Você está na página 1de 15

Gerenciamento de Projeto

Falhas Comuns em Projetos


Gestão de projetos / Evandro Silva Paes, Vaine Fermoseli Vilga. – Londrina :
Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016.

Trata-se de um resumo do material acima mencionado, sem uso comercial.


1.2 – Falhas Comuns em Projetos
Para analisarmos esses assuntos, vamos retornar ao projeto do metrô de São Paulo para a Copa de
2014? A linha 15-prata do metrô foi uma obra que trouxe uma experiência inédita no país, pois
utilizou o primeiro monotrilho do Brasil como veículo ferroviário (ao invés do metrô ou trem). Como
era uma obra inovadora, o consórcio responsável pelas obras utilizou alguns equipamentos pela
primeira vez no país, pois eles traziam uma precisão milimétrica e uma tolerância mínima na
fabricação dos trilhos por onde trafegariam os trens do monotrilho (elementos que eram
fundamentais para o projeto). Como não estavam muito familiarizados com os novos
equipamentos, os engenheiros demoraram algum tempo para entender a melhor maneira de
utilizá-los, o que trouxe atrasos consideráveis ao projeto (tais atrasos também estiveram
relacionados com erros de planejamento que não previram a existência de galerias de água onde
seriam construídas algumas estações, além da lentidão no repasse de recursos financeiros para o
consórcio). Apesar de a obra ter acumulado um atraso de mais de cinco anos e ter tido um aumento
no orçamento inicial de cerca de R$ 5 bilhões, o conhecimento acumulado pelos engenheiros
e gerentes do projeto (principalmente no manuseio dos novos equipamentos, o que fez com que
os envolvidos desenvolvessem novas habilidades e crescessem, em termos técnicos) vai permitir que
os próximos projetos do consórcio ocorram de forma mais veloz e eficiente. Será que o projeto da
linha 15 do metrô pode ser considerado um caso de sucesso ou de fracasso?
Não Pode Faltar
No mundo dos negócios, alcançar o sucesso é um objetivo que todas as empresas
perseguem (isso também acontece em nossa vida pessoal). Dentro desse cenário, os projetos
ajudam as empresas a obterem sucesso, mas, algumas vezes, eles também fracassam devido
aos erros que são cometidos.
Sucesso
1. O conceito tradicional de sucesso em um projeto controla o escopo, o tempo e o custo
(tripla restrição ou triângulo de ferro), ou seja, fazer as tarefas de uma forma que a
empresa entregue um produto da maneira que ele foi pensado (escopo) no prazo
compromissado (tempo) e dentro do orçamento previsto (custo) é um sinal de que o
projeto foi bem-sucedido.

Com a expansão inicial da definição de sucesso:

2. O sucesso também é medido em termos de impacto no cliente, impacto na equipe,


resultados comerciais e preparação para o futuro (SHENHAR; DVIR, 2010).

1 2
Medidas Específicas de Sucesso
Períodos de Tempo das dimensões do Sucesso

Nenhum conjunto de dimensões de


sucesso serve a todos os Projetos.
Insucesso ou Falhas de Projeto
• A empresa desiste daquele produto (no meio do projeto) por não enxergar mais um
mercado promissor para ele;
• Há um acúmulo de problemas no projeto que comprometem os ganhos esperados com
ele;
• O nível de qualidade ou realização do projeto não é cumprido;
• O patrocinador deixa de financiar o projeto por algum motivo;
• O encerramento do projeto fica comprometido porque os gestores do projeto não
conseguiram uma licença específica;
• As necessidades dos clientes não são satisfeitas;
• Há erros de planejamento etc.
• Caso de as equipes não conhecerem os objetivos do projeto, não conhecerem seus
planos e não terem atividades organizadas, haverá fatores de baixo engajamento e,
consequentemente, um caminho para um final sem êxito em um projeto.
Casos mais comuns de Falhas no GP nas fases
Motivos de Falhas em GP

A associação PMI (Project Management Institute) também possui uma pesquisa que traz as
diversas causas comuns de falhas em projetos
Perguntas que o Gestor deve realizar antes de
assumir a direção do Projeto
Situação Problema – Churrasco para arredar fundos
para a formatura.
Marcos e Alice são membros do grupo de formatura e têm uma ideia para arrecadar fundos
para a festa: um churrasco com os amigos de turma e de toda a escola. Alice, então, inicia
seu plano e divide as ações com Marcos.
Ela fica responsável pelo aluguel do local, entretenimento, som, jogos, decoração e convites,
enquanto Marcos fica com a incumbência de contratar o churrasqueiro e comprar as
bebidas, a carne e a sobremesa.
Ambos resolvem vender os ingressos na hora do evento, nada antecipadamente. Eles estimam
pelo menos 80 pessoas no churrasco, e contam com um dia maravilhoso de sol.
Chegado o grande dia, Alice, logo cedo, vai para o local da festa e tem a primeira surpresa:
embora o dono do local tivesse dito que a chácara era ótima, Alice vê um local bem estranho,
com mato alto, piscina suja, um monte de areia com pedras no final do corredor e um
toldo rasgado em toda a área da churrasqueira.
Situação Problema – Churrasco para arredar fundos
para a formatura. (Cont.)
Quando Marcos chega, um pouco mais tarde, com todos os produtos comprados, ele
percebe que o freezer está quebrado e que o churrasqueiro contratado ficou doente e não
poderá estar na festa.
Desesperados, eles ligam para os pais, que os auxiliam a contratar um jardineiro, um piscineiro e
um pessoal para a limpeza. Alice monta a banca de venda de ingressos e pede a um amigo um
freezer emprestado, enquanto Marcos vai comandar a churrasqueira (como ele não tinha muita
experiência, acaba fazendo uma carne que não agrada a todos).
As pessoas começam a chegar e, ao meio-dia, 30 pessoas já estão no local (todos da mesma sala
de aula, ou seja, nenhum outro aluno da escola apareceu) esperando as bebidas, a carne e o
som.
Para completar a “festa”, começa uma garoa fina, que faz com que outros estudantes não
apareçam no evento (mesmo tendo falado que estariam lá). Resultado: o churrasco foi muito
ruim e os gastos superaram o dinheiro recebido. Muitos estudantes saíram reclamando do
evento e disseram que nunca mais participariam de um churrasco organizado por Alice e
Marcos.