Você está na página 1de 20

MUDANÇAS DE FASE

As substâncias podem ser encontradas na natureza em três estados


físicos, são eles: sólido, líquido e gasoso. Eles também podem ser
chamados de fases da matéria ou estados de agregação da matéria.
A diferença entre os três estados está relacionada com as
características moleculares das substâncias.
No estado sólido, os átomos ou moléculas que constituem uma
substância encontram-se bem unidos em virtude da existência de
forças elétricas intensas agindo sobre eles. Além disso, os átomos
que formam essas substâncias possuem uma estrutura cristalina de
forma bastante regular, e essa estrutura repete-se. A energia das
moléculas é baixa e elas mantêm-se praticamente em repouso.
Os líquidos, por sua vez, apresentam forças de ligação menos
intensas do que os sólidos, o que faz com que as moléculas fiquem
mais afastadas umas das outras e movimentem-se mais livremente,
portanto elas possuem maior energia. Isso explica porque a matéria
no estado líquido pode escoar e ocupar o volume do recipiente que a
contém.
No estado gasoso, praticamente inexiste força de ligação entre os
átomos, que ficam separados uns dos outros por distâncias bem
superiores às dos sólidos e líquidos. Os gases também possuem
muito mais energia e movimentam-se desordenadamente, podendo
ser facilmente comprimidos. Além disso, assumem a forma e volume
do recipiente em que são colocados.
Para que ocorram mudanças de fases da matéria, é necessário
ceder ou retirar calor de um corpo. O calor é a energia térmica que
determina o grau de agitação das moléculas. Ao ser alterado, ele
pode causar mudanças no arranjo molecular das substâncias,
causando as mudanças de fase.
Fusão: passagem do estado sólido para o líquido ( Ex.:
transformação do gelo em água). Ela ocorre quando a substância
sólida recebe energia térmica (calor), aumentando sua agitação
molecular e vencendo as fortes interações atômicas, ou
moleculares, existentes no estado sólido.
Solidificação: mudança do estado líquido para o sólido (Ex.:
congelamento da água). Para que ocorra a solidificação, a
substância deve perder energia, o que faz com que as vibrações
moleculares diminuam e fiquem mais unidas.
Veja o diagrama a seguir que demonstra a fusão e a solidificação:

Vaporização: ocorre quando uma substância no estado líquido é


aquecida. A energia recebida causa aumento na agitação
molecular e as moléculas separam-se umas das outras, passando
para o estado gasoso.
Condensação ou Liquefação: passagem do estado gasoso para o
líquido. É a forma como ocorrem as chuvas. A água que evapora na
superfície da Terra chega a grandes altitudes e, quando entra em
contato com ar frio na atmosfera, volta ao estado líquido.
O diagrama a seguir demonstra como ocorrem essas mudanças de
fase:
Sublimação: consiste na passagem do estado sólido para o gasoso
diretamente, sem antes passar pelo estado líquido. Esse fenômeno
explica porque a naftalina “some”, produzindo o vapor tóxico
utilizado para espantar pequenos insetos, como as baratas. O que
ocorre, na verdade, é a sublimação, ou seja, a transformação direta
em gás.
Entre essa transformações, as que ocorrem por recebimento de
calor são denominadas transformações edotérmicas. São elas: a
fusão, a vaporização e a sublimação(sólido – gasoso).
A solidificação, a liquefação e a sublimação(gasoso – sólido) são
transformações exotérmicas, já que ocorrem por perda de calor.
Os termos ebulição, evaporação e vaporização são bastante
utilizados quando falamos da mudança de estado físico do líquido
para o estado de vapor. Existe ainda um menos conhecido, que é o
termo calefação.
Vaporização: é a passagem do estado líquido para o estado de
vapor. Mas, existem três formas em que essa mudança de estado
pode ocorrer, pois sua velocidade pode variar, dependendo da
quantidade de energia fornecida. Essas três formas são a
evaporação, a ebulição e a calefação.
1. Evaporação: Esse termo é usado quando a vaporização ocorre à
temperatura ambiente, em qualquer temperatura e pressão, de forma
bem lenta, predominantemente na superfície do líquido, sem o
aparecimento de bolhas ou agitação do líquido.
Por exemplo, a água dos rios evapora com o tempo, gradualmente,
sendo que apenas a parte que está na superfície passa para o
estado de vapor. Outro exemplo é quando colocamos roupas para
secar, o que mostra que a evaporação pode se tornar
progressivamente mais intensa em temperaturas mais altas e
pressões mais baixas, pois quanto mais quente, mais rápido a roupa
seca e vice-versa.
No entanto, a evaporação sempre ocorre numa temperatura inferior à
ebulição.
2. Ebulição: A ebulição ocorre a uma determinada temperatura, que
é específica para cada substância pura e que pode variar de acordo
com a pressão atmosférica local. Ela se dá quando aquecemos o
sistema, é uma passagem do líquido para o vapor de forma mais
rápida e é bem perceptível, pois ocorre em toda a extensão do
líquido, com agitação e formação de bolhas.
A ebulição ocorre, por exemplo, quando colocamos a água no fogo,
fornecendo energia térmica primeiramente para as moléculas que
estão no fundo do recipiente. Esse aumento de energia térmica faz
com que sua massa diminua, por isso elas sobem, enquanto que a
água da superfície desce. Com o tempo, essas águas que desceram
também ganham energia térmica e voltam a subir, já que as da
superfície perderam energia para o meio. Esse processo é chamado
de convecção.
Esse ciclo continua até que se atinja a temperatura de ebulição
que, no caso da água, é de 100ºC sob pressão de 1 atm. Começa
então a se formar bolhas de vapor no fundo do recipiente, porque
inicialmente a pressão do vapor dentro da bolha é menor que a
pressão atmosférica. Mas, à medida que vai ganhando energia, a
pressão do vapor aumenta, vencendo a pressão atmosférica e
subindo para a superfície, onde as bolhas arrebentam, liberando o
vapor para o ambiente.
3. Calefação: É o tipo de evaporação mais rápida, é a passagem
abrupta para o estado de vapor que ocorre quando o líquido se
aproxima de uma superfície muito quente.
Por exemplo, quando caem pingos de água sobre um ferro de passar
bem quente, vemos as gotas como que “pulando” e passando
rapidamente para o estado de vapor.
CURVAS DE AQUECIMENTO E RESFRIAMENTO
Curva de aquecimento e resfriamento é o gráfico que mostra a
variação de temperatura de uma amostra quando aquecida ou
resfriada, incluindo-se as mudanças de estado físico.
A forma mais simples de entender a curva de aquecimento é a
partir dos processos de transformação da água, pois além de ser
uma substância conhecida e fácil de exemplificar, é também
quimicamente pura. Por esta razão, ela será utilizada.
Quando um bloco de gelo à -20°C é aquecido, sob pressão
constante de 1 atm, suas moléculas recebem energia na forma de
calor, e aumentam de vibração, aumentando sua temperatura até
0°C. Continuando a receber calor, a sua temperatura permanece
constante, pois a energia que ele recebe é usada na quebra das
ligações moleculares, o que provoca a mudança de fase
denominada fusão.
Após a fusão, a energia recebida faz com que a vibração das
moléculas aumente novamente, aumentando a temperatura da
água até 100°C. Nesta temperatura inicia-se a vaporização. Então,
se a massa de água continua a receber calor, a energia recebida é
usada novamente em uma nova mudança de estado físico.
Terminada a vaporização, a energia recebida altera a agitação das
moléculas, aumentando a temperatura do vapor d’água.
Esse comportamento pode ser representado através de um
gráfico denominado curva de aquecimento.

AB – corpo no estado sólido


BC – fusão
CD – corpo no estado líquido
DE – ebulição
EF – corpo no estado gasoso
Os trechos AB, CD e EF no diagrama representam o aquecimento
nos estados sólido, líquido e gasoso, respectivamente. Nesses
trechos, o calor trocado é sensível, pois o corpo apenas varia sua
temperatura, portanto a expressão que deve ser utilizada nesses
trechos será:
Q¹, Q³ e Q5 - calor sensível
Os trechos BC e DE representam a fusão e a ebulição da
substância. Note que, nesses trechos, a temperatura não varia,
portanto a expressão que deve ser utilizada será:
Q = m.L
Q² e Q4 - calor latente