Você está na página 1de 30

 Objetivo:

 Aumentar a quantidade de hidrocarbonetos aromáticos de uma corrente


na faixa de destilação semelhante à da natfa.
 Produtos:
 Hidrogênio;
 Gás combustível (CG);
 Gás liquefeito de petróleo (GLP);
 Natfa reformada.

 Usos:
 Produção de gasolina;
 Produção de benzenos, toluenos e xilenos de alta pureza.
 Matérias-primas:
 Nafta de destilação direta (nafta DD);
 Nafta de coqueamento hidrotratada (NKH).
 Aditivos:
 Catalisadores bifuncionais;
 Função ácida:
• Reações que envolvem alterações da estrutura da cadeia, como quebra ou
ciclização.
 Função metálica:
• Reações de hidrogenação e desidrogenação.
 Platina, rênio, estanho e irídio.
 Desidrociclização de hidrocarbonetos parafínicos a naftênicos:
 Catalisada pelas funções metálica e ácida;
 Uma das principais responsáveis pela geração de hidrogênio;
 Altamente endotérmica.
Desidrogenação de ciclo-hexanos
 e de alquilciclo-hexanos a
hidrocarbonetos aromáticos:
 Catalisada pela função metálica;
 Uma das principais responsáveis pela geração de hidrogênio;
 Altamente endotérmica.
 Isomerização de alquilciclopentanos a ciclo-hexano ou alquilciclo-
hexanos:
 Catalisada pela função ácida;
 Endotérmica.
 Desidrogenação de hidrocarbonetos parafínicos a olefínicos:
 Catalisada pela função metálica;
 Pouco expressiva comparada às reações anteriores.
Isomerização de hidrocarbonetos parafínicos lineares a parafínicos
ramificados:
 Catalisada pela função ácida;
 Pode ser exotérmica.
 Hidrocraqueamento:

 Formação de coque na superfície do catalisador:


 O coque se deposita sobre o catalisador, e é umas das causas da sua
desativação.
 Reações desejáveis  endotérmicas;
 Reatores em série (três a quatro);
 Reatores intercalados com fornos;
 Processos existentes:
 Semirregenerativo (SR);
 Cíclico;
 Regeneração contínua do catalisador (CCR).
 Semirregenerativo:
 Reatores de leito fixo;
 Regeneração do catalisador é realizada fora da operação normal.

 Regeneração contínua de catalisador:


 Remoção, regeneração e reposição do catalisador ocorre durante a
operação normal.
 Cíclico:
 Presença de uma reator adicional.
Regeneração contínua de
catalisador
 Regeneração:
 Queima controlada do coque depositado;
• Atmosfera pobre em oxigênio.
 Oxicloração do catalisador: injeção de ar e cloretos orgânicos;
• Redispersão dos metais na superfície do catalisador.
 Secagem;
 Redução na presença de hidrogênio.
 Pressão:
 Constante durante a operação;
 Entre 345 kPa a 4830 kPa;
 Baixas pressões:
• Maiores rendimentos de hidrogênio e de reformado;
• Redução da temperatura necessária para obtenção de certa qualidade de
reformado;
• Redução do ciclo de vida do catalisador.
 Temperatura:
 Variável mais utilizada para ajustar a qualidade da nafta reformada;
 Altas temperaturas:
• Aumento do teor de aromáticos e do número de octano da nafta reformada;
• Redução do rendimento da nafta reformada;
• Aumento da produção de gás e GLP;
• Diminuição da pureza do gás de reciclo;
• Aumento de deposição de coque no catalisador e, consequentemente, a redução
do ciclo de vida do catalisador.
 WAIT* é a média ponderada das temperaturas de entrada de cada reator:
• SR: 490 °C a 525 °C
• CCR: 525 °C a 540 °C
 Velocidade espacial (VE):
 A alteração da VE é realizada por modificação da vazão de carga da
unidade, uma vez que o volume de catalisador é fixo;
 Alta VE:
• Redução do tempo de residência da carga no reator e, portanto, redução da
conversão das reações que se processam mais lentamente.
 Baixa VE:
• Aumento do número de octano e redução do rendimento da nafta reformada;
• Aumento dos rendimentos de gás combustível e de GLP;
• Redução do teor de hidrogênio no gás de reciclo;
• Aumento da taxa de deposição de coque no catalisador.
 Razão hidrogênio/carga:
 H2: manter a taxa de deposição de coque em valores aceitáveis;
 Baixas razões:
• Aumento da deposição de coque no catalisador.
 Altas razões:
• Elevação dos custos de operação.
 Valores de razão H2/carga variam de 8 a 10 para as unidades mais antigas
e de 2 a 5 para unidades mais modernas.
 A alquilação consiste na reação de adição de duas moléculas leves
para síntese de uma terceira de maior peso molecular (cadeias
ramificadas), reação catalisada por um agente de forte caráter ácido.

 Gasolinas automotivas e de aviação:


 NO
 Insento de contaminantes, aromáticos
 Estável, baixa volatilidade

 No Brasil – Refinaria Presidente Bernardes Cubatão, São Paulo.


 Reações indesejadas: polimerização (ASO) e craqueamento
 Catalisadores:
 HF
 H2SO4

 Olefínas provém da corrente de GLP:


 Craqueamento catalítico (UFCC)
 Coqueamento retardado (UCR)

 Isoparafínas
 Destilação atmosférica
 Fracionamento do GPL (desisobutanizadoras)
 Torres de adsorção:
 Leito de alumina
 Peneiras moleculares

 Hidrotratamento seletivo:
 Saturação de diolefínas
P = 3 MPa

21 oC a 38 oC
20 a 40 s

1:1
ácido-hidrocarbonetos

5:1 a 15:1
Isobutano/olefínas
Isobutano

Propano
Isobutano
Ácido

Propano
Isobutano
n-butano
Alquilado
Ácido

n-butano
Alquilado
 Pureza do catalisador:
 83% a 93% teor em massa de ácido
 Água (2%), ASO e reagentes dissolvidos

Cuidados com o processo


 GAUTO, Antunes, M., APOLUCENO, Melo, D. D., AMARAL, Candido,
M., AURÍQUIO, Cezar, P. Petróleo e Gás: Princípios de Exploração,
Produção e Refino - Série Tekne. [Minha Biblioteca]. Retirado
de https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788582604021/

 BRASIL, do, N. I., ARAÚJO, Santos, M. A., SOUSA, (orgs.), E.C.M.


D. Processamento de Petróleo e Gás, 2ª edição. [Minha Biblioteca].
Retirado de https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/978-85-
216-2636-7/