Você está na página 1de 16

PÓS OPERATORIO DE CIRUGIAS DE GRANDE PORTE

LAPAROTOMIA
CRANIOTOMIA Page 1
LAPAROTOMIA
CONCEITO
A laparotomia é a abertura cirúrgica da
cavidade abdominal para fins diagnósticos
e/ou terapêuticos. Em termos populares, é a
cirurgia “de barriga aberta”. Ela não é uma
prática recente, remontando à antiguidade,
mas teve grande expansão no século XX,
graças ao advento das drogas curarizastes,
da intubação traqueal, do maior
conhecimento da anatomia e fisiologia da
parede abdominal e dos processos de
cicatrização da ferida cirúrgica.
Page 2
LAPAROTOMIA
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

A avaliação do nível de consciência é um


dos parâmetros mais importantes para se
determinar as necessidades assistenciais de
um paciente, A escala de Coma de Glasgow
(ECG) é usada para avaliar o NDC com
base nos três critérios de abertura do olho,
respostas verbais e respostas motoras aos
comandos verbais ou estímulos dolorosos.
Ela é particularmente útil para monitorizar
as alterações durante a cirurgia, como nos
primeiros dias depois da cirurgia.
Page 3
LAPAROTOMIA
SINAIS VITAIS

O monitoramento de sinais vitais é um


conjunto de ações que tem o objetivo de
monitorar a condição clínica do paciente
pós cirúrgico
 Frequência cardíaca,
 Frequência respiratória,
 Pressão arterial e,
 Saturação de oxigênio.

Page 4
LAPAROTOMIA
CONTROLE DA DOR
A dor pós-operatória caracteriza-se como dor aguda prevalente no
âmbito hospitalar, comumente associada a dano tecidual. Pode
manifestar-se de forma intensa ou moderada em 40 a 60% dos
casos, prevalecendo após cirurgias extensas como as abdominais. A
ocorrência e a intensidade da dor pós-operatória dependem de
fatores constitucionais e relacionados à natureza dos procedimentos
operatórios
As intervenções farmacológicas são utilizadas como primeira opção
no controle da dor aguda, incluindo os anti-inflamatórios não
asteroidais (AINEs), opioides e ansiolíticos alguns estudos apontam
os antidepressivos, anticonvulsivantes e neurolépticos
Page 5
LAPAROTOMIA
HEMORRAGIAS
Após uma laparotomia mediana xifopúbica
a hemostasia deve ser realizada, e pode ser
feita com a colocação de compressas nos
quatro quadrantes, ligadura ou
clampeamento de vasos e/ou utilização de
balões para tamponamento. As compressas
podem ser trocadas durante a operação e,
eventualmente, podem ser deixadas na
cavidade abdominal e retiradas somente na
reoperação programada. Os reparos
vasculares complexos não devem ser
realizados nesse momento Page 6
LAPAROTOMIA
ACESSO VENOSO

1.Confira nas prescrições médica e de enfermagem, a indicação de


realização do procedimento.
2. Leve a bandeja para o quarto do paciente e coloque-a na mesa
auxiliar.
3. Explique o procedimento ao paciente.
4. Higieniza as mãos
5. Calce as luvas de procedimento
6. Escolha o local de acesso venoso, exponha a área de aplicação e
verifique as condições das veias.
7. Garroteie o local a ser puncionado ( em adultos: a
aproximadamente 5 a 10 cm do local da punção venosa), a fim de
propiciar a dilatação da veia.
Page 7
LAPAROTOMIA
ACESSO VENOSO

8. Faça a antissepsia do local com algodão embebido


em álcool 70%, em movimentos circulares, do centro
para as extremidades.
9. Mantenha o algodão seco ao alcance das mãos.
10. Tracione a pele para baixo, com o polegar, abaixo
do local a ser puncionado.
11. Introduza o cateter venoso na pele, com o bisel
voltado para cima, a um ângulo aproximadamente de
30 a 45º.
12. Uma vez introduzido na pele, direcione o cateter e
introduza-o na veia.
13. Abra o cateter e observe o refluxo sanguíneo em
seu interior.
14. Solte o garrote.
Page 8
LAPAROTOMIA
CUIDADOS DE ENFERMAGEM

• Receber e transferir o paciente da maca para o leito com cuidado, observando


sondas e soro etc.
• Posicionar o paciente no leito, conforme o tipo de anestesia;
• Verificar sinais vitais;
• Observar o estado de consciência (sonolência);
• Avaliar drenagens e soroterapia;
• Fazer medicações conforme prescrição;
• Realizar movimentos dos membros superiores ou inferiores livres se possível;
• Controlar a diurese;
• Assistir psicologicamente o paciente e os familiares;
• Observar e relatar as seguintes complicações: (pulmonares “cianose, dispnéia,
agitação”); Urinárias (infecção e retenção urinária); Gastrointestinais (náuseas,
vômitos, constipação intestinal, sede); Vasculares (Cianoses e edemas); da ferida
operatória (hemorragia, infecção e deiscência) e choque.
Page 9
CRANIOTOMIA
CONCEITO
A craniotomia é uma operação
cirúrgica em que um retalho ósseo
é temporariamente removido do
crânio para acessar o cérebro.
Craniotomia é uma operação
crítica realizada em pacientes que
sofrem de lesões cerebrais ou
traumatismo cranioencefálico

Page 10
CRANIOTOMIA
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA
A avaliação do paciente consistiu na investigação do grau de alteração
no nível de consciência, exame das pupilas e condições respiratórias

Page 11
CRANIOTOMIA
NÍVEL DE CONSCIÊNCIA

As condutas médicas e de enfermagem,


do hospital observado, preconizam a
verificação intensiva dos sinais vitais, no
pós-operatório imediato, com a
finalidade de surpreender precocemente
alterações orgânicas graves.
verificar o que mais comumente ocorre
com os seguintes parâmetros:
temperatura, pulso, respiração e pressão
arterial

Page 12
CRANIOTOMIA
CONTROLE DA DOR

Depois de ser operado o paciente é monitorado na sala


de recuperação durante determinado período de
tempo. Os sinais vitais são revisados e em seguida são
transferidos para a unidade de terapia intensiva de
cuidados. Náusea e dor de cabeça são muito comuns
após a cirurgia. Para os pacientes é lhes administrados
medicamentos especiais para reduzem o cérebro
edema e prevenir as convulsões.

Page 13
CRANIOTOMIA
HEMORRAGIAS

Para o controle da hemorragia é


necessário o uso de ventilação
mecânica (suporte para respirar) e de
medicações para controlar a dor,
diminuir hemorragia cerebral, manter
a tensão arterial e evitar convulsões.
Tenta restaurar sangue e oxigênio para
as células por meio da ampliação de
outros vasos sanguíneos (artérias),
perto da área

Page 14
CRANIOTOMIA
ACESSO VENOSO

Um acesso arterial e uma linha de pressão


venosa central podem estar posicionados
para monitorizar a pressão arterial e a
pressão venosa central. O paciente pode
estar intubado e pode receber oxigenoterapia
suplementar. Além disso deve-se obter os
seguintes resultados:
Reduzir o edema cerebral.
Aliviar a dor e prevenindo as convulsões.
Monitorar a PIC.

Page 15
CRANIOTOMIA
CUIDADOS DE ENFERMAGEM

Avaliar sinais vitais, nível de consciência, resposta verbal e compreensão da


comunicação verbal;
Determinar o tipo e o nível de desconforto;
Avaliar nível de tolerância à dor;
Observar possíveis náuseas;
Avaliar a orientação pessoal, espacial e temporal;
Verificar função cognitiva;
Verificar reação das pupilas;
Avaliar assimetria facial;
Testar a mobilidade e a força das extremidades;
Observar possível agitação;
Cuidados com a sonda vesical;
Monitorar débito urinário (balanço hídrico);
Cuidados com drenos cranianos;
Prevenir traumas;
Cuidados com posicionamento. Page 16