Você está na página 1de 27

Anestésicos

Inalatórios
MARCIA DA SILVEIRA CHARNECA VAZ, MD ESP. DO .
PHD
Anestésicos Inalatórios

HISTÓRICO
 1772 – JOSEPH PRIESTLEY → N20
-1884 ( HORACE WELLS) → USO CLÍNICO
-1881 (KLICOWITSCH)→ ANALGESIA DE
PARTO
- 1961 (TUNSTALL) → USO À 50%
 1846 – WILLIAN MORTON → ÉTER - BOSTON
 1847 – SIMPSON →
CLOROFÓRMIO(OBSTETRÍCIA)
Anestésicos Inalatórios
HISTÓRICO
 1933 - CICLOPROPANO
- TRILENE
 1951 - SUCKLING → FLUOTHANE
 1960 – ARTRUSIO → METOXIFLUORANE
 1968 – DOBKIN → ENFLURANE
 DÉCADAS DE 80 E 90 :
→ ISOFLUORANE
→ SEVOFLUORANE
→ DESFLURANO
Anestésicos Inalatórios
ANESTÉSICO IDEAL

 PROPRIEDADES FÍSICAS:
NÃO INFLAMÁVEL E NÃO EXPLOSIVO
AROMA AGRADÁVEL E NÃO IRRITANTE
ESTÁVEL À LUZ E CAL SODADA
NÃO REATIVO COM METAIS E BORRACHA
Anestésicos Inalatórios
 ANESTÉSICOS DE USO COMUM:
ISOFLURANO
SEVOFLURANE
ÓXIDO NITROSO
DESFLURANO
XENÔNIO
Anestésicos Inalatórios
 ESTRUTURA QUÍMICA: DERIVADOS ÉTERES
Anestésicos Inalatórios
 ESTRUTURA QUÍMICA: OUTROS

N = N – O → ÓXIDO NITROSO (N2O)

XE → XENÔNIO
Anestésicos Inalatórios
 CONSIDERAÇÕES GERAIS:
- PARTICULAR UTILIDADE: ANESTESIA PEDIÁTRICA
- VIA ÚNICA DE ADMINISTRAÇÃO
- PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS ÚTEIS QUE NÃO SÃO
COMPARTILHADAS COM OUTROS ANESTÉSICOS
- INDUÇÃO/ MANUTENÇÃO/ RECUPERAÇÃO
- RECUPERAÇÃO: QUASE TOTALMENTE VIA PULMÃO
Anestésicos Inalatórios
 CONSIDERAÇÕES GERAIS:
- CAM : CONCENTRAÇÃO ALVEOLAR MÍNIMA DO ANESTÉSICO
PARA IMPEDIR, EM 50% DOS PACIENTES, A MOVIMENTAÇÃO EM
RESPOSTA A INCISÃO DE PELE.
Anestésicos Inalatórios
 MECANISMO DE AÇÃO DOS INALATÓRIOS
- NÍVEL MOLECULAR
- SINAPSES INIBITÓRIAS - RECEPTORES GABAÉRGICOS (↑↑)
- SINAPSES EXCITATÓRIAS - RECEP. NMDA GLUTAMATO
(↓↓)
- AÇÃO PRÉ-SINÁPTICA: ↓↓NEUROT.EXCITATÓRIO (ACH)
↑↑ NEUROT.INIBITÓRIO (GABA)
- AÇÃO PÓS-SINÁPTICA: ↓↓ SENSIB. NEUROTR.EXCITA
ATIVAÇÃO GABA (↑↑INFLUXO CL)
Anestésicos Inalatórios
 MECANISMO DE AÇÃO DOS INALATÓRIOS
- NÍVEL MOLECULAR
- SINAPSES INIBITÓRIAS - RECEPTORES GABAÉRGICOS (↑↑)
- SINAPSES EXCITATÓRIAS - RECEP. NMDA GLUTAMATO
(↓↓)
- AÇÃO PRÉ-SINÁPTICA: ↓↓NEUROT.EXCITATÓRIO (ACH)
↑↑ NEUROT.INIBITÓRIO (GABA)
- AÇÃO PÓS-SINÁPTICA: ↓↓ SENSIB. NEUROTR.EXCITA
ATIVAÇÃO GABA (↑↑INFLUXO CL)
Anestésicos Inalatórios
FARMACOCINÉTICA DOS INALATÓRIOS
- APESAR DO MECANISMO DE AÇÃO DOS AI
PERMANECER OBSCURO, ACEITA-SE QUE O SEU
EFEITO FINAL DEPENDE DA OBTENÇÃO DE
UMA CONCENTRAÇÃO TERAPÊUTICA NO
TECIDO CEREBRAL
- NO ENTANTO, HÁ MUITOS PASSOS ENTRE A
ADMINISTRAÇÃO DE UM ANESTÉSICO QUE SAI
DO VAPORIZADOR E SUA “DEPOSIÇÃO” NO
CÉREBRO
ABSORÇÃO – DISTRIBUIÇÃO - ELIMINAÇÃO
ÓXIDO NITROSO: potenciais benefícios da utilização

- RÁPIDA INDUÇÃO E RECUPERAÇÃO DEVIDO.


QUANTO MENOR A SOLUBILIDADE NO SANGUE DE UM
AGENTE ANESTÉSICO, MAIOR SERÁ A VELOCIDADE DE
INDUÇÃO E RECUPERAÇÃO DA ANESTESIA. O,42

- BAIXO CUSTO
O ÓXIDO NITROSO É GERALMENTE UTILIZADO
COMO POTENCIALIZADOR DE OUTROS AGENTES
ANESTÉSICOS, PARA ANALGESIA, PARA RECUPERAÇÃO
RÁPIDA E SEGURA DA ANESTESIA E COMO AGENTE
DILUIDOR DO FLUXO DE OXIGÊNIO INSPIRADO.
Anestésicos Inalatórios
1 – ÓXIDO NITROSO:MATÉRIA PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE
ÓXIDO NITROSO É O NITRATO DE AMÔNIA – NH4NO3

INIBIÇÃO DA METIONIL SINTETASE → QUEDA DE VIT B12


- UTILIZAÇÃO PROLONGADA → ANEMIA APLÁSTICA E MORTE
- INALAÇÃO REPETIDA → DEGENERAÇÃO NEURONAL
- INALAÇÃO PROLONGADA DE MÍNIMAS CONCENTRAÇÕES →
LESÕES HEPÁTICAS, RENAIS, CEREBRAIS, NERVOS PERIFÉRICOS,
FETOS...
- EXPOSIÇÃO AGUDA → ANEMIA MEGALOBLÁSTICA
- TUMORES MALIGNOS → EVITAR N2O EM CIRURGIAS
ONCOLÓGICAS

CONC.SÉRICAS DE L-METIONINA E OUTROS
AMINOÁCIDOS FORAM SIGNIF. MAIS BAIXAS COM N2O
Anestésicos Inalatórios
1 – ÓXIDO NITROSO

- INCIDÊNCIA PERI OPERATÓRIA DE NÁUSEAS E


VÔMITOS
ANESTESIA SEM N2O DIMINUI EM 28% A
INCIDÊNCIA DE NÁUSEAS E VÔMITOS - MAIS
EVIDENTE EM MULHERES E MENOS EFETIVA EM
CIRURGIAS ABDOMINAIS
VANTAGEM NA DIMINUIÇÃO DE INCIDÊNCIA DE
NÁUSEAS E VÔMITOS PELA OMISSÃO DE N2O, NÃO
COMPENSA A POSSIBILIDADE DE CONSCIÊNCIA
TRANSOPERATÓRIA

NÃO PODEM SER USADOS EM OBSTRUÇÃO INTESTINAL , ROTAÇÃO DE


RETAÇLHOS E VIDEO EM CAVIDADE
Anestésicos Inalatórios
1 – ÓXIDO NITROSO

- MECANISMOS DE AÇÃO ANALGESICA


- LIBERAÇÃO DE OPIÓIDES ENDÓGENOS
- ATIVAÇÃO DE VIAS MEDULARES
DESCENDENTES INIBITÓRIAS
- MODULAÇÃO MEDULAR NO PROCESSO
DA NOCICEPÇÃO
- ATIVIDADE EM RECEPTORES Α2
ADRENÉRGICOS
Óxido Nitroso e Analgesia

 Analgesia obstétrica, em medicina pré-hospitalar


em ambulâncias, curativos de queimados e, mais
recentemente em analgesia pediátrica. Nesses
casos dá-se preferência á mistura pré-fixada
equimolecular de Óxido Nitroso e Oxigênio a 50%,
denominada MEDIMIX. O Medimix pode ser auto-
administrado pelo paciente ou com a ajuda de
um profissional da saúde para promover a
analgesia necessária, de acordo com a
demanda do paciente.
Anestésicos Inalatórios
3 – ISOFLURANO
- ANESTÉSICO VOLÁTIL NÃO INFLAMÁVEL
CARDIOVASCULAR
- MANTÊM DC
- DISCRETO AUMENTO NA FC
RESPIRATÓRIO
- IRRITANTE DE VIAS ÁEREAS
- TAMBÉM É UM BOM BRONCODILATADOR
- ↓VOLUME MINUTO
Anestésicos Inalatórios
3 – ISOFLURANO
CEREBRAL
- ↑FSC E PIC(MENOS QUE OS DEMAIS )
- DIMINUI METABOLISMO CEREBRAL
NEUROMUSCULAR
- RELAXA MUSCULATURA ESQUELÉTICA
RENAL
- ↓FSR/ TFG/ DÉBITO URINÁRIO
HEPÁTICA
Anestésicos Inalatórios
4 – SEVOFLURANO

- SEM ODOR PUNGENTE, LEVA A RÁPIDO AUMENTO


NA CONCENTRAÇÃO ALVEOLAR ANESTÉSICA
- EXCELENTE ESCOLHA PARA INDUÇÃO
- BOA ESTABILIDAE CARDIOVASCULAR
- NÃO SENSIBILIZA O MIOCÁRDIO ÀS
CATECOLAMINAS
- TAMBÉM DEPRIME A RESPIRAÇÃO
- AÇÃO BRONCODILATADORA (SIMILAR
ISOFLORANO)
- RELAXAMENTO NEUROMUSCULAR
- MANTÊM FLUXO SANGUÍNEO HEPÁTICO TOTAL
Anestésicos Inalatórios
4 – SEVOFLURANO
RENAL
-↓↓ FSR
- METABOLISMO DO FLUORETO (↑↑ FLUORETO
INORGÂNICO – F-), DIMINUIÇÃO DA FUNÇÃO TUBULAR
RENAL
Anestésicos Inalatórios
5 - DESFLURANO
- ESTRUTURA QUÍMICA SIMILAR À DO
ISOFLURANO
- SUBSTITUIÇÃO ÁTOMO CLORETO POR
FLUORETO
- PROFUNDOS EFEITOS NAS PROPRIEDADES
FÍSICAS
- BAIXA SOLUBILIDADE (ENTRADA E SAÍDA
RÁPIDAS)
- MELHOR CONTROLE DO PLANO ANESTÉSICO
- TEMPO DE RECUPERAÇÃO MAIS RÁPIDO
- É 17 VEZES MAIS POTENTE QUE N2O
Anestésicos Inalatórios
5 – DESFLURANO
CARDIOVASCULAR
- BOA ESTABILIDADE/ SIMILAR AO
ISOFLURANO
RESPIRATÓRIO
- TAMBÉM DIMINUI VOLUME CORRENTE, E
CAUSA AUMENTO NA PACO2
- IRRITANTE DAS VIAS ÁEREAS
BIOTRANSFORMAÇÃO E TOXICIDADE
- METABOLIZAÇÃO MÍNIMA EM HUMANOS
( TAXA DE 0,02%)
-
Anestésicos Inalatórios
5 - XENÔNIO
- SINTETIZADO EM 1951, APRESENTOU CARACTERÍSTICAS
CLÍNICAS MUITO FAVORÁVEIS:
- INCLUINDO A AUSÊNCIA DE ODOR E GOSTO
- INDUÇÃO E ELIMINAÇÃO RÁPIDAS
- SEM HEPATO/NEFROTOXICIDADE
- ESTABILIDADE CARDIOVASCULAR
- USO CLÍNICO LIMITADO PELA DIFICULDADE DE SUA
OBTENÇÃO NA ATMOSFERA, O QUE TORNA SUA UTILIZAÇÃO NO
FUTURO MUITO POUCO PROVÁVEL

AS COBAIAS QUE INALARAM XENÔNIO SE ESQUECERAM DESSE


FATO E PASSARAM A IGNORAR O ALERTA SONORO. O EFEITO
ACONTECE PORQUE O GÁS BLOQUEIA A AÇÃO DE UM
AMINOÁCIDO CHAMADO NMDA, QUE É NECESSÁRIO PARA A
PRESERVAÇÃO DAS MEMÓRIAS. NOGUEIRA, SALVADOR. SUPER
INTERESSANTE. P. 10. NOV. 2014
HIPERTEMIA MALIGNA

 Desordem farmacogenética potencialmente


letal;

 Caracterizada por uma síndrome muscular


hereditária;

 Autossômica dominante (penetrância reduzida e


expressão variável);
Associada a diferentes mutações genéticas. Maioria
no braço longo do cromos.19, receptor de
rianodina (RyR-1).
Dantrolene sódico o
tratamento
Referências Bibliográficas
GOODMAN & GILMAN'S THE
PHARMACOLOGICAL BASIS OF THERAPEUTICS.
12TH ED. NEW YORK: MCGRAW-HILL, 2012.