Você está na página 1de 26

CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Potencial Elétrico
Considere um condutor elétrico

O potencial elétrico (V) representa a energia potencial elétrica por unidade


de carga sendo:
VA = ( PA / q0) e VB = ( PB / q0)

–V é o potencial elétrico do ponto;


– P é a energia potencial elétrica de q0 no ponto;
– q0 é a quantidade de carga elétrica do portador de carga, colocado no ponto.

No s.i. (Sistema internacional de unidades) temos:  P (Joule) = V (Volt)


q0 (Coulomb)
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Tensão Elétrica ou ddp


i

Chama-se tensão elétrica ou diferença de potencial (ddp), entre os pontos A


e B, a relação:
UAB = VA - VB
Onde UAB representa a diferença de potencial elétrico entre pontos A e B, medida em Volt (V).

E sobre o movimento dos portadores de carga elétrica podemos afirmar:


1– Para que os portadores de carga se movimentem ordenadamente, é necessário que eles
estejam sujeitos a uma diferença de potencial
2– O sentido da corrente elétrica convencional é do potencial elétrico maior para o potencial
elétrico menor, sendo que os elétrons se movimentam, espontaneamente, no sentido contrário,
ou seja, do menor para o maior potencial.
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Corrente Elétrica

Chama-se corrente elétrica o movimento ordenado de cargas elétricas.


De uma forma simplificada, dizemos que o valor da intensidade de corrente elétrica (i) é:
i = Q / t
Onde Q é a carga elétrica total que flui por um determinado ponto de um condutor, durante o
intervalo de tempo t.
A unidade de intensidade de corrente elétrica é o ampére – (A), correspondente ao fluxo de
1 coulomb em 1 segundo (1C/s), ou seja 1 A.
Vale apena ressaltar que é a existência de tensão elétrica, que propicia a existência do fluxo
ordenado de cargas, ou seja, a CORRENTE ELÉTRICA é uma consequência da TENSÃO
ELÉTRICA.
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Corrente Elétrica

Chama-se corrente elétrica o movimento ordenado de cargas elétricas.


De uma forma simplificada, dizemos que o valor da intensidade de corrente elétrica (i) é:
i = Q / t
Onde Q é a carga elétrica total que flui por um determinado ponto de um condutor, durante o
intervalo de tempo t.
A unidade de intensidade de corrente elétrica é o ampére – (A), correspondente ao fluxo de
1 coulomb em 1 segundo (1C/s), ou seja 1 A.
Vale apena ressaltar que é a existência de tensão elétrica, que propicia a existência do fluxo
ordenado de cargas, ou seja, a CORRENTE ELÉTRICA é uma consequência da TENSÃO
ELÉTRICA.
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Dualidade Elétrica x Hidráulica

Como podemos observar a Tensão Elétrica (V) corresponde a Pressão (P) no Reservatório,
enquanto a Corrente Elétrica (i) é representada pelo Fluxo Hidráulico (Q).
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Corrente Alternada e Contínua

C.A.

A característica fundamental à ser


observada na corrente alternada (C.A.) é
que o valor da tensão elétrica se alterna
entre valores positivos e negativos no
decorrer do tempo enquanto na corrente
C.C. contínua (C.C.) este valor se mantém
sempre positivo ou negativo e jamais se
alterna no decorrer do tempo.
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Circuito Elétrico
CONCEITOS BÁSICOS ELÉTRICA

Tipos de Bipolos
Num circuito elétrico, podemos identificar três componentes básicos:

RESISTOR - dissipa a energia elétrica na forma de calor.

Símbolo: Ohm ()

INDUTOR - armazenam a energia elétrica num campo magnético.

Símbolo: Henry (H)

CAPACITOR - armazena a energia elétrica num campo elétrico.

Símbolo: Farad (F)


CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

TERMOS E DEFINIÇÕES
- INSTRUMENTAÇÃO: Ciência que aplica e desenvolve técnicas de medição,
indicação, registro e controle de processos, visando a
otimização na eficiência destes;
- AUTOMAÇÃO: Sistema automático pelo qual os mecanismos controlam seu
próprio funcionamento, quase sem a interferência humana;
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Terminologia
- RANGE (FAIXA DE MEDIÇÃO): -Conjunto de valores compreendidos entre o limite
inferior e o limite superior da capacidade de medida
ou transmissão de um instrumento;
-Forma de expressão determinando-se os valores
extremos:
Ex: 20 ~ 150ºC; 0 ~ 10PSI; 0 ~ 500V.

- SPAN (ALCANCE): -Diferença algébrica entre o valor inferior e o valor


superior da capacidade de um instrumento;
Ex: O span de um instrumento cujo range é 20 ~
150ºC é 130ºC.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Terminologia (cont.)
- ERRO: -Diferença entre o valor lido ou transmitido por um
instrumento e o valor real da variável medida;

-ERRO ESTÁTICO: -Erro derivado de um processo em regime permanente (que


não varia em função do tempo) pode ser positivo ou
negativo.

-ERRO DINÂMICO: -Erro derivado do atraso da transferência da energia do meio


para o processo;
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Terminologia (cont.)
- PRECISÃO: -Maior valor de erro estático de um instrumento na sua faixa
de trabalho.
-Precisão em porcentagem do alcance (span):
-Ex: Precisão de +/-0,5% do span de um instrumento cujo
alcance é 200Bar.
+/-(0,5/100)*200Bar = +/-1Bar
Portanto se ele indicar 80Bar a pressão estará, de fato, entre
79 e 81Bar.
-Precisão em unidade variável:
-Ex: Precisão de +/-2Bar.
-Precisão em porcentagem do valor medido:
-Ex: Precisão de +/-0,5% do valor de 80Bar medido em um
instrumento cujo alcance é 200Bar.
80Bar +/- (0,5/100*80Bar) = 80Bar +/- 0,4Bar portanto a
pressão estará, de fato, entre 79,6 e 80,4Bar.
Esta precisão pode variar ao longo da escala do instrumento.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Terminologia (cont.)
-Precisão em porcentagem do fundo da escala ou span (alcance) máximo :
-Ex: Precisão de +/-0,5% do valor medido em um
instrumento cujo span é 50 ~ 250Bar.
+/-(0,5/100)*250Bar = +/-1,25Bar
Portanto se ele indicar 80Bar a pressão estará, de fato, entre
78,75 e 81,25Bar.

- ZONA MORTA: -E a maior variação permitida que não produza movimento


perceptível no instrumento.
-Ex: Um instrumento com range de 0 ~ 200Bar possui uma
zona morta de 0,1% do span.
+/-0,1% = (0,1/100*200Bar) = +/-0,2Bar
Portanto se a pressão variar em até 0,2Bar o instrumento
não apresentará resposta alguma.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Terminologia (cont.)
- HISTERESIS: -É a diferença máxima apresentada por um instrumento,
para o mesmo valor de entrada, quando a variável percorre
toda sua escala nos sentidos ascendente e descendente.

Ex: No instrumento com a curva de resposta acima com


range de 0 ~ 200ºC a histeresis é 0,2%.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Classificação por função


-Detector - São dispositivos com os quais conseguimos detectar alterações na
variável do processo.
-Transmissor - Instrumento que tem a função de converter sinais do detector em
outra forma capaz de ser enviada à distância.
-Indicador - Instrumento que indica o valor da quantidade medida enviada pelo
detector ou transmissor.
-Registrador - Instrumento que registra graficamente valores instantâneos
medidos ao longo do tempo, valores estes enviados pelo detector
ou transmissor.
-Conversor - Instrumento cuja função é a de receber uma informação na forma
de um sinal alterar esta forma e a emitir como um sinal de saída
proporcional ao de entrada.
-Controlador - Instrumento que compara o valor medido com o desejado e
baseado na diferença entre eles, emite sinal de correção para a
variável manipulada a fim de que essa diferença seja igual a zero.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Classificação por sinal de saída


-On-off - Instrumento que converte um sinal de variável de processo
(pontual) em um sinal binário do tipo contato seco.
-Analógico - Instrumento que converte um sinal de variável de processo em um
sinal elétrico proporcional a este.
-Digital - Instrumento que converte um sinal de variável de processo em um
“pacote de informações” utilizando uma linguagem específica
denominada protocolo de comunicação.
-Pneumático - Instrumento que converte um sinal de variável de processo
(pontual ou proporcional) em sinal pneumático.
-Radio -Instrumento que converte um sinal de variável de processo
em um sinal de radio frequência.
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Transmissores conceitos básicos


CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Sinais padrões dos transmissores


CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Evolução dos transmissores


CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Transmissor Smart
Blocos de um transmissor smart
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Transmissor Inteligente
Blocos de um transmissor inteligente
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Evolução dos transmissores


CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Analógico X Inteligente
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Protocolo HART
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Protocolo HART
CONCEITOS GERAIS INSTRUMENTAÇÃO

Protocolo HART