Você está na página 1de 65

Hans Hutzler

setembro 2009
84 milhas de costa a ser explorada
 Águas mornas o ano inteiro
 Temperaturas amenas e constantes
 Ventos constantes dia e noite, principalmente de SE ou E, que
possibilitam ir e voltar velejando
 Ausência de frentes frias e outras perturbações meteorológicas
 Praias que variam de urbanas a desertas, algumas sem acesso por
terra
 Inúmeros points de mergulho
Climatologia

Fonte: Roteiro Costa Leste


Regime de ventos
NE E SE S
Janeiro 20% 30% 30% -
Fevereiro 15% 15% 33% -
Março 13% 13% 40% 5%
Abril 5% 10% 44% 11%
Maio - 5% 57% 16%
Junho - - 47% 22%
Julho - - 55% 21%
Agosto - 7% 57% 17%
Setembro 7% 18% 50% 7%
Outubro 19% 31% 31% -
Novembro 33% 28% 19% -
Dezembro 25% 36% 20% -
Fonte: Roteiro Costa Leste
Climatologia e Meteorologia
 Recife está na região tropical (08ºS), fora do alcance das frentes frias
temperadas, que sobem até Salvador ou Aracajú.
 A temperatura média anual é de 26º, com máximas e mínimas na faixa de
34º a 21º.
 A estação chuvosa acontece entre os meses de março e agosto.
 As chuvas são geralmente fenômenos de pequena escala, e o tempo quase
sempre pode ser previsto com a observação das nuvens que vêm da
direção do vento. Fotos de satélite ajudam bastante.
 Os ventos predominantes são os Alíseos de SE, variando para NE entre
outubro e março (período de ventos mais fracos) e para S entre maio e
agosto (período de ventos mais fortes). Estão presentes de dia e de noite,
com um breve terral aparecendo (à vezes) pelo amanhecer.
 Calmarias são raras, e ventos muitos fortes costumam acontecer apenas
por breves períodos de 15 a 30 minutos, acompanhando os “pirajás” ou
“cajús” (grandes nuvens Cb - Cumulunimbus).
 A visibilidade é quase sempre excelente, exceto durante os aguaceiros.
Cartas náuticas e publicações
 22200 – De Cabedelo a Maceió (antiga 900)

 930 – Proximidades do Porto do Recife


 902 – Porto do Recife

 906 – Porto de Suape

 910 – Proximidades de Itapessoca


 903 – Porto de Itapessoca (esgotada)

 905 - Tamandaré (esgotada)

 Roteiro Costa Leste

 Guia Náutico da Costa Brasileira – Marçal Seccon


Softwares de navegação
 Cartas náuticas brasileiras estão disponíveis para
download (GRATUITO) no site da DHN:
http://www.mar.mil.br/dhn/dhn/index.html
 Softwares:
 OziExplorer (www.oziexplorer.com)
 Pode trabalhar com:
 Cartas náuticas publicadas pela Marinha

 Cartas náuticas escaneadas

 Imagens baixadas do Google Earth

 Qualquer mapa em formato “raster”

 Nazareh (www.nasareh.com.br)
 Outros...
Principais ancoragens de PE:
(distâncias a partir da barra do porto de Recife)
 Litoral Norte:
 Pontas de Pedra 25’
 Catuama / Atapuz 24’
 Forte Orange / Coroa do Avião / Canal de Santa Cruz 18’
 Maria Farinha 17’
 Pocinhos de Conceição e Pau Amarelo 11 e 9’
 Dique de Olinda 4’
 Litoral Sul:
 Quebra-mar de Candeias 10’
 Suape 24’
 Porto de Galinhas 29’
 Ilha de Santo Aleixo 35’
 Guadalupe / Praia dos Carneiros 42’
 Tamandaré 47’
Litoral Norte
Litoral Sul
Litoral Sul
(continuação)
Ponta de Pedras
 Primeiro conjunto de praias ao norte de Pernambuco
 Acolhe a mais importante regata de todas as classes (monotipos a
oceânicos) do estado, corrida todo mês de dezembro, entre Ponta
de Pedras e Recife
 Não é uma ancoragem totalmente abrigada, especialmente com
vento de SE ou S. Com vento de NE torna-se tranqüila, mas as
ondas passam por cima dos arrecifes na preamar
 Os barcos fundeiam na enseada entre Ponta de Pedras e a praia de
Catuama, em fundo de areia, conchas e algas
 A praia tem diversos bares, e pode ficar bastante movimentada nos
feriadões e durante as férias
 Barcos com até 2,5m de calado entram. O melhor momento é no
início da enchente, quando a água está limpa e os corais podem ser
avistados.
Catuama / Atapuz
 A barra é longa, bem larga, mas cercada de bancos de areia.
 As ancoragens são completamente protegidas das ondas, mas com
bastante corrente de maré, em fundo de lama.
 É uma região tranquila, com muitos canais, rios e mangues pouco
explorados.
 Catuama era um antigo vilarejo de pescadores. As praias pelo lado
do mar foram tomadas por casas de veraneio. No rio Catuama há
uma marina para lanchas, no vilarejo a W do morro do Funil.
 O bar localizado no lado W da ponta Carapari (ponta NW da Ilha de
Itamaracá) é bastante procurado pelos navegadores da região, e
mesmo barcos de muito calado podem chegar bem próximos da
areia.
 A outra ancoragem fica em frente à vila de Atapuz, com fundo de
lama mole. Na baixa-mar a praia só pode ser acessada passando
por uma faixa de lama muito mole, mas na preamar chega-se à faixa
de areia.
Forte Orange / Coroa do Avião / Canal de Santa Cruz
 Região de muita beleza, o Canal de Santa Cruz tem a Ilha de Itamaracá ao norte,
com o imponente e recentemente restaurado Forte Orange, e a Coroa do Avião ao
sul.
 A Coroa do Avião formou-se nos últimos 30 anos a partir de um banco de areia. É
hoje um dos destinos mais movimentados do litoral pernambucano nos fins de
semana, com MUITAS embarcações (principalmente lanchas) procurando os seus
inúmeros bares de beira de praia.
 Ao lado do Forte Orange existe a Marina de Itamaracá, do mergulhador e pescador
Sinval.
 O canal de acesso tem 1,5 m na baixa-mar, mas uma vez lá dentro, as profundidades
são em torno dos 6 a 8 m.
 A corrente de maré é MUITO forte, especialmente nas marés de lua, e durante a
vazante fica em sentido contrário ao vento, tendendo a enroscar a amarra na quilha.
Sugerimos usar um peso na amarra para afundá-la.
 Para fundear próximo à Coroa, sugerimos fazê-lo mais próximo à sua ponta W, local
mais abrigado.
 No rio Igarassú, próximo à boca, e em Vila Velha, há bons restaurantes.
 Pode-se prosseguir pelo Canal de Santa Cruz até a cidade de Itapissuma.
Maria Farinha
 Local onde fica a sub-sede norte do Cabanga Iate Clube, além de
inúmeras marinas, é a base para a maioria das pequenas
embarcações do estado, e também a raia onde são corridas as
regatas de monotipo.
 O seu canal de acesso está MUITO assoreado na parte mais
externa, com profundidades de 0,3 a 0,5 m na baixa-mar. A posição
exata do canal varia muito, e só deve ser investido com auxílio local.
Devemos lembrar que a amplitude de maré (que pode chegar a
2,5m) possibilita barcos de maior calado entrarem e saírem nas
preamares de sizígia.
 Cuidado com a pedra localizada em todo o 1/3 W do canal, de través
com o pontal de Maria Farinha.
 O fundeio pode ser feito em qualquer parte ao S do pontal, bem
abrigado de qualquer vento.
Pocinhos de Conceição / Pau Amarelo
 São piscinas naturais que surgem durante a baixa-mar, quando
descobrem os arrecifes que se situam de 0,5 a 1,0 milha da praia.
Piscinas de águas mornas e transparentes convidam a um banho e
um papo regado a cerveja gelada.
 São especialmente bonitos nas marés de lua e nos meses de verão,
quando é possível caminhar sobre eles (com algum calçado) e a
água fica ainda mais limpa.
 Não são ancoragens, pois as ondas cobrem os arrecifes durante a
preamar, mas são excelentes passeios de 1 dia, pois estão a pouca
distância do Recife.
 Entra-se pela barreta e guina-se para o S, fundeando próximo aos
arrecifes.
Dique de Olinda
 É a ancoragem mais próxima do Recife (apenas 4 milhas) e por isso
mesmo, boa para velejadas de iniciação.
 O canal que leva da barra do porto do Recife ao dique, passando
próximo à praia, é conhecido pelos locais como “farol com caixa
d’água”, numa alusão ao alinhamento utilizado para navegá-lo. Não
deve ser investido sem conhecimento local.
 A praia é urbana, muito movimentada. A água às vezes está
imprópria para banho.
Quebra-mar de Candeias
 Trata-se de um quebra-mar construído recentemente para conter o
avanço do mar na praia de Candeias (continuação de Boa Viagem
para o S).
 Dentro dele está localizado um clube náutico que abriga barcos
pequenos e muitas pranchas a vela, a “Flotilha de Snipes de
Pernambuco”
 A bacia está assoreada, com profundidade de 1,0 m na baixa-mar.
 Em caso de emergências, especialmente com embarcações a motor,
há um posto de combustíveis na Av. Bernardo Vieira de Melo, que
pode ser alcançado a pé.

Fonte: Mário Roberto Jácome


Suape
 A ancoragem mais procurada por muitos dos velejadores de Pernambuco, tem ilhas
desertas, canais navegáveis, resort hotel, e principalmente, o apoio dos bares do Biu e Elói.
 O acesso principal é pelo porto de Suape, que pode servir de refúgio em caso de
necessidade. A partir daí pode-se contornar a Ilha dos Franceses (Cocaia) pelo E (canal com
1m de profundidade na baixa-mar) ou pelo W (canal mais curto porém com apenas 0,5m na
baixa-mar), ambos abrigados de ondas.
 Há também uma entrada ao S do Cabo de Santo Agostinho, com maior profundidade, porém
cercada de pedras por todos os lados e com ondas muito altas na maré de vazante.
 Apesar do grande porto logo ao lado, e do imenso estaleiro construindo navios Suezmax
para a Petrobrás, a região é tranqüila e as águas são limpas, pois não há aglomerações
urbanas grandes nas margens dos rios.
 No rio Massangana há um excelente resort, próximo ao pontal de Suape. Um pouco mais
para dentro (0,7 milha) há o bar do Elói, com uma vista belíssima e boa comida local. Deve-
se tomar cuidado com a pedra na parte SW da entrada do rio e com o banco de areia em
frente ao bar do Elói.
 O rio é navegável por mais 4 milhas com profundidade sempre maior do que 3m, num
belíssimo passeio.
Porto de Galinhas
 Praia mais famosa e divulgada de Pernambuco. Suas piscinas naturais,
inúmeros hotéis, pousadas, bares e restaurantes atraem milhares de
turistas.
 O mergulho nas piscinas naturais é realmente fantástico, com água
muito clara e MUITOS peixinhos coloridos, especialmente nas piscinas
um pouco mais afastadas da praia, facilmente alcançáveis de bote.
 O ideal é visitá-la com marés de lua, especialmente quando a baixa-mar
é próxima ao meio-dia. Assim como nos pocinhos do litoral norte, não é
recomendado o pernoite. O ideal é dormir em Suape e sair de manhã
cedo, aproveitando o período de maré baixa e saindo após o mar cobrir
os arrecifes.
 O fundo é de areia solta e conchas, e as âncoras têm grande
dificuldade de segurar bem. A área para fundeio, ao S das pedras, é
pequena, com a praia muito próxima à sotavento. Se houver terral pela
manhã, o vento pode empurrar o barco para as pedras.
Ilha de Santo Aleixo
 A única ilha do estado (fora Noronha) que fica um pouco afastada da
praia (menos de 2 milhas). Dispõe de uma mansão que pode ser
alugada a valores “módicos”.
 A praia que fica a W é bonita, e a ilha pode ser contornada por fora,
mas guardas impedem a entrada na propriedade privada interna.
 Há mais de 20 anos atrás um belo veleiro de 50 pés do proprietário
da ilha fundeava na entrada SW desta enseada, amarrando de proa
numa poita localizada em cima da pedra a E e colocando uma
âncora de popa (fundamental para o terral pela manhã).
 Como o local é apertado, uma alternativa é fundear ao largo, a E da
ilha, onde se fica razoavelmente abrigado das vagas.
Praia dos Carneiros / Guadalupe
 Sem dúvida um dos destinos mais bonitos (e pouco conhecidos) de
Pernambuco. Abrigará a sub-sede sul do Cabanga Iate Clube,
arrendada recentemente do Governo do Estado e ainda em processo
de implementação.
 O canal de acesso é longo e por vezes tenebroso, com 1m na baixa-
mar, mas as belezas da região compensam e muito. Uma vez lá dentro,
as profundidades são excelentes.
 Pode-se escolher entre fundear próximo à belíssima e praticamente
deserta ponta de Guadalupe, ou mais ao S, em frente ao bar “Sítio da
Prainha”, que tem chuveiros e comida à la carte e à quilo.
 Este lado S (Praia dos Carneiros) tem também pousadas e na sua
ponta E um movimentadíssimo bar: “Bora-Bora”, que vale uma visita.
Em frente, belas piscinas naturais e um arrecife para ser explorado.
 Bancos de areia permitem a aproximação de barcos até quase tocá-los
com a proa. O cruzeiro em cima do morro a W, na confluência com o rio
com leva até a cidade de Tamandaré (infelizmente atravessado por
cabos de alta tensão), produz as mais belas vistas da região (vide foto a
seguir), e pode ser alcançado com boa profundidade.
Tamandaré
 Nossa ancoragem mais distante e mais ao S tem uma bela baía, de
entrada franca, relativamente abrigada dos ventos de NE e E, mas
desabrigada quando sopra de SE.
 A antiga Escola de Pesca abriga um centro de pesquisas do IBAMA /
UFRPE.
Clubes Náuticos
 Cabanga Iate Clube de Pernambuco (CICP)
 Pernambuco Iate Clube (PIC)
 Iate Clube do Recife
 Flotilha de Snipes de Pernambuco
 Iate Clube de Itamaracá
CANAL DO CABANGA IATE CLUBE DE PERNAMBUCO
Waypoint Latitude Longitude
CICP1 08°04,094’S 034°52,388’W
CICP2 08°04,367’S 034°52,583’W
CICP3 08°04,409’S 034°52,767’W
CICP4 08°04,519’S 034°53,109’W
CICP5 08°04,661’S 034°53,376’W
CICP BARRA 08°04,743’S 034°53,433’W
Menor profundidade: 1,5m na baixa-mar de sizígia. Datum: WGS-84
Obs.: O canal só deve ser demandado na preamar, de preferência com conhecimento local e no período diurno. Existem balizas
cegas (não luminosas) de madeira que demarcam aproximadamente os limites do canal, e o navegante deve manter-se entre elas.

Interesses relacionados