Você está na página 1de 70

Trocador de calor

SIMULAÇÃO DE PROCESSOS
Trocador de calor

 Definição:
Os trocadores de calor são equipamentos utilizados nos processos
industriais onde dois fluidos com temperaturas diferentes trocam calor
através de uma interface normalmente metálica, na ausência de
chama, visando atender às necessidades do processo ou economizar a
energia que seria perdida para o ambiente.
Trocador de calor

 Aplicações:

• Redução de temperatura até a temperatura ambiente


• Condicionamento de ar e resfriamento de óleo na área de transportes;
• Eliminação de poluentes e novas tecnologias de refrigeração, menos
danosas ao meio ambiente;
• Usinas termoelétricas, geotérmicas, nucleares para a conversão de
energia.
Trocador de calor

 Classificações:
 Quanto ao processo de transferência;
 Quanto ao contato entre as correntes;
 Quanto ao número de correntes;
 Quanto a razão área de troca/volume;
 Quanto à construção;
 Quanto à disposição das correntes;
 Quanto ao processo de transferência:

Processo de
transferência

Contato Indireto Contato Direto


2) Quanto ao contato entre as correntes:

Trocadores de
Calor

Contato Contato
Indireto Direto

Transferênci Transferênci Leito Fluidos Líquido/Vap


Líquido/Gás
a direta a indireta Fluidizado Imiscíveis or

Monofásico Multifásico
3) Quanto ao número de correntes:

Trocadores de Calor

2 Correntes 3 Correntes N Correntes


4) Quanto a razão área de troca/volume:

Trocadores de Calor

Trocador
Micro Trocador Trocador Não
Laminar
Trocador Compacto Compacto
(Meso)
5) Quanto à construção:

Trocadores de Calor

Tubular Placas Aletados Regenerativos


6) Quanto à disposição das correntes:

Trocadores de Calor

Passes Passes
Simples Múltiplos
Trocador casco-e-tubos

 Geralmente encontrado na indústria petroquímica e de


petróleo;
 Constituído por um feixe de tubos envolvido por um
casco cilíndrico;
 Um dos fluidos circula pelo interior dos tubos e o outro
pelo casco.
Tipos de trocadores casco-e-tubos

 Espelho fixo:
Tipos de trocadores casco-e-tubos

 Espelho flutuante:
Tipos de trocadores casco-e-tubos

 Tubos em U:
Componentes do trocador
Equações de projeto

𝑄 = 𝑈 𝐴 ∆ 𝑇𝑚𝑙

Onde: 𝑄 é a taxa de transferência de calor (w);


 𝐴 é a área de troca térmica (m2 );
 𝑈 é o coeficiente global de transferência de calor (w/ m2 °C);
 ∆ 𝑇𝑚𝑙 é diferença média de temperatura entre os fluidos (°C).
Equações de projeto

Assumindo-se também que, a transferência de


calor dos fluidos do trocador e a vizinhança sejam
desprezíveis e que ocorrem mudanças de fase dos
fluidos é possível chegar às taxas de transferência
de calor dos fluidos quente e frio, respectivamente,
conforme as equações:
Aspen plus

O que é?
O ASPEN PLUS é um pacote de software que permite a
construção de um modelo de processo e a sua simulação.

 Aplicações:
o Simular diversas condições de processo de plantas industriais;
o Projetar e dimensionar reatores, trocadores de calor, torre de
destilação etc;
o Prever comportamentos de um sistema a partir da alteração
de determinada variável;
Estudo de caso
 Em um petroquímica que fabrica polímero, deve-se adicionar água desmineralizada
a uma temperatura de 130 ºC durante a reação. Para isto foi projetado um trocador
de calor que utiliza V8 (vapor de 8), como fluido quente, a fim de realizar este pré-
aquecimento da água. Portanto, devemos verificar se o trocador selecionado
atende as condições de processo.

Caracteristicas do trocador
Condições de processo Área (m²) 41,6
AD AD VAPOR VAPOR Material C.S
Fluido entrada saida entrada saida Passes Vapor (casco) 1
Lado TUBO CASCO Passes Água Desminaralizada
Temperatura (ºC) 38 130 175 170 (tubo) 6
Pressão (bar) 5,5 5,1 8 7,95 Chicanas 8
dP máximo (bar) 0,5 1 Numero de tubos 164
Fator de incrustação Comprimento do tubo (mm) 3050
(m²hK/Kcal) 0,0002 0 Diametro do tubo (mm) 25,4
Calor (heat duty) kW 5350 Pitch (mm) 32
dT corrigido ºC 77,3 Layout do tubo 60º
Fator de correção 0,98 Segmen
Vazão kg/h 49790 9356 Tipo de chicana tal
Diametro interno do casco
(mm) 559
tutorial

 Para simular foi utilizado o software ASPEN PLUS V8.8,


juntamente com o EDR.
1) CLICAR EM NEW
1) CLICAR EM BLANK SIMULATION
2) CLICAR EM CREATE
1) CLICAR EM FIND
1) ESCREVER O NOME DO COMPOSTO
2) CLICAR EM FIND NOW
3) CLICAR EM ADD SELECTED COMPOUNDS
1) CLICAR EM METHODS
2) CLICAR EM METHODS ASSISTANT
1) CLICAR EM SPECIFY COMPONENT TYPE
1) CLICAR EM SPECIAL (WATER ONLY...)
1) CLICAR EM WATER ONLY
1) IREMOS ESCOLHER O METODO STEAMNBS2
1) EM METHODS FILTER SELECIONAR ALL
2) EM BASE METHODS SELECIONAR STMNBS2
1) CLICAR EM RUN
1) CLICAR EM SIMULATION
1) SELECIONAR EXCHANGER
2) CLICAR EM HEATX
1) CLICAR NA TELA BRANCA DO MAIN FLOWSHEET PARA FIXAR O EQUIPAMENTO
1) CLICAR EM MATERIAL
2) ADICIONAR AS 4 CORRENTES DO TROCADOR, BASTA CLICAR NO CANTO DO TROCADOR E PUXAR
1) CLICAR DUAS VEZES NA CORRENTE AD IN (ÁGUA DESMINERALIZADA QUE ENTRA)
1) PREENCHER TODOS OS DADOS DE TEMPERATURA, PRESSÃO, VAZÃO E FRAÇÃO (SE ATENTAR AS UNIDADES)
1) CLICAR DUAS VEZES NA CORRENTE VAP IN (VAPOR QUE ENTRA)
1) PREENCHER TODOS OS DADOS DE TEMPERATURA, PRESSÃO, VAZÃO E FRAÇÃO (SE ATENTAR AS UNIDADES)
1) CLICAR DUAS VEZES O BLOCO DO TROCADOR
1) SELECIONAR MODELO SHORTCUT
2) SELECIONAR COUNTERCURRENT
3) SELECIONAR SIMULATION
1) PREENCHER A ÁREA DE TROCA TÉRMICA (41,6 M²)
2) APROACH MÍNIMO DE 1 CELSIUS
1) SELECIONAR A ABA LMTD
2) LMTD CORRENTION FACTOR METHOD DEVE SER CONSTANT
3) PREENCHER O CORRETION FACTOR (0,98)
1) SELECIONAR A ABA PRESSURE DROP
2) EM SIDE SELECIONAR HOT SIDE
3) COLOCAR A QUEDA DE PRESSÃO DE 0,5 BAR (SE ATENTAR AO SINAL NEGATIVO)
1) EM SIDE SELECIONAR COLD SIDE
2) COLOCAR A QUEDA DE PRESSÃO DE 1 BAR (SE ATENTAR AO SINAL NEGATIVO)
1) CLICAR EM RUN
1) AO LADO SELECIONAR STREAM RESULTS
2) NA ÁREA EM VERMELHO TEMOS OS RESULTADOS DAS CORRENTES
1) SELECIONAR AO LADO O BLOCO DO
TROCADOR
2) SELECIONAR SHORTCUT EM MODEL
FIDELITY
3) DEIXAR SELECIONADO SHELL E TUBE
4) SELECIONAR SPECIFY EXCHANGER
GEOMETRY
5) SELECIONAR INPUT KEY GEOMETRY
6) CLICAR EM CONVERT
1) PREENCHER TODOS OS DADOS DE ACORDO COM O DATA SHEET
1) PREENCHER TODOS OS DADOS DE ACORDO COM O DATA SHEET
1) CLICAR NA ABA PROCESS
2) PREENCHER O FOULING RESISTANCE EM 0,0002 M²-H-C/KCAL (SE ATENTAR A UNIDADE)
1) CLICAR EM RUN
1) DEIXAR DISPLAY SELECIONADO
2) CLICAR EM OK
1) CLICAR NO CANTO SUPERIOR DIREITO VERMELHO EM EXCHANGERS
1) EM AMARELO PODE SER IDENTIFICADO O RISCO
1) CLICAR EM STREAM RESULTS NO CANTO ESQUERDO
2) PODEMOS IDENTIFICAR AS CONDIÇÕES OBTIDAS PARA CADA CORRENTE
1) NA ESQUERDA CLICAR EM BLOCKS-TROCADOR
2) EM MODEL FIDELITY SELECIONAR SHEEL E TUBE
3) EM HOT FLUID SELECIONAR SHELL
4) EM CALCULATION MODE SELECIONAR RATING
5) EM SPECIFICATION SELECIONAR COLD STREAM
OUTLET TEMPERATURE
6) PREENCHER O VALOR DA TEMPERATURA (130
CELSIUS)
1) CLICAR EM RESET
2) CLICAR EM OK
1) CLICAR EM OK
1) CLICAR EM RUN
1) DEIXAR DISPLAY SELECIONADO
2) CLICAR EM OK
1) CLICAR EM EDR EXCHANGER
1) EM AMARELO PODEMOS IDENTIFICAR O RISCO
1) SELECIONAR STREAM RESULTS
2) EM VERMELHO PODE-SE IDENTIFICAR AS CONDIÇÕES DAS CORRENTES
1) CLICAR EM EDR BROWSER A ESQUERDA
2) PODEMOS IDENTIFICAR O GRÁFICO DO PERFIL DE TEMPERATURA NO INTERNO DO TROCADOR
1) SELECIONAR TUBE LAYOUT
2) PODEMOS VER A CONFIGURAÇÃO DOS TUBOS DO TROCADOR
1) NO CANTO SUPERIOR DIREITO CLICAR EM VERIFY GEOMETRY
2) SELECIONAR A ABA TUBESHEET LAYOUT
3) CLICAR EM VIBRATION TUBE, ASSIM IDENTIFICAMOS OS TUBOS COM RISCO
1) NA REGIÃO DO EDR NAGIVATION CLICAR EM RESULTS > RESULTS SUMARY > TEMA SHEET
2) SERÁ GERADO A FOLHA DE DADOS DO TROCADOR
3) SE QUISER IMPRIMIR BASTA CLICAR NO CANTO SUPERIOR DIREITO EM PRINT RESULTS
Resultado e conclusão

 Foi possível verificar que o trocador selecionado irá atender as condições de


processo.
Simulado Projeto Real
AD AD VAPOR VAPOR AD VAPOR VAPOR
entrada saida entrada saida AD entrada saida entrada saida
Temperatura (ºC) 38 130 175 170,19 38 130 175 170
Pressão (Bar) 5,5 5,22 8 7,95 5,5 5,141 8 7,957
Área (m²) 41,8 41,6
MTD corrigido
(ºC) 77,48 77,3
 Deve-se atentar as condições de ressonância em alguns feixes tubulares, a
fim de garantir a integridade do equipamento. Não foi possível obter mais
dados do interno do trocador a fim de realizar uma simulação ainda mais
criteriosa, para concluir se o risco de ressonância irá permanecer ou não.
Referências bibliográficas

 MUSTAFA, George de Souza. Equipamentos de Troca Térmica, Volume 1. Apostila


de Operações Unitárias da Indústria Química, Salvador 2010.
 MATTJIE, C.; RISTOF, R.; MICHELES, A.; Projeto de um trocador de calor para
resfriamento de fluido em um circuito hidráulico utilizado na agricultura de
precisão. Disponível em:
http://www.fahor.com.br/publicacoes/sief/2013/projeto_de_um_trocador.pdf .
Acesso em: 20 mar. 2018.
 ESTEVES, Andréa Cristina. Estudo comparativo do desempenho de um modelo
fenomenológico e de um modelo físico aplicado a um trocador de calor. 2009.
Disponível em: < https://maua.br/files/dissertacoes/desenvolvimento-de-modelo-
matematico-de-trocador-de-calor-tipo-casco-tubos.pdf>. Acesso em: 20 mar.
2018.

Você também pode gostar