Você está na página 1de 26

Funções Psíquicas e o Exame do Estado Mental

Prof. Alexandre de Oliveira Leme


Exame do Estado Mental
• Também denominado Exame Psíquico;
• Representa o roteiro de sondagem
psiquiátrica em saúde mental;
• Os dados são coletados via observação, ao
longo da entrevista e com perguntas diretivas;
• Visa obter dados que permitam reconstruir as
vivências psíquicas do paciente de forma
global e contextual;
Funções Psíquicas e suas Alterações
• Os critérios de identificação das funções psíquicas
se apóia nos estudos das neurociências e áreas
afins;
• Deve-se partir da descrição geral do paciente
destacando-se aspectos observados acerca da
aparência, comportamento e atitudes frente ao
profissional de saúde;
• Observa-se a idade aparente, postura física,
marcha, olhar, expressão facial, vestimentas,
autocuidado, higiene, etc;
• Deve-se evitar julgamentos e priorizar aspectos
descritivos;
PSICOMOTRICIDADE
• Atividade motora permite a comunicação não-
verbal e a expressão de emoções, sentimentos,
desejos, etc;
• As alterações mais comuns são:
– Lentificação Motora (bradicinesia): redução na
expressividade dos comportamentos motores;
– Agitação Psicomotora (hipercinesia): agitação
psicomotora improdutiva mas que expressa estados
emocionais/afetivos;
– Ecopraxia: imitação das atividades motoras de outra
pessoa de forma patológica;
• Catalepsia: imobilidade física mantida ao longo
do tempo;
• Cataplexia: perda temporária do tônus muscular
e da expressão de estados emocionais;
• Excitação Catatônica: agitação motora sem
finalidade e sem causas externas;
• Estupor Catatônico: lentificação motora até a
imobilidade com aparente falta de consciência;
• Rigidez Catatônica: produção de postura rígida e
imóvel não respondendo a esforços ou estímulos
de movimentação;
• Flexibilidade Cérea ou Cerácea: a pessoa deixa-se
moldar como se fosse uma massa e se mantém
na posição em que for colocada;
• Negativismo: resistência a qualquer tipo de
movimentação mesmo que instruído a se
movimentar;
• Estereotipia: repetições automáticas e constantes
de determinados atos motores ou falas;
• Maneirismo: movimentação involuntária de
movimentos bizarros, repetitivos e complexos;
• Automatismo: movimentação automática de
comportamentos ou atos que indicam expressão
de atividade inconsciente;
• Tique: movimentação involuntária e
espasmódicas;
• Compulsão: comportamentos repetitivos frutos
de impulsos incontroláveis;
FALA
• A observação da fala envolve identificar como se
dá a fluência, quantidade de fala, ritmo, tom e
volume;
• As alterações mais comuns são:
• Pobreza de fala: fala monossilábica ou bem
restrita;
• Logorreia: intensificação da velocidade ao falar;
• Pressão da fala: fala acelerada e difícil de se
interromper;
• Bradilalia: diminuição da expressão verbal;
• Mutismo: ausência da fala apesar de não haver
limitações físicas;
HUMOR
• O humor representa o estado emocional
interno continuado do paciente. São as
emoções predominantes e constantes, de
“pano de fundo”;
• Observa-se a espontaneidade (ou não) da
pessoa falar sobre seus sentimentos, a
intensidade, a duração e as flutuações;
• As perturbações mais comuns são:
• Eutímico: faixa normal de comportamento;
• Disfórico: experiências desagradáveis de
humor;
• Irritável: suscetibilidade à raiva ou
irritabilidade frente a experiências vividas
como perturbadoras;
• Lábil: alterações súbitas e imotivadas no
estado de humor;
• Expansivo:expressão intensa de sentimentos
com recorrente supervalorização emocional;
• Exaltado:estado de animação e confiança
anormais;
• Eufórico: estado de alegria exagerada e sem
motivos ou de forma desproporcional;
• Deprimido: sentimento intenso de tristeza;
• Anedonia: perda do interesse e motivação por
atividades habituais ou prazerosas, seguida de
afastamentos ou isolamentos;
• Alexitimia: dificuldade ou incapacidade de
expressar ou explicar as próprias emoções e
sentimentos;
AFETO
• Representa a expressão do estado de humor, a
superfície visível dos humores;
• Expressa-se por meio da expressão facial, voz
ou comportamento;
• Pode estar alinhado, ou não, ao estado de
humor;
• As alterações mais comuns são:
• Adequado: estado emocional harmonioso em
relação ao humor, pensamentos e ideias da
pessoa;
• Inadequado: desalinhamento entre a expressão
emocional e a ideia que o acompanha;
• Lábil: mudanças bruscas e inesperadas do estado
emocional sem causas externas;
• Constrito ou restrito ou limitado: diminuição na
intensidade dos sentimentos pertinentes a uma
dada situação;
• Embotado: intensa redução na intensidade dos
sentimentos externados com diminuição do
tônus e da modulação de voz;
• Ambivalência afetiva: vivência sincrônica de
sentimentos antagônicos;
SENSOPERCEPÇÃO
• Processo de captação e interpretação de
estímulos que nos permitem tomar consciência
do corpo e do ambiente;
• As alterações podem ser quantitativas ou
qualitativas;
• São alterações quantitativas:
– Hiperestesia: intensificação do impacto
sensoperceptual que promove aumento dos estímulos
captados e maior tempo de duração
– Hipoestesia: diminuição ou indiferença aos estímulos
que desencadeiam experiências sensoperceptuais;
• São alterações qualitativas:
– Ilusão: percepção distorcida de um evento, objeto ou
pessoa;
– Pseudoalucinação: impressão nítida de se ouvir ou se ver
algo/alguém, de ter convicção de estar diante do objeto
sem estar de fato;
– Alucinose: alucinações sensorialmente nítidas percebida
de forma negativa ou causadora de sofrimento;

As alucinações são produções sensoperceptoriais falsas


não relacionadas com estímulos externos. Podem ser de
diversas categorias:
- Auditiva, visual, tátil, olfativa, gustativa, hipnagógica (falsa
percepção quando se está adormecendo), hipnopômpica
(fala percepção ao acordar), somática (falsa percepção de
eventos que ocorrem no corpo);
PENSAMENTO
• Processo psicológico que envolve
produção/construção de ideias, símbolos ou
representações de um objeto/pessoa/situação;
• É composto de curso, conteúdo e forma ou
processo de pensamento;
• Em relação ao curso (fluxo do pensamento que
pode ser normal, lentificado ou acelerado) a
alteração é a fuga de ideias (verbalização
acelerada e ininterrupta que faz mudanças
abruptas nas ideias embora possam estar
conectadas por uma linha de pensamento;
FORMA/PROCESSO DE PENSAMENTO
• Trata da maneira como os pensamentos são
formulados, organizados e expressos;
• O processo de pensamento normal é reconhecível por
ser linear, organizado e orientado a um objetivo claro;
• São algumas das perturbações:
– Ecolalia: repetição de palavras ou frase de outra pessoa de
forma cômica ou interrogatória;
– Prolixidade: explicação repetitiva de ideias com uso
excessivo de frases supérfluas;
– Neologismo: invenção de palavras ou combinação de
outras palavras para gerar uma nova palavras;
– Perseveração: repetição desnecessária e excessiva de uma
ou mais ideias;
– Bloqueio: interrupção abrupta no curso do pensamento
sem lembrança do que a pessoa estava pensando ou
expressando;
CONTEÚDO DE PENSAMENTO
• Trata do teor do pensamento, daquelas ideias em
torno das quais o pensamento se ocupa;
• São alterações:
– Pobreza do conteúdo: pensamento com pouco ou
sem conteúdo significativo;
– Erotomania (Delírio Erótico): crença, nas mulheres,
de que algum homem importante/famoso esteja
apaixonado por ela;
– Obsessão: pensamentos persistentes que incomodam,
fazem sofrer, geram ansiedade, inexplicáveis que a
pessoa não consegue deter pela razão;
– Coprolalia: necessidade de verbalizar pensamentos ou
palavras obscenas ou vulgares;
• Delírio: falsa crença, calcada em falsas (ou
incorretas) percepções sobre algum aspecto
da realidade externa. Não é subjugável pela
razão, detém alta significação pessoal e não se
alia ao que outra pessoa da mesma cultura
percebe;
• São tipos de delírios: persecutório, de
grandeza, bizarro, referência (crença que
eventos negativos isolados tenham relação
com a pessoa), místico ou religioso;
COGNIÇÃO
• Refere-se às capacidades mentais de
entendimento, mobilização e integração de
dados visando construções intelectuais e suas
inter-relações com o aprendizado anterior no
confronto com situações novas. Também se
refere à capacidade de resolução de
problemas.
• Obs.: na avaliação devemos levar em conta a
formação educacional da pessoa e o contexto
socioeconômico.
São alterações da cognição:
Retardo mental: representa a baixa expressão
de habilidades intelectuais em graus que
interferem na perfomance social e ocupacional.
Pode ser adquirido precocemente ou de ordem
congênita. Os diferentes níveis de retardo mental
são estimados segundo a faixa de “Quociente de
Inteligência (QI).
Leve: (QI de 50 a 69)
Moderado: (QI de 35 a 59)
Grave: (QI 20 a 34)
Profundo: (QI abaixo de 20)
JULGAMENTO
Habilidade de observar, analisar e decidir
acerca de uma situação produzindo-se ações
apropriadas, conforme o contexto em
questão. Está determinada pela idade do
paciente. Envolve o estabelecimento de
valores ou qualidades atribuídas a objetos,
pessoas ou situações.
• Podemos subdividi-los em:
• Crítico: habilidade de discriminar e optar
entre opções distintas em uma dada situação.
• Automático: desempenho do julgamento de
modo irrefletido e imediato a uma situação.
• Prejudicado: diminuição da capacidade
compreensiva para decidir e agir
corretamente uma situação.
INSIGHT
Grau de conscientização e entendimento de
que se está doente (deve-se determinar,
primeiramente, se o paciente aceitava ou
negava a existência da doença antes da
entrevista em que se avalia o grau de insight).
• Abaixo os graus de insight:
• Negação completa da doença;
• Ligeira conscientização acerca da doença e da
necessidade de auxilio, com constante
negação.
• Consciência de estar doente, culpando outras
pessoas, fatores externos ou orgânicos;
• Consciência de que a doença é devida a algo
desconhecido pelo indivíduo;
• Insight intelectual: capacidade de reconhecer
o quadro de adoecimento por parte do
paciente. Compreensão de que os sintomas
ou fracassos na adaptação social são
decorrentes de sentimentos irracionais ou
perturbações pessoais, sem a aplicação desse
conhecimento às experiências futuras.
• Verdadeiro insight emocional: capacidade de
tomar consciência emocional dos sintomas e
suas consequências na vida pessoal,social ou
afetiva.