Você está na página 1de 28

ESTRUTURAS DE MERCADO

Professor Julio Cesar Araujo da Silva Junior


1. INTRODUÇÃO

Estrutura de Mercado
Diferentes tipos de mercado estão estruturados de maneira
diferenciada em função do número de vendedores
(compradores) atuando no mercado e da homogeneidade ou
diferenciação dos produtos.

Por que estudar as estruturas de mercado?


O principal é compreender melhor a maneira como se
determinam os preços dos produtos e as quantidades que
serão produzidas nos diversos mercados de uma economia.
1. INTRODUÇÃO

Classificação das Estruturas de Mercado

• Concorrência Perfeita;
Com relação ao
• Concorrência Monopolística; número de
vendedores
• Oligopólio;
• Monopólio;
Com relação ao
número de

• Monopsônio; compradores

• Oligopsônio;
1. INTRODUÇÃO

 As várias formas ou estruturas de mercado dependem


fundamentalmente de três características:

a) número de empresas que compõe esse mercado;

b) tipo do produto (se as firmas fabricam produtos idênticos ou


diferenciados);

c) se existem ou não barreiras ao acesso de novas empresas


nesse mercado.

 Todos os modelos que estudaremos assumem que a firma


é maximizadora de lucros, de maneira que iguala o custo
marginal à receita marginal.
1. CONCEITOS DE LUCRO NORMAL E LUCRO EXTRAORDINÁRIO

 O custo de oportunidade do capital, que seria o ganho


alternativo que os proprietários ou acionistas aufeririam se
empregassem o capital em outra atividade ou aplicação é
também chamado de lucro normal.

 O lucro normal é o que mantém o empresário em


determinada atividade: se o lucro fosse mais baixo, ele
sairia desse mercado, aplicando em outro negócio, ou no
mercado, aplicando em outro negócio, ou no mercado
financeiro.

 O que exceder o lucro normal é chamado de lucro


extraordinário ou lucro extra ou, ainda, lucro
econômico.
2. CONCORRÊNCIA PURA OU PERFEITA

 É um tipo de mercado em que há um grande


número de vendedores (empresas), de tal
sorte que uma empresa, individualmente, não
afeta a oferta do mercado nem,
consequentemente, o preço de equilíbrio.

 Chamamos as empresas em concorrência


perfeita de tomadoras de preços ou price-
takers.
2. CONCORRÊNCIA PURA OU PERFEITA

 Características:

a) mercado atomizado, composto de grande número de


empresas;

b) produtos homogêneos: não existe diferenciação entre


produtos ofertados pelas empresas concorrentes;

c) não existem barreiras para o ingresso de empresas no


mercado;

d) transparência do mercado: todas as informações sobre


lucros, preços etc. são conhecidas por todos os participantes
do mercado.
2. CONCORRÊNCIA PURA OU PERFEITA

 Uma implicação das características citadas é que, em concorrência perfeita, no


longo prazo, não existem lucros extraordinários, apenas os lucros normais.

 Se existirem lucros extraordinários a curto prazo em algum mercado, todos


saberão, devido a transparência (item d), e outras firmas desejarão ingressar
neste mercado. Além disso, como não existem barreiras ao acesso (item c),
tais firmas de fato ingressarão em tal mercado. Isso fará com que a quantidade
ofertada aumente e o preço caia, diminuindo os lucros. Esse processo ocorrerá
até o lucro extraordinário ser igual a zero.

 Isoladamente, nenhuma firma tem poder de afetar o preço de mercado,


porque seu tamanho é muito pequeno em relação ao mercado como um
todo.

 Na prática é muito difícil encontrar um mercado tipicamente de concorrência


perfeita. Os que mais se aproximam são os mercados agrícolas e de produtos
hortifrutigranjeiros.
3. MONOPÓLIO

 O mercado monopolista apresenta condições totalmente


opostas as de concorrência perfeita.

 Nele existe um único empresário (empresa) dominando


inteiramente a oferta, de um lado, e todos os consumidores, de
outro. Não há, portanto, concorrência ou produtos substitutos.

 A curva de demanda da empresa é a própria curva de


demanda do mercado como um todo. A empresa monopolista
determina do preço de equilíbrio: se aumentar a produção, o
preço cai e vice-versa.
3. MONOPÓLIO

 Para existir monopólio devem existir barreiras à entrada


de novas firmas no mercado. Estas podem ser devido a:

a) monopólio puro ou natural: ocorre quando o mercado, por


características próprias, exige elevado volume de capital. As
empresas já instaladas operam com grandes plantas,
economias de escala e custo unitário baixo, cobrando preço
baixo, impedindo entrada de novas firmas;

b) patentes: enquanto a patente não cai em domínio público, a


empresa é a única que detém a tecnologia para produzir tal
bem;

c) controle de matérias-primas básicas: por exemplo, o


controle das minas de bauxita pelas empresas produtoras de
alumínio.
3. MONOPÓLIO

 Existem ainda os monopólios institucionais ou


estatais, em setores considerados estratégicos ou
de segurança nacional (energia, comunicações e
petróleo, por exemplo).

 Dada a existência de barreiras à entrada de


novas empresas, os lucros extraordinários
devem persistir também no longo prazo em
mercados monopolizados.
4. OLIGOPÓLIO

 O oligopólio é um tipo de estrutura normalmente caracterizada por um


pequeno número de empresas que dominam a oferta de mercado.
 Pode ser definido como um mercado em que há um pequeno número
de empresas (indústria automobilística, por ex.), ou então em que há
grande número de empresas, mas poucas dominam o mercado
(indústria de bebidas, por ex.).

 O setor produtivo brasileiro é altamente oligopolizado.

 Tanto as quantidades ofertadas como os preços são fixados entre as


empresas por meio de conluio ou cartéis.

 Cartel: organização (formal ou informal) de produtores dentro de um


setor que determina a política de preços para todas as empresas que a
ele pertencem. Costumam adotar uma política de preço comum, agindo
como monopolistas.
4. OLIGOPÓLIO

 Nos oligopólios, há empresas líderes que, via de regra, fixam o preço


respeitando as estruturas de custos das demais, e há empresas
satélites (seguidoras) que seguem as regras ditadas pelas líderes.

 Esse modelo é chamado liderança de preços. Exemplo: indústria de


bebidas brasileira.

 Podemos caracterizar oligopólios com produto diferenciados


(indústria automobilística, por ex.) e oligopólios com produto
homogêneo (alumínio, cimento).

 Objetivo da firma oligopolista: duas teorias, maximizar lucro (igualar


custos marginas às receitas marginais) ou maximizar o mark-up:
4. OLIGOPÓLIO

 A teoria do mark-up é baseada na constatação empírica de que


empresas, ao fixar seu preço de venda, não conseguem prever
adequadamente a demanda por seu produto e, portanto, suas
receitas, mas reconhecem muito bem seus custos.

 O preço cobrado pela empresa no modelo de mark-up é:

P = (1+m)C

onde P=preço do produto, C= custo direto unitário (CVMe) e m=taxa de mark-up,


que é uma porcentagem sobre os custos diretos.

 A taxa de mark-up deve ser fixada de tal forma a cobrir, além dos
custos diretos, os custos fixos, e atender a certa taxa de rentabilidade
desejada pelos acionistas da empresa.
5. CONCORRÊNCIA MONOPOLÍSTICA

 É uma estrutura de mercado intermediária entre a concorrência


perfeita e o monopólio, mas que não se confunde com o oligopólio,
pelas seguintes características:
a) número relativamente grande de empresas com certo poder
concorrencial, porém com segmentos de mercados e produtos
diferenciados, seja por características físicas, embalagem, seja pela
prestação de serviços complementares (pós-venda);
b) margem de manobra para fixação dos preços não muito ampla, uma
vez que existem produtos substitutos no mercado.

 Essas características dão um pequeno poder monopolista sobre o


preço do produto, embora o mercado seja competitivo (daí o nome
concorrência monopolística).

 Como em concorrência perfeita, não há barreiras ao acesso de


empresas no mercado. Assim, lucros extraordinários a curto prazo
atrairão novas empresas e, a longo prazo, só existirão lucros
normais.
QUADRO RESUMO DAS ESTRUTRAS DE MERCADO
Características Concorrência Monopólio Oligopólio Concorrência
perfeita monopolística
Quanto ao
Muito Grande Só há uma Pequeno
número de Grande
empresa
empresas
Homogêneo. Não Pode ser
Quanto ao Não há substitutos Diferenciado
há quaisquer homogêneo ou
produto próximos
diferenças diferenciado
As empresas tem
grande poder para Embora dificultado
manter preços pela interdependência Pouca margem de
Não há
Quanto ao relativamente entre as empresas, manobra, devido à
possibilidades de
controle das elevados, sobre essas tendem a existência de
manobras pelas
empresas tudo quando não há formar cartéis substitutos
empresas
leis restritivas do controlando preços e próximos
governo cotas de produção

Quanto à É intensa,
A empresa
exercendo-se pelas
concorrência geralmente recorre É intensa,
Não é possível nem diferenças físicas,
extra preço a campanhas sobretudo quando
seria eficaz de embalagens e
(promoções, atendimento, institucionais, para há diferenciação do
propaganda, pós-venda, prestação de
etc)
salvaguardar sua produto
serviços
imagem
complementares
Quanto às
Barreiras ao acesso Barreiras ao acesso
condições de Não há barreiras Não há barreiras
de novas empresas de novas empresas
ingresso
6. ESTRUTURAS DO MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO

 O mercado de fatores de produção – mão de obra, capital, terra e


tecnologia – também apresenta diferentes estruturas:

 Concorrência perfeita no mercado de fatores: corresponde ao


mercado cuja oferta do fator de produção (mão de obra não
especializada, por exemplo) é abundante, o que torna o preço desse
fator constante. Os fornecedores não tem condição de definir preço.

 Monopólio no mercado de fatores: quando há um monopolista na


venda de insumos.

 Oligopólio no mercado de fatores: ocorre quando poucas empresas


produzem um determinado insumo.
6. ESTRUTURAS DO MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO

 Monopsônio (monopólio na compra de insumos): há somente um


comprador para muitos vendedores dos serviços dos insumos.
Exemplo: empresa na cidade pequena do interior.

 Oligopsônio (oligopólio na compra de insumos): é o mercado em


que há poucos compradores negociando com muito vendedores.
Exemplo: laticínios, automóveis.

 Monopólio bilateral: ocorre quando um monopsonista, na compra de


um fator de produção, defronta com um monopolista na venda desse
fator. O preço dependerá de fatores econômicos e do poder de
barganha.
7. GRAU DE CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA NO BRASIL

 Uma medida comumente utilizada para verificar o grau de


concentração econômica é calcular a proporção do valor do
faturamento das quatro maiores empresas de cada ramo de
atividade sobre o total faturado no ramo específico.

 Em termos percentuais, quanto mais próximo de 100%, maior o


grau de concentração do setor; quanto mais próximo de 0%,
menor o grau de concentração do setor.

 A tabela a seguir mostra esse indicador para o ano de 1990 no Brasil.


Os setores mais concentrados naquele ano eram aços planos (100%),
material de transporte (94%), fumo (91%), amianto e gesso (88%) e
cerveja (86%). Os mais competitivos eram fiação e tecelagem (20%),
petroquímica (43%) e confecções (46%).
7. GRAU DE CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA NO BRASIL
 Faturamento das quatro maiores empresas, sobre o faturamento total de cada setor
Setor Industrial
Número de grupos Grau de Grau de concentração
considerados concentração (%) média do setor (%)

1. Alimentos 54
 Açúcar e álcool 4 51
 Moinhos 4 59
 Frigoríficos 4 53
 Conservas 4 74
2. Bebidas e fumo 85
 Sucos e concentrados 4 78
 Cerveja 2* 86
 Cigarros e fumo 3* 91
3. Eletroeletrônico 66
 Eletrodomésticos 4 60
 Equip. p/ construção 4 72
 Condutores elétricos 4 81
 Computadores 2* 64
4. Borracha (pneus e artefatos) 4 75 75
5. Material de Transporte 4 94 94
* O grupo que segue é inexpressivo ** Monopólio absoluto
7. GRAU DE CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA NO BRASIL
 Faturamento das quatro maiores empresas, sobre o faturamento total de cada setor
Setor Industrial (continuação)
Número de grupos Grau de Grau de concentração
considerados concentração (%) média do setor (%)

6. Mecânica 67
 Motores e implementos agr. 4 65
 Máquinas operatrizes 4 68
 Equipamentos pesados 4 69
7. Metalurgia 72
 Aços planos 1** 100
 Aços não-planos e especiais 4 55
 Metalurgia de não-ferrosos 4 58
8. Química 49
 Petroquímica 4 43
 Fertilizantes 4 48
 Produtos de higiene e limpeza 4 71
9. Papel e celulose 5*** 56 56
10. Têxtil 29
 Fiação e tecelagem 2* 20
 Confecções 2* 46
* O grupo que segue é inexpressivo ** Monopólio absoluto *** O 4º e o 5º estão bem próximos
7. GRAU DE CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA NO BRASIL
 Faturamento das quatro maiores empresas, sobre o faturamento total de cada setor
Setor Industrial (continuação)
Número de grupos Grau de Grau de concentração
considerados concentração (%) média do setor (%)

11. Minerais não-metálicos 73


 Cimento e cal 4 68
 Vidro e cristal 4 76
 Amianto e gesso 4 88
12. Mineração 4 76 76
13. Construção civil
 Construção pesada 4 47 47

Setor Comercial
Número de grupos Grau de Grau de concentração
considerados concentração (%) média do setor (%)

1. Varejista
4 55 55
Supermercados (redes)
2. Distribuição de gás 4 66 66
3. Distribuição de derivados de
4 79 79
petróleo
8. A AÇÃO GOVERNAMENTAL E OS ABUSOS DO PODER ECONÔMICO
NOS MERCADOS

 Dentro do Sistema Brasileiro de Defesa da


Concorrência, o Conselho Administrativo de
Direito Econômico (CADE), a Secretaria de
Desenvolvimento Econômico (SDE) e a
Secretaria de Acompanhamento Econômico
(SEAE) são órgãos que tem por objetivo julgar
processos administrativos relativos a abusos do
poder econômico, bem como analisar fusões de
empresas que podem criar situações de monopólio
ou maior domínio de mercado.
Exercícios
• 1. Suponha uma situação inicial em que o mercado
de um certo produto está no equilíbrio de mercado.
Desenhe graficamente esse equilíbrio de mercado
• Agora suponha que há uma mudança na estrutura de custos na
economia (um desastre natural que afetou a quantidade de alguns
insumos, por exemplo), que tornou mais caro produzir esse bem.
Mostre o que acontece com o equilíbrio de mercado.

• Agora suponha que as pessoas mudaram seus gostos (preferências)


por esse produto (um fator externo como temperatura ou uma
propaganda de marketing, por exemplo), e passaram a querer mais
desse produto. Mostre o que acontece com o equilíbrio de
mercado.
Exercícios
• 2. Quais as principais estruturas de mercado presentes na
economia? Quais são os fatores que temos que levar em
conta ao descrever uma estrutura de mercado? Cite uma das
estruturas de mercado e descreva as suas principais
características.
Exercícios
• 3. Imagine que todas as montadoras de automóveis
que atuam no mercado brasileiro decidam se fundir
e criar uma única empresa. Que tipo de estrutura
de mercado surgiria dessa fusão? Essa nova
empresa poderá aumentar seu preço o quanto
quiser por quanto tempo quiser? Justifique. Cite um
órgão que o governo brasileiro dispõe para avaliar
se fusões como essa são interessantes do ponto de
vista econômico.
EXERCÍCIO DE REVISÃO

4 - Caracterize o mercado em concorrência perfeita.

5 - Compare o monopólio com o oligopólio. Mostre as


características de cada estrutura de mercado.

6 – Quais são as estruturas do mercado de fatores? Como


elas se caracterizam?

7 - O que é um monopólio bilateral?


Obrigado!

Bibliografia Utilizada:

 PINDYCK, Robert S; RUBINFELD, Daniel L. Microeconomia. 6ª ed.


São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005, páginas: 285-320.

 VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel E.


Fundamentos de economia. 3ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008, páginas:
95-103.