Você está na página 1de 53

DIMENSIONAMENTO DA

FROTA
Dimensionamento da Frota
• corresponde á definição da quantidade de veículos necessários para que
a empresa possa desempenhar suas atividades com agilidade, qualidade
e competitividade.
• o dimensionamento da frota se constitui um elemento de grande
representatividade na utilização (giro) da frota.
• o acerto no dimensionamento e no perfil da frota são condições
essenciais para um nível de serviço e custos adequados.

?
Dimensionamento da Frota

FROTA DEMANDA

IDEAL

• ALTO ÍNDICE DE UTILIZAÇÃO EM FUNÇÃO DO EQUILÍBRIO ENTRE OFERTA E DEMANDA


• MAIOR PRODUTIVIDADE, SEGURANÇA E ECONOMICIDADE
• NA PRÁTICA É MUITO RARO
Dimensionamento da Frota

SUPERDIMENSIONAMENTO

• BAIXO ÍNDICE DE UTILIZAÇÃO; GRANDE NÚMERO DE VEÍCULOS PARADOS (FROTA OCIOSA)


• BAIXA PRODUTIVIDADE
• SEGURANÇA MANTIDA EM NÍVEIS NORMAIS
• ECONOMICIDADE É AFETADA
• POSITIVO NA VISÃO DO EMBARCADOR; PÉSSIMO SOB A ÓTICA DO TRANSPORTADOR
Dimensionamento da Frota

SUBDIMENSIONAMENTO

• GRANDE VOLUME DE TRABALHO


• ALTA PRODUTIVIDADE
• SEGURANÇA COMPROMETIDA
• RESULTADOS ECONÔMICOS TAMBÉM SÃOAFETADOS
• POSITIVO NA VISÃO DO TRANSPORTADOR; RUIM PARA O EMBARCADOR
Fatores que Impactam no
Dimensionamento da Frota
• Peso do produto a ser transportado
• Volume da carga
• Sazonalidade
• Distância a percorrer
• Nível de utilização do veículo
• Atuação geográfica e vias utilizadas
• Requerimentos de serviço
• Tempos de carga e descarga
DIMENSIONAMENTO DA
FROTA

Modelo UM para UM
Dimensionamento de Frota
Modelo UM para UM

ORIGEM DESTINO
Dimensionamento de Frota
Modelo UM para UM
Determinar a demanda mensal de carga

Fixar os dias de trabalho por mês e as horas de trabalho por dia

Verificar as rotas a serem utilizadas, analisando aclives, condições de tráfego,


rugosidade da pista, tipo de estrada (asfaltada, de terra, cascalhada, etc)

Com os dados sobre as rotas, determinar a velocidade de cruzeiro no percurso

Determinar os tempos de carga, descarga, espera,


refeição e descanso dos motoristas, etc
Dimensionamento de Frota
Modelo UM para UM
Analisar as especificações técnicas de cada modelo de veículo
disponível no mercado, para determinar aquele que mais se adapta
às exigências necessárias para o transporte desejado

Identificar a capacidade de carga útil do veículo escolhido

Calcular o número de viagens/mês possíveis


de serem realizadas por cada veículo

Determinar o número de toneladas transportadas por veículo

A quantidade de veículos necessários é obtido dividindo-se a demanda mensal de carga pela


quantidade de carga transportada no mês por cada veículo.
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
• Uma empresa deseja saber o número de veículos necessários e a
quilometragem média mensal que cada veículo terá de percorrer para
atender o volume de carga mensal a ser transportada.

• O equipamento a ser utilizado é um semi-reboque graneleiro.

• Considere uma frota homogênea.


Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Dados Disponibilizados
• Veículo:
– Peso do chassi: 5.400 kg
– Peso bruto total do veículo: 35.000 kg
– Peso do semi-reboque ou reboque: 7.250 kg
– Peso de outros equipamentos: 350 kg
– Velocidade operacional: 55 km/h na ida e 70 km/h na volta
• Carga:
– Carga transportada: soja
– Peso específico da carga: 750 kg/m³
– Carga mensal a ser transportada: 3.900 ton/mês
• Operacionais:
– Tempo de carga e descarga: 85 min. na ida apenas
– Distância a ser percorrida: 414 km na ida e 430 km na volta
– Jornada útil de um dia de trabalho: 8 horas
– Número de turnos de tabalho por dia: 2
– Número de dias úteis de trabalho por mês: 25 dias/mês
– Número de dias previstos para manutenção por mês: 2 dias/mês
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Solução
• Cálculo do peso total do veículo (tara):
– Corresponde a soma dos itens peso do chassi em ordem de marcha + peso
da carroçaria sobrechassi + peso do semi-reboque ou reboque + peso de
outros equipamentos
– Peso total do veículo = 5.400 + 0 + 7.250 + 350 = 13.000 kg
• Cálculo da carga útil do veículo (lotação):
– É a diferença entre o peso bruto total (PBT) do veículo e a tara
– Carga útil = 35.000 – 13.000 = 22.000 kg
• Cálculo do número de viagens necessárias:
– É a divisão da carga mensal a ser transportada num sentido, pela lotação de
um veículo.
– Número de viagens mensais = 3.900.000 kg / 22.000 kg = 177,27
viagens/mês
• Cálculo do tempo total de viagem:
– Primeiramente, calcula-se o tempo de viagem de ida, obtido pela divisão da
distância a ser percorrida na ida pela velocidade operacional do veículo no
percurso de ida.
– Tempo de viagem na ida = (414 km / 55 km/h) x 60 = 452 min.
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Solução
• Cálculo do tempo de viagem (continuação):
– Após, calcula-se o tempo de viagem na volta, obtido pela divisão da
distância a ser percorrida na volta pela velocidade operacional do veículo
no percurso de volta.
– Tempo de viagem na volta = (430 km / 70 km/h) x 60 = 369 min.
– O tempo total de viagem é a soma do tempo de ida mais o tempo de volta e
mais o tempo de carga e descarga na ida e na volta.
– Tempo total de viagem = 452 + 369 + 85 + 0 = 906 min.
• Cálculo do tempo diário de operação:
– É o produto obtido multiplicando-se a jornada útil de um dia de trabalho
pelo número de turnos de trabalho por dia.
– Tempo diário de operação = 8 x 2 x 60 = 960 minutos
• Cálculo do número de viagens de um veículo por dia:
– É a divisão do tempo diário de operação pelo tempo total de viagem.
– Número de viagens de um veículo por dia = 960 / 906 = 1,05 viagens/dia
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Solução
• Cálculo do número de viagens de um veículo por mês:
– Primeiramente calcula-se o número de dias de operação do veículo por mês
que é igual a diferença entre o número de dias úteis de trabalho e o número
de dias previstos para manutenção.
– Número de dias de operação por mês = 25 – 2 = 23 dias
– Depois multiplica-se este resultado pelo número de viagens que cada
veículo realiza por dia.
– Número de viagens de um veículo, por mês = 23 x 1,05 = 24,15
viagens/mês.
• Cálculo do número de veículos necessários na frota:
– É o resultado da divisão do número de viagens mensais necessárias pelo
número de viagens de um veículo por mês.
– Quantidade de veículos = 177,27 / 24,15 = 7,35
– Arredondado para OITO.
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Solução
• Cálculo da capacidade de transporte mensal de um veículo em um
sentido:
– É o produto obtido multiplicando-se a lotação do veículo pelo número de
viagens de um veículo por mês.
– Capacidade de transporte por veículo, por sentido = 22.000 kg x 24,15
viagens/mês = 531.300 kg/mês.
• Cálculo da capacidade de transporte mensal da frota em um sentido:
– É o produto obtido multiplicando-se o número de veículos necessários na
frota pela capacidade de transporte mensal de um veículo em um sentido.
– Para OITO veículos, tem-se a seguinte capacidade média mensal = 8 x
531.300 kg = 4.250.400 kg.
• Cálculo da diferença entre a capacidade de transporte da frota e a
carga mensal a ser transportada:
– Para OITO veículos, tem-se: 4.250.400 kg – 3.900.000 kg = 350.400 kg.
Exemplo de Dimensionamento da
Frota
Solução
• Cálculo da quilometragem média diária de um veículo:
– É o produto obtido multiplicando-se a distância total a ser percorrida pelo
caminhão (ida+volta) pelo número de viagens de um veículo por dia.
– Quilometragem média diária por veículo = (414+430)*1,05 = 886,20 km/dia.
• Cálculo da quilometragem média mensal de um veículo:
– É o produto obtido multiplicando-se o número de dias de operação no mês
pela quilometragem média diária de um veículo.
– Quilometragem média mensal por veículo = 23 x 886,20 km/dia = 20.382,6
km/mês.
DIMENSIONAMENTO DA
FROTA

Modelo UM para MUITOS


Dimensionamento da Frota(br
Express-Rfoterizador)
Modelo UM para MUITOS
• Segue o mesmo raciocínio anterior, porém neste caso, deve-se levar em
conta o trajeto total e os tempos de parada em cada Cliente, para carga,
descarga ou esperas, por roteiro realizado, segundo a jornada de
trabalho considerada.

DESTINO 1 DESTINO 2

ORIGEM

DESTINO 4 DESTINO 3
DIMENSIONAMENTO
DE FROTA

Frota de Coleta / Entrega


Problema da Coleta e Entrega
• uma região geográfica é dividida em zonas;
• para cada zona é alocado um veículo;
• cada veículo cumpre um roteiro dentro de sua zona;
• o serviço deverá ser realizado dentro de um tempo de ciclo
previamente determinado (jornada de trabalho da
tripulação);
• os veículos são despachados a partir de um depósito, onde
se efetua a triagem da mercadoria em função das zonas;
• desequilíbrio em termos de produção entre os veículos
que atendem zonas próximas ao depósito e os que
atendem zonas situadas na periferia.
Decisões que devem ser tomadas
• como dividir a região de atendimento em zonas de
serviço?

• como selecionar o veículo/tripulação mais adequado ao


serviço?

• qual a quilometragem média percorrida pela frota na


região de atendimento de modo que se possa quantificar
os custos?

• os qual a freqüência ideal do serviço?


Restrições Operacionais
• tempo máximo da jornada de trabalho
• capacidade dos veículos (peso, cubagem)
• janelas de tempo em que os clientes devem ser atendidos
• restrições a circulação e estacionamento
• coletas inseridas junto com entregas
Distância Percorrida pela Frota de
Coleta e Entrega
Estimativa da distância percorrida do depósito até uma zona:

da  2  do
Onde:
do  distância entre o depósito e a zona de entrega
Distância Percorrida pela Frota de
Coleta e Entrega
Estimativa da distância percorrida dentro de uma zona:

d z  k   A  q
Onde:
k  coeficiente de ajuste;
 coeficiente de correção da distância;
A  área da zona em km2;
q  número de pontos visitados na zona.
Distância Percorrida pela Frota de
Coleta e Entrega
Estimativa da distância total percorrida em um roteiro:

D  2  d o  k   A  q
Onde:
do  distância entre o depósito e a zona de entrega
k  coeficiente de ajuste;
 coeficiente de correção da distância;
A  área da zona em km2;
q  número de pontos visitados na zona.
Tempo Médio de Ciclo

2  do d z  t p 
Tc      q 
vo vz  60 
Onde:
vo  velocidade média no percurso entre o depósito e a zona
e vice-versa (km/h);
vz  velocidade média no percurso dentro da zona de entrega
(km/h);
tp  tempo médio de parada em cada ponto visitado
(minutos)
Exercício I
Determinar a distância percorrida por um veículo de coleta e
entrega em uma zona com 15 km2 de área. A distância entre o
depósito e a zona é de 15 km. São atendidos diariamente na
zona 30 clientes. Adotar  = 1,52 e k = 0,765.

D  2  d o  k   A  q
D = 2 x 15 + 0,765 x 1,52 x (15 x 30) ½
D = 30 + 24,7
D = 54,7 km
Exercício II
Determinar para o exemplo anterior o tempo de ciclo sabendo
que vo = 45 km/h, vz = 30 km/h e tp = 20 minutos.

2  do d z  t p 
Tc      q 
vo vz  60 
Tc = (2 x 15)/45 + (24,7)/30 + (20*30)/60

Tc = 0,67 + 0,82 + 10 = 11,49 h


SUBSTITUIÇÃO DA FROTA
Considerações Iniciais
• Veículos e equipamentos desgastam-se com o uso, exigindo reposição
após um certo tempo de operação.

• Mesmo com o aperfeiçoamento proporcionado pela indústria


automotiva, as empresas raramente levam em conta a questão da
obsolescência tecnológica na decisão de troca dos veículos e
equipamentos.

• A “vida” de um veículo pode ser prolongada indefinidamente através de


reformas constantes, porém deve ser avaliado se a sobrevida forçada
para o veículo compensará os custos crescentes de manutenção e a
indisponibilidade, cada vez maior, do veículo.
Renovação da Frota
Check-List
• Há uma planilha de custos fixos e variáveis?

• Ela é atualizada mensalmente?

• É adaptada a cada tipo de caminhão e seu uso?

• Existe um estudo ou um acompanhamento da depreciação média do


modelo no mercado?

• A empresa tem funcionários especializados nesse tipo de


acompanhamento?

• Existe a possibilidade de mudar o uso do caminhão e aumentar a sua


vida útil?

• Tecnologias recém-lançadas podem justificar economicamente uma


troca antecipada na frota?
Desvalorização do Veículo
Ano Desvalorização do Veículo
Ano Acum Média
1 30% 30% 30,0%
2 20% 50% 25,0%
3 15% 65% 21,7%
4 15% 80% 20,0%
5 5% 85% 17,0%
6 5% 90% 15,0%
7 3% 93% 13,3%
8 2% 95% 11,9%
9 0% 95% 10,6%
10 0% 95% 9,5%
Método Simplificado
Passo I Cálculo da desvalorização média anual do veículo.

Tempo de uso Desvalorização Desvalorização


do veículo acumulada média anual
1 30% R$ 36.000,00
2 50% R$ 30.000,00
3 65% R$ 26.000,00
4 80% R$ 24.000,00
5 85% R$ 20.400,00
6 90% R$ 18.000,00
7 93% R$ 15.942,86
8 95% R$ 14.250,00
9 95% R$ 12.666,67
10 95% R$ 11.400,00
11 95% R$ 10.363,64
12 95% R$ 9.500,00

Valor do veículo novo: R$ 120.000,00


Método Simplificado
Passo II Cálculo da custo financeiro médio do veículo.

Tempo de uso Valor no início Valor do veículo Juros no ano Juros Custo financeiro
do veículo do período (%) no início do período acumulados médio anual
1 100% R$ 120.000,00 R$ 18.000,00 R$ 18.000,00 R$ 18.000,00
2 70% R$ 84.000,00 R$ 12.600,00 R$ 30.600,00 R$ 15.300,00
3 50% R$ 60.000,00 R$ 9.000,00 R$ 39.600,00 R$ 13.200,00
4 35% R$ 42.000,00 R$ 6.300,00 R$ 45.900,00 R$ 11.475,00
5 20% R$ 24.000,00 R$ 3.600,00 R$ 49.500,00 R$ 9.900,00
6 15% R$ 18.000,00 R$ 2.700,00 R$ 52.200,00 R$ 8.700,00
7 10% R$ 12.000,00 R$ 1.800,00 R$ 54.000,00 R$ 7.714,29
8 7% R$ 8.400,00 R$ 1.260,00 R$ 55.260,00 R$ 6.907,50
9 5% R$ 6.000,00 R$ 900,00 R$ 56.160,00 R$ 6.240,00
10 5% R$ 6.000,00 R$ 900,00 R$ 57.060,00 R$ 5.706,00
11 5% R$ 6.000,00 R$ 900,00 R$ 57.960,00 R$ 5.269,09
12 5% R$ 6.000,00 R$ 900,00 R$ 58.860,00 R$ 4.905,00

Taxa de Juros Anual 15%


Método Simplificado
Passo IV Cálculo do custo total do veículo/km.

Tempo de Depreciação Custo Custo anual Custo km km Custo


uso do média anual financeiro médio de anual média média médio
veículo médio anual manutenção total mensal anual por km
1 R$ 36.000,00 R$ 18.000,00 R$ 13.440,00 R$ 67.440,00 8.500 102.000 R$ 0,661
2 R$ 30.000,00 R$ 15.300,00 R$ 14.100,00 R$ 59.400,00 8.410 100.920 R$ 0,589
3 R$ 26.000,00 R$ 13.200,00 R$ 14.800,00 R$ 54.000,00 8.305 99.660 R$ 0,542
4 R$ 24.000,00 R$ 11.475,00 R$ 15.810,00 R$ 51.285,00 8.183 98.196 R$ 0,522
5 R$ 20.400,00 R$ 9.900,00 R$ 16.920,00 R$ 47.220,00 8.040 96.480 R$ 0,489
6 R$ 18.000,00 R$ 8.700,00 R$ 18.120,00 R$ 44.820,00 7.876 94.512 R$ 0,474
7 R$ 15.942,86 R$ 7.714,29 R$ 19.354,29 R$ 43.011,43 7.688 92.256 R$ 0,466
8 R$ 14.250,00 R$ 6.907,50 R$ 20.760,00 R$ 41.917,50 7.472 89.664 R$ 0,467
9 R$ 12.666,67 R$ 6.240,00 R$ 22.293,33 R$ 41.200,00 7.224 86.688 R$ 0,475
10 R$ 11.400,00 R$ 5.706,00 R$ 23.952,00 R$ 41.058,00 6.942 83.304 R$ 0,493
11 R$ 10.363,64 R$ 5.269,09 R$ 25.789,09 R$ 41.421,82 6.620 79.440 R$ 0,521
12 R$ 9.500,00 R$ 4.905,00 R$ 27.810,00 R$ 42.215,00 6.250 75.000 R$ 0,563

O custo médio por quilômetro atinge seu valor mínimo para vida útil de SETE
anos, idade recomendada para renovar a frota.
Recomendação

A empresa ou o departamento de
transportes deve planejar a
renovação da frota, definir as datas
de aquisição e prever os recursos
financeiros.
O Processo de Seleção de
uma Transportadora
A Evolução dos PSLTs

• Relacionamento estratégico
Gerenciador Líder de Logística
• Baseado no conhecimento e na informação
ou
• Compartilhamento de riscos e ganhos
Integrador da Cadeia de Materiais
• Capacidade de prover tecnologia avançada
(4PL)
Serviços • Colaborativo, adaptativo e flexível
Avançados
• Gerenciamento de projetos e contratos
• Atuação regional
Provedor Líder de
• Único ponto de contato
Logística Líder Logística
• Integração tecnológica através do 3PL

• Melhoria das capacidades / múltiplas localidades


Valor Agregado Operador Logístico
• Maior variedade de serviços
• Redução combinada de custos

Provedor de Serviços • Focado na redução de custo


Serviços Básicos Logísticos • Nichos de serviços
• Infra-estrutura específica

Fonte: Framework desenvolvido pelo Georgia Institute of Technology e pela Cap Gemini Ernst &
PSLT = Prestador de Serviços em Logística e Transportes
A Evolução dos PSLTs
Provedores de Serviços Operadores
Logísticos Especializados Logísticos

• Serviços genéricos e padronizados  Serviços sob medida e personalizados


• Serviços tipo Commodities  Value-added services
• Normalmente uma única atividade  Múltiplas atividades
 Em geral, não baseado em ativos
• Baseado em ativos
 Operador deve possuir amplo
• Prestador de serviço possui qualificação conhecimento de análise de soluções
especializada logísticas
• Negociações rápidas para contratos  Negociações demoradas para contratos (3
• Contratos tendem a ser de curto ou médio a 9 meses)
prazos  Contratos de longo prazo e negociados pela
• Clientes tentam minimizar custos alta gerência (em geral de 3 a 5 anos)
específicos  Objetivo é reduzir custo total, melhorar
nível de serviço e maior flexibilidade
• Processos de remuneração e precificação
 Remuneração e precificação complexas
bastante simples
Análise do Mercado de PSLTs
• Ao analisar detalhadamente o mercado, identificamos 04 grandes
grupos:
– (1) Empresas especializadas, baseadas em ativos, com serviços básicos e
portfólio restrito
– (2) Empresas especializadas, baseadas em ativos, com amplo portfólio de
serviços
– (3) Integradores logísticos em transição, com capacidades intelectuais em
desenvolvimento; ainda dependente de ativos
– (4) Integradores logísticos consolidados, foco em planejamento e gestão;
serviços relacionados a ativos constituem um dos produtos da empresa
Processo de Seleção de uma
Transportadora
• escopo detalhado do projeto
• critérios de seleção
Pré-Projeto • perfil da transportadora
• potenciais candidatos

• elaboração do questionário
• aplicação do questionário e follow-up
Request for Information • consolidação e análise dos resultados
• pré-seleção de transportadoras

• elaboração do material técnico


•solicitação de cotação e projeto técnico
• solicitação de documentação da empresa
Request for Proposal
• resposta a dúvidas / atendimento de visitas
• short-list
• definição da transportadora

• elaboração do contrato
Contratação e Gestão • detalhamento do plano de implantação
• gestão
• acompanhamento e ajustes
Processo de Seleção de
Transportadores
• Preço do frete ou do serviço prestado

• Grau de especialização no segmento

• Capacidade técnica

• Controle de uso da frota

• Estrutura operacional

• Composição e idade média da frota

• Equipamentos da frota

• Política de contratação de motoristas


Processo de Seleção de
Transportadores
• Evidências de medidas de controle e desempenho

• Estrutura de apoio operacional em viagem

• Aplicação de tecnologia

• Capacidade operacional – Relação frota própria versus veículos de


terceiros

• Critérios para contratação de terceiros

• Histórico de roubos e tempo de resposta

• Suporte e qualidade da companhia seguradora


Unitização de Cargas
Unitização de Cargas
Unitizar uma carga significa agrupar vários volumes pequenos
ou grandes em um maior, ou mesmo um único volume, com o
objetivo de facilitar o seu manuseio, movimentação,
armazenagem e transporte, fazendo com que a sua
transferência, do ponto de origem até o seu destino final,
possa ser realizada tratando o total de volumes envolvidos em
cada unitização como apenas um volume.
Unitização de Cargas
Existem cargas que são um verdadeiro “abacaxi ”
Unitização de Cargas
Existem cargas que são um verdadeiro “abacaxi ”
Planejamento de Rotas
Importantes Considerações
• A minimização do percurso total nem sempre será o objetivo primário; o tempo
de viagem é uma métrica de maior importância, e caminhos alternativos que
evitem congestionamento, semáforos e ruas estreitas devem ser priorizados.

MAIS RÁPIDO MAIS CURTO

42 km, velocidade média de 70 km/h 30 km, velocidade média de 30 km/h


36 minutos de viagem 60 minutos de viagem
Planejamento de Rotas
Importantes Considerações
• Mesmo que você tenha 20 Fornecedores concentrados em uma mesma região,
procure acomodá-los em 4 ou 5 grupos.
Planejamento de Rotas
Método do “Vizinho mais Próximo”
Passo 1: Selecionar um veículo disponível. Caso não haja mais
veículos, parar.

Passo 2: Selecionar o ponto parada) não programado mais próximo


da base (Fábrica ou Centro de Distribuição).

Passo 3: Se a capacidade do veículo não for ultrapassada, incluir o


ponto selecionado no roteiro.

Passo 4: Selecionar o ponto não atendido que esteja mais próximo do


último ponto inserido no roteiro, verificando a capacidade do veículo.
Caso não seja possível encontrar nenhum ponto que possa ser inserido
no veículo corrente, voltar para o Passo 1.Parar, caso todos os pontos já
tenham sido atendidos.
Planejamento de Rotas
Método do “Vizinho mais Próximo”
• Nesse modelo,vai se somando as toneladas, quando esgotar a capacidade
do veículo, retornar para a Fábrica ou CD.

4t
2t 2,3t
3,1t

1t 4,5t
CD

3,2t
1,3t

Capacidade do Veículo: 6,0 toneladas


Princípios da Prática da Boa
Roteirização
 agrupar paradas próximas entre si
 paradas de diferentes dias devem formar grupos coesos
 roteiros em forma de ‘gota d’água’
 utilizar primeiro os veículos de maior capacidade
 coletas devem ser inseridas entre as entregas
 pontos isolados devem formar rotas separadas
 evitar janelas de tempo apertadas

Você também pode gostar