Você está na página 1de 20

LITERATURA

Prof. Me. Sony


REVISÃO GERAL I - ESPCEX
1/5
1. Acordei pela madrugada. A princípio com tranquilidade, e logo com
obstinação, quis novamente dormir. Inútil, o sono esgotara-se. Com
precaução, acendi um fósforo: passava das três. Restava-me, portanto,
menos de duas horas, pois o trem chegaria às cinco. Veio-me então o desejo
de não passar mais nem uma hora naquela casa. Partir, sem dizer nada,
deixar quanto antes minhas cadeias de disciplina e de amor.
Com receio de fazer barulho, dirigi-me à cozinha, lavei o rosto, os dentes,
penteei-me e,voltando ao meu quarto, vesti-me. Calcei os sapatos, sentei-
me um instante à beira da cama. Minha avó continuava dormindo. Deveria
fugir ou falar com ela? Ora, algumas palavras… Que me custava acordá-la,
dizer-lhe adeus?

(LINS, O. A partida. Melhores contos. Seleção e prefácio de Sandra Nitrini. São


Paulo: Global, 2003.)
Com relação ao tipo de narrador do trecho podemos afirmar que:
a) Trata-se de um narrador – observador, evidente na passagem “A princípio
com tranquilidade, e logo com obstinação, quis novamente dormir”.
b) Trata-se de um narrador in off, evidente na passagem “Restava-me,
portanto, menos de duas horas, pois o trem chegaria às cinco”.
c) Trata-se de um narrador intruso, evidente na passagem “Calcei os
sapatos, sentei-me um instante à beira da cama”

d) Trata-se de um narrador onisciente, evidente na passagem “Deveria fugir


ou falar com ela? Ora, algumas palavras…”
e) Trata-se de um narrador – personagem, evidente na passagem “Partir,
sem dizer nada, deixar quanto antes minhas cadeias de disciplina e amor”.
2. (UEG 2015) De vossa grande beleza
da qual esperei um dia
Senhora, que bem pareceis! grande bem e alegria,
Se de mim vos recordásseis
que do mal que me fazeis só me vem mal e tristeza.
me fizésseis correção, Sendo-me a mágoa sobeja,
quem dera, senhora, então deixai que ao menos vos veja
que eu vos visse e agradasse. no ano, o espaço de um dia.
Ó formosura sem falha (Rei D. Dinis)
que nunca um homem viu tanto (CORREIA, Natália. Cantares dos trovadores galego-
portugueses. Seleção, introdução, notas e
para o meu mal e meu quebranto! adaptação de Natália Correia. 2. ed. Lisboa:
Senhora, que Deus vos valha! Estampa, 1978. p. 253.)

Por quanto tenho penado


seja eu recompensado
vendo-vos só um instante.
Quem te viu, quem te vê
Você era a mais bonita das
cabrochas dessa ala
Você era a favorita onde eu era
mestre-sala
Hoje a gente nem se fala, mas a
festa continua
Suas noites são de gala, nosso
samba ainda é na rua
Hoje o samba saiu procurando
você
Quem te viu, quem te vê
Quem não a conhece não pode
mais ver pra crer
Quem jamais a esquece não pode
reconhecer [...] (Chico Buarque)
A cantiga do rei D. Dinis, adaptada por Natália Correia, e a
canção de Chico Buarque de Holanda expressam a seguinte
característica trovadoresca:
A) a vassalagem do trovador diante da mulher amada que se encontra
distante.
B) a idealização da mulher como símbolo de um amor profundo e
universal.
C) a personificação do samba como um ser que busca a plenitude
amorosa.
D) a possibilidade de realização afetiva do trovador em razão de estar
próximo da pessoa amada.
E) O homem apaixonado relata seu desespero ao rei. através das cantigas
3. A impossibilidade de realizar o sonho absoluto do Eu gera inquietude,
desespero, frustração, que levam às vezes ao suicídio, refletindo a evasão
na morte, solução definitiva para o:

a) culto ao real
b) nacionalismo
c) culto ao fantástico
d) mal do século
e) indianismo
4. (GAMA – 2011) Cruz e Souza e Alphonsus de Guimaraens são poetas
identificados com um movimento artístico cujas características são:

a) o jogo de contrastes, o tema da fugacidade da vida e fortes inversões


sintáticas.
b) a busca da transcendência, a preponderância, a do simbolismo entre as
figuras e o cultivo de um vocabulário ligado às sensações.
c) A espontaneidade coloquial, os temas do cotidiano e o verso livre.
d) O perfeccionismo formalista, a recuperação dos ideais clássicos e o
vocabulário preciso.
e) o jogo dos sentimentos exacerbados, o alargamento da subjetividade e a
ênfase na adjetivação.
5. (Cescem) – A literatura brasileira do período colonial, em seus primeiros
tempos, teve como preocupação acentuada a catequese do selvagem. É o
que se vê revelado:

A) nos Tratados, de Michel de Montaigne


B) na Prosopopeia, DE Bento Teixeira
C) no Auto de São Lourenço, de José de Anchieta
D) no Tratado da Terra do Brasil, de Pero Magalhães de Gândavo.
E) no poemeto épico Uruguai, de Basílio da Gama.
6. A poesia confessional e fantasia de Álvares de Azevedo pertence a um
movimento situado entre a de:

a) Gonçalves Dias e a de Cláudio Manuel da Costa


b) Gonçalves de Magalhães e a de Gonçalves Dias;
c) Castro Alves e a de Cruz e Sousa;
d) Gonçalves Dias e a de Castro Alves;
e) Tomás Antônio Gonzaga e Machado de Assis.
7.
"Que falta nesta cidade? Verdade.
Que mais por sua desonra? Honra.
Falta mais que se lhe ponha? Vergonha.
O demo a viver se exponha,
Por mais que a fama a exalta,
Numa cidade onde falta
Verdade, honra, vergonha.“

Sobre os versos acima, é possível afirmar que:


a) Possui rimas horizontais, estabelece um jogo de palavras, possui
forte tom de crítica social, pertence ao Seiscentismo e tem como autor
Gregório de Matos Guerra.
b) Possui forte caráter narrativo, estabelece um jogo de ideias, parte
de provérbios bíblicos para sustentar uma tese, pertence ao
Seiscentismo e tem como autor Padre Antonio Vieira.
c) estilo pedagógico da poesia neoclássica, por meio da qual o poeta se
investe das funções de um autêntico moralizador.
d) estilo pedagógico da poesia neoclássica, sustentando em tom lírico
as reflexões do poeta sobre o perfil moral da cidade da Bahia.
e) caráter de jogo verbal próprio do estilo barroco, a serviço da
expressão lírica do arrependimento do poeta pecador.
8. (MACK-SP) “Praticam uma poesia predominantemente descritiva,
interessada em representar plasticamente paisagens e ambientes,
reduzindo o mais possível o envolvimento emotivo do poeta com os
temas tratados. Por outro lado, há uma supervalorização da chamada
forma poética, onde há busca constante de perfeição técnica nas rimas,
vocabulário selecionado”.

Assinale a alternativa em que encontra o nome do movimento literário a


que se refere o trecho citado.
a) Parnasianismo.
b) Romantismo.
c) Modernismo.
d) Simbolismo.
e) Arcadismo
9. (FUVEST-SP) "E naquela terra encharcada e fumegante, naquela
umidade quente e lodosa, começou a minhocar, e esfervilhar, a crescer,
um mundo, uma coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea,
ali mesmo, daquele lameiro, a multiplicar-se como larvas no esterco.“

O fragmento de O cortiço, romance de Aluísio Azevedo, apresenta uma


característica fundamental do Naturalismo. Qual?

a) Antropomorfização dos animais e coisas, presente no trecho “naquela


terra encharcada e fumegante”.
b) Apreensão do mundo através de um jogo de dualismo presente no
trecho “naquela umidade quente e lodosa”.
c) Animalização do homem, evidente nos verbos minhocar, esfervilhar.
d) Tentativa de fuga da realidade e simpatização com temas noturnos e
mesmo satânicos.
e) Uma visão sentimental da Natureza.
10. O Realismo, escola literária cujo principal representante brasileiro foi
Machado de Assis, teve como característica principal a retratação da realidade
tal qual ela é, fugindo dos estereótipos e da visão romanceada que vigorava até
aquele momento. Sobre o contexto histórico no qual o Realismo situou-se, são
corretas as proposições:
I- O Brasil vivia tempos de calmaria política e social, havia um clima de
conformidade, configurando o contentamento da colônia com sua metrópole,
Portugal.
II- Em virtude das intensas transformações sociais e políticas, o Brasil foi
retratado com fidedignidade, reagindo às propostas românticas de idealização
do homem e da sociedade.
III- O país vivia o declínio da produção açucareira e o deslocamento do eixo
econômico para o Rio de Janeiro em razão do crescimento do comércio
cafeeiro.
IV- Teve grande influência das teorias positivistas originárias na França, onde
também havia um movimento de intensa observação da realidade e
descontentamento com os rumos políticos e sociais do país.
V- Surgiu na segunda metade do século XX, quando no mundo eclodiam as
teorias de expansões territoriais que culminaram nas duas grandes guerras.
O Realismo teve como propósito denunciar esse panorama de instabilidade
mundial.
Estão corretas:
a) todas estão corretas.
b) apenas I e II estão corretas.
c) I, II e III estão corretas.
d) II, III e IV estão corretas.
e) I e V estão corretas.
11. Sobre o Realismo, assinale a alternativa INCORRETA.
a) O Realismo surgiu na Europa, como reação ao Naturalismo.
b) O Realismo e o Naturalismo têm as mesmas bases, embora sejam
movimentos diferentes.
c) O Realismo surgiu como consequência do cientificismo do século XIX.
d) Gustave Flaubert foi um dos precursores do Realismo. Escreveu
Madame Bovary.
e) No Brasil, inicia-se com a publicação de Memórias póstumas de Brás
Cubas, em 1881.
12. (Ufviçosa) – Fazendo um paralelo entre Romantismo e Arcadismo,
podemos concluir que:

a) o Arcadismo prenuncia o Romantismo, porque já apresenta ruptura


radical com os cânones literários clássicos.

b) o Arcadismo antecede o Romantismo na evasão da realidade pelo


sonho, pela fantasia e pelo mergulho nas profundezas do “eu”.

c) o Romantismo prolonga aspectos do Arcadismo na idealização da


natureza, da mulher e do amor.

d) o Romantismo dá continuidade ao Arcadismo na atração pelos conflitos


entre a alma e a matéria.

e) o Arcadismo e o Romantismo perseguem o ideal de expressão livre de


esquemas pré-estabelecidos.
13. “Apenas, Doroteu, o nosso chefe
As rédeas manejou do seu governo,
Fingir nos intentou que tinha uma alma
Amante da virtude. Assim foi Nero.”
Aponte a alternativa incorreta com relação à obra da qual foi extraído o fragmento
acima:
a) constitui-se de poemas satíricos em forma de carta que circularam pela cidade
de Vila Rica antes da Inconfidên-cia Mineira.
b) sua autoria foi discutida, durante muito tempo, pelos historiadores.
c) narra os desmandos e arbitrariedades de Luís da Cunha Meneses, governador de
Minas Gerais, apresentado como Fanfarrão Minésio.
d) Doroteu escreve de Santiago do Chile, para o amigo Critilo, que se encontra em
Vila Rica.
e) Doroteu e Critilo são pseudônimos satíricos de Cláudio Manuel da Costa e Tomás
Antônio Gonzaga na obra em questão.
GABARITO 11 – a
1–e
12 – c
2–a
13 – c
3–d
4–b
5–c
6–e
7–a
8–a
9–c
10 – d