Você está na página 1de 44

NR 10

SEGURANÇA EM
INSTALAÇÕES E SERVIÇOS
COM ELETRICIDADE

Prof. Deivson Rodrigues Martins 1


TREINAMENTO

CURSO BÁSICO - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE


I - Para os trabalhadores autorizados: carga horária mínima - 40h:
Programação Mínima:
1. introdução à segurança com eletricidade.

2. riscos em instalações e serviços com eletricidade:


a) o choque elétrico, mecanismos e efeitos;
b) arcos elétricos; queimaduras e quedas;
c) campos eletromagnéticos.

3. Técnicas de Análise de Risco.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 2


TREINAMENTO
CURSO BÁSICO - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE
4. Medidas de Controle do Risco Elétrico:
a) desenergização;
b) aterramento funcional (TN / TT / IT); de proteção; temporário;
c) equipotencialização;
d) seccionamento automático da alimentação;
e) dispositivos a corrente de fuga;
f) extra baixa tensão;
g) barreiras e invólucros;
h) bloqueios e impedimentos;
i) obstáculos e anteparos;
j) isolamento das partes vivas;
k)isolação dupla ou reforçada;
l) colocação fora de alcance;
m) separação elétrica.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 3


TREINAMENTO
CURSO BÁSICO - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM
ELETRICIDADE

5. Normas Técnicas Brasileiras - NBR da ABNT: NBR- 5410, NBR 14039 e outras;

6) Regulamentações do MTE:

a) NR’s;
b) NR-10 (Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade);
c) qualificação; habilitação; capacitação e autorização.

7. Equipamentos de proteção coletiva.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 4


TREINAMENTO
CURSO BÁSICO - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE
8. Equipamentos de proteção individual.

9. Rotinas de trabalho – Procedimentos:


a) instalações desenergizadas; b) liberação para serviços; c) sinalização;
d) inspeções de áreas, serviços, ferramental e equipamento;

10. Documentação de instalações elétricas.

11. Riscos adicionais:


a) altura; b) ambientes confinados; c) áreas classificadas; d) umidade;
e) condições atmosféricas.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 5


OBJETIVOS
 Capacitar participantes para prevenção em acidentes com eletricidade
(atendendo NR-10)

 Atender exigências da NR-10, que estabelece diretrizes básicas para


implantação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança e
saúde, de forma a garantir segurança dos trabalhadores que direta ou
indiretamente interagem em instalações elétricas e serviços com
eletricidade

Prof. Deivson Rodrigues Martins 6


OBJETIVOS

 10.1.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece os requisitos e


condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e
sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos
trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações
elétricas e serviços com eletricidade.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 7


OBJETIVOS

 10.1.2 Esta NR se aplica às fases de geração, transmissão, distribuição e


consumo, incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação,
manutenção das instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas
suas proximidades, observando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas
pelos órgãos competentes e, na ausência ou omissão destas, as normas
internacionais cabíveis.

Prof. Deivson Rodrigues Martins 8


Introdução A Segurança Com Eletricidade
 Eletricidade
 Sistema Elétrico
 Trabalho em instalações elétricas
 Acidentes no trabalho – setor elétrico

Prof. Deivson Rodrigues Martins 9


ELETRICIDADE BÁSICA
Carga Elétrica
Condutores e Isolantes

 Condutores de eletricidade
São os meios materiais nos quais há facilidade de movimento de cargas
elétricas, devido à presença de "elétrons livres". Ex: fio de cobre, alumínio,
etc.
 Isolantes de eletricidade
São os meios materiais nos quais não há facilidade de movimento de cargas
elétricas. Ex: vidro, borracha, madeira seca, etc.
Intensidade e Medida
da Corrente Elétrica
A intensidade de corrente elétrica é dada por:

Onde :
Δq é a quantidade de carga que atravessa a seção reta
do condutor num determinado intervalo de tempo (Δt).

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
Eletricidade Estática
Ramo da Física que investiga as propriedades
e o comportamento de cargas elétricas em
repouso.
Eletricidade Estática
Eletricidade Estática
Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Atrito;

→ Indução;

→ Contato;

→ Aquecimento;

→ Pressão .

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Atrito;

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Indução;

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Contato;

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Aquecimento;
→- Piroeletrização

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→Processos de Eletrização Por:
→ Pressão;

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→ Causas :
→ Tipos de materiais;

→ Atrito (escoamento);

→ Proteção :

→ Aterramento;

→ Pulseiras de aterramento;

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Eletricidade Estática
→ Locais :
→ Fabricação de componentes eletrônicos (perdas);

→ Silos (cimento, cereais, particulados inflamáveis);

→ Postos e distribuição de combustíveis;

→ Indústrias com atmosferas inflamáveis;

→ Turbilhonadores, misturadores.
Prof. Deivson Rodrigues Martins
Prof. Deivson Rodrigues Martins
A Saber!

Lenda: Se não está chovendo não caem raios.

Lenda: Sapatos com sola de borracha ou os pneus do automóvel evitam que uma
pessoa seja atingida por um raio.

Lenda: As pessoas ficam carregadas de eletricidade quando são atingidas por um


raio e não devem ser tocadas.

Lenda: Um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar.

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Resistores

 De onde provém o calor fornecido por aparelhos como ferro elétrico,


torradeira, chuveiro e secadora elétrica? Por que a lâmpada fica quente
depois de acesa?

 Esse aquecimento acontece pela transformação da energia elétrica em calor,


fenômeno denominado efeito Joule, decorrente da colisão de elétrons da
corrente com outras partículas do condutor. Durante a colisão, a
transformação de energia elétrica em calor é integral.

Prof. Deivson Rodrigues Martins


Resistência do Corpo Humano
ELETRICIDADE

 Energia Solar  Usina Hidrelétrica


 Energia Mecânica  Usina Termoelétrica
 Energia Química  Usina Nuclear
 Energia Eólica  Usina Eólica
 Energia Térmica  Pilha
 Energia Sonora  Dínamo
 Energia Nuclear (atômica)

Prof. Deivson Rodrigues Martins 32


SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO

TRANSMISSÃO

DISTRIBUIÇÃO

UTILIZAÇÃO
(CONSUMO)

Prof. Martins 33
SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO: Usinas – 13,8 KV – Itaipu; Ilha Solteira, Jupiá; Americana; etc.


Subestação Elevadora

TRASMISSÃO: Linhas / Torres de Transmissão – 138 KV (69KV-440KV-600KV)


(AT) Subestação Mantenedora – Longas distâncias – Subestação Abaixadora

DISTRIBUIÇÃO: Linhas primária e secundária – Cidades – 11,95KV / 13,8 KV


(MT) Transformadores de Distribuição – 220V / 127V

UTILIZAÇÃO: Consumidores – 220V / 127V (380V / 440V)


(BT)

Prof. Martins 34
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA

Prof. Martins 35
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA

Prof. Martins 36
SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA

Prof. Martins 37
TRABALHOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

 Projeto
 Construção
 Montagem
 Operação
 Manutenção das instalações elétricas
 Quaisquer serviços realizados nas proximidades das instalações elétricas

Prof. Deivson Rodrigues Martins 38


MORTE POR CHOQUE ELÉTRICO POR
REGIÃO DE 2013 A 2017
(DADOS ABRACOPEL)

Prof. Deivson Rodrigues Martins 39


Prof. Deivson Rodrigues Martins