Você está na página 1de 27

Hidráulica

Aula 05 - Escoamento em tubulações


Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Aplicação
Definições

Vimos que a maioria das aplicações na Hidráulica na


Engenharia diz respeito da utilização de tubos.

Tubo: Uma só peça, geralmente cilíndrica e de comprimento


limitado pelo tamanho de fabricação ou transporte.
Definições

Tubulação: Conduto constituído de tubos (varias peças).

Cano: Peça geralmente cilíndrica. Designação dada mais


comumente ao material de pequeno diâmetro.
Estudo empírico
Resistencia ao escoamento da água:

a) Diretamente proporcional ao comprimento da canalização (𝐿);

1
b) Inversamente proporcional a uma potencia do diâmetro (𝐷𝑚);

c) Função de uma potencia da velocidade média (𝑣 𝑛 );

d) Variável com a natureza das paredes dos tubos (rugosidade), no caso do regime turbulento (𝑘′);

e) Independente da posição do tubo;

f) Independente da pressão interna sob a qual o liquido escoa;

μ
g) Função de uma potencia da relação entre viscosidade de densidade do fluidos(ρ)𝑟 .

Fórmula Universal (ou de Darcy-Weisbach)


Linhas de Energia e Linha Piezométrica
em escoamento permanente
V12
2g H12
p1

V22
2g
p2

Z1
Z2

Datum
Velocidade de atrito

F x  p1A  p2 A  0 PL  Wsenq  0 1.21


0
z 2  z1
senq 
L
q

(p1  p 2 )A  0 PL  A(z 2  z1 )  0 1.22 z1 z2


W  AL

p1 p2 0 P
(  z1 )  (  z 2 )  L 1.23
   A
Raio hidráulico
A 0 L H
R h   H  1.24 J  0  R h J 1.25 Perda de carga unitária
P  Rh L
Seção Circular  D
2 D 2
 Area  D
 4  Rh  4 
D Perimetro  D D 4
A A 

Corte AA
 0 L 4 0 L
H   1.26
Eq. Universal Perda carga  Rh  D
L V2
H  f 1.20
D 2g

L V 2 4 0 L 0 V2 0 f
H  f   f  V 1.28
D 2g  D  8  8

0 u* f Velocidade de atrito ou velocidade de


u*   cisalhamento
 V 8
Exercício
1. Um determinado líquido escoa, em regime permanente, através de
uma tubulação horizontal de 0,15m de diâmetro e a tensão de
cisalhamento sobre a parede é de 10N/m2. Calcule a queda de pressão em
30m de tubulação?
Eq. 1.21:
p1  A  p 2  A  0  P.L  w  senq  0
A  (p1  p 2 )  0  P  L  0
0,152
  (p)  10    0,15  30  0
4

p = 8000 N/m2  p = 8 kN/m2


Exercício
2. Em um ensaio de laboratório, uma tubulação de aço galvanizado
com 50mm de diâmetro possui duas tomadas de pressão situadas a
15m de distância uma da outra e tendo uma diferença de cotas
geométricas de 1,0m. Quando a água escoa no sentido ascendente,
tendo uma velocidade média de 2,1m/s, um manômetro diferencial
ligado às duas tomadas de pressão e contendo mercúrio acusa uma
diferença manométrica de 0,15m. Calcule o fator de atrito da
tubulação e a velocidade de atrito. Dados: densidade do mercúrio
13,6.
2 Bernoulli/Energia entre 1 e 2
2 2
p1 V p V
 z1  1  2  z 2  2  H12
 2g  2g
 p1 p 2 
V1  V2      z1  z 2   H12
1,0
  
1

z 1  z 2  0  1  1
hHg=0,15
Manômetro

p1   H 2O  h Hg  Z1   H 2O  p 2   Hg  h Hg  Z 2   H 2O
(p1  p 2 )   Hg  h Hg   H 2O  h Hg  Z 2   H 2O  Z1   H 2O

(p1  p2 )  13.6  9810  0,15  9810  0,15  1 9810  0  9810


(p1  p 2 )  28350.9kg / m  s 2
p1  p 2 28350,9(kg / m  s 2 )
  2,89
9810 9810(kg / m  s )
2 2

H12  2,89  1  1,89m

Usando a Fórmula Universal (ou de Darcy-Weisbach)

L V2 2,12
f  0,0280
15
H  f    1,89  f  
D 2g 0,050 19,62

u*  V 
f
 u *  2,1 
0,0280 u *  0,124m / s
8 8
Exercício
3. Em uma tubulação de 300 mm e diâmetro, água escoa por uma
extensão de 300 m, ligando um ponto A na cota topográfica de 90 m,
no qual a pressão interna é de 275 kN/m2, a um ponto B na cota
topográfica de 75 m, o qual a pressão interna é de 345 kN/m2.
Calcule a perda de carga entre A e B, o sentido do escoamento e a
tensão de cisalhamento na parede do tubo. Se a vazão for de 0,14
m3/s, calcule o fator de atrito da tubulação e a velocidade de atrito.
Potência Hidráulica de
Bombas e Turbinas

Potência Hidráulica da máquina

𝑃𝑜𝑡 = ± γ𝑄(𝐻𝑠 -𝐻𝑒 )


𝐻𝑒 ± 𝑒𝑚𝑎𝑞 = 𝐻𝑠
• para bombas:
Sinal (+) para bomba
Sinal (-) para turbina
• para turbinas:
Potencia total (fornecida ou consumida)

𝐸𝑚𝑎𝑞 𝑒𝑚𝑎𝑞 .𝑝𝑒𝑠𝑜


𝑃𝑜𝑡 = = = γ𝑄𝑒𝑚𝑎𝑞
∆𝑡 ∆𝑡
Potência Hidráulica de
Bombas e Turbinas
• para turbinas:

As diferenças Zm – Zj, entre os níveis d’agua nos reservatórios


é chamada de queda bruta.

• para bombas:

As diferenças Zj – Zm, entre os níveis d’agua nos


reservatórios é chamada de altura geométrica de
elevação.
Exercício
4. A Figura a seguir mostra um sistema de bombeamento de
água do reservatório R1 para o reservatório R2, através de
uma tubulação de diâmetro igual a 0,40m pela qual escoa
um vazão de 150 l/s com uma perda de carga unitária
J=0,0055m/m. As distâncias R1B1 e B1R2 medem,
respectivamente, 18,5 m e 1800 m. A bomba B1 tem
potência igual a 50cv e rendimento de 80%. Com os
dados da figura, determine:
a) A que distância de B1 deverá ser instalada B2 para que a
carga de pressão na entrada de B2 seja igual a 2mH2O?
b) Qual potência da bomba B2, se o rendimento é de 80%, e
a carga de pressão logo após a bomba?
Despreze, nos dois itens, a carga cinética na tubulação!!.
22,0m

R2

15,0m

0,0m B2

-2,0m
R1

B1
a) Pot(kW)  9.8  Q  H , Q(m 3
/ s) H(m) Pot (cv) 
103  Q  Hm
, Q(m3 / s) H(m)
 75

103  Q  Hm 50  75  0,80
Pot B  Hm B1   Hm B1  20m
75 10  0,15
3

Bernoulli entre R1 e B2 (a montante de B2):


 desprezar
2
p B 2 Vb 2
z R1  Hm B1  z B 2    H R1 B1  H B1 B 2
 2g
p B2
z R1  z B 2   H R1B1  Hm B1  H B1B2

0  15  2  18,5  0,0055  20  L  0,0055
L  527 m
b) Bernoulli entre B2 (a montante de B2) e R2:

p B2
z B2   Hm B 2  z R 2  H B 2 R 2

15  2  Hm B 2  22  (1800  527)  0,0055

Hm B2  12m
103  Q  Hm
Pot (cv)  , Q(m3 / s) H(m)
75

10 3  0,15  12
Pot B2  Pot B 2  30cv
0,8  75

Você também pode gostar