Você está na página 1de 13

TÉCNICAS DE ENSINO

CONSTRUTIVISTAS
Por: Hélder Wafunga
Técnicas construtivistas de ensino

“O factor singular que mais influencia a aprendizagem é


aquilo que o aprendiz já sabe. Descubra-o e ensine-o
de acordo”
Ausubel (1980)

As técnicas construtivistas de ensino são baseadas na


teoria construtivista da aprendizagem, que defende que
a aprendizagem sempre se constrói sobre os
conhecimentos que o aluno já possui; estes
conhecimentos prévios são chamados de esquemas.

2 Hélder Wafunga, 2010


Técnicas construtivistas de ensino

A teoria construtivista diz que todo o conhecimento é


construído a partir de uma base de conhecimentos
prévios. As crianças não são uma folha branca e o
conhecimento não pode ser interiorizado sem que faça
sentido para a criança de acordo com as suas
concepções.

As crianças aprendem melhor quando lhes é permitido


construir uma compreensão pessoal baseada na
experiência das coisas e reflexão dessas experiências.
3 Hélder Wafunga, 2010
Técnicas Construtivistas de Ensino

Para o construtivismo, a
construção do novo conhecimento é
uma combinação de:

 Conhecimento prévio
 Nova informação
 Prontidão para aprender

4 Hélder Wafunga, 2010


Técnicas Construtivistas de Ensino

Os conhecimentos prévios dos alunos podem constituir


uma forte alavanca para a aquisição de novos
conhecimentos por parte dos alunos, quando coincidem
com os da comunidade científica, apresentadas pelo
professor, ou como grandes obstáculos à aprendizagem,
quando não coincidem.

Quando os conhecimentos prévios dos alunos não


coincidem com os da comunidade científica, eles
constituem uma visão alternativa aos conceitos científicos,
pelo que são chamados de concepções alternativas.

5 Hélder Wafunga, 2010


Técnicas Construtivistas de Ensino

• Quando o ensino é feito sem ter em conta as concepções


alternativas dos alunos, não se produz uma verdadeira
aprendizagem, já que, existirá uma separação entre o
conhecimento recebido na escola e a concepção
alternativa dos alunos, não havendo uma conexão entre
ambos, e este facto, tem sido muitas vezes, responsável
por resultados de ensino desfavoráveis e não desejados.

Por essa razão, o professor deverá idealizar situações de


aprendizagem que tenham em conta essas concepções
alternativas, com o objectivo de promover a mudança
conceptual nas mentes dos seus alunos.

6 Hélder Wafunga, 2010


Técnicas Construtivistas de Ensino

Quando a concepção do aluno não é confrontada com a


concepção científica, ensinada na sala de aulas, pelo
professor, o aluno poderá agir de várias formas:

O aluno memoriza a concepção científica dada na sala de


aulas, ignorando-a fora do contexto escolar;
O aluno tenta acomodar ambas as concepções, mas não
abandona a concepção inicial;
Na dificuldade de memorizar a concepção dada na sala de
aulas, o aluno recorre à fraude (cábula), para conseguir
aprovação acadêmica na disciplina.

7 Hélder Wafunga, 2010


Estratégias Construtivistas de Ensino
Características do ensino construtivista
De acordo com Jacqueline G. Brooks e Martin G. Brooks (1993), as
características de uma aula construtivista são as seguintes:
É aceite e encorajada a autonomia e iniciativa do aluno;
O professor faz perguntas abertas/fechadas e aguarda um tempo
pelas respostas;
É encorajado o pensamento de alto nível;
Os alunos participam activamente em diálogos com o professor e
entre eles;
Os alunos participam activamente nas experiências que desafiam
as hipóteses e se engajam no debate;
A aula utiliza dados rudimentares, fontes primárias, materiais
manipulativos, físicos e interactivos.
8 Hélder Wafunga, 2010
Estratégias Construtivistas de Ensino

Para além disso, no ensino construtivista os alunos


trabalham primeiramente em grupos e a aprendizagem
e o conhecimento são interactivas e dinâmicas. Existe
uma grande ênfase nas habilidades sociais e de
comunicação, assim como na colaboração e troca de
ideias, ao contrário do ensino tradicional em que os
alunos aprendem primeiro de forma isolada, a
aprendizagem é adquirida por meio de repetição, e as
disciplinas são estritamente rígidas e guiadas por um
livro de textos.

9 Hélder Wafunga, 2010


Algumas actividades encorajadas nas aulas construtivistas são:

Experimentação: os alunos realizam uma experiência e, de


seguida, se juntam na turma para discutir os resultados;
Projectos de pesquisa: os alunos pesquisam sobre um tópico e
apresentam as suas descobertas perante a turma;
Visitas de campo: permite aos alunos colocar os conceitos e
ideias discutidos na sala de aulas no contexto do mundo real. As
visitas de estudo devem ser sempre seguidas de debates na sala.
 Filmes. Garantem um contexto visual e, desta forma, trazem
outro sentido à experiência de aprendizagem.
Debates: esta técnica é utilizada em todos os métodos descritos
acima. É uma das distinções mais importantes dos métodos de
ensino construtivistas.

10 Hélder Wafunga, 2010


Técnicas Construtivistas de Ensino

Ao utilizar os conhecimentos prévios como ponto de


partida para a nova aprendizagem, as estratégias
construtivistas tendem a validar as diferenças culturais
e individuais dos alunos.

O papel do professor
Propiciar e facilitar os debates, na sala de aulas;
Guiar os alunos na construção do conhecimento,
fazendo perguntas que os levem a desenvolver as suas
próprias conclusões sobre o assunto.

11 Hélder Wafunga, 2010


Etapas da estratégia construtivista de
mudança conceptual

1. Identificação dos conhecimentos prévios dos alunos; Tal


pode ser feito por meio de entrevistas individuais ou
colectivas, questionários escritos, composições e desenhos
livres, e pela observação directa. (Os alunos deverão ser
capazes de explicar a razão do seu pensamento);
2. Realização de actividades para experimentar as hipóteses
formuladas pelos alunos; os alunos realizam experiências
que desafiam as suas ideias
3. Debate; os alunos apresentam perante a turma os resultados
das experiências realizadas
4. Sistematização do conteúdo.

12 Hélder Wafunga, 2010


Referências bibliográficas
Santos, M. E. (1991). Mudança Conceptual na Sala de Aula: Um
desafio pedagógico. Lisboa. Livros Horizonte.
Brooks, J. G. & Brooks, M. G.(1995). In search of understanding:
The case for Constructivist Classrooms. ‘Southwest Educational
Development Laboratory’. Alexandria, VA: Association for
Supervision and Curriculum Development.
Wafunga, H. S. I. (2003). Influência das Concepções Alternativas na
assimilação do conteúdo científico sobre a Nutrição das Plantas em
alunos da 8ª Classe da cidade de Benguela. Tese de Licenciatura.
Lubango: Instituto Superior de Ciências da Educação

Artigo da internet:
http://en.wikipedia.org/wiki/Constructivist_teaching_methods ,
acessado em 20/01/2010.
13 Hélder Wafunga, 2010

Você também pode gostar