Você está na página 1de 55

Engenharia

Mecânica Ifes
Normas Técnicas e Consumíveis

Professores:
Dr. Evandro Armini de Pauli
Dr. José Eduardo Rigo

1
Normas e qualificação em Soldagem

2
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM

ASME e AWS

Norma Petrobrás - N 133 Soldagem

3
Definição

Consumíveis são todos os materiais empregados na


deposição ou proteção da solda, tais como eletrodos
revestidos, varetas, arames sólidos e tubulares,
fluxos, gases e anéis consumíveis.

4
Seleção de consumíveis depende de vários fatores, tais como:

Metal de base
Geometria da junta
Espessura da peça a ser soldada
Posição de soldagem
Tipo de fonte de energia
Produtividade
Habilidade do soldador
Etc.
5
Tipos de consumíveis

Utilizados em soldagem a gás

Gases combustíveis – Acetileno, propano


Gases comburentes – Oxigênio, ar atmosférico
Varetas
Fluxos (fundentes)

6
Tipos de consumíveis
Utilizados em soldagem a arco elétrico
Processo TIG
Gás (Argônio, Hélio, Hidrogênio)
Vareta
Processo eletrodo revestido
Eletrodo revestido
Processo Mig/Mag
Gás (CO2, Mistura Argônio e/ou Hélio +
CO2)
Eletrodo nu (Arame)

7
Gases de proteção
Seleção depende de:

• Composição química metal de base


• Espessura do metal de base
• Posição de soldagem
• Tipo de corrente

Gases Inertes
Argônio
Hélio
Gases Reativos
Gás ativo (CO2,)
Gás redutor (H2)
8
Gases Inertes
Argônio
Peso atômico: 40 (monoatômico pesado)
Alto pode ionizante (facilita abertura do arco)
Obtido pela liquefação do ar e purificado a 99,99%
Ar + O2 (1 a 5%) = melhora estabilidade do arco
Ar + CO2 (8 a 25%)= melhora estabilidade do arco
75% Ar + 25% CO2 = Processo MAG e arame tubular
Hélio
Peso atômico: 4 (monoatômico leve)
Obtido a partir do gás natural
Condutividade térmica elevada exige alta tensão do arco
Somente soldagem CC
Arco gerado tem mais calor -> bom para grandes espessuras

9
Gases Reativos – Ativo (CO2 – O)
DIÓXIDO DE CARBONO - CO2
CO2 -> CO + O
Fe + O -> FeO
FeO + C -> Fe + CO (gás)
Velocidade de soldagem alta -> gás CO fica retido
(porosidade)

DESOXIDANTES Manganês (Mn) e Silício (Si)


Si + 2FeO -> 2 Fe + SiO2
Mn + FeO -> Fe + MnO

OXIGÊNIO – O
Nunca é utilizado sozinho – sempre em mistura
10 Ar + O ou Ar + CO2 + O
Gases Reativos – Redutor
HIDROGÊNIO - H2
H2 adicionado ao Ar ou He para aumentar a
temperatura do arco
H2 (molecular) ao passar pelo arco -> 2H
(atômico)
2H em temperaturas frias - > H2 (reação
acompanhada de liberação de energia)

11
Especificação AWS
Agrupamento de Metais de adição em função de:
Composição química do metal depositado ou do
consumível
Processo de soldagem
Consumíveis devem atender:
Propriedades mecânicas do metal depositado
Composição química do metal depositado ou do
consumível
Sanidade do metal depositado (radiografia)
12
Especificação AWS – Exemplos:

AWS A5.1 – Eletrodos de aço carbono para soldagem


manual a arco com eletrodo revestido
AWS A5.4 – Eletrodos de aço inoxidável para soldagem
manual a arco com eletrodo revestido
AWS A5.9 – Eletrodos nus e varetas de aço inoxidável para
soldagem
AWS A5.17 – Eletrodos de aço carbono e fluxos para
soldagem a arco submerso

13
Especificação X Classificação AWS

Especificação AWS: Determina de maneira exata as


características de um consumível e dá garantias
sobre suas propriedades

Classificação AWS: Apresenta uma maneira lógica de


designar um consumível

14
Especificação AWS A5.1

- Eletrodos de aço carbono para soldagem manual


a arco com eletrodo revestido

Classificação E 6010
Classificação E 6013
Classificação E 7018
Classificação E11048

15
Classificação AWS

E = Eletrodo para soldagem a arco elétrico


R = Vareta para soldagem a gás
B = Metal de adição para brasagem
F = Fluxo para arco submerso
ER = Indica possibilidade de aplicação como
eletrodo nu (arame) ou vareta

16
Eletrodo Revestido
Composição: Alma metálica + revestimento

Alma: Aço de baixo de carbono, efervescente


Revestimento: Contém elementos para estabilização do
arco, desoxidantes, formadores de escória e elementos
de liga

17
Eletrodo Revestido
Funções do revestimento:
Elétrica – Abertura e estabilidade do arco (Silicato de sódio
e potássio). Isolamento elétrico.

Física – Formação de fumos mais densos que o ar para


proteção de gases atmosféricos (H2, N2 e O2). Formação
de escória que protege o cordão da oxidação
atmosférica. Controla taxa de resfriamento da solda

Metalúrgica – Refinar a estrutura do metal depositado,


retirando as impurezas em forma de escória. Prover
elementos de liga.
18
Eletrodo Revestido

Tipos de revestimento
Ácido – Constituído principalmente por óxido de ferro e
elementos escorificantes. Pode ter pó de ferro o que
aumenta o rendimento.
Celulósico – Constituído de matérias orgânicas sobretudo
celulose. Alto hidrogênio. Alta penetração. Utilizado
soldagem de gasodutos.
Rutílico – Componente principal o dióxido de titânio,
conhecido como “rutilo”. Indicado para juntas com
grande abertura. Baixa penetração.
Básico – Componentes principais são o carbonato de
cálcio e a fluorita. Elementos desoxidantes e
dessulfurizantes diminuem teor de impurezas na solda.
Baixo hidrogênio. Corrente inversa (CC+).
19
Eletrodo Revestido – Especificação A5.1 e A5.5

 1 – A letra E designa um eletrodo


 2 – Dígitos (2 ou 3) indicam o limite de resistência do metal da
solda, em Ksi (1 ksi = 1000 psi)
 3 – Posição de soldagem (1, 2 ou 4)
 4 – Tipo de corrente e tipo de revestimento (0 a 9)
 5 – Composição química do metal depositado

20
21
22
23
Varetas para soldagem Oxi-gás – Classificação A 5.2

 1 – A letra R designa vareta para soldagem a gás


 2 – Dígitos (2 ou 3) indicam o limite de resistência do metal da
solda, em Ksi (1 ksi = 1000 psi)

24
Eletrodo Revestido – Especificação A5.4 (inoxidáveis)

 1 – A letra E designa um eletrodo


 2 – Dígitos se referem a composição química do metal depositado
 3 – Posição de soldagem (1 ou 2)
 4 – Tipo de corrente e tipo de revestimento (5, 6 ou 7)

25
Eletrodos nus e varetas – Especificação A5.9 (inoxidáveis)

 1 – A letra E designa um eletrodo


 2 - A letra R designa uma vareta
 1 + 2 - As letras ER indicam eletrodo nu ou vareta
 3 – Os dígitos (geralmente 3) indicam a composição química do
metal de adição

26
Eletrodos e fluxo para arco submerso – Especificação A5.17

 1 – A letra F designa um fluxo


 2 - O dígito indica o limite de resistência do metal depositado (6 ou 7)
 3 – Indica a condição de tratamento térmico (A ou P)
 4 – Temperatura de teste de impacto (Z,0,2,4,5,6,8)
 5 – Letra E indica eletrodo e EC indica eletrodo composto
 6 – Teor de manganês (L, M ou H)
 7 – Composição química do eletrodo
 8 – A letra K indica eletrodo fabricado com aço acalmado ao silício

27
Eletrodos nus e varetas – Especificação A5.18 (soldagem com gás de
proteção)

 1 – As letras ER indicam eletrodo, vareta ou arame aplicável aos


processos MIG, MAG, TIG e PLasma
 2 - Estes dígitos indicam o limite de resistência do metal
depositado em ksi (1 ksi = 1000 psi)
 3 – A letra S indica vareta ou arame sólido
 4 – Este sufixo indica a composição química do metal depositado

28
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Eletrodos Arame tubular – Especificação A5.20

 1 – A letra E designa um eletrodo


 2 - Este dígito indica o limite de resistência metal depositado (6 ou
7)
 3 – Indica posição de soldagem (0 ou 1)
 4 – Indica um arame tubular com núcleo fluxado
 5 – Indica a utilização e característica de desempenho (tabela)

29
“F” número – conforme norma ASME Seção IX
Utilizado para qualificação de soldadores

F nº ESPECIFICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO OBSERVAÇÕES

1 SFA-5.1 e 5.5 EXX20/22/24/27/28 Eletrodos diversos revestimentos


posição plana e horizontal
2 SFA-5.1 e 5.5 EXX12/13/14 Eletrodos revestimento rutílico

3 SFA-5.1 e 5.5 EXX10/11 Eletrodos revestimento celulósico

4 SFA-5.1 e 5.5 EXX15/16/18/48 Eletrodos revestimento básico

4 SFA-5.4 EXXX-15/16/17/25/26 Todos eletrodos exceto austeníticos

5 SFA-5.4 EXXX-15/16/17/25/26 Só eletrodos austeníticos

6 Várias Várias Varetas e arames TIG/MIG/MAG/AT

30
Inspeção Visual e dimensional
Embalagem
Tipos: Latas e cartuchos
Identificação da embalagem
Nome do fabricante
Classificação AWS correspondente
Diâmetro do eletrodo
Número do lote ou corrida
Data de fabricação

31
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Inspeção Visual e dimensional
Embalagem

32
Inspeção Visual e Dimensional
Controle de recebimento
Verificação do estado da embalagem
Identificação da embalagem
Identificação da classe do eletrodo
Verificação dos dados do certificado e confronto com a
especificação correspondente
Exame visual dos consumíveis, por amostragem
Verificação do peso líquido
Controle dimensional (o diâmetro do eletrodo
corresponde ao diâmetro da parte metálica (alma)

33
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Inspeção Visual e Dimensional

34
Exame Visual de eletrodos
Oxidação da ponta de pega
Oxidação da alma
Redução localizada
Danos na ponta de arco
Falta de aderência
Destacamento com exposição da alma
Falta de compacidade
Trincas transversais
Trincas longitudinais
Envelhecimento (cristalização de silicato)
35 Ausência de conicidade na ponta de arco
Exame Visual de eletrodos
Oxidação da ponta de pega
Oxidação da alma

36
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Redução localizada

37
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Danos na ponta de arco

38
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Destacamento com exposição da alma

39
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Trincas transversais

40
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Trincas longitudinais

41
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Trincas longitudinais

42
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Exame Visual de eletrodos
Ausência de conicidade na ponta de arco

43
Identificação de eletrodos
Classificação AWS legível
Identificação individual
À tinta no revestimento
Próxima a ponta de pega (máximo 65 mm de distância)

44
Transporte e armazenamento
Nas embalagens originais
Sobre estrados de madeira
Evitar danos e choques às embalagens
Cartuchos plásticos
Armazenar na posição horizontal
Latas
Armazenar na posição vertical
Ponta de pega – voltada para baixo (preservar a ponta de arco)
Até sete camadas
Sistema de armazenagem
Garantir rotatividade (eletrodos mais antigos utilizados primeiro)
Controlar temperatura e umidade
Temperatura 5ºC acima da ambiente – não inferior a 20ºC
Umidade atmosférica relativa máxima de 50%

45
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem
Embalagens não são estanques
Eletrodos, arames, varetas, fluxos – armazenar em estufas
Ordem de retirada: evitar utilização de consumíveis recém chegados
Eletrodos armazenados em prateleiras:
Estufa secagem: altura máxima da camada = 50 mm
Estufa manutenção da secagem: altura máxima da camada = 150 mm
Eletrodos afastados 50 mm das paredes da estufa
Fluxos
Estufa com bandeja: altura máxima da camada = 50 mm
Estufa sem bandeja: dispor de dispositivo misturador
Temperaturas
Conforme recomendações do fabricante

46
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção
da secagem
TEMPERATURAS
Secagem de eletrodos baixo hidrogênio (E7018)
350ºC ± 50 ºC por 1 hora
Manutenção da secagem
Não inferior a 150º
Estufa portátil
80 a 150 ºC

47
CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM

Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção


da secagem
ESTUFA DE ARMAZENAMENTO
Pode ser um compartimento fechado do
almoxarifado
Conter aquecedores elétricos e ventiladores
Manter temperatura 5ºC acima da ambiente –
mínimo 20ºC
Manter umidade relativa do ar máximo de 50%
48
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem

ESTUFA DE SECAGEM
Secagem de eletrodos revestidos e fluxos de baixo hidrogênio
Deve dispor de:
1. Aquecimento controlado por meio de resistência elétrica
2. Sistema de renovação de ar – (respiro)
3. Controles de temperatura – termostato e termômetro
4. Prateleiras furadas ou em forma de grade
5. Temperatura de até 400 ºC

49
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem
ESTUFA DE SECAGEM

50
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem

ESTUFA DE MANUTENÇÃO DA SECAGEM


Manutenção da secagem de eletrodos revestidos e fluxos de
baixo hidrogênio
Deve dispor de:
1. Aquecimento controlado por meio de resistência elétrica
2. Sistema de renovação de ar – (respiro)
3. Controles de temperatura – termostato e termômetro
4. Prateleiras furadas ou em forma de grade
5. Temperatura de até 200 ºC
51
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem
ESTUFA DE MANUTENÇÃO DA SECAGEM

52
Manuseio, Armazenagem Secagem e Manutenção da secagem
ESTUFA PORTÁTIL
Deve dispor de:
• Sistema de aquecimento por resistência elétrica
• Manter temperatura de 80 a 150ºC

53
Bibliografia Básica

• MARQUES; Paulo Villani; MODENESI, Paulo José; BRACARENSE,


Alexandre Queiroz. Soldagem: fundamentos e tecnologia. Belo
Horizonte: Editora UFMG, 2009.
• WAINER, Emílio; BRANDI, Sérgio Duarte; HOMEM DE MELLO,
Fábio Décourt. Soldagem: processos e metalurgia. São Paulo: Blucher,
2010.
• VEIGA, Emílio. Soldagem de manutenção. São Paulo: Globus, 2010.
• WEISS, Almiro. Soldagem. Curitiba: Do Livro Técnico, 2012.
• DOS SANTOS, Carlos Eduardo Figueiredo. Processos de soldagem.
Conceitos, equipamentos e normas de segurança. São Paulo: Érica,
2015.
• GEARY, Don; MILLER, Rex. Soldagem. Porto Alegre: Bookman,
2013.
54
55