Você está na página 1de 107

ENGENHARIA MECÂNICA

Refrigeração

Introdução
Histórico
1. INTRODUÇÃO
2. SISTEMAS DE COMPRESSÃO A VAPOR DE ÚNICO ESTÁGIO
3. SISTEMAS DE COMPRESSÃO A VAPOR DE MÚLTIPLOS ESTÁGIOS
4. SISTEMAS DE ABSORÇÃO
5. COMPRESSORES
6. CONDENSADORES
7. TORRES DE RESFRIAMENTO E CONDENSADORES EVAPORATIVOS
8. EVAPORADORES
9. DISPOSITIVOS MEDIDORES
10. ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO
11. CONTROLES AUTOMÁTICOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO
12. ISOLAMENTO TÉRMICO
13. TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE
14. CARGA TÉRMICA EM INSTALAÇÕES FRIGORÍFICAS
15. FLUIDOS REFRIGERANTES
16. ÓLEOS DE REFRIGERAÇÃO
17. ÁGUA DE RESFRIAMENTO.
Pode-se definir refrigeração como o processo de
alcançar e manter uma temperatura inferior àquela do
meio ambiente, cujo objetivo é resfriar algum corpo
(sólido) ou fluido até uma dada temperatura.
Refrigeração é o processo segundo o qual calor é
transferido de um meio a temperatura menor para
um meio a temperatura maior.

Meio a
Temperatura
Maior

refrigerador Calor

Meio a
Temperatura
Menor
Enunciado de Clausius:

“É impossível que um sistema opere num


ciclo termodinâmico de forma tal que o
único resultado dessa operação seja a
transferência de energia, via calor, de um
corpo frio para um corpo quente.”
O equipamento para realizar a tarefa é um
refrigerador.

Reservatório térmico
a temperatura elevada
(sorvedouro)

Refrigerador Trabalho

Reservatório térmico
a baixa temperatura
(fonte)
Este espaço pode ser o interior de um refrigerador, de
uma câmara frigorífica ou de qualquer outro espaço
fechado, onde haja a necessidade de se manter uma
temperatura mais baixa que a do ambiente que o
cerca.
Este espaço pode ser o interior de um refrigerador, de
uma câmara frigorífica ou de qualquer outro espaço
fechado, onde haja a necessidade de se manter uma
temperatura mais baixa que a do ambiente que o
cerca.
Tinterna < Texterna
Histórico da refrigeração
A história da refrigeração data de tempos pré-
históricos onde se armazenava alimentos em
cavernas, com paredes úmidas, para preservá-los
tomando vantagem do efeito do resfriamento natural.
Por séculos essas técnicas foram empregadas:

• Uso do gelo transportado de regiões frias;

• Uso do gelo do inverno armazenado para uso no


verão;

• Obtenção de gelo em noites frias para uso


durante o dia.
o Os habitantes da ilha de Creta, no mar
Mediterrâneo já sabiam, em 2000 AC, que baixas
temperaturas eram de grande importância para a
preservação dos alimentos.

o Os chineses coletavam e armazenavam gelo


natural, usavam com a finalidade de conservar o
chá que consumiam. Desde 1100 AC.
o Os egípcios que devido ao clima quente, não
dispunham de gelo natural, descobriram que a
água resfriava, graças ao costume de coloca-lá em
jarras porosas sobre os tetos das habitações
(550 AC).

o Alexandre, o Grande, cerca de 300 AC, mandou


servir a seus soldados, para levantar a moral da
tropa, bebida gelada (com neve).
o As civilizações gregas e romanas também
aproveitavam o gelo, colhidos no alto das
montanhas, para o preparo e conservação de
alimentos.
Em 755 DC, Khalif Madhi operava o primeiro
“transporte refrigerado” desde o Líbano até a cidade
de Meca, através do deserto, usando neve como
refrigerante.

Em 1040 DC, o sultão do Cairo usava neve,


transportada diariamente da Síria, nas suas cozinhas.
Itália, Espanha, França (~ 1600).

Rotação de garrafas “long-necked” em uma solução


de água e salitre eram usadas para produzir uma
reação endotérmica permitia atingir temperaturas
abaixo da solidificação da água pura.
No final do século XVII, com a invenção e utilização
do microscópio, descobriu-se a existência dos
microrganismos (Micróbios, enzimas e bactérias).
Louis Pasteur comprovou que alguns desses
microrganismos eram responsáveis pela putrefação
dos alimentos e por muitos tipos de doenças.
Na época os alimentos para não sofrerem ação dos
microrganismos, recebiam tratamento para aumentar
o tempo de conservação, como a salgação, a
defumação ou o uso de condimentos.

Esses tratamentos na maioria dos casos modificam


o sabor dos alimentos.
Mais tarde, estudiosos demonstram que alguns
desses micróbios são responsáveis pela
decomposição dos alimentos. Outros estudos
provaram que a propagação dos micróbios pode ser
impedida com o resfriamento dos alimentos, que
enquanto mantido no frio, permanecem
conservados.
Desde tempos remotos até o início do século 20, as
pessoas recolhiam o gelo natural durante o inverno e
o armazenavam, durante um ano ou mais, em
galpões, celeiros e posteriormente em armazéns.
Nos Estados Unidos, em mediados do século 19,
existia a rota do gelo natural, centrada
principalmente nos rios Hudson e Maine.

A necessidade de refrigeração e a dependência do


gelo natural fez surgir um grande setor industrial a
partir do século XVII.
A necessidade de refrigeração e a dependência do
gelo natural fez surgir um grande setor industrial a
partir do século XVII.
Também na Europa, nesta mesma época, blocos de
gelo provenientes da Noruega tinham grande
procura. Desde 1805 até o final do século 19, barcos
transportavam gelo natural desde a América do
Norte até muitos países quentes, tais como Índias
Orientais, Europa e mesmo Índia e Austrália.

Esse mercado também foi muito popular no Reino


Unido, Rússia, Canadá, Noruega e França. O seu
pico foi alcançado em torno do ano de 1872 quando,
somente os Estados Unidos, exportaram cerca de
225.000 ton. de gelo para vários países, incluindo
China e Austrália.
“Ice houses” eram largamente usadas para o
armazenamento de gelo natural.
Construções em madeira/alvenaria, semi ou
totalmente enterradas, com paredes de 1 metro de
espessura, usando serragem como isolante

Ice house no Irã Ice houses construídas nos


Estados Unidos
Mais e mais companhias entraram no mercado, os
preços caíram e a refrigeração usando gelo se
tornou acessível.
Usina de gelo nos USA: 35 (1879), 200 (1889), 2000
em 1909.
Em 1854 154 mil ton de gelo natural foram
exportadas pelo porto de Boston.
Em 1907, 15 milhões de tons de gelo foram
consumidas nos EUA (3xmais que em 1880).
Dado às dificuldades naturais para a obtenção de
gelo, e a poluição dos rios e lagos, os pesquisadores
da época procuraram, então, meios que permitissem
a obtenção de gelo artificial.
Dado às dificuldades naturais para a obtenção de
gelo, e a poluição dos rios e lagos, os pesquisadores
da época procuraram, então, meios que permitissem
a obtenção de gelo artificial.
Refrigeração
mecânica
A refrigeração artificial inicia em 1755 quando o
professor escocês Willian Cullen construiu a primeira
máquina de refrigeração, produzindo em laboratório
pequena quantidade de gelo.

O experimento consistiu em colocar


em contato térmico a água com um
tanque contendo éter a baixa
pressão. Ao evaporar, o éter retirou
calor da água possibilitando seu
congelamento. No entanto, essa
descoberta ficou sem utilização.
Apesar de rudimentar, essa máquina trabalhou com o
princípio básico da refrigeração moderna que é a
habilidade de certos líquidos em absorver grandes
quantidades de calor ao vaporizar. Deve ser dito que
a refrigeração mecânica nasceu quando o escocês
William Cullen conseguiu, em 1755, fabricar gelo
evaporando éter a baixa pressão.
A primeira descrição completa de
um equipamento de refrigeração,
operando de maneira cíclica, foi
feita por Jacob Perkins, em 1834
(British Patent 6662). O trabalho
de Perkins despertou pouco
interesse. Não foi mencionado na
literatura da época e permaneceu
esquecido por aproximadamente
50 anos, até que Bramwell
descreveu o artigo para o Journal
of the Royal society of Arts.
Equipamento de refrigeração de Jacob Perkins

Nessa máquina, as duas caixas (A e E) funcionam como o evaporador e o


condensador, respectivamente. O elemento C, uma bomba de vácuo
manual, faz o papel do compressor nos sistemas modernos.
Em B está o líquido (éter) que vaporiza em função da diminuição da
pressão, esfriando a água. O elemento H opera como um dispositivo de
expansão.
Em 1844, o médico da Florida
John Gorrie 1803-1855),
acreditando que a malária pudesse
ser causada pelo ar quente e
úmido, projetou uma máquina de
refrigeração por (compressão a ar
para condicionamento de ar,
visando curar seus pacientes.
Gorrie patenteou sua máquina de
fabricar gelo em 1851, mas a idéia
foi ridicularizada por jornais de
Nova York.
O principal responsável por tornar o princípio de
refrigeração por compressão mecânica em um
equipamento real foi James Harrison, um escocês
que emigrou para a Austrália em 1837 e inventou,
em 1850, a primeira máquina de refrigeração com
compressão de vapor, que em seguida entrou em
operação comercial.
Não se sabe se Harrison conhecia ou não o trabalho
de Perkins. Em 1856 e em 1857 obteve,
respectivamente, as patentes britânicas 747 e 2362.
Equipamento de refrigeração de James Harrison
Numa linha de desenvolvimento distinta o francês
Ferdinand Carré patenteou o primeiro sistema de
refrigeração por absorção em 1859, usando o par
amônia-água.
Em 1834 foi inventado nos Estados Unidos, o
primeiro sistema mecânico de fabricação de gelo
artificial.

Em 1855 surgiu na Alemanha um outro tipo de


mecanismo para obtenção de gelo artificial, baseado
no princípio da absorção, descoberto em 1824 pelo
físico e químico inglês Michael Faraday .
No princípio do século XIX foi construídas as
primeiras geladeiras. Eram simplesmente
recipientes, isolados com chapas de cortiças, dentro
das quais eram colocadas pedras de gelo e os
alimentos a conservar.
São desvantagens:

• temperatura mínima limitada a 0oC;


• necessidade de constante reposição;
• eliminação da á água de degelo;
• dificuldade de controle da razão de troca de calor.
Vantagens:

• evita a desidratação de produtos não embalados;


• mantém a aparência de produtos não embalados;
• o gelo é muito usado na refrigeração de vegetais,
peixes e carnes, etc.
No começo do século XX, utilização de energia
elétrica para movimentar motores.

Em 1913 surgiu o primeiro refrigerador, que era de


operação manual, o que exigia bastante trabalho para
sua operação. Pouca aceitação.

O primeiro refrigerador automático foi fabricado póla


empresa Kelvinator Company, em 1919.
Em 1920 surgiram os primeiros refrigeradores
domésticos em unidades seladas, como o mostrado
na Figura. No primeiro ano, foram fabricadas nos
Estados Unidos aproximadamente 5.000 unidades.
Após dez anos, este número cresceu para um
milhão e em 1935 chegaram a 6 milhões de
unidades.
No início, os refrigerantes utilizados eram todos
tóxicos, como o dióxido de enxofre e o cloreto de
metileno e metanoato de metila. Diversos acidentes
fatais ocorreram na década de 1920, em função de
vazamentos de cloreto de metila. Isso levou a mídia
da época lançar uma campanha para proibir o uso
desses refrigeradores.
Em 1928, a Frigidaire, maior fabricante de
refrigeradores na época, solicitou a um grupo de
cientistas, liderados por Thomas Midgley a
elaboração de um refrigerante não tóxico ou
inflamável. Alguns meses depois, nascia o primeiro
refrigerante sintético, o R-12. Em 1930, em um
encontro da Sociedade Americana de Química
Migley apresentou este refrigerante demonstrando
suas vantagens em termos de segurança e
eficiência.
Um ano mais tarde, o R-12 foi introduzido na
refrigeração comercial, nascendo a indústria dos
fluorcarbonos. Da união de duas empresas, DuPont
e General Motors, nasceu a Kinetic Chemicals Inc,
quando então foi registrado a marca Freon®. Um
ano mais tarde, o Freon® 12 começa ser produzido
em grande escala, nascendo então a indústria da
refrigeração como é conhecida hoje.
Aplicações da
Refrigeração
Distinção entre refrigeração e climatização

Climatização Refrigeração

Aquecimento, Refrigeração e
Refrigeração
Umidificação e desumidificação
industrial
Qualidade do ar em ar condicionado.
Conforto térmico
Aplicações:

o Condicionamento de ar de conforto
o Condicionamento de ar industrial
o Refrigeração doméstica
o Refrigeração comercial
o Refrigeração industrial
o Refrigeração marítima e de transporte
o Refrigeração componentes eletrônicos
o Ice and snow sports
o Liquefação de gases
Definições:
Embora a retirada de calor de um corpo seja chamada,
de maneira geral, de refrigeração, podemos fazer as
seguintes distinções:

Arrefecimento:
Abaixamento da temperatura de um corpo até a
temperatura ambiente.

Resfriamento:
Abaixamento da temperatura de um corpo da
temperatura ambiente até a temperatura de
congelamento (~0 °C)
Congelamento:
Abaixamento da temperatura de um corpo aquém da
sua temperatura de congelamento.

Com base nas considerações acima, é preferível


reservar o termo de refrigeração para os processos de
retirada de calor dos corpos com dispêndio de energia
(resfriamento e congelamento), embora esta definição
não elimine a hipótese de se intensificar o
arrefecimento de um corpo por meios artificiais, isto é,
por refrigeração.
Considerando que a tendência natural do calor,
segundo as leis da termodinâmica, é passar do corpo
quente para o corpo frio.

Podemos então concluir que o arrefecimento de um


corpo, em relação ao ambiente, pode dar-se
naturalmente; enquanto que o resfriamento e o
congelamento necessitam, normalmente, da criação
de um fluxo de calor em sentido contrário ao do
gradiente térmico natural, o qual exige, de acordo com
o segundo princípio da termodinâmica, dispêndio de
energia utilizável.
Isolamento Térmico:
O espaço refrigerado se encontra a temperatura
abaixo do ambiente que o envolve. Para limitar o
fluxo de calor para o interior do espaço refrigerado a
um mínimo prático, é necessário isolar o espaço
refrigerado utilizando um bom isolante térmico.

Agente Refrigerante:
É o corpo empregado como absorvedor de calor ou
agente de resfriamento do espaço refrigerado. Exs.:
Gelo, gelo seco (dióxido de carbono) e refrigerantes
líquidos.
Refrigeração com Gelo:
Nos refrigeradores com gelo, a pedra de gelo é
colocada na parte superior e o calor é absorvido do
ar. O ar, devido as correntes de convecção, resfria
todo o espaço interno do refrigerador.
Refrigeração com Gelo:
Nos refrigeradores com gelo, a pedra de gelo é
colocada na parte superior e o calor é absorvido do
ar. O ar, devido as correntes de convecção, resfria
todo o espaço interno do refrigerador.
Potência frigorífica (ou carga térmica de
refrigeração): é a quantidade de calor a ser
retirada do sistema a refrigerar por unidade de
tempo.
Como unidades de potência frigorífica são
comumente utilizados: kcal/h, Btu/h ou kW.

Tonelada de refrigeração (TR): é quantidade de


calor a ser retirada da água a 0 °C para formar
uma tonelada de gelo a 0 °C, em 24 horas.

Dependendo do valor da tonelada adotado


(907,184 kg ou 2000 lb), temos:
1 TR = 12.000 Btu/h = 3.023,95 kcal/h » 3,516
kW
Refrigerante Líquidos:

A base dos sistemas mecânicos de refrigeração é a


elevada capacidade que os líquidos tem de absorver
calor quando vaporizam.
As principais vantagens do uso de refrigerantes
líquidos são:

o a vaporização é facilmente controlada podendo


ser iniciada e interrompida quando necessário;
o a temperatura de vaporização pode ser controlada
pela pressão;
o a razão de troca de calor pode ser pré-
determinada;

o o vapor pode ser facilmente coletado e


condensado para ser novamente utilizado.
Aplicações do frio:
Modernamente são inúmeras as aplicações do frio, o
qual é aproveitado praticamente em todos os ramos da
atividade humana:

1 – na indústria de alimentos
Seja na sua manufatura, tratamento térmico
(pasteurização) como na sua armazenagem ou
transporte
.
Exemplos: Fabricação de bebidas, leite, manteiga,
queijos, sorvetes, conservação de produtos agrícolas,
produtos do mar, carnes.
2 – Na fabricação de gelo.
Exemplos: Gelo em cubos, gelo seco, pistas de
patinação.

3 – Na indústria de construção.
Exemplos: na cura de grandes estruturas de concreto,
como barragens, fundações, ... ; no congelamento do
solo para abertura de poços e túneis, ou na
consolidação de fundações abaladas
4 – Na metalurgia.
Exemplos: no tratamento térmico de aços rápidos, na
refrigeração de ferramentas de corte, na refrigeração
de eletrodos dos fornos elétricos e soldadores
elétricos,
5 – Na indústria química.
Exemplos: na remoção de calor em reações químicas
exotérmicas, afim de garantir uma temperatura
adequada durante o processo; na solidificação de
materiais como ceras, graxas, etc.; na fabricação de
borracha sintética e dos adubos sintéticos; na
armazenagem de substâncias sensíveis às
temperaturas elevadas, como explosivos, polímeros.
6 – No condicionamento de ar:
Exemplos: para conforto em residências, escritórios,
fábricas, transportes, recreação, hospitais, etc.; para
refrigeração de minas profundas; e outros.
8– Na medicina:
Na conservação de cadáveres; congelamento de
peças anatômicas; na conservação de certos vírus;
etc.
9 – Aplicações diversas:
Na conservação de vários produtos (flores, grãos,
fumos, cigarros, ...); fabricação de bolas de golfe;
testes de baixas temperaturas em laboratórios, nos
testes sobre semicondutores e supercondutores; etc.
Classificação das aplicações:

A aplicações de refrigeração podem ser classificadas


dentro das seguintes categorias:

Refrigeração doméstica:
A refrigeração doméstica abrange principalmente a
fabricação de refrigeradores de uso doméstico e
congeladores caseiros. A capacidade dos
refrigeradores domésticos varia de 60 l até cerca de
600 l com temperaturas na faixa de –8 °C a –10 °C no
compartimento de congelados e +2 a +7 no
compartimento dos produtos resfriados.
Refrigeração comercial:
A refrigeração comercial abrange os refrigeradores
especiais ou de grande porte usados em restaurantes,
sorveterias, bares, açougues, laboratórios. As
temperaturas de congelamento e estocagem situam-
se, geralmente, entre –15 °C a –30 °C.
Refrigeração Industrial:
Via de regra, as aplicações industriais são maiores
que as comerciais em tamanho e tem a característica
marcante de requererem um operador de serviço. São
aplicações típicas industriais: as fábricas de gelo,
grandes instalações de empacotamento de gêneros
alimentícios.); cervejarias, fábricas de laticínios e
outras.
Refrigeração Marítima e de Transporte:
A refrigeração Marítima, naturalmente, refere-se à
refrigeração a bordo de embarcações marítimas e
inclui a refrigeração para barcos de pesca e para
embarcações de transporte de cargas perecíveis. A
refrigeração de transporte relaciona-se com
equipamentos de refrigeração quando aplicados a
caminhões e vagões ferroviários refrigerados.
Refrigeração Para Baixas Temperaturas:
Dentre as aplicações da refrigeração para baixas
temperaturas pode–se destacar a criogenia que trata
do conjunto de técnicas destinadas à produção e a
utilização de baixíssimas temperaturas.
Seus principais produtos são os gases liquefeitos
cujas temperaturas de liquefação são muito baixas. A
liquefação dos gases é obtida em equipamentos
especiais onde, o próprio gás age como refrigerante
ou, para aumentar o rendimento do processo, são
usados refrigerantes adicionais.
Na metalurgia a aplicação ocorre na construção de
materiais para baixas temperaturas para produção,
armazenagem e transporte de produtos liquefeitos do
ar (oxigênio, nitrogênio). Aplicações clínicas também
utilizam refrigeração para baixas temperaturas.
Condicionamento de Ar

O condicionamento de ar pode ser dividido em duas


categorias distintas de acordo com sua aplicação:

• Conforto:
visa as pessoas (residencial, em veículos, etc.)

• Industrial:
O condicionamento de ar o industrial tem por
objetivo satisfazer condições de processo.
.
Condicionamento de ar de conforto.
Esporte de inverno.

Deserto, 50 °C
Esporte de inverno.
Esporte de inverno.
Esporte de inverno.
Potência frigorífica (ou carga térmica de
refrigeração):

É a quantidade de calor a ser retirada do sistema a


refrigerar por unidade de tempo. Como unidades de
potência frigorífica são comumente utilizados: kcal/h,
Btu/h ou kW.
Tonelada de refrigeração (TR):

É quantidade de calor a ser retirada da água a 0 °C


para formar uma tonelada de gelo a 0 °C, em 24
horas.

Dependendo do valor da tonelada adotado (907,184


kg ou 2000 lb), temos:

1 TR = 12.000 Btu/h = 3.023,95 kcal/h = 3,516 kW


Definição

Refrigeração é o processo de mover calor de um


local para outro, utilizando um refrigerante, em um
ciclo fechado.
Características importantes

• operação durante todo o ano, sem considerar o


sistema ambiente e consequentemente a
temperatura de condensação;
• possibilidade de variações de carga térmica em
períodos curtos;
• controle de gelo para aplicações em processos
contínuos;
• afinidade óleo-refrigerante no caso de sistemas
mecânicos, devido a grande variação de
temperatura;
• seleção do meio de resfriamento: soluções
(álcool, glicol, etc.), recirculação de refrigerante
ou expansão direta;
Processo de refrigeração

Teoricamente, qualquer fenômeno físico ou químico


de natureza endotérmica pode ser aproveitado para
a produção do frio.
Entre os processos endotérmicos usados na
refrigeração, podemos citar:
• a fusão de sólidos, como o gelo comum (0oC) e o
gelo seco (neve carbônica –78,9oC);
• a mistura de certos corpos com água (–20 a –
40oC), com gelo de água (–20 a –50oC), ou com
gelo seco (–100oC), as quais tomam o nome de
misturas criogênicas;
• a expansão de um gás com a produção de
trabalho;
• os fenômenos de adsorção;
• os fenômenos termoelétricos.
Os dois primeiros processos são descontínuos e se
restringem a pequenas produções de frio (uso
doméstico, em laboratórios, etc.), enquanto que os
demais podem ser associados aos seus inversos, de
modo a permitir a produção contínua do frio. Assim,
a expansão de um gás associada à sua compressão
é adotada nas máquinas frigoríficas a ar e na
indústria da liquefação dos gases.
A vaporização contínua de um líquido puro, por sua
vez, pode ser obtida:

o por meios mecânicos, nas chamadas máquinas


frigoríficas de compressão de vapor;
o por meio de ejeção de vapor, usada nas
máquinas frigoríficas de vapor-d’água;
o por meio de aquecimento, método usado nas
chamadas instalações de absorção.
Absorção:

Processo descoberto por Nairn em 1777 cujo


funcionamento se baseia no fato de que os vapores
de certos fluidos refrigerantes são absorvidos a frio,
em grandes quantidades, por certos líquidos ou
soluções salinas.
Quando esta solução binária é aquecida, obtém-se
uma destilação fracionada na qual o vapor formado
será rico no fluido mais volátil (fluido refrigerante),
podendo ser separado, retificado, condensado e
aproveitado para o processo de refrigeração, como
nas máquinas convencionais de compressão
mecânica.
O sistema mais comum de absorção é o que utiliza a
amônia como fluido refrigerante e a água como
absorvente. Um sistema menos perigoso é o que
utiliza a água como fluido refrigerante e brometo de
lítio como absorvente.
Como inconveniente está o elevado consumo de
energia (calor e bombas, consumindo uma
quantidade maior de energia do que sua produção
frigorífica), muito mais elevado do que
nos sistemas de compressão mecânica.
Como vantagem encontra-se principalmente o fato
de utilizar energia térmica em lugar de energia
elétrica, podendo utilizar calor residual de algum
processo. Outras vantagens:
simplicidade (ausência de partes móveis),
funcionamento silencioso, etc.
Ejeção de vapor:

Este sistema de refrigeração está baseado no princípio


da exposição de água (refrigerante) a baixas pressões
fazendo desta forma com que baixe de temperatura.
As baixas pressões são obtidas através de um sistema
de ejetores de vapor, isto é, vapor a alta pressão
(acima de 200 psi) escoa através do ejetor fazendo
com que a pressão no tanque evaporador baixe,
diminuindo a temperatura da água. O vapor que escoa
pelo ejetor é posteriormente condensado.
Como desvantagens pode-se citar: elevado consumo
de vapor, elevado nível de ruído além de um baixo
coeficiente de desempenho. Além disso, é necessária
uma fonte de vapor de baixo custo. O uso dos
sistemas de ejeção a jato só pode ser justificado em
situações muito especiais.
Refrigeração termoelétrica:

A refrigeração termoelétrica está baseada na


observação efetuada por Peltier, em 1834, do efeito
térmico nas junções de dois materiais condutores
dissimilares quando se fazia percorreruma corrente
elétrica no circuito. No entanto, a refrigeração
termoelétrica somente tomou impulso a partir de 1949
com o desenvolvimento dos materiais semicondutores.
Estes sistemas termoelétricos são seguros,
silenciosos, compactos e mais leves, comparados com
sistemas comuns de refrigeração.
Entretanto, o coeficiente de desempenho é baixo e sua
confiabilidade é questionável. A dissipação de calor é
tida como problemática.
Mundo sem refrigeração
Imagine um mundo sem:

o Cerveja gelada
o ar condicionado
o Computadores
o Remédios (Vacinas)
o viagens
o Internet
o Etc, etc.......

Ir as compras todos os dias (carne, verduras,


leite, frutas, etc).
Imagine um mundo sem:

o Cerveja gelada
o Ar condicionado
o Computadores
o Remédios (Vacinas)
o Viagens
o Internet
o Etc, etc.......

Ir as compras todos os dias (carne, verduras,


leite, frutas, etc).
Você usará Refrigeração!

Aplicações da Engenharia:
• Dimensionamento/ Projeto de Instalações
• Instrumentação/ Automação/ Controle
• Consultoria/ Assessoria
• Eficiência Energética
• Logística
Científico:
• Pesquisa (Pura ou Aplicada)
• Desenvolvimento
Tecnológico
Comercial
Nutricional
Educacional