Você está na página 1de 69

Manual Prático de

MOTRICIDADE ORAL
Avaliação e Tratamento

5ª Edição

Maria da Conceição A. Ferraz

REVINTER
Manual Prático de Motricidade Oral: Avaliação e Tratamento PREFÁCIO
Copyright © 2001 by Livraria e Editora RevinteR Ltda.
Maria da Conceição Ferraz é uma das pioneiras na área de
Motricidade Oral. Seu livro, Manual Prático de Deglutição Atípica e
Todos os direitos reservados. Problemas Correlatos, atualmente intitulado Manual Prático de
É expressamente proibida a reprodução Motricidade Oral, teve sua primeira edição em 1983. Já naquela
época, a discussão do que fazer e como fazer na área das alterações
deste livro, no seu todo ou em parte, miofuncionais, era grande.
por quaisquer meios, sem o consentimento Poucas pessoas tiveram coragem de expor as idéias de como atuavam.
por escrito da Editora. Não haviam sido ainda estabelecidos grandes conhecimentos da
melhor forma de atuação, pois, na verdade, estávamos construindo
uma nova área na Fonoaudiologia, a qual, antes, era de maior domínio
ISBN 85-7309-446-X dos odontólogos.
Devemos lembrar que o primeiro curso de Fonoaudiologia ocorreu
oficialmente, no Brasil, em 1961 e, desde 1966, Maria da Conceição
Ferraz já se interessava por esta área, iniciando sua formação pela
Sociedade Pestalozzi do Brasil. Desde então esta profissional
batalhadora investiu muito em sua formação, passando a ser
considerada uma mestra no assunto por seus pares. Muitos a procuram
com o intuito de aprender ou melhorar sua formação através dos
ensinamentos e orientações de como conduzir seus casos clínicos. A
experiência permite à autora opinar com precisão. O seu livro é o
Livraria e Editora RevinteR Ltda. retrato do seu fazer e contribui com muitas sugestões de meios para a
efetivação do trabalho miofuncional oral. Apesar do grande
Rua do Matoso, 170 – Tijuca crescimento de autores e obras brasileiras, ainda temos muito o que
20270-130 – Rio de Janeiro, RJ mostrar do trabalho que a Fonoaudiologia deste país está produzindo.
Maria da Conceição está de parabéns por continuar a divulgar sua
Tel.: (21) 2502-9988 forma de pensar e atuar, pois, só desta forma, uma profissão pode
Fax: (21) 2502-6830 criar diálogos com críticas e sugestões e assim se firmar, crescendo de
forma científica.
E-mail: livraria@revinter.com.br Irene Queiroz Marchesan
http://www.revinter.com.br Diretora do CEFAC - Centro de Especialização em
Fonoaudiologia Clínica
Especialista em Motricidade Oral pelo CFFa
INTRODUÇÃO - respiração inversa ou bucal;
- hábitos viciosos, chupeta, dedo, onicofagia e bruxismo;
- hipertonia ou hipotonia do mecanismo do bucinador;
“O que pensamos que sabemos hoje destrói os erros e desatinos de - deglutição atípica;
ontem e são descartados amanhã como inúteis. Desta maneira vamos - sigmatismo interdental.
passando de grandes erros a outros menores, tanto tempo quanto nos
dure o entusiasmo. Isto é verdadeiro para todas as terapêuticas: Garliner afirma que muitos se preocupam com o tema Deglutição
nenhum método é o último”. Atípica, mas poucos se preocupam em auxiliar os pacientes na
solução desses problemas.
Frederick Jensen
O objetivo desta obra, como o próprio título indica, não é fazer uma
exposição teórico-científica sobre o assunto, pois esse aspecto é bem
Há mais de cinqüenta anos, vários pesquisadores e cientistas vêm se detalhado nas Faculdades, por profissionais especializados. Todos os
dedicando ao estudo das relações existentes entre a presença das más- temas apresentados decorrem de muitos estudos e pesquisas e de
oclusões dentárias e as anomalias anatomofuncionais da cavidade nossa experiência com crianças, adolescentes e adultos portadores das
bucal. patologias da voz, fala, linguagem, psicomotricidade e aprendizagem.

Em 1921, Hellman estudou 354 pacientes com má-oclusão e A terapia miofuncional funciona muitas vezes como item básico na
encontrou, entre eles, vários portadores de hábitos de sucção do correção da maioria dos chamados problemas da fala. Procuramos
polegar, lábios ou língua. Em 1938, Swnehart estudou a relação entre apresentar nossa experiência profissional com a máxima clareza e
a sucção do polegar e a má-oclusão. Em 1939, Johnson fez um estudo objetividade para que se sinta, dentro de pouco tempo, o êxito no
entre pacientes de 2, 5 e 19 anos, portadores dessas mesmas trabalho realizado. A motivação torna-se indispensável,
patologias. principalmente ao se tratar de crianças pequenas, na chamada Terapia
Preventiva.
Poderíamos citar muitos outros cientistas que se preocuparam em
criar métodos para a correção desses problemas. Entre eles Destina-se esta obra, precipuamente, a fonoaudiólogos,
ressaltaremos o estomatologista francês Cauhépé que, em 1960, odontopediatras e ortodontistas. Sabemos que o ortodontista
publicou uma série de pesquisas em que apontava algumas funções de desenvolve o equilíbrio oclusal e estético do paciente. Contudo, se
responsabilidade da neuromusculatura: respiração, sucção, este for portador de hábitos atípicos, todo o trabalho terá sido em vão.
mastigação, deglutição e fala. No momento não existe lugar para profissionais que se considerem
Foi a partir daí que teve início uma reeducação mais objetiva e com superdotados. A formação de equipes para a realização de um trabalho
resultados mais positivos. mais científico, visando à solução estética e emocional das
anormalidades antes tão gritantes no indivíduo, é uma realidade no
Os hábitos mais comuns que abrangem o desequilíbrio dessa mundo de hoje.
musculatura são:
SUMÁRIO CAPÍTULO 1 – SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO

Capítulo 1
SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO 01 Quando se fala em motricidade oral, cada vez se torna mais necessário o
Capítulo 2 conhecimento do funcionamento do Sistema Estomatognático (S.E.) pelo
ETIOLOGIA DA MÁ-OCLUSÃO 07 fonoaudiólogo e fundamentalmente para aqueles que fazem da Ortodontia,
Ortopedia Funcional e especialização em Motricidade Oral o seu trabalho
Capítulo 3 clínico.
DEGLUTIÇÃO 11
O sistema estomatognático é formado por vários elementos: nervos, dentes,
Capítulo 4 ossos, músculos, lábios, vasos, espaços orgânicos.
DEGLUTIÇÃO ALTERADA 20 A necessidade de uma visão holística do paciente nos leva à necessidade de
Capítulo 5 conhecer todas as Funções do S.E., responsável por: postura corporal,
respiração, mastigação, deglutição e fonação (também denominadas funções
EFEITOS COLATERAIS 23
reflexovegetativas).
Capítulo 6
Por ser objetivo dos estudiosos recuperar o equilíbrio do S.E., a
SÍNDROME DO RESPIRADOR BUCAL 26 complexidade e o dinamismo deste têm provocado muitos estudos de nossa
Capítulo 7 parte, pois diferentes alterações deste sistema, principalmente em relação à
oclusão dentária, podem afetar a saúde e, muitas vezes, a estética.
AVALIAÇÃO 28
As forças da mastigação, deglutição e: equilíbrio postural são transmitidas
Capítulo 8
aos dentes, que se posicionam onde as forças permitirem.
PLANEJAMENTO DE TRABALHO 53
Este sistema identifica um conjunto de estruturas bucais onde se
Capítulo 9 desenvolvem funções comuns, tendo como característica constante a
TRATAMENTO DA MOTRICIDADE ORAL: TERAPIA participação da mandíbula, e está intimamente ligado a funções de outros
MIOFUNCIONAL 56 sistemas, como o nervoso, circulatório, etc.
Capítulo 10 Ele também pode influir sobre outros sistemas como o digestivo,
ORIENTAÇÕES GERAIS 123 respiratório, metabólico, endócrino etc.
BIBLIOGRAFIA 127

01
Fazem parte do sistema estomatognático os seguintes itens, onde vários É através da boca que o ser humano estabelece o primeiro contato com o
profissionais irão atuar devido às suas alterações: mundo exterior, realiza as funções vitais que permitem a sua sobrevivência
· Mastigação física e emocional.
· Sucção
O desempenho dessas funções vai depender da estrutura - espacial e
· Deglutição
dinâmica - da boca.
· Fonação e articulação
· Respiração
· Dentes
Mastigação
· Oclusão
É a função mais importante do sistema estomatognático, correspondendo ao
Ainda fazem parte desse sistema diferentes tecidos e órgãos, como músculos,
início do processo digestivo.
ossos, dentes, articulações, glândulas, mucosas e o suporte neurovascular
correspondente.
São consideradas funções estomatognáticas: Fases da Mastigação
· Mastigação
1. Incisão: a mandíbula se eleva em protrusão, apreende o alimento entre as
· Sucção
bordas incisais.
· Deglutição
· Fonação e articulação 2. Trituração: é a transformação mecânica do alimento em partículas.
· Respiração
3. Pulverização: é a moenda das partículas, transformando-as em elementos
Exceto no caso da respiração, as demais funções mencionadas são exclusivas muito reduzidos, que não oferecem resistência ao nível das super6cies
do sistema estomatognático. oclusais ou da mucosa bucal.
Sob o ponto de vista funcional, podemos citar os elementos básicos pelos Músculos Mastigatórios
quais este sistema está constituído:
· Elevadores
· Articulação têmporo-mandibular
· Temporal
· Sistema neuromuscular
· Masseter
· Superfícies e pressões oclusais
· Pterigóideo medial
· Periodonto
Músculos Depressores
Todos esses elementos tornam-se imprescindíveis na pesquisa das diversas
causas das referidas alterações. · Pterigóideo lateral
· Digástrico
· Genioióideo
BASES ANATÔMICAS COMUNS AOS SISTEMAS · Miloióideo
ESTOMATOGNÁTICO E FONATÓRIO
Músculos Auxiliares
Cavidade Bucal
Estes músculos não são considerados como músculos mastigatórios, mas
As funções principais da boca são: respiração, mastigação, sucção, participam ativamente das funções estomatognáticas. São auxiliares da
deglutição, mímica expressiva e fala (emissão da voz, articulação e palavra). mastigação, embora possam ser básicos para outras funções bucais.
02 03
1. Orbicular da boca: puxa a comissura labial, fecha a boca e enruga os · Zigomático menor
lábios. · Risório
2. Bucinador: controla a compressão e distensão das paredes da bochecha. · Triangular dos lábios
3. Zigomático maior: junto com o zigomático menor, leva a comissura labial · Quadrado do mento
para cima e para fora. · Borla da barra
4. Zigomático menor: puxa a comissura labial e o lábio superior, em · Compressor dos lábios
particular, para cima e para fora.
Sucção
Músculos da Mastigação
A sucção inicia-se através do reflexo de busca. Sua função é a de retirar o · Temporal
leite do seio materno, funcionando também como importante estimulador do · Masseter
crescimento craniofacial. · Pterigóideo interno
· Pterigóideo externo
Segundo B. Padovan, a sucção é o exercício mais completo para o
desenvolvimento da musculatura perioral.
Logo após a sucção, ocorre a deglutição. Um dos músculos mais ativo é o Músculos da Língua
bucinador, e a menor atividade é detectada nos elevadores da mandíbula,
Protrusão da Língua
pelo menos no adulto.
· Genioglosso - movimento para frente e para trás
As fases da sucção, segundo estudos cinerradiográficos, são: · Genioióideo - dirige o osso hióide para frente
1. Compressão do mamilo. Retração da Língua
2. Língua e mandíbula elevam-se. · Estiloglosso – movimento para cima – para trás - estalar
3. Sulco no dorso da língua.
Depressão da Língua
4. O bolo do leite é enviado para a faringe.
· Hioglosso
5. A faringe aumenta de tamanho.
Elevação da Língua
Deglutição
· Estiloglosso
Apresentaremos em capítulo especial. · Palatoglosso
Para uma melhor orientação ao leitor, damos, a seguir, a relação dos Elevação do Osso Hióide
músculos trabalhados nos exercícios propostos.
· Músculos supra-hióides
Músculos dos Lábios - genioióideo;
- digástrico;
· Orbicular dos lábios
- estiloióideo;
· Bucinadores
- miloióideo.
· Elevador próprio do lábio superior
· Elevador comum da asa do nariz e do lábio superior
· Canino
· Zigomático maior
04 05
FUNÇÕES OROFACIAIS
CAPÍTULO 2 – ETIOLOGIA DA MÁ-OCLUSÃO
Segundo West, podemos estudar as funções orofaciais, excetuando a
fonação, da seguinte forma:

1. Funções inatas, automáticas e vegetativas. 1. Hereditariedade


Exemplo: deglutição, respiração, vômito e o ato de mamar.
Ausência de músculos
2. Funções inatas, automáticas e emocionais. Fendas
Exemplo: o riso, o choro e o sorriso.
Dentes extranumerários
3. Funções aprendidas, automáticas e vegetativas.
Exemplo: morder, mastigar, chupar.
2. Defeitos de causas desconhecidas na fase embrionária (Fig. 2-1)
4. Funções aprendidas, automáticas e emocionais.
Exemplo: tiques nervosos. Anodontia
Micrognatia (maxilar pequeno)
5. Funções aprendidas, não automáticas, discriminatórias e voluntárias.
Exemplo: movimento exploratório da língua, separação dos lábios e os atos Macroglossia
de beijar e soprar.

6. Funções aprendidas, automáticas e práticas.


Exemplo: assoviar, tocar instrumentos de sopro.

Fig. 2-1
06 07
3. Traumas (Fig. 2-2) 5. Doenças
Pré-natal
Gerais:
- pressão ultra-uterina na região perioral
- doença endocrinológica alterando o desenvolvimento ósseo e muscular
- trauma de parto: fórceps (alto; baixo) mal colocado na região mandibular
- imaturidade neurológica
- posição incorreta do feto: joelho ou braço pressionando a região bucal
- inervação periférica (tônus)
Pós-natal Locais:
- fratura de maxilar - adenóides devidas a respiração bucal e hipotonia muscular
- fratura de dentes
Cáries:
- causando perda de espaço
4. Agentes Físicos
Extração de dentes decíduos antes do tempo: Gengivites:
- quebra de reflexos: sucção-deglutição - Ligamentos periódicos que causam amolecimento dos dentes
- alimentação: quebra de equilíbrio muscular
Tumores:
- (comida pastosa que leva a criança a não mastigar)
- na cavidade oral, o aumento de volume do local
- pressiona os dentes causando um desequilíbrio muscular

6. Hábitos
Língua:
- morder a língua
- língua entre os dentes
- deglutição atípica: com a língua empurrando os incisivos inferiores ou
pressionando o assoalho da boca
Lábios:
- morder os lábios (os dois)
- morder o lábio inferior
- morder o lábio superior
Bochecha:
- morder a bochecha

7. Utilizando o próprio corpo


Chupar o dedo
Fig. 2-2 Apoio de mão
Roer unhas
08 09
CAPÍTULO 3 – DEGLUTIÇÃO

A língua exerce um papel preponderante no estabelecimento da oclusão


dentária, porque o equilíbrio dentário é feito à custa dos próprios dentes, que
se amparam mutuamente, das bochechas e dos lábios, pelo lado vestibular, e
da língua, pelo lado palatino ou lingual.
A postura defeituosa da língua, quer na sua posição de repouso ou no
desempenho de suas funções, desequilibra os dentes, produzindo certas más-
oclusões características inerentes à posição que a língua ocupa.
A deglutição é uma função biológica, complexa e coordenada, na qual
substâncias passam da cavidade oral para a faringe e o esôfago. Há uma
conexão neurológica e um sincronismo de ações musculares.
A B É acompanhada por contração e relaxamento simultâneo de um grande
Fig. 2-3 número de músculos da região orofaríngea: língua, bucinador, supra-hióides,
etc. Também participam os músculos faríngeos e os do palato mole.
Normalmente, o indivíduo deglute aproximadamente nove vezes durante a
alimentação e uma vez em cada minuto sem estar se alimentando. Durante o
sono, a deglutição realiza-se em intervalos regulares. Existem cálculos da
8. Utilizando objetos extracorpóreos
freqüência da deglutição diária, que varia a partir de 2.400 movimentos por
Bico ou furo da mamadeira inadequados:
período de 24 horas. A posição do indivíduo tem influência na freqüência,
- segundo Straub, é fator predominante
como as posições supina e sentada que aumentam o número de deglutições.
Morder lápis
Existem evidências de que as crianças deglutem mais que os adultos.
Chupar chupeta ou objetos
Indivíduos com classe II divisão I e problemas de mordida aberta deglutem
com maior freqüência.
Embora os diversos autores apresentem as várias causas acima, ainda não
O nível de irritabilidade e o uso do ciclo da deglutição como um mecanismo
está bem determinada a etiologia das má-oclusões.
de liberação de tensão pode aumentar a freqüência (Fig. 3-1).

10 11
ELEMENTOS PARTICIPANTES DA DEGLUTIÇÃO
Língua - É uma das mais desenvolvidas estruturas do esplancno-crânio na
época do nascimento. É um órgão sensorial por excelência e elemento
essencial na mastigação, fonação e deglutição. Composta de fibras
musculares orientadas em três diferentes direções, o que a torna uma
estrutura móvel, é capaz de realizar diversos movimentos, os quais incluem
mudanças de forma e posição. A língua funciona misturando a saliva com o
bolo alimentar e mantendo, juntamente com as bochechas, o referido
alimento pressionado entre os dentes, possibilitando a mastigação. É um dos
elementos que impulsionam o alimento durante a deglutição. Os músculos da
língua são divididos em intrínsecos, que controlam o seu tamanho e a sua
forma, e extrínsecos, que se relacionam com a sua posição.
Lábios - Apresentam-se em número de dois: superior e inferior, recobrindo a
parte anterior da cavidade oral. Têm importante papel na apreensão de
alimentos na fase inicial da mastigação, participando do processo da
deglutição, assim como os dentes e as bochechas, que possuem, também,
papéis de destaque na mastigação.
Faringe - É a porção do trato digestivo que serve como via de passagem
tanto para o sistema digestivo como para o respiratório. Ela permite ao
indivíduo respirar pela boca, mesmo que as passagens nasais estejam
obstruídas. A musculatura faringiana é a responsável pela segunda fase da
deglutição (período faringiano).
Esôfago - É um tubo longo e reto que se comunica diretamente com o
estômago. O esôfago estende-se da faringe ao estômago em uma distância de
25 cm e está situado posteriormente à traquéia e anteriormente à coluna
vertebral, passando através do diafragma frente à aorta, para então entrar no
estômago. É a região onde se dá o terceiro período de deglutição.
Músculos supra-hióides - São os que estão localizados acima do osso hióide.
Têm duplo mecanismo de ação. Quando o osso hióide encontra estabilizado
e durante a contração dos infra-hióides, eles contribuem para realizar o
movimento de abaixamento da mandíbula. Durante, porém, a mastigação e a
deglutição, que ocorrem no indivíduo com a boca fechada, pela ação dos
músculos mastigadores, os músculos supra-hióides contribuem elevando o
osso hióide e a laringe; dentre eles o mais importante é o milióideo que pode
Fig. 3-1 elevar e contrair a língua e erguer o assoalho da cavidade bucal.

12 13
Palato mole - É a porção posterior do palato. Possui grande importância na
deglutição, impedindo, com o seu deslocamento para trás, a passagem de
alimento para a cavidade nasal, possibilitando a passagem do mesmo para a
faringe. A musculatura do palato mole termina em uma projeção livre
chamada úvula.

Epiglote - Porção cartilaginosa em forma de folha que está localizada na


borda superior da cartilagem tireóide. Ela age como dobradiça de porta,
durante a deglutição, impedindo a entrada de alimentos na traquéia, pois
Fig. 3-2 – A deglutição infantil (visceral)
bloqueia a sua entrada.
iniciais dos dentes, que passam a fazer contato apenas momentaneamente
Peristaltismo - É um movimento muscular involuntário comandado pelo
durante a deglutição. A projeção da mandíbula diminui durante o período de
sistema nervoso autônomo, responsável pelo deslocamento do bolo alimentar
transição de 6 a 12 meses. Os músculos que fecham os maxilares se
no esôfago. Consiste em contrações e distensões do tecido, tal como se nós
encarregam de estabilizar a mandíbula com a redução da força de contração
apertássemos uma mangueira de borracha, na qual tivesse sido introduzida
dos músculos das bochechas e dos lábios. A porção da língua em forma de
uma bola que, por analogia seria o bolo alimentar.
espátula concentra os alimentos e os leva para trás. A ponta da língua não se
Classifica-se a deglutição de acordo com o período de vida do ser humano desloca entre as gengivas da região anterior, apesar de situar-se em uma
em: visceral ou infantil; somática ou madura. Características da deglutição posição bem próxima do fonema incisal, no momento da deglutição.
infantil segundo Moyers:
Características da deglutição madura:
1. Separação dos maxilares com a língua colocada entre as gengivas.
1. Os dentes permanecem juntos.
2. Estabilização da mandíbula, principalmente pela contração dos
2. A mandíbula está estabilizada pela contração dos músculos
músculos do sétimo nervo craniano e a interposição lingual.
elevadores, que são, primordialmente, músculos inervados pelo 5°
3. A deglutição é controlada por um intercâmbio sensorial entre lábios
par craniano.
e língua.
3. A ponta da língua coloca-se sobre o palato duro por cima e por
Fletcher atribui à deglutição infantil uma diferença significativa na trás dos incisivos.
morfologia da cavidade bucal, o maior tamanho da língua e a orientação do 4. Contração mínima apresentada pelos lábios, durante a deglutição
sistema de suspensão. (Fig. 3-3).
A mudança da deglutição infantil para a deglutição adulta se processa Durante a deglutição, a cavidade bucal permanece fechada pelos lábios e
gradualmente em um período chamado de transição. A maturação pela língua.
neuromuscular, a troca de postura da cabeça e o efeito da gravidade sobre a
mandíbula são fatores que afetam esta troca. FASES
Aos dezoito meses de idade a criança já possui características de deglutição A deglutição pode ser dividida em três fases altamente integradas e
madura (Fig. 3-2). coordenadas.
Com a troca de alimentos semi-sólidos por alimentos sólidos e depois do 1. Fase bucal: é a fase em que a atividade é consciente e voluntária, sendo
aparecimento dos dentes, ocorre uma modificação no ato da deglutição. A por isto a única controlada pelo indivíduo. Vai desde a formação do bolo
língua não mais é colocada no espaço entre as gengivas ou superfícies alimentar até a passagem deste
. 14 15
c) Fase de contato da língua com a união do palato duro e mole -
Nesta fase o palato mole, que repousava sobre o dorso da língua, desloca-se
para cima pela ação dos músculos levantadores do véu palatino, que o
empurram contra a parede posterior da faringe. A língua desloca-se para
baixo e para trás iniciando-se, ao mesmo tempo, o movimento do osso hióide
para frente e para cima, acompanhado da elevação da faringe.
Estes movimentos combinados criam um caminho livre de interferências
para o bolo alimentar que é empurrado da cavidade bucal por um movimento
ondulatório da língua. Os alimentos líquidos fluem devido a constrições da
língua.
A cavidade bucal, estabilizada pelos músculos mastigatórios, conserva-se
fechada nas regiões anterior e lateral, durante o período bucal da deglutição.
Durante a primeira fase da deglutição, os molares estão algumas vezes em
contato, o que indica a atividade dos músculos elevadores da mandíbula. A
inervação desta primeira fase é efetuada pelo nervo trigêmeo (Fig. 3-4).

Fig. 3-3 – Deglutição madura (somática)

para a faringe. Para efeito didático, o período bucal é subdividido em quatro


fases distintas:
a) Fase preparatória - Começa imediatamente após a entrada de
líquidos na cavidade bucal ou após a mastigação do bolo alimentar. Ambos,
colocam-se sobre o dorso da língua, em posição preparatória para a
deglutição. Nesta fase, a língua encontra-se em repouso, não ocorrendo
contração da musculatura perioral.
No lactente o acúmulo do bolo alimentar se faz também entre a língua e a
epiglote.
b) Fase de elevação da língua - Nesta fase a ponta da língua vai
apoiar-se na papila palatina e a mandíbula acompanha este movimento para
cima e para frente (a língua exerce pressão de 6 a 8 libras).
Segundo Ranfjord e Ash, os maxilares nesta fase encontram-se em oclusão
cêntrica. A porção posterior da língua é posicionada contra a superfície
lingual dos dentes e a mucosa palatal adjacente. O dorso lingual ondula-se
para a porção posterior, sem contudo descolar a ponta da língua.
Fig. 3-4 – Etapas da língua durante a deglutição normal (Bjork e Lundstrom) 17
16
d) Fase de posição mais anterior do osso hióide - Nesta fase há um ouvido médio, as trompas de Eustáquio também se fecham por um
maior contato da língua com o palato mole e o osso hióide alcança o nível da movimento de defesa; por isso, os portadores de fissuras palatinas são
borda da mandíbula, favorecendo a passagem do bolo alimentar para a vulneráveis aos problemas de otite, pelo não-fechamento destas tampas.
faringe.
A inervação deste período é feita principalmente pelo nervo glossofaríngeo.
O bolo alimentar, então, passa pelas bordas laterais da epiglote, em direção
2. Fase faringiana: a faringe é dividida em três regiões: a nasofaringe, a ao esôfago.
orofaringe e a laringofaringe. Quando o bolo alimentar é empurrado da
cavidade bucal para a orofaringe, começará o período faringiano. Este
período é involuntário e consciente e caracteriza-se pelo fechamento das 3. Fase esofágica: começa quando o músculo cricofaríngeo relaxa-se,
cavidades vizinhas, com exceção do esôfago, para onde irá o alimento. permitindo ao alimento entrar no esôfago. Ao entrar no esôfago, o alimento
passa a ser colocado pela onda peristática, que são movimentos (contrações)
O palato mole, ao ser empurrado de encontro à parede posterior da faringe,
rítmicos exercidos pela parede esofagiana. É o resultado de impulsos
fecha a comunicação nasofaríngea, evitando o refluxo do alimento para o
nervosos do vago, que é o nervo que controla a atividade esofágica.
nariz. Isto ocorre juntamente com a já citada elevação do tubo faríngeo (Fig.
Enquanto os movimentos peristáticos levam o alimento através do esôfago
3-5).
para o estômago, o osso hióide, o palato e a língua voltam às suas posições
Esta etapa da deglutição é caracterizada pela inibição da respiração e originais.
fechamento do orifício laringiano pela epiglote. A língua força o bolo
O período faringiano é involuntário e inconsciente e o seu ressurgimento só
alimentar para trás contra a epiglote, que se dobra formando um capuz sobre
acontece por reversão do reflexo.
o orifício laringiano. A entrada da laringe é também protegida pela ação
esfinctérica dos músculos circulantes. Com a passagem do alimento pelo As quatro fases se sucedem suavemente, sendo difícil determinar os limites
. precisos entre elas.

Fig. 3-5 – Movimentos do bolo no esôfago. O nervo trigêmeo controla os


músculos da mastigação; o nervo glossofaríngeo, o músculo estilofaríngeo; e o
nervo vago, a peristalse esofagiana. 18 19
CAPÍTULO 4 – DEGLUTIÇÃO ALTERADA

O ato da deglutição, repetido freqüentemente, pode exercer um efeito


marcante sobre o maxilar superior ou mandíbula (Fig. 4-1).
Segundo Moyers a retenção prolongada da deglutição infantil pode ser uma
A B
das principais causas da formação de má-oclusão.
Fig. 4-2
A deglutição alterada ocorre quando o mecanismo sinérgico da deglutição é
rompido.
CARACTERÍSTICAS
A força da língua é maior do que a pressão oposta dos lábios e bochechas.
Em casos de aglossia congênita, relatados por Esken e Sharpard, foi 1. Pressionamento atípico da língua ou interposição lingual, podendo ser
encontrada uma miniatura de mandíbula, como que comprimida para dentro anterior ou lateral. A causa principal, segundo Straub, poderia ser
e para trás pelos músculos periorais. Isto comprova a importância da língua imaturidade neuromuscular. Para Moyers, seria a retenção da deglutição
na formação e função da oclusão normal (Fig. 4-2). infantil. Para esta pressão, a má-oclusão pode estar ou não presente, como
também a pressão labial ou falhas na fonação.
2. Participação da musculatura perioral caracterizada pela contração desta
musculatura, onde se observam principalmente:
a) Ríctus lateral que desce da asa do nariz até a comissura labial.
b) Pressionamento dos lábios ou interposição do lábio inferior. Há casos
em que o lábio inferior apresenta maior tonicidade, provocando uma má-
oclusão de classe II.
c) Ausência de contração dos masseteres, causando hipertonia dos
mentalis. Segundo Straub, os músculos elevadores da mandi'bula é que
exercem esta função ao deglutir. Quando não se observa esta contração,
aparece então a hipertonia do mentalis e hipotonia do lábio superior.
3. Movimentos da cabeça. Ao deglutir, o indivíduo movimenta a cabeça e
quase não se percebe a movimentação do hióide. A mastigação pode estar
deficiente.
Fig. 4-1 – Deglutição normal associada à má-oclusão de classe II divisão I.
Observe a projeção anterior da ponta da língua e a redução do lábio inferior 4. Sopro em vez de sucção. Observamos perfeitamente este aspecto quando
(Retirado de Bjork e Lundstrom). não se cria o vácuo completo, ao deglutir principalmente líquidos.
5. Alteração de fonemas. Observaremos freqüentemente a emissão distorcida
de certos fonemas: 1, n, t, d, s, z.
20 21
6. Língua volumosa, alargada, hipotônica. Segundo Winders, a língua exerce
maior pressão do que toda a musculatura perioral. É de suma importância
CAPÍTULO 5 – EFEITOS COLATERAIS
observar a postura de repouso da,língua do paciente com estas
características.
7. Cuspir ou acumular saliva nos cantos da boca. Este aspecto é Segóvia nos apresenta o seguinte esquema para detectar a deglutição
perfeitamente visível quando se manda o paciente conversar. alterada, nas classificações de Angle:
8. Baba durante à noite. A baba está muito associada à respiração bucal.
9. Dificuldades de deglutir com os lábios separados. 1. Efeitos ocorridos na deglutição dos portadores de classe II (Fig. 5-1):
10. Dificuldades na deglutição de pílulas. - Projeção paralabial dos incisivos superiores
- Projeção paralabial dos incisivos inferiores:
TIPOS • lábio superior hipotônico;
1. Segundo a Professora Lucia Bentes podemos descrever os tipos de • interposição lingual.
deglutição alterada e os efeitos correlatos segundo a classificação de Angle:
a) Protrusão adaptativa - Causas prováveis: passagem nasal bloqueada
(rinites, asma, adenóides, resfriados crônicos com respiração bucal, chupar o
dedo. Se a causa do problema não estiver em plena força, os exercícios
poderão ser iniciados. Aspectos: dificuldade em colocar a língua para trás e
para cima em posição para uma deglutição normal.
b) Protrusão transitória - A língua situa-se em posição baixa na boca e
promove a protrusão na deglutição. Freqüentemente a mandíbula é profunda.
c) Protrusão habitual - A língua coloca-se alta e descolada para a
frente, na posição de repouso. Os exercícios devem ter como objetivo mover
o corpo da língua para trás na boca.
A deglutição alterada ocorre:
- com a língua em repouso;
- durante a fala;
- durante a deglutição..

Fig. 5-1

22 23
2. Efeitos ocorridos na deglutição atípica dos portadores de classe III (Fig. 4. Ação da mordida cruzada (Fig. 5-4):
5-2):
- Interfere na articulação dos fonemas linguodentais
- Língua baixa na boca
- Protrusão da língua anterior ou lateral
- Lábio inferior hipotônico e projetado
- Lábio superior hipertônico

Fig. 5-4
Fig. 5-2

3. Ação da mordida aberta (Fig. 5-3):


- Protrusão lingual
- Alteração da chave dos caninos
- Alteração dos fonemas t, d, n, l, r

Fig. 5-3
24 25
CAPÍTULO 6 – SÍNDROME DO RESPIRADOR
BUCAL

Os estudiosos da deglutição atípica chamam a atenção sobre a incidência da


congestão nasal crônica que apresentam seus pacientes.
A permanência da respiração bucal, alergias, rinites devem ser investigadas
como fatores etiológicos contribuintes.
Leech, em 1958, apresentou a seguinte síndrome, realizando um estudo em
500 pacientes de uma clínica de doenças respiratórias:
1. Posturas anormais, não só corporais como orofaciais.
2. Aumento das infecções próprias do aparelho respiratório.
3. Estrutura facial alterada. A face torna-se marcantemente alongada (faces
adenóides).
4. Estreitamento da arcada superior, do palato e das narinas pelo desuso.
5. Lábio superior hipotônico, curto e elevado com alteração, dada a pouca
irrigação sangüínea. A

6. Gengiva hipertrófica.
7. Língua com postura anormal, deixando de exercer sua função modeladora
do palato e também com sua tonicidade prejudicada.
8. O olfato é prejudicado e freqüentemente acompanhado pela diminuição
gustativa e redução do apetite.
9. Hiperplasia dos tecidos linfóides ao redor da trompa de Eustáquio,
podendo obstruí-la e contribuir para a perda auditiva.
10. Má oxigenação cerebral, ocasionando dificuldade de atenção e
concentração e conseqüentemente problemas de aprendizagem.
B C
Outros cientistas, tais como Johnson (1936), Leinder, Aronson e Blacktron
(1960) realizaram estudos similares desta patologia. Fig. 6-1 – A -C
O importante é que o paciente seja assistido por uma equipe com médico,
fonoaudiólogo e odontólogo, nas especialidades que se fazem necessárias,
em uma terapia prematura e oportuna (Fig. 6-1).
26 27
Anamnese
CAPÍTULO 7 – AVALIAÇÃO Nome:
Idade: Data de nascimento:
Endereço: Telefone:
Nome da mãe:
O encaminhamento ao fonoaudiólogo deve ser recomendado tão logo sejam Nome do pai:
detectados quaisquer hábitos orofaciais que possam vir a ser perniciosos para Situação do cliente na família:
o paciente ou deletérios para a estabilização do tratamento ortodôntico, pois I - Queixa Principal
não adiantaria efetuar uma correção sem eliminar a causa do problema.
II - Aproveitamento Escolar
Às vezes ocorre uma dúvida nos meios ortodônticos. Qual será a ordem do Escola:
tratamento: ortodôntico ou fonoaudiológico? Série:
A resposta é simples, pois, alertado para este tipo de problema, o Gosta da escola?
odontopediatra já encaminha crianças entre 4 e 5 anos para a chamada Que matéria mais gosta?
"Terapia Miofuncional Preventiva". Rendimento escolar:
Observações:
Adolescentes já realizaram tratamentos concomitantes com resultados
positivos: "Terapia Curativa'. III - Atividades Extracurriculares
Que tipo de atividade faz?
Para o diagnóstico é imprescindível o cumprimento de 3 etapas: anamnese, Pratica algum esporte?
avaliação e estudo do caso. Toca algum instrumento musical?
Observações:

ANAMNESE (HISTÓRICO DO CASO) IV - Dados Comportamentais e de Personalidade

É um elemento fundamental para qualquer patologia que afete o V - História da Lactância e da Alimentação
desenvolvimento do ser humano. Primeiro contato com o seio:
Freqüência da amamentação:
O histórico pré-natal, natal e pós-natal, como o desenvolvimento motor e Dificuldade na sucção?
neurolingüístico, nos fornecerá os fatos que estão ligados aos fatores Leite materno até quando?
etiológicos já conhecidos. O bebê tinha cólica?
Recusou a mamadeira?
Como se processou o desmame?
Aceitou comidas sólidas facilmente?
Em que idade começou a usar a colher e a xícara?
Tipo de mamadeira e até quando?
VI - Alimentação
Quais os alimentos preferidos?
São alimentos duros ou moles?
Come depressa?
28 29
Toma líquido nas refeições? XI - Relacionamento com a Família e com Amigos
Come pedaços grandes sem mastigar?
XII - Histórico Ortodôntico
Dificuldade para engolir comprimidos?
Usa aparelho?
Observações:
Sempre usou o mesmo aparelho?
VII - Maus Hábitos Quanto tempo usou cada um?
Range dentes? Notou melhoras?
Rói unhas? Morde o lápis? Observações:
Apóia a mão lateralmente? Morde os lábios?
XIII - Encarninhamento
Chupa o dedo? Morde as bochechas?
Chupa chupeta? Morde a língua? XIV - Dados do O.R.L.
Observações:
VIII - Sono
AVALIAÇÃO
Posição para dormir: De que lado?
Ronca? Baba no travesseiro?
Dorme com algum bichinho? Tem sono agitado?
Tipos Faciais
Enurese noturna?
Observações: Dolicofacial ou Dolicocefálico - Face Longa e Estreita
IX - Motricidade e Saúde Geral Características
Tipo de parto: · Altura facial aumentada com provável mordida aberta esquelética
Sustento da cabeça: · Nariz verticalmente mais longo e maior protrusão
Época em que sentou: Engatinhou: Andou: · Ponte nasal e a raiz do nariz tendem a ser mais altas
Lateralidade: · Arco maxilar e palato duro mais longos, mais estreitos e profundos
Habilidade motoras: Dificuldades motoras: · Base posterior do crânio mais curta e arco dentário longo e estreito
Quedas com perda de dente? Cáries?
Problemas endócrinos? Adenóides? Gengivites? Musculatura
Dores de cabeça? Rinite? Em geral é estirada e hipotônica. Muitas vezes tem-se lábio superior em
Outros distúrbios? hipofunção, com hipertonia do mesmo.
Observações: · Hipertonia de mentalis (para auxiliar o vedamento labial)
· Língua mais anteriorizada e no soalho bucal entre os dentes
X - Fala e Linguagem
Balbucio:
Funções
Primeiras palavras: Primeiras frases:
· Mastigação ineficiente
Dificuldades da fala? Dificuldades de escrita?
· Deglutição com interposição de língua e participação ativa da musculatura
Organização do pensamento: Compreensão:
perioral. O dolicocefálico tem de fazer um grande esforço para o ato de
Tom de voz usado em casa:
deglutir, pois o espaço vertical intra-oral é muito grande. Além disso, o
Observações:
dolicocefálico tem tendência de manter a boca aberta, facilitando uma
deglutição inadequada
30 31
Fala (Articulação) Freio Labial e Lingual
· Enfraquecimento dos fonemas plosivos e de /K/ e /G/ pela distância entre o
dorso da língua e o palato O freio labial (Figs. 7-1 e 7-2) pode causar:
· Diastemas
Respiração · Pouca mobilidade do lábio superior
· Freqüentemente respirador bucal, pelo padrão de crescimento facial · Comprometimento nos pontos de articulação dos bilabiais (/p/, /b/, /m/)
· Ceceio: /s/ e /z/
Braquifacial ou Braquicefálico - Face Curta e Larga · Fatores estéticos
Características
O freio lingual (Figs. 7-3, 7-4 e 7-5) pode causar:
· Padrão de crescimento horizontal
· Postura de repouso da língua e sua mobilidade
· Nariz mais curto com a ponta arredondada (arrebitado). Muitas vezes o
· Comprometimento na articulação dos fonemas: /t/, /d/, /z/
nariz é voltado para cima, com as narinas aparecendo
· Respiração, sucção, mastigação, deglutição, fala e crescimento facial
· Altura facial inferior diminuída
podem alterar-se em conseqüência do freio curto
· Ângulo mandibular (goníaco) fechado
· Arco dentário alargado, com possíveis diastemas
· Palato duro mais raso, mais curto e mais largo horizontalmente (arco
maxilar também)
· A língua é mais larga

Musculatura
· Forte, especialmente o masseter, que é encurtado e hipertônico

Funções
· A deglutição é facilitada pelo espaço intra-oral diminuído verticalmente
· As câmaras nasais e nasofaringe, proporcionalmente mais largas no ripo Fig. 7-1
braquifacial, tendem a ser verticalmente mais curtas. Isso determina o
aspecto mediofacial largo, o que, por sua vez, estabelece um número de
outras características faciais que distinguem-no da face mais longa e mais
estreita do tipo dolicofacial

Fala (Articulação)
· Distorção nos sibilantes

Fig. 7-2
32 33
Quando se observam alterações nestes aspectos, o paciente deverá ser
encaminhado para um exame mais específico. Existe, portanto, uma relação
clara entre a coluna cervical, a postura da cabeça. a posição do tronco e dos
pés.
A musculatura do sistema estomatognático está diretamente ligada à
manutenção da postura, portanto qualquer fator influirá na relação
craniocervical, desencadeando alterações nas funções fisiológicas:
· Deglutição alterada
· Obstrução nasal
· Respiração bucal
Hábitos parafuncionais também irão atuar modificando a postura da cabeça.
Sugerimos que o paciente seja fotografado a cada 2 meses, próximo à parede
Fig. 7-3 Fig. 7-4 quadriculada, sempre no mesmo lugar. Mas um tratamento específico será
feito pelo fisioterapeuta.
O que se pretende deixar claro é a importância do trabalho interdisciplinar
que deverá ser feito em conjunto com todos os profissionais envolvidos em
um interesse comum (Fig. 7-6).
Nosso objetivo será avaliar, compreender e estimular o paciente na busca do
processo de cura.

Odontopediatra
Odontólogo
Fig. 7-5
Ortodontista Ortopedista de maxilar

POSTURA CORPORAL
O exame da postura corporal será feita pelo fonoaudiólogo por meio de Fonoaudiólogo
Otorrinolaringologista PACIENTE
observações efetuadas de maneira espontânea: o andar, as posturas cervical e
global.
Em posição estática, observamos: Alergista Fisioterapeuta
- Cabeça
Psicólogo
- Ombro Fig. 7-6
- Corpo: frente, costas e perfil
34 35
Alterações da Articulação Temporomandibular - (ATM) Outras funções estomatognáticas podem estr comprometidas devido ao
Segundo a Dr.ª Viviane Todeschini em seu artigo escrito para o jornal O problema da A.T.M.
Globo (Jornal da Família) a respeito do desequilíbrio da mordida e suas Quando o paciente apresenta queixa destes sintomas, deverá ser
conseqüências (Alteração da Articulação Temporomandibular), "a oclusão encaminhado ao odontólogo especializado para um diagnóstico mais
saudável é aquela em que os dentes e suas estruturas de suporte, articulações, específico, antes de se iniciar a terapia.
ligamentos e músculos trabalham em harmonia, sem alterar o mecanismo da
fala, da respiração, da mastigação e da deglutição. A má-oclusão ou mordida Para a obtenção das respostas necessárias à avaliação, costumamos utilizar
errada é decorrente do mau desenvolvimento dessas estruturas. para os exames orofacial, respiratório e fonético as fichas que se seguem.
O problema é mais freqüente na faixa etária entre 21 e 50 anos. Os primeiros
sintomas são dores na articulação da mandíbula, estalos no ouvido quando a
pessoa abre ou fecha a boca, desgaste excessivo dos dentes, espasmos
musculares e dores de cabeça. EXAME OROFACIAL
Outra conseqüência da má-oclusão é o bruxismo, que se caracteriza pelo Tipo Facial
hábito de ranger os dentes, geralmente à noite. Este distúrbio desgasta A. Exame das estruturas orais (Johnson e Spietzbach)
restaurações, dentes, gengivas e estruturas de suporte, além de provocar dor
muscular. Estudos indicam que 60% da população sofrem do problema. 1. Lábios
- Freio normal
Fatores hereditários, endócrinos e nutricionais; ausência ou alteração no - Lip strenght (Garliner)
tamanho e formato dos dentes; hábito de respirar pela boca e o uso de
chupeta podem desencadear a má-oclusão. A respiração bucal, por exemplo, 2. Dentes
causada pela obstrução nasal, induz a uma série de alterações crânio-faciais, - Apresentação: •Normal: • Prejudicada: • Desenho:
- Revisão Informal:
com o objetivo de facilitar a passagem de ar durante os movimentos
• Estado geral de cuidados:_________________________________
respiratórios. • Dentição: •Decídua: •Permanente: •Mista:
Nestes casos os músculos da língua são forçados para baixo durante a Apresentação: - Normal:•
inspiração, comprometendo o crescimento ósseo e alterando a posição dos - Prejudicada:•
dentes. O mesmo acontece com crianças que chupam o dedo ou usam a) anadontias
chupeta. Por isso o acompanhamento da criança pelo dentista, b) mutilação
principalmente entre os 5 e 7 anos, é essencial para a boa dentição. A c) diastema
ausência de um único dente altera toda a oclusão. Há várias formas de má- d) apinhamento
oclusão, classificada de acordo com o tipo de mordida. As mais observadas e) overjet
f) overbite
no consultório são mordida profunda, aberta (os dentes anteriores não se
g) openbite
tocam) e cruzada. - Oclusões:
Quando a má-oclusão não é tratada, leva ao aparecimento da síndrome de • Chave de oclusão: O primeiro molar superior ocluindo sobre
articulação temporomandibular, com sintomas e dores intensas na face, o primeiro molar inferior.
têmporas, cabeça, pescoço, ombros e coluna. O canino superior ocluindo entre canino
A maioria dos pacientes não reconhece a origem das suas queixas. Muitas inferior e o pré-molar inferior.
vezes acham que sofrem de enxaquecas e passam por diversos especialistas
sem obter bons resultados no alivio do problema. Portanto o dentista é o
profissional mais indicado para tratar deste assunto".
36 37
• Má oclusão: 6. Bochechas:
Classe I Divisão 1 Explosão Conjunta• Separadamente•
Direita• Esquerda•
Classe II Divisão 2 7. Palato Duro:
Direita• Esquerda• Anomalias: - Congênitas
Classe III - Adquiridas
Direita• Esquerda•
Características:
• Variações de oclusões:
Mesioversão • 8. Palato Mole:
Distoversão • - Tamanho:
Giroversão • - Mobilidade:_________________ a• ã•
Supra-oclusão •
Infra-oclusão • 9. Garganta:

3. Língua: 10. Oclusão Velofaríngea:


Força _______ Tamanho: _______ Aspecto: _______ Coloração: _______
11. Cavidades Nasais:
- Freio lingual:
- Repouso: 12. Tônus e Postura:
- Dos lábios:
4. Mandibulares: - Língua:
- Projetar e retrair a mandíbula - Bochechas:
- Fazer movimentos rotativos com a mandíbula - Mandíbula:

5. Masseteres Observações:
- Trincar os dentes com força
- Verificar na deglutição

38 39
B. Exame informal do eixo corporal D. Exame das funções estomatognáticas
1. Posturas:
- Cabeça Exame respiratório
- Ombros
- Pescoço Respiração:
a) Bucal• Nasal•
C. Exame das praxias orofaciais b) Tipo respiratório – de pé
1. Faciais: b.1) Inspiração:
- Piscar um olho e depois o outro a) costo/diafragmática •
- Franzir e elevar sobrancelhas b) costal superior •
- Encher as bochechas - com elevação clavicular •
- Levantar asa do nariz c) abdominal •
d) costal inferior •
2. Labiais: e) inversa •
- Movimentar os lábios para a D e a E b.2) Expiração:
- Projetar o lábio superior para frente a) costo/diafragmática •
- Projetar o lábio inferior para frente b) costal superior •
- Vibrar os lábios - com esforço •
- Assoviar - com indiferença abdominal •
- com encolhimento do ventre •
3. Linguais: c) inversa •
- Canelar
- Passar a ponta da língua em volta dos lábios
- Tocar os cantos dos lábios com a ponta da língua Freqüência:
- Vibrar a ponta da língua Acelerada•
- Estalar Normal•
Rítmica•
Observações: Arrítmica•

40 41
Coordenação Fono-respiratória D. Exame das funções estomatognáticas (cont.)

Desperdício pré-fonatório• 1. Respiração


Fonação sem pré-abastecimento•
Abastecimento fraco• 2. Sucção

Nariz 3. Mastigação
Anterior: Posterior:
- Mucosa: Vermelha• Rósea• Branca•
Parcial: Total:
Unilateral: Bilateral:
Curta: Longa:
- Obstruções: Desvios• Adenóides•
Mímica facial:
Outros movimentos:
- Prova das narinas: direita: _______________________________________
esquerda:_____________________________________ 4. Deglutição
Sólidos
Líquidos
- Respiração habitual (consegue no esforço) Salivas
respiração obstrutiva (queixas) 4.1. Tônus muscular durante a deglutição de sólidos:
• Masseter
• Mentalis
• Lábios
4.2. Tônus muscular durante a deglutição de líquidos:
• Masseter
• Mentalis
• Lábios
4.3. Tônus muscular durante a deglutição da saliva:
• Masseter
• Mentalis
• Lábios

5. Teste The Payne Technique (Garliner)

42 43
D. Exame das funções estomatognáticas (cont.) •Observações: _________________________________________________
_____________________________________________________________
_____________________________________________________________
Exame da Fala

A. Exame fonético (dicção e locução) • Conclusões: __________________________________________________


_____________________________________________________________
- Articulação:
_____________________________________________________________
• Tensa•
• Pouca nitidez• Silabafagia•
• Fonemas: P-B-T-D-F-V-G-S-Z-L-LH-N-NH-CH-J-M-R-RR • Orientação terapêutica:_________________________________________
_____________________________________________________________
• Travadas: ______________________________________________
_____________________________________________________________
• Inversas: ______________________________________________ _____________________________________________________________
_____________________________________________________________
• Apresenta: Dislalia• Disglossia•
_____________________________________________________________
Qual?______________________________________________ _____________________________________________________________
_____________________________________________________________
• Ritmo:_________________________________________________
• Entonação: _____________________________________________
• Leitura: ________________________________________________
• Linguagem:_____________________________________________
• Observações:___________________________________________
________________________________________________________
Assinatura: _______________________________________________

B. Exame vocal
- Qualidade vocal
• Timbre (ressonância):
• Altura:
• Emissão:
• Intensidade:

44 45
Exames do Prof. Daniel Garliner

1. Lip Strenght – Escala de força (,3 a ,5 normal) (Fig. 7-7)


2. The Payne Technique (Fig. 7-8)

Instruções para Aplicação da Técnica de Payne:


Fig. 7-8
A fórmula para preparação da substância de marcação é a seguinte:
1% do peso preparado de Sodium Fluorescein diluível em água em Orobase. O procedimento para aplicação da técnica de Payne é o seguinte:
Orobase é um tipo de solução encontrada em qualquer farmácia.
A área da língua a ser testada (normalmente a ponta) é seca com um tecido
Esta fórmula pode ser substituída pelo “Revelator”, disponível no mercado ou material absorvente similar, para remover o excesso de umidade.
americano.
Uma pequena quantidade do preparado, que varia de uma cabeça de alfinete
a dois ou três milímetros de diâmetro e de meio a um milímetro de espessura,
é colocada na parte central da ponta (ou da posição desejada) da língua. É
recomendado o uso do aplicador Payne Technique para aplicar a solução.
Algumas gotas de água são colocadas sobre a língua e o paciente é instruído
a engolir.
Após ter engolido, o paciente deverá abrir a boca e um flash de luz negra
será direcionado para o seu interior. Esta luz faz com que a substância torne-
se fluorescente, indicando através de sua posição onde a parte marcada da
língua esteve posicionada, enquanto o paciente engolia.
Atenção: O Sodium Fluorescein deve ser do tipo diluível em água; o diluível
em óleo não funciona.

3. Myoscanner (Fig. 7-9)


Interruptor "A" Função
· Para baixo (down) Músculo masseter
Tensão da língua
Fig. 7-7 Compressão labial
· Para cima (up) Tensão labial
46 47
EXAME DE TOPOGNOSIA ORAL
Nome: ________________________________ I.C.__________________
Data: ______ / ______/ ____________

1) FACE

Fig. 7-9

Interruptor “B" Função


· Para baixo (down) O Myoscanner está no modo sample
A leitura mais alta (pico) não e mantida no
medidor 2) LÍNGUA DORSO (se necessário)

· Para cima (up) Myoscanner está no modo hold


A leitura mais alta (pico) é mantida no
medidor

Instruções
· Não gire o botão quando o interruptor estiver para cima (up). Isto levará a
uma leitura incorreta.
· Quando medir a tensão labial, as leituras serão mais altas quando o
interruptor estiver para cima (up) ou na posição sustentação (hold). Os
eletrônicos são mais rápidos do que o movimento da agulha, no medidor
sempre gravam a leitura mais alta (pico).
48 49
Nestes casos, alerta-se a família e procura-se desenvolver as duas terapias
3) PALATO através de trabalho de equipe.
3. Prognóstico
Os hábitos atípicos devem ser corrigidos o mais cedo possível, visto que a
gravidade dos distúrbios dentários é diretamente proporcional ao tempo que
perdura o hábito.
O prognóstico depende da idade, da situação emocional e orgânica do
paciente, da assiduidade e do interesse pelo tratamento.
É importante observar a conveniência do contato do fonoaudiólogo com o
profissional que lhe encaminhou o paciente.
De início, este contato é feito através da impressão diagnóstica, da orientação
terapêutica e prognóstica. No decorrer do processo, o profissional deverá ser
Observações
informado de todas as fases do tratamento. São inúmeras as vezes em que
Quando existirem outras patologias associadas, procederemos no sentido de este contato possibilita grandes melhoras do paciente em. questão.
realizar a avaliação específica da patologia apresentada.
Orientação aos Pais
Em nossa terapia substituímos a glossografia pelo Test The Payne.
Compreensão do problema, tanto pelos pais como pelo paciente. Após o
Alguns profissionais sugerem a realização dos exames de estereognosias e
estudo do caso, é de suma importância que o mesmo seja esclarecido aos
topognosias. Portanto, fica a critério do profissional criar sua triagem
responsáveis, mostrando todos os aspectos considerados atípicos e como se
específica.
fará o planejamento do trabalho, o número de sessões previstas e as falhas no
regime do tratamento, que podem ser:
a) Motivação insuficiente por parte dos pais.
ESTUDO DO CASO
b) Motivação insuficiente do paciente.
1. Observar a necessidade de encaminhar o paciente ao neurologista, ao c) Falta de comunicação entre terapeutas e pacientes.
otorrino ou ao psicólogo. Isto é muito importante porque, quando existem d) Doença durante os períodos críticos do re~ime de. tratamento.
condições orgânicas desfavoráveis, o tratamento pode levar a um bom tônus e) Revisão insuficiente do regime de tratamento.
e a uma boa mobilidade, mas somente durante as sessões, pois a causa
2. Relacionamento paciente-pais. Este relacionamento é de muita
continua presente e não se chegará a nenhuma automatização.
importância e visa principalmente o reconhecimento do progresso do
2. Observar se existem outras patologias fonoaudiológicas associadas: paciente. Em crianças pequenas a mãe é o "centro" da terapia. Em casa
deverá haver um ambiente favorável ao treino dos exercícios, evitando
a) Problemas da voz (principalmente as disfonias, rinofonias, etc.).
irmãos e amigos que possam criticá-lo por não saberem bem do que se trata.
b) Problemas da fala (dislalias, disglosias, gagueiras, etc.). Evitar desenvolver na criança sentimentos de incapacidade, pois isto só
poderá desestimulá-la. Outros aspectos importantes são: a presença do
c) Problemas de linguagem.
responsável às sessões de terapia, mostrando assim que os pais também
d) Psicomotricidade e aprendizagem. querem colaborar com o sucesso de seu tratamento e horário estabelecido
50 . 51
para o treino dos exercícios. CAPÍTULO 8 – PLANEJAMENTO DE TRABALHO
3. Entre paciente e terapeuta deverá haver grande harmonia. Caso haja este
tipo de dificuldade, é aconselhável a troca de terapeutas dentro da mesma
equipe.
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
4. Estimular o desejo do paciente em melhorar, principalmente do Antes de iniciar a reeducação da motricidade oral é de suma importância que
adolescente que reclama tanto do acúmulo de atividades. Nunca se deve se faça o Diagnóstico Diferencial para cada caso, observando os seguintes
fazer uma terapia forçada. aspectos importantes:
1. O que o paciente tem:
- conscientizar o paciente de suas dificuldades, procurando
sempre trabalhar em cima da causa e não do sintoma. Torna-se mais objetiva
a importância da terapia quando 0 paciente tem consciência do que realmente
ele tem e o "porquê" dos exercícios específicos. A terapia será objetivada
para um tempo mais curto. Mesmo com pacientes menores, já os
conscientizamos da necessidade deste aspecto. Sempre perguntamos:
"Por que você foi encaminhado à Fonoterapia"?
- quais são os aspectos que necessitam ser mais trabalhados
no seu caso? (Objetivar para um tempo mais curto. Exercícios mais
específicos.)

IMPORTÂNCIA DA HIERARQUIA NO TRABALHO


Qual o profissional que vai atuar primeiro ou se o trabalho será
concomitante.

52 53
QUAL SERÁ O MELHOR PROGNÓSTICO PARA O CASO, O paciente deverá se conscientizar bem da importância de colaborar com os
LEMBRANDO QUE PODEREMOS DEPARAR COM LIMITAÇÕES exercícios para o bom êxito do tratamento. Todos os casos tratados deverão
IMPORTANTES? ser submetidos a quatro revisões.
1. Problemas respiratórios como: asma, bronquite, amígdalas enfartadas etc.
Após essa fase, então iniciam-se as visitas de controle até a alta final dada
2. Alterações oclusais.
pelo ortodontista, quando se fará outra revisão sistemárica. As sessões
3. Desproporções esqueléticas, principalmente classes II e III esqueléticas.
variam de 30 a 45 minutos, dependendo das necessidades de cada caso. Após
4. Alterações da articulação temporomandibular (ver capítulo 7 ).
a demonstração do exercício, o paciente o anotará em seu caderno com suas
TERAPIA OBJETIVADA PARA TEMPOS CURTOS EVITANDO O próprias palavras.
ESTRESSE E COBRANÇA COM EXERCÍCIOS QUE O PACIENTE
No início do tratamento, deve-se pedir que desenhe suas estruturas dentárias
NÃO NECESSITA
como estão agora e como as terá quando fizer a correção.
NECESSIDADE DE CONTACTO COM OUTROS PROFISSIONAIS
O preenchimento da ficha de tratamento facilita nosso trabalho, permitindo
E TAMBÉM DE EXAMES COMPLEMENTARES QUE
também uma comunicação melhor com os pais ou responsáveis e com os
GERALMENTE SÃO SOLICITADOS POR PROFISSIONAL
profissionais de outras áreas.
ESPECIALIZADO NESTA ÁREA
Abaixo um modelo de ficha:
Após a anamnese, o exame e o contato com o ortodontista, o fonoaudiólogo
· Nome
fará seu plano de trabalho, de acordo com o diagnóstico diferencial.
· Idade
O plano deverá seguir, basicamente, o seguinte esquema: · Problema
· Ortodontista
a) Iniciar sempre a sessão de trabalho por exercícios de respiração e
· Início do tratamento
relaxamento ativo, massoterapia, shiatsu, etc.
· Horário
b) Verificar e dar conhecimento das estruturas da cavidade bucal, órgãos · Fonoaudiólogo
móveis e imóveis, conhecimento e posições da língua (E. C. e O. E. T.). · Dados significativos da anamnese e do exame
· Orientação terapêutica
c) As reações do paciente devem ser:
· Prognóstico e exames solicitados
- estímulos verbais e visuais;
· Controle das sessões
- treinamento com estímulos visuais para chegar à memorização;
· Controle de revisões:
- realização sem estímulos visuais (olhos fechados).
1ª revisão 3ª revisão
d) Descrição dos aspectos dos movimentos: evocação e representação mental Data Data
da sensação cinestética. Obs.: Obs.:
e) Incluir movimentos psicomotores sempre que o caso exigir. 2ª revisão 4ª revisão
Data Data
f) Trabalhar, desde o início, simultaneamente, com movimentos e exercícios
Obs.: Obs.:
de deglutição.
· Informação geral do tratamento
g) Quando houver problema de dicção, iniciar a correção assim que estejam · Síntese das revisões
estabelecidas os padrões corretos de deglutição. · Visitas de controle
· Assinatura
54 55
CAPÍTULO 9 – TRATAMENTO DA MOTRICIDADE
ORAL: TERAPIA MIOFUNCIONAL

A terapia miofuncional abrange todas as funções de ordem global. São os


chamados exercícios básicos. Esta terapia constitui-se de três fases, comuns a
todos os tratamentos:
1ª fase
· Conscientização do problema e necessidade de sua correção. Vontade de
melhorar
Fig. 9-1
· Postura corporal
2ª fase
· Guias de língua.
· Aplicação dos exercícios básicos, que devem ser feitos de forma integrada, · Espirômetro ou língua-de-sogra, vibradores, espiroscópio, material de
sobretudo os que se destinam à correção dos hábitos atípicos, a saber: sopro (Fig. 9-1).
- relaxamento e respiração; · Canudos variados.
· Ligas ortodônticas de espessuras variadas.
- reorganização neurológica;
· Botões (Fig. 9-2).
- exercícios para estimular as funções reflexovegetativas: respiração,
sucção, mastigação e deglutição;
- lábios, língua, bochecha e véu do palato;
- preparatórios para deglutição;
- orofaciais;
- correção articulatória.
3ª fase
· Reforço

Discriminamos, a seguir, o material necessário aos exercícios.

Fig. 9-2
56 57
· Seringas. · Marshmallow
· Material comestível: líquido, pastoso e sólido. · The Payne
· Chupeta ortodôntica. · Lanterna
· Garrotes e cateter. · Guia de posicionamento lingual de Altman
· Pastilhas. · Pantalas
· Hóstias. · Minirrefletor nasal
· Espelhos de tamanhos variados. · Espelho de Glatzel
· Pesos.
· Lâmina.
Guias de Língua*
· Espátulas. Conjunto n° 1
· Elásticos ortodônticos coloridos.
· Adesivos.
· Halteres labial e língua.
· Escova dental.
· Dedemass.
· Estimulador térmico.
· Chupetas. Para tonicidade da língua
· Scap-scope.
· Aspirador nasal. Para toque de papila e para
· Lip strenght. canelar a língua
· Cartaz.
· Separador de lábios (Fig. 9-3).
Para o dorso e
ponta da língua

Conjunto n° 2

Estereognosia – formas e tamanhos

Conjunto n° 3

Estereognosia – textura
Fig. 9-3

58 59
AVULSOS
Conjunto n° 4

n° 1

Espátula para exercícios de abaixar a língua

Para massagear o dorso da língua e bochechas n° 2

Espátula para correção do sigmatismo


Conjunto n° 5
(bota dentada e bota lisa)

EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO
Nosso corpo é portador de uma certa quantidade de energia: nossa tensão
Aros metálicos para afinar a língua
(3 tamanhos – criança, adolescente e adulto) física e nervosa. Na pessoa bem equilibrada, a tensão é sempre proporcional
à necessidade: a tensão aumenta durante um esforço e diminui durante o
repouso.
No caso de pessoas nervosas, é diferente: quando a tensão ultrapassa seu
nível, ela não consegue voltar à normalidade. Ou então ela se fixa em tiques
anormais: franzir sobrancelhas, bater com o pé no chão, balançar as pernas,
Conjunto n° 6 ranger os dentes, piscar forte os olhos.
Usamos exercícios:
· Massoterapia
· Relaxamento ativo
· Ty-na-shiatsu
· Unibiótica
Para treinar a respiração nasal (7 peças,
começando com a placa de 6 furos e ______________
Para fortalecer a musculatura diminuindo até chegar à placa sem
(6 tamanhos) *Todos os guias de língua aqui apresentados são de fabricação exclusiva do Sr.
perfuração) Antônio Pinto Nogueira, que gentilmente nos cedeu o direito de reproduzi-los.
60 61
Relaxamento de Ruídos · Apóia a testa (entre as sobrancelhas) nos dedos médio e indicador, usando
· Ouvir todos os ruídos dedos polegar e anular para controlar a respiração
· Discriminar cada um: forte-fraco, alto-baixo, longo-curto - 1° tempo: inspiração lenta pela narina direita;
· Depois tentar ouvir um barulho que seja constante, monótono e fixar - 2° tempo: pausa;
atenção só neste barulho - 3° tempo: expiração lenta pela narina esquerda;
· Tentar ouvir o próprio ruído interno - 4° tempo: pausa;
- 5° tempo: inspiração lenta pela narina esquerda;
EXERCÍCIOS DE RESPIRAÇÃO - 6° tempo: pausa;
- 7° tempo: expiração lenta pela narina direita.
Respiração Abdominal
· Posição: paciente deitado em decúbito dorsal Respiração de Recuperação (Aconselhada para depois do Exercício
· Solta todo o ar que tem Ativo)
- 1° tempo: inspiração nasal lenta; · Posição: de pé, sentada ou deitada
- 2° tempo: pausa; · Solta todo o ar que tem.
- 3° tempo: expiração bucal lenta. - 1° tempo: inspiração nasal lenta;
· Este exercício pode ser feito de forma simples: - 2° tempo: pausa;
- 1° tempo: inspirar elevando o abdome; - 3° tempo: expiração em três jatos de ar.
- 2° tempo: pausa;
-3° tempo: expirar contraindo o abdome. Respiração Controlada (Aconselhada para Aumentar a Capacidade
· Ou mista: Respiratória e também para o Controle do Aumento)
- 1° tempo: inspirar elevando o abdome; · Posição: de pé
- 2° tempo: pausa contraindo o abdome; - 1° tempo: inspiração nasal lenta;
- 3° tempo: expirar relaxando o abdome. - 2° tempo: pausa;
- 3° tempo: expiração bucal, contando oralmente e soltando o ar do
Respiração Intercostal Diafragmática diafragma.
· Posição: paciente de pé sentindo as costelas com os pulsos (na base dos
pulmões) Respiração completa: diafragma, intercostal e superior em uma só
· Solta todo o ar que tem respiração.
- 1° tempo: inspiração nasal lenta alargando a base dos pulmões;
- 2° tempo: pausa; Respiração Remador (Dá Expansão à Caixa Torácica; é Específica para
- 3° tempo: expiração nasal lenta. quem Tem Hipertensão da Musculatura Torácica)
Respiração completa de pé: inspirar e expirar, lentamente, pelo nariz. · Posição: de pé, braços estendidos ao longo do corpo
- 1° tempo: inspirar puxando os braços lentamente para trás como um
Respiração de Narina Alternada (Aconselhada para depois do Exercício remador;
Oral) - 2° tempo: prender a cabeça para trás;
· Posição: sentada, de pé ou deitada - 3° tempo: levar os ombros bem para trás, fazendo pausa;
· Solta todo o ar que tem - 4° tempo: deixar o tronco prender para frente, expirando.

62 63
EXERCÍCIOS DE REEDUCAÇÃO (QUALITATIVOS) EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS COM MOVIMENTOS DE BRAÇOS

1ª série I
· Posição: de pé 1° tempo: inspiração bucal soprando suavemente, levando os braços à frente
1° tempo: inspiração lenta, suave, profunda, silenciosa, regular e total; e depois ao longo do corpo.
2° tempo: pausa; II
3° tempo: expiração nasal, lenta, suave, silenciosa, regular e muito 1°tempo: inspiração nasal levando os braços acima da cabeça;
prolongada: deixar o tronco e a cabeça caírem, relaxando; permanecer algum 2° tempo: pausa;
tempo e retornar à posição inicial; a cabeça é a última a voltar. 3° tempo: expirar pela boca baixando o tronco até tocar a ponta dos pés com
os dedos das mãos.
2ª, 3ª e 4ª séries III
1° tempo: inspiração lenta, suave, profunda, silenciosa, regular e total; 1° tempo: inspiração nasal abrindo os braços em cruz;
2° tempo: pausa; 2° tempo: pausa;
3° tempo: expiração nasal em 2, 3 e 4 tempos. 3° tempo: expiração bucal levando os braços à frente e flexionando os
joelhos.
5° série IV
1° tempo: inspiração lenta; 1° tempo: igual ao anterior, porém com os pés separados;
2° tempo: pausa; 2° tempo: pausa;
3° tempo: expiração rápida e contínua. 3° tempo: expiração bucal baixando o tronco e tocando o pé direito com a
mão esquerda e vice-versa.
6° série
1° tempo: inspiração nasal um pouco mais rápida; EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS (PERELLÓ)
2° tempo: pausa;
3° tempo: expiração lenta. 1. Explicar ao paciente o mecanismo da respiração.
2. Inspiração, sempre nasal, suficiente para permitir a emissão de uma frase
7ª série de duração média.
1° tempo: inspiração muito lenta; 3. Não apresentar contrações na musculatura cervical.
2° tempo: pausa; 4. A respiração deve ser simultânea com a emissão.
3° tempo: expiração muito lenta. 5. Todos os exercícios devem começar com um movimento de expiração.
6. Nos casos de pacientes que não aprendem a respiração diafragmática,
8ª, 9ª e 10ª séries procede-se do seguinte modo:
1° tempo: inspiração nasal muito lenta; a) Posição deitada - Fazer soprar todo o ar que puder enquanto,
2° tempo: pausa; simultaneamente, o reeducador faz pressão sobre o abdome. Quando o
3° tempo: expiração em 2, 3 e 4 tempos. paciente iniciar a inspiração, retirar a mão.
Variante - Colocar um livro ou uma almofada de areia em cima do
11ª série igual à 1ª abdome; na inspiração o livro se eleva e na expiração o livro deve descer.
A 2á série de exercícios será igual à 1ª, porém, com expiração bucal. b) Posição de pé - Fazer o paciente respirar diante do espelho com o
tronco nu. Fazê-lo colocar as mãos planas nas costelas com o polegar para
trás. Exploram-se assim a visão, o tato e a sensibilidade proprioceptiva.
64 65
PSICOMOTRICIDADE RESPIRAÇÃO BUCAL

Esquema Corporal - Sensação de Peso Se ao detectar a causa for constatado o mau hábito de manter a boca aberta,
poderemos usar os seguintes recursos, pois o importante é a conscientização
Posição inicial - Paciente deitado no chão em decúbito dorsal. Braços do uso do nariz:
acima da cabeça comodamente colocados (ligeiramente dobrados). Pernas 1. Manter uma medalha entre os lábios sempre que estiver em silêncio.
frouxas mas comodamente juntas. Olhos fechados. 2. Uso das placas com furos. O ideal será dormir com esta placa.
Movimentação -À ordem do terapeuta, girar o corpo para a direita ou 3. Esparadrapo - Ao dormir colocar um pedaço de esparadrapo sobre os
esquerda, iniciando o movimento pelo quadril. Pôr-se deitado sobre o lado lábios em posição vertical.
determinado e ficar alguns segundos nesta posição. 4. Botões (ver Orientações Gerais).
Deixar o corpo cair para a posição inicial. 5. Hóstia - Usar retalhos de hóstia em repouso e ao adormecer.
Reiniciar treinando o outro lado e voltar à posição inicial. Recomeçar 6. Ligas ortodônticas - Manter um ou vários elásticos sobre a língua. Jogo:
e, em vez de voltar à posição inicial, completar o rolamento, deixando-se cair alegria da mamãe do Garliner.
para frente. 7. Exercícios de respiração e sopro - Cheirar uma flor.
Conclusão: Pedir ao paciente que descreva o que sentiu. Deixar que 8. Soprar sobre o braço e a mão.
ele fale. Se não souber, repetir o exercício. 9. Soprar gaitas, apitos, cometas, flautas.
Obs.: ter que se virar começando pelo quadril dá a sensação de peso. 10. Soprar bolas de diferentes tamanhos e pesos.
11. Soprar cata-ventos, línguas-de-sogra, bolas de gás.
12. Soprar peninha, algodão para o ar.
EQUILÍBRIO 13. Cheirar conteúdo de vidros de perfume, café, álcool, canela.
14. Soprar bichos de papel, deslocando-os sobre a mesa.
Posição inicial - De pé, braços ao longo do corpo e pés juntos. 15. Soprar cones de papel colocados dentro de um tubo de cartolina.
1. Parado e quieto, procurando sentir o corpo em bloco. 16. Beber água ou refresco com canudinho.
2. Balançar-se para frente e para trás sem descolar os pés do chão. 17. Soprar barquinhos dentro de uma bacia com água.
3. Balançar-se para a direita e para a esquerda, idem. 18. Soprar grãos, deslocando-os a maior distância.
4. Descrever círculos pela direita ou pela esquerda, idem. 19. Soprar dentro de uma lata com água, ouvindo o som.
5. Levantar vagarosamente um braço e deixar cair sem deslocar o 20. Fazer bolhas de sabão.
corpo. Fazer o mesmo com o outro braço. 21. Soprar uma bola de pingue-pongue sobre uma mesa.
6. Levantar vagarosamente uma perna, dobrando-a pelo joelho, e 22. Espirômetro.
manter a outra bem esticada sem deslocar o corpo para qualquer 23. Espiroscópio.
acomodação. Fazer o mesmo com a outra perna. 24. Guia de posicionamento lingual de Altman.
Repetir tudo com os pés ligeiramente afastados.
Repetir tudo com o apoio de um só pé. SUCÇÃO (DEDO OU CHUPETA)
Exercícios de dissociação dos movimentos.
Exercícios de estruturação têmporo-espacial, etc. 1. Siga orientação de Beatriz Padovan.
2. Use o cronograma de Garliner para motivar a correção do hábito.
3. Faça um calendário diário onde a própria criança desenhe um boneco
rindo ou chorando, conforme tiver sido a sua reação.
66 67
4. No final do mês faça a avaliação e dê um prêmio previamente combinado. Se o paciente estiver com o nariz desobstruído.
5. Peça auxílio ao ortodontista para que o paciente use placa ortodôntica. O
importante é conscientizar bem o pequeno paciente da necessidade de
eliminar o hábito vicioso. Nesta fase, a criança poderá ficar muito ansiosa,
mesmo que se estorce, e muito agitada. Peça auxílio ao pediatra.

BRUXISMO – ONICOFAGIA

Para pacientes que sentem necessidade de ranger dentes (bruxismo) ou roer


unhas (onicofagia), aconselhamos os exercícios de mastigação, usando
mordedor e garrote, para motivá-los a vencer o hábito.

EXERCÍCIOS BÁSICOS 6. Estimular as funções reflexovegetativas:


- sucção;
Orientação Geral de Início de Tratamento (1ª Sessão) - mastigação.
7. Realizar o teste dos odores para estimular o olfato: as substâncias sólidas
l. Os exercícios deverão ser feitos diariamente, no mesmo horário, seguindo ou líquidas apresentadas (café, vinagre, lavanda, perfume etc.) em
o programa semanal. frasquinhos iguais devem ser reconhecidas e identificadas. Desta forma
2. Procurar tomar todos os líquidos de canudinho. também consegue-se exercitar a respiração prolongada.
3. Ao escovar os dentes: escovar a língua, bochechas e palato; gargarejar; 8. Confecção do cartão-lembrete (Figs. 9-4 e 9-5).
bochechar. 9. Exercício alegria da mamãe: Garliner. Elástico na ponta da língua, lábios
4. Repouso diurno, com os lábios fechados: cerrados. Permanecer 5 minutos por dia. Ir aumentando a cada semana mais
- usar halteres labiais; 5 minutos até 20 minutos.
- medalhas;
- guia de posicionamento lingual de Altman.
5. Repouso noturno: colocar sobre os lábios um pedaço de esparadrapo
antialérgico 3M (Micropore).

Se o paciente estiver com o nariz obstruído:

Fig. 9-4

68 69
18. Com água: bochechar - gargarejar, passar água do lábio superior para o
inferior.
19. Exercício do picolé: manter uma espátula entre os lábios e fazer o
movimento de sucção, como se estivesse sugando um picolé.
20. Assovio.
21. Técnica do botão (ver Orientações Gerais).
22. Morder o lábio superior e o inferior.
23. Massagem labial: sugar o lábio superior, usando o lábio inferior (ver
Orientações Gerais).

Exercícios para a Mandíbula


1. Abrir a boca lentamente e fechá-la.
2. Abrir a boca rapidamente e articular: ba-ba-ba.
Fig. 9-5 3. Masseter: morder com força e sentir o músculo.
Exercícios de Lábios
Exercícios de Língua
1. Língua para dentro e para fora.
Os lábios são a parte mais móvel do rosto devido à grande quantidade de
2. Língua para cima e para baixo dentro da boca (o elevador).
músculos faciais que agem sobre eles.
3. Língua nos cantos da boca (o reloginho).
Através do haltere labial trabalharemos não só o orbicular oral, como
4. Empurrar as bochechas com a língua (a bala grande).
também os bucinadores, o mentalis, os triangulares, os plastimas e outros.
5. Língua ao redor dos dentes (escovar os dentes).
6. Língua ao redor dos lábios (limpar a boca suja de sorvete).
1. Movimentar os lábios para frente e para trás.
7. Empurrar com força o palato com a língua.
2. Articular "iu" bem exagerado 6 vezes.
8. Estalar a língua com a ponta, o meio e a base.
3. O mesmo exercício anterior, mas sem som.
9. Articular sem deixar a língua sair: telelê — telelê — lu-lic-li-len-la — tu-
4. O mesmo anterior, de dentes cerrados.
tic-ti-ten-ta — nu-nic-ni-nen-na — du-dic-di-den-da.
5. Movimentar os lábios fechados para a direita e para a esquerda.
10. Língua larga e língua fina.
6. Projetar os lábios unidos e voltar ao normal.
11. Acartuchar.
7. Articular o "p" bem exagerado.
12. Caracol.
8. Encher os lábios superior e inferior de ar.
13. Slurp.
9. Inflar as bochechas.
14. Estalar a língua com a ponta presa.
10. Passar o ar de uma bochecha para outra.
15. Escovar a língua no meio e nas bordas laterais.
11. De boca aberta: mostrar e esconder os dentes.
16. Colocar o elástico na língua e retirá-lo sem ajuda dos dentes.
12. Vibrar os lábios.
17. Exercícios com a colher: empurrar a colher com a ponta da língua.
13. Assoviar, soprar.
18. O mesmo, usando bala: empurrar e golpear.
14. Jogar beijinhos bem fortes.
19. Exercícios com o anel.
15. Bigode com o lápis.
20. Língua tocando os lábios nos pontos cardeais: N, S, L, O.
16. Repouso.
21. Exercícios papinhos (ver Padovan, na Bibliografia).
17. Comprimir e relaxar os lábios.
70 71
Exercícios para o Véu do Palato Ao articular os fonemas /t/, /d/, /n/, /l/, /r/ e /lh/ sua língua deverá tocar atrás
dos incisivos superiores:
1. Bocejar.
2. Gargarejar. Músculos dos Lábios
3. Dizer lentamente: gongue-gongue — dingue-dongue — pingue-pongue. · Orbicular dos lábios
4. Emitir e alternar a vogal oral e nasal: a ã - e e - i i - o õ - u u. · Bucinadores
5. Articular: kkk. · Elevador comum da asa do nariz e do lábio superior
6. Articular: nk-nk-nk-ng-ng-ng tk-tk-tk. · Canino
7. Articular todas as vogais de boca aberta. · Zigomático maior
· Risório
Para uma melhor orientação do leitor, damos, a seguir, a relação dos · Triangular dos lábios
músculos trabalhados nos exercícios propostos. · Quadrado do mento
· Borla da barra
Exercícios Articulatórios · Compressor dos lábios

Conscientização da postura da língua para a articulação. Músculos da Mastigação


t — 6x · Músculo temporal
d — 6x · Músculo masseter
t-d-n-1 — 3x · Músculo pterigóideo interno
1-t-d — 3x · Músculo pterigóideo externo
t-d-1 — 3x · Músculo da língua
n-1-t — 3x
la-lé-lê-li-ló-lô-lu Protrusão da Língua
na-né-nê-ni-nó-nô-nu · Músculo genioglosso - movimento para frente e para trás
ta-té-tê-ti-tó-tô-tu · Músculo genióideo - dirige para frente o osso hióide
da-dé-dê-di-dó-dô-du
Retração da Língua
· Músculo estiloglosso - movimento para cima - para trás - estalar
· Depressão da língua

Músculo Hioglosso
· Elevação da língua
· Músculo estiloglosso
· Músculo palatoglosso
· Elevação do osso hióide
· Músculo supra-hióides
- músculo genióideo; - músculo digástrico;
- músculo estilóideo; - músculo milóideo.
72 73
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS DA DEGLUTIÇÃO 3. Estalar a língua bem depressa.
4. Mais devagar.
Caráter Geral 5. Segurar a língua no palato.
6. Fazer o mesmo abrindo e fechando a boca.
1. Exercício 1, 2 e 3 com elástico (Daniel Garliner) 7. Exercício segura e puxa (Daniel Garliner): adaptar a totalidade da língua
- elástico na ponta da língua; no céu da boca, deixando a boca aberta. Fazer pressão para cima contra o
- língua no palato, feche os lábios; palato, com a parte anterior da língua e não somente a ponta. Manter a ponta
- degluta corretamente. da língua afastada dos dentes da frente. Agora, puxar a mandíbula
vagarosamente para baixo; estalar a língua fortemente, ao se desfazer a
sucção. Repetir cinco vezes, fechar os dentes e engolir com a língua na
mesma posição.
8. Cerrar os dentes de trás levemente, como se fosse começar a mastigar;
fazer como se estivesse mastigando com os lábios cerrados. Colocar as mãos
de cada lado do maxilar e sentir a ação muscular a cada vez que os dentes se
juntarem. Mastigar repetidas vezes, fechar os dentes e engolir. Sentir a ação
nas têmporas, quando os dentes se juntarem.
9. Tomar um pequeno gole de água, fazer com a língua uma pequena
cavidade e manter a água ali, sem engolir. Contar até dez. Fechar os dentes
2. O mesmo exercício com 2 ou 3 elásticos. de trás, sorrir e levar a ponta da língua até a saliência alveolar, fazer pressão
para cima com a língua e engolir.
10. Produzir saliva movendo a língua em círculo, no interior da boca; enviar
a saliva para as bochechas; fechar os dentes, colocar a língua na posição
correta, trazer a saliva para o centro da língua e engolir.
11. Água com canudinho. Sugar, mostrar, engolir.
12. Colocar um pouco de açúcar na língua, esfregar no palato e engolir.
13. Colocar uma caneta presa nos dentes e deglutir.
14. O mesmo exercício com água. Apresentar o cartão 1. Iniciar a correção
articulatória.
15. Observando-se no espelho com a boca aberta, "ancorar" a ponta da
- palato ogival. língua por detrás dos dentes incisivos inferiores e ir puxando com vigor e
constância, e o pós-dorso da língua, para detrás e para baixo, em direção à
garganta. Manter o contato entre a ponta da língua e os incisivos inferiores:
cerrar os dentes e engolir.
16. Cerrar brandamente os dentes e os lábios; elevar a ponta da língua até a
saliência alveolar. Vocalizar, elevando e baixando a parte traseira da língua,
executando uma espécie de ronco ao pigarrear. Colocar a mão sob os tecidos
moles debaixo do queixo para sentir ação. Sorrir e engolir.

74 75
17. Manter uma hóstia entre a lâmina da língua e a saliência alveolar; cerrar 3.Experimentar, a partir de agora, manter sempre a língua no lugar certo.
os lábios e os dentes detrás, brandamente, sugar e engolir, mas sem soltar a
hóstia. Verificar quantos movimentos de deglutição são necessários antes Sessão 2
que a hóstia se desintegre. 1. Estalar a língua pelo menos 10 vezes, posicionando-a com força no céu da
18. Com a boca aberta, estabelecer sucção entre n corpo da língua e o palato; boca durante 10 segundos, depois solte-a também com força. É preciso fazer
manter uma sucção vigorosa, com a língua afastada dos incisivos. Abrir bem isso alto, não rápido.
e fechar os maxilares, repetidamente, mantendo a sucção para evitar soltar a 2. Depois de cada sessão, ou de cada refeição, manter a ponta da língua no
língua do céu da boca. Após cinco movimentos destes, fechar os dentes e lugar certo durante uma hora de cada vez, com os lábios fechados.
engolir. Este é um exercício de resistência.
19. Manter uma hóstia no palato e a língua na posição correta, Sessão 3
movimentando, até derreter a hóstia. A seguir, deglutir. l. Colocar três dedos na vertical, entre os dentes superiores e inferiores. Diga
20. Repetir, com vigor considerável, N-K-N-K-N-K, deixando a língua na "K" duas vezes, mantendo a ponta da língua em cima. Na terceira vez,
posição N enquanto explode K. Seguir adiante, engolindo na posição elevada prender, com força, a base da língua contra o céu da boca durante seis
correta (véu). segundos, antes de explodir o "K". Na quarta vez, proceder da mesma forma
21. Manter a parte dianteira da língua de encontro à saliência alveolar. que a terceira, mas engolindo o "K" em vez de explodi-lo: K-K-1-2-3-4-5-
Mantê-la nessa posição até o fim do exercício. Com a boca bem aberta, 6>K-1-Z-3-4-5-6. Engole. A ponta da língua fica posicionada em cima
repetir ng-ng-ng-ng movendo a parte traseira da língua com energia. durante todo o exercício. Faça este exercício 10 vezes durante cada sessão.
2. Assovie durante 5 minutos, tomando cuidado para que os lados da língua
Observação: encostem com força nas gengivas superiores. Se você não souber assoviar,
- os guias de língua serão usados de acordo com a. necessidade do comece fazendo o som do "S", depois force a língua um pouco para trás e
paciente; para cima, prendendo os lábios contra as gengivas. Se você praticar bastante
- recomendar o uso de hóstias para dormir. na primeira semana, ela será a última de exercícios. Na segunda, você vai
começar a engolir corretamente.
Exercícios de Barrett 3. Depois de cada refeição posicione a língua no lugar certo durante duas
horas, mantendo os lábios fechados.
As sessões destinam-se a explicar ao paciente como ele deve proceder
durante os exercícios. Já os cartões-resumo sintetizam as tarefas que serão Sessão 4
realizadas em casa. 1. Faça um cartaz e coloque-o juntamente com um espelho diante do seu
prato, em todas as refeições. Esta semana você vai praticar a nova deglutição
Sessão 1 cada vez que comer. Lembre-se: mantenha seus lábios abertos para cada
deglutição. Beba todos os líquidos da nova maneira (ver cartão-resumo IV).
1. Primeiro dia: praticar os exercícios em casa 2 vezes por dia, com intervalo 2. Exercitar lista de palavras em inglês do cartão-resumo IV.
de pelo menos duas horas entre as sessões. A partir do segundo dia, porém,
você deverá praticá-los 3 vezes diárias, até ver o terapeuta novamente. Sessão 5
2. Depois de cada sessão você deverá posicionar a língua no lugar durante 1. Exercitar o cartaz-lembrete durante a refeição.
pelo menos meia hora, mantendo os lábios fechados, a menos que precise 2. Fazer uma refeição por dia usando a nova deglutição:
falar. a) Morder um pedaço pequeno de alimento.

76 77
b) Mastigar com os lábios fechados (4 vezes de cada lado). 1. Manter os lábios separados toda vez que deglutir, durante mais uma
c) Fazer o bolo. semana, exceto quando estiver fora de casa.
d) Posicionar a ponta da língua no lugar correto. 2. Beber um copo d'água de gole em gole, durante meia hora, enquanto
e) Manter os dentes cerrados. estiver vendo televisão. Preocupe-se com a imagem televisa, não com a
f) Manter os lábios esticados, em posição de sorriso. deglutição.
g) Deglutir. 3. Engolir saliva 10 vezes antes de ir para a cama nos próximos 7 dias.
3. Beber todos os líquidos aos goles, prendendo o líquido com a língua no Assim que se deitar, posicione a ponta da língua na papila palatina,
lugar. Tanto para beber como para comer: mantendo-a no lugar com os lábios fechados. Diga mentalmente: "Engula
a) Manter os dentes cerrados. direito, engula direito, até adormecer.
b) Não deixar a língua encostar nos dentes. 4. Tudo o que você comer ou beber deve ser deglutido corretamente. Não
c) Lábios esticados, a não ser quando estiver fora de casa. erre deglutição alguma.
d) Manter os lábios fechados e a língua no lugar durante o dia inteiro. 5. Manter a língua no lugar o dia inteiro, com os lábios fechados.
4. Depois de cada refeição, prestar atenção no modo de engolir a saliva.
Exercite engolindo-a por 10 vezes. Sessão 7
5. Movimentar o palato mole (ver cartão-resumo V). 1. Nesta semana, manter os lábios esticados cada vez que deglutir, durante
6. Após beber água entre as refeições, deglutir a saliva 5 vezes seguidas. toda uma refeição, à sua escolha. Depois, sempre que engolir, os lábios
deverão ser fechados, mas sem pressão.
Deglutição de Líquido 2. Continuar a beber líquidos aos goles enquanto assiste televisão (meia hora
1. Manter a cabeça erguida. por dia), nesta semana.
2. Enquanto pega o copo, levantar a língua e mantê-la no lugar certo, durante 3. Ao deitar-se, coloque o elástico ortodôntico na ponta da língua. Levante o
o tempo que estiver bebendo. elástico até o lugar certo, feche a boca e pense: "Vou engolir certo durante
3. Tocar o copo suavemente enquanto beber. toda a noite". Repita esta frase em pensamento, até adormecer. Na manhã
4. Seus lábios não devem somente se movimentar enquanto bebem, mas seguinte o elástico deve estar no mesmo lugar.
também fazer pressão contra o copo. 4. Cuidado para manter a língua no teto da boca e os lábios fechados durante
5. Não limpar os lábios com a língua quando acabar de beber. Use o toda a noite.
guardanapo. 5. Durante essa semana, engolir bem quando fizer pausas enquanto fala.
6. Engolir a saliva corretamente pelo menos durante 15 vezes depois de cada Quando você voltar para o seu primeiro exame de controle, esteja preparado
refeição e, após cada liquido tomado entre as refeições, 10 vezes. Não se para conversar com o terapeuta por 15 minutos.
esqueça de manter os lábios Fechados e a língua no lugar sempre que não
precisar falar. Parabéns! Você aprendeu a engolir corretamente. Este hábito ficará para
7. Quanto mais lembretes fizer, melhor. Pode colocá-los sobre a televisão, sempre com você, se quiser.
dentro dos livros que está lendo, no seu quarto... Na próxima sessão, trazer
um desses lembretes para o terapeuta ver. Cartões-Resumo

Sessão 6 Cartão I
Os próximos exercícios ajudarão a tornar sua deglutição um hábito. Pratique- Lembre-se, por favor: mantenha seus lábios abertos.
os diariamente. Os lábios jamais devem se fechar durante os exercícios nas próximas 7 ou 8
semanas.
78 79
Você tem somente 1 exercício para fazer esta semana, mas é importante que A deglutição do "K" será fácil se você se deitar em supino relaxado e abrir a
o faça da maneira ensinada. Coloque o elástico na ponta da língua na posição boca. Assim que você aprender a deglutição do "K", sente-se e observe-se no
adequada; em seguida, levante a língua lentamente, até que o elástico seja espelho. Pratique de 12 a 20 vezes.
pressionando contra o ponto exato por trás de sua gengiva superior. Deixe Durante o dia, assovie bastante (5 min).
que alguém examine, para certificar-se do ponto exato. Em caso afirmativo, Na noite anterior à próxima visita, tente a nova deglutição completa.
então: 1. Dentes trincados como para o "choo".
1. Trinque os dentes. 2. Lábios separados.
2. Veja se o elástico ainda está no lugar. 3. Ponta da língua posicionada como para o "cha".
3. Degluta. 4. Lembre-se da deglutição do "K" e empurre a parte de trás da língua para
aquela posição.
Pare para pensar em cada etapa do exercício, pois este deve ser feito 5. Pressione a língua da mesma maneira como faz para estalá-la.
corretamente. 6. Degluta. Os lábios não devem estar juntos, nem a língua deve saltar. Não
1° dia: uma vez e somente seis deglutições. chupe, mas pressione a língua para cima e para trás.
2° e 3° dias: duas vezes por dia e seis deglutições de cada vez. Depois 7. Após cada refeição, coloque a língua na posição correta.
disso, três vezes por dia (com um mínimo de duas horas de intervalo) e doze
deglutições por sessão. Cartão IV
Tome uma refeição por dia com a nova deglutição. Beba todos os líquidos,
Cartão II gole por gole.
1. Estale a língua o mais possível; lembre-se, vá lentamente. Pressione sua Por favor, exercite estas palavras devagar e sinta a língua enquanto fala:
língua contra o céu da boca e baixe-a com força: precisamos fazer isto alto e "treat", "tight", "trot", "toad", "light", "load", "lad", "neat", "net", "night",
não rápido. "note", "date", "did“, "dot".
2. Pratique a deglutição do "chá" 3 vezes por dia. Faça 12 deglutições cada Também exercite o k (diga o k forte) - ka ke ki ko ku. Eck, lek, ickev,
vez. Lembre-se do padrão com seus dedos: pronuncie o k como em k-k-k Ø katie, kick, etc.
"cha" - "cha" - "cha", descanse Em seguida com o g: gay, guy, go, egg, igg, agg, ugh, uog, hag, heg, hug.
"cha", degluta. Pratique bocejar. Observe como o bocejo age em sua garganta.
Faça as 10 deglutições de cada série usando somente um "cha", assim que Uma vez por dia, observe-se frente ao espelho, bocejando. Gargareje todos
puder. Volte ao início, se sua língua sair. A língua ficará no alto se você falar os dias quando escovar os dentes. Faça disto um hábito.
com força e rapidamente. Lembre-se: somente você pode fazer o exercício.
3. Pratique o "choo" após cada deglutição; coloque seus dedos sobre sua Mantenha a postura correta para comer e beber. Degluta a saliva toda vez
mandíbula, morda até o músculo saltar, mantenha os dentes cerrados e diga que tomar líquido.
"choo" com força. Faça isto 6 vezes. Por favor, confeccione um cartão-lembrete. Depois de fazê-lo, use-o e pense
Mostre-me como sabe fazer isto na próxima visita. nele. Esta semana você deve tentar comer cada garfada com a nova
deglutição.
Cartão III Lembre-se: mantenha seus lábios abertos para cada deglutição. Beba todos
Pratique três vezes por dia. os líquidos da nova maneira, rápida, mas mantenha os dentes bem cerrados,
Cada vez que você se exercitar, por favor, faça o seguinte: com a língua presa na frente. Continue a gargarejar cada vez que escovar os
1. Pratique a deglutição do "cha". dentes.
2. Trinque os dentes e diga "choo".
3. Pratique a deglutição do "K".
80 81
Cartão V 5. Tente manter um elástico na ponta da língua, durante 7 noites, até obter
Uma vez por dia, olhe-se no espelho e exercite-se, movendo o palato mole êxito. Amarre o elástico no fio dental, para evitar que seja engolido durante o
para cima e para baixo. Pratique mais de uma vez por dia se o palato não se sono. Registre diariamente no seu caderno como o elástico amanheceu, para
mover com facilidade. O palato deve ir para cima c para baixo pelo menos 6 verificar sua deglutição noturna.
vezes, sem pausas para descansos, antes de você voltar para a próxima
consulta. SÉRIE DE EXERCÍCIOS OROFACIAIS
Uma vez por dia repita estas palavras, pronunciando cada som lentamente:
"treat", "tight", "toot", "thied", "toad", "lead", "lit", "late°, "light", "load", Explicar as razões dos exercícios e desenhar suas estruturas como estão
"lad", "neat", "knit", "net", "night", "note", "not", "date", "did", "dot". agora:
Pronuncie forte os sons das letras K e G: ka ke ki ko ku eck ike icke gay go 1. Colocar a língua em repouso
egg ugh hog kug ker uog. . Elástico – l minuto
. Água – 1 minuto
Cartão VI
Os exercícios seguintes tornarão a nova deglutição um hábito. Mas a . Hóstia – Até derreter
deglutição não se transformará em hábito, até que os exercícios sejam 2. Movimentar a língua exageradamente para fora em posição horizontal e
completados. estreitá-la, muito lentamente. Não tocar em dentes ou nos lábios.
1. Continue a gargarejar cada vez que escovar os dentes. Repetir 6 vezes e voltar sempre a língua no mesmo ritmo lento (exercícios do
2. Mantenha seus lábios abertos durante mais uma semana, cada vez que avião).
engolir, exceto quando não estiver em casa. 3. Realizar o exercício n° 2 e tocar o lábio superior com a ponta da língua,
3. Exercite seu palato mole uma vez por dia durante uma semana. Faça-o dobrando-a do lado de fora sem tocar os dentes.
subir e descer pelo menos 6 vezes.
4. Realizar o exercício n° 2 com uma liga ortodôntica sobre a língua.
4. Coma refeições ligeiras, ou beba água, a qualquer momento durante o dia,
enquanto você lê ou vê televisão. Repetir a lª sessão desde o porquê dos exercícios.
5. Faça suas deglutições pouco antes de dormir durante, pelo menos, oito 5. Realizar o exercício n° 3 usando um drops salva-vidas ou uma pastilha de
noites. hortelã como peso.
Estes exercícios somente o ajudarão se forem feitos agora. Não os abandone 6. Lábios em posição de sorriso mostrando seis dentes para comprovar a
até a próxima semana. subida da língua. Articular IU 6 vezes e UI também 6 vezes.
7. Explicar nesta sessão como deve engolir: colocar alimento atrás do dente
Cartão VII superior sobre a língua, mantendo a boca aberta para observar a posição
1. Continue a gargarejar cada vez que escovar os dentes até voltar para o exata da língua. Repetir 6 vezes. Repetir os exercícios da lª posição.
teste final.
Controle com um espelho.
2. Mantenha seus lábios abertos durante uma refeição por dia. Depois desta
semana, os lábios devem estar sempre cerrados ao deglutir. 8. Movimentar a língua para fora da boca sem dobrá-la e voltar lentamente,
3. Lembre-se de comer uma refeição ligeira ou beber água durante outra dobrando-a com a ponta para baixo e para trás, colocando-a atrás dos
atividade qualquer. Faça isso todos os dias durante uma semana seguida. incisivos inferiores com pequena força.
4. Mantenha a língua para o alto, plana, contra o céu da boca, os lábios 9. Realizar o exercício com a liga ortodôntica sobre a ponta da língua e logo
fechados e os dentes cerrados, 30 minutos por dia, durante uma semana. Na voltar. Com a ajuda dos dentes (superiores inferiores) colocar a língua na
segunda semana, faça isto durante uma hora por dia. Depois deste exercício, liga, tomando consciente o movimento da ponta.
os lábios, quando m repouso, jamais devem permanecer abertos.
82 83
10. Prender a ponta da língua atrás dos dentes superiores, sugar e engolir em 23. Deglutição usando alimento pastoso, em todas as etapas.
seco. 24. Deglutição de sólidos. Mastigar biscoito com a mesma freqüência dos
11. Controlar com um espelho embaixo da língua; colocar uma pitada de exercícios para deglutir líquidos: primeiro de boca aberta, depois de boca
gelatina sobre a língua e levá-la aos alvéolos superiores; chupar e engolir de fechada.
boca aberta. 25. Gelatina mais elástico.
Se o paciente estiver bem, seguir adiante. 26. Deglutição usando café ou outro líquido quente.
12. Exercícios para o dorso da língua, dobrando-a com a ponta para cima e 27. Realizar o exercício de estalar a língua.
para trás e pressionando ao mesmo tempo atrás dos dentes superiores. 28. Deglutição de sólidos ou pastosos: a partir desta seção, o paciente deverá
13. Exercícios para a deglutição: colocar um drops salva-vidas ou a pastilha observar os movimentos da deglutição em todos os momentos de
de hortelã sobre o pós-dorso da língua, prender a ponta atrás dos dentes alimentação.
inferiores e com os lábios abertos articular o fonema K nos ritmos: 1 K K K - Três porções. Alimentos variados.
2 KK KK KK, acompanhando com pancadas dos dedos sobre a mesa. 29. Deglutição a seco usando 5 elásticos.
14. Estalar a língua de boca aberta sem movimentar a mandíbula. 30. Deglutição usando torradas.
15. Articular os fonemas S e T. 31. Prender a língua no palato forçando bem o freio. Estalar e relaxar.
16. Articular os fonemas S e T, acrescentando as vogais, sem preocupação 32. Deglutição de sólidos sem nenhuma contração muscular.
de ordem. Trabalhar palavras onde aparece st: 33. Desenhar suas estruturas agora e como as terá após a correção.
deste esta estafa estufa estepe 34. Recomendar a posição de dormir em relação à língua.
estilo astuto estola estojo estirão 35. Bocejar voluntariamente para sentir todas as estruturas.
estoque hóstia estalo dentista estada 36. Deglutição de Coca-Cola, sorvete, doces, caramelos, fazendo uma outra
estanho estio estela estiva costa atividade: lendo, escrevendo, jogando.
estudo isto estopa estende esteio 37. Deglutição de liquido mais dois elásticos e canudinho. Três deglutições.
prestar instinto estiar estuda estampa
Mostrar.
estaca estirpe estima estorvo mistura
17. Exercícios para deglutição de líquidos.
Programa Semanal
Colocar a água no dorso da língua, pressionar contra o céu da boca e mantê-
la neste lugar. Flexionar a cabeça para frente e para trás seis vezes, não
1. Segunda, quarta e sexta
permitindo que a água caia. Cuspir a seguir.
· Alegria da mamãe
18. Realizar o exercício anterior, uma vez engolindo e outra cuspindo.
· Halteres
19. Prender a água no palato e engolir de boca aberta.
· Exercícios novos
20. Articular o fonema tch (inglês), devendo a borda da língua tocar os
· Exercícios básicos (lábios, língua e véu do palato)
caninos e incisivos.
· Articulatórios
21. Elástico na ponta da língua, colocar água embaixo da língua. Slurp,
trincar os dentes de trás e engolir.
2. Terça, quinta e sábado
22. Deglutição de liquido com a boca fechada sem retirar a ponta da região
· Exercício usando o material do kit (Pro-fono)
alveolar. O paciente deverá mostrar a posição da língua atrás dos dentes para
· Articulação
realizar a deglutição, fechará a boca e novamente mostrará como engole.
· Revisão dos cartões
Não deverá haver esforço do lábio e bochechas.
Esta programação será apresentada ao cliente por volta da 4ª ou 5ª sessão.
84 85
Resumo da Série

Exercícios de Língua
l. Língua e lábios em repouso.
2. Língua para dentro e para fora 6 vezes.
3. Língua toca no lábio superior 6 vezes.
4. Língua toca atrás dos dentes inferiores 6 vezes.
5. Língua toca atrás dos dentes superiores 6 vezes. 6. Estalar a língua.
7. Articular ST.
8. Articular ST com as vogais.
9. Articular tch.
l0. Prender a língua no palato, puxar o freio, estalar, relaxar. Se o palato
11. Posição de língua para dormir. for ogival
12. Bocejar.

Com o elástico:
1 . Língua para dentro e para fora. Com a pastilha:
2. Língua presa no palato - deglutição a seco, usando respectivamente 1, 2 e
3 elásticos. Posicione os elásticos conforme as ilustrações: 1. Em cima da língua.

2. Exercícios do K – A pastilha deve vir posicionada atrás do dorso da língua


(ver item 13 da Série de Exercícios Orofaciais).

Se o palato
for normal

86 87
Deglutição: Programação de Treinamento para a Fase de Revisões e Controle
1. Demonstrar a deglutição correta
2. Deglutição com água 1 . Realizar 10 deglutições ao dia, corretamente:
3. Deglutição com açúcar, gelatina - 2 no café da manhã;
4. Deglutição com movimentos da cabeça - 2 no almoço;
5. Deglutição de pastosos e sólidos com elástico na boca - 2 no lanche;
6. Deglutição às refeições - 2 no jantar;
7. Deglutição a seco com 5 elásticos: - 2 ao deitar-se.
2. Realizar 5 deglutições ao dia, de boca aberta.
3. O resumo da série deve ser feito diariamente, como também os exercícios
de articulação (dicção).

Lembretes Importantes
a) Manter a boca sempre fechada.
b) Manter a língua no lugar certo.
c) Usar lembretes em todas as situações: onde está a língua agora?
d) Escrever slogan para estar sempre atento à postura lingual.
e) Fazer associações: cada vez que vir determinado objeto, corrigir a postura
8. Deglutição sem contração muscular lingual.
9. Deglutição de café, sorvete, iogurte, etc, realizando uma atividade f) Mastigar dos dois lados alternadamente e sempre com o bolo alimentar
qualquer posterior
10. Deglutir um copo de líquido com 2 elásticos na boca: g) Nunca armar o bolo alimentar na frente.
h) Não mastigar de boca aberta.
i) Não entreabrir os lábios enquanto mastiga.
j) Postura correta ao deglutir.
l) Não limpar os lábios com a língua.
m) Não projetar a língua.
n) Antes de dormir, pratique várias vezes o padrão correto da deglutição.
Pense como é a maneira correta e como a sente.

É importante que se siga o esquema dado, para o êxito nos objetivos


propostos, dando-se ênfase aos aspectos mais atingidos.
11. Deglutição mordendo o canudo: frente, direita, esquerda.
Articulações: leituras e conversas. Cabe ressaltar ainda uma vez a importância do conhecimento dos músculos e
É importante observar sempre a postura da língua: suas funções.
- em silêncio
Em todas as sessões, a fonoaudióloga preparará uma programação para o
- ao dormir
treino em casa.
- às refeições
- durante a fala Nesta programação sempre se dará ênfase aos exercícios básicos.
88 89
As 10 Recomendações do que não se Deve Fazer, segundo C. H. 9. Manter um gole de água sobre a língua durante 5 minutos.
Agustoni 10. Revisão dos cartões.
11. Dormir com retalhos de hóstia.
1. Ficar durante o dia com a boca aberta. 12. Mastigar sempre com os dentes posteriores e os lábios cerrados.
2. Ficar durante o dia com a língua entre os dentes. 13. Quando assistir à televisão, tome um copo d'água de gole em gole,
3. Mastigar com os incisivos. prestando atenção à televisão. Degluta a saliva.
4. Mastigar com a boca aberta. 14. Sempre que escrever ou estudar, faça pequenas deglutições ou degluta a
5. Acomodar o bolo alimentar na frente (entre lábios e dentes). saliva.
6. Deglutir sem mastigar, triturar e juntar o alimento em um bolo. 15. Deglutição noturna: fazer 6 deglutições e, ao final de cada uma, pensar:
7. Fazer força com a língua para fora ao engolir. "Vou engolir corretamente durante o sono".
8. Expulsar a saliva ou o líquido para fora no momento da deglutição, em
vez de succioná-lo. EXERCÍCIOS DE REVISÃO (Segundo L. Hanson)
9. Levar a cabeça para trás ao deglutir.
10. Fazer força com os músculos periorais ao deglutir. 1. Estalar a língua:
a) Ponta - Boca entreaberta, prender a ponta da língua na papila e
Escala do Tempo (Garliner) depois soltá-la, estalando.
b) Meio - Boca entreaberta, prender a ponta na papila e estalar a parte
Onde está sua língua? mediana, sem soltar a ponta.
Exemplo: c) Base - Boca entreaberta, prender a ponta da língua na base dos
2ª f. 9:30 11h 13:30 16h incisivos inferiores, estalando a base da língua e emitindo o som K.
3ª f.
2. Bochechas: soprar, fazendo pressão, sem deixar o ar sair.
4ª f.
5ª f. 3. Terapia do subconsciente: conceito mente-consciente/mente-inconsciente.
6ª f. a) Criança quase dormindo - Os pais dizem: "Tente manter a língua
levantada, respirar pelo nariz e engolir corretamente a noite inteira".
REFORÇO b) Dormir com elástico.
4. Teste spray: contar de 100 até 1 com a boca bem aberta. De vez em
Programação para a Fase de Revisões, Visitas de Controle
quando, borrifar (com o spray) água na boca, pedir para a criança engolir e
1. Exercícios básicos
continuar contando, até 60.
2. Resumo das séries 3 vezes por semana
3. Lembretes importantes 5. Teste do bochecho: bochechar a água e depois engolir rapidamente.
6. Verificação do subconsciente: água na boca, mas não engolir. Estudar sua
Diariamente
fisionomia, puxar o lábio inferior para baixo. Se a água estiver na base da
4. Deglutir um copo de líquido com 2 elásticos na boca.
boca, haverá resistência.
5. Deglutir uma bolacha corretamente.
6. Deglutição às refeições. Iniciar com 2 deglutições e ir aumentando 7. Série de goles: pegar um copo e beber a metade da água. Observe o
gradativamente. impulso ao aproximar a língua da borda do copo. No final é importante que
7. Articulação correta t-d-s-z, leituras e conversa. abaixe o copo e engula de maneira que o terapeuta possa ver.
8. Postura correta da língua em repouso e ao dormir.
90 91
8. Colocação da ponta da língua: dizer qualquer som linguodental. Por Os Fonemas Auditivamente Semelhantes /t/ e /d/
exemplo - pronunciar "ta", 4 vezes, rapidamente, e ver se a língua bate na
papila. Peça para a criança parar. Observe se a ponta da língua vai Palavras com Movimentos Semelhantes (Marly Bezerra Canongia)
automaticamente para a papila.
Jogue um pouco de água na boca, depois do quarto "tá". Verifique se a teu tom, Tom, tão tia
língua retorna à papila para a deglutição. deu dom dão dia
tome tora tino tela
9. Sistema de sinais: lembrete - postura da língua. dome dora, Dora Dino dela
a) Toda vez que vir: toca tina Tito tique
- relógio; doca Dina dito, tido dique
- certa marca de carro; ato nato tato tolo
- certa cor. ado nado dado dolo
b) Toda vez que ouvir: tala sete roto mete
dala sede rodo mede
- buzina.
pote tutu pata bote
c) Toda vez que sentir: pode Dudu pada bode
- a pulseira no braço. tono mota boto rota
d) Toda vez que: dono moda bodo roda
- passar por uma porta; Rute veta tose nata
- ligar a televisão. rude veda dose nada
goto gato fato lata
Outras sugestões: godo gado fado lada
1. Conjugar verbos (ou falar números de telefone) onde apareçam os seta cota lato arte
fonemas t - d- s - z, associados à deglutição de água ou de saliva. seda coda lado arde
2. Tabuada. cata éter loto atua
cada Eder lodo adua
EXERCÍCIOS ARTICULATÓRIOS ata tinta teste turma
A correção articulatória se inicia quando já se trabalhou. bastante tônus e Ada dinda deste durma
mobilidade. tente testa tenta tesar
dente desta tenda desar
Segundo Cauhépé as praxias da deglutição são as mesmas da fala.
tenso tomar tuna alto
Os fonemas t - d têm seu ponto de articulação exatamente onde a língua se denso domar duna Aldo
coloca ao deglutir. atro ponto venta lendo
Programação para a correção articulatória: adro pondo venda farta
1. Trabalhar o fonema isolado. corta senta vento farda
2. Com vogais. corda senda vendo farto
3. Palavras onde se destaca o fonema em início, meio, fim. touro ponte salto fardo
4. Palavras contrastantes. douro ponde saldo torto
5. Palavras onde aparece t-d. pente morte lenta tordo
6. Frases. pende morde lenda torço
lento treno parto dorso
7. Textos, poesias.
8. Linguagem geral.
92 93
quatro malta recorte guarita Palavras que aparecem o /t/ e o /d/ (Marly Bezerra Canongia)
quadro malda recorde guarida
ateus quanto trapejar empata data todo tudo dote
adeus quando drapejar empada toda tido dito dita
fronte rotar desertar espata deita toldo tenda tédio
fronde rodar deserdar espada tarde disto dente tunda
ementa frita pardo deserto delta tordo datal dotar
emenda Frida manta deserdo ditar douto deste distar
atenta patrão manda setenta desta tardar tendão doutor
adenda padrão manto sedenta dintel deitar dental dentes
retoma monta mando torneira dieta tecido devoto ditoso
redoma monda tosar dorneira temido telhado detalhe tocada
latino rentar dosar margarita dileto térrido decote torrada
ladino rendar tratar margarida ditame dueto tapado tocador
fatiga recato cantor roteiro diante tolhido toada dígito
fadiga recado candor rodeiro tomada doente derrota tímido
comenta tragar abate remata taludo debate durante torpedo
comenda dragar abade remada disputa direito deserto ditongo
assento maturo greta granito meditar todavia toucado tosador
acendo maduro greda granido tirada débito decotar deleite
arretar remato acuta tourada denotar torpeza tourada túrbido
arredar remado acuda dourada talhador tardinha destino taxador
atenção Toninha torçal recorta
adenção doninha dorsal recorda
mutável relento medita setear
mudável relendo medida sedear
Os Fonemas Auditivamente Semelhantes /s/ e /z/
rotear escuto regata salutar
rodear escudo regada saludar posso iça face seca
intemato contato gravata poso Isa fase,faze Zeca
internado condado gravada toce assa, aça peço roça
tose, coze asa peso rosa
Sita riço peça liça
Zita riso pesa lisa
raça caça, cassa surra caço,casso
Sina casa zurra caso
Zina doce tosse viço
Viçar doze tose viso
sela, cela fuça pressa ouço
zela sebo aço, asso
zebo azo

94 95
Palavras com Movimentos Semelhantes (Marly Bezerra Canongia) A batata doce é um exemplo de tubérculo radicular.
O nariz da juíza é gracioso, apesar de ser sardento.
Visar caçar, cassar presa, preza apresar O desenho mais apreciado foi uma paisagem do sertão.
Buço casar surro ouso Há extensos e promissores cafezais, no norte do Paraná.
buzo liço zurro ração A lhama é um animal curioso e possui grande resistência.
sambo liso roçar razão
A exuberância da selva amazônica tem fama internacional.
zambo assoar rosar louça
sangão azoar prece lousa
zangão sanga prese, preze aceite Exemplos do Manual de Voz e Dicção (Lilian Nunes)
passcs zanga soada azeite A gata capenga, que gostava de pegar camundongos na copa da casa de
pazes caçada zoada assado campo do conde Guatinguetal, corre atrás da bola que rebola e bate no peito
aceitar casada pressente asado do papagaio que grita e depois no bico do galo pedrês que bebe água no
azeitar sangado presente cinceiro balde da bica do quintal e também no papo do pato pintado que dá bicadas
despossar zangado roceira cinzeiro na pata do pacato boi preto e branco que pastava no gramado.
desposar caçado roseira roçada O turco tatuado, troncudo e tagarela com o tabuleiro a tiracolo, troca
reviçar casado revessar rosada tudo pelo triplo: tecidos, trajes, ternos, túnicas, tapetes, toucas, tetéias,
revisar abraçar revezar açougue
tesouras, talheres, termômetros, torneiras, tigelas, turíbulos, taramelas, tintas,
fusa abrasar apreçar,apressar azougue
treliças, tamborins, tartarugas, talismãs etc.
Palavras que aparecem o /s/ e o /z/ (Marly Bezerra Canongia) Dançam depressa, disciplinados e decididos, os dez dedos delgados
da datilógrafa dinâmica que decifra os documentos do déspota draconiano
sisa cinza sezão sisal para o diário do deputado demagogo.
sisar cinzel sisão cerzir
cinzar sedoso zopissa cifose T-D-S DESEJOS
cesura citiso sorriso cenoso Se você não puder ser o sol em solstício,
sezeno serosa certeza sozinho Seja o sol das almas que incendeia o ocidente
sicose sopeso cizirão sieiro Ou seja a estrela que cintila no céu imenso
sinuoso zincita seduzir síntese Seguindo meus passos vacilantes de sonâmbulo.
selvoso senzala sazonar cinzeiro Se você não puder ser o possante vento sul
sizígia seivoso sínfise saudoso
Que, célebre, atravessa o espaço,
Seja a brisa suave que adormece as sensitivas
Frases em que /S/ e o /Z/ se Destacam
E, sussurrando, balança as açucenas.
O casaco de Selma é azulado. Se você não puder ser a seta que, sibilando, transpassa nuvens,
A garça garzea; a raposa gouga. Seja um pássaro de asas singelas, esvoaçando sem destino.
O morcego trissa; o cão ganiza. Se você não puder ser o cedro soberbo
Nós, sozinhos, nada podemos realizar. Que seja alça sobranceiro no sertão, seja um sândalo,
Os jacarés são répteis ovíparos e ferozes. Ou seja uma acácia, florescendo numa senda silenciosa.
Enquanto o jumento azurra, a cigarra cicia. Nas essências sutis da sua sombra recendente,
Luíza deseja comprar um lindo chapeuzinho azulão. O passante solitário descansará sossegado e sonhador.
O sertanejo, após penosa viagem, ficou em repouso. Se você não puder ser o oceano proceloso
Os tubérculos são reservas nutritivas das plantas.
A se elevar, soberano, em ondulações de espumas,
96 97
Seja um riacho, serpenteando, plácido e sereno, O vento veio correndo,
Entre narcisos e glicínias. Assoviando, cantando,
Debruçado, soluçante de desejos, Que vira o mais belo do mundo:
Em seu regaço saciarei a minha sede. Uma criança nascendo,
Uma criança brincando,
T-D-S-Z PROJETOS (Kuan-Tseu, China, Século VII) Uma criança sorrindo, vivendo,
Se teus projetos têm o prazo de um ano, Uma criança cantando.
semeia trigo.
Se têm o prazo de dez anos, No tratamento de crianças, usamos versinhos ou músicas compatíveis com a
então planta árvores. idade.
Se têm o prazo de cem anos, Exemplos:
instrui o povo.
Pois semeando trigo, LUA CHEIA (Ester Malamut)
farás uma colheita... Nasceu a lua, tão linda!
Plantando árvores, Cheia como um balão...
obterás dez colheitas... Garanto que ela foi feita
Instruindo o povo, Na noite de São João!
recolherás cem vezes.
PAI (Helly Covas Pereira Leiras)
Se deres um peixe a uma pessoa,
Para meu pai amado
ela nutrir-se-á uma vez;
Um presente fui comprar
se a ensinares a pescar,
Mas na loja não havia
ela comerá todos os dias de sua vida.
O amor que quero dar.
HISTÓRIA DO VENTO (Adalgisa Nery) MAMÃE (Ione Ulmann)
O vento veio correndo Bom-dia, mamãe querida!
Assoviando, gritando, Aqui estou para te abraçar
Que vira a lua nascendo, Quero por toda vida
Que vira a estrela brilhando, Muita alegria te dar.
Que vira o beija-flor voando, VOVOZINHA (Pierre Luz)
Que o rio vira cantando Eu sorrindo, te confesso,
E o fruto amarelando. Vovozinha bem querida:
Que vira o orvalho caindo Ao Senhor, rezando, peço
Sobre a relva e sobre a flor. Que prolongue tua vida.
Que vira a abelha zumbindo,
BRASILEIRINHO (Madalena L. B. Correa)
Dentro das pétalas em cor.
Vejam só! Sou pequenino.
Que vira as sementes no chão,
Mas por ser bom brasileiro,
Nas águas, o peixe mudo,
Neste peito de menino
O pastor tangendo as ovelhas,
Cabe o meu Brasil. inteiro.
Cantando por nada ou por tudo.
98 99
BANDEIRA (Prof° Elisa Gil Borowski) Ela é muito paciente!
Vejam só que lindo pano! Não castiga nem magoa.
É da Pátria o retratinho, Quando eu erro me aconselha
Por isso eu o quero e amo, Dá-me um beijo e me perdoa!
Como bom brasileirinho! Ela sabe tanta coisa.
A ESTRELINHA (Marins D. Alvares) Sabe tudo desta vida.
Quando eu crescer e papai E agora, quem é ela?
me comprar um avião, Minha Mestra mais querida.
vou te buscar, estrelinha, SER BOM (Orlando Brito)
na palma da minha mão. Bondade e simplicidade,
O CARACOL (Maria de Lourdes Figueiredo) Não diferem nem no tom;
Lá vem o caracol Acho tão fácil ser simples
Andando tão devagar. E é tão gostoso ser bom.
Carrega a casa nas costas, maninha, OS PROFESSORES (Lydia Mombelli da Fonseca)
Porque não quer se molhar! Os professores merecem
CANTIGA (Maria de S. Silveira) Nosso respeito e atenção.
O peixe, peixinho, Nossos pais nos dão a vida,
Me ensina a nadar, Nossos mestres a instrução.
Quero ver as belezas, PARA AS FESTAS DA PÁSCOA (Cenira Lima Fortes)
Do fundo do mar. Tenho orelhas bem compridas
ESTRELINHA (Martins D. Alvares) Mas sou muito inteligente.
Vejo à noite uma estrelinha Sei dar pulos para o lado,
no céu piscando, piscando... para trás e para frente.
Mamãe diz que ela, de longe, Meus olhinhos são vermelhos,
pisca, pisca é me chamando. Gosto muito de cenoura;
PRIMAVERA (Lydia Mombelli da Fonseca) Sou amigo das crianças
Tudo é verde! É primavera! E também da professora.
Os jardins todos em flor, Tenho o pêlo bem branquinho,
As aves cantam nos ninhos, Sou por todos estimado.
Setembro. Estação do amor. Tu não sabes quem sou?
MINHA AMIGA (Olga B. Pohlmann) Sou o amigo coelhinho.
Minha amiga mais querida MESTRA (Bastos Tigre)
É aquela que me guia. A mestra é uma jardineira
Ensinando com carinho que, com desvelo sem fim,
O dever de cada dia! A toda hora está, ligeira,
Cuidando do seu jardim.
100 101
NASCEU JESUS (Luiza Guimarães Câmara) ORAÇÃO
Blem-Bem! Bem-Bem! Blem-Bem! Anjo da minha guarda,
Os sinos estão a tocar. Doce companhia,
Nasceu Jesus, Menino Não me desampare,
A quem vamos adorar. Nem de noite, nem de dia.
Natal, Natal, Natal,
Festa de luz e harmonia. T - PATO (Vinicius de Moraes, no livro A Arca de Noé: Poemas
Vibram em nossos corações Infantis)
Muita paz e alegria. Lá vem o Pato
LYDIA MOMBELLI DA FONSECA Pata aqui, pata acolá
Papai. me levou ao circo, Lá vem o Pato
Em risada me desfiz. Para ver o que é que há.
Vi um palhaço com verrugas O Pato pateta
Bem na ponta do nariz. Pintou o caneco
E. R. DA CRUZ MACHADO Surrou a galinha
Jesus menino, Bateu no marreco
Sempre adorado, Pulou do poleiro
Não saia não, No pé do cavalo
Do meu coração. Levou um coice Criou um galo
Comeu um pedaço
NATAL (Déa Ketzar Saul) De jenipapo
Sininhos tocando Ficou engasgado
Velinhas acesas Com dor no papo
Natal é alegria Caiu no poço
E tantas surpresas! Quebrou a tigela
LELINHA FERNANDES Tantas fez o moço
No quintal da tua casa Que foi pra panela.
Planta árvores, crianças.
S
Teu quintal ficará lindo
Se você pensa que pensando
Vestidinho de esperança.
Em mim eu sinto o seu pensar,
OLGA B. POHLMANN Saiba que o seu pensamento
O dia de natal Passa por mim sem parar.
Bem depressa vai chegar.
Meus sapatos pequeninos T - O TEMPO
Na janela vou deixar. Quanto tempo tem o tempo
Fui ao tempo perguntar
E o tempo respondeu
Já cansado de contar. 103
102
Que o tempo tem o tempo A CHÁCARA DO CHICO BOLACHA
Que o tempo sempre tem O que se procura
E quem tem mais tempo que o tempo Nunca se acha!
Eu não conheço ninguém. Quando chove muito
Chico brinca de barco
Para o paciente trabalhar com os fonemas t- d - s - z, indicamos os exercícios porque a chácara vira charco.
articulatórios do livro Manual da Terapeuta da Palavra, de Marli Canongia
Quando não chove nada
(ver Bibliografia).
Chico trabalha com a enxada
e logo se machuca
O TEMPO DO TEMPORAL (Cecília Meirelles)
e fica de mão inchada.
O tempo
do temporal Por isso, com o Chico Bolacha
O templo ao tempo o que se procura nunca se acha.
ao ar Dizem que a chácara do Chico
e ao pó Só tem mesmo chuchu
do temporal. e um cachorrinho coxo
E o doente ao pé do templo. que se chama Caxambu
E o temporal no poente.
Outras coisas, ninguém procure,
E o pó no doente
porque não acha.
O tempo do doente
Coitado do Chico Bolacha.
O ar, o pó do poente
O temporal TANTA TINTA
do tempo. Ah! menina tonta,
CANÇÃO toda suja de tinta
De borco mal o sol desponta!
no barco (Sentou-se na ponte,
(de bruços muito desatenta...
no berço...) E agora se espanta:
O braço é o barco Quem é que a ponte pinta
O barco é o berço com tanta tinta?...)
O barco e abraço A ponte aponta
O berço e se desaponta
e o barco A tontinha tenta
Com desembaraço limpar a tinta,
embarco ponto por ponto
e desembarco e pinta por pinta...
de borco
no berço... Ah! menina tonta!
(De bruços no barco...) Não viu a tinta da ponte!
104 105
Manual de Voz e Dicção (Lilian Nunes) Leitura de Número

bsa bse bsi bso bsu bse bsi bso bsa


12..343 345.675
357.892 257.898
csa cse csi cso csu cse csi cso csa
478.738 764.322
dsa dse dsi dso dsu dse dsi dso dsa
526.273 933.756
fsa fse fsi fso fsu fse fsi fso fsa
gsa gse gsi gso gsu gse gsi gso gsa - Celeste saiu cedo para o cinema.
jsa jse jsi jso jsu jse jsi jso jsa - Sulamita passeia pelo Mississipe.
- A salada de alface estava gostosa.
isa ise isi iso isu ise isi iso isa
- Teresa derramou suco de tomate no tapete da sala.
msa mse msi mso msu mse msi mso msa
- Timóteo prendeu o dedo no cadeado.
nsa nse nsi nso nsu nse nsi nso nsa
- A tartaruga corre atrás do tamanduá.
psa pse psi pso psu pse psi pso psa - A toalha da mesa foi bordada com barbante.
rsa rse rsi rso rsu rse rsi rso rsa - Salete sujou o sapato cinza.
tsa tse tsi tso tsu tse tsi tso tsa - A cozinha da casa do vizinho é azul.
vsa vse vsi vso vsu vse vsi vso vsa - Zélia viu a zebra no zoológica
xsa xse xsi xso xsu xse xsi xso xsa - A dentadura de Tadeu está no bolso da calça.
zsa zse zsi zso zsu zse zsi zse zsa - Teodoro recorreu ao Serviço de Assistência Social.
- Celeste tem satisfação em assistir televisão.
- A atendente se assustou com o silêncio do soldado.
Exercícios Recomendados para a Correção de Sigmatismos
- Solange assiste o treino de natação na Associação Atlética.
- O deputado agora é candidato a senador.
bsas — bses — bsis — bsos — bsus
Sulamita sacudiu o sujo da saia rosa que Celeste costurou no sábado
csas — cses — csis — csos — csus
passado. Foi Tadeu quem chutou o tomate que sujou a saia de Sulamita. Ela
dsas — dses — dsis — dsos — dsus
deu um sorriso triste e depois de tentar limpá-la resolveu tirá-la e jogá-la no
fsas — fses — fsis — fsos — fsus
cesto de roupas sujas. Tadeu desculpou-se e prometeu não chutar mais
gsas — gses — gsis — gsos — gsus
tomates, nem cenouras, nem cebolas, nem batatas etc..
jsas — jses — jsis — jsos — jsus
isas — ises — isis — isos — isus
msas — mses — msis — msos — msus DEUS! (Frei Fabiano)
nsas — nses — nsis — nsos — nsus
Passei tanto tempo a te procurar...
Onde estavas eu não sabia.
psas — pses — psis — psos — psus
Buscava-te nas religiões e nos templos,
rsas — rses — rsis — rsos — rsus
Não me contentava na busca e prosseguia.
tsas — tses — tsis — tsos — tsus Dirigia-me a sacerdotes e pastores
vsas — vses — vsis — vsos — vsus E a resposta não me satisfazia.
xsas — xses — xsis — xsos — xsus E pensava comigo: "Será que tu existes?"
zsas — zses — zsis — zsos — zsus Olhava para o infinito, não te via!
106 107
Assim, senti-me só e vazio, A REALIDADE DA VIDA
Fiquei desesperado e descri. Deus criou o BuRRo e disse:
E na descrença Te ofendi e na ofensa tropecei Obedecerás ao Homem, carregarás fardos pesados nas costas e viverás 30
E no tropeço caí e na queda enfraqueci. anos. Serás BURRO.
Fraco, procurei socorro, O BURRO virou-se para Deus e disse:
No socorro, encontrei amigos, Senhor! Ser BURRO, obedecer ao Homem, carregar fardos nas costas e
Nos amigos, encontrei carinho, viver 30 anos. É muito Senhor. Bastam-me apenas 10 anos.
No carinho, vi nascer o amor, Deus criou o CACHORRO e disse:
Com o amor, vi um MUNDO NOVO. Comerás o osso que te jogarem ao chão, tomarás conta da casa do homem e
E no mundo novo resolvi viver. viverás 20 anos. Serás CACHORRO.
O que recebi, resolvi doar. O CACHORRO virou-se para Deus e disse:
Doando alguma coisa, muito recebi Senhor! Tomar conta da casa do homem, comer o que jogarem ao chão e
E em recebendo, senti-me feliz viver 20 anos. É muito Senhor. Bastam-me apenas 10 anos.
E ao ser feliz, encontrei a paz Deus criou o MACACO e disse:
E tendo a paz que enxerguei Pularás de galho em galho, farás macaquices, viverás 30 anos. Serás
Que dentro de mim é que MACACO.
Tu estavas e sem procurar... TE ENCONTREI! O MACACO virou-se para Deus e disse:
Senhor! Pular de galho em galho, fazer macaquices e viver 30 anos. É muito.
(NIKOS KAZANTZAKIS IN ZORBA, O GREGO) Bastam-me apenas 20 anos.
"... Lembro-me de uma manhã em que eu tinha descoberto um casulo na E Deus tez o HOMEM e disse:
casca de uma árvore, no momento em que a borboleta rompia o invólucro e Serás o Rei dos Animais, dominarás o mundo, serás inteligente e viverás 30
se preparava para sair. Esperei bastante tempo, mas estava demorando muito anos.
e eu estava com pressa. O HOMEM virou-se para Deus e disse:
Irritado, curvei-me e comecei a esquentá-lo com meu hálito. Eu o esquentei Senhor! Ser Rei dos Animais, dominar o mundo, ser inteligente e viver 30
impaciente e o milagre começou a acontecer diante de mim a um ritmo mais anos. É muito pouco, Senhor! Vinte anos que o BURRO não quis, 10 anos
rápido que o natural. O invólucro se abriu, a borboleta saiu se arrastando, e que o CACHORRO recusou e 10 anos que o MACACO não está querendo,
nunca hei de esquecer o horror que senti então: suas asas ainda não estavam dai-me Senhor, para que eu viva pelo menos 70 anos.
abertas e com todo o seu corpinho que tremia ela se esforçava para desdobrá- E Deus atendeu ao HOMEM. Até 30 anos o HOMEM vive a vida que Deus
las. lhe deu. É HOMEM.
Curvando por cima, eu a ajudava com meu hálito. Em vão. Era necessário Dos 30 aos 50 anos o HOMEM carrega os fardos nas costas para sustentar a
uma paciente maturação e o desenrolar das asas ser feito lentamente ao sol. família. E BURRO.
Agora era tarde demais. Meu sopro obrigava a borboleta a se manter toda Dos 50 aos 60 anos, já cansado, ele passa a tomar conta da casa. É
amarrotada antes do tempo. Ela se agitou desesperada, e alguns segundos CACHORRO.
depois morreu na palma de minha mão. Dos 60 aos 70 anos, mais cansado ainda, ele passa a viver aqui e ali na casa
Aquele pequeno cadáver é, eu acho, o peso maior de que tenho consciência. de um filho ou de outro e faz gracinha para as crianças rirem. É MACACO.
Pois hoje entendo bem isso: é um pecado mortal forçar as grandes leis.
Temos que não nos apressar, não ficar impaciente, seguir com confiança o NOTA: Esta é a realidade da vida, de nada adianta o dinheiro, o orgulho e a
ritmo natural." vaidade se todos nós teremos que passar por estas fases.
108 109
NO FUTEBOL DA VIDA Quis saber por que elas tinham devorado numa noite minha roseira...
Caminhou um pouco em silêncio, olhando longe. Soninha respondeu: "O senhor pensa que é só o senhor que gosta de rosas'?...
- Sabe, Tucano. Do jeito que agora se joga é muito injusto o futebol da vida. Fiquei muito sem jeito, mas ainda comentei: "Bonita maneira de gostar,
Uns já nascem com o gol feito, é só chutar. Outros nascem com o gol contra. comendo!..."
Tem quem sua a camiseta, corre os noventa minutos, se mata em campo, e é
Soninha me matou de vergonha, perguntando: "Não é o que o senhor faz na
pura bola na trave. Uns entram em campo com o juiz na gaveta. Outros
comunhão?"
entram sabendo que, qualquer coisa, o juiz sempre vai arrumar um pênalti
pro outro lado. Olha o Clécio Vianna. Caiu feio lá no Elite, perdeu feio as Pedi desculpas e soltei-a, com todo cuidado, bem pertinho do chão.
eleições pra prefeito, e agora foi nomeado aí para um posto importante. Durante três dias as formiguinhas todas ficaram de cara amarrada para mim.
Porque é inteligente, boa pessoa? Juiz a favor, Tucano, juiz a favor. Agora, Não me agüentei: chamei Soninha, pedi que ela me ajudasse. E ensinei a
imagine um cara que pega a bola lá na defesa e precisa, mas precisa muito, todas as formiguinhas, por meio de Soninha, a cheirar as rosas, em lugar de
fazer o golzinho dele na vida. Mas para isso tem que driblar todo o meio- comê-las.
campo adversário, depois a defesa toda. O juiz está contra, o vento contra, a Expliquei que o beijo há em toda parte. Cheiro, só em nosso Nordeste.
torcida indiferente, capaz só de dizer: TE VIRA CRIOULO! Imagina Convidei o garotinho, que levou a formiguinha a passear de ônibus, a ir em
também que esse cara é mal-alimentado, filho de mãe mal-alimentada, o pai noite de lua, à nossa casa -ele encontraria as formiguinhas todas, roseira
um alcoólatra que se mandou de casa. Me diz: QUE GOL ELE PODE acima, cheirando as rosas...
FAZER NA VIDA?
O garotinho não fez como gente grande: nem se espantou, nem duvidou,
achou lindo!
(A Vingança do Timão - Carlos Moraes – 3ª edição - Editora Brasiliense)
Aí eu contei que encontrei um dia, Claudinha, uma formiguinha nova
arrastando uma perninha. Estávamos no jardim de nossa casa. Pedi licença a
SÓ AS CRIANÇAS ENTENDEM... (D. Hélder Câmara) ela virei-a de cabeça para baixo para ver melhor o que havia na perninha
No ônibus cheio, diria mesmo transbordante, chamava a atenção uma criança dela.
segurando, com o maior cuidado, um pedacinho de pau. Uma senhora não se Claudinha, pela primeira vez, viu o céu, porque formiga faz como a gente;
conteve e perguntou por que tanto cuidado com aquele pauzinho de nada. anda, anda, corre, corre, que nem tem tempo de olhar para o alto e
Ele explicou: "Estou trazendo aqui, neste pau, uma formiguinha muito contemplar o céu...
amiga. É o primeiro passeio de ônibus que ela dá". Claudinha, vendo pela primeira vez o céu, ficou de boquinha aberta, de
Quantos terão entendido o que havia de poético e de humano no gesto do pasmo, de admiração! Descobri que mão adiantava nada fazer perguntas
garotinho!? sobre sua perna... Nem me escutava, olhando o céu...
Fiquei de olho nele. Quando ele desceu do ônibus, eu saltei também. Senti Disse ao garotinho que entrou no ônibus carregando em um pedaço de pau
que com ele eu poderia conversar. sua formiguinha: se você for a nossa casa, em noite de lua, se arrisca a
Expliquei que eu também gosto das formiguinhas. Contei o que aconteceu no encontrar as formiguinhas, de cabeça encostada na grama, estateladas de
único desencontro que houve entre nós. alegria, contemplando a lua...
Uma noite, as formiguinhas de nossa casa devoraram nossa roseira. No dia
Gente grande! Gente ilustre! Perdoem se causei decepção e espanto
seguinte, apanhei Soninha - uma formiguinha ruiva, das mais inteligentes
esquecendo os grandes para conversar, um instante, com os miúdos... Cristo
que encontrei na vida. Não segurei com raiva, porque Deus me protege
não disse que não entra no céu quem não se fizer pequeno como as
muito contra a raiva. Mas peguei com uma certa firmeza. A perninha dela
crianças!?...
tremia e o coração só faltava pular de tanto bater.
110 111
Agora, minha criança amiga, é sua vez de mostrar o que você gostaria que a Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer. Procura-se
gente soubesse sobre os seus desejos, os seus sonhos - sobre o que é ser um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova quando chamado
Criança! de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes
Se gente grande soubesse... chuvas e das recordações da infância. Precisa-se de um amigo para não
enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos
PEGADAS NA AREIA (AUTOR DESCONHECIDO) anseios e das realizações dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas
Uma noite eu tive um sonho... Sonhei que estava andando pela praia com o desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de
Senhor, e através do céu passavam cenas da minha vida. mato depois da chuva, de se deitar no capim.
Para cada cena, percebi que havia dois pares de pegadas na areia. Um era Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é
meu e o outro era do Senhor. bela, mas porque se tem um amigo.
Quando a última cena da minha vida passou diante de nós, olhei para trás Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado
para as pegadas na areia, havia apenas um par de pegadas. no passado em busca de memórias perdidas. Que bata nos ombros sorrindo e
Notei que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu chorando, mas que nos chame de amigo para ter-se a consciência de que
viver, isso me aborreceu realmente, e perguntei: ainda se vive.
"Senhor, Tu me disseste que uma vez que resolvi Te seguir, Tu andarias
sempre comigo, em todo o caminho, mas notei que durante as maiores JESUS
atribulações do meu viver, havia um só par de pegadas. Não compreendo Quando você se levantou pela manhã, Eu já havia preparado o sol para
porque nas horas em que eu mais precisava de Ti, Tu me deixaste". aquecer o seu dia e o alimento para a sua nutrição. Sim, Eu providenciei tudo
O Senhor respondeu: Meu precioso filho, eu te amo e jamais te deixaria nas isso, vigiava o seu sono, sua família e sua casa. Esperei pelo seu "Bom dia",
tuas horas de prova e sofrimento. Quando viste um par de pegadas apenas, mas você se esqueceu... Bem, você parecia ter tanta pressa que Eu perdoei.
foi quando eu te carreguei. O sol apareceu, as florestas ofereceram o seu perfume, a brisa da manhã lhe
acompanhou, e você nem se lembrou que Eu havia preparado tudo para
PROCURA-SE UM AMIGO (OU AMIGA) você. Seus familiares sorriam, seus colegas lhe saudaram, você trabalhou,
Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimento, basta ter estudou, viajou, realizou negócios, alcançou vitórias, mas... Você não
coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de percebeu que Eu estava cooperando com você e mais teria ajudado se você
poesia, de madrugada, de pássaros, de sol, de lua, do canto, dos ventos e das tivesse me dado chance... Eu sei, você corre tanto... Eu perdoei.
canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então Você leu bastante e ouviu muita coisa, viu mais ainda e não teve tempo de
sentir falta de não ter esse amor. Deve amar o próximo e respeitar a dor que ler ou de ouvir. Eu quis até lhe aconselhar, mas você nem pensou nessa
os pássaros levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar. Não é possibilidade. Seus olhos, seus pensamentos, seus lábios seriam melhores. O
preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que saia de segunda mal seria menor e o bem seria muito maior em sua vida.
mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é A chuva que caiu à tarde foram minhas lágrimas por sua ingratidão, mas
preciso que seja puro, nem que seja de todo impuro, mas não deve ser foram também a minha benção sobre a terra para que não lhe falte o pão e a
vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo, e no caso de assim não ser, água.
deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias Findou o seu dia. Você voltou para casa. Mandei a lua e as estrelas tornarem
humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das a noite mais bonita para lembrar-lhe o meu amor por você. Certamente,
pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. agora, você vai dizer um "Obrigado" e "Boa-Noite". Psiu... Está ouvindo? Já
dormiu! Que pena! Boa noite, durma bem. Eu fico velando por você.
JESUS
112 113
OS DEZ MANDAMENTOS DA SERENIDADE (JOÃO XXIII) CHOPE, A BEBIDA QUE LIGA OS CARIOCAS
1. Só por hoje tratarei de viver exclusivamente este meu dia sem querer
resolver o problema de minha vida todo de uma vez.
Sabe qual é a coisa mais gostosa deste mundo num dia de verão? É fazer
2. Só por hoje terei o máximo cuidado com o meu modo de tratar os outros:
uma pausa na vida e tomar um chopinho bem gelado, de pé ou sentado num
serei delicado nas minhas maneiras, não criticarei ninguém, não pretenderei
bar. Um chopinho, aliás, é força de expressão, porque o primeiro nunca
melhorar ou disciplinar ninguém senão a mim.
satisfaz: a gente acaba mesmo é engolindo o segundo e o terceiro copo. O
3. Só por hoje me sentirei feliz com a certeza de ter sido criado para ser feliz
chope faz a parte integrante e essencial da vida carioca, assim como a
não só no outro mundo, mas também neste.
cerveja, que não pode faltar no cotidiano de qualquer habitante da cidade;
4. Sei por hoje me adaptarei às circunstâncias, sem pretender que as
informal, eclético, simpático, o chope é democrático, quebra antagonismos,
circunstâncias se adaptem aos meus desejos.
dilui a timidez, irmana o espírito e vem sempre acompanhado da necessária
5. Só por hoje dedicarei dez minutos do meu tempo a uma boa leitura,
alegria de viver.
lembrando-me que assim como é preciso comer para sustentar o meu corpo,
assim também a leitura é necessária para alimentar a vida de minha alma. O chope na verdade é bebida alemã. O nome deriva do vocabulário
6. Só por hoje praticarei uma boa ação sem contá-la a ninguém. "schoppen", o qual significa a cerveja fresca, de barril, servida sob pressão
7. Só por hoje farei uma coisa de que não gosto e se for ofendido no meus em canecas ou copos longos. No Rio, houve a adaptação para os garotos, o
sentimentos procurarei que ninguém o saiba. chope em copos menores. A maioria dos cariocas gosta mesmo é da bebida
8. Só por hoje me farei um programa bem completo do meu dia. Talvez não nos copos grandes e, mais ainda, do chope claro embora a cotação do chope
o execute perfeitamente, mas, em todo o caso, vou fazê-lo. E me guardarei escuro esteja em alta.
bem de duas calamidades: a pressa e a indecisão.
Se você sair pela cidade num dia de verão, verá o carioca nos bares tomando
9. Sô por hoje ficarei bem firme na fé de que a Divina Providência se ocupa
calmamente o seu chope sozinho ou então curtindo a bebida numa de roda de
de mim como se existisse somente eu no mundo - ainda que as circunstâncias
amigos. Se estiver no Centro, não poderá deixar de observar aquele carioca
manifestem o contrário.
apressado, calorento, de paletó na mão, colarinho aberto, gravata
10. Só por hoje não terei medo de nada, em particular, não terei medo de
desenlaçada.
gozar do que é belo e não terei medo de crer na bondade.
Durante doze horas de um dia posso fazer o bem, o que me desanimaria se
pensasse que teria que fazê-lo durante toda a minha vida.
HISTORINHA HINDU
Um homem estava conversando com o diabo, quando por eles passou um
peregrino carregando às costas um saco cheio de verdades. Acontece que o
saco do peregrino estava furado e algumas verdades caíram no chão. Um
transeunte que passava pelo local viu as verdades caídas, olhou para um
lado, olhou pro outro e muito disfarçadamente agarrou algumas verdades e
saiu correndo eufórico. O homem do início da historinha virou-se para o
diabo que assistia impassível a cena e disse:
-Pronto. Agora você está perdido, ele encontrou as verdades e vai divulgar
que você não existe. Isso não o preocupa?
- Muito pelo contrário. Ele encontrou apenas algumas verdades e vai fundar
uma religião.
114 115
PARA LER E MEDITAR (Arthur Rigdel) Se eu encontrasse o positivo em todos,
Amigo a vida seria digna de ser vivida.
Lê, porque desejo o teu TRIUNFO. Se eu amasse o mundo,
TUDO te será dado, se souberes imaginar com clareza e constância aquilo o mundo mudaria.
que desejas. Se não obténs o que pedes, é porque não sabes pedir e nem Se eu me desse conta de que, ao lastimar,
sabes o que pedes. Aprende a cultivar uma imaginação positiva, para o primeiro lastimado sou eu...
beneficio teu e de todas as criaturas. Grava em tua memória que a Se eu criticasse menos e amasse mais...
imaginação é uma força poderosa. Se eu mudasse... MUDARIA O MUNDO.
RUÍNAS, fracassos, enfermidades e humilhações que te aborrecem foram
atraídos por teus pensamentos negativos. Procura descobrir o lado bom de SÓ POR HOJE
todas as coisas em ti e em teus próprios inimigos! Segue avante! Este tema sugere que, em vez de tomarmos decisões para a vida toda,
IRMÃO! O temor, o ódio, a vaidade, o orgulho, a inveja, o egoísmo e a limitemo-nos a fazer propósitos por um dia apenas, justamente o dia que
luxúria são pensamentos negativos, culpados de tua derrota. Sê digno de ti estamos sempre vivendo: o dia de hoje. O de ontem já vivemos quando ele
mesmo e repele-os para sempre, a fim de venceres na vida. era hoje, e o de amanhã, quando chegar, será hoje novamente.
UMA mente positiva só irradia amor, confiança, paz, segurança, saúde, Se aplicarmos o que é sugerido, estaremos, por assim dizer, cortando a vida
tolerância, caridade, agrado, serenidade e abundância. Só isto vence na vida. em pedacinhos mastigáveis, o que irá tornar bem mais fácil nossa caminhada
Aprende a ser positivo e a felicidade virá ao teu encontro. através do processo de recuperação.
NUNCA faças a outrem o que desejas a ti próprio, porque, se é verdade que O seguinte é uma sugestão do que podemos nos propor a fazer a cada novo
podes pensar positiva e negativamente, também é certo que o que desejares dia:
ao teu próximo receberás em dobro! Só por hoje, procurarei viver sete dias apenas, sem tentar resolver, de
FORMASTE no passado imagens negativas, que se materializaram e agora imediato, todos os problemas de minha existência. Por doze horas, serei
te perseguem. Pois bem, a arte de destruí-las está em cultivares unicamente capaz de fazer coisas que fariam desanimar se eu achasse de me
bons pensamentos. Experimente e verás! comprometer á fazê-las pelo resto da vida.
OS PENSAMENTOS bons modificam a tua saúde, o teu ambiente e a tua Só hoje, serei feliz, admitindo assim ser verdade o que disse Abraham
vida. Se queres melhorar de sorte melhora também os teus pensamentos, Lincoln: "As pessoas são, em sua maioria, tão felizes quanto decidam ser".
pensando unicamente no Bem! Só por hoje ajustar-me-ei à realidade, sem procurar fazer com que tudo se
HEI DE VENCER! ajuste aos meus próprios desejos. Aceitarei o que o destino me reservar e a
MEU FILHO, LÊ E PENSA UM POUCO A RESPEITO. isso me adaptarei.
Só por hoje procurarei fortificar minha mente. Estudarei, aprenderei algo
SE EU MUDASSE proveitoso. Não serei um ocioso mental. Lerei alguma coisa que exija
Se eu mudasse minha maneira de pensar, frente aos outros, esforço, raciocínio e concentração.
me sentiria mais sereno. Só por hoje, exercitarei meu espírito de três maneiras: praticarei uma boa
Se eu mudasse minha maneira de agir diante dos demais, ação sem que ninguém fique sabendo, senão não valerá, farei pelo menos
os faria felizes. duas coisas que não tenha vontade de fazer, apenas como exercício; mesmo
Se eu me aceitasse tal qual sou, questionando meus defeitos, que meu amor próprio esteja ferido, hoje eu não o demonstrarei a ninguém.
melhoraria meu lugar, meu ambiente. Só por hoje, serei agradável. Manterei uma aparência tão boa quanto me seja
Se eu desejasse sempre o bem-estar dos outros, possível, vestir-meei convenientemente, falarei com suavidade, serei cortês,
eu seria mais feliz. não farei a menor crítica, em nada procurarei defeitos e não tentarei melhorar
ou corrigir ninguém, a não ser a mim mesmo.
116 117
Só por hoje, terei um programa alimentar. É possível que não o siga A VIDA lhe dá de volta tudo o que você DIZ, tudo o que você DESEJA DE
exatamente, mas mesmo assim o terei. Procurarei me livrar de dois grandes BEM E MAL AOS OUTROS. A VIDA lhe devolverá toda BLASFÊMIA,
males: a pressa e a indecisão. INVEJA, INCOMPREENSÃO, FALTA DE HONESTIDADE que você
Só por hoje, terei meia hora de quietude, a sós, e então descansarei. Dentro desejou, praguejou às pessoas que lhe cercam.
dessa meia hora, procurarei por alguns instantes obter uma perspectiva NOSSA VIDA é simplesmente o REFLEXO das nossas ações. Se você quer
melhor de minha vida. mais AMOR, COMPREENSÃO, SUCESSO, HARMONIA, FIDELIDADE,
Só por hoje, não terei medo. Sobretudo, não terei medo de usufruir o que é crie mais AMOR, COMPREENSÃO, HARMONIA, no seu coração.
belo, nem de manter-me confiante de que, assim como eu der ao mundo, Se agir assim, a VIDA lhe dará FELICIDADE, SUCESSO, AMOR das
assim o mundo também me dará. pessoas que lhe cercam.
(Sugestão traduzida de "Just for today... ", publicada por Neuróticos Anônimos) Colaboração: Dr. Biscegli (Consultor da Divisão Macchi)

UM FILHO E UM PAI CAMINHAVAM POR UMA MONTANHA BOCA LIVRE I - CARLOS QUEIRÓS TELLES
De repente, o menino cai, se machuca e grita: Era só o que faltava...
- Ai!! Nem posso me olhar no espelho.
Para sua surpresa, escuta sua voz se repetindo em algum lugar da montanha: Maldito dentista!
- Ai!! Maldito aparelho!
Curioso o menino pergunta:
- Quem é você? Minha boca mais parece
E recebe como resposta: O focinho de um coelho...
- Quem é você? Bicho dentuço, danado,
Contrariado grita: Beiço de arame farpado,
- Seu covarde! Um idiota perfeito.
E escuta como resposta: Quase morro de vergonha
- Seu covarde! Com esta cara de fedelho!
O menino olha para o pai e pergunta, aflito: Como é que eu faço agora
- O que é isso? pra beijar minha menina?
O pai sorri e fala: Como é que eu faço agora
- Meu filho, preste atenção. pra chupar uma mexerica?
Então o pai grita em direção à montanha: Como é que eu faço agora
- Eu admiro você! pra destravar esta língua?
A voz responde: Como é que eu faço agora
- Eu admiro você! pra mascar o meu chiclete?
De novo, o homem grita: Como é que eu faço agora
- Você é um campeão! pra jogar cuspe a distância?
A voz responde: Maldito dentista!
- Você é um campeão! Maldito aparelho!
O menino fica espantado. Não entende. E o seu pai explica:
Minha única vontade,
- As pessoas chamam isso de ECO, mas, na verdade, isso é a VIDA.
nesta hora de tormento,
118 119
é ter uma bruta coragem A JUVENTUDE
e um alicate bem grande ·:· A juventude não se mede pela idade.
para poder arrancar ·:· Juventude é um estado de espírito que se baseia no querer.
esta tralha da minha boca ·:· Juventude é disposição para fantasiar, a ponto de transformar em
e gritar alto pra todos realidade a fantasia.
meu alivio e meu conselho: ·:· Juventude é a vitória de disposição contra acomodação.
Viva a lei da boca livre! ·:· Juventude é gosto pela aventura, superando o amor ao conforto.
Viva o direito sagrado Ninguém envelhece porque viveu determinado número de anos; envelhece
de sorrir atravessado! aquele que abdica dos ideais.
Quero um canino bem torto Assim como o passar dos anos se reflete no organismo, a falta de emoção se
e um molar encavalado. reflete na alma.
Melhor ser dentuço em pé O medo, a dúvida, a falta de segurança, a fuga e desconfiança constituem-se
do que sorrir de joelhos! em anos que dobram a cabeça e levam a morte ao espírito.
Malditos dentistas! Ser jovem quer dizer ter 60 ou 70 anos e conservar a admiração pelo belo,
Malditos aparelhos! admiração pelo fantástico, pelas idéias brilhantes, pela fé nos acontecimentos
o desejo da criança por tudo o que é novo, o instinto pelo agradável e pelo
BOCA LIVRE II - CARLOS QUEIRÓS TELLES lado feliz da vida.
Valeu! Valeu! Valeu! Você será jovem enquanto sua alma conservar a mensagem do belo; a
disposição de viver.
Dizei-me agora Você será jovem enquanto conservar a mensagem de grandeza e da força que
espelho, espelho meu, nos é dada pelo mundo, por um ser humano ou pelo infinito.
quem tem um sorriso Você só será velho se tiver a alma dilacerada se for dominado pelo
mais super, pessimismo ou pelo cinismo. Neste caso, que Deus tenha piedade de sua
mais hiper, alma.
mais lindo do que o meu? Inscrição em pedra granito que se encontra no
Bendito sacrifício! pátio Giordino, em Verona (Itália)
Bendito sofrimento!
Meu adorado dentista! QUAL É...?
Meu querido aparelho! ... o dia mais belo? Hoje.
Vou procurar hoje mesmo ... a coisa mais fácil? Equivocar-se.
Um emprego de modelo ... o maior obstáculo? O medo.
pra anunciar dentifrício: ... o maior erro? Abandonar-se.
Aaaaaaaaaaahhhhhhhhhh! ... a raiz de todos os males? O egoísmo.
Eeeeeeeeeeehhhhhhhhhh! ... a distração mais bela? O trabalho.
Iüüüüüiiiiiiiiihhhhhhhhhh! ... a pior derrota? O desalento.
0ooooooooohhhhhhhhhh! ... os melhores professores? As crianças.
Uuuuuuuuuuuhhhhhhhhh! ... a primeira necessidade? Comunicar-se.
... o que nos faz mais felizes? Ser útil ao próximo.
120 121
... o maior mistério? A morte. CAPÍTULO 10 – ORIENTAÇÕES GERAIS
... o pior defeito? O mau humor.
... a pessoa mais perigosa? A mentirosa.
... o sentimento mais ruim? O rancor.
.. o presente mais bonito? O perdão.
... o mais imprescindível? A oração. EXERCÍCIOS PARA CRIANÇAS QUE TENHAM
... o caminho mais curto? O correto. O PALATO OGIVAL
... a melhor sensação? A paz interior.
... o resguardo mais eficaz? O sorriso.
... o melhor remédio? O otimismo. Para melhorar a deglutição
... a maior satisfação? O dever cumprido. 1. Exercícios para a língua - colocar a ponta da língua atrás dos
... a força mais potente do mundo? A fé. incisivos inferiores sem deixá-la sair; fechar e abrir a boca. A língua fará
... as pessoas mais necessárias? Os pais. pressão contra as arcadas, abrindo-as e fazendo descer o palato mole.
... a coisa mais bela de todas? O amor.
Madre Teresa de Calcutá 2. Pressionar com a ponta da língua o alvéolo superior e engolir saliva
com a boca bem aberta. Haverá grande pressão do palato mole contra a
RUA DAS RIMAS língua.
A rua que imagino, desde menino, para o meu destino pequenino é uma rua 3. Respiração só a nasal, pois forçará o abaixamento do véu palatino.
de poeta, reta, quieta, discreta, direita, estreita, bem-feira, perfeita, com Manter a boca hermeticamente fechada.
pregões matinais de jornais, aventais, nos portais, animais, e varais nos
quintais e acácias paralelas, todas elas belas, singelas, amarelas. Douradas, 4. Articular K K K KK KK KK com a pastilha (exercício orofacial)
descabeladas, debruçadas como namoradas para as calçadas; e um passo, de provoca o encontro do véu com a borda da língua.
espaço a espaço, no mormaço de aço, baço e laço, e algum piano 5. Leitura de palavras com G bem lentamente, forçando a sílaba da
provinciano, quotidiano, desumano, mas brando e brando, soltando de vez palavra. Ex.: ga-to ga-ga-ga-to, etc.
em quando, na luz rala de opala de uma sala, uma escala clara que embala; e,
no ar de tuna tarde que arde, o alarde das crianças de arrebalde; e de noite no 6. Ação de massagens: gargarejos com líquidos emolientes que
ócio capadócio, junto aos lampiões, os bordões dos violões, e a serenata ao amoleçam o tecido (líquidos momos de preferência).
luar de prata (mulata ingrata que me mata...) e depois o silêncio, o denso, o 7. Desenvolvimento da musculatura: beber líquidos por canudos em
imenso, o intenso silêncio... cima da língua, ficando entre a mesma e o céu da boca.
RUA QUE IMAGINO, DESDE MENINO, PARA O MEU DESTINO
PEQUENINO, É UMA RUA QUALQUER ONDE DESFOLHA UM
MALMEQUER. Relaxamento: ficar de pé e forçar a cabeça para trás tendo o abdômen para
Uma mulher que bem me quer, é uma rua, como todas as ruas, com duas dentro (murchar a barriga). Suspender a cabeça jogando o máximo possível
calçadas nuas, correndo paralelamente, como a sorte diferente de toda gente, para trás, com as mãos fechadas, giradas para fora, boca fechada, inspirar e
para a frente, para o infinito; mas uma rua quer tem escrito um nome bonito, expirar somente pelo nariz. Relaxar depois de 5 inspirações.
bendito, que sempre repito e que rima com mocidade, liberdade,
tranqüilidade: RUA DA FELICIDADE! A ortopedia funciona por meio de aparelhos espaçadores: uma rosca que é
Guilherme de Almeida aberta, forçando o alargamento da arcada.

122 123
Tais aparelhos trazem a correção física relativamente rápida em função da 18. Sempre pronunciando a vogal u, erguer a língua para fora e voltar com a
idade, ou seja a fase de desenvolvimento em que se encontra a criança. Sua ponta da língua que deve apoiar-se nos dentes superiores e deslizar pelo
utilização exige a perfeita correção da respiração bucal e desenvolvimento palato duro.
dos músculos, exercícios de língua e véu do palato mole. 19. Imitar a campainha do telefone trrr...
20. Vibrar a ponta da língua com sonorização e sem sonorização.
EXERCÍCIOS PARA HIPOTONIA DA LÍNGUA 21. Palavras para trabalhar a ponta da língua (apressando gradativamente o
mais que puder):
1. Ponta da língua na comissura labial D e E. a) tu e) ta i) den n) li
2. Com a boca fechada, encostar a ponta da língua na parte interior das b) tip f) du j) da o) len
bochechas (D e E). Depois colocar a ponta da língua na papila, fechar e abrir c) ti g) dup l) lu p) la
a boca. d) ten h) di m) lup
3. Com a boca aberta, colocar a ponta da língua nos incisivos superiores e
incisivos inferiores. Para hipertonia da língua, dar exercícios que relaxem ao máximo:
4. Com a boca aberta, encostar a ponta da língua no lábio inferior e 1. Alargar a língua fora da boca.
lentamente levá-la ao superior. 2. Com a língua alargada, morder o dorso da língua.
5. Com o guia de língua ou uma caneta esferográfica, fazer pressão na 3. Imitar o gato bebendo leite.
língua, retraindo-a, e continuar pressionando enquanto a língua se estira para 4. Língua alargada entre os lábios, fazer vibrar com fluxo aéreo.
fora. 5. Com o dedo ou uma espátula, colocar a língua em repouso no assoalho da
6. Golpear a língua contra um bastão. boca.
7. Levar a ponta da língua até o palato duro e apertar com força, fechando a 6. Pronunciar a a a a... com a língua em repouso.
boca. 7. Canelar a língua.
8. Dobrar a língua para cima, nas rugas palatinas, e desdobrá-la com força, 8. Vibrar a língua.
muitas vezes. 9. Estalar a língua.
9. Controlar batendo com a ponta da língua na papila n-n-n.
10. Com a ponta da língua atrás dos incisivos superiores, fazer pequenas EXERCÍCIOS PARA HIPOTONIA DE LÁBIOS
batidas pronunciando t, t, t.
11. Idem, pronunciando d, d, d. 1. Exercícios com botões e pesos.
12. Idem, pronunciando t, d, n. O paciente equilibra, com os lábios, o botão preso na ponta do fio dental.
13. Imitar o gatinho quando bebe leite. Em seqüência:
14. Girar a língua contra a parede dos lábios (boca fechada) de forma a opô- a) Botão grande - peso grande (50 g).
la à contração do músculo labial b) Botão grande - peso menor (20 g).
15. Circular a língua ao redor dos lábios. c) Botão pequeno - peso menor (10 g).
16. Estalar a ponta da língua com os lábios entreabertos sem mover a d) Botão pequeno - peso maior (50 g).
mandíbula.
17. Colocar a língua alargada entre os lábios e fazê-la vibrai com fluxo 2. Exercícios da guerra dos botões.
aéreo. Colocar 2 botões maiores presos por 1 fio dental. O terapeuta prende um
botão em seus lábios e o paciente prende o outro nos seus.

124 125
3. Colocar um pedaço de durex nos lábios até a altura do nariz e queixo. Ir BIBLIOGRAFIA
movimentando os lábios até retirar o durex.
4. Amarrar uma bala na ponta de um fio dental. O paciente busca com os
lábios a bala.
5. Com uma pastilha sugar atrás dos lábios.
6. Uso do canudinho para soprar e beber. AGUSTONI, C. H. Deglutição Atípica: Manual Prático de Exercícios para
7. Massagens com talco e vibradores. sua Reeducação. Rio de janeiro: Enelivros, 1984.
8. Puxar os lábios com a ponta dos dedos, forçando a protrusão. AGUSTONI, C. H. Guia Gráfico de Exercícios para Crianças Disfônicas e
9. Colocar um botão amarrado por um fio entre os lábios (na frente dos com Respiração Bucal. Rio de Janeiro: Enelivros, 1988.
incisivos); os botões devem variar de tamanho, do maior para o menor (se
possível, usar pesos 50-100-100-200 g) BARRET, R. H. "An Approach to Deviate Swallowing". Am. J. Orthod, n.
10. Passar batom nos lábios e imprimi-los sobre um papel (para meninas 47, p. 736, 1961.
pequenas). BENTES, L. Curso de Terapeuta da Linguagem, 1966.
11. Gaita de pente com papel fino.
12. Beijo de velha (estalar os lábios com pouca pressão). BLOCH, P. Problemas da Voz e da Fala. Rio de Janeiro: Letras e Artes,
13. Jogar beijos (lábios protegidos). 1963.
14. Movimentar os lábios em protrusão para D e E. BUCHER, H. Transtornos Psicomotores en el niño. Barcelona: Toray-
15. Sustentar e movimentar com os lábios um lápis, um pauzinho de pirulito Masson S.A., 1973. p. 76, 98, 117.
e um palito (de volume progressivamente diminuído).
16. Levar o lábio superior para fora e levantar até roçar o nariz. CANONGIA, M. B. Manual da Terapia da Palavra. Rio de Janeiro: Rio
Mede Livros Ltda, 1975,
EXERCÍCIOS PARA LÁBIOS E LÍNGUA - et al. Prevenção dos Distúrbios Oromiofuncionais. Rio de Janeiro: Rio
Mede Livros Ltda.
Aconselhamos os exercícios do livro Guia Gráfico de Exercícios para
Crianças Disfônicas e com Respiração Bucal, de C. H. Agustoni (ver CAUHÉPÉ, J. "Étude Experimentale de la Musculature et de la Position des
Bibliografia). Dents". Acta Stomatológica Belga, 57 (4): 585-i91, 1 960.
-. "Thérapeutique des Anomalies Dento-Maxilaires". Apostila do Institut de
EXERCÍCIOS PARA HIPOTONIA DE BOCHECHAS Stomatologie de la Faculté de Médicine de Paris. Service d'Orthopédie
Dento-Faciale, 1965.
1. Inflar as bochechas e bater com os dentes sentindo a pressão - soltar o ar
devagar. COOPER, M. Modernas Técnicas de Rehabilitación Vocal. Buenos Aires:
2. Inflar uma bochecha de cada vez, bater com os dedos, sentir a pressão, Editorial Médica Panamericana, 1979.
soltar devagar.
3. Movimentar os lábios para D e E com força.
4. Sucção das bochechas.

126 127
FERNANDES, H. Congresso de Terapia da Palavra, 1967. STRAUB, W. J. "Malfunction of the Tongue". Am. J. Orthod., 1962. p. 47-
FRANÇA, N. & RAHM, H. Relaxe... e Viva Feliz. São Paulo: Loyola, 1985. 48, 586.
GARLINER, D. Myofunctional Therapy in Dental Practice. Nova Iorque: TABITH, A. G. Foniatria, Disfonias, Fissuras Lábio-Palatais a Paralisia
Bartel Dental Book Co. Inc., 1971 . Cerebral. São Paulo: Cortez Editora, 1980.
GRABER, T. M. Orthodontics Principles and Practice. Philadelfia: W. B. TRAVIS, L. E. Handbook of Speech Therapy and Audiology. 1971.
Saunders, 1972. p. 129-179. BIANCHINI, E. M. G. A Cefalometria nas Alterações Miofuncionais Orais
GYANELLY, A. A. & GOLDMAN, H. M. Biologic Basis of Orthodontics. Pró-Fono. Diagnóstico e Tratamento Fonoaudiologia, 1994.
Philadelfia: Lea & Febiger, 1971. p. 252-260. MARCHESAN, I. Q. Motricidade Oral. Pancast Editora, 1993.
HANSON, M. L. & COHEN, M. S. "Effects of Form and Function on PETRELLI E, Ortodontia para Fonoaudiologia. Editora Lovise, 1992.
Swallowing and Developing Dentition". Am. J. Orthod., 1973. p. 63-64. CUPELLO, R. C. l..000 Perguntas de Fonoaudiologia. Rio de Janeiro: Ed.
HERMÓGENES, J. Autoperfeição com Hatha Yoga. Rio de Janeiro: Revinter. 1994.
Distribuidora Record. FRANÇA, F. Umas e Outras. Rimas Soltas. Rio de Janeiro: Ed. Revinter,
HOUSSAY, B. A. Mecânica Respiratória - Fisiologia Humana. Buenos 1993.
Aires: El Atheneo, 1958. p. 305-310. LOFIEGO, J. L. Fissura Lábio Palatino. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 1992.
JACOB, S. W. & FRANCONE, C. A. Sistema Linfático: Anatomia e LOFIEGO, J. L. Laringectomia. Rio de Janeiro: Ed. Revinter, 1994.
Fisiologia Humana. Rio de Janeiro: Interamericana, 1976. p. 376-385. CEFAC. Tópicos em Fonoaudiologia. Editora Lovise, 1994/1995/1996.
MOYERS, R. S. "Tongue Problems and Malocclusions". Dent. Clin. N. A., GRAZINI, M. Cirurgia Buco-rnaxilo-frcial. 6ª ed. Editora Guanabara
Jul. 1964. Koogan S.A., 1976.
PADOVAN, B. "Deglutição Atípica". Revista Ortodontia, v. 9, 1976. Revista: Secretaria de Saúde. Jan./Fev. /98. Caderno de Odontologia, p. 4.
PERELLÓ, J. et al. Transtorno del Habla. Barcelona: Científico-Médica, MARCHESAN, I. Q. Fundamentos em Fonoaudiologia - Aspectos Clínicos
1973. da Motricidade oral - Ed. Guanabara Koogan, 1998.
PIALOUX, P. et al. Manual de Logopedia. Barcelona: Toray-Masson, 1973. MARCHESAN I. Q. "Deglutição Atípica ou Adaptada". Vídeo Pro-Fono,
QUIRÓS, J. B. et al. Los Grandes Problemas del Lengage Infantil. Buenos 1996.
Aires: Casa Ares, 1970. FELÍCIO, C. M. Fonoaudiologianas Desordens Temporomandibulares,
SANTINI, R. & CASTELINO, A. J. "Contribución al Estudio de la Paricast, 1994.
Musculatura como Factor Modelador de la Arcada Dentaria". Revista TELLES, C. Q. Semente de Sol – 5ª Edição P. 28-30, 1992.
Ortodontia, n. 43 Buenos Aires, 1958.
SANCHES, T. Defectos en la Dicción Infantil. Buenos Aires: Editorial
Kapelusz, 1958.
SEGÓVIA. Interrelaciones entre la Odontoestomatología y la
Fonoaudiologia. Buenos Aires: Editorial Médica Panamericana, 1977.
STRANG, R. H. W. Tratado de Ortodontia. Buenos Aires: Editorial B.
Argentina, 1957.

128 129