Você está na página 1de 41

Gestão da Manutenção

Lean

Seminário MI

Trabalho realizado por:


Miguel Oliveira, Anabela France, Ana Isabel Ferreira e Nelson Carneiro
1
Índice

 Manutenção Lean (contextualização)

 Filosofia do Pensamento Lean

 Sistema de Gestão de Manutenção Lean

 4 Etapas para a implementação do Sistema de Gestão


de Manutenção Lean

2
Tipos de Manutenção

A manutenção de equipamentos ou bens pode ser esquematizada conforme o


diagrama seguinte.

Manutenção

Preventiva Correctiva Metodologia

Sistemática Condicionada RCM TPM LM

Um único sistema de manutenção pode combinar de uma forma eficaz as forças de todas estas
estratégias
O que é a Manutenção
Industrial

Combinação de todas as acções técnicas, administrativas


e de gestão, durante o ciclo de vida de um bem,
destinadas a mantê-lo ou repô-lo num estado em que ele
pode desempenhar a função requerida.

4
Gestão da Manutenção

Todas as actividades de gestão que determinam os


objectivos, a estratégia e as responsabilidades
respeitantes à Manutenção, controlo e supervisão
da Manutenção e a melhoria de métodos na
organização, incluindo os aspectos económicos.

5
O que está a acontecer nas
Organizações

 Redução do número de empregados


 Aumento das expectativas de produção
 Redução dos orçamentos de Manutenção
 Requisitos mais exigentes ao nível da segurança e
ambiente
 Instalações tecnicamente mais complexas
 Mais conhecimentos e valências técnicas

6
Mas como sempre…

 O sistema e equipamentos deverão ter uma


elevada disponibilidade;

 Os custos deverão ser mantidos no mínimo


possível.

7
A manutenção enquanto tal
(em si) não acrescenta valor

Mas a Manutenção não pode prejudicar a criação


de valor.

No entanto, acrescenta valor ao permitir e


colaborar na estabilidade requerida pelo processo
produtivo.

8
“Zero tempo de
Manutenção”
“Zero tempo de
Manutenção”, no
processo produtivo,
não significa não
fazer Manutenção nos
equipamentos. Logo, procura-se…

Eliminar o desperdício e
especificamente o desperdício
associado à Manutenção.

9
Neste contexto…

As metodologias e ferramentas da Manutenção não


devem ser só as correctas e adequadas, mas devem ser:

Magras e rápidas

10
O ideal é sermos

 Gestores de processos

 Técnicos de fiabilidade

11
“Parceria” entre Pensamento
Lean e Gestão da Manutenção
Para além de metodologias e ferramentas devemos
adoptar/apostar numa filosofia que nos permita actuar no âmbito
da Gestão da Manutenção.

Deve explorar-se a filosofia, os conceitos, as ferramentas e os


princípios e as metodologias do pensamento Lean e aprender a
aplicá-los à Gestão da Manutenção.

Lean Maintenance / Manutenção Magra


12
Manutenção Lean

Origem:

No início dos anos 80, a Manutenção Lean foi


classificada como um programa exclusivo
pelo Sistema de Produção Toyota (TPS).

13
Filosofia do Pensamento
Lean

Sistema de gestão cujo objectivo é o desenvolvimento de


processos e sistemas tendo em vista a eliminação de desperdício
em toda a organização e a criação de valor para todas as partes.
Com toda a tecnologia disponível actualmente, as empresas
procuram cada vez mais executar todas as rotinas de manutenção
com o mínimo de desperdício de tempo (útil e “improdutivo”) e de
recursos possíveis.
A implementação de Lean na manutenção melhora o
planeamento, a produtividade, a satisfação da equipa, auxilia e
facilita a execução das tarefas e ainda indica onde estão os
desperdícios que devem ser eliminados.

14
Melhoria contínua
Kaizen

Pontos fulcrais:

 Interacção contínua entre o planeamento e a execução -


sustentada pelo ciclo PDCA;

 Favorecimento e desenvolvimento da mentalidade de trabalho


em equipa 15
Impacto da melhoria
contínua

 Busca constante das melhores práticas das equipas de


manutenção redução de custos, melhoria da qualidade;
 Optimização dos processos de trabalho aumento da
produtividade;
 Procedimentos documentados Partilha de informação, redução
de custos e de tempo;
 Indicadores de desempenho;
 Simplificação das tarefas de manutenção melhoria, rapidez,
maior produtividade;
 Utilização correcta (e estritamente necessária) dos recursos
humanos e materiais;
 Contratação de serviços;

16
Princípios do Pensamento Lean
aplicados à Manutenção Lean

 Conhecer o cliente Conhecer para quem trabalhamos


 Definir valor Definir o objectivo de todos
 Definir cadeia de valor Definir o campo de intervenção
 Optimizar os fluxos Optimizar os meios a aplicar
 Implementar o Sistema Pull Pôr em prática o sistema a usar
 Perfeição Melhoria contínua
 Constante inovação Aposta nas atitudes certas

17
Ferramentas e metodologias -
Manutenção Lean
A Manutenção Lean deve utilizar:
 Metodologias e ferramentas existentes (fiabilidade)

Exemplos:
 TPM (Manutenção Produtiva Total);
 RCM (Manutenção centrada na Fiabilidade);
 RCFA (Diagnóstico e análise de falhas).

 Metodologias e ferramentas da Lean Management – Lean


Production e Lean Services

Princípios:
 Eliminação de desperdício;
 Criação de valor - orientação para a cadeia de valor.

18
Gestão da Manutenção –
Breve introdução

“… Já ninguém aceita que uma organização que tenha a seu


cargo máquinas ou infra-estruturas menospreze a manutenção
desses bens… investimentos qualquer um os faz, se tiver
dinheiro, enquanto que mantê-los requer conhecimentos, cultura
e atitude – uma verdade que se aplica indistintamente a uma
pequena ou grande empresa, um município ou um País inteiro…”1

1- CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora
Lidel, 2001.

19
Gestão da Manutenção –
Breve introdução

“… Pode definir-se manutenção como o conjunto de acções destinadas a


assegurar o bom funcionamento das máquinas e das instalações,
garantindo que elas são intervencionadas nas oportunidades e com o
alcance certo, por forma a evitar que avariem ou baixem de rendimento
e, no caso de tal acontecer, que sejam repostas em boas condições de
operacionalidade com a maior brevidade, tudo a um custo global
optimizado…”2

Este ponto de equilíbrio deve ser estabelecido através de um conjunto de


acções destinadas a especificar o nível de manutenção e as suas acções
(acções que constituem a Gestão de Manutenção).

2- CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora Lidel, 2001.

20
Gestão da Manutenção –
Breve introdução
Orientada para a cadeia de valor.

Objectivos:

 Zero tempo de manutenção Aumento da produtividade;


 Evitar desperdício no sistema de manutenção Aumento da
rentabilidade;
 Suportar a cadeia de valor Assegurar processos
estáveis e a qualidade.

21
Ferramentas
Value Lean Melhoria
Stream Contínua
Mapping Kaizen

Análise
Actividade
5S Estrutura

Minimizar
Efeitos / Formação
Falhas

Sistema de
Gestão de
Manutenção Lean
Sistema
RCFA Comunicação
Informação

OEE
RCM Indicadores

Manutenção
OPM Autónoma
FMEA TPM
Manutenção
Preventiva /
Preditiva

22
Estudo dos Processos da
Manutenção

Identificação de Desperdícios – 3 tipos de perdas

• tudo o que não acrescenta valor é


Desperdício desperdício e como tal deve ser eliminado

• excessos ou insuficiências. É eliminado


Irracionalidade pela uniformização

• irregularidades ou insuficiências. Deve


Variabilidade fazer-se o necessário e quando pedido

23
Desperdícios
Manutenção Lean

24
Normalização /
Uniformização

Com a normalização reduzimos a variabilidade e existem


necessariamente menos custos, pois através da uniformização
todos fazem da mesma forma, pela mesma sequência, com as
mesmas operações e com as mesmas ferramentas.

Fundamentalmente normalizamos para simplificar a vida,


eliminar esforços desnecessários em tarefas repetitivas, evitar,
eliminar ou minimizar desperdícios, aproveitar melhor o tempo.

A Normalização deverá servir para a regulação da actividade


humana na Manutenção Industrial.

25
Normalização /
Uniformização/ Formalização

Uniformização

Formalização
Pôr por escrito os
avanços da
melhoria contínua

Melhoria contínua
Kaizen

26
Normas Portuguesas de
Manutenção

Servem essencialmente para que sejam reconhecidas e


valorizadas:
 a competência e qualificação técnicas
 a organização, preparação e planeamento do trabalho
 a formação específica
 o rigor na execução
 o cumprimento de prazos
 o cumprimento dos orçamentos

27
Normas Portuguesas de
Manutenção
 NP EN 13306:2007 - Terminologia de manutenção
 NP EN 13269:2007 - Manutenção - Instruções para a
preparação de contratos de manutenção
 NP EN 15341:2009 - Manutenção - Indicadores de
desempenho de manutenção económicos, técnicos e
organizacionais
 EN 13460:2009 - Manutenção – Documentação para
manutenção Futura
 NP EN 4XXX:2011 - Manutenção – Qualificação do pessoal de
manutenção, Técnico de Manutenção, Supervisor de
Manutenção, Gestor de Manutenção
 NP 4483:2009 – Norma guia para a implementação de
sistemas de gestão de manutenção
 NP 4492:2010 – Requisitos para a prestação de serviços de
manutenção
 NP 4492:2010 – Requisitos para a prestação de serviços de
manutenção 28
Vantagem da normalização
na manutenção

 Falamos a mesma língua, através da universalidade de


conceitos e termos na Manutenção

 Na elaboração de Contratos de Manutenção


 Na uniformização dos Indicadores da Manutenção
 Na uniformização da documentação técnica da Manutenção
 Na uniformização dos níveis de qualificação e conhecimentos
requeridos pelo pessoal da Manutenção

29
Variabilidade
Por analogia com a Six Sigma Business Scorecard, a
Manutenção Seis Sigma (Six Sigma Maintenance Scorecard)
representa igualmente um processo de melhoria contínua, sem
desperdícios, que permitirá analisar e melhorar o desempenho
das actividades de manutenção com base nos níveis Seis
Sigma, face aos objectivos previamente definidos, e delinear a
posteriori as respectivas melhorias a adoptar.

A metodologia Lean Six Sigma, usa os dados provenientes dos


processos e reduz a sua variação de forma sistemática. O Six
Sigma utiliza ferramentas estatísticas para inferir as causas dos
problemas que muitas vezes não são visíveis:

 A metodologia Six Sigma melhora a capacidade do processo


 A metodologia deve aplicar-se após a estabilização dos
processos (eliminação dos desperdícios e uniformização).
30
Manutenção Seis Sigma

De um modo geral, esta filosofia deverá apresentar as


seguintes características, para que se consiga atingir a meta
• utilização de políticas de manutenção essencialmente
“zero falhas”:
• aceleração dos processos de melhoria contínua, com
preventivas e melhorativas, uma transição rápida e eficiente
das políticas correctivas e reactivas para uma nova cultura
suportada por políticas preventivas e melhorativas,
• promoção e estimulação da participação de todos os
recursos humanos na implementação e no
desenvolvimento das metodologias Seis Sigma

31
Procuramos… a
Excelência na Manutenção
Computerized
Management Maintenance
System

Inventário Stocks Gestão com base


/ fornecedores em medidas de
eficiência

Controlo do
trabalho Base de dados de
equipamentos

Estrutura e
organização Tarefas de
manutenção /
Procedimentos

Formação do
pessoal da
Manutenção Planeamento das
intervenções

Engenharia de
fiabilidade / Melhoria
Contínua
32
Normas para as melhores
práticas de manutenção
• 100% do tempo do pessoal de manutenção deve preenchido
através de uma ordem de trabalho
• 90% das ordens de trabalho são gerados pela Manutenção
Preventiva e inspecções
• 30% de todas as horas de trabalho são de Manutenção
Preventiva
• 90% do trabalho programado deve ser cumprimento
• Eficácia global do equipamento deve ser de mais de 85%
• Falta de peças de reposição de ser um acontecimento raro
(uma por mês)
• As horas extraordinárias deverá ser 2% do tempo total de
manutenção
• Orçamento de manutenção deverá ser +/- 2% do valor do
equipamento

33
Sistema de Gestão de
Manutenção Lean

• Estrutura e Organização que se vão adequando

• Pessoas motivadas e com formação Auto-motivação

• Trabalho em equipa

• Cultura da Melhoria Contínua

34
Sistema de Gestão de
Manutenção Lean (4 etapas)

1. Atribuir prioridade a actividades/sistemas (estabelecer


prioridades)

Efeito na produção e posição na cadeia de valor

2. Classificar os tipos de anomalias/avarias

 Efeito no sistema operativo;


 Previsibilidade de avarias;
 Frequência de avarias. 35
Sistema de Gestão de
Manutenção Lean (4 etapas)

3. Desenvolver conceito de actuação

 Sistema crítico Traçar plano de acção


 Sistema não crítico Manutenção básica, preventiva…

4. Desenvolver a organização

 Estrutura e organização da manutenção;


 Planeamento das capacidades da manutenção.

36
Sistema de Gestão de
Manutenção Lean (4 etapas)

Fornecedor e seus Empresa Empresa


fornecedores

Fornecedor Serviço
Serviço
Materiais e serviços Produção
Manutenção
Manutenção

37
Lean da Cadeia de
Manutenção
A jornada Gestão Lean desenvolve-se em duas fases:
 1ª - Conquista interna, ou seja, a implementação da
filosofia do Pensamento Lean na Manutenção.

 2ª - Consiste em dar a conhecer a filosofia ao longo da


cadeia de manutenção, de forma a que fornecedores e clientes
adoptem os seus princípios e as suas práticas conseguindo-se
alcançar a sincronização de todos os intervenientes com o
intuito de se conseguir a satisfação do cliente final.

O sucesso da Gestão Lean ficará comprometido se a sua


aplicação se limitar às fronteiras da manutenção. 38
Manutenção Lean

Novo Paradigma
na
Gestão da
Manutenção

39
Bibliografia

 CABRAL, José Paulo Saraiva – Organização e Gestão


da Manutenção, 5ª edição. Lisboa: Editora Lidel, 2001.

 SMITH, Ricky; HAWKINS, Bruce – Lean Mantenance.


Oxford: Elsevier Butterworth–Heinemann, 2004.

40
41