÁTICA - CONCEITOS
•Palavra de origem Francesa - Informatique;
•Acrônimo de information (Informação) e Automatique (Automática);

•Refere-se ao processamento automático de informação através de DisEls e SisComp.;

•Deve ter a capacidade de cumprir três tarefas;


Ç
Ã
O
I
N A M R O F N I O Ã Ç I N F O R M A Ç Ã O
F
O
R
M
A I
N
F
INFORMAÇÃO
O Ã Ç A M R O
INFORMÁTICA - CONCEITOS

14
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

MAS O QUE É HARDWARE ???????

TERMO EM INGLÊS SEM TRADUÇÃO ESPECÍFICA, UTILIZADO PARA DEFINIR OS


COMPONENTES FÍSICOS (MECÂNICOS, MAGNÉTICOS E ELETRÔNICOS) DE UM
COMPUTADOR, OU SEJA, A MÁQUINA PROPRIAMENTE DITA.

O HARDWARE DE UM COMPUTADOR PODE SER DIVIDIDO EM QUATRO CATEGORIAS:

PLACA-MÃE;

MEMÓRIA;

DISPOSITIVOS DE ENTRADA;

DISPOSITIVOS DE SAÍDA;

15
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE
ALGUNS COMPONENTES DO COMPUTADOR

3
2
4
5
6
1

7
10

8
9
1 - Monitor 7 – Unidade de CD/DVD
2 – Placa-mãe 8 – Disco Rígido
5 – Placas de Expansão
3 – Processador 9 – Teclado
6 – Fonte de Alimentação
4 – Memória RAM 10 – Mouse
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

PROCESSADOR – CPU – CÉREBRO DO COMPUTADOR

UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO;

PRINCIPAL COMPONENTE ELETRÔNICO;

ACOPLADO NA PLACA-MÃE;

ATUANDO JUNTO COM A MEMÓRIA;

EXECUTA TODAS AS OPERAÇÕES DO PC;

17
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

MEMÓRIA

FORMADA POR TODOS OS DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO;

DADOS E INSTRUÇÕES DE ORIGEM TEMPORÁRIA OU PERMANENTE;

PARTE MAIS IMPORTANTE DO COMPUTADOR, APÓS O PROCESSADOR;

DE FORMA SIMPLIFICADA, PODE SER DIVIDIDOS EM:

MEMÓRIA PRINCIPAL MEMÓRIA SECUNDÁRIA

18
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

MEMÓRIA PRINCIPAL

ACESSADA DIRETAMENTO PELO PROCESSADOR;

ALTA VELOCIDADE / BAIXO ARMAZENAMENTO;

FORMADA PELA MEMÓRIA RAM E ROM

RAM: INFORMAÇÕES USADAS NO PROCESSADOR;

ROM: INSTRUÇÕES DE INICIALIZAÇÃO DO PC;

19
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

MEMÓRIA SECUNDÁRIA

CONHECIDA COMO MEMÓRIA DE MASSA;

BAIXA VELOCIDADE / ALTO ARMAZENAMENTO;

NÃO ACESSADA DIRETAMENTE P/PROCESSADOR;

ALTAS QUANTIDADES / LONGOS PERÍODOS;

EX: DISCOS RÍGIDOS, PEN DRIVES, ETC;

20
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA (PERIFÉRICOS)

PERMITEM COMUNICAÇÃO ENTRE O

X
PROCESSADOR E DEMAIS COMPONENTES;

SÃO OS “OLHOS”, “OUVIDOS” E “BOCA” DO


PROCESSADOR;

21
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

DISPOSITIVOS DE ENTRADA DISPOSITIVOS DE SAÍDA

22
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

DISPOSITIVOS DE ENTRADA E DISPOSITIVOS DE


SAÍDA (MISTOS) ARMAZENAMENTO

PEN IMPRESSORA
MONITOR DRIVE
TOUCHSCREEN C/SCANNER

23
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE
PLACA-MÃE

PRINCIPAL PLACA DO COMPUTADOR;

CONECTA TODOS OS DISPOSITIVOS;

SISTEMA NERVOSO DO COMPUTADOR;

24
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE
SOFTWARE – A INTELIGÊNCIA DO COMPUTADOR

PARTE LÓGICA DO COMPUTADOR;

CONJUNTO DE INSTRUÇÕES
PASSADAS AOS COMPONENTES
FÍSICOS;

FUNÇÃO DE FACILITAR INTERAÇÃO


USUÁRIO-MÁQUINA;

SOFTWARE OPERACIONAL X BIOS;

25
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE
SOFTWARE – OPERACIONAL

RESPONSÁVEL POR OPERACIONALIZAR O COMPUTADOR;

GERENCIA A COMUNICAÇÃO ENTRE TODOS OS SEUS COMPONENTES;

TORNA O COMPUTADOR FUNCIONAL (CAPAZ DE “ATENDER ORDENS”);

DISPÕE DE RECURSOS PARA FACILITAR A COMUNICAÇÃO. EX (INTEFACE GRÁFICA);

26
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE
SOFTWARE – SISTEMA BÁSICO DE ENTRADA E SAÍDA (BIOS)

PRIMEIRO PROGRAMA EXECUTADO AO LIGAR O COMPUTADOR;

RECONHECE OS COMPONENTES DE HARDWARE INSTALADOS;

ANALISA SE TODOS OS COMPONENTES ESTÃO FUNCIONANDO;

PASSA O COMANDO DO COMPUTADOR AO SISTEMA OPERACIONAL;

27
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

SOFTWARES BÁSICOS SOFTWARES APLICATIVOS

ESSENCIAIS AO FUNFIONAMENTO AUXILIA NA EXECUÇÃO DE TAREFAS

28
CONCEITOS BÁSICOS HARDWARE E SOFTWARE

SOFTWARE EMBUTIDO (EMBARCADO)

NÃO NECESSITA ESTAR ARMAZENADO EM DISCO RÍGIDO 29


MAS A FINAL DE CONTAS

O QUE É UMA REDE DE COMPUTADORES???


REDES DE COMPUTADORES

CONJUNTO DE SISTEMAS DE COMPUTADORES E OUTROS


DISPOSITIVOS DE HARDWARE DE COMPUTAÇÃO;

LIGADOS ENTRE SI ATRAVÉS DE CANAIS DE COMUNICAÇÃO;

FACILITANDO A COMUNICAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DE RESURSOS;

CLASSIFICADAS GERALMENTE COM BASE EM SUAS


CARACTERÍSTICAS;

31
REDES DE COMPUTADORES
PRA QUE SERVEM AS REDES DE COMPUTADORES???;

PERMITIR O COMPARILHAMENTO ´SIMULTÂNEO DE HARDWARES;

PERMITIR A PARTILHA DE PROGRAMAS DE SOFTWARE OU DE


FUNCIONAMENTO EM SISTEMAS REMOTOS;

TORNAR A INFORMAÇÃO MAIS FÁCIL DE ACESSAR E MANTER ENTRE


VÁRIOS USUÁRIOS NUM MESMO AMBIENTE OU EM AMBIENTES
DISTINTOS;
32
33

CLASSIFICAÇÃO DAS REDES


LOCAL AREA NETWORK

METROPOLITAN AREA NETWORK

WIDE AREA NETWORK

TIPOS DE REDES CLASSIFICADAS POR ABRANGÊNCIA


34

EXERCITAR PARAFIXAR
35

DISCUSSÃO CONSTRUTIVA
MAS A FINAL DE CONTAS

O QUE É
INTERNERT

CONCEITO

• REDE GLOBAL INTERLIGANDO VÁRIAS REDES, BASEADA NO PROTOCOLO TCP/IP;

OBJETIVO

• POSSIBILITAR A INTERAÇÃO GLOBAL ENTRE SERVIDORES E USUÁRIOS AO REDOR DO


MUNDO NO TOCANTE A TRANSMISSÃO E RECEPÇÃO DE DADOS.

FUNCIONAMENTO

• REGULARIZA ESSAS INTERAÇÕES ENTRE OS DISPOSITIVOS (HOSTS) ATRAVÉS DE


PROTOCOLOS PRÉ-ESTABELECIDOS.
E PROTOCOLO TCP/IP?????
PROTOCOLO TCP/IP
•CONJUNTO DE VÁRIOS PROTOCOLOS;

•POSSUI ESSA NOMENCLARTURA DEVIDO AOS PRIMEIROS;

•FORNECE COMUNICAÇÃO LÓGICA ENTRE AS APLICAÇÕES ATRAVÉS DAS


PORTAS;

•DEFINE UMA PORTA PADRÃO PARA UTILIZAR NAS CONEXÕES; PODE SER
MODIFICADA PELO USUÁRIO;

•HTTP (PROTOCOLO DE TRANSFERÊNCIA DE HIPERTEXTO) WWW – PORTA 80;

•WWW – WORLD WIDE WEB – REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES;


4

PORTAS

FIGURA - ALOCAÇÃO DE ALGUMAS PORTAS POR PROTOCOLOS (QUINTÃO, 2015)


SERVIDORES X CLIENTES 5

•SERVIDORES: MÁQUINAS QUE PRESTAM SERVIÇO A OUTRAS EM REDE;

•CLIENTES: MÁQUINAS QUE UTILIZAM SERVIÇOS PRESTADOS PELOS SERVIDORES


EXEMPLOS DE SERVIDORES
•SERVIDOR WEB:

•ARMAZENAMENTO DE SITES;

•RESPOSTA A AQUISIÇÃO DE BROWSERS – (NEVAGADORES);

•SOLICITAÇÃO ATRAVÉS DO PROTOCOLO HTTP;

•SERVIDOR DE ARQUIVOS:

•ARMAZENAMENTO DE ARQUIVOS DE USUÁRIOS EM REDE;

•SERVIDOR DE IMPRESSÃO:

•CONTROLA AS SOLICITAÇÕES DE IMPRESSÃO;

•GERENCIA AS IMPRESSORAS DA REDE;


EXEMPLOS DE SERVIDORES
•URL – (LOCALIZADOR PADRÃO DE RECURSOS):

•ENDEREÇO COMPLETO DE UM DISPOSITIVO NA INTERNET;

•PODEM CONTER INFORMAÇÕES SOBRE PROTOCOLOS E PORTAS;

•O DOMÍNIO REFERENTE À MÁQUINA;

•O CAMINHO INTERNO DA MESMA:

•O RECURSO SOLICITADO;

•NA URL http://170.66.11.10:50 APRESENTADA NA QUESTÃO TEMOS:

•HTTP:// - PROTOCOLO DE ACESSO AO RECURSO;

•170.66.11.10 – NOME DA MÁQUINA;

•:50 – PORTA DE ACESSO ALTERNATIVA;


EXEMPLOS DE PROTOCOLOS

É IMPORTANTE ESTAR FAMILIARIZADO COM OS PROTOCOLOS VISTOS A SEGUIR


POIS SÃO OS MAIS COBRADOS NO CONCURSO:

PROTOCOLO DESCRIÇÃO
HTTP (HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL – • TRANSFERE PÁGINAS DA WEB PARA OS
PROTOCOLO DE TRANSFERÊNCIA DE BROWSERS;
HIPERTEXTO) •PODEM SER TEXTOS, ÁUDIOS OU IMAGENS;
• UTILIZA PORTA 80.

•CURIOSIDADES: É MUITO RECORRENTE CONFUNDIR HTTP COM HTML

HTTP
HTML
PROTOCOLO DE
DE LINGUAGEM PARA
PARA
COMUNICAÇÃO
CONSTRUÇÃO DE DE
PARA TRANSFERIR
PARA TRANSFERIR
HIPERTEXTOS HIPERTEXTOS
HIPERTEXTOS
EXEMPLOS DE PROTOCOLOS

É IMPORTANTE ESTAR FAMILIARIZADO COM OS PROTOCOLOS VISTOS A SEGUIR


POIS SÃO OS MAIS COBRADOS NO CONCURSO:

PROTOCOLO DESCRIÇÃO

• VARIAÇÃO DO HTTP;
HTTPS (HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL • UTILIZA MECANISMOS DE SEGURANÇA;
SECURE – PROTOCOLO SEGURO DE • PERMITE TRANSMISSÃO POR CONEXÃO
TRANSFERÊNCIA DE HIPERTEXTO) CRIPTOGRAFADA;
• UTILIZA A PORTA 443. (https://)

• CRIADO PARA CONVERTER ENDEREÇO NUMÉRICO EM


UM NOME SIMPLES E VÁLIDO;

ENDEREÇO NÚMÉRICO: 200.170.222.30;


DNS – DOMAIN NAME SISTEM – SISTEMA DE
NOME DE DOMINIO. DE NOME DE DOMÍNIO: www.pontodosconcursos.com.br
PARA
DE
PARA TRANSFERIR EM SUMA: DNS TRADUZ ENDEREÇOS NUMÉRICOS EM
HIPERTEXTOS NOMES DE DOMÍNIO E VICE-VERSA.
EXEMPLOS DE PROTOCOLOS

É IMPORTANTE ESTAR FAMILIARIZADO COM OS PROTOCOLOS VISTOS A SEGUIR


POIS SÃO OS MAIS COBRADOS NO CONCURSO:

PROTOCOLO DESCRIÇÃO
• PERMITE EMULAÇÃO DE TERMINAL REMOTO;
• EXIGE LOGIN E SENHA PARA ACESSO;
TELNET – (TERMINAL EMULATOR – • UTILIZA A PORTA 23 DO TCP;
EMULADOR DE TERMINAL) • TRANSFERÊNCIA DE DADOS EM LINGUAGEM SIMPLES;
• OPOSRTO AO SSH.
• POSSIBILITA TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS ENTRE
DOIS COMPUTADORES - INTERNET;
FTP – (FILE TRANSFER PROTOCOL –
PROTOCOLO DE TRANSFERÊNCIA DE •PERMITE A DINÂMICA DOS ARQUIVOS E PASTAS
ARQUIVOS DE/PARA OS SERVIDORES FTP.
DE
PARA
DE
PARA TRANSFERIR
HIPERTEXTOS
EXEMPLOS DE PROTOCOLOS

É IMPORTANTE ESTAR FAMILIARIZADO COM OS PROTOCOLOS VISTOS A SEGUIR


POIS SÃO OS MAIS COBRADOS NO CONCURSO:

PROTOCOLO DESCRIÇÃO
• ENVIO DE MENSAGENS DE TAMANHO ILIMITADO;
• QUEBRA DE MENSAGENS EM PACOTES PARA ENVIO;
TCP – (TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL
• REARRANJA OS PACOTES NO LOCAL DE DESTINO;
– PROTOCOLO DE CONTROLE DE
• PODE REENVIAR UM PACOTE PERDIDO NO ENVIO;
TRANSMISSÃO)
• RECEBIMENTO DA MENSAGEM ORIGINAL.
• FAZ CONTROLE DE FLUXO.
• RESPONSAVEL PELO ENDEREÇAMENTO DE DADOS
•TRANSMITIDOS PELOS COMPUTADORES;
ESTABELECE INTERAÇÃO ENTRE UM COMPUTADOR
IP – (INTERNET PROTOCOL – PROTOCOLO DE
REMETENTE E OUTRO DESTINATÁRIO;
INTERNET)
• SEM ELE, NÃO É POSSÍVEL LOCALIZAR UM
DE COMPUTADOR NA REDE. PARA
DE
PARA TRANSFERIR
HIPERTEXTOS
INTRANET – EXTRANET – INTERNET

O QUE É INTRANET??????

• REDE RESTRITA QUE USA PROTOCOLOS E TECNOLOGIAS UTILIZADOS PELA


INTERNET PARA A TROCA E O PROCESSAMENTO DE DADOS INTERNOS.
(QUINTÃO, 2014).;

• OUTRA DEFINIÇÃO PARA INTRANET, É QUE TRATA-SE DE UMA REDE BASEADA


EM PROTOCOLO TCP/IP, PERTENCENTE A UMA EMPRESA, ACESSÍVEL APENAS
POR MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO, EMPREGADOS OU TERCEIROS COM
AUTORIZAÇÃO.
CARACTERÍSTICAS DA INTRANET
• GERALMENTE UTILIZAÇÃO DE BROWSERS (NAVEGADORES WEB);

• SERVIÇO DE EMAIL;

• PODE SER UTILIZADA COMO FONTE INTERNA DE CONTEÚDO;

• UTILIZA O MODELO DE INTERAÇAO CLIENTE – SERVIDOR;

REQUISIÇÃO

CLIENTE SERVIDOR

RESPOSTA
OUTRAS CARACTERÍSTICAS

• GERALMENTE ACESSO RESTRITO DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO;

• PODE USAR SERVIÇOS DA INTERNET;

• PRESENÇA DE MECANISMOS DE SEGURANÇA. (FIREWALL);

• FIREWALL REALIZA O BARRAMENTO DE TRÂNSITO DE DADOS INDEVIDOS;

• SERVIDORES WEB PODEM SERCONFIGURADOS E FORENECER OS MESMOS


RECURSOS E SERVIÇOS DA INTERNET
OUTRAS CARACTERÍSTICAS
• UMA INTRANET PODE OU NÃO ESTAR CONECTADA À INTERNET OU A OUTRAS REDES?

• QUANDO ALGUMA INFORMAÇÃO DA INTRANET É ABERTA À CLIENTES OU


FORNECEDORES DA EMPRESA, ESSA REDE PASSA A SE CHAMAR EXTRANET;

EXTRANET

• REDE PRIVADA, SEMELHANTE A INTERNET, QUE USA RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES;

• PERMITE ACESSO REMOTO, UTILIZANDO A PRÓPRIA INTERNET COMO ESTRUTURA;

• FORMADA POR REDES PRIVADAS QUE COMPARTILHAM UMA REDE ENTRE SI;

• FACILITA INTERAÇÕES MAIS ABERTAS QUE A INTRANET, COM ALGUMAS RESTRIÇÕES;

• COM O OBJETIVO DE COMPARTILHAR DE FORMA SEGURA, INFORMAÇÕES DE NEGÓCIOS;


OUTRAS CARACTERÍSTICAS

• O SERVIDOR REAL ESTÁ PROTEGIDO POR UM FIREWALL QUE CONTROLA O FLUXO;

• A DIFERENÇA BÁSICA ENTRE INTRANET E EXTRANET ESTÁ EM QUEM GERENCIA A REDE;

• CONSIDERADA UMA INTRANET PARCIALMENTE ACESSÍVEL AO PÚBLICO EXTERNO;

• MESMO ESTANDO NA EXTRANET, O USUÁRIO DEVERÁ TER ACESSO VIA LOGIN E SENHA À
INTRANET PARA VALIDAÇÃO DE ACESSO;
EXTRANET

WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR | PROFA. PATRÍCIA LIMA QUINTÃO


VIRTUAL PRIVATE NETWORK - VPN

CONCEITO

• REDE QUE UTILIZA UMA INFRAESTRUTURA PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES


(INTERNET), PARA FORNECER ACESSO SEGURO À REDE DE UMA ORGANIZAÇÃO;;

OBJETIVO

• FORNECER À ORGANIZAÇÃO ACESSO À REDE DE FORMA SEGURA, COM CUSTO MENOR


QUE EM UMA LINHA DE COMUNICAÇÃO DEDICADA;

FUNCIONAMENTO

• OS DADOS TRAFEGAM EM REDE PÚBLICA, PORÉM PODEM SER CRIPTOGRAFADOS PELA


VPN, FORMANDO UMA ESPÉCIE DE TÚNEL ENTRE OS COMUNICANTES.;
VIRTUAL PRIVATE NETWORK - VPN

INTERNET
19

OUTRAS CARACTERÍSTICAS
INTRANET EXTRANET INTERNET

ÁREAS, CÉLULAS E PARCEIROS, FILIAIS PÚBLICO


DEPARTAMENTOS E CLIENTES CONSUMIDOR

C1
A1 C1

A A1 A1 C1

A1
C1

C1

B D C1
C1

C1
B1 C1

B4 B2
C1 C1
C B3
INTERNERT X INTRANET X EXTRANET
QUADRO COMPARATIVO ENTRE INTERNET, INTRANET E EXTRANET

REDE ACESSO USUÁRIOS INFORMAÇÃO

PULVERIZADA, PÚBLICA E
INTERNET PÚBLICO QUALQUER USUÁRIO
USUALMENTE SUPERFICIAL

RESTRITO A
USUÁRIOS DA REDE PRIVADA/COMPARTILHADA
INTRANET FUNCIONÁRIOS
INTERNA DENTRO DA EMPRESA
DA EMPRESA

RESTRITO A
CLIENTES, REDES CONECTADAS COMPARTILHADA ENTRE
EXTRANET PARCEIROS E/OU OU AUTORIZADAS DETERMINADAS PESSOAS
FORNECEDORES