Você está na página 1de 25

O PLANEJAMENTO E AS ORIENTAÇÕES

PEDAGÓGICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

SANTANA-AP
2019
Essas reflexões são importantes, pois em muitas
escolas ainda há um trabalho mecânico, repetitivo,
no qual o professor usa o mesmo planejamento por
vários anos, sem levar em consideração de uma
diferenças entre as crianças de uma turma para
outra, seus interesses, desejos e necessidades.
As tendências pedagógicas atualmente praticadas
nas salas de Educação Infantil não surgiram de forma
mágica.

Há uma trajetória histórica, social e tudo começa


com os estudos nas várias áreas do desenvolvimento
humano como a psicologia, a biologia, a sociologia e
antropologia.
De acordo com o Referencial Curricular Nacional
para a Educação Infantil, a criança é um sujeito
social e histórico.

Ela deve agir sobre o ambiente, interagir com


outras pessoas, pensar, resolver, testar hipóteses, ou
seja, construir o seu conhecimento.

 O planejamento na Educação Infantil reflete a


visão de criança que o professor possui e como essa
concepção sofreu um processo evolutivo, o
planejamento deve acompanhá-la.
•Dirigida às crianças de zero a seis anos ganha
estatuto de direito, colocando-se como etapa inicial
da educação básica que devem receber as crianças
brasileiras, respeitando os preceitos constitucionais.
LDBE - Lei nº 9.394 de 20 de Dezembro de 1996
Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Art. 29. A educação infantil, primeira etapa da


educação básica, tem como finalidade o
desenvolvimento integral da criança de até 5 (cinco)
anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual
e social, complementando a ação da família e da
comunidade. (Redação dada pela Lei nº 12.796, de
2013)
Art. 30. A educação infantil será oferecida
em:
I - creches, ou entidades equivalentes, para
crianças de até três anos de idade;

II - pré-escolas, para as crianças de quatro a


seis anos de idade.

II - pré-escolas, para as crianças de 4 (quatro)


a 5 (cinco) anos de idade. (Redação dada
pela Lei nº 12.796, de 2013)
Art. 31. Na educação infantil a avaliação far-se-á
mediante acompanhamento e registro do seu
desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo
para o acesso ao ensino fundamental.
Tanto creches quanto pré-escolas, como
instituições educativas, têm uma responsabilidade
para com as crianças pequenas, seu
desenvolvimento e sua aprendizagem, o que
reclama um trabalho intencional e de qualidade.
O que fazer com as crianças, principalmente
as bem pequenas?

Pensar em planejamento seria apenas uma


questão de como e do que fazer ?

 Principalmente, uma questão de:

Para que e
Para quem fazer ?
Uma atitude crítica do educador diante de seu
trabalho docente.

 Por isso não é uma fôrma!

 Ao contrário, é flexível e, como tal, permite ao


educador repensar, revisando, buscando novos
significados para sua prática pedagógica.

 Marca a intencionalidade do processo educativo.

 Não pode ficar só na intenção, ou melhor, só na


imaginação, na concepção.
 O planejamento é muito mais do que uma
obrigação burocrática a cumprir.

 Ao elaborar seu planejamento, o professor se


pergunta constantemente, para quem, o quê, como,
porquê.
São essas perguntas que definem a
intencionalidade no trabalho do profissional.

É diante das respostas que ele define os próximos


passos a serem dados na longa estrada da Educação
Infantil. Uma estrada que se apresenta diferente a
cada momento e parece não ter fim.
Traduz-se :

1. No traçar,
2. Programar,
3. Documentar a proposta de trabalho do
educador.

Documentando o processo, o planejamento é


instrumento orientador do trabalho docente.
Derivam sempre de crenças ou princípios.

 Como um processo reflexivo, no processo de


elaboração do planejamento o educador vai
aprendendo e exercitando sua capacidade de perceber
as necessidades do grupo de crianças, localizando
manifestações de problemas e indo em busca das
causas.

Vai aprendendo a caracterizar o problema para, aí


sim, tomar decisões para superá-lo.

 O ato de planejar pressupõe o olhar atento à


realidade.
 Listagem de atividades;

 Datas comemorativas;

 Aspectos do desenvolvimento;

 Em temas ;

 Conteúdos organizados por áreas de


conhecimento
Planejamento baseado em
listagem de atividades
 07h30 - Entrada - cantar
músicas
 08h00 - Desenho livre
 09h00 - Higiene - lanche -
higiene
 10h00 - Parque
 11h00 - Colagem (bolinhas
de papel)
Toma como ponto de partida, o desenvolvimento da
criança em seus aspectos físicos, cognitivos e afetivo
sociais.
 Em tese, a organização do trabalho por temas
pretende articular os objetivos e conteúdos das várias
áreas ou eixos de conhecimento de mundo, em torno
de um assunto de interesse das crianças
 Com esse tipo de planejamento
houve um considerável avanço na
educação infantil, uma vez que se
torna bastante clara a
preocupação com a aprendizagem
da criança.

 Porém, ainda esbarra-se em


um problema: o trabalho com os
bebês.
Na tentativa de solução para esse problema, surgem
várias reflexões. A começar pelo que é, de fato,
pedagógico

 Além do que o professor organiza como situação


orientada de aprendizagem, estão os momentos de
brincadeiras livres e os de cuidados, nos quais há a
mediação de conhecimentos entre crianças e adultos
O presente trabalho buscou contribuir
para a verificação da importância da ação
conjunta do orientador pedagógico e
professores para a elaboração de um
planejamento pedagógico na educação infantil
que esteja comprometido com a formação
holística dos alunos.
REFERÊNCIAS

BARBOSA, M C S; HORN, M G. S. Projetos Pedagógicos


na educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.

EDWARDS, C; GANDINI, L.; FORMAN, G. E. As Cem


Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emilia na
educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999.

HORTA, B. L. et al. Competências familiares na atenção às


crianças de até 6 anos: avaliação em oito comunidades
brasileiras. Brasília: UNICEF, 2005. Disponível em: <
http://www.unicef.org/brazil/pt/ avalia_compet.pdf>Acesso
em: 06 dez. 2011.

KINNEY, L; WHARTON, P. Tornando visível a


aprendizagem das crianças: Educação Infantil em Reggio
Emilia. Porto Alegre: Artmed, 2009.