Você está na página 1de 48

z

Provérbios sumerianos

 Mão mais outra, e a casa é construída.


Barriga mais outra, e a casa é destruída.
 Estar doente é aceitável; estar grávida é dolorosa;
mas estar grávida e doente é demais.
Pesquisa nos Livros Históricos e Poéticos
z
Teologia da
Literatura
Sapiencial
z
Doutrina de Deus

 Introdução: A literatura sapiencial é religiosa ou


humanista?
 O foco está na vida pessoal e social do indivíduo.
Neste sentido, é humanista.
 A sabedoria envolve a ciência (revelação geral), o
estudo do mundo em que vivemos, tanto a natureza
como a sociedade humana.
 Mas a sabedoria também depende da revelação
especial – a lei de Moisés, especificamente o que
trata da conduta do indivíduo.
z
Doutrina de Deus

 Deus mais como CRIADOR, menos como Redentor


 Quais os princípios para o bom funcionamento neste
mundo que Deus criou?
 Quanto à redenção, a literatura trata de duas coisas
essenciais à salvação:
 Uma fé inabalável em Deus (cf. Jó, Eclesiastes)
 Aceitar correção, que tem muito a ver com o
arrependimento.
z
Doutrina de Deus

 Deus como a ORIGEM da sabedoria


 Na lei, o mandamento é a palavra de Deus; o futuro
de Israel dependia da sua resposta ao mandamento.
 Na profecia, a palavra profética vem de Deus; o
futuro do ouvinte depende de sua resposta à
pregação do profeta.
 A instrução do sábio é a palavra de Deus; o futuro do
discípulo depende de sua resposta à esta instrução.
z
Doutrina de Deus

 O temor do SENHOR e a sabedoria


 “Temor” = medo e reverência; “piedade” (cf. as epístolas
pastorais, 1Tm 4.7-8) e “religião” (cf. Tg 1.26-27).
 É um relacionamento íntimo que leva Deus a sério.
Não menospreza a Deus, muito menos se opõe a ele,
mas tenta agrada-lo, viver em harmonia com ele e com
a sua criação.
z
Doutrina do homem

 Individualismo e não a solidariedade corporal


 O homem genérico e não o povo da aliança
z
Ênfases e Não-Ênfases

 Ênfases
 Justiça retributiva:
 Coletiva e temporal (lei e profetas, mas não a literatura
sapiencial)
 Individual e temporal (o conceito mais frequente na
literatura sapiencial – Provérbios, Sl 37, os amigos de
Jó), mas há nuanças e ajustes (Jó, Eclesiastes)
 Individual e final (concepção principal do NT, mas
aparece em Sl 49.15; Jó 29.26; Ec 12.13-14)
z
Ênfases e Não-Ênfases

 Ênfases
 Justiça retributiva
 Universalismo (não é limitada a Israel): foco no indivíduo em
vez da nação, foco na sabedoria em vez da aliança.
 A lei: Salmos 1, 19, 111, 119; é instrução.
z
Ênfases e Não-Ênfases

 Não-ênfases
 Sequência histórica (cf. os Livros Históricos)
 Culto no templo: Quando os profetas condenavam o culto
hipócrita, é porque o povo estava realizando os rituais, mas
vivendo como insensatos.
 Misericórdia divina: A sabedoria se concentra na conduta do
indivíduo; a misericórdia de Deus pertence exclusivamente a
ele (cf. Êx 33.19).
z
Imortalidade

 Passagens:
 Jó 19.25-27
 Salmo 16.10-11; 17.15; especialmente 49.15; 73.24
 Termos:
 “Receber” (Sl 49.15; 73.24; cf. Gn 5.24; 2Rs 2.3, 5, 9,
10)
 “Guiar” (Sl 73.24; 23.3; 139.24)
Pesquisa nos Livros Históricos e Poéticos
z
Provérbios
z
Estrutura literária do livro

 Começa com um breve PRÓLOGO (1.1-7) e


termina com um EPÍLOGO (31.10-31 – uma poesia
acróstica)
 Há uma INTRODUÇÃO extensa (1.8 – 9.18, ou
cps.1-9)
z
Estrutura literária do livro

 Há uma INTRODUÇÃO extensa (cps.1-9)


 São discursos poéticos, a maioria começando com
“Filho meu”.
 A figura de personificação:
 A sabedoria (1.20ss.; cp.8; 9.1-12)
 A estultícia (9.13-18; cf. tb. a mulher adúltera em
cps.2, 5, 6, 7).
z
Estrutura literária do livro

 Há uma INTRODUÇÃO extensa (cps.1-9)


 Começa e termina com APELOS (1.20-33 e cps.8-9;
1.8-19 e 9.13-18); compare 1.5 e 9.9, 1.7 e 9.10.
 DOIS GRUPOS de discursos
 Recomendando a sabedoria (cps.2-4)
 Advertindo contra a estultícia (cps.5-7).
z
Estrutura literária do livro

 O corpo do livro (10.1 – 31.9, ou cps.10-31) se


divide em duas duplas, cada uma com uma
COLETÂNEA SALOMÔNICA e um apêndice de
DUAS COLETÂNEAS MENORES.
z
Estrutura literária do livro

 O corpo do livro (10.1 – 31.9, ou cps.10-31).


 Coletânea principal dos provérbios de Salomão
(10.1 – 22.16)
 Dois grupos de “palavras dos sábios” (22.17 – 24.22
e 24.23-34)
 Coletânea de provérbios de Salomão reunida pelos
“homens de Ezequias” (cps.25-29)
 Dois pequenos grupos de provérbios (cp.30 e 31.1-9)
z
Termos para a sabedoria:
seu conteúdo e método
 ‫ חָ כְ ָמה‬ḥokhmah – “sabedoria”: habilidade, experiência,
sabedoria (incluindo o aspecto moral); 41X no livro, o
verbo e adjetivo 55X.
 ‫כם־לֵב‬
ָָ ָ‫ ח‬ḥakham-lêb – “sábio de coração, hábil”: 10.8;
11.29; 16.21; 7X em Êxodo (artesanos “hábeis”).
 ‫ דַּ֫עַּ֫ת‬dá‘at – “conhecimento”: conhecimento pela
observação, experiência, reflexão; 40X em Provérbios,
o verbo 33X.
z
Termos para a sabedoria:
seu conteúdo e método
 ‫ ִּבינָה‬binah – “entendimento, discernimento; inteligência”:
capacidade de distinguir entre as coisas; nabôn (Ni ptc) é
traduzido “prudente, entendido, inteligente, sábio”; 14X
no livro, verbo 34X.
 ‫ ְּתבּונָה‬tebunah – da mesma raiz e com o mesmo sentido
de binah: 19X em Provérbios.
 ‫‘ עַּ֫צָ ה‬etsah – “conselho, desígnio, propósito”: atividade de
conselheiro, mentor, instrutor; 11X no livro, Ni ptc 13.10.
z
Termos para a sabedoria:
seu conteúdo e método
 ‫ מּוסָ ר‬musar – “disciplina, correção, instrução”: a parte
negativa da instrução, a correção de erros; 30X no livro,
verbo em 9.7; 19.18; 29.17, 19; 31.1.
 ‫ תֹו ַַ֫כחַ ת‬tokháḥat – “repreensão, correção”: 16X no livro,
verbo 3.12; 9.7, 8; 15.12; 19.25; 24.25; 25.12; 28.23; 30.6.
 ‫ ה ְשכל‬haskêl – (verbo Hifil) “considerar, ponderar” >
“compreender” > “agir com prudência, levando em conta
o que está acontecendo ao redor” > “ter êxito”: 13X no
livro (cf. Hi inf cst “para dar entendimento” em Gn 3.6), o
substantivo ‫ שכֶל‬sêkhel ocorre 6X.
z
Termos para a sabedoria:
seu conteúdo e método
 ‫ע ְר ָמה‬
ַָּ֫ ‘ormah – “prudência, sagacidade”: discrição,
habilidade de ver o caminho melhor; ocorre só em 1.4;
8.5, 12; verbo 15.5; 19.25; adjetivo 8X (cf. “sagaz” em
Gn 3.1).
 ‫ ְּמזִ מָ ה‬mezimmah – “propósito, discrição”: discrição,
inteligência, bom siso; 7X no livro, verbo 2X. Na introdução
é uma qualidade boa (1.4; 3.21; 5.2; 8.12; vb 31.16), mas
nas coletâneas significa “maus desígnios, intrigas” (12.2;
14.17; 24.8; vb 30.32); o verbo é negativo no Pentateuco
(2X) e nos Salmos (4X), mas positivo nos Profetas (5X).
z
Termos para a sabedoria:
seu conteúdo e método
 ‫ לֶ קח‬léqaḥ – “ensinamento, doutrina, persuasão (quem
fala); entendimento, discernimento (quem ouve)”: só 9X
em toda a Bíblia Hebraica; o verbo é muito comum –
“pegar, tomar, receber”.
 ‫ּתּושיָה‬
ִּ tushiyyah: o processo – a sabedoria funcionando
de modo eficaz; o efeito – bom êxito, sucesso duradouro;
ocorre somente em 2.7; 3.21; 8.14; 18.1.
z
Termos para a estultícia

 ‫ כְ ִּסיל‬kesil – “insensato, tolo”: 49X no livro; há duas


palavras da mesma raiz que significam “confiança”, o que
indica que esta é uma pessoa confiada, atrevida.
 ‫’ אִַּ֫וִּיל‬evil – “insensato, ignorante”: pessoa ignorante e
arrogante; 42X no livro.
 ‫לַּ֫ץ‬l lêts – “escarnecedor, zombador”: alguém que zomba
da vida sábia; 20X em Provérbios.
 ‫ פֶ ִּתי‬péti – “simples, simplório, néscio, estúpido”: ingênuo,
inexperiente, mas com tendência para o pecado; 15X.
z
Termos para a estultícia

 ‫ חֲ סר־לב‬ḥasar-lêb – “falto de coração (i.e., mente)”: sem


juízo, que falta entendimento e bom senso, não para para
refletir, não faz a conexão entre as coisas, não raciocina
direito; 11X no livro; é a contraparte do “sábio de coração”.
 ‫ נָבָ ל‬nabal – “insensato, louco”: alguém que falta bom
senso e discernimento espiritual; só em 17.7, 21; 30.22;
verbo 30.32; cf. “fazer loucura (nebalah) em Israel”
(Gn 34.7; Dt 22.21; Jz 20.6; 2Sm 13.12).
z
Provérbios 2

 Um discurso poético de 22 versos (igual ao alfabeto).


 Início (vv.1-4) e fim (vv.20-22) bem definidos.
 Estrutura simétrica:
 Duas partes, cada uma com 11 versos,
 Cada parte é organizada em 3 estrofes (4 versos + 4 versos +
3 versos)
z
Provérbios 2

 Condição (cj cond ’im): O discípulo deve se esforçar


para buscar a sabedoria.
 Consequência:
 (’az tabin) Um encontro com o SENHOR.
 (’az tabin) Entender a sabedoria.
 Propósito: proteger do perigo...
 (inf cst lehatsílkha) O perigo do homem perverso
 (inf cst lehatsílkha) O perigo da mulher adúltera
 Propósito final (cj lema‘an): o destino
z
Provérbios 2

 Repetição das três palavras principais para sabedoria:


“sabedoria”, “conhecimento” e “entendimento” (vv.6 e
10-11; cf. Bezalel e o tabernáculo Êx 31.3 e 35.31;
cf. Hirão / Hurão e o templo 1Rs 7.14).
 Repetição da dupla “guardar” e “conservar” (v.8, onde
Deus é o sujeito, e v.11, onde o sujeito é a sabedoria).
 Repetição de outra dupla: as pessoas perigosas usam
palavras para enganar (vv.12, 16) e abandonam o que
é correto (vv.13, 17).
z
Provérbios 2

 “Justiça, juízo e equidade”: A sabedoria é espiritual


(vv.5-8) e ético (vv.9-11); o caminho do sábio é o
caminho do justo. Essas três qualidades ocorrem
juntas só aqui e no prólogo (1.3) – a sabedoria nos
conduz a todo o livro de Provérbios.
z
Provérbios 2

 “Habitar [ou herdar] a terra”: permanência, estabilidade


 O justo, de maneira geral: Sl 37.9, 11 (cf. Mt 5.5), 22,
29, 34
 O arrependido diante do Deus santo: Is 57.13, 15, 20-21
(cf. Tg 1.5-8); Ez 33.23-29
 O povo de Deus (cf. Hb 3-4):
 Obrigações da aliança (Dt)
 Violação da aliança e suas consequências (2Rs 17.18-23)
 Promessa de restauração (Jr 30-31)
z
Provérbios 3.1-12

 São seis ensinos de 2 versos cada.


 Exortação + motivação
 Meditação:
 FOCO: De que se trata? Qual o aspecto que o sábio
está focalizando?
 CONDUTA: Devo fazer o quê? O que é que o sábio quer
que eu faça com relação ao foco?
 MOTIVAÇÃO: Qual o resultado? O que o sábio diz para
me motivar a mudar a minha conduta?
z
Provérbios 3.1-12

 Aceitar instrução (vv.1-2)


 Conformar-se ao caráter de Deus (ḥesed ve’emet vv.3-4)
 Depender (“confiar”) de Deus (vv.5-6)
 Obedecer (“temer”) a Deus (vv.7-8)
 Honrar a Deus com as ofertas (vv.9-10)
 Aceitar correção da parte de Deus (vv.11-12, citado em
Hb 12.5-6)
z
Provérbios 4.20-27

 São 3 estrofes (2+1 // 2 // 1+2)


 3 versos (2 – exortação, 1 – promessa)
 2 versos (1 – coração, 1 – boca)
 3 versos (1 – olhos, 2 – pés)
z
Provérbios 4.20-27

 RECEPTIVIDADE (vv.20-22):
 compromisso com a instrução
 AUTENTICIDADE (vv.23-24):
 compromisso com a verdade
 OBJETIVIDADE (vv.25-27):
 compromisso com seu propósito
z
Provérbios 5 – 7: Advertência
contra a tolice (esp. o adultério)
 cp.5: Os perigos do adultério
 Note os contrastes: lábios do discípulo (v.2) X lábios da
estranha (v.3 – doces e suaves X amargos e cortantes –
v.4), cativar-se pela esposa (v.19) X cativar-se pela
estranha (v.20).
 A melhor proteção contra o adultério é desenvolver o
relacionamento com o cônjuge (vv.15-20)
z
Provérbios 5 – 7: Advertência
contra a tolice (esp. o adultério)
 cp.6: Vários tipos de insensatez
 Os que minam o bem estar (vv.1-11): ingenuidade e
preguiça
 Os que minam os relacionamentos (vv.12-19): falsidade
e contendas
 O que mina a boa reputação (vv.20-35): adultério
z
Provérbios 5 – 7: Advertência
contra a tolice (esp. o adultério)
 cp.7: Ilustração do adultério
 Introdução (vv.1-5)
 Elenco (vv.6-13)
 Enredo (vv.14-23)
 Conclusão (vv.24-27)
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Aspectos literários
 Tamanho
 Discursos formados de versos de 2 linhas (cps.1-9).
 O provérbio é geralmente de 2 linhas (cps.10-22). Há
evidência de cadeias de provérbios relacionados pelo
assunto ou por palavras repetidas:
 10.18-21: o falar
 11.3-6: repetição de estrutura sintática, de palavras
 11.8-12: vários elementos repetidos
 16.1-9: relacionamento entre Deus e o homem
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Aspectos literários
 Tamanho
 Em cps.23-30 encontramos vários arranjos.
 As coletâneas não-salomônicas têm ditados maiores.
Muitos acreditam que 22.17 – 24.22 contém um
prólogo e trinta máximas (cf. Edição Pastoral e NAA,
e os espaços indicando as unidades na NVI e NVT):
cf. as repetições em 23.22-25.
 Na 2ª coleção salomônica, a maioria dos provérbios
é de um verso, mas há cadeias (26.1-12, 13-16, 17-
22) e alguns ditados maiores (26.23-26).
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Aspectos literários
 Três tipos de paralelismo predominam:
 Antitético (especialmente em cps.10-15)
 Emblemático (especialmente em cps.25-27)
 Par. gradativo de números (especialmente em cp.30)
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Aspectos literários
 Termos paralelos frequentes
 Justo // ímpio ou perverso
 Disciplina e repreensão (musar e tokháḥat),
sabedoria e conhecimento (as raízes ḥacham e yada‘)
 Pai e mãe
 Várias combinações dos membros do corpo
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Aspectos literários
 Linguagem figurada
 Imagens repetidas nos provérbios: “árvore da vida”,
“fonte de vida”, “coroa”, “fortaleza”, “lâmpada”, “vara”
 Imagens da mulher (11.22; 12.4; 14.1; 21.9, 19),
do preguiçoso (10.26; 12.27; 19.24; 22.13), as palavras
(12.6, 18; 16.27; 18.8; 20.15; 21.6)
 Imagens da natureza
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Conteúdo
 Categorias de assuntos
 Ambientes: o lar, o trabalho, a comunidade, o governo e
o tribunal
 Conduta pessoal: a fala, refrear a língua,
responsabilidade pessoal, vícios, consequências
 Dois caminhos contrários, qualidades boas e más
z
qualidade boa X qualidade má

 justo X ímpio  sábio X insensato


 íntegro X enganoso  inteligente X ignorante
 honesto X mentiroso  entendido X sem juízo
 humilde X soberbo  aceita X rejeita
 pobre, mas sábio X correção
rico arrogante  obediente X rebelde
 pobre, mas justo X  diligente X preguiçoso
rico opressor  riqueza X pobreza
z
qualidade boa X qualidade má

 virtuoso X vergonhoso  tem futuro X sem futuro


 ama X odeia as pessoas  há esperança X
 alegria X tristeza será destruído
 sobriedade X bebedice  mulher virtuosa X
 auto-controle X iracundo mulher rixosa
ou devasso
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Conteúdo
 Conteúdos repetidos
 Expressões: “abominável ao SENHOR...”, “não é bom”,
“não ficará impune”, “...aos seus próprios olhos”
 Linhas: 10.8 e 10; 12.14 e 13.2; 13.14 e 14.27;
14.31 e 17.5; 17.3 e 27.21; 17.15 e 20.10;
19.1 e 28.6; 23.17-18 e 24.13-14
(cf. 1Co 6.12 e 10.23).
 Provérbios inteiros: 10.1 e 15.20; 12.11 e 28.19; e
mais 12 (cf. 6.9-11 e 24.30-34).
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 Conteúdo
 Conteúdos repetidos
 Uso de Provérbios no NT: 10.12 (1Pe 4.8 e Tg 5.20);
10.16 (Rm 6.23); 10.25 e 12.7 (Mt 7.24-27); 11.31
(citado em 1Pe 4.18); 16.1 (Mt 10.19-20);
17.3 (1Pe 1.7); 19.17 (Mt 25.40); 22.8 (Gl 6.7-8);
24.12 (Mt 16.27; Ap 20.12; citado em Rm 2.6); etc.
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 A tradução da LXX
 Concordância completa (e.g., 10.1)
 Textos diferentes (por causa da interpretação ou do
texto base):
10.5 O que ajunta no verão é filho sábio,
mas o que dorme na sega é filho que envergonha.
LXX: O filho sábio é salvo do calor,
mas o filho sem lei será arruinado
pelos ventos da [época de] colheita.
z
Provérbios 10.1 – 31.9:
Introdução às coletâneas
 A tradução da LXX
 Concordância completa (e.g., 10.1)
 Textos diferentes (10.5)
 TM tem, LXX não tem (19.2)
 TM não tem, LXX tem:
10.4 A pobreza abate o homem,
mas as mãos do corajoso [o] enriquecem.
O filho instruído será sábio
e usará o insensato por servo.