Você está na página 1de 15

1.

1 Modelo
atómico
1.1 Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo atómico de Dalton

No início do seculo XIX, o físico inglês John Dalton ainda


imaginava os átomos como corpúsculos indivisíveis e
indestrutíveis.
1766 - 1844

Modelo atómico de Thomson

O físico inglês Joseph Thomson explicou que os átomos


eram constituídos por uma massa positiva onde se
encontravam dispersos os eletrões, com carga negativa e em
número suficiente para a carga global ser nula.
1856-1940
2
1.1 Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo atómico de Rutherford


1871-1937
No início do seculo XX, o cientista Ernest Rutherford realizou uma

experiência onde bombardeou com partículas α uma delgada lâmina de


ouro (tendo cerca de 10 000 átomos de espessura) e observou que:

as partículas α, na sua maioria, Folha de ouro Partículas que não


atravessavam a lâmina de ouro sofrem desvio
Partículas que
sem sofrer desvio;
voltam para trás
algumas partículas α sofriam
pequenos desvios ao atravessar a Fonte de
lâmina; Partículas α
um número muito menor de
partículas α vinha para trás sem
atravessar a lâmina. Partículas que se desviam

Fig. 1 | Experiência de Rutherford


1.1 Modelo atómico Modelo atómico de Rutherford

História do modelo atómico

As partículas α atravessavam a A maior parte do átomo


lâmina sem se desviarem. seria espaço vazio

As partículas α eram desviadas


A existência de uma zona
devido a repulsão.
central muito pequena, com
Se chocavam frontalmente com ela, carga positiva, onde estaria
voltavam mesmo para trás. concentrada toda a sua massa

Isto levou Rutherford a imaginar os átomos constituídos por:

um núcleo muito pequeno, com carga positiva,


onde se concentra toda a massa do átomo;
eletrões
eletrões, com carga negativa, movendo-se
em volta do núcleo, tal como os planetas
se movem em volta do Sol.
Núcleo
Primeiro modelo nuclear de átomo.
4
1.1 Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo atómico de Bohr


1885-1962
Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr completou o modelo de
Rutherford com as seguintes ideias:

os eletrões movem-se à volta do núcleo em órbitras circulares, a


distâncias bem definidas do núcleo;

a cada órbita corresponde um determinado valor de energia;


núcleo
os eletrões com mais energia movem-se em
órbitas mais afastadas do núcleo, os que têm
menos energia movem-se em órbitas mais
próximas do núcleo. 1ª órbita
2ª órbita
3ª órbita Energia
crescente
Surgiu assim um modelo planetário de átomo. 5
1.1 Modelo atómico

História do modelo atómico

Modelo da nuvem eletrónica


Modelo aceite atualmente

Os eletrões dos átomos movem-se sem órbitas definidas e com velocidade


elevadíssima. Por isso, não é possível dizer onde estão os eletrões num
certo instante.

Apenas se pode falar na probabilidade de os encontrar à volta do núcleo.

A zona de grande probabilidade de encontrar os eletrões chama-se


nuvem eletrónica.

Núcleo
Nuvem
eletrónica

6
1.1 Modelo atómico

Constituição dos átomos


Protões - carga +
mp=1,673 x 10-24 g
núcleo
Neutrões - sem carga
mn=1,675 x 10-24 g
Responsável
pela massa
do átomo

Nuvem eletrónica Eletrões – carga negativa


me=9,11 x 10-28 g

Fig. 2 | Átomo

O átomo é eletricamente neutro N.º de eletrões = N.º de protões


7
1.1 Modelo atómico

Número atómico e número de massa

O número de protões existentes no núcleo dos átomos de um elemento


chama-se número atómico, representa-se pela letra Z e caracteriza o
elemento químico.

O número total de partículas existentes no núcleo dos átomos, que


corresponde à soma dos protões e dos neutrões, chama-se número de
massa. Representa-se pela letra A.

Número A=Z+N
de massa

X
A
Número neutrões

Z Número atómico
Número
atómico Número de massa
8
1.1 Modelo atómico

Isótopo de um elemento

Os isótopos de um elemento têm:

o mesmo número atómico Z;

diferente número de massa A, pois o número de neutrões N é diferente.

Cloro-35 Cloro-37
35
17
Cℓ
37
17
Cℓ
17 protões 17 protões
18 Neutrões 20 Neutrões

17 eletrões 17 eletrões

9
1.1 Modelo atómico

Massa dos átomos

Como a massa dos átomos é muito pequena para a exprimirem,


os químicos comparam-na com um padrão adequado.

O padrão é a duodécima parte da massa do átomo de carbono-12, a


que se atribui o valor unitário da massa atómica, 1 u.

Massa de 12C

1
da massa de 12C Este número indica quantas vezes
12
a massa do átomo é maior do que
=1u a massa do padrão e chama-se
massa relativa do átomo.

10
1.1 Modelo atómico

Massa atómica relativa dos elementos

Quando um elemento tem isótopos, a massa atómica relativa, Ar do


elemento corresponde a uma média das massas relativas dos seus
isótopos, que tem em conta as suas abundâncias na Natureza.

Isótopo Massa isotópica relativa Abundância (%)


14
7N 14,003 99,3
15 15,000 0,7
7N

𝐴r N = 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 × 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑎𝑔𝑒𝑚 + 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 × 𝑝𝑒𝑟𝑐𝑒𝑛𝑡𝑎𝑔𝑒𝑚

14 15
7N 7N

99,3 0,7
𝐴r N = 14,003 × + 15,000 × ↔ 𝐴r N = 14,01 11
100 100
1.1 Modelo atómico

Iões monoatómicos: representação evidenciando Z e A

Quando um átomo perde ou ganha eletrões, transforma-se num ião.

carga
X
A A carga do ião é igual à diferença entre o
número de eletrões do átomo e do ião.
Z

17 protões
Átomo de cloro Ião cloreto 18 Neutrões (N = A – Z = 35 – 17)
18 eletrões (17 do átomo +1)
35
17
Cℓ Ganhou 1 eletrão
35
17
Cℓ
-1

17 eletrões 18 eletrões

12
1.1 Modelo atómico

Síntese

Modelos atómicos

Dalton Thomson Rutherford Bohr Nuvem eletrónica


Átomo Cargas negativas Os eletrões Os eletrões movem- Há regiões do espaço
indivisível dispersas numa movem-se em -se em torno do onde é maior a
massa positiva torno do núcleo núcleo em órbitas probabilidade de
positivo circulares encontrar um eletrão

Os átomos são constituídos por um núcleo com protões e neutrões e um


espaço à volta do núcleo, onde se movem os eletrões.

A massa do protão é praticamente igual à do neutrão e muito maior do que


a do eletrão.

A massa de um átomo está praticamente concentrada no núcleo.


13
1.1 Modelo atómico

Síntese

A carga do protão é +1, a do eletrão é -1 e o neutrão não tem carga.

O número de protões é característico dos átomos de cada elemento


químico e chama-se número atómico, Z.

A soma dos protões e neutrões de um átomo chama-se número de massa, A.

Cada tipo de átomos é caracterizado por um número atómico e um número


de massa, e pode representar-se por: A
Z X
Os isótopos de um elemento são átomos que têm igual número atómico,
Z, mas diferente número de massa, A, pelo que têm massa diferente.

A massa relativa de um isótopo ou massa isotópica relativa indica-se


apenas por um número, sem unidades, em relação a um padrão
estabelecido que é 1
da massa de 12C
12
14
1.1 Modelo atómico

Síntese

Chama-se massa atómica relativa de um elemento Ar à média das


massas relativas dos seus isótopos, tendo em conta a sua abundância na
Natureza. Indica-se apenas por um número.

Os átomos transformam-se em iões monoatómicos quando perdem ou


ganham eletrões, sendo:

carga do ião = n.º de eletrões do átomo – n.º de eletrões do ião.

Os iões monoatómicos podem representar-se por:

A carga

Z
X

15