Você está na página 1de 54

Os primeiros teóricos da

Sociologia: Comte e
Durkheim

Preparatório para o Enem e exames vestibulares


O nascimento da Sociologia

O cenário que dá origem à sociologia são as duas grandes revoluções da


Europa dos séculos XVIII e XIX.
A Revolução francesa de 1789 marcou o triunfo das ideias e dos valores
seculares, como liberdade e igualdade, sobre a ordem social tradicional.
A segunda grande revolução começou na Grã-Bretanha, no final do século XVIII.
Chamada de Revolução Industrial, ela envolve o amplo espectro de
transformações sociais e econômicas que cercaram o desenvolvimento de
inovações tecnológicas, como a energia e a máquina a vapor.
O surgimento da indústria levou a uma enorme migração de camponeses da terra
para as fábricas, causando uma rápida expansão das áreas urbanas e
introduzindo novas formas de relações sociais.

2
Augusto Comte (1798 – 1857)

3
Augusto Comte

Comte buscou criar uma ciência da sociedade que pudesse explicar as leis do
mundo social da mesma forma que a ciência natural explicava o funcionamento
do mundo físico.
A sociedade, afirmava ele, se conforma com leis invariáveis da mesma maneira
que o mundo físico.
A visão sociológica de Comte foi a da ciência positivista.
• Uma abordagem positivista da sociologia acredita na produção de conhecimento,
sobre a sociedade, baseada em evidências empíricas (materiais) tiradas a partir da
observação, da comparação e da experimentação.

4
A lei dos 3 estágios
Segundo Comte, os esforços humanos para entender o mundo passaram
através dos estágios teológico, metafísico e positivo.
Teológico: os pensamentos eram guiados por ideias religiosas e pela crença de
que a sociedade era uma expressão da vontade de Deus.
Metafísico: compreende o período renascentista, quando as explicações
deslocaram-se do plano sobrenatural, recorrendo a uma reflexão sobre a
essência e o significado abstrato das coisas.
Positivo: introduzido pelas descobertas de Copérnico, Galileu e Newton,
encorajou a aplicação de técnicas científicas no mundo social. Seguindo essa
concepção, Comte considerava a sociologia como a última ciência a se
desenvolver – seguindo a física, a química e a biologia –, mas como a mais
significativa e complexa de todas as ciências.

5
Augusto Comte

Para Comte, as desigualdades que iam sendo produzidas pela industrialização


colocavam em ameaça a coesão social. A solução, em sua opinião, era a
produção de um consenso moral a longo prazo, que ajudaria a regular, ou
manter unida, a sociedade, a despeito dos novos padrões de desigualdade.
Como seria produzido este consenso?
Isto se daria, em grande parte, mediante a interpretação básica de que o
movimento social está sujeito necessariamente a leis físicas invariáveis, ao invés
de estar regido por algum tipo de vontade.
O “espírito revolucionário” haveria de ser controlado através da difusão da ideia
de que a sociedade possui uma ordem natural imutável, perante a qual deve ser
submeter a vontade do homem

6
Émile Durkheim (1858 – 1917)

7
Émile Durkheim
Como Comte, Durkheim acreditava que precisamos estudar a vida social com a
mesma objetividade com que os cientistas estudam o mundo natural.
Seu famoso princípio da sociologia era: “Os fatos sociais devem ser compreendidos
como coisas!”.
“O que vem a ser uma coisa? A coisa se opõe à ideia assim como o que se
conhece a partir de fora se opõe ao que se conhece a partir de dentro. É coisa todo
objeto do conhecimento que não é naturalmente penetrável à inteligência, tudo
aquilo de que não podemos fazer uma noção adequada por um simples
procedimento de análise mental, tudo o que o espírito não pode chegar a
compreender a menos que saia de si mesmo, por meio de observações e
experimentações, passando progressivamente dos caracteres mais exteriores e
mais imediatamente acessíveis aos menos visíveis e aos mais profundos
(DURKHEIM, E. Prefácio da segunda edição. In As regras do método sociológico.
São Paulo: Martins Fontes, 2007, p. XVII).
Com isso, queria dizer que a vida social poderia ser analisada tão rigorosamente
como os objetos ou os eventos da natureza

8
Émile Durkheim
Para Durkheim, a principal preocupação intelectual da sociologia é o estudo
dos fatos sociais.

9
Émile Durkheim

De acordo com o sociólogo francês, os fatos sociais são meios de agir, pensar
ou sentir que são externos aos indivíduos e têm sua própria realidade fora das
vidas e das percepções das pessoas individuais.
Outro atributo dos fatos sociais é que eles exercem um poder coercitivo sobre
os indivíduos. A natureza coercitiva dos fatos sociais, no entanto, não é
frequentemente reconhecida pelas pessoas como coercitiva.
Os fatos sociais podem forçar a ação humana numa diversidade de maneiras,
indo da punição absoluta (no caso de um crime, por exemplo) à rejeição social
(no caso de um comportamento inaceitável) e a simples incompreensão (no
caso de uso inapropriado da língua).

10
Émile Durkheim
DURKHEIM E A DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL
 Partindo deste tema, Durkheim está preocupado em responder à seguinte pergunta:
como se chega à condição de existência social chamada consenso?
Solidaridade mecânica
• Solidariedade por semelhança.
• Os membros de uma mesma coletividade se assemelham porque têm os mesmos
sentimentos, os mesmos valores, reconhecem os mesmos objetos como sagrados.
• A sociedade tem coerência porque os indivíduos ainda não se diferenciaram.
• Forma de direito predominante: repressivo, que pune as faltas ou crimes.
Solidariedade orgânica
• A diferenciação das profissões e a multiplicação das atividades industriais exprimem a
diferenciação social que Durkheim considera de modo prioritário.
• Quando reina a solidariedade orgânica, ocorre uma redução da esfera da existência
governada pela consciência coletiva, um enfraquecimento das reações coletivas contra a
violação das proibições.
• Forma de direito predominante: direito restitutivo, ou cooperativo, cuja essência não é a
punição das violações das regras sociais, mas repor as coisas em ordem quando uma falta foi
cometida, ou organizar a cooperação entre os indivíduos.

11
Solidariedade mecânica Solidariedade orgânica
O indivíduo não vem, historicamente, em primeiro lugar
• Tomada de consciência da individualidade decorre do próprio
desenvolvimento histórico
Sociedades segmentárias: solidariedade mecânica
Segmento: grupo social em que os membros estão estreitamente
ligados.
Grupo situado localmente, isolado dos demais, separado do mundo
exterior
Consciência coletiva
Conjunto de crenças e sentimentos comuns à média dos membros de
uma sociedade

12
CONSCIÊNCIA COLETIVA

CONSCIÊNCIA COLETIVA
Solidariedade Solidariedade
mecânica orgânica

13
Quanto mais forte a consciência coletiva, maior também a sua extensão.
Sociedades arcaicas: consciência coletiva abrange não só a maior parte da
existência individual, como também os sentimentos coletivos, cuja força se
manifesta pelo rigor dos castigos impostos aos que violam as proibições sociais
• Quanto mais forte a consciência coletiva, maior a indignação com o crime
Quanto menos forte a consciência coletiva, maior é a margem de interpretação
individual das imposições sociais
Redução da esfera da existência que cobre a consciência coletiva

14
Solidariedade Solidariedade
mecânica orgânica
Justiça
Cada um recebe o que lhe é
Punição é fixada com exatidão
devido, de acordo com regras
pelos sentimentos coletivos
universais.
15
Qual é a causa da divisão social do trabalho?
Combinação de volume, densidade material e moral da sociedade.
• Volume: número de indivíduos que pertencem a uma sociedade.
• Densidade material: número de indivíduos em relação a uma dada superfície do solo.
• Densidade moral: intensidade das comunicações e trocas entre os indivíduos.
Luta pela vida (Darwin)
Quanto mais numerosos os indivíduos que vivem em conjunto, maior a luta pela
vida.
Divisão do trabalho: solução pacífica da luta pela vida
• Permite a um número maior de indivíduos sobreviver, diferenciando-se
• Competição é substituída por divisão de funções.

16
Exercícios de fixação
Tema de redação – Enem 2010
O trabalho na construção da dignidade humana
Dicas:
Como Karl Marx e Émile Durkheim podem colaborar para esta discussão?
Karl Marx:
 No capitalismo, o trabalho, os meios de produção e os bens produzidos são transformados em mercadoria.
 Ocorre, portanto, um processo de alienação do trabalho: o valor de troca, definido pela relação entre oferta e demanda,
se sobrepõe ao valor de uso, que está relacionado à utilidade intrínseca do bem produzido. Como consequência, o
controle sobre a finalidade do trabalho não está nas mãos de quem produz, mas nas mãos dos que detêm a
propriedade privada dos meios de produção e que, em razão disso, visam à maximização do lucro, não o bem-estar
social.
Émile Durkheim:
 De acordo com Durkheim, o desenvolvimento do capitalismo implicou um processo de divisão social do trabalho.
 Esta divisão leva a um enfraquecimento da força moral da consciência coletiva relacionada a um tipo específico de
solidariedade: a solidariedade mecânica.
 Para restabelecer, portanto, a autoridade moral da consciência coletiva, gerando novamente coesão social, surge,
segundo Durkheim, um novo tipo de solidariedade, chamada orgânica, que, através do Direito, leva os indivíduos e
grupos sociais a cooperarem uns com os outros.

17
Exercícios de fixação
A filosofia da História – o primeiro tema da filosofia de Augusto Comte – foi
sistematizada pelo próprio Comte na célebre “Lei dos Três Estados” e tinha o objetivo
de mostrar por que o pensamento positivista deve imperar entre os homens. Sobre a
“Lei do Três Estados” formulada por Comte, é correto afirmar que
a) Augusto Comte demonstra com essa lei que todas as ciências e o espírito humano
desenvolvem-se na seguinte ordem em três fases distintas ao longo da história: a
positiva, a teológica e a metafísica.
b) na “Lei dos Três Estados” a argumentação desempenha um papel de primeiro plano
no estado teológico. O estado teológico, na sua visão, corresponde a uma etapa
posterior ao estado positivo.
c) o estado positivista apresenta-se na “Lei dos Três Estados” como o momento em que
a observação prevalece sobre a imaginação e a argumentação, e na busca de leis
imutáveis nos fenômenos observáveis.
d) para Comte, o estado metafísico não tem contato com o estado teológico, pois
somente o estado metafísico procura soluções absolutas e universais para os
problemas do homem.

18
Exercícios de fixação
O positivismo foi uma das grandes correntes de pensamento social, destacando-
se, entre seus principais teóricos, Augusto Comte e Émile Durkheim. Sobre a
concepção de conhecimento científico presente no positivismo do século XIX, é
correto afirmar:
a) A busca de leis universais só pode ser empreendida no interior das ciências
naturais, razão pela qual o conhecimento sobre o mundo dos homens não é
científico.
b) Os fatos sociais fogem à possibilidade de constituírem objeto do
conhecimento científico, haja vista sua incompatibilidade com os princípios
gerais de objetividade do conhecimento e a neutralidade científica.
c) Apreender a sociedade como um grande organismo, a exemplo do que fazia o
materialismo histórico, é rejeitado como fonte de influência e orientação para as
investigações empreendidas no âmbito das ciências sociais.
d) A ciência social tem como função organizar e racionalizar a vida coletiva, o
que demanda a necessidade de entender suas regras de funcionamento e suas
instituições forjadas historicamente.

19
Exercícios de fixação
O positivismo é a linha de pensamento dominante no trabalho de Comte. Sobre
essa corrente de pensamento, marque a alternativa correta:
a) o pensamento positivo baseia-se no bom humor e na felicidade, que devem
comandar as ações do sujeito social moderno que busca entender os conflitos
que se instauram no mundo pós-revolução industrial.
b) as classes sociais sempre estarão em conflito generalizado entre si, uma vez
que o caráter positivo da realidade de uma sempre resultará em resultados
negativos para as outras.
c) o conhecimento verdadeiro só pode ser obtido por meio da experimentação e
pelo aferimento científico.
d) o mundo palpável e observável insere-se dentro do conceito de conhecimento
negativo, e a jornada espiritual voltada para Deus configura-se como o
conhecimento positivo.

20
Exercícios de fixção

(Uel 2016) A ordem e o progresso constituem partes fundamentais da Sociologia de Auguste


Comte. Com base nas ideias comteanas, assinale a alternativa correta.

a) A ordem social total se estabelece de acordo com as leis da natureza, e as possíveis deficiências
existentes podem ser retificadas mediante a intervenção racional dos seres humanos.
b) A liberdade de opinião e a diferença entre os indivíduos são fundamentos da solidariedade na
formação da estática social; essa diversidade produz vantagens para a evolução, em comparação com
a homogeneidade.
c) O desenvolvimento das forças produtivas é a base para o progresso e segue uma linha reta, sem
oscilações e, portanto, a interferência humana é incapaz de alterar sua direção ou velocidade.
d) O progresso da sociedade, em conformidade com as leis naturais, é resultado da competição entre
os indivíduos, com base no princípio de justiça de que os mais aptos recebem as maiores
recompensas.
e) O progresso da sociedade é a lei natural da dinâmica social e, considerado em sua fase intelectual, é
expresso pela evolução de três estados básicos e sucessivos: o doméstico, o coletivo e o universal.

21
Exercícios de fixação
(Uel 2015) Leia o texto a seguir.

Até o século XVIII, a maioria dos campos de conhecimento, hoje enquadrados sob o rótulo de ciências, era ainda,
como na Antiguidade Clássica, parte integral dos grandes sistemas filosóficos. A constituição de saberes
autônomos, organizados em disciplinas específicas, como a Biologia ou a própria Sociologia, envolverá, de uma
forma ou de outra, a progressiva reflexão filosófica, como a liberdade e a razão.
Adaptado de: QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L. O.; OLIVEIRA, M. G. M. Um Toque de Clássicos: Marx, Durkheim e
Weber. Belo Horizonte: UFMG, 2002. p.12.

Com base nos conhecimentos sobre o surgimento da Sociologia, assinale a alternativa que apresenta, corretamente,
a relação entre conhecimento sociológico de Auguste Comte e as ideias iluministas.

a) A ideia de desenvolvimento pela revolução social foi defendida pelo Iluminismo, que influenciou o Positivismo.
b) A crença na razão como promotora do progresso da sociedade foi compartilhada pelo Iluminismo e pelo Positivismo.
c) O Iluminismo forneceu os princípios e as bases teóricas da luta de classes para a formulação do Positivismo.
d) O reconhecimento da validade do conhecimento teológico para explicar a realidade social é um ponto comum entre o
Iluminismo e o Positivismo.
e) Os limites e as contradições do progresso para a liberdade humana foram apontados pelo Iluminismo e aceitos pelo
Positivismo.

22
Exercícios de fixação
(Ueg 2013) A sociologia nasce no séc. XIX após as revoluções burguesas sob o
signo do positivismo elaborado por Augusto Comte. As características do
pensamento comtiano são:
a) a sociedade é regida por leis sociais tal como a natureza é regida por leis
naturais; as ciências humanas devem utilizar os mesmos métodos das ciências
naturais e a ciência deve ser neutra.
b) a sociedade humana atravessa três estágios sucessivos de evolução: o
metafísico, o empírico e o teológico, no qual predomina a religião positivista.
c) a sociologia como ciência da sociedade, ao contrário das ciências naturais,
não pode ser neutra porque tanto o sujeito quanto o objeto são sociais e estão
envolvidos reciprocamente.
d) o processo de evolução social ocorre por meio da unidade entre ordem e
progresso, o que necessariamente levaria a uma sociedade comunista.

23
Exercícios de fixção
(Uema 2012) Auguste Comte, Karl Marx e Émile Durkheim são considerados os grandes
pilares da Sociologia como ciência burguesa. Nessa época, a Sociologia, para se
afirmar no campo das ciências, adotou o Positivismo. Assinale a assertiva que melhor
expressa o sentido do Positivismo sociológico.
a) Busca da complexidade e dualidade – sociedade concebida como prenhe de conflitos
e contradições; há uma circularidade entre todo e parte, ou seja, um determina o outro
simultaneamente.
b) Busca da objetividade e neutralidade – sociedade concebida como um organismo
combinado de partes integradas e coesas que funcionam harmoniosamente, de acordo
com um modelo físico ou mecânico de organização.
c) Busca da singularidade e objetividade – sociedade concebida como mutável, visto
que não há homem e nem sociedade ideal isolados na natureza, mas ambos conjugados
concretamente a um momento histórico definido.
d) Busca da complexidade e singularidade – sociedade e seus sistemas não atemporais.
Privilégio da parte sobre o todo.
e) Busca de subjetividade e pluralidade – sociedade é uma verdadeira máquina
organizada, cujas partes, todas elas, contribuem de uma maneira diferente para o
avanço do conjunto, adequando-se às demandas do mercado.

24
Exercícios de fixação
(Ufrgs 2012) Tanto Augusto Comte quanto Karl Marx identificam imperfeições na sociedade
industrial capitalista, embora cheguem a conclusões bem diferentes: para o positivismo de
Comte, os conflitos entre trabalhadores e empresários são fenômenos secundários, deficiências,
cuja correção é relativamente fácil, enquanto, para Karl Marx, os conflitos entre proletários e
burgueses são o fato mais importante das sociedades modernas. A respeito das concepções
teóricas desses autores, é CORRETO afirmar:
a) Comte pensava que a organização científica da sociedade industrial levaria a atribuir a cada
indivíduo um lugar proporcional à sua capacidade, realizando-se assim a justiça social.
b) Comte considera que a partir do momento em que os homens pensam cientificamente, a
atividade principal das coletividades passa a ser a luta de classes que leva necessariamente à
resolução de todos os conflitos.
c) Marx acredita que a história humana é feita de consensos e implica, por um lado, o
antagonismo entre opressores e oprimidos; por outro lado, tende a uma polarização em dois
blocos: burgueses e proletários.
d) Para Karl Marx, o caráter contraditório do capitalismo manifesta-se no fato de que o
crescimento dos meios de produção se traduz na elevação do nível de vida da maioria dos
trabalhadores embora não elimine as desigualdades sociais.
e) Tanto Augusto Comte quanto Karl Marx concordam que a sociedade capitalista industrial
expressa a predominância de um tipo de solidariedade, que classificam como orgânica, cujas
características se refletirão diretamente em suas instituições.

25
Exercícios de fixação
(Unioeste 2012) ,A filosofia da História – o primeiro tema da filosofia de Augusto Comte
– foi sistematizada pelo próprio Comte na célebre “Lei dos Três Estados” e tinha o
objetivo de mostrar por que o pensamento positivista deve imperar entre os homens.
Sobre a “Lei do Três Estados” formulada por Comte, é correto afirmar que
a) Augusto Comte demonstra com essa lei que todas as ciências e o espírito humano
desenvolvem-se na seguinte ordem em três fases distintas ao longo da história: a
positiva, a teológica e a metafísica.
b) na “Lei dos Três Estados” a argumentação desempenha um papel de primeiro plano
no estado teológico. O estado teológico, na sua visão, corresponde a uma etapa
posterior ao estado positivo.
c) o estado teológico, segundo está formulada na “Lei dos Três Estados”, não tem o
poder de tornar a sociedade mais coesa e nenhum papel na fundamentação da vida
moral.
d) o estado positivista apresenta-se na “Lei dos Três Estados” como o momento em que
a observação prevalece sobre a imaginação e a argumentação, e na busca de leis imutá-
veis nos fenômenos observáveis.
e) para Comte, o estado metafísico não tem contato com o estado teológico, pois
somente o estado metafísico procura soluções absolutas e universais para os
problemas do homem.

26
Exercícios de fixação
(Unimontes 2012) Auguste Comte (1798-1857) foi um pensador positivista que
propôs uma nova ciência social à Sociologia, que inicialmente foi chamada de
Física Social. Sobre os princípios dessa ciência para esse autor, analise as
afirmativas e assinale as alternativas, marcando V para verdadeiro ou F para
falso.
( F ) No estágio positivo, a vida social será explicada pela filosofia, triunfando
sobre todas as outras formas de pensamento.
(V) A imposição da disciplina era, para os positivistas, uma função primordial da
escola, pois ali os membros de uma sociedade aprenderiam, desde pequenos, a
importância da obediência e da hierarquia.
(F) A maturidade do espírito seria encontrada na ciência; por isso, na escola de
inspiração positivista, os estudos literários e artísticos prevalecem sobre os
científicos.
(V) Defendeu a necessidade de substituir a educação europeia, ainda
essencialmente teológica, metafísica e literária, por uma educação positiva,
conforme o espírito da civilização moderna

27
Exercícios de fixação
(Ufu 1998) Sobre o positivismo, como uma das formas de pensamento social, podemos
afirmar que
I. é a primeira corrente teórica do pensamento sociológico preocupada em definir o
objeto, estabelecer conceitos e definir uma metodologia.
II. derivou-se da crença no poder absoluto e exclusivo da razão humana em conhecer a
realidade e traduzi-la sob a forma de leis naturais.
III. foi um pensamento predominante na Alemanha, no século XIX, nascido
principalmente de correntes filosóficas da Ilustração.
IV. nele, a sociedade foi concebida como um organismo constituído de partes
integradas e coisas que funcionam harmoniosamente, segundo um modelo físico ou
mecânico.

a) II, III e IV estão corretas.


b) I, II e III estão corretas.
c) I, II e IV estão corretas.
d) I e III estão corretas.
e) Todas as afirmativas estão corretas.

28
Exercícios de fixação
(Unicentro 2011) Para Augusto Comte, uma das funções da Sociologia ou Física
Social era encontrar leis sociais que conduzissem o progresso da humanidade.
Sobre os estágios do progresso social discutidos pelo autor, é correto afirmar:
a) O estágio teológico nega a existência de apenas uma explicação divina para
os fenômenos naturais e sociais.
b) O positivismo é o estágio superior do progresso social, porque se sustenta
nos métodos científicos.
c) O estágio mais simples é o mítico, seguido pelo teológico e pelo científico,
que é o mais elaborado.
d) O primeiro estágio do conhecimento é o metafísico, em que conceitos
abstratos explicam o mundo.
e) A Europa exemplificava uma sociedade em estado de desenvolvimento
teológico.

29
Exercícios de fixação
(Ifsp 2011) Segundo a Lei dos Três Estados, conceito fundamental na obra de
Auguste Comte, a evolução das concepções intelectuais da humanidade
percorreu três estados teóricos distintos e consecutivos, a saber:
a) Mitológico, teológico e filosófico.
b) Teológico, metafísico e científico.
c) Metafísico, abstrato e positivo.
d) Fetichista, teológico e positivo.
e) Mitológico, filosófico e científico.

30
Exercícios de fixação
(UFMA) Os principais fatos histórico-sociais que propiciaram o surgimento da
sociologia foram:
a) a Revolução dos cravos em Portugal e a Revolução Moçambicana.
b) a Revolução Industrial e a Revolução Francesa.
c) a Revolução Russa e a Revolução Chinesa.
d) a Revolução Mexicana e a Revolução Nicaraguense.
e) a Revolução Cubana e a Revolução Chinesa

31
Exercícios de fixação
UEM (2011) - Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia
como ciência, assinale o que for correto.
a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria conduziu a uma grande
concentração da população no ambiente urbano, o qual acabou se constituindo em
laboratório para o trabalho de intelectuais interessados no estudo dos problemas que
essa nova realidade social gerava.
b) A migração de grandes contingentes populacionais do campo para as cidades gerou
uma série de problemas modernos, que passaram a demandar investigações visando à
sua resolução ou minimização.
c) Os primeiros intelectuais interessados no estudo dos fenômenos provocados pela
revolução industrial compartilhavam uma perspectiva positiva sobre os efeitos do
desenvolvimento econômico baseado no modelo capitalista.
d) Os conflitos entre capital e trabalho, potencializados pela concentração dos
operários nas fábricas, foram tema de pesquisa dos precursores da sociologia e
continuam inspirando debates científicos relevantes na atualidade.
e) A necessidade de controle da força de trabalho fez com que as fábricas e indústrias
do século XIX inserissem sociólogos em seus quadros profissionais para atuarem no
desenvolvimento de modelos de gestão mais eficientes e produtivos.

32
Exercícios de fixação
De acordo com Émile Durkheim, os fatos sociais são características que moldam
o comportamento dos indivíduos em sociedade. Os fatos sociais são definidos
pelo autor como sendo:
a) Exteriores ao indivíduo, expressivos e generalizados.
b) Generalizados, expressivos e naturais.
c) Exteriores ao indivíduo, coercitivos e generalizados.
d) Coercitivos, naturais e expressivos.

33
Exercícios de fixação
A sociologia, para Durkheim, deveria ocupar-se do estudo das sociedades no
intuito de:
a) conhecer a fundo o ser humano e suas diversas facetas perante a sua
interação com o outro, priorizando sua individualidade.
b) Entender a fundo os processos sociais que formam a realidade social do
homem, atentando principalmente aos aspectos gerais, e não aos individuais.
c) Descobrir e tratar todos os males humanos que afligem a sociedade, tendo
como objetivo a formação de uma raça humana perfeita.
d) A criação de uma seita científica, com o objetivo de construir o verdadeiro
conhecimento em busca da perfeição humana.

34
Exercícios de fixação

(Ufu 2016) A Sociologia surge no século XIX, momento marcado por uma
intensa crise social na Europa. Émile Durkheim não deixou de ser influenciado
por esse contexto. Nesse sentido, um dos seus objetivos era fazer da
Sociologia uma disciplina científica capaz de criar repostas aos desafios
enfrentados pela sociedade moderna.
Entre os desafios, colocava-se a crescente contradição entre capital e
trabalho, entendida pelo autor como um exemplo dos efeitos de um estado de
anomia, caracterizado
a) pela excessiva regulamentação estatal sobre as atividades econômicas.
b) pela intensificação dos laços de solidariedade mecânica no interior das
corporações.
c) pela ausência de instituições capazes de exercerem um poder moral sobre os
indivíduos.
d) pelo aprofundamento da desigualdade econômica.

35
Exercícios de fixação

(Ufu 2016) Em 1987, a então Primeira-Ministra da Grã-Bretanha, Margaret Thatcher, deu


uma declaração durante uma entrevista que resumia, em parte, o seu ideário político
liberal: “A sociedade não existe. Existem homens, existem mulheres e existem
famílias”.
O governo de Thatcher ficaria conhecido como um dos precursores do chamado
Estado neoliberal, que enfatizava, entre outros ideais, o individualismo. Assim, esta
concepção de governo contradiz os fundamentos da Sociologia de Durkheim, segundo
o qual a sociedade poderia ser identificada
a) como a soma de indivíduos que definem seus valores em comum, unindo-se por laços de
solidariedade voluntária.
b) a partir da existência de um contrato social que dá origem ao Estado e à sociedade civil.
c) como o resultado da ação da classe dominante, capaz de reunir e controlar as massas.
d) pela síntese de ações e sentimentos individuais que originam uma vida psíquica sui
generis.

36
Exercícios de fixação

(Ueg 2016) O objeto de estudo da sociologia, para Durkheim, é o fato social,


que deve ser tratado como “coisa” e o sociólogo deve afastar suas prenoções
e preconceitos. A construção durkheimiana do objeto de estudo da sociologia
pode ser considerada

a) positivista, pois se fundamenta na busca de objetividade e neutralidade.


b) dialética, pois reconhece a existência de uma realidade exterior ao
pesquisador.
c) kantiana, pois trata da “coisa em si” e realiza a coisificação da realidade.
d) nietzschiana, pois coloca a “vontade de poder” como fundamento para a
pesquisa.
e) weberiana, pois aborda a ação social racional atribuída por um sujeito.

37
Exercícios de fixação
(Unioeste 2015) “Solidariedade orgânica” e “solidariedade mecânica” são conceitos propostos pelo
sociólogo francês Émile Durkheim (1858-1917) para explicar a 'coesão social' em diferentes tipos de
sociedade. De acordo com as teses desse estudioso, nas sociedades ocidentais modernas, prevalece a
'solidariedade orgânica', onde os indivíduos se percebem diferentes embora dependentes uns dos
outros. A lógica do mercado capitalista, entretanto, baseada na competição individualista em busca do
lucro, pode corromper os vínculos de solidariedade que asseguram a coesão social e conduzir a uma
situação de 'anomia'.
De acordo com os postulados de Durkheim, é CORRETO dizer que o conceito de “anomia” indica

a) a necessidade de todos demonstrarem solidariedade com os mais necessitados.


b) uma situação na qual aqueles indivíduos portadores de um senso moral superior devem se colocar como
líderes dos grupos dos quais fazem parte.
c) a condição na qual os indivíduos não se identificam como membros de um grupo que compartilha as mesmas
regras e normas e têm dificuldades para distinguir, por exemplo, o certo do errado e o justo do injusto.
d) o consumismo exacerbado das novas gerações, representado pelo aumento do número de shopping centers
nas cidades.
e) a solidariedade que as pessoas demonstram quando entoam cantos nacionalistas e patrióticos em
manifestações públicas como os jogos das seleções nacionais de futebol.

38
Exercícios de fixação

(Unimontes 2015) Coube a Émile Durkheim (1858-1917) a institucionalização da


Sociologia como disciplina acadêmica. Para o sociólogo clássico francês, a
sociedade moderna implica uma diferenciação substancial de funções e
ocupações profissionais. Sobre as análises desse autor, é CORRETO afirmar:

a) O problema social é estritamente econômico e depende de vontades individuais.


b) O desenvolvimento da sociedade moderna deve passar por um processo de
ruptura social e permanente anomia.
c) A questão social é também um problema de moralização e organização consciente
da vida econômica.
d) Para Durkheim, na sociedade moderna não há possibilidades de desenvolvimento
das coletividades, por necessitar de novos pactos políticos dos governantes.

39
Exercícios de fixação

(Ufu 2015) A concepção da Sociologia de Durkheim se baseia em uma teoria do fato social.
Seu objetivo é demonstrar que pode e deve existir uma Sociologia objetiva e científica,
conforme o modelo das outras ciências, tendo por objeto o fato social.
ARON, R. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 1995. p. 336.

Em vista do exposto, assinale a alternativa correta.

a) Durkheim demonstrou que o fato social está desconectado dos padrões de comportamento
culturais do indivíduo em sociedade e, portanto, deve ser usado para explicar apenas alguns tipos de
sociedade.
b) Segundo Durkheim, a primeira regra, e a mais fundamental, é considerar os fatos sociais como
coisas para serem analisadas.
c) O estado normal da sociedade para Durkheim é o estado de anomia, quando todos os indivíduos
exercem bem os fatos sociais.
d) A solidariedade orgânica, para Durkheim, possui pequena divisão do trabalho social, como pode
ser demonstrada pela análise dos fatos sociais da sociedade.

40
Exercícios de fixãção

(Uel 2014) A cidade desempenha papel fundamental no pensamento de Émile Durkheim, tanto
por exprimir o desenvolvimento das formas de integração quanto por intensificar a divisão do
trabalho social a ela ligada. Com base nos conhecimentos acerca da divisão de trabalho social
nesse autor, assinale a alternativa correta.

a) A crescente divisão do trabalho com o intercâmbio livre de funções no espaço urbano torna obsoleta
a presença de instituições.
b) A solidariedade orgânica é compatível com a sociedade de classes, pois a vida social necessita de
trabalhos diferenciados.
c) Ao criar seres indiferenciados socialmente, o “homem massa”, as cidades recriam a solidariedade
mecânica em detrimento da solidariedade orgânica.
d) O efeito principal da divisão do trabalho é o aumento da desintegração social em razão de trabalhos
parcelares e independentes.
e) O equilíbrio e a coesão social produzidos pela crescente divisão do trabalho decorrem das vontades
e das consciências individuais.

41
Exercícios de fixação

(Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza


o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande
importância à medida que inclui ou exclui indivíduos de categorias ou estratos
sociais. Ele exemplifica bem aquilo que Durkheim afirmava ser o objeto de estudo
dos sociólogos: uma representação coletiva que além de ser válida para todos os
indivíduos que fazem parte de um determinado grupo, expressa a exterioridade e a
coercitividade. Assinale nas opções a seguir aquela que apresenta o objeto de estudo
da Sociologia segundo Durkheim.

a) Fatos sociais.
b) Expressões culturais.
c) Ações sociais.
d) Estruturas políticas.
e) Relações sociais.

42
Exercícios de fixação
(Unioeste 2012) Émile Durkheim é considerado um dos fundadores das Ciências Sociais e
entre as suas diversas obras se destacam “As Regras do Método Sociológico”, “O Suicídio”
e “Da Divisão do Trabalho Social”. Sobre este último estudo, é correto afirmar que

a) a divisão do trabalho possui um importante papel social. Muito além do aumento da


produtividade econômica, a divisão garante a coesão social ao possibilitar o surgimento de um tipo
específico de solidariedade.
b) a solidariedade mecânica é o resultado do desenvolvimento da industrialização, que garantiu
uma robotização dos comportamentos humanos.
c) a solidariedade orgânica refere-se às relações sociais estabelecidas nas sociedades mais
tradicionais. O nome remete ao entendimento da harmonia existentes nas comunidades de menor
taxa demográfica.
d) indiferente dos tipos de solidariedade predominantes, o crime necessita ser punido por
representar uma ofensa às liberdades e à consciência individual existente em cada ser humano.
e) a consciência coletiva está vinculada exclusivamente às ações sociais filantrópicas
estabelecidas pelos indivíduos na contemporaneidade, não tendo nenhuma relação com tradições
e valores morais comuns.

43
Exercícios de fixação

(Ufu 2011) Segundo Durkheim, o crime é um fato social presente em toda sociedade. Para o
autor, nem todo crime é anômico, mas apenas aquele que corresponde a uma crise de coesão
social.A partir do exposto acima, assinale a alternativa correta sobre o significado de anomia
social em Durkheim.

a) Ocorre quando há, nas sociedades modernas, com seus intensos processos de mudança, uma
situação em que o conjunto de regras, valores e procedimentos são reconhecidos por todos os
indivíduos, levando ao desenvolvimento da sociedade.
b) Conceito que descreve os sentimentos de falta de objetivos e de desespero provocados pelo
processo de mudanças do mundo moderno, os quais resultam na perda da influência das normas
sociais sobre o comportamento individual.
c) Conceito que descreve a ocorrência, nas sociedades modernas, com seus intensos processos de
mudança, de um estado de complementaridade e interdependência entre os indivíduos, o que leva a
uma menor divisão do trabalho social e ao fortalecimento das instituições sociais.
d) Ocorre quando os sentimentos de falta de objetivos e de desespero provocados pelo processo de
mudanças do mundo moderno resultam no fortalecimento da coesão social e da influência das
normas sociais sobre o comportamento individual.

44
Exercícios de fixação

Uel – 2011 Leia o texto a seguir.


De acordo com Susie Orbach, “Muitas coisas feitas em nome da saúde geram dificuldades pessoais e psicológicas.
Olhar fotos de corpos que passaram por tratamento de imagem e achar que correspondem à realidade cria
problema de autoimagem, o que leva muitas mulheres às mesas de cirurgia. Na geração das minhas filhas, há
garotas que gostam e outras que não gostam de seus corpos. Elas têm medo de comida e do que a comida pode
fazer aos seus corpos. Essa é a nova norma, mas isso não é normal. Elas têm pânico de ter apetite e de atender aos
seus desejos”.
(Adaptado: “As mulheres estão famintas, mas têm medo da comida”, Folha de S. Paulo, São Paulo, 15 ago. 2010, Saúde.
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd1508201001.htm>. Acesso em: 15 out. 2010).

Com base no texto e nos conhecimentos sobre o pensamento de Émile Durkheim, é correto afirmar:
a) O conflito geracional produz anomia social, dada a incapacidade de os mais velhos compreenderem as aspirações dos
mais novos.
b) Os padrões do que se considera saudável e belo são exemplos de fato social e, portanto, são suscetíveis de exercer
coerção sobre o indivíduo.
c) Normas são prejudiciais ao desenvolvimento social por criarem parâmetros e regras que institucionalizam o agir dos
indivíduos.
d) A consciência coletiva é mais forte entre os jovens, voltados que estão a princípios menos individualistas e egoístas.
e) A base para a formação de princípios morais e de solidez das instituições são os desejos individuais, visto estes
traduzirem o que é melhor para a sociedade.

45
Capitalismo e Revolução
Industrial

Preparatório para o Enem e exames vestibulares

46
A sociedade que se construiu no século XIX fundou-se sobre
os princípios ideológicos estabelecidos pela economia política
no século XVIII: a crença de que as relações sociais deveriam
organizar-se para dar expressão ao impulso “natural” do
homem de buscar livre e individualmente seus interesses
materiais.
Nas sociedades pré-industriais, os mercados e a troca
econômica estavam encapsulados na sociedade, tendo nela um
papel frequentemente marginal com relação à ordenação social
e mesmo quanto à alocação de recursos.

47
Com a revolução industrial e seu impacto sobre o
capitalismo mercantil, abriu-se a possibilidade de se
pensar a organização econômica de modo desarticulado
da organização social, desencampsulando a economia
da sociedade e, no limite, invertendo o processo,
subordinando a própria sociedade à lógica dos
mercados e, desse modo, à economia.
Antes da revolução industrial, o trabalho regulado e o
trabalho forçado eram as duas modalidades principais
de organização do trabalho.
48
As regulamentações das profissões no Antigo Regime, especialmente
nas cidades, impediam a existência de um mercado em que as
mercadorias circulassem livremente: nem concorrência, nem liberdade
de aumentar a produção. Mas também impediam a existência de um
mercado de trabalho: nem liberdade de contratação, nem liberdade de
circulação de trabalhadores.
 Essa organização do trabalho engessava as relações laborais, e a
rigidez de suas regras impedia o desenvolvimento de um processo de
acumulação capitalista, dificultando o fluxo de matéria-prima e mão-de-
obra para a indústria, bloqueando a expansão da produção.

49
A “libertação” da condição operária teve suas
consequências: Ao lado de um aumento da abundância
e da riqueza sem precedentes, o que se viu também
com mais força a partir do final do século XVIII foi a
ascensão, nos mesmos países que lideravam a
produção industrial e abraçavam o livre comércio, de um
tipo de pobreza que era terrivelmente novo.
A indigência de massa que acompanhava a
prosperidade diferia enormemente da miséria e da
mendicidade no Antigo Regime.
50
O elemento novo, que já começa a aparecer bem antes do século XIX, mas que se
expõe radicalmente então, é precisamente uma vulnerabilidade de massa, isto é,
uma precariedade das condições da existência que é estrutural nessa sociedade,
onde as relações de trabalho passam a ser marcadas não apenas pelos baixos
salários, mas também pela instabilidade do emprego, a busca de ocupações
provisórias, a intermitência do tempo de trabalho e a própria ausência de emprego.
Para que se implantasse de fato uma ordenação contratual do trabalho “livre”, o que
se pedia aos trabalhadores é que compreendessem que seus “verdadeiros
interesses” não significavam a garantia contra a miséria através de um salário
seguro, mas, sim, a aceitação da ideologia liberal que os coloca em situação de
concorrência, remunera as ‘faculdades’ e os ‘talentos’, penaliza os medíocres e os
fracos.

51
Superado o mundo do trabalho tutelado e forçado, o
que se descobre é que a condição operária se torna
frágil ao mesmo tempo em que se liberta. Essa
fragilidade consiste na descoberta de que a liberdade
sem proteção pode levar à pior servidão: a da
necessidade.

52
(ENEM 2009) A prosperidade induzida pela emergência das máquinas de tear escondia uma
acentuada perda de prestígio. Foi nessa idade de ouro que os artesãos, ou os tecelões
temporários, passaram a ser denominados, de modo genérico, tecelões de teares manuais.
Exceto em alguns ramos especializados, os velhos artesãos foram colocados lado a lado com
novos imigrantes, enquanto pequenos fazendeiros-tecelões abandonaram suas pequenas
propriedades para se concentrar na atividade de tecer. Reduzidos à completa dependência
dos teares mecanizados ou dos fornecedores de matéria-prima, os tecelões ficaram expostos
a sucessivas reduções dos rendimentos. THOMPSON, E. P. The making of the english working
class. Harmondsworth: Penguin Books, 1979 (adaptado).Com a mudança tecnológica ocorrida
durante a Revolução Industrial, a forma de trabalhar alterou-se porque
A) a invenção do tear propiciou o surgimento de novas relações sociais.
B) os tecelões mais hábeis prevaleceram sobre os inexperientes.
C) os novos teares exigiam treinamento especializado para serem operados.
D) os artesãos, no período anterior, combinavam a tecelagem com o cultivo de
subsistência.
E) os trabalhadores não especializados se apropriaram dos lugares dos antigos artesãos
nas fábricas.
53
(ENEM 2010) A Inglaterra pedia lucros e recebia lucros. Tudo se transformava em lucro. As
cidades tinham a sua sujeira lucrativa, suas favelas lucrativas, sua fumaça lucrativa, sua
desordem lucrativa, sua ignorância lucrativa, seu desespero lucrativo. As novas fábricas e os
novos alto-fornos eram como as Pirâmides, mostrando mais a escravização do homem que o
seu poder. DEANE, P. A Revolução Industrial. Zahar, 1979 (adaptado) Qual relação é
estabelecida no texto, entre os avanços tecnológicos ocorridos no contexto da revolução
Industrial Inglesa, e as características das cidades industriais no início do século XIX ?
a) A facilidade em se estabelecer relações lucrativas transformava as cidades em espaços
privilegiados para livre iniciativa, característica da nova sociedade capitalista.
b) O desenvolvimento de métodos de planejamento urbano aumentava a eficiência do trabalho
industrial.
c) A construção de núcleos urbanos integrados por meios de transporte facilitava o
deslocamento dos trabalhadores das periferias até as fábricas.
d) A grandiosidade dos prédios onde se localizavam as fábricas revelava os avanços da
engenharia e da arquitetura do período, transformando as cidades em locais de
experimentação estética e artística.
e) O alto nível de exploração dos trabalhadores industriais ocasionava o surgimento de
aglomerados urbanos ,marcados por péssimas condições de moradia, saúde e higiene.

54