Você está na página 1de 25

Biblioteca Universitaria

Docentes:Acolete • Aldevina •
Discente: Francisco Manuel Cumbane
Universidade Lúrio- faculdade de arquitectura e Planeamento Físico IV ano – II semestre ano académico 2017 – Cadeira: Laboratório de Arquitectura
Introdução 2
Introdução A informação é a matéria-prima do processo de desenvolvimento do pais
assim quando se tem acesso a informacao capacidade do desenvolvimento da nacao
mocambicana aumenta nao só, a informação gerar conhecimento que é um factor
fundamental para combater a pobreza absoluta no nosso pais, no entanto deve haver
lugares propicios de busca de informacao Dentro deste contexto, cabe à biblioteca de
contribuir com informacao, a biblioteca deve assumir o papel de centro de informação e
leitura da comunidade em geral com esse objevo, Domingues (2010).
Objectivos 3
Objecvo geral

• Elaborar um projecto de requalificacao de biblioteca Universitária para o Campus da


Universidade Lúrio cidade de Nampula.

Objecvos específicos

• Projectar uma biblioteca universitária capaz de responder a demanda;

• Integrar acvidades e novas funções que garantam maior atracvidade e inclusão social;

• Integrar os aspectos arquitectónicos e funcionais, como beleza, firmeza; a


venlação e iluminação natural e proporcionar conforto ambiental para os usuários;
Definição 4
Apalavra “biblioteca” tem sua origem do grego biblíon (livro) e teke (caixa, depósito),
portanto um depósito de (HOUAISS,2001).

Biblioteca universitária Atende alunos, professores, pesquisadores e comunidade


académica em geral. É vinculada a uma unidade de ensino superior, podendo ser uma
instuição pública ou privada. E tem por objecvo apoiar as acvidades de ensino, pesquisa e
extensão por meio de seu acervo e dos seus serviços.
Conceito 5
Conceito Arquitectonico: O LIVRO aberto

A ideia do livro aberto surge do desejo de representar uma Biblioteca em forma de um


grande livro abero que tenha muitos pequenos livros abertos, de forma ter semitria e pela
forma identificarmos a funcionalidade do proprio edificio. Traz-se este conceito para trazer
a reflexão sobre aquilo que através da forma do próprio edifício seja identificado
facilmente a sua função.
Conceito 6
Conceito filosófico: atracção e interacção

Fazer com que o edificio proporcione maior atratividade em termos de funcionalidade e


beleza, atrar diferentes camadas da sociedade para juntos interagirem e fazer com que a o
campus seja maior centro atractivo.
Fundamentação 7
Equidade e efecvidade dos serviços de bibliotecários

Uma vez que a biblioteca existente não consegue suprir as necessidades dos usuários, faz
com que estes recorram aos serviços de biblioteca efecvos. Contudo, entende-se que o
maior problema é relavo à ulidade, a fraca cobertura, em outas palavras a procura é
desproporcional a oferta que a biblioteca existente representa aos usuários, pois
espacialmente a cobertura é equitava.
Fundamentação 8

Árvore de Problemas
Fundamentação 9
Tendências de expansão urbana
A cidade tem assisdo um crescime
nto ordenado nos bairros de
Marere e
Nakiri mas não há um acompanha
mento de alocação de serviços e
logo os serviços bibliotecários será
o mais pressionado por utente
dada a sua proximidade às
referidas zonas de expansão.
Dimensionamento 10

Para estabelecer uma previsão do fluxo de ulizadores, no qual se


baseie o dimensionamento dos espaços, há que ter em conta o
número de ulizadores esmados numa biblioteca municipal:
• Municípios com mais de 10 000 habitantes - 25% de ulizadores
esmados
• Municípios até 10000 habitantes - 20% de ulizadores esmados
7355 habitantes se enquadram dentro de municiopis ate 1000
habitantes por isso se propoes calcular com 20% de
ulizadores esmados de acordo com IFLA.
Dimensionamento 11

De acordo com p Plano Estrategico da


Unilurio 2016 - 2020: Considerando os
universos de docentes e estudantes até
apresentado, depreende-se que o rácio
estudantes-docentes atual da UniLúrio é de
1:8.
Dimensionamento 12
Planimetria 13
Situacao atual 14
proposta 15
Planta mobilada 16
Planta cotada 17
Alcados 18
Alcados 19
Alcados 20
Planta de cobertura 21
Cortes 22
Cortes 23
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 24
NEUFERT, ErnestA. 1998. Arte de Projectar em Arquitectura. s.l. : Editorial gustavo Gili, 1998. 13.ª edição.
PLANO PARCIAL DE URBANIZAÇÃO DO POSTO ADMINISTRATIVO MUNICIPAL DE Nakir;
PRÁTICAS DE ESTACIONAMENTO EM BELO HORIZONTE;
Biblioteca Pública princípios e diretrizes. Rio de Janeiro; 2000;

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONALIDADES DO ESPAÇO NAS BIBLIOTECAS;


Plano estrategico 2016 - 2020 QUINQUÉNIO DO FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL E CRESCIMENTO COM QUALIDADE,
Marco 2016 - Unilurio;
SEABRA, Maria Isabel Carvalho. 2011. Polícas de Estacionamento_COLECÇÃO DE BROCHURAS TÉCNICAS / TEMÁTICAS.
Instuto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. (IMTT) e Gabinete de Planeamento, Inovação e Avaliação
(GPIA). Portugal : s.n., 2011. Disponivel em:
<hp://www.conferenciamobilidade.im.pt/pacmob/policas_estacionamento/P
Fim da apresentação